Google+ Followers

terça-feira, 11 de julho de 2017

Ghibli Museum: an unforgettable visit to the fantastic universe of Hayao Miyazaki in Japan. - Museu Ghibli: uma visita inesquecível ao universo fantástico de Hayao Miyazaki no Japão.

When you walk down Kichijoji Avenue, in the shade of tall, green trees in Mitaka's Inokashira Park, you will find a colorful building. Facing a sign that says 'Ghibli Museum, Mitaka', a large Totoro welcomes you. Open the door and be welcome to Wonderland! When the sun is shining, the vivid colors of the stained glass windows are reflected in light splatters on the stone floors. "

Picture 1

This is the precise description of the first moments of the visit to the Ghibli Museum in Japan. The museum, founded in October 2001, is housed in a park in Mitaka, a city west of Tokyo. A building with unique contours, very colorful, covered and surrounded by nature, is aimed at adults and children and is dedicated to art and animation technique. We had the pleasure of seeing the museum and came to share how it was all about this experience!

Tickets

Tickets for people over 19 years old cost ¥ 1000, the equivalent of $ 30, and can be purchased online at the museum's website, but it is good to be aware of the availability of dates and times as they are limited. We purchased the tickets for June 26th more than 45 days in advance as soon as they became available. On the 10th of each month they make the tickets available for the following month, and two or three days after the vacancies were opened, there were no more reservations on sale. To avoid the discomfort of space stocking, they divide entry availability at four different times, so in addition to the date, you should choose the time you want to enter the museum.

Picture 2


Access

The way we chose was to go by train. Mitaka Station is about 2 km from the museum, and you can go walking, bordering the park, or take one of the themed yellow buses that the museum itself offers.

In the Inokashira park, a strategically placed sign signals the entrance to the Museum and our first contact with the fantastic universe of Miyazaki is already with the giant and friendly Totoro (and some soot) who watch us through the glass and indicate the entrance of visitors.

Picture 3

With bookings printed and our passports handy, we arrived at the reception of that peculiar building of curved portals and windows, many windows and doors in well-carved wood. The plants take part of the building and, as they climb from the garden from the ground floor to the terrace through the walls and stairs, bring the harmony of this structure of masonry to the nature that surrounds it.

Outside is a three-storey building quite covered in plants, of unusual shape, with a large garden on the terrace.

Picture 4

The first steps inside the museum already alerted us that fantasy was present there. The reception room has a vaulted ceiling, with watercolors of plants climbing the columns and finding a smiling sun, while several characters from the animations produced by Studio Ghibli intersect the branches of the vine.

Vaulted ceiling, with watercolor plants and flying characters and a smiling sun in the center. Find Kiki, Totoro and other characters on the ceiling.

Picture 5

At that moment we were identified, we received the tickets to watch one of several animation shorts that pass in the projection room of the museum itself, a booklet with a map of all the floors and, to our unhappiness, the banning warning of photos and Video recordings throughout the interior of the building. Each ticket is unique to each visitor, and consists of a fragment of three film frames from any of the Studio movies. Mine was a part of the movie Howl's Moving Castle.

Picture 6

Inside the museum: floor to floor

On the ground floor, where we enter, there is a large hall that goes beyond all three floors and reaches a large glass vault. Before it, an exhaust fan slowly turns its five propellers in the form of airplane wings. In the same place there is a lift, in a retro style, which gives access to the other two floors, as well as there is a staircase to the second floor. Both the stair railing and the guard rails of the other floors that overlook the hall are carved into the wood and there are colored stones on the iron rods, a care for detail that brought me to the care of Disney parks. The walls, as well as the entire building, have very colorful stained glass windows overlooking all the works produced by Studio and are a treat to visitors.

Still on the ground floor, there is the projection room "Saturn Theater", where the movie from which we received the ticket is displayed. Each visitor can only watch the projection once. There is also the permanent exhibition room called "The Beginning of the Movement", which shows the history and science behind the animation, and where I highlight a zootrope called "Bouncing Totoro" with various characters from the forest in a hypnotizing animation.

Picture 7


On the second floor, the permanent exhibition room "Where a movie is born" replicates Hayao Miyazaki's studio and studio, with its large library full of reference books, sketches, ideas, and various illustrations on the walls, as well as the different phases Creation, from the sketch to the background of the films.

There is also the special exhibition, which lasts about a year. The exhibition that began at the end of May 2017 (and will be there until May 2018) is titled "Delicious! Animating Memorable Meals, "and reminds visitors of several passages of the animations that surround the characters in their feeding moments. It shows details of frame-by-frame designs, such as Ponyo eating her ham, as well as the process for coloring the scenes, exemplified by the time when Princess Mononoke eats a piece of meat. There are also life-size replicas of My Neighbor Totoro's kitchen and the tight space in the kitchen of the Tiger Moth airship in the movie Castle in the Sky, where Sheeta cooked for the whole crew.

On the third floor is the museum shop, called "Mamma Aiuto!" (A reference to Porco Rosso) and has a great variety of products for sale, from model aircraft to socks, obviously all related to Studio and its works. Here is a tip for those who did not get tickets, but go to Tokyo and would like to have access to the licensed products: there is a museum store, much larger and with many more products, at Tokyo Sky Tree Shopping.

Still on the third floor there is a book store with several children's titles and, next to it, a room with the Gato Bus (from Meu Neighbor Totoro), where children can have fun climbing the toy. From this room, by means of a spiral staircase, surrounded by a grid similar to a cage, and almost completely covered with plants, gives access to the terrace of the building, which has a garden and a large Soldier Robot of the movie Castle in the Sky. In this outdoor area it is allowed to photograph.

figure 8

Going down to the second floor, in the outer area of ​​the building, there is the Straw Hat cafe, a cafe that sells various foods, drinks and desserts. Since it was hot, we bet on the apple ice cream and we do not regret it.

Only a negative point, but I emphasize to be important, of the museum: the descriptive tables, which explain in greater detail the works that are represented in the permanent and special exhibitions, as well as the subtitles of the short that is displayed, are all in Japanese. I think that, since there are tourists from all over the world having access to museum tickets, there should also be accessibility to information for those who do not speak Japanese.

Our visit to the Museum, going at a leisurely pace and trying to observe all its details, lasted about two hours. The advantage of having limited tickets and different entry times makes it not over crowded during your visit.

The details, the colors and the contours of the building are part of the fantastic world, which involves nature and technology, which Hayao Miyazaki has always contemplated in his films, and knowing the museum was an unforgettable experience.
Ghibli Museum

Opening hours: 10am to 6pm. The museum usually closes on Tuesdays and at certain times of the year for maintenance and holidays, so it's also worth keeping an eye on their calendar.
Tickets: Over 19 years: ¥ 1,000 (R $ 28.60). 13-18 years: ¥ 700 (R $ 20,00). 7-12 years: ¥ 400 (R $ 11.44). 4-6 years: ¥ 100 (R $ 2.86). Children under 4 years old do not pay admission. The converted values ​​were with the quotation today, 10/7.

There are no tickets on sale at the museum. They should be purchased online or at the Lawson convenience store, subject to availability.

Accessibility: Wheelchair visitors will have easy access to the three floors of the museum, but will not reach the terrace garden, accessible only by the spiral staircase. Visitors with hearing impairment may require borrowing devices at Saturn Theater, but audios are available in Japanese only.

Emília has a PhD in Ecology, loves photographs, travels and a well told story. He was in Japan in June and told this story especially to us!





Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.



--br

Museu Ghibli: uma visita inesquecível ao universo fantástico de Hayao Miyazaki no Japão.

Quando você anda pela Avenida Kichijoji, à sombra das árvores altas e verdes do Parque Inokashira de Mitaka, você encontra um prédio colorido. De frente à uma placa que diz ‘Ghibli Museum, Mitaka’, um grande Totoro dá-lhe as boas-vindas. Abra a porta e seja bem-vindo ao país das maravilhas! Quando o sol está brilhando, as cores vivas dos vitrais coloridos são refletidas em salpicos de luz nos pisos de pedra.”

imagem 1

Essa é a descrição precisa dos primeiros momentos de quem visita o Museu Ghibli, no Japão. O museu, fundado em outubro de 2001, fica em um parque de Mitaka, cidade a oeste de Tóquio. Um prédio com contornos únicos, bastante colorido, coberto e rodeado por natureza, tem como público alvo adultos e crianças e é dedicado à arte e à técnica de animação. Tivemos o prazer de conhecer o museu e vim dividir como foi toda essa experiência!

Ingressos

Os ingressos para maiores de 19 anos custam ¥1000, o equivalente a R$30, e podem ser comprados online no site do próprio museu, mas é bom estar atento à disponibilidade de datas e horários, pois são limitados. Nós compramos os ingressos para o dia 26 de junho com mais de 45 dias de antecedência, tão logo eles ficaram disponíveis. No dia 10 de cada mês eles disponibilizam os tickets para o mês seguinte, e dois ou três dias depois de abertas as vagas já não havia mais reservas à venda. Para evitar o desconforto da lotação do espaço, eles dividem a disponibilidade de entrada a quatro horários diferentes, então, além da data, você deverá escolher o horário que deseja entrar no museu.

imagem 2

Acesso

A forma que escolhemos foi ir de trem. A estação de Mitaka dista cerca de 2 km do museu, e você pode ir caminhando, bordejando o parque, ou pegar um dos ônibus amarelos tematizados que o próprio museu oferece.

No parque Inokashira, uma placa estrategicamente colocada sinaliza a entrada do Museu e o nosso primeiro contato com o universo fantástico de Miyazaki já é com o gigante e simpático Totoro (e algumas fuligens) que nos observam através do vidro e indicam a entrada de visitantes.

imagem 3

Com as reservas impressas e nossos passaportes à mão, chegamos à recepção daquela edificação peculiar de portais e janelas curvos, muitas vidraças e portas em madeira bem talhada. As plantas tomam parte do prédio e, ao subirem do jardim do térreo ao terraço pelas paredes e escada, trazem a harmonia dessa estrutura de alvenaria à natureza que a cerca.

Por fora é um prédio de três andares bastante coberto por plantas, de formato incomum, com um amplo jardim no terraço.

imagem 4

Os primeiros passos dentro do museu já nos alertavam que a fantasia estava presente ali. A sala da recepção tem um teto abobadado, com aquarelas de plantas subindo pelas colunas e encontrando um Sol sorridente, enquanto diversos personagens das animações produzidas pelo Studio Ghibli entremeiam os ramos da trepadeira.

Teto abobadado, com aquarela de plantas e personagens voando e um sol sorridente no centro. Encontre Kiki, Totoro e outros personagens no teto.

imagem 5

Nesse momento que fomos identificados, recebemos os tickets para assistirmos à um dos vários curtas de animação que passam na sala de projeção do próprio museu, um encarte com um mapa de todos os andares e, para nossa infelicidade, o alerta de proibição de fotos e gravações de vídeo em todo o interior do prédio. Cada ticket é exclusivo para cada visitante, e consiste de um fragmento de três frames da película de algum dos filmes do Studio. O meu foi uma parte do filme O Castelo Encantado (Howl’s Moving Castle).

imagem 6

Dentro do museu: andar por andar

No andar térreo, por onde entramos, há um grande hall que ultrapassa todos os três andares e alcança uma grande abóbada de vidro. Antes dela, um exaustor gira lentamente suas cinco hélices em forma de asas de avião. No mesmo lugar há um elevador, em um estilo retrô, que dá acesso aos outros dois pisos, bem como há uma escada para o segundo andar. Tanto o corrimão da escada, quanto as grades de proteção dos outros andares que dão vista para o hall tem entalhes na madeira e há pedras coloridas nas hastes de ferro, num cuidado aos detalhes que me remeteu ao esmero dos parques da Disney. As paredes, bem como do prédio inteiro, possuem janelas com vitrais muito coloridos contemplando todas as obras produzidas pelo Studio e são um deleite para os visitantes.

Ainda no térreo, existe a sala de projeção “Saturn Theater”, onde o filme do qual recebemos o ingresso é exibido. Cada visitante só pode assistir à projeção uma vez. Há também a sala com exposição permanente denominada “O início do movimento”, que mostra a história e ciência por trás da animação, e onde eu destaco um zootropo chamado “Bouncing Totoro”, com diversos personagens da floresta em uma animação hipnotizante.

imagem 7


No segundo andar, a sala de exposição permanente “Onde um filme nasce” replica o escritório e o ateliê de Hayao Miyazaki, com sua ampla biblioteca repleta de livros de referência, esboços, ideias, e diversas ilustrações coladas nas paredes, além das diferentes fases de criação, do esboço ao plano de fundo dos filmes.

Também há a exposição especial, que dura cerca de um ano. A exposição que teve início no final de maio de 2017 (e ficará lá até maio de 2018) é intitulada “Delicious! Animating Memorable Meals”, e relembra aos visitantes várias passagens das animações que envolvem os personagens em seus momentos de alimentação. Mostra detalhes dos desenhos frame-a-frame, como Ponyo comendo seu presunto, bem como o processo para colorir as cenas, exemplificado pelo momento em que a Princesa Mononoke come um pedaço de carne. Há também réplicas em tamanho real da cozinha de Meu Vizinho Totoro e do apertado espaço da cozinha do dirigível Tiger Moth do filme O Castelo no Céu (Castle in the Sky), onde a Sheeta cozinhou para toda a tripulação.

No terceiro andar está a lojinha do museu, chamada “Mamma Aiuto!” (uma referência a Porco Rosso) e possui uma grande variedade de produtos à venda, de aeromodelos a meias, obviamente todos relacionados ao Studio e às suas obras. Aqui vai uma dica para quem não conseguiu ingresso, mas vai a Tóquio e gostaria de ter acesso aos produtos licenciados: há uma loja do próprio museu, bem maior e com muito mais produtos, no Shopping da Tokyo Sky Tree.

Ainda no terceiro piso há uma loja de livros com diversos títulos infantis e, ao lado, uma sala com o Ônibus Gato (de Meu Vizinho Totoro), onde as crianças podem se divertir escalando o brinquedo. A partir desta sala, por meio de uma escada em espiral, rodeada por uma grade semelhante a uma gaiola, e quase totalmente coberta de plantas, dá acesso ao terraço do prédio, que possui um jardim e um grande Robô Soldado do filme Castle in the Sky. Nesta área externa é permitido fotografar.

imagem 8

Descendo para o segundo andar, já na área externa do prédio, há o Straw Hat cafe, um café que vende várias comidinhas, bebidas e sobremesas. Como estava quente, apostamos no sorvete de maçã e não nos arrependemos.

Apenas um ponto negativo, mas ressalto ser importante, do museu: os quadros descritivos, que explicam com maior detalhe as obras que estão representadas nas exposições permanentes e especial, bem como as legendas do curta que é exibido, são todas em japonês. Penso que, uma vez que há turistas de todo o mundo tendo acesso aos ingressos do museu, deveria haver também acessibilidade às informações para quem não domina a língua nipônica.

Nossa visita ao Museu, indo em um passo tranquilo e tentando observar todos os seus detalhes, durou cerca de duas horas. A vantagem de ter ingressos limitados e horários de entrada diferentes faz com que não esteja super lotado durante sua visita.

Os detalhes, as cores, os contornos do prédio fazem parte de todo o mundo fantástico, que envolve natureza e tecnologia, que Hayao Miyazaki sempre contemplou em seus filmes, e conhecer o museu foi uma experiência inesquecível.
Ghibli Museum

Horário de funcionamento: 10h às 18h. O museu fecha normalmente às terças e em alguns períodos do ano para manutenção e feriados, então vale a pena também ficar de olho no calendário deles.
Ingressos: Acima de 19 anos: ¥1,000 (R$ 28,60). 13-18 anos: ¥700 (R$ 20,00). 7-12 anos: ¥400 (R$ 11,44). 4-6 anos: ¥100 (R$ 2,86). Crianças menores de 4 anos não pagam ingresso. Os valores convertidos foram com a cotação de hoje, 10/7.

Não existem tickets à venda no museu. Eles devem ser comprados online ou na loja de conveniência Lawson, conforme disponibilidade.

Acessibilidade: Visitantes em cadeiras de rodas terão acesso fácil aos três andares do museu, porém não chegarão ao jardim do terraço, acessível apenas pela escada espiral. Visitantes portadores de deficiência auditiva podem requerer, para empréstimo, aparelhos no Saturn Theater, porém os áudios são disponíveis apenas em japonês.

Emília é doutora em Ecologia, ama fotografias, viagens e uma história bem contada. Esteve no Japão em junho e contou essa história especialmente pra gente!










Study Finds Museum Salaries Are Rising Across the Board, Despite Huge Disparities. - Estudo descobre que os salários dos museus estão crescendo em todo o conselho, apesar das enormes disparidades.

While salaries rose by 3% in 2016, museum directors are making about nine times what security guards do, according to the Association of Art Museum Directors.



Nearly one quarter of executive directors at museums in North America are either provided with a car or an allowance for one, but only 2.5% of non-executive museum staff enjoy the same perk. Meanwhile, just one in five non-executive museum workers receive some kind of subsidy for their mass transit expenses. These are among the findings of the Association of Art Museum Directors’ (AAMD) salary survey for 2017, released last week. While it suggests that salary growth across the museum field has outpaced national salary growth rates, it also shows the vast disparities in compensation between different sectors of the museum industry.

The study, AAMD’s 32nd annual tabulation of salary information, was conducted in partnership with the data consultancy Stax Inc. It is based on data from 2011 to 2016 provided by 219 of the group’s 242 member institutions. It shows some interesting overall data at the national level for the US, like that 35% of the participating museums have between 21 and 50 employees, while 27% have over 100, and just 3% have 10 or fewer. A related graph shows that nearly one third (32%) of responding institutions had an annual operation budget of between $2.5 and $5 million last year, while 21% had budgets of over $20 million — including six participating museums with budgets over $100 million — while just 1% of museums reported a budget of less than $1 million. Unsurprisingly, while smaller museums rely disproportionately on freelancers, large museums mostly employ full-time workers. Nearly half of the responding museums (42%) spend about half of their budgets (41–50%) on payroll.

In addition to the disparities in transportation allowances for executive directors and non-executives, the study provides details on all kinds of benefits enjoyed by (or withheld from) museum workers. For instance, a little over a quarter of museum workers were allowed to telecommute in 2016. Another benefit doled out in relatively equal measure to executive and non-executive workers is attendance at professional conferences: just over 90% of executives were offered this perk in 2016, and over 86% of non-executive workers were, too. Meanwhile, as of last year regular full-time museum workers could expect 14 days of paid time off in their first year at an institution, with about an extra day off for every year of employment. A full 59% of responding museums offer cafeteria plans.

However, the most interesting section of the report is the one that breaks down compensation by job title. There, we see that the mean annual salary for a North American museum director is $293,988, and that there are vast disparities between regions. Among the 10 Canadian and Mexican museums that provided data, directors earn a mean salary of $204,782 annually, while their best-paid colleagues in the US, those in the western states, earn $368,986. (The director’s assistant, however, earns just $57,424.) Deputy directors earn a mean annual salary of $173,572, while chief operation officers receive $172,872. The mean annual salary for a chief curator is $143,412, while directors of development earn $133,345. Chief conservators fare reasonably well, with a mean salary of $118,271, slightly surpassing the $111,941 earned by directors of external affairs. For 2011 to 2016, the salary growth rate was highest among museum workers for chief operating officers, who saw their salaries increase at a compound annual growth rate of 5.5% — nearly twice the rate of growth for the whole field. Last year alone, the mean average salary of a museum worker went up 2.8%.

At the low end of the compensation spectrum, the increasingly high-profile job of social media manager (described by AAMD, tellingly, as “New Media Manager”) comes with a mean annual salary of $53,072. That’s still better than the typical curatorial assistant, who earns just $42,458, though a promotion to assistant curator could mean a bump to a mean annual salary of $55,999 — well ahead of their British colleagues. Meanwhile institutional photographers, charged with making high-quality images of artworks and exhibits, typically earn $61,230. The mean annual salary for a museum security guard is just under $34,000, though Canadian and Mexican museum security guards (based on the five institutions that provided data in this category) earn nearly $10,000 more than their US colleagues.


Though the study is an instructive breakdown of salaries and benefits at different levels of the museum workforce and in different regions, it would be interesting to see this data cross-referenced with recent studies about the lack of racial diversity and gender equality in different sectors of the industry. Still, for someone considering applying for arts administration jobs and torn between, say, a position in membership services and one in special events, the 2017 Salary Survey may make that decision much simpler.









Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.











--br via tradutor do google
Estudo descobre que os salários dos museus estão crescendo em todo o conselho, apesar das enormes disparidades.

Enquanto os salários aumentaram 3% em 2016, os diretores de museus estão fazendo cerca de nove vezes o que os guardas de segurança fazem, de acordo com a Associação de Diretores de Museus de Arte.

Quase um quarto dos diretores executivos em museus na América do Norte são fornecidos com um carro ou um subsídio para um, mas apenas 2,5% da equipe não-executiva do museu desfruta da mesma vantagem. Enquanto isso, apenas um em cinco trabalhadores não-executivos do museu recebe algum tipo de subsídio para as despesas de trânsito em massa. Estes estão entre os resultados da pesquisa de salários da Associação de Diretores de Museus de Arte (AAMD) para 2017, divulgada na semana passada. Embora sugira que o crescimento salarial em todo o campo do museu superou as taxas de crescimento salarial nacional, também mostra as grandes disparidades de compensação entre diferentes setores da indústria do museu.

O estudo, a 32ª tabulação anual de informações salariais da AAMD, foi conduzido em parceria com a consultoria de dados Stax Inc. Baseia-se em dados de 2011 a 2016 fornecidos por 219 das 242 instituições membros do grupo. Ele mostra alguns dados gerais interessantes a nível nacional para os EUA, assim 35% dos museus participantes têm entre 21 e 50 funcionários, enquanto 27% têm mais de 100 e apenas 3% têm 10 ou menos. Um gráfico relacionado mostra que quase um terço (32%) das instituições respondentes tinham um orçamento de operação anual de entre US $ 2,5 e US $ 5 milhões no ano passado, enquanto 21% tinham orçamentos de mais de US $ 20 milhões - incluindo seis museus participantes com orçamentos acima de US $ 100 milhões - enquanto Apenas 1% dos museus relataram um orçamento de menos de US $ 1 milhão. Sem surpresa, enquanto os museus menores dependem desproporcionalmente de freelancers, grandes museus empregam empregados em tempo integral. Quase metade dos museus respondentes (42%) gastam cerca de metade de seus orçamentos (41-50%) na folha de pagamento.

Além das disparidades em subsídios de transporte para diretores executivos e não executivos, o estudo fornece detalhes sobre todos os tipos de benefícios de que gozam (ou retidos) os trabalhadores do museu. Por exemplo, um pouco mais de um quarto dos trabalhadores do museu foram autorizados a telecomutar em 2016. Outro benefício distribuído em medidas relativamente iguais aos executivos e não executivos é o comparecimento em conferências profissionais: pouco mais de 90% dos executivos receberam essa vantagem em 2016, e mais de 86% dos trabalhadores não-executivos também foram. Entretanto, a partir do ano passado, os trabalhadores regulares de museus a tempo inteiro poderiam esperar 14 dias de prazo pago no primeiro ano em uma instituição, com um dia de folga extra por cada ano de emprego. Um total de 59% dos museus respondentes oferecem planos de cafeteria.

No entanto, a seção mais interessante do relatório é a que divide a compensação pelo título do trabalho. Lá, vemos que o salário anual médio para um diretor de museu norte-americano é de US $ 293.988 e que existem grandes disparidades entre as regiões. Entre os 10 museus canadenses e mexicanos que forneceram dados, os diretores ganham um salário médio de US $ 204.782 por ano, enquanto seus colegas mais bem pagos nos EUA, aqueles nos estados ocidentais, ganham US $ 368.986. (O assistente do diretor, no entanto, ganha apenas US $ 57.424.) Os diretores-adjuntos ganham um salário anual médio de US $ 173.572, enquanto os oficiais-chefe da operação recebem US $ 172.872. O salário anual médio para um curador chefe é de US $ 143.412, enquanto os diretores de desenvolvimento ganham US $ 133.345. Os conservadores principais são razoavelmente bons, com um salário médio de $ 118.271, superando ligeiramente os $ 111.941 obtidos por diretores de assuntos externos. Para 2011 a 2016, a taxa de crescimento salarial foi maior entre os trabalhadores do museu para os principais funcionários, que viram seus salários aumentarem a uma taxa de crescimento anual composta de 5,5% - quase o dobro da taxa de crescimento para todo o campo. Somente no ano passado, o salário médio médio de um trabalhador do museu subiu 2,8%.

No extremo inferior do espectro de compensação, o cargo de gerente de mídia social cada vez mais alto (descrito pela AAMD, como "New Media Manager") vem com um salário médio anual de $ 53,072. Isso ainda é melhor do que o típico assistente de curadoria, que ganha apenas US $ 42.458, embora uma promoção para curador assistente possa significar uma colisão para um salário anual médio de US $ 55.999 - bem antes dos colegas britânicos. Enquanto isso, os fotógrafos institucionais, encarregados de fazer imagens de alta qualidade de obras de arte e exposições, geralmente ganham US $ 61.230. O salário anual médio para um guarda de segurança do museu é pouco menos de US $ 34.000, embora os guardas de segurança dos museus canadenses e mexicanos (com base nas cinco instituições que forneceram dados nesta categoria) ganham quase US $ 10.000 mais do que seus colegas dos EUA.

Embora o estudo seja uma quebra instrutiva de salários e benefícios em diferentes níveis da força de trabalho do museu e em diferentes regiões, seria interessante ver esses dados referenciados com estudos recentes sobre a falta de diversidade racial e igualdade de gênero em diferentes setores de a industria. Ainda assim, para alguém considerando se candidatar a empregos de administração de artes e dividido entre, por exemplo, um cargo em serviços de membros e um em eventos especiais, o Inquérito Salarial 2017 pode tornar essa decisão muito mais simples.



Amazonian artist biojoys arrive at the Whitney Museum in New York. - Biojoias de artista amazonense chegam no Whitney Museum, em Nova York.

It is the second step in the international expansion of the designer, whose work is already being marketed in Lisbon, in the elegant Casa Pau-Brasil. In Brazil, the brand has stores in Shopping Leblon and in the International Airport of Rio de Janeiro, Brazil.


That the tropical trends of Brazilian culture are on the rise we all know. Now, specifically the Amazonian art will invade one of the most visited cultural centers of New York, the Whitney Museum. And the responsible for the insertion of this art is the Amazonian Maria Oiticica, whose biojoias will be on sale in the American museum later this month. It is the second step in the international expansion of the designer, whose work is already being marketed in Lisbon, in the elegant Casa Pau-Brasil.

In Brazil, the brand has stores in Leblon Shopping and Rio de Janeiro International Airport. "I live with curators of museums and with the medium of the plastic arts in the United States, Europe and Brazil. This approach makes my work known, "he says. "People visit the store or the site, they buy it because they like it and they end up marking the brand for the museum shops. It is interesting that the biojoias just arrived in the Museum and before being exposed they have already made another request ", he adds.

The necklaces, bracelets, earrings, rings and handbags are handcrafted, with seeds, vines, bark, leaves, woods, skins and fish scales, sometimes with silver or gold finish.

On the arrival of the pieces in the United States, Maria affirms that it is a quite significant conquest emotionally. "It brings me back to the beginning of my work when, for the first time, I was formally introduced to the press and the general public. People were asking me, at the time, when I would launch the next collection. He replied that I still needed to show my pieces to the world. Being in Whitney's shop and in Lisbon is part of that. In Europe and the United States they value craftsmanship very much, "says the artist.

The beginning

With 15 years of career, the designer says that she began her work in an unpretentious, hobby way. According to Maria, a few years ago, she found some seeds of cane - the Amazon ivory - and enchanted, she bought the materials with the intention of elaborating something later.

Years later, she had to present the curator of an international museum and thought it was time to put her hand in the dough. "I went out looking for something that represented the Amazon, but I only thought about necklace and bracelets. I looked for gifts and found nothing that pleased me. I decided to do it. I bought some pieces, made a bracelet and gave it as a gift. She was delighted, "reports the artisan.

Since then, Maria Oiticica has not stopped. "I started to develop, I liked it so much and I made several bracelets, I moved with dyeing, I really was delighted," he says.

On a trip to Rio de Janeiro, she exhibited her products in a bazaar at the famous Yacht Club. "I set up my table, which was so beautiful that they asked to put it in the entrance of the place," he recalls. In 2003, she moved to the capital of Rio de Janeiro - a change initially motivated by her husband's business - and there she set her project.

Maria insists on highlighting its roots. As a child, she says she was already cutting out visuals that came in magazines, copying her mother's looks and putting them on cardstock. "Our games were very creative, all of paper, small furniture, then made doll clothes," he says. His father, merchant of the rivers of the Amazon, always brought some elements of the forest, like lianas, seeds and fruits. Everything became a toy in the artistic hands of the family.







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.



--br
Biojoias de artista amazonense chegam no Whitney Museum, em Nova York.

É o segundo passo da expansão internacional da designer, cujo trabalho já está sendo comercializado em Lisboa, na elegante Casa Pau-Brasil. No Brasil, a marca tem lojas no Shopping Leblon e no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro, Brasil.

Que as tendências tropicais da cultura brasileira estão em alta todos nós sabemos. Agora, especificamente a arte amazônica vai invadir um dos centros culturais mais visitados de Nova York, o Whitney Museum. E a responsável pela inserção dessa arte é a amazonense Maria Oiticica, cujas biojoias estarão à venda no museu americano ainda este mês. É o segundo passo da expansão internacional da designer, cujo trabalho já está sendo comercializado em Lisboa, na elegante Casa Pau-Brasil.

No Brasil, a marca tem lojas no Shopping Leblon e no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro. “Eu convivo com curadores de museus e com o meio das artes plásticas nos Estados Unidos, na Europa e no Brasil. Essa aproximação torna o meu trabalho conhecido”, conta. “As pessoas visitam a loja ou o site, compram para si porque gostam e acabam indicando a marca para as lojas dos museus. É interessante que as biojoias acabaram de chegar no Museu e antes de serem expostas já fizeram outro pedido”, complementa. 

Os colares, pulseiras, brincos, anéis e bolsas são criados artesanalmente, com sementes, cipós, casca de árvores, folhas, madeiras, peles e escamas de peixes, por vezes, com acabamento em prata ou ouro.

Sobre a chegada das peças nos Estados Unidos, Maria afirma que é uma conquista bastante significativa emocionalmente. “Me remete ao início do meu trabalho, quando, pela primeira vez, fui apresentada formalmente à imprensa e ao público em geral. As pessoas me perguntavam, à época, quando eu lançaria a próxima coleção. Respondia que eu ainda precisava mostrar minhas peças para o mundo. Estar na loja do Whitney e em Lisboa é parte disso. Na Europa e nos Estados Unidos eles valorizam muito o artesanato”, diz a artista.

O início
Com 15 anos de carreira, a designer conta que iniciou seu trabalho de forma despretensiosa, por hobby. Segundo Maria, há alguns anos, ela encontrou algumas sementes de jarina - o marfim da Amazônia -, e encantada, comprou os materiais com a intenção de elaborar alguma coisa posteriormente. 

Anos depois, precisou presentear a curadora de um museu internacional e achou que era a hora de colocar a mão na massa. “Saí procurando algo que representasse a Amazônia, mas só pensava em colar e pulseiras. Procurei presentes e não encontrei nada que me agradasse. Resolvi fazer. Comprei algumas peças, fiz uma pulseira e dei de presente. Ela ficou encantada”, relata a artesã.

De lá para cá, Maria Oiticica não parou mais. “Comecei a desenvolver, gostei tanto e fiz diversas pulseiras, mexi com tingimento, realmente fiquei encantada”, diz. 

Em uma viagem ao Rio de Janeiro, ela expôs seus produtos em um bazar no famoso Iate Clube. “Arrumei minha mesa, que ficou tão linda que pediram pra colocar na entrada do local”, relembra. Em 2003, ela se mudou para a capital fluminense – mudança motivada inicialmente pelos negócios do marido – e lá fixou o seu projeto.

Maria faz questão de ressaltar suas raízes. Na infância, ela conta que já recortava visuais que vinham em revistas, copiava os looks de sua mãe e colocava-os numa cartolina. “Nossas brincadeiras eram muito criativas, tudo de papel, pequenos móveis, depois fazia roupas de bonecas”, conta. Seu pai, comerciante dos rios da Amazônia, sempre trazia alguns elementos da floresta, como cipós, sementes e frutos. Tudo virava brinquedo nas mãos artísticas da família.