Google+ Followers

terça-feira, 25 de julho de 2017

Intangible Heritage - Ritual of traditional peoples contains scientific programming. In Minas Gerais, Brazil. - Patrimônio imaterial - Ritual de povos tradicionais encerra programação científica. Em Minas Gerais, Brasil.

An unusual meeting between indigenous peoples and reign guards, with more than 200 participants, marked the closing of the scientific program of the 69th Annual Meeting of the Brazilian Society for the Advancement of Science (SBPC), on the night of this Friday, 21 (Watch the video Above, produced by TV UFMG).


Ildeu Moreira and Jaime Ramírez receive blessings at the celebration. Photo: Foca Lisboa / UFMG

"The University receives and pays homage to two of the great roots of Minas Gerais," commented the Director of Cultural Action of UFMG, professor Leda Martins. The cortege left the School of Fine Arts for the Rectory, where authorities and other participants of the event were greeted with singing and celebratory ritual, and finished in the Service Square, with performances of each group and dinner offered by the University.



Participant records presentation. Photo: Foca Lisboa / UFMG

Representatives of the Guarani, Maxakali, Pataxó, Pataxó, Hatafa and Xakriabá Indigenous Peoples and the reigns of the Arturos, Jatobá and Treze de Maio participated in the event. According to Leda Martins, 15 years ago, the UFMG promoted, for the first time, this type of meeting, in the event of ethnomusicology.


Representatives of five ethnic groups participated in the procession. Photo: Foca Lisboa UFMG

The Indians, the first peoples who inhabited the Americas, opened the cortege with songs and were followed by three of the most traditional kingdoms of the capital. First, he joined the procession Reinado Treze de Maio, founded in 1944 by his queen, Isabel Cassimira. Until her death last year, she contributed to several UFMG activities, in Winter Festival editions, lectures and in the set of academic disciplines Transversal Formations.


Courtship walked the streets of the Pampulha campus. Photo: Foca Lisboa / UFMG

Then came the Jatobá reign, whose origins date back to the mid-19th century. The group was listed in 1995 as a cultural heritage of Belo Horizonte. Finally, closing the cortege, came the members of the Community of Arturos, listed as intangible heritage of the state of Minas Gerais and one of the oldest kingdoms of the Metropolitan Region.

More photos of the cortejo are available on Facebook from Facebook da UFMG.





Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.











--br 
Patrimônio imaterial - Ritual de povos tradicionais encerra programação científica. Em Minas Gerais, Brasil. 

Encontro incomum entre povos indígenas e guardas de reinado, com mais de 200 participantes, marcou o encerramento da programação científica da 69ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), na noite desta sexta-fera, 21 (Assista ao vídeo acima, produzido pela TV UFMG).


Ildeu Moreira e Jaime Ramírez recebem bênçãos na celebração. Foto: Foca Lisboa / UFMG 

“A Universidade recebe e presta homenagem a duas das grandes raízes de Minas Gerais”, comentou a diretora de Ação Cultural da UFMG, professora Leda Martins. O cortejo saiu da Escola de Belas Artes para a Reitoria, onde autoridades e demais participantes do evento foram saudados com cantos e ritual celebratório, e terminou na Praça de Serviços, com performances de cada grupo e jantar oferecido pela Universidade.

Participante registra apresentação. Foto: Foca Lisboa / UFMG 

Participaram do evento representantes dos povos indígenas guarani, maxakali, pataxó, pataxó hã hã hãe e xakriabá e os reinados dos Arturos, do Jatobá e Treze de Maio. De acordo com Leda Martins, há 15 anos, a UFMG promoveu, pela primeira vez, esse tipo de encontro, em evento de etnomusicologia.

Representantes de cinco etnias participaram do cortejo. Foto: Foca Lisboa UFMG 

Os indígenas, primeiros povos que habitaram as Américas, abriram o cortejo com cantos e foram seguidos por três dos reinos mais tradicionais da capital mineira. Em primeiro lugar, integrou o cortejo o Reinado Treze de Maio, fundado em 1944 por sua rainha, Isabel Cassimira. Até a sua morte, no ano passado, ela contribuiu com diversas atividades da UFMG, em edições do Festival de Inverno, palestras e no conjunto de disciplinas acadêmicas Formações Transversais.

Cortejo percorreu ruas do campus Pampulha. Foto: Foca Lisboa / UFMG 

Em seguida, entrou o reinado Jatobá, cujas origens remontam a meados do século 19. O grupo foi tombado em 1995 como patrimônio cultural de Belo Horizonte. Por fim, fechando o cortejo, vieram os integrantes da Comunidade dos Arturos, tombada como patrimônio imaterial do estado de Minas Gerais e um dos reinos mais antigos da Região Metropolitana. 

Mais fotos do cortejo estão disponíveis no Facebook da UFMG.



How Creative Destruction Saved Creativity. - Como a Destruição Criativa salvou a criatividade.

The New York Times once ran a piece called “The Creative Apocalypse That Wasn’t,” which used employment data to make a case that the predicted decline of arts careers in the digital age hadn’t come to pass. 



Predictably, the responses from the music industry rolled in, including a thoughtful piece from my former editor Rob Levine in Billboard. Both pieces are worth reading, but they also both miss a number of key points.

Self-Employing Creativity

First, both pieces operate off of a narrow definition of “creative work.” The New York Times piece focuses on a giant data set that includes professional athletes, and then a smaller data set of self-employed musicians; Levine’s refutation responds to these stats. What’s being left out here is the massive number of creative workers who have jumped from self-employment into other creative professions — careers that didn’t exist before the rise of the internet.

There are more avenues to make a living doing creative work than ever before.

Take Bruce Henderson, for example. In 1999, he was a self-employed musician and writer who was booked on Letterman — surely something that would boost his career into the stratosphere. He played the Late Show and sold a grand total of 80 copies of his latest album. Around the same time, he started working at a fledgling website called Agency.com. He was doing creative work, some of it musical, just in a different place. Henderson stayed in the advertising world, eventually become the chief creative officer for North America of Geometry Global. When I spoke to him last month, he was calling from his beach house, so you can guess how things worked out for him.

One thing that’s been largely left out of all these discussions is that there are more avenues to make a living doing creative work than ever before. Almost every day I run by the new Vice offices, which take up almost an entire block in Brooklyn. They employ plenty of creative people to make music and films — and they barely existed 15 years ago. Ditto for any number of agencies and web design shops that hire artsy types to bring their creative minds to work.

Even for artists who don’t want to get a day job, there are more options now than before. Take Matt and Kim, an indie pop duo who haven’t sold many records but have worked with tons of brands and made the rounds on the festival circuit. Before 1999, artists shunned big brands for the most part — but now, bands are expected and even encouraged to partner with brands in order to make money. The rise of other creative industries, including the golden age of TV and the exploding video gaming market, also present opportunities for musicians to license and monetize their creative work. And while plenty of start-ups taketh away, a few also giveth — for example, Flipagram. Artists can now monetize when people use their music to score a photo slideshow or video — something that wouldn’t have been possible even a few years ago.

Expanding the Horizons

The other main failure of the Times piece and the responses is that the data they look at is limited geographically. As someone who has done a fair bit of data journalism, I completely understand the desire not to wade through international data sets, and since the Times is an American publication with a largely American audience, keeping the focus narrow was a fair choice. However, it means a huge part of the story was left out.

Consider, for a moment, the case of Spoek Mathambo, a South African producer and rapper. Born and raised in Soweto, he rose to prominence when his spooky remix of the Joy Division song “She’s Lost Control” and the accompanying video blew up on YouTube; he signed to Sub Pop Records and has worked on a documentary series with Vice.

Would any of this have been possible before the web? Sure, there were international artists, but they had to go through gatekeepers to find broader distribution and a global audience. In Mathambo’s case, he was able to build his career on his YouTube popularity — no international distribution deal needed. All he needed was a laptop, a camera, and some recording software.

In countries where playing music in public is illegal, the web has made all the difference.

For artists in certain countries, the web has made all the difference in the world. Ayham Homsi is a musician and producer in Saudi Arabia — a country where playing music in public is largely illegal. Before the web, he could have maybe recorded albums and given copies to friends; now, he posts his tracks on Soundcloud and YouTube for the whole world to hear.






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.












--br via tradutor do google
Como a Destruição Criativa salvou a criatividade.

O New York Times realizou uma peça chamada "The Creative Apocalypse That Was Not", que usou dados de emprego para fazer um caso de que o declínio previsto das carreiras de artes na era digital não havia acontecido.

Previsivelmente, as respostas da indústria da música entraram, incluindo uma peça pensativa do meu antigo editor, Rob Levine, na Billboard. Ambas as peças valem a pena ler, mas também faltam uma série de pontos-chave.

Criatividade autônoma

Primeiro, ambas as peças operam com uma definição restrita de "trabalho criativo". A peça do New York Times concentra-se em um conjunto de dados gigantes que inclui atletas profissionais e, em seguida, um conjunto de dados menores de músicos independentes; A refutação de Levine responde a essas estatísticas. O que está sendo deixado para fora aqui é o número maciço de trabalhadores criativos que pulou do auto-emprego em outras profissões criativas - carreiras que não existiam antes do surgimento da internet.

Há mais caminhos para ganhar a vida fazendo trabalho criativo do que nunca.

Pegue Bruce Henderson, por exemplo. Em 1999, ele era um músico e escritor autônomo que estava reservado em Letterman - certamente algo que aumentaria sua carreira na estratosfera. Ele jogou o Late Show e vendeu um total de 80 cópias do seu último álbum. Ao mesmo tempo, ele começou a trabalhar em um site incipiente chamado Agency.com. Ele estava fazendo um trabalho criativo, um pouco musical, apenas em um lugar diferente. Henderson ficou no mundo da publicidade, eventualmente se tornou o principal responsável pela criação da North America of Geometry Global. Quando falei com ele no mês passado, ele estava ligando de sua casa de praia, então você pode adivinhar como as coisas funcionaram para ele.

Uma coisa que foi largamente deixada fora de todas essas discussões é que existem mais caminhos para ganhar a vida trabalhando criativo do que nunca. Quase todos os dias eu corro pelos novos escritórios de vice, que ocupam quase um bloco inteiro no Brooklyn. Eles empregam muitas pessoas criativas para fazer música e filmes - e eles mal existiram há 15 anos. Ditto para qualquer número de agências e lojas de design web que contratam tipos artísticos para que suas mentes criativas funcionem.

Mesmo para os artistas que não desejam obter um trabalho diário, existem mais opções do que antes. Pegue a Matt e Kim, uma dupla pop indie que não vendeu muitos discos, mas trabalhou com toneladas de marcas e fez as rodadas no circuito do festival. Antes de 1999, os artistas evitavam as grandes marcas na maior parte - mas agora, as bandas são esperadas e até incentivadas a parcerias com as marcas para ganhar dinheiro. O aumento de outras indústrias criativas, incluindo a era de ouro da TV e o mercado de videogames explodindo, também oferecem oportunidades para que os músicos licenciem e monetizem seu trabalho criativo. E enquanto muitas start-ups desaparecem, algumas também dão - por exemplo, Flipagram. Os artistas agora podem monetizar quando as pessoas usam sua música para marcar uma apresentação de slides de fotos ou um vídeo - algo que não seria possível até alguns anos atrás.

Expandindo os horizontes

A outra falha principal da peça do Times e as respostas é que os dados que eles olham são limitados geograficamente. Como alguém que fez um pouco de jornalismo de dados, compreendo completamente o desejo de não passar pelos conjuntos de dados internacionais, e como o Times é uma publicação americana com uma audiência em grande parte americana, manter o foco estreito era uma escolha justa. No entanto, significa que uma grande parte da história foi deixada de fora.

Considere, por um momento, o caso de Spoek Mathambo, um produtor e rapper da África do Sul. Nascido e criado em Soweto, ele se tornou proeminente quando seu remix assustador da música da Joy Division "She's Lost Control" e o vídeo que acompanha explodiu no YouTube; Ele assinou para Sub Pop Records e trabalhou em uma série de documentários com Vice.

Algum desse jeito foi possível antes da web? Claro, havia artistas internacionais, mas eles tinham que passar por gatekeepers para encontrar uma distribuição mais ampla e uma audiência global. No caso de Mathambo, ele conseguiu construir sua carreira na popularidade do YouTube - não era necessário nenhum acordo de distribuição internacional. Tudo o que ele precisava era um laptop, uma câmera e algum software de gravação.

Nos países onde tocar música em público é ilegal, a internet fez toda a diferença.

Para artistas em certos países, a web fez toda a diferença no mundo. Ayham Homsi é um músico e produtor na Arábia Saudita - um país onde tocar música em público é em grande parte ilegal. Antes da web, ele poderia ter talvez gravado álbuns e cópias fornecidas para amigos; Agora, ele publica suas faixas no Soundcloud e no YouTube para o mundo inteiro ouvir.