Google+ Followers

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

The Mykola Bazhan Literary Memorial Apartment Museum in Kyiv. - O Museu do Museu Memorial de Mykola Bazhan em Kiev.

The opening of the Literary Memorial Apartment Museum of Mykola Bazhan in Kyiv, subsidiary of the National Museum of Literature in Ukraine, was timed to the centennial of the poet in October 2004.

Микола Бажан (1904-1983)

The museum is located in the apartment where the family of Mykola Platonovych and Nina Volodymyrivna Bazhan lived for 40 years. The basis of the collection was formed with the things, documents, materials, art collection and the library of M. Bazhan which were demised to the country by the will of N.V. Bazhan-Lauer .

The apartment museum presents reconstructed interior appearance of rooms where this famous poet, philosopher, brilliant translator, literary scholar, art critic and scriptwriter lived and created. Poet’s work-room, sitting-room, library, rooms of the poet’s wife and father re-create atmosphere of the second half of the ХХ century, the world of artist’s spirit, manifoldness of his life. Exhibition includes personal belongings and documents of Mykola Bazhan, his manuscripts and autographs, original photographs, original publications of his works and translations, unique library and art collection.


The apartment museum exhibits collection of works of pictorial and decorative arts of Western European and Oriental craftsmen collected by the poet himself and his wife. Collection of paintings comprises pictures by Ukrainian and Russian artists, such as K. Trutovskyi, S. Vasylkivskyi, M. Pymonenko, V. Krychevskyi, I. Trush, K. Bilokur, M. Deregus, M. Glushchenko, I. Makogon, as well as works of West-European artists of ХVІІ-ХVІІІ centuries. Collection of graphic art shows deep knowledge and interest of the poet in this form of pictorial art. 

Walls of entrance hall and corridor are decorated with Italian engravings of ХVІІІ and ХХ centuries, graphic art works of Ukrainian artists, Central Asian miniature paintings of ХVІІІ-ХІХ centuries. By virtue of classic taste of the mistress, the atmosphere of cosy home is created by antique furniture and dishware, arts-and-crafts ware made by Ukrainian craftsmen and well-known Western European manufacturers. Visitors can see antique ceramics from North Black Sea region, Ukrainian glassware, Italian majolica, old Ukrainian faience ware and Kosov ceramics.

The Bazhan apartment museum’s stock comprises twelve thousand pieces.

A fragment of the memorial exposition _Michael Bazhan's restaurant.


Mykola Bazhan was born on October 9, 1904 in the city of Kamianets-Podilskyi of Khmelnytskyi region in the family of a military topographer. He spent his childhood years first in Kamianets-Podilskyi, and later in Uman – two ancient Ukrainian towns with rich history. He studied in Uman Boy’s Gymnasium and later in the Cooperative Institute and the Institute of International Relations in Kyiv. However, he didn’t graduate from any of them. The first one he didn’t graduate because he took dislike to commerce, and the second one – due to its closure.

His first verse “Let the treacherous sea ruffle” he wrote when he was fifteen. His first book of poetry called “Contrasts of the mood” with the dedication “To my mother” is dated 1920-1921. These poetries reflect not only memories about distant thunder of cannons, but also his boyish feelings excited by first love and first bitter disillusions.

Mykhayl Semenko, a leader of the Ukrainian futurists, was the person who led Mykola Bazhan into the life of literature. But expressionistic dramatic performances of Les Kurbas in “Berezil” (Ukrainian studio theatre in Kharkiv, founded in 1922) and later acquaintance with Oleksandr Dovzhenko, whom M. Bazhan met at All-Ukrainian photo and film administrative body, might have had more influence on the boy. At the turn of 20’s-30’s, Mykola Bazhan experienced his creative ardour. One after another, several books of his poems – “17th patrol” (1926), “Carved shadow” (1927), “Buildings” (1929) were published. These works are notable for their passionate pathetics, rich lexicon, striving for comprehending Ukrainian past in the context of world history. Severely criticized for digressing from the revolutionary themes, Mykola Bazhan in his poem called “Hoffman night” (1929) uncovers the tragedy of debility of an artist in the hostile environment.

During this period of his life M. Bazhan put lots of his vigour and time into the youngest of Ukrainian arts – cinematography (in 20’s-30’s he was an author of over 10 scripts for feature and documentary films, became an editor of the magazine “Cinema”).

In 1929-1930, Bazhan creates his epochal creations “Getto in Uman” and “Blind men” (only two parts of this work are extant). After publication of the first part, where the poet prophesied the future renaissance of Ukraine, further its publishing was prohibited and the author was labeled by communist critics as a “nationalist”.

In the early 30’s the art of literary translation replaced his interest in cinematography. GeorgianSovietRepublic entered into his life for a long time. There he found a lot of friends; the Georgian theme is noticeable in many of his works. Georgia awarded him with the Shota Rustaveli State Prize and conferred a title of “Honoured Art Worker of Georgian SSR” for amazing translations of “The Knight in the Panther’s Skin” and D. Guramshvili’s “Davitiani”. In 1939, thanks to the translation of Shota Rustaveli’s famous poem M. Bazhan receives the Order of Lenin, instead of an arrest warrant…


Starting from the first days of the war, in 1941, M. Bazhan became an editor of the frontline newspaper “For Soviet Ukraine!” distributed in the territories occupied by fascists. At that time M. Bazhan published a historical poem “Danylo Galytskyi”, series of verses “Stalingrad notebook”, “Kyiv etudes” and others.

In 1943-1949 M. Bazhan held a post of Deputy Chairman of the Council of Ministers of Ukrainian SSR; the Chairman of the Board of Union of Writers of Ukraine (1953-1959). As an official person he frequently travelled abroad, appeared at the United Nations General Assembly in London and New York; took part in numerous conferences and jubilee celebrations. 

The results of these travels were series of verses “English impressions” and “Italian meetings”. Italy took special place in poet’s life and work. He held a post of Vice-president of the European Community of Writers for almost a decade (1960-1968). M. Bazhan paid special attention to the wide popularization of Ukrainian language and culture in European countries.



Starting from the first days of the war, in 1941, M. Bazhan became an editor of the frontline newspaper “For Soviet Ukraine!” distributed in the territories occupied by fascists. At that time M. Bazhan published a historical poem “Danylo Galytskyi”, series of verses “Stalingrad notebook”, “Kyiv etudes” and others.

In 1943-1949 M. Bazhan held a post of Deputy Chairman of the Council of Ministers of Ukrainian SSR; the Chairman of the Board of Union of Writers of Ukraine (1953-1959). As an official person he frequently travelled abroad, appeared at the United Nations General Assembly in London and New York; took part in numerous conferences and jubilee celebrations. 

The results of these travels were series of verses “English impressions” and “Italian meetings”. Italy took special place in poet’s life and work. He held a post of Vice-president of the European Community of Writers for almost a decade (1960-1968). M. Bazhan paid special attention to the wide popularization of Ukrainian language and culture in European countries.

From 1957 and till the end of his days M. Bazhan was the Editor-in-Chief of the Chief Editorial Board of the “Ukrainian Soviet Encyclopedia”. By his initiative and under his supervision Ukrainian Soviet Encyclopedia was published twice, also he supported publishing of “History of Ukrainian Art” and Taras Shevchenko Dictionary. He also started work on Ukrainian Literature Encyclopedia. Altogether, by the end of M. Bazhan’s life over a hundred volumes of encyclopedic, lexical and other scientific literature were published. As the chief editor of the Ukrainian Soviet Encyclopedia he was striving for permission to include the articles about repressed Ukrainian art personalities, who had been persecuted for political reasons, such as O. Arkhypenko, I. Padalka, brothers M. and T. Boichuk, Les Kurbas, M. Semenko and others.

M. Bazhan was also author of the poems “Flight through thunderstorm” (1964), “Four tales about hope. Variations on Rainer Maria Rilke theme” (1966), “Night thoughts of the old master” (1976), collections of poetry “Mitskievych in Odesa. Year 1825” (1957), etc. Series of poetry “Night concerts” (1977) is an original verbal interpretation of music of M. Leontovych, D. Shostakovych, F. Schubert, H. Villa-Lobos, Jean Sibelius and songs of French singer Édith Piaf.


In the last years of his life M. Bazhan most of his time worked on the translation of works of the XVIII-XX century poets little-known in Ukraine: German poet Friedrich Hölderlin, Polish poet Cyprian Norwid, Austrian poet Rainer Maria Rilke etc. Being a masterly translator he acquainted Ukrainian reader with the works of A. Navoi, A. Mickiewicz, Ju. Słowacki, Ja. Iwaszkiewicz, H. Heine, J. Goethe, R. Tagore and many others.

In 1951, for his literary and scientific achievements M. Bazhan was elected a member of the Academy of Sciences of the Ukrainian SSR.


M. Bazhan is the author of memoirs, essays, publicist articles and critical surveys: “People, books, dates. Articles on literature” (1962), “People’s ways” (1969), “Thoughts and recollections” (1982).

In 1970, at the request of Nobel Committee, HarvardUniversity nominated M. Bazhan for Nobel Prize. However, M. Bazhan refused it, knowing the fate of B. Pasternak and his Nobel Prize.




Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.




--br
O Museu do Museu Memorial de Mykola Bazhan em Kiev.

A abertura do Museu do Memorial do Memorial Literário de Mykola Bazhan em Kiev, filial do Museu Nacional de Literatura na Ucrânia, foi programada para o centenário do poeta em outubro de 2004.

Микола Бажан (1904-1983)

O museu está localizado no apartamento onde viveram 40 anos a família de Mykola Platonovych e Nina Volodymyrivna Bazhan. A base da coleção foi formada com as coisas, documentos, materiais, coleção de arte e a biblioteca de M. Bazhan que foram desmembrados para o país pela vontade de N.V. Bazhan-Lauer.

O museu do apartamento apresenta a aparência interior reconstruída de salas onde viveu e criou este famoso poeta, filósofo, brilhante tradutor, estudioso literário, crítico de arte e roteirista. A sala de trabalho do poeta, a sala de estar, a biblioteca, os quartos da esposa e do pai do poeta re-criam a atmosfera da segunda metade do século ХХ, o mundo do espírito do artista, a variedade de sua vida. A exposição inclui objetos pessoais e documentos de Mykola Bazhan, seus manuscritos e autógrafos, fotografias originais, publicações originais de suas obras e traduções, biblioteca única e coleção de arte.

O museu do apartamento exibe coleção de obras de artes pictóricas e decorativas de artesãos da Europa Ocidental e Oriental colecionados pelo próprio poeta e sua esposa. A coleção de pinturas inclui imagens de artistas ucranianos e russos, como K. Trutovskyi, S. Vasylkivskyi, M. Pymonenko, V. Krychevskyi, I. Trush, K. Bilokur, M. Deregus, M. Glushchenko, I. Makogon, como Bem como obras de artistas da Europa Ocidental de ХVІІ-ХVІІІ séculos. Coleção de arte gráfica mostra profundo conhecimento e interesse do poeta nesta forma de arte pictórica.

As paredes do hall de entrada e do corredor estão decoradas com gravuras italianas de séculos ХV e ХХ, obras de arte gráfica de artistas ucranianos, pinturas em miniatura da Ásia Central de séculos ХVІІІ-ХІХ. Em virtude do gosto clássico da amante, a atmosfera de uma casa acolhedora é criada por móveis e louças antigos, artesanato feito de artesãos ucranianos e conhecidos fabricantes da Europa Ocidental. Os visitantes podem ver cerâmicas antigas da região do Norte do Mar Negro, produtos de vidro ucranianos, majolica italiana, velhas peças de faiança ucranianas e cerâmica Kosov.

O estoque do museu do apartamento Bazhan compreende doze mil peças.

Um fragmento da exposição memorial _Michael Bazhan's restaurant.


Mykola Bazhan nasceu em 9 de outubro de 1904, na cidade de Kamianets-Podilskyi, da região de Khmelnytskyi, na família de um topógrafo militar. Ele passou seus anos de infância primeiro em Kamianets-Podilskyi, e mais tarde em Uman - duas antigas cidades ucranianas com uma rica história. Estudou no Ginásio Uman Boy e depois no Instituto Cooperativo e no Instituto de Relações Internacionais em Kiev. No entanto, ele não se formou de nenhum deles. O primeiro que ele não se formou porque ele não gostava do comércio, e o segundo - devido ao encerramento.

Seu primeiro verso "Deixe o traiçoeiro ruffle do mar", ele escreveu quando ele tinha quinze anos. Seu primeiro livro de poesia intitulado "Contrasts of the mood" com a dedicação "To my mother" é datado de 1920-1921. Essas poesias refletem não apenas as lembranças sobre trovões distantes de canhões, mas também seus sentimentos juvenis excitados pelo primeiro amor e as primeiras desilusões amargas.

Mykhayl Semenko, líder dos futuristas ucranianos, foi a pessoa que liderou Mykola Bazhan na vida da literatura. Mas as performances dramáticas expressionistas de Les Kurbas em "Berezil" (teatro de estúdio ucraniano em Kharkiv, fundado em 1922) e mais tarde conhecimentos de Oleksandr Dovzhenko, que M. Bazhan conheceu no corpo administrativo de fotos e filmes da Ucrânia, poderiam ter tido mais influência sobre O menino. À volta de 20 a 30, Mykola Bazhan experimentou seu ardor criativo. 

Um após o outro, foram publicados vários livros de seus poemas - "17a patrulha" (1926), "Sombra esculpida" (1927), "Edifícios" (1929). Esses trabalhos são notáveis ​​por seus apaixonados patéticos, rico léxico, buscando o passado ucraniano no contexto da história mundial. Severamente criticado por digerir os temas revolucionários, Mykola Bazhan em seu poema chamado "Hoffman night" (1929) descobre a tragédia da debilidade de um artista no ambiente hostil.

Durante este período de sua vida, M. Bazhan colocou muito seu vigor e tempo na mais nova das artes ucranianas - a cinematografia (em 20 a 30 anos, ele era um autor de mais de 10 scripts para filmes documentários e documentários, tornou-se editor da revista " Cinema").

Em 1929-1930, Bazhan cria suas criações de época "Getto in Uman" e "Blind men" (apenas duas partes deste trabalho são existentes). Após a publicação da primeira parte, onde o poeta profetizou o futuro renascimento da Ucrânia, prosseguiu a sua publicação e o autor foi rotulado por críticos comunistas como "nacionalistas".

No início dos anos 30, a arte da tradução literária substituiu seu interesse pela cinematografia. GeorgianSovietRepublic entrou em sua vida por um longo tempo. Lá, ele encontrou muitos amigos; O tema georgiano é notável em muitas de suas obras. A Geórgia concedeu-o com o Prêmio de Estado Shota Rustaveli e conferiu um título de "Trabalhador de Arte Honrado da SSR da Geórgia" para traduções incríveis de "O Cavaleiro na Pele da Pantera" e "Davitiani" de D. Guramshvili. Em 1939, graças à tradução do famoso poema de Shota Rustaveli, M. Bazhan recebe a Ordem de Lênin, em vez de um mandado de prisão ...

Фрагмент меморіальної експозиції Кабінет Миколи Бажана

A partir dos primeiros dias da guerra, em 1941, M. Bazhan tornou-se um editor do jornal da linha de frente "Para a Ucrânia soviética!", Distribuído nos territórios ocupados pelos fascistas. Na época, M. Bazhan publicou um poema histórico "Danylo Galytskyi", uma série de versos "Stalingrad notebook", "Kyiv etudes" e outros.

Em 1943-1949, M. Bazhan ocupou um cargo de Vice-Presidente do Conselho de Ministros da RSS da Ucrânia; O Presidente do Conselho de União dos Escritores da Ucrânia (1953-1959). Como uma pessoa oficial, freqüentemente viajou para o exterior, apareceu na Assembléia Geral das Nações Unidas em Londres e Nova York; Participaram em numerosas conferências e celebrações do jubileu. 

Os resultados dessas viagens foram séries de versos "impressões em inglês" e "encontros italianos". A Itália ocupou um lugar especial na vida e no trabalho do poeta. Ele ocupou um cargo de vice-presidente da Comunidade Europeia de Escritores por quase uma década (1960-1968). M. Bazhan prestou especial atenção à ampla divulgação da língua e da cultura ucraniana nos países europeus.

A partir dos primeiros dias da guerra, em 1941, M. Bazhan tornou-se um editor do jornal da linha de frente "Para a Ucrânia soviética!", Distribuído nos territórios ocupados pelos fascistas. Na época, M. Bazhan publicou um poema histórico "Danylo Galytskyi", uma série de versos "Stalingrad notebook", "Kyiv etudes" e outros.

Em 1943-1949, M. Bazhan ocupou um cargo de Vice-Presidente do Conselho de Ministros da RSS da Ucrânia; O Presidente do Conselho de União dos Escritores da Ucrânia (1953-1959). Como uma pessoa oficial, freqüentemente viajou para o exterior, apareceu na Assembléia Geral das Nações Unidas em Londres e Nova York; Participaram em numerosas conferências e celebrações do jubileu.

Os resultados dessas viagens foram séries de versos "impressões em inglês" e "encontros italianos". A Itália ocupou um lugar especial na vida e no trabalho do poeta. Ele ocupou um cargo de vice-presidente da Comunidade Europeia de Escritores por quase uma década (1960-1968). M. Bazhan prestou especial atenção à ampla divulgação da língua e da cultura ucraniana nos países europeus.

A partir de 1957 e até o final de seus dias, M. Bazhan foi o Editor-Chefe do Conselho Editorial Principal da "Enciclopédia Soviética da Ucrânia". Por sua iniciativa e sob sua supervisão, a enciclopédia soviética ucraniana foi publicada duas vezes, também apoiou a publicação de "História da arte ucraniana" e do dicionário Taras Shevchenko. Ele também começou a trabalhar na Enciclopédia da literatura ucraniana. No total, ao final da vida de M. Bazhan, mais de cem volumes de literatura enciclopédica, lexical e científica foram publicados. Como editor-chefe da Enciclopédia Soviética da Ucrânia, ele estava se esforçando para incluir os artigos sobre personalidades de arte ucranianas reprimidas, perseguidos por razões políticas, como O. Arkhypenko, I. Padalka, irmãos M. e T. Boichuk, Les Kurbas, M. Semenko e outros.

M. Bazhan também foi autor dos poemas "Flight through thunderstorm" (1964), "Quatro contos sobre a esperança. Variações sobre o tema Rainer Maria Rilke "(1966)," Pensamentos noturnos do antigo mestre "(1976), coleções de poesia" Mitskievych em Odesa. Ano 1825 "(1957), etc. Série de poesia" Concertos noturnos "(1977) é uma interpretação verbal original da música de M. Leontovych, D. Shostakovych, F. Schubert, H. Villa-Lobos, Jean Sibelius e músicas de Cantora francesa Édith Piaf.

Фрагмент меморіальної експозиціїБібліотека Миколи Бажана

Nos últimos anos de sua vida, o Sr. Bazhan, na sua maioria, trabalhou na tradução de obras dos poetas do século XVIII, pouco conhecidos na Ucrânia: o poeta alemão Friedrich Hölderlin, o poeta polonês Cyprian Norwid, o poeta austríaco Rainer Maria Rilke etc. Sendo um tradutor magistral, ele conheceu o leitor ucraniano com as obras de A. Navoi, A. Mickiewicz, Ju. Słowacki, Ja. Iwaszkiewicz, H. Heine, J. Goethe, R. Tagore e muitos outros.

Em 1951, por suas conquistas literárias e científicas, M. Bazhan foi eleito membro da Academia de Ciências da RSS da Ucrânia.

Фрагмент меморіальної експозиції_Мистецька бібліотека Миколи Бажана
M. Bazhan é autor de memórias, ensaios, artigos publicitários e pesquisas críticas: "Pessoas, livros, datas. Artigos sobre literatura "(1962)," Caminhos dos povos "(1969)," Pensamentos e lembranças "(1982).

Em 1970, a pedido do Comitê Nobel, a HarvardUniversity nomeou M. Bazhan para o Prêmio Nobel. No entanto, M. Bazhan recusou, conhecendo o destino de B. Pasternak e seu Prêmio Nobel.

Marcella Bricchi, designer: "The new luxury is the conscience of sustainability". - Marcella Bricchi, designer: "O novo luxo é a consciência da sustentabilidade".

Coordinator of the interior design department of the Marangoni Institute, Italian came to Rio de Janeiro, Brazil to give a workshop on the theme at CasaShopping.

Marcella Bricchi

"I am an interior designer, teacher and coordinator of the Marangoni Institute in Milan, Italy. I'm Italian, from Oltrepò, I graduated from the institute, but I worked for 20 years in the American market as a fashion designer. I believe these two worlds are complementary and speak the same language. "

Tell me something I do not know.

In Italian, "abito" means to dress and "abitar", to inhabit. The two words derive from the same Latin radical, which means to be inside. If "abito" is our second skin, our clothes, "abito" is the third skin. We must intervene in this space with all the important elements in life, with memories, memories, journeys, our whole history. Our houses are our skins, they must be covered in our lives.

How can the designer capture this very personal essence of the customer?

That's a beautiful question. I worry about that a lot. As a designer, I work with two architects, who take care of the technical part. I take care of interviewing the client, understanding their needs, lifestyle and tastes. He must tell his story, and then the interior designer must create a home that recounts this story. In this way, the customer is the protagonist. This is a revolution, it is very innovative.

If customization is important, why is minimalist white still so present?

This year, during Design Week in Milan, white was a very strong theme. However, much more was present in decorative objects. There are now many colors inside. More than colors, there are decorations, such as wallpapers that recreate jungles, woods and gardens, and others that are interactive, in led. White leaves the scene on the walls. Light becomes an important component. They are both poetic and sensory techniques, interactive installations that create emotion in the viewer.

But can you guarantee aesthetics within this mix?

The glamor is given by the excellence of materials, beautiful shapes, fabrics and finishes. The new luxury is the awareness of the sustainability and the identity of the country itself. The product should bring excellence and the most important characteristics of the country, in a mix of originality and creativity, with technology. It is to translate the genius loci (spirit of place) in a "glocal", global and local way. In Brazil, Sérgio J. Matos does this very well. It's like visiting the country's identity, local tradition, folklore.

Sustainability and design go together?

Sustainability is looking to the future. In architecture we have many examples of abandoned spaces that are revisited, reinterpreted. It is a way to respect, reuse, recover, recycle. There are incredible things like that, especially in fashion. Salvatore Ferragamo presented a capsule collection that uses fiber extracted from orange. With this thread, similar to silk, Ferragamo designed a poetic collection, which evokes Sicily. It's a new recycling system and it's a very strong message.

Is this sustainable bias a customer demand?

It's not exactly a request, but they are aware that something has changed. It is up to the designer to sensitize the customer in this direction, to present products that delight and have sustainable content.






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.





--br

Marcella Bricchi, designer: "O novo luxo é a consciência da sustentabilidade". 

Coordenadora do departamento de design de interiores do Instituto Marangoni, italiana veio ao Rio de Janeiro, Brasil para ministrar workshop sobre o tema no CasaShopping.

“Sou designer de interiores, professora e coordenadora do Instituto Marangoni, em Milão, na Itália. Sou italiana, de Oltrepò, me formei no próprio instituto, mas trabalhei por 20 anos no mercado americano como designer de moda. Acredito que estes dois mundos são complementares e falam a mesma língua.”

Conte algo que não sei.

Em italiano, “abito” significa vestir e “abitar”, habitar. As duas palavras derivam do mesmo radical latino, que significa estar dentro. Se “abito” é a nossa segunda pele, nossa roupa, “abitar” é a terceira pele. Devemos intervir neste espaço com todos os elementos importantes na vida, com memórias, lembranças, viagens, toda nossa história. Nossas casas são nossas peles, devem estar cobertas de nossas vidas.

Como o designer é capaz de captar essa essência tão pessoal do cliente?

É uma bela pergunta. Eu me preocupo muito com isso. Como designer, trabalho com duas arquitetas, que tomam conta da parte técnica. Eu me ocupo de entrevistar o cliente, entender suas necessidades, estilo de vida e gostos. Ele deve contar sua história e, depois, o designer de interiores deve criar uma casa que reconte essa história. Desta forma, o cliente é o protagonista. Isso é uma revolução, é muito inovador.

Se a personalização é importante, por que o branco minimalista ainda é tão presente?

Este ano, durante a Semana de Design, em Milão, o branco foi um tema muito forte. No entanto, estava presente muito mais em objetos de decoração. Há, agora, muitas cores no interior. Mais do que cores, há decoração, como papéis de parede que recriam selvas, bosques e jardins, e outros que são interativos, em led. O branco sai de cena nas paredes. A luz se torna um componente importante. São técnicas ao mesmo tempo poéticas e sensoriais, instalações interativas que criam emoção no espectador.

Mas dá para garantir estética dentro desta mistura?

O glamour se dá pela excelência dos materiais, das formas belas, dos tecidos e dos acabamentos. O novo luxo é a consciência da sustentabilidade e da identidade do próprio país. O produto deve trazer a excelência e as características mais importantes do país, num mix de originalidade e criatividade, com tecnologia. É traduzir o genius loci (espírito do lugar) de forma “glocal”, global e local. No Brasil, Sérgio J. Matos faz isso muito bem. É como visitar a identidade do país, a tradição local, o folclore.

Sustentabilidade e design andam juntos?

Sustentabilidade é olhar para o futuro. Na arquitetura temos muitos exemplos de espaços abandonados que são revisitados, reinterpretados. É uma forma de respeitar, reutilizar, recuperar, reciclar. Surgem coisas incríveis assim, sobretudo na moda. Salvatore Ferragamo apresentou uma coleção cápsula que usa fibra extraída da laranja. Com esse fio, parecido com a seda, Ferragamo projetou uma coleção poética, que evoca a Sicília. É um novo sistema de reciclagem e é uma mensagem muito forte.

Esse viés sustentável é uma demanda dos clientes?

Não é exatamente um pedido, mas eles estão conscientes de que algo mudou. Cabe ao designer sensibilizar o cliente nesta direção, apresentar produtos que encantem e tenham conteúdo sustentável.






"Dry Lives" denounces social neglect and human exploitation. - “Vidas Secas” denuncia o descaso social e a exploração humana

In two brief paragraphs - those that open the first chapter, Change -, the Alagoan Graciliano Ramos synthesizes Dry Lives. Describes the scenario and presents the saga of the dog Whale, of the mother Sinhá Vitória, of the father Fabiano and his two children, who, in the course of history, are called "younger" and "older". Without name and surname, they carry the "identity" of the families that still live today the social neglect and the human exploitation in the Country.

Picture 1
The novel tells the story of a family of retreatants from the Brazilian backcountry.

Photomontage on the image of one of several layers of Dry Lives (characters) and Caatinga Landscape, by Glauco Umbelino


In the reddish plain the jujubes enlarged two green spots. The unfortunates had walked all day, were tired and hungry. Ordinarily they had little time to walk, but because they had rested a great deal on the sand of the dry river, the journey had been well over three leagues. They had been looking for a shadow for hours. The foliage of the Juazeiros appeared far away, through the bare branches of the sparse caatinga.

Slowly, Sinhá Vitoria with their youngest son in the room and the sheet chest on his head, Fabiano, somber, swindling, took him by the shoulder, the gourd hanging from a belt attached to his belt, the flintlock in the shoulder. The eldest boy and the whale dog went behind.


Picture 2

Thiago Mio Salla
Foto: Cecília Bastos
Universidade de São Paulo - USP



Picture 3
The first chapter of Dry Lives, "Whale," which Graciliano Ramos wrote in May 1937 - Collection of the Institute of Brazilian Studies (IEB) of USP

Written in 1938, the narrative that reflects the aridity of the sertão opens a window to the reader. The author's aesthetic predicament gives freedom to anyone who wants to start the story of the end or the middle or the pages they choose. Each of the 13 chapters has its own plot. The aesthetics of the novel proposes no end or beginning. Thus, the writer, among the most important of the second modernist phase, draws the life of the sertanejo in a circle. Or a spiral. Like a living wheel.

To reflect with the reader engaged in the readings for the college entrance examination, the Journal of USP interviews Thiago Mio Salla, doctor of letters and communication sciences and professor of the School of Communications and Arts (USP). "In addition to the demands of the proof, the expectation is that the vestibule be fascinated by the beauty of the text of Graciliano, who, like a meticulous craftsman, carving and putting in sequence the pictures of the life of Fabiano, Sinhá Vitória, The Whale, the boys' dog, "Salla notes. "At the same time, it resonates the voice of all these characters along with their own voice of narrator, through a concise, substantive language. At the same time, I hope that the readers of the book will be sensitized to the strong social message that gives life and relevance to the book. "

"This is not a typical novel about drought, but about dry lives."


Picture 4
Title of the book that the writer changed for Dry Lives - Collection of the Brasiliana Guita and José Mindlin Library of USP

"More than the drought caused by the inclemency of nature, what would oppress Fabiano and his family would be the relations of domination established by the men themselves," Salla explains. "This is not a typical novel about drought, but about dry lives. Lives presented in all their complexity as part of a systematic process of exploitation, humiliation and alienation. In short, from this mixture between the artisan's word and the problematization of such vivid wounds of Brazilian reality, the artist extracts his strength, which enhances him and places him as one of the main artists of our literature. "

Thiago Mio Salla studies the life and work of Graciliano Ramos 15 years ago. A survey conducted at the Institute of Brazilian Studies (IEB) of Universidade de São Paulo, which has the guard of the writer's collection. This work has already resulted in seminars, exhibitions, articles and several books, among them Garranchos - Unpublished Texts by Graciliano Ramos (Record, 2012), Conversas, in partnership with Ieda Lebensztayn (Editora Record, 2014), PhD in Brazilian Literature by USP, And the recent Graciliano Ramos and Political Culture: Editorial Mediation and Construction of Sense (Edusp).

Picture 5

The book addresses problems experienced by a family of refugees, such as drought, poverty and hunger - Retirantes, 1944, by Candido Portinari / Collection Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand

The teacher makes a point of presenting the box with the manuscripts of Dried Lives that is in the IEB and at the disposal of the researchers. "Here is the first chapter he wrote: Whale," he says, pointing to the original text with the author's spelling and penmanship.
Graciliano writes:

"The dog Whale was about to die. He had been emaciated, his hair had fallen on several points, his ribs loomed on a rosy background, where dark spots oozed and bled, covered with flies. "

The book, according to the researcher, began with Whale, written on May 4 and published in The Journal on May 23, 1937. "The author determined that this first chapter was the ninth in the sequence of the novel," he explains.

"The reader may realize that narratives can indeed be read independently."

The researcher recalls that Rubem Braga classified Dry Lives as a "collapsible novel" in relating its fragmentary character. The reader can choose to read chapters independently. However, the order that the writer organized has, according to Salla, his reasons. "The way Gracilian articulates the chapters confers oneness to the whole. I think they lose strength if read separately, especially when one considers the character at once kaleidoscopic and cyclic of the work. That is, the family runs away from the drought at the beginning and end of the book. "

Picture 6
The different covers of different editions that have been released - Disclosure

Another manuscript that the researcher highlights is the cover of the book that should be titled The Covered World of Feathers. A document in which one can observe the drawing of the letter of Graciliano Ramos scratching and changing for Dry Lives. "If he gave the book the first title, which prevailed until the eve of its publication, the writer would emphasize more the status of a story than a chapter of each of the divisions of the work," he explains. "This is because, metonymically, he would choose the name of a part to name the whole, a very common procedure in the titling of story books.

In addition, if he opted for The Covered World of Feathers, a section that deals with the preparation of the family to leave the ranch, would make a more restricted reading of the life of the sertanejos, privileging only the ingrained fatalities and fatalism in the northeastern backlands. On the other hand, when choosing Dry Lives, his only title adjectivado, chose a name capable of encompassing all the narratives and give unity to the whole, highlighting the precise and well structured architecture of the whole.

The title chosen, as explained by Graciliano Ramos himself, highlights the "miserable existence of work, struggle, under the glove of implacable nature and human injustice." The researcher points out: "Dry Lives embodies very well what in my opinion is the great legacy of Graciliano: the conjunction between formal rigor, introspection and problematization of different social themes such as misery, exploitation, humiliation , Among other ingredients that make up a very brazen cauldron of conflicts, about to explode. "

Picture 7

Graciliano Ramos - Photo: via Kurt Klagsbrunn


Graciliano Ramos de Oliveira was a novelist, chronicler, 
short story writer, journalist, politician and Brazilian memoirist 
of the 20th century, best known for his book Vidas Secas.

Born: October 27, 1892, Quebrangulo, Alagoas
Death: March 20, 1953, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

Nationality: Brazilian
Children: Ricardo Ramos, Clara Ramos, Júnio Ramos, 
 Heloísa Leite de Medeiros (from 1928 to 1953), 
Maria Augusta de Barros (from 1915 to 1920)







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.







--br
“Vidas Secas” denuncia o descaso social e a exploração humana

Em dois breves parágrafos – os que abrem o primeiro capítulo, Mudança –, o alagoano Graciliano Ramos sintetiza Vidas Secas. Descreve o cenário e apresenta a saga da cachorra Baleia, da mãe Sinhá Vitória, do pai Fabiano e de seus dois filhos, que, no decorrer da história, são chamados de “mais novo” e “mais velho”. Sem nome e sobrenome, eles carregam a “identidade” das famílias que ainda hoje vivem o descaso social e a exploração humana no País.

imagem 1
O romance conta a história de uma família de retirantes do sertão brasileiro. 
Fotomontagem sobre imagem de uma das diversas capas de Vidas Secas (personagens) e Paisagem de caatinga, de Glauco Umbelino

Na planície avermelhada os juazeiros alargavam duas manchas verdes. Os infelizes tinham caminhado o dia inteiro, estavam cansados e famintos. Ordinariamente andavam pouco, mas como haviam repousado bastante na areia do rio seco, a viagem progredira bem três léguas. Fazia horas que procuravam uma sombra. A folhagem dos juazeiros apareceu longe, através dos galhos pelados da caatinga rala.

Arrastaram-se para lá, devagar, Sinhá Vitória com o filho mais novo escanchado no quarto e o baú de folha na cabeça, Fabiano sombrio, cambaio, o aió a tiracolo, a cuia pendurada numa correia presa ao cinturão, a espingarda de pederneira no ombro. O menino mais velho e a cachorra Baleia iam atrás.

imagem 2
Thiago

imagem 3
O primeiro capítulo de Vidas Secas, “Baleia”, que Graciliano Ramos escreveu em maio de 1937 – Acervo do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da USP

Escrita em 1938, a narrativa que reflete a aridez do sertão abre uma janela para o leitor. O apuro estético do autor dá liberdade para quem quiser começar a história do final ou do meio ou pelas páginas que escolher. Cada um dos 13 capítulos tem o seu próprio enredo. A estética do romance não propõe fim nem começo. Assim, o escritor, entre os mais importantes da segunda fase modernista, desenha a vida do sertanejo em um círculo. Ou uma espiral. Como uma roda viva.

Para refletir com o leitor empenhado nas leituras para o vestibular, o Jornal da USP entrevista Thiago Mio Salla, doutor em Letras e Ciências da Comunicação e professor da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP. “Para além das exigências da prova, a expectativa é de que o vestibulando se deixe fascinar pela beleza do texto de Graciliano, que, tal como um artesão meticuloso, vai esculpindo e colocando em sequência os quadros da vida de Fabiano, de Sinhá Vitória, da cachorra Baleia, dos meninos”, observa Salla. “Ao mesmo tempo, faz ressoar a voz de todos esses personagens juntamente com sua própria voz de narrador, por meio de uma linguagem concisa, substantiva. Paralelamente, espero que os leitores vestibulandos se sensibilizem com a forte mensagem social que dá vida e atualidade ao livro.”

"Não se trata de um romance típico sobre a seca, mas sobre vidas secas".

imagem 4
Título do livro que o escritor alterou para Vidas Secas – Acervo da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin da USP

“Mais do que a seca causada pela inclemência da natureza, o que oprimiria Fabiano e sua família seriam as relações de dominação estabelecidas pelos próprios homens”, explica Salla. “Por isso não se trata de um romance típico sobre a seca, mas sobre vidas secas. Vidas apresentadas em toda sua complexidade enquanto partes de um processo sistemático de exploração, humilhação e alienação. Em resumo, dessa mescla entre artesania da palavra e problematização de feridas tão vivas da realidade brasileira, o artista extrai sua força, que o engrandece e o coloca como um dos principais artistas de nossa literatura.”


Thiago Mio Salla estuda a vida e obra de Graciliano Ramos há 15 anos. Uma pesquisa realizada no Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da Universidade de São Paulo, que tem a guarda do acervo do escritor. Esse trabalho já resultou em seminários, exposições, artigos e diversos livros, entre eles Garranchos – Textos Inéditos de Graciliano Ramos (Record, 2012), Conversas, em parceria com Ieda Lebensztayn (Editora Record, 2014), doutora em Literatura Brasileira pela USP, e o recente Graciliano Ramos e a Cultura Política: Mediação Editorial e Construção do Sentido (Edusp).

imagem 5

O livro aborda problemas vividos por uma família de retirantes, como a seca, a pobreza e a fome – Retirantes, 1944, de Candido Portinari/Coleção Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand

O professor faz questão de apresentar a caixa com os manuscritos de Vidas Secas que está no IEB e à disposição dos pesquisadores. “Aqui está o primeiro capítulo que ele escreveu: Baleia”, diz, apontando o texto original com a ortografia e a caligrafia do autor.
Graciliano escreve:

“A cachorra Baleia estava para morrer. Tinha emagrecido, o pelo caíra-lhe em vários pontos, as costelas avultavam num fundo róseo, onde manchas escuras supuravam e sangravam, cobertas de moscas.”

O livro, segundo o pesquisador, começou com Baleia, escrito em 4 de maio e publicado em O Jornal no dia 23 de maio de 1937. “O autor determinou que esse primeiro capítulo fosse o nono na sequência do romance”, explica.

"O leitor pode perceber que as narrativas podem, de fato, ser lidas de modo independente".

O pesquisador lembra que Rubem Braga classificou Vidas Secas como um “romance desmontável” ao relacionar o seu caráter fragmentário. O leitor pode optar por ler os capítulos de modo independente. No entanto, a ordem que o escritor organizou tem, segundo Salla, suas razões. “O modo como Graciliano articula os capítulos confere unicidade ao todo. Creio que perdem força se lidos em separado, sobretudo quando se considera o caráter a um só tempo caleidoscópico e cíclico da obra. Ou seja, a família foge da seca no início e ao final do livro.”

imagem 6
As diversas capas de diferentes edições que foram lançadas – Divulgação

Outro manuscrito que o pesquisador destaca é a capa do livro que deveria ser intitulado como O Mundo Coberto de Penas. Um documento em que se pode observar o desenho da letra de Graciliano Ramos riscando e alterando para Vidas Secas. “Caso conferisse ao livro o primeiro título, que prevaleceu até as vésperas de sua publicação, o escritor realçaria mais o estatuto de conto do que de capítulo de cada uma das divisões da obra”, justifica. “Isso porque, metonimicamente, ele elegeria o nome de uma parte para nomear o todo, procedimento muito comum na titulação de livros de contos.

Além disso, se optasse por O Mundo Coberto de Penas, trecho que trata da preparação da família para deixar a fazenda, realizaria uma leitura mais restrita da vida dos sertanejos, privilegiando tão somente as desgraças e o fatalismo inclemente das secas no sertão nordestino. Por outro lado, ao optar por Vidas Secas, seu único título adjetivado, elegeu um nome capaz de englobar todas as narrativas e conferir unidade ao todo, realçando a arquitetura precisa e bem estruturada do conjunto.”

O título escolhido, conforme esclareceu o próprio Graciliano Ramos, destaca a “existência miserável de trabalho, de luta, sob o guante da natureza implacável e da injustiça humana”. O pesquisador ressalta: “Vidas Secas materializa muito bem aquilo que, na minha opinião, é o grande legado de Graciliano: a conjunção entre rigor formal, introspecção e problematização de diferentes temas de caráter social, tais como a miséria, a exploração, a humilhação, entre outros ingredientes que compõem um caldeirão de conflitos bem brasileiro, prestes a explodir”.

imagem 7
Graciliano Ramos – Foto: via Kurt Klagsbrunn

Graciliano Ramos de Oliveira era um romancista, cronista,
Escritor de história curta, jornalista, político e memorialista brasileiro
Do século 20, mais conhecida pelo seu livro Vidas Secas.

Nascido: 27 de outubro de 1892, Quebrangulo, Alagoas
Morte: 20 de março de 1953, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

Nacionalidade: Brasileiro
Crianças: Ricardo Ramos, Clara Ramos, Júnio Ramos,
  Heloísa Leite de Medeiros (de 1928 a 1953),
Maria Augusta de Barros (de 1915 a 1920)