Google+ Followers

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Fórum de Educação Integral para uma Cidade Educadora. - 24 de agosto de 2017


Câmara Municipal de São Paulo, São Paulo,Brasil.
Auditório: Prestes Maia
Palestrante: professora Dra. Cláudia Galian - 
Faculdade de Educação da Usp - FEUSP. e
Érica Solange C. Seabra - EMEI

imagens



























acervo @edisonmariotti

Cultural tourism: Museums set target of Rwf400 million. - Turismo cultural: os museus estabeleceram alvo de Rwf400 milhões.

The Institute of National Museums of Rwanda (INMR) has embarked on revamping museum structures and service packages to be able to double the current revenue of Rwf200m from cultural tourism per annum.

image
 Ukundamariya and Masozera officiate the launch of the
 environment museum in Kigali on Saturday. / Michel Nkurunziza.

The director of the institute, Robert Masozera said during an interview with The New Times after officially inaugurating a children’s library at the environmental museum in Karongi District.

The library is one of the projects aimed at revamping museums.

The library dubbed Uruhongore (kraal) was set up with support from a local not-for-profit publishing house ‘Bakame Editions’ in conjunction with the German embassy.

The German support that will stand at Euro 25,000 by the time the library is fully stocked is from the German Climate Finance Fund according to Gabriele Berdelmann, the second secretary at the embassy.

The library has a variety of children books with social life stories as well as promoting environmental protection.

image 2
Officials handing books to children. / Michel Nkurunziza.

Agnes Ukundamariya, the founder of Bakame Editions said they have so far produced over 6,000 copies of one edition of a children’s book on environment titled ‘Uruhimbi rwa Nyanka’ which was put in the library at the museum.

Masozera said the library will also attract parents with their children to visit other sections of the museum.

He said the Karongi-based museum is one of eight museums in the country that are being revamped so as to increase revenues from cultural tourism.

“We want to double or triple the current Rwf200m annual revenues. That is why we have recently introduced a comprehensive package that covers all museums. It means that with a single payment, one gets a 30 per cent discount to visit all museums,” Masozera explained.

General entrance fees for each museum are; Rwf1, 500 for nationals (adults), $5 for EAC citizens, $8 for foreign residents in Rwanda and $10 for non-residents.

Students pay Rwf700, $2, $3 and $5 respectively for nationals, EAC citizens, residents and non-residents.

The museums also generate revenues from other services such as providing venue for wedding photo shoots, receptions and conference halls, among others.

Masozera said statistics show that at least between 180,000 and 200,000 people visit the eight museums per year while the number was not more than 1,000 before 1994 Genocide against the Tutsi adding that until 2003, there was only one museum.

image 3
Children will be able to read the books at the museum.

Relocating animals from Kandt House

Meanwhile, Masozera told The New Times that features related to environment including living animals such as reptiles at Natural History Museum (Kandt House) in Kigali will be relocated to the environment museum in Karongi.

He said relocation has already started and by September 16, all features will have been relocated so that the museum in Nyarugenge remains only for history about Germany colonization of Rwanda.

Kandt House is believed to be the first modern house to have been built in Kigali, and it was the residence of the German colonial governor of Rwanda.

“We want that Karongi museum to be one of the four biggest museums in Rwanda. That is why we have got a library of children and besides the relocation of animals to this museum, we shall have other features such as medicinal herbs, energy, display of methane gas extraction from Lake Kivu, different minerals produced in Rwanda etc,” he said.

He said that the museum could also start hosting big international events such as conferences related to environment, sciences and others so as to generate more revenues.

-
Kigali ou Quigali é a capital e maior cidade de Ruanda. A sua população é estimada em 966.000 habitantes. Fica localizada no centro do país, numa crista entre dois vales, sendo conhecida pela sua vegetação
editorial@newtimes.co.rw

-


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.



--br via tradutor do google
Turismo cultural: os museus estabeleceram alvo de Rwf400 milhões.

O Instituto de Museus Nacionais do Ruanda (INMR) embarcou em reformar estruturas de museus e pacotes de serviços para poder duplicar a receita atual de Rwf200m do turismo cultural por ano.

imagem
Ukundamariya e Masozera oficiam o lançamento do museu do meio ambiente em Kigali no sábado. / Michel Nkurunziza.

O diretor do instituto, Robert Masozera, disse durante uma entrevista com The New Times depois de inaugurar oficialmente uma biblioteca para crianças no museu ambiental do distrito de Karongi.

A biblioteca é um dos projetos voltados para a renovação de museus.

A biblioteca denominada Uruhongore (kraal) foi criada com o apoio de uma editora local sem fins lucrativos 'Bakame Editions' em conjunto com a embaixada alemã.

O apoio alemão que será de 25 mil euros no momento em que a biblioteca estiver totalmente abastecida é o Fundo Alemão de Finanças Climáticas segundo Gabriele Berdelmann, o segundo secretário da embaixada.

A biblioteca tem uma variedade de livros infantis com histórias de vida social, além de promover a proteção ambiental.

Imagem 2
Funcionários que entregam livros para crianças. / Michel Nkurunziza.

Agnes Ukundamariya, fundadora das Edições de Bakame, disse que até agora produziram mais de 6.000 cópias de uma edição de um livro para crianças sobre ambiente intitulado 'Uruhimbi rwa Nyanka', que foi colocado na biblioteca no museu.

Masozera disse que a biblioteca também atrairá pais com seus filhos para visitar outras seções do museu.

Ele disse que o museu baseado em Karongi é um dos oito museus do país que estão sendo renovados para aumentar as receitas do turismo cultural.

"Queremos dobrar ou triplicar as atuais receitas anuais Rwf200m. É por isso que recentemente introduzimos um pacote abrangente que abrange todos os museus. Isso significa que, com um único pagamento, obtém um desconto de 30% para visitar todos os museus ", explicou Masozera.

As taxas gerais de entrada para cada museu são; Rwf1, 500 para nacionais (adultos), US $ 5 para cidadãos EAC, US $ 8 para residentes estrangeiros em Ruanda e US $ 10 para não residentes.

Os alunos pagam Rwf700, US $ 2, US $ 3 e US $ 5, respectivamente, para nacionais, cidadãos da EAC, residentes e não residentes.

Os museus também geram receitas de outros serviços, como o local para eventos de casamento, recepções e salas de conferências, entre outros.

Masozera disse que as estatísticas mostram que pelo menos entre 180.000 e 200.000 pessoas visitam os oito museus por ano, enquanto o número não era mais de 1.000 antes de 1994, o genocídio contra os tutsis, acrescentando que, até 2003, havia apenas um museu.

Imagem 3
As crianças poderão ler os livros no museu.

Mudança de animais da Kandt House

Enquanto isso, Masozera disse ao The New Times que as características relacionadas ao meio ambiente, incluindo animais vivos, como os répteis no Museu de História Natural (Kandt House), em Kigali serão transferidas para o museu do meio ambiente em Karongi.

Ele disse que a deslocalização já começou e, até 16 de setembro, todas as características terão sido transferidas para que o museu em Nyarugenge permaneça apenas para a história sobre a colonização da Alemanha no Ruanda.

Acredita-se que Kandt House seja a primeira casa moderna a ser construída em Kigali, e foi a residência do governador colonial alemão do Ruanda.

"Queremos que o museu Karongi seja um dos quatro maiores museus de Ruanda. É por isso que temos uma biblioteca de crianças e, além da deslocalização de animais para este museu, devemos ter outras características como ervas medicinais, energia, exibição de extração de gás metano do lago Kivu, diferentes minerais produzidos em Ruanda, etc. disse.

Ele disse que o museu também poderia começar a hospedar grandes eventos internacionais, como conferências relacionadas ao meio ambiente, ciências e outros, de modo a gerar mais receitas.

Kigali ou Quigali é a capital e maior cidade de Ruanda. A sua população é estimada em 966.000 habitantes. Fica localizada no centro do país, numa cena entre dois vales, sendo conhecida pela sua vegetação
Editorial@newtimes.co.rw

On the island of Pariti they open an archaeological museum. - En la isla Pariti estrenan un museo arqueológico. - Na ilha de Pariti, abre-se um museu arqueológico.

They were made about 1,000 years ago by the Tiwanacots and discovered by a team of Bolivian and Finnish archaeologists last year on Lake Titicaca.




This Saturday, the collection of pieces found on the island of Pariti, which caused admiration among researchers for their fine finishes and the type of morphologies never before known in the Andean culture, will return home after having been displayed in different spaces Of the country.

Thanks to the financial support of the Swiss Cooperation, the approximately 40 Aymara fishermen families that live on the island of Pariti will protect and show tourists the archaeological pieces in their own museum.

The opening ceremony will be attended by national authorities such as the President of the Republic, Eduardo Rodríguez Veltzé, and the archaeologists who conducted the find, led by Bolivian researcher Jedú Sagárnaga and his Finnish counterpart Antti Korpisaari.

Pariti's collection gave new insights on the artistic development of the Tiwanacota culture, but research will continue, archaeologists say.


(La Paz - La Razón)
Correspondence, suggestions and information to:
Prensabolivia@interlatin.com
Fax: 591-2-225734


-
On the Bolivian side of Lake Titicaca (in the southern sector known as Lago Menor), very close to the border with Peru, there is a small island (only 4 km2) called Pariti, inhabited by an Aymara peasant community. Every few years, its inhabitants found pieces of very fine pottery in their fields of cultivation. Interested in solving the mysterious origin of these objects an archaeological mission excavated there between 2004 and 2006. After a couple of disappointing work seasons they finally got two circular wells that were full of broken pottery and bones of flames.

Realizing the archaeologists, rebuilding 435 pieces of pottery, many of which were of exceptional quality. The radiocarbon studies determined that they were buried there between the years 900 and 1050 of our era, the same time in which the great state of Tiahuanaco came to an end.
In interpreting the meaning of these findings. There are many interesting clues. For example, there are almost no food storage vessels found, and there are none that can be used to prepare food. On the other hand, 70% is made up of containers that are profusely decorated to serve food or drink (such as kero vessels, bowls and some curious dishes that the archaeologists called "harrowed"). Adding to it the abundance of camelid bones all seems to indicate that this was a place where drinks and food were consumed. But it is not a simple consumption because the pieces are too elaborate to be simply discarded without reason. In fact it has been shown that all the vessels were carefully cracked before being deposited inside the wells, which tells us of some kind of ritual. It is not uncommon in the Andean region. It happened the same thing, 1500 years in Chavín de Huántar or in Cahuachi, in Peru. But in temples, instead in Pariti no.

The pottery is of an amazing diversity, the ones that represent humans, for example, they look different types of dress, corporal adornments and types of hairstyles. All this suggests that people who belonged to various ethnic groups were being tried. There are also extremely rare pieces for Tiahuanaco standards, such as foot-shaped vessels (something that was common in the archaeological sites that the Wari inhabited in Peru at the time). However it has been ruled that they come from a region far away from Titicaca. The chemical analysis of the ceramics shows that all the pieces are formed by clays and minerals of the Tiahuanaco nuclear region, that is, the south of Lake Titicaca.
The foundations of many walls found in the excavations are distributed in a disorderly way, although all are made of rock and mud there are thin, thick, double, some curved and there does not seem to be a pattern or a general planning of its construction, as if each Once an offering had been made a different structure had been built. In any case this indicates that the important thing was the site (the island), and not the construction.
Photo ceramic figure zoomorph, represents the head of a monkey, found in the Lowlands, taken from J. Sagárnaga
By: Adrian Alejandro Mendoza
Student of anthropology (FFyH), Villa Carlos Paz, Córdoba, Argentina.




Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.














--es
En la isla Pariti estrenan un museo arqueológico.

Fueron elaboradas hace aproximadamente 1.000 años por los tiwanacotas y descubiertas por un equipo de arqueólogos bolivianos y finlandeses el año pasado en el lago Titicaca.

Este sábado, la colección de piezas halladas en la isla de Pariti, que causaron admiración entre los investigadores por sus finos acabados y por el tipo de morfologías nunca antes conocidas en la cultura andina, retornarán a su hogar luego de haber sido exhibidas en diferentes espacios culturales del país.

Gracias al apoyo económico de la Cooperación Suiza, las cerca de 40 familias aymaras de pescadores que habitan la isla de Pariti resguardarán y exhibirán a los turistas las piezas arqueológicas en su propio museo.

El acto de inauguración, este sábado, contará con la presencia de autoridades nacionales como el presidente de la República, Eduardo Rodríguez Veltzé, y los arqueólogos que realizaron el hallazgo, liderados por el investigador boliviano Jedú Sagárnaga y su par finlandés Antti Korpisaari.

La colección de Pariti dio nuevas luces sobre el desarrollo artístico de la cultura tiwanacota, pero las investigaciones continuarán, según los arqueólogos.

(La Paz - La Razón)
Correspondencia, sugerencias e informaciones a:
prensabolivia@interlatin.com
Fax : 591-2-225734

-
En el lado boliviano del Lago Titicaca (en el sector sur conocido como Lago Menor), muy cerca de la frontera con el Perú, existe una pequeña isla (de sólo 4 km2) llamada Pariti, habitada por una comunidad campesina aymara. Cada pocos años, sus habitantes encontraban partes de cerámica muy fina en sus campos de cultivo. Interesados por resolver el misterioso origen de esos objetos una misión arqueológica excavó ahí entre el 2004 y el 2006. Después de un par de temporadas de trabajo decepcionantes dieron por fin con dos pozos circulares que estaban repletos de cerámica rota y huesos de llamas.

Logrando los arqueólogos, reconstruir 435 piezas de cerámica, muchas de las cuales eran de una calidad excepcional. Los estudios de radiocarbono determinaron que fueron enterradas ahí entre los años 900 y 1050 de nuestra era, la misma época en la que el gran estado de Tiahuanaco llegaba a su fin.

En la interpretación del significado de estos hallazgos. Hay muchas pistas interesantes. Por ejemplo, casi no se han encontrado vasijas para almacenamiento de comida y no hay ninguna que sirviera para preparar alimentos. En cambio el 70% está constituido por recipientes profusamente decorados para servir comida o bebida (como los vasos tipo kero, las escudillas y unos platos de curiosa forma que los arqueólogos llamaron "arriñonada"). Si sumamos a ello la abundancia de huesos de camélidos todo parece indicar que éste era un lugar en el que se consumían bebidas y alimentos. Pero no se trata de un simple consumo porque las piezas son demasiado elaboradas como para ser simplemente desechadas sin razón. De hecho se ha demostrado que todas las vasijas fueron quebradas cuidadosamente antes de ser depositadas en el interior de los pozos, lo que nos habla de algún tipo de ritual. No es algo raro en la región andina. Sucedió lo mismo, 1500 años en Chavín de Huántar o en Cahuachi, en el Perú. Pero en templos, en cambio en Pariti no.

La cerámica es de una asombrosa diversidad, las que representan humanos, por ejemplo, lucen diferentes tipos de vestimenta, adornos corporales y tipos de peinados. Todo esto hace suponer que se intentaba representar personas que pertenecían a varios grupos étnicos. También hay piezas sumamente raras para los estándares Tiahuanaco , como por ejemplo vasijas en forma de pie (algo que en cambio era común en los sitios arqueológicos que en esa misma época habitaron los wari en el Perú). Sin embargo se ha descartado que provengan de una región lejana al Titicaca. El análisis químico de la cerámica demuestra que todas las piezas están formadas por arcillas y minerales de la región nuclear Tiahuanaco, esto es, el sur del Lago Titicaca.

Los cimientos de muchos muros encontrados en las excavaciones se distribuyen de forma desordenada, aunque todos están hechos de roca y barro los hay delgados, gruesos, dobles, algunos curvos y no parece haber un patrón o una planificación general de su construcción, como si cada vez que se realizaba una ofrenda se hubiera construido una estructura diferente. En cualquier caso esto indica que lo importante era el sitio (la isla), y no la construcción.

Foto figura de cerámica zoomorfa, representa la cabeza de un mono, hallada en las Tierras Bajas, tomada de J. Sagárnaga

Por: Adrian Alejandro Mendoza

Estudiante de antropología (FFyH), Villa Carlos Paz, Córdoba, Argentina.
--br via tradutor do google
Na ilha de Pariti, abre-se um museu arqueológico.

Eles foram feitos há cerca de 1.000 anos pelos Tiwanacots e descobertos por uma equipe de arqueólogos bolivianos e finlandeses no ano passado no Lago Titicaca.

Este sábado, a coleção de peças encontradas na ilha de Pariti, que causou admiração entre os pesquisadores por seus acabamentos finos e o tipo de morfologias que nunca antes conheciam na cultura andina voltarão para casa depois de terem sido exibidas em diferentes espaços Do país.

Graças ao apoio financeiro da Cooperação Suíça, as 40 famílias de pescadores Aymara que moram na ilha de Pariti protegerão e mostrarão aos turistas as peças arqueológicas em seu próprio museu.

A cerimônia de abertura contará com a presença de autoridades nacionais, como o presidente da República, Eduardo Rodríguez Veltzé e os arqueólogos que realizaram o achado, liderados pelo pesquisador boliviano Jedú Sagárnaga e seu homólogo finlandês, Antti Korpisaari.

A coleção de Pariti deu novos conhecimentos sobre o desenvolvimento artístico da cultura Tiwanacota, mas a pesquisa continuará, dizem os arqueólogos.

(La Paz - La Razón)
Correspondência, sugestões e informações para:
Prensabolivia@interlatin.com
Fax: 591-2-225734

No lado boliviano do lago Titicaca (no setor sul conhecido como Lago Menor), muito perto da fronteira com o Peru, há uma pequena ilha (apenas 4 km2) chamada Pariti, habitada por uma comunidade camponesa aymara. Todos os anos, seus habitantes encontraram peças de cerâmica muito fina em seus campos de cultivo. Interessado em resolver a misteriosa origem desses objetos, uma missão arqueológica escavada lá entre 2004 e 2006. Depois de algumas temporadas de trabalho decepcionantes, eles finalmente encontraram dois poços circulares que estavam cheios de cerâmica quebrada e ossos flamejantes.


Percebendo os arqueólogos, reconstruindo 435 peças de cerâmica, muitas das quais de excepcional qualidade. Os estudos de radiocarbonos determinaram que foram enterrados entre os anos 900 e 1050 da nossa era, ao mesmo tempo em que o grande estado de Tiahuanaco chegou ao fim.


Ao interpretar o significado dessas descobertas. Existem muitas pistas interessantes. Por exemplo, quase nenhum navio de armazenamento de alimentos foi encontrado, e não há nenhum que possa ser usado para preparar alimentos. Por outro lado, 70% é constituído por recipientes que são abundantemente decorados para servir comida ou bebida (como vasos kero, tigelas e pratos de forma curiosa que os arqueólogos chamavam de "angustiado"). 


Adicionando-se a abundância de ossos de camélido parece indicar que este era um lugar onde as bebidas e os alimentos eram consumidos. Mas não é um consumo simples porque as peças são muito elaboradas para simplesmente serem descartadas sem razão. Na verdade, foi demonstrado que todos os vasos foram cuidadosamente quebrados antes de serem depositados dentro dos poços, o que nos fala de algum tipo de ritual. Não é incomum na região andina. Aconteceu o mesmo, 1500 anos em Chavín de Huántar ou em Cahuachi, no Peru. Mas nos templos, em vez disso no Pariti no.

A cerâmica é de uma incrível diversidade, as que representam os seres humanos, por exemplo, eles parecem diferentes tipos de roupas, adornos corporais e tipos de penteados. Tudo isso sugere que pessoas que pertenciam a vários grupos étnicos estavam sendo tentadas. 


Também existem peças extremamente raras para os padrões Tiahuanaco, como os vasos em forma de pé (algo comum nos sítios arqueológicos que o Wari habita no Peru na época). No entanto, foi decidido que eles vieram de uma região muito distante de Titicaca. A análise química da cerâmica mostra que todas as peças são formadas por argilas e minerais da região nuclear de Tiahuanaco, ou seja, ao sul do lago Titicaca.

Os fundamentos de muitas paredes encontradas nas escavações são distribuídos de forma desordenada, embora todos sejam feitos de rocha e lama, são finas, grossas, duplas, algumas curvas e não parece haver um padrão ou um planejamento geral de sua construção, como se cada um Uma vez que uma oferta foi feita, uma estrutura diferente foi construída. Em qualquer caso, isso indica que o importante era o site (a ilha), e não a construção.


Foto figura cerâmica zoomorfo, representa a cabeça de um macaco, encontrado nas terras baixas, tirado de J. Sagárnaga
Por: Adrian Alejandro Mendoza
Estudante de antropologia (FFyH), Villa Carlos Paz, Córdoba, Argentina.