Google+ Followers

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Do not miss tonight in the MSU RS the author's leadership of Radoš Antonijevic through the exhibition "Standing in Place". --- Ne propustite večeras u MSU RS autorsko vođenje umjetnika Radoša Antonijevića kroz izložbu " Na svome mjestu stajati". - Não perca esta noite no MSU RS a liderança do autor de Radoš Antonijevic através da exposição "Standing in Place".

I'll see you at the Museum from 8:00 pm.















Foto: Ilustracija | Vađenje krompira i vođenje kroz izložbu Radoša Antonijevića 




Closing the exhibition of Radoš Antonijevic in the MSU RS.


On the occasion of the closing of the exhibition, which began with the unusual artistic intervention of potato planting in public space, realized on the plateau in front of the MSU RS in early April, entitled "Those who eat potatoes", the author invites the audience to complete this multi-month performance jointly by extracting potatoes. 

Potatoes grown during the past months in front of the Museum, put in molds in the form of a portrait of Vincent Van Gogh, will be taken out of the country and distributed to interested visitors. It is up to the audience to decide whether this "artwork" will be used as a seed for a new planting, consumed or preserved in its original form as a sculpture and give it some new function or additional artistic value. Let the circle close!






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.






--bosnio
Ne propustite večeras u MSU RS autorsko vođenje umjetnika Radoša Antonijevića kroz izložbu " Na svome mjestu stajati". 

Vidimo se u Muzeju od 20:00 časova.

Zatvaranje izložbe Radoša Antonijevića u MSU RS.

U četvrtak 24. avgusta u 20.00 časova u Muzeju savremene umjetnosti Republike Srpske, umjetnik Radoš Antonijević održaće autorsko tumačenje svoje samostalne izložbe „ Na svome mjestu stajati“. Povodom zatvaranja izložbe koja je započela neobičnom umjetničkom intervencijom sađenja krompira u javnom prostoru realizovanom na platou ispred MSU RS početkom aprila pod nazivom „Oni koji jedu krompir“, autor poziva publiku da zajedno, vađenjem krompira, završe ovaj višemjesečni performans. Krompir uzgajan tokom proteklih mjeseci ispred Muzeja, stavljen u kalupe u obliku portreta Vinsenta Van Goga, biće izvađen iz zemlje i podijeljen zainteresovanim posjetiocima. Na publici je da odluči da li će ovo „umjetničko djelo“ iskoristiti kao sjeme za novu sadnju, konzumirati ga ili sačuvati u originalnom obliku kao skulpturu i dati mu neku novu funkciju ili dodatnu umjetničku vrijednost. Neka se zatvori krug!













--br via tradutor do google
Não perca esta noite no MSU RS a liderança do autor de Radoš Antonijevic através da exposição "Standing in Place".

Eu vejo você no Museu a partir das 20:00.

Fechar a exposição de Radoš Antonijevic no MSU RS.

Na quinta-feira, 24 de agosto, às 20 horas, no Museu de Arte Contemporânea da República da Srpska, o artista Radoš Antonijević realizará uma interpretação autorizada de sua exposição individual "Standing in Its Place". Por ocasião do encerramento da exposição, que começou com a intervenção artística incomum da plantação de batata no espaço público, realizada no platô em frente ao MSU RS no início de abril, intitulada "Aqueles que comem batatas", o autor convida o Público para completar este desempenho de vários meses em conjunto extraindo batatas. As batatas cultivadas nos últimos meses em frente ao Museu, colocadas em moldes sob a forma de um retrato de Vincent Van Gogh, serão retiradas do país e distribuídas aos visitantes interessados. Cabe ao público decidir se essa "obra de arte" será usada como uma semente para uma nova plantação, consumida ou preservada na sua forma original como uma escultura e lhe dará uma nova função ou valor artístico adicional. Deixe o círculo fechar!


Artsy house by original Whitney museum architect hits the market. - A casa artística do arquiteto original do museu Whitney atinge o mercado.

Brutal! Modernist Marcel Breuer is best known for designing the original Whitney Museum of Art on the Upper East Side. Of course, that masterpiece of brutalism is now the Met Breuer. But Breuer wasn’t just an institutional architect and the homes he designed are surprisingly cozy.

Located at 471 Derby Milford Road in Orange, Conn., a 4,000-square-foot house by Breuer just hit the market asking $1.6 million, according to 6sqft.

Known as the Donald N. Clark House, Breuer designed the boxy getaway in the 1950s on a 5.5-acre property that eventually came to house an assortment of unique artwork and sculptures. But the art doesn’t stop outside the house; inside is enough wall space and artistic details to make even the most jaded post-modernist drool.

Barbara Lehrer of Coldwell Banker has the listing. Check it out below.
















Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.






--br via tradutor do google
A casa artística do arquiteto original do museu Whitney atinge o mercado.

Brutal! O modernista Marcel Breuer é mais conhecido por projetar o Museu de Arte Whitney original no Upper East Side. Claro, essa obra-prima do brutalismo é agora o Met Breuer. Mas Breuer não era apenas um arquiteto institucional e as casas que ele projetou são surpreendentemente acolhedoras.

Localizado no 471 Derby Milford Road em Orange, Connecticut, uma casa de 4.000 metros quadrados de Breuer acaba de chegar ao mercado pedindo US $ 1,6 milhão, de acordo com 6sqft.

Conhecida como Donald N. Clark House, Breuer projetou o refúgio na década de 1950 em uma propriedade de 5,5 hectares que eventualmente chegou a abrigar uma variedade de obras de arte e esculturas únicas. Mas a arte não pára de fora da casa; Dentro, há espaço suficiente para a parede e detalhes artísticos para fazer até a babaca pós-modernista mais cansada.

Barbara Lehrer da Coldwell Banker tem a listagem. Confira imagens acima.

Letters of writers open doors for studies on the collection of the Mariano Procópio Museum, Minas Gerais - Brazil.. - Cartas de escritores abrem portas para estudos sobre o acervo do Museu Mariano Procópio., Minas Gerias, Brasil.

Machado de Assis and Eça de Queiroz are among the personalities who wrote to Viscountessa de Cavalcanti. Letters were donated to the institution in Juiz de Fora.

Picture 1
In a letter, Eça de Queiroz apologized for being late to write in the fan because he was 'newcomer to this type of literature' (Photo: Museu Mariano Procópio / Divulgação)

The legacy left by the Viscountess of Cavalcanti to the Mariano Procópio Museum is a constant source of surprises. Collector with diversified interests, the cousin of Alfredo Ferreira Lage, the creator of the Museum in Juiz de Fora, left some of his personal letters to the institution.

Among them, there are records of the writers Machado de Assis and Eça de Queiroz - the subject involves her interest in cataloging records of important people at the time. He refers to the fan with signatures, which gained national prominence in 2016 for containing a record of the Baron of Pierre de Coubertain, the creator of the Modern Olympic Games.

"She has left specific letters in several museums, but our collections are limited, but there are those written by the politician Afonso Celso, Ramiz Galvão, intellectual Ramalho Ortigão, painter Léon Bonnat." The Viscondessa had an interest in having this autograph, The record of these important personalities at the turn of the 19th and 20th century, "said Museum historian Priscila Pinheiro.

According to her, these records may be the beginning of studies that dialogue with other institutions. "Each letter has a different theme.This may be a starting point.It is important a more robust documentation for the analysis, which leads to the need to research in other institutions.As we are looked for by a researcher, it is a way of disseminating And valuing the collection, as well as allowing it to be appropriated by society, "he commented.

Researchers interested in items from the Mariano Procópio Museum collection should contact the Technical Collection Department at (32) 3690-2004. He will have to complete a search request form and the members will check what is necessary to enable the service.

Picture 2
Viscondessa de Cavalcanti collected autographs of personalities in the range, which integrates the collection of the Mariano Procópio Museum (Photo: Mariano Procópio Museum / Archive)

Eça: doubt about what to write in the fan
Can a writer be in doubt about how to use words? This is the curiosity about the message written by the author of "The Primo Basílio" and "The Mayas" on March 12, 1891. The Portuguese writer apologizes for not knowing what to write in the famous fan where the Viscountessa of Cavalcanti collected signatures.

"It is a specific letter that arouses a particular interest in dialoguing with an icon object of the museum. He apologizes for the delay in returning the fan, because he was debuting in this genre of literature: to leave autograph, a record, in a different object. Of the signature, he put a phrase, explaining that he thought so much to write and resorted to the wisdom of Solomon, "commented the historian.


Picture 3
Letter from Eça de Queiroz to the Viscondessa de Cavalcanti is part of the collection of the Mariano Procópio Museum (Photo: Mariano Procópio Museum / Publication)

Check the entire letter of Eça de Queiroz
"5 Rue [...] March 12, 1891
Madam,
I humbly beg your pardon. To have retained so much time its beautiful fan. But it was my debut in this genre of literature - and hence a natural hesitation and delay. And in the end, for what? To have to draw upon the experience and wisdom of Solomon, King of Jerusalem!
I have my deepest respect at your feet, my lady.

Picture 4
Machado de Assis wrote about the collection of poems that the Viscondessa intended to do (Photo: Museu Mariano Procópio / Divulgação)


Machado and the collection of poetry
The letter of Machado de Assis, which was written nine years later, involves a request for a collection that the Viscountess had an interest in. "She intended to collect poetry. In the letter, he is talking about a poem he wrote in an album for her," he commented.
Thanks to this record of the author, the Museum was searched by a researcher. "He wants to bring together the whole literary work of Machado," said the historian, "and we have in the collection the letter, the verse and a signature in the fan.
Check the entire letter of Machado de Assis to the Viscondessa
"Rio, June 13, 1900
Exma. Viscountess Lady,
I have here with me the sheets of your Excellency's album, which I received from my illustrious friend José Veríssimo, with a sheet written by him. According to your Excellency's orders, this sheet should not be communicated to the others, and successively those that are written. For my part, I violated the rule by reading that sheet, which is in my possession, until you tell me otherwise. Now, I would like to know if you are ordering me to continue to send the pages of the album to the other people I have already spoken to, and to take them with you and send them all to you. To send them one by one, or, finally, any other thing has been resolved about it, - which I will do as I am determined. I do not include here the sheet written by J. Veríssimo so as not to double it.

Your Excellency, if you have,
Of your life
[Admirer] and [...]
Machado de Assis"

Picture 5
Researcher sought the Mariano Procópio Museum interested in information about the Machado de Assis letter (Photo: Museu Mariano Procópio / Divulgação)

Who was the Viscountess of Cavalcanti?
The Viscountess of Cavalcanti, who was given the baptism name of Amélia Machado Coelho, was born in Rio de Janeiro on November 7, 1853. In 1871, she married Counselor Diogo Velho Cavalcanti de Albuquerque, who was awarded the title of Viscount of Cavalcanti, one of the most respected statesmen of the Empire, named Senator, besides being president of the provinces of Ceará, Piauí and Pernambuco, and also minister of four portfolios: Foreign Affairs, Agriculture, Justice and Commerce and Public Works.

Villa Ferreira Lage, the family chateau, was one of the official residences of Viscondessa, niece of Mariano Procópio. In a certain period, he even shared the house with his cousin, Alfredo Ferreira Lage.

"She was aware of the practice of collecting in Europe and the US She and her husband had a privileged position, which contributed to the contacts with these personalities.He was able to articulate circulation very well in this environment and interests in collections" , Analyzed Priscila Pinheiro.

Collector, the Viscondessa gathered varied items for the private museum that had in Rio de Janeiro. After the Proclamation of the Republic, he took the collection to Paris, where he moved with his family. Between the 1920s and 1930s, he distributed this collection among institutions in Brazil and abroad. Still in life, he donated part of the collection to the Museum, pieces and objects of the most varied genres.

Picture 6
Diverse collection donated by Viscondessa de Cavalcanti is part of the Mariano Procópio Museum (Photo: Mariano Procópio Museum / Archive)









Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.








--br
Cartas de escritores abrem portas para estudos sobre o acervo do Museu Mariano Procópio.

Machado de Assis e Eça de Queiroz estão entre as personalidades que escreveram para a Viscondessa de Cavalcanti. Cartas foram doadas à instituição em Juiz de Fora.

imagem 1
Em carta, Eça de Queiroz se desculpou por demorar a escrever no leque porque era 'estreante neste tipo de literatura' (Foto: Museu Mariano Procópio/Divulgação)

A herança deixada pela Viscondessa de Cavalcanti ao Museu Mariano Procópio é uma fonte constante de surpresas. Colecionadora com interesses diversificados, a prima de Alfredo Ferreira Lage, o criador do Museu em Juiz de Fora, deixou algumas de suas cartas pessoais à instituição.

Entre elas, há registros dos escritores Machado de Assis e Eça de Queiroz - o assunto envolve o interesse dela em catalogar registros de pessoas importantes na época. Ele faz referência ao leque com assinaturas, que ganhou destaque nacional em 2016 por conter um registro do Barão de Pierre de Coubertain, o criador dos Jogos Olímpicos Modernos.

"Ela deixou cartas específicas em vários museus. O nosso acervo é limitado, mas têm as que foram escritas pelo político Afonso Celso, intelectual Ramiz Galvão, escritor Ramalho Ortigão, pintor Léon Bonnat. A Viscondessa tinha interesse em ter este autógrafo, ou seja, o registro desta personalidades importantes na virada do século 19 e 20", disse a historiadora do Museu, Priscila Pinheiro.

De acordo com ela, estes registros podem ser o início de estudos que dialoguem com outras instituições. "Cada carta tem uma temática diferente. Pode ser um ponto de partida. É importante uma documentação mais robusta para a análise, o que leva a necessidade de pesquisar em outras instituições. À medida que somos procurados por um pesquisador, é uma forma de divulgar e valorizar o acervo, além de permitir a apropriação dele pela sociedade", comentou.

Os pesquisadores interessados em itens do acervo do Museu Mariano Procópio devem entrar em contato com o Departamento de Acervo Técnico, pelo telefone (32) 3690-2004. Ele terá que preencher um formulário de solicitação de pesquisa e os integrantes irão verificar o que é necessário para viabilizar o atendimento.

imagem 2
Viscondessa de Cavalcanti colecionou autógrafos de personalidades em leque, que integra o acervo do Museu Mariano Procópio (Foto: Museu Mariano Procópio/Arquivo)

Eça: dúvida sobre o que escrever no leque
Pode um escritor ficar em dúvida sobre como usar as palavras? Esta é a curiosidade sobre a mensagem escrita pelo autor de "O Primo Basílio" e "Os Maias" em 12 de março de 1891. O escritor português se desculpa por não saber o que escrever no famoso leque onde a Viscondessa de Cavalcanti colecionava assinaturas.

"É uma carta específica, que desperta um interesse particular ao dialogar com um objeto ícone do museu. Ele pede desculpas pela demora em devolver o leque, porque ele estava estreando neste gênero de literatura: deixar autógrafo, um registro, em objeto diferente. Além da assinatura, ele colocou uma frase, explicando que pensou tanto para escrever e recorreu a sapiência de Salomão", comentou a historiadora.


imagem 3
Carta de Eça de Queiroz à Viscondessa de Cavalcanti faz parte do acervo do Museu Mariano Procópio (Foto: Museu Mariano Procópio/Divulgação)

Confira a íntegra da carta de Eça de Queiroz
“5 Rue [...] 12 março 1891
Minha Senhora,
Peço humildemente perdão a V. Exa. de ter retido tanto tempo o seu lindo leque. Mas era minha estreia neste gênero de literatura – e daí uma natural hesitação e demora. E, no fim, para quê? Para ter de recorrer à experiência e sapiência de Salomão, Rei de Jerusalém!
Tenho aos pés de V. Exa., minha senhora, os meus mais profundos respeitos.

imagem 4
Machado de Assis escreveu sobre coleção de poesias que a Viscondessa pretendia fazer (Foto: Museu Mariano Procópio/Divulgação)

Machado e a coleção de poesias
Já a carta de Machado de Assis, que foi escrita nove anos depois, envolve um pedido voltado para uma coleção que a Viscondessa tinha interesse. "Ela tinha intenção de colecionar poesias. Na carta, ele está falando sobre um poema que escreveu em um álbum para ela", comentou.
Graças a este registro do autor, o Museu foi procurado por um pesquisador. "Ele quer reunir toda a obra literária de Machado. Nós temos no acervo a carta, o verso e uma assinatura no leque. É uma contribuição importante, que complementa outros documentos que ele já localizou na pesquisa", explicou a historiadora.
Confira a íntegra da carta de Machado de Assis à Viscondessa
“Rio, 13 de junho 1900
Exma. Senhora Viscondessa,
Tenho aqui comigo as folhas do álbum de V. Ex., que recebi do meu ilustre amigo José Veríssimo, com uma folha escrita por ele. Segundo as ordens de V. Ex., esta folha não devia ser comunicada aos outros, e sucessivamente as que forem sendo escritas. Pela minha parte, violei a regra, lendo aquela folha, que fica em meu poder, até que V. Ex. mande o contrário. Ora, eu quisera saber se V. Ex. me ordena que continue a passar as folhas do álbum às outras pessoas a quem já falei, encarregando-me de as reter comigo e remetê-las todas juntas a V. Ex., ou se quer que lhas envie uma a uma escritas, ou enfim, se resolveu outra qualquer cousa sobre isto, - o que tudo cumprirei, segundo me for determinado. Não incluo já aqui a folha escrita pelo J. Veríssimo para não haver de a dobrar.

Queira V. Exª dispor de quem é, com elevada consideração,
De V. Exª
[Admirador] e [...]
Machado de Assis”

imagem 5
Pesquisador procurou Museu Mariano Procópio interessado em informações sobre a carta de Machado de Assis (Foto: Museu Mariano Procópio/Divulgação)

Quem foi a Viscondessa de Cavalcanti?
A Viscondessa de Cavalcanti, que recebeu o nome de batismo de Amélia Machado Coelho, nasceu no Rio de Janeiro em 7 de novembro de 1853. Em 1871, casou-se com o Conselheiro Diogo Velho Cavalcanti de Albuquerque, agraciado com o título de Visconde de Cavalcanti, um dos estadistas mais conceituados do Império, nomeado Senador, além de ter sido presidente das províncias do Ceará, do Piauí e de Pernambuco, e também ministro de quatro pastas: Negócios Estrangeiros, Agricultura, Justiça e Comércio e Obras Públicas.
A Villa Ferreira Lage, o castelinho da família, foi uma das residências oficiais da Viscondessa, sobrinha de Mariano Procópio. Em certo período, chegou a dividir a casa com seu primo, Alfredo Ferreira Lage.

"Ela estava antenada com a prática do colecionismo na Europa e nos Estados Unidos. Ela e o marido tinham uma posição privilegiada, o que contribuiu para os contatos com estas personalidades. Ela soube articular muito bem a circulação neste meio e os interesses em coleções", analisou Priscila Pinheiro.

Colecionadora, a Viscondessa reuniu itens variados para o museu particular que tinha no Rio de Janeiro. Após a Proclamação da República, levou o acervo para Paris, para onde se mudou com a família. Entre as décadas de 1920 e 1930, distribuiu esse acervo entre instituições no Brasil e no exterior. Ainda em vida, doou parte da coleção ao Museu, peças e objetos dos mais variados gêneros.

imagem 6
Acervo diversificado doado pela Viscondessa de Cavalcanti faz parte do Museu Mariano Procópio (Foto: Museu Mariano Procópio/Arquivo)