Listen to the text.

domingo, 17 de setembro de 2017

Nigerian govt, build six science, technology museums, says Minister. - Governo nigeriano, constrói seis museus de ciência, tecnologia, diz o ministro.

The Federal Government on Monday said it planned to build a science and technology museum in each of the country’s six geo-political zones.


The Minister of Science and Technology, Ogbonnaya Onu, said in Abuja that the idea was to stimulate children’s interest in science and technology in the country.


“Science, technology and Innovation museum is very important. We want our young people to have interest in science and technology. With that all the natural phenomena that happen – lightning, rainfall – we will have explanations on them there.


“All these little equipment and so on, we will put it in a way that children will start developing interest from early age,” the minister said.

Even the adults, he pointed out, would also like to go in there, because major achievements of science and technology across the country would also be showcased there.

Although he said it would take time to be built, the minister said it was important that it should be done, adding that there was no major country without many of such institutions.

Once the funds become available, he said government would start in Abuja, pointing out that work would soon commence at the site for the SHESTCO Silicon Valley.

“We are going to start a technology village. The money allocated is not much, but we thank President Muhammadu Buhari and we are assuring of more support. We will start work; our intention is to have it in the six zones,” Mr. Onu said.










Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.




--br via tradutor do google
Governo nigeriano, constrói seis museus de ciência, tecnologia, diz o ministro.

O governo federal disse na segunda-feira que planeja construir um museu de ciência e tecnologia em cada uma das seis zonas geopolíticas do país.

O ministro da Ciência e Tecnologia, Ogbonnaya Onu, disse em Abuja que a idéia era estimular o interesse das crianças pela ciência e tecnologia no país.

"O museu de ciência, tecnologia e inovação é muito importante. Queremos que nossos jovens tenham interesse em ciência e tecnologia. Com isso, todos os fenômenos naturais que acontecem - relâmpagos, chuvas - teremos explicações sobre eles lá.

"Todos esses pequenos equipamentos e assim por diante, vamos colocar de uma maneira que as crianças começarão a desenvolver o interesse desde os primeiros anos", disse o ministro.

Mesmo os adultos, ele apontou, também gostaria de entrar lá, porque as principais realizações de ciência e tecnologia em todo o país também seriam exibidas lá.

Embora ele tenha dito que levaria tempo para ser construído, o ministro disse que era importante que fosse feito, acrescentando que não havia um país importante sem muitas dessas instituições.

Uma vez que os fundos estão disponíveis, ele disse que o governo começaria em Abuja, ressaltando que o trabalho começaria em breve no site do SHESTCO Silicon Valley.

"Vamos começar uma aldeia tecnológica. O dinheiro alocado não é muito, mas agradecemos o Presidente Muhammadu Buhari e estamos assegurando mais apoio. Vamos começar a trabalhar; nossa intenção é tê-lo nas seis zonas ", disse Onu.


Material and immaterial cultural heritage in the rural environment: potentialities. - O patrimônio cultural das áreas rurais tem dimensões materiais e imateriais que coexistem e são observadas e analisadas de forma inseparável.

The cultural heritage of rural areas has material and immaterial dimensions that coexist and are observed and analyzed in an inseparable way.

This relationship between tangible heritage and intangible heritage and its role in the social construction of cultural heritage and collective memory can not be forgotten. Researches conducted in the interior of the Algarve have made it possible to find places rich in intangible heritage, such as legends, traditions, prayers, and ancestral knowledge that are at risk of being lost. There are many places in the accelerated process of desertification, with some only two or three inhabitants and elderly. These are places where we still find the landscape preserved, the authenticity of the people, the community experiences, such as the sharing of the oven, threshing floor, donkey, utensils and agricultural implements.

They are spaces that can allow the sustainable tourism experience, valuing the old populations and their knowledge, reviving imaginary ones that manage to meet an idyllic image of the rural. By observation on the ground, I can affirm that there are still relatively preserved experiences in the Algarve, which show that part of the tradition still exists, with an important cross between materiality and immateriality. This crossing allows for many multidisciplinary approaches.

Crossing the interior Algarve from Aljezur to Alcoutim, it is possible to find some examples of connection between material heritage and intangible heritage, almost always in small villages or hills. The mountains in the Algarve are formed by a group of houses, usually of different owners, as if it were a 'mini-village', unlike the mountains in the Alentejo that are usually formed by a single house, sometimes with annexes, and relatively isolated .

Concrete example of the connection between tangible and intangible heritage
Community oven with oratory on side wall


In the two images we can see a community oven in the center of a hill in the northeast of the Algarve. The oven, in addition to its baking function, has a religious worship function, because it has a niche or oratory of Marian devotion on the wall of the oven itself.

This niche or oratory has small peculiarities that value the material and immaterial patrimony: the image of the Virgin Mary is decorated with a border of pebbles collected in the streams; there is a linen cloth that covers the image and it is decorated with a small embroidery representing the know-how and arts of this area of ​​the Algarve.

There is still a panel of six tiles with twelve verses concerning the Virgin Mary and the faith of these people. Also highlighted is the year in which the religious part was adapted to one of the side walls of the furnace. The inhabitants refer to know this oven, always in the middle of the hill, for the use of all.

The twelve verses dedicated to Our Lady of the Conception refer to the devotion of the inhabitants of the mountain and its location, as well as natural elements of the area such as the streams, the springs and the rosemary:

The devotion is so
That we give you an altar
To bless us
In the hours of chance
You stay here on this mountain
From the parish of Alcoutim
You stand between two streams
Where there are only steaks and rosemary

I mentioned the characteristics of this oven to Prof. Dr. Moisés Espírito Santo, who was my professor of Sociology of Religions at the New University of Lisbon, and said that he does not know any other case of this kind in the country.

From the local world to the challenges of the global world
From the oven comes food for the body and for the spirit


Sociologist Anthony Giddens points out that tradition persists with a few reinventions with each generation, but without a deep cut or absolute discontinuity between yesterday, today and tomorrow.

The said sociologist also adds the idea that tradition involves ritual and this constitutes a practical means of preservation. In societies or communities that integrate tradition, rituals are mechanisms for preserving collective memory.

The material and immaterial heritage remains in the rural environment because there is identity and close proximity between the elements of the community, almost always with a degree of kinship between them. These ties reinforce the sense of responsibility in preserving what was left to them by their ancestors.

It is a legacy that weighs on the social construction of cultural heritage and collective memory and this rediscovery of memory, tradition and identity, has an authenticity that facilitates the creation of tourist attractions. Allowing the tourism experience, provided that in a sustainable way, valuing the landscape, the elderly populations and their knowledge, reviving imaginary, can be an asset for all parties: who is visited and who visits.




According to the European Landscape Convention, signed by Portugal and the other members of the Council of Europe in October 2000, the landscape plays important public, cultural, ecological, environmental and social roles and is clearly a resource for activity economic development. According to the same Convention, the heritage of the rural world must be understood and used, taking into account all its components (landscape, buildings, techniques, tools, know-how and rural man himself) as a development factor.

In fact, all these elements are a living heritage. The different actors of the rural world, interconnecting with these elements, give it a sense and value for the community and for the territory.

There is an almost generalized idea that with the globalized world, traditions are becoming obsolete. However, some authors are unanimous in affirming that the era of globalization has allowed a valuation of what is local and specific, in the face of an increasingly homogenized world, that which marks by difference and contains ingredients of genuineness is sought and valued . Moreover, the tools that have been developed in the scope of the new information technologies, allow in minutes we can visualize through the Internet images, films or documentaries about the traditions of remote locations.

While on the one hand it resists the process of globalization, on the other hand the tools produced by this process are used to divulge and maintain the memory and the traditions.
Reinventing the heritage

The heritage over time is being reinvented and new functions are added to it, which sometimes attract people from outside the community. These new users are very likely to try to enjoy the space by experiencing new experiences such as kneading the bread, putting it in the oven, learning the brief prayers for the blessing of the bread, in which the sign of the cross is made, saying: "May God add you and may it be to many people!" And, of course, at the end, taste it along with local produce such as sausages, ham, cheese, honey and olives. In short, it will be the enjoyment of these knowledges and tastes, as part of intangible heritage, that enrich the experience in the rural world.

Hence the reference to a possible sustainable tourism experience, in which there is a rediscovery and interpretation of the rural territory, with alternatives for the development of the rural territories. In that resources are valued and can enable the few existing populations to remain in the places of origin and to obtain some profitability in the maintenance of their traditions, and also to maintain a balance in their relation with the past, the present and the future.

(Article published in Caderno de Artes Cultura.Sul)






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.

















--pt
O patrimônio cultural das áreas rurais tem dimensões materiais e imateriais que coexistem e são observadas e analisadas de forma inseparável.

Esta relação entre patrimônio tangível e patrimônio imaterial e seu papel na construção social do patrimônio cultural e da memória coletiva não podem ser esquecidas. As pesquisas realizadas no interior do Algarve possibilitaram a localização de lugares ricos em patrimônio intangível, como lendas, tradições, orações e conhecimento ancestral que correm o risco de serem perdidos. Há muitos lugares no processo acelerado de desertificação, com apenas dois ou três habitantes e idosos. Estes são lugares onde ainda encontramos a paisagem preservada, a autenticidade das pessoas, a comunidade experimenta, como a partilha do forno, a eira, o burro, utensílios e implementos agrícolas.

São espaços que podem permitir a experiência de turismo sustentável, valorizando as populações antigas e seus conhecimentos, revivendo imaginários que conseguem encontrar uma imagem idílica do rural. Por observação no terreno, posso afirmar que ainda existem experiências relativamente preservadas no Algarve, que mostram que parte da tradição ainda existe, com um importante cruzamento entre materialidade e imaterialidade. Este cruzamento permite muitas abordagens multidisciplinares.

Atravessando o interior do Algarve de Aljezur para Alcoutim, é possível encontrar alguns exemplos de conexão entre patrimônio material e patrimônio intangível, quase sempre em pequenas aldeias ou colinas. As montanhas no Algarve são formadas por um grupo de casas, geralmente de diferentes proprietários, como se fosse uma "mini-aldeia", ao contrário das montanhas do Alentejo que geralmente são formadas por uma única casa, às vezes com anexos e relativamente isolado.

Fotografia
Exemplo concreto da conexão entre patrimônio tangível e intangível
Forno comunitário com oratório na parede lateral


Nas duas imagens, podemos ver um forno comunitário no centro de uma colina no nordeste do Algarve. O forno, além de sua função de cozedura, tem uma função de culto religioso, porque tem um nicho ou oratório de devoção mariana na parede do próprio forno.

Este nicho ou oratório tem pequenas peculiaridades que valorizam o patrimônio material e imaterial: a imagem da Virgem Maria está decorada com uma borda de seixos coletados nas correntes; há um tecido de linho que cobre a imagem e está decorado com um pequeno bordado que representa o know-how e as artes desta área do Algarve.

Ainda há um painel de seis telhas com doze versos sobre a Virgem Maria e a fé dessas pessoas. Também destacado é o ano em que a parte religiosa foi adaptada a uma das paredes laterais do forno. Os habitantes referem-se a conhecer este forno, sempre no meio da colina, para o uso de todos.

Os doze versículos dedicados a Nossa Senhora da Conceição referem-se à devoção dos habitantes da montanha e à sua localização, bem como elementos naturais da região, como os rios, as fontes e o alecrim:

A devoção é tão
Que lhe damos um altar
Para nos abençoar
Nas horas do acaso
Você fica aqui nesta montanha
Da paróquia de Alcoutim
Você está entre dois córregos
Onde há apenas bifes e alecrim

Eu mencionei as características deste forno para o Prof. Dr. Moisés Espírito Santo, que era meu professor de Sociologia das Religiões na Nova Universidade de Lisboa, e disse que não conhece nenhum outro caso desse tipo no país.

foto 2
Do mundo local aos desafios do mundo global
Do forno vem comida para o corpo e para o espírito


O sociólogo Anthony Giddens aponta que a tradição persiste com algumas reinvenções com cada geração, mas sem um corte profundo ou uma descontinuidade absoluta entre ontem, hoje e amanhã.

O referido sociólogo também acrescenta a idéia de que a tradição envolve o ritual e isso constitui um meio prático de preservação. Em sociedades ou comunidades que integram a tradição, os rituais são mecanismos para preservar a memória coletiva.

O patrimônio material e imaterial permanece no meio rural porque há identidade e proximidade entre os elementos da comunidade, quase sempre com um grau de parentesco entre eles. Esses laços reforçam o senso de responsabilidade na preservação do que os seus antepassados ​​lhes restava.

É um legado que pesa sobre a construção social do patrimônio cultural e a memória coletiva e essa redescoberta da memória, tradição e identidade, tem uma autenticidade que facilita a criação de atrações turísticas. Permitir a experiência do turismo, desde que, de forma sustentável, valorizando a paisagem, as populações idosas e seus conhecimentos, revivendo o imaginário, possam ser um aporte para todas as partes: quem é visitado e quem visita.

De acordo com a Convenção Europeia da Paisagem, assinada por Portugal e os outros membros do Conselho da Europa em Outubro de 2000, a paisagem desempenha importantes papéis públicos, culturais, ecológicos, ambientais e sociais e é claramente um recurso para o desenvolvimento econômico da atividade. De acordo com a mesma Convenção, a herança do mundo rural deve ser entendida e utilizada, levando em consideração todos os seus componentes (paisagem, edifícios, técnicas, ferramentas, know-how e próprio homem rural) como um fator de desenvolvimento.

Na verdade, todos esses elementos são uma herança viva. Os diferentes atores do mundo rural, interligando esses elementos, dão sentido e valor para a comunidade e para o território.

Existe uma idéia quase generalizada de que, com o mundo globalizado, as tradições estão ficando obsoletas. No entanto, alguns autores são unânimes em afirmar que a era da globalização permitiu uma avaliação do que é local e específico, diante de um mundo cada vez mais homogeneizado, o que marca pela diferença e contém ingredientes de autenticidade é procurado e valorizado. Além disso, as ferramentas que foram desenvolvidas no escopo das novas tecnologias de informação, permitem que, em minutos, possamos visualizar através das imagens, filmes ou documentários da Internet sobre as tradições de locais remotos.

Enquanto, por um lado, resiste ao processo de globalização, por outro lado, as ferramentas produzidas por este processo são usadas para divulgar e manter a memória e as tradições.
Reinventando o patrimônio

A herança ao longo do tempo está sendo reinventada e novas funções são adicionadas, o que às vezes atrai pessoas de fora da comunidade. Esses novos usuários provavelmente tentarão aproveitar o espaço experimentando novas experiências, como amassar o pão, colocá-lo no forno, aprender as breves orações para a benção do pão, no qual o sinal da cruz é feito, dizendo: : "Que Deus lhe adicione e seja para muitas pessoas!" E, é claro, no final, experimente-o com produtos locais, como salsichas, presunto, queijo, mel e azeitonas. Em suma, será o gozo desses conhecimentos e gostos, como parte do patrimônio intangível, que enriquece a experiência no mundo rural.

Daí a referência a uma possível experiência de turismo sustentável, em que há uma redescoberta e interpretação do território rural, com alternativas para o desenvolvimento dos territórios rurais. Na medida em que os recursos são valorizados e podem permitir que as poucas populações existentes permaneçam nos locais de origem e obtenham alguma rentabilidade na manutenção de suas tradições e também manter um equilíbrio na relação com o passado, o presente e o futuro.

(Artigo publicado no Caderno de Artes Cultura.Sul)