quinta-feira, 5 de outubro de 2017

"Bring your children to see naked people": Museum d'Orsay campaign will resume in Paris. - “Tragam seus filhos para ver gente nua”: campanha do Museu d’Orsay será retomada em Paris. - “带孩子看裸体人”:奥赛博物馆将在巴黎恢复活动。

A successful communication operation launched in 2015 by the Musée d'Orsay and the Orangerie Museum in Paris to attract more families to the locals will be resumed this October in Paris. One of the campaign posters uses the message: "Bring your children to see naked people."

The operation uses a total of nine posters - displayed on streets, bus stops and subways of Paris - with celebrated works of the two museums allied with funny phrases, always directed at parents and children. Success in social networks, the most successful piece uses the screen "Femme Nue Couchée" (Woman Naked Lying), realized in 1907, by the French painter Auguste Renoir. In the play, a young woman is portrayed in a bed, exposed breasts, the sex covered with a sheet. But it was the message on the billboard that caught the public's attention: "Bring your kids to see naked people."

picture 1





Poster campaign of the Musée d'Orsay and Orangerie has the message: "Bring your children to see naked people".

The operation was carried out by the Parisian agency Madame Bovary, coordinated by the communication director of the Musée d'Orsay and Orangerie, Amélie Hardivillier. "The campaign was very well received by the public, appreciated and reproduced. There was no controversy about it, "he says.

According to her, the goal of the campaign was to put themselves in the shoes of children when they go to museums, to decipher their reactions and their understanding of works. In addition, the communication operation plays with a reversal of values: "we wanted to show that it is the children who take their parents to the museums".

picture 2
The Origin of the World ", 1866, by Gustave Courbet.

For Hardivillier, everyone should go to art exhibitions. The biggest challenge for his team, he says, is precisely how to attract different audiences to the place, including children and adolescents. For this, according to her, it is necessary to relate historical works to current affairs. "Saint Sebastian is a saint. But it can become a gay icon if you look at it in the paintings with the look of today, "he points out.

The director of communication points out that no work of the museum has censorship of age, not even the emblematic "L'Origine du Monde" (The Origin of the World, canvas made by Gustave Courbet in 1866). This does not exclude, for example, the debate surrounding the painting acquired by the museum in 1995, which is protected by a glass and stands in a special room of the museum. "There is the relationship with the nudity that leads to the debate, especially about this work, which is so sensitive. But this is also the function of art: to bother, to question, "he reiterates.

"Queer Museum" and "La Bête"

Hardivillier expresses his surprise about the closing episodes of the "Queer Museum" exhibition at the Santander Cultural in Porto Alegre and the controversy that generated the performance "La Bête", by the carioca artist Wagner Schwartz, at the Museum of Modern Art of São Paulo. "I know that São Paulo is the scene of beautiful exhibitions. This situation is very serious. I'm sad about this news, "he laments.

Brazilian artists and curators living in France also express their indignation, like Fabrícia Martins. The Paris-based artist is a longtime friend of Schwartz, and has followed the creation of the performance by the carioca in the French capital. According to her, the carioca is "shaken up, in shock and threatened."

For Fabrícia, the demonstrations against art in Brazil are nothing more than a political maneuver. "Artistic freedom is turning the currency of the next elections. The performance of Wagner Schwartz turned on the internet due to a decontextualized video. People who never went to the museum saw it and shocked it. Politicians are taking advantage of this. The far right is spearheading this kind of witch hunt in the arts class, "he says.

The artist recalls that the work of Carioca has no erotic connotation, but Brazilians are conditioned to eroticism. "Brazilian society is extremely eroticized. Brazil is the fourth country in the world where most marriages are held with minors. And we know that pedophilia in Brazil happens mainly in families. So works like Wagner Schwartz's are potent because they bring out this camouflaged imagery. "

picture 3

La Bête, where Wagner Schwartz handles a plastic replica of one of Lygia Clark's Bichos (1960) series sculptures.

For gallerist and curator Ricardo Fernandes, a specialist in contemporary art based in Paris, episodes of censorship of art reflect a lack of investment in education in Brazil. "It is first necessary to discuss the decline of Brazilian education so that we can begin to talk about access to art and understanding of freedom of expression," he says.

According to him, the nude is not the center of the polemic, but the flawed interpretation of the art that uses the naked, due to the lack of information and capacity to understand it. "We all come to the world naked and this is natural to all of us. But it was the disinformation that generated the controversy, propagated by a radical group. This group interpreted the works in an erroneous way and spread it through Brazil. "

For the gallerist and curator, the issue is solved with basic education. "People need to have access to the school, learn to interpret and question, to know cultural and historical bases. Education has the power to transform a society, "he adds.

According to Fernandes, it is access to quality education that avoids such controversies in France. "This is what enabled the French to develop a vision for much wider art. Going to a gallery or an exhibition is a common cultural program in France, where museums are also places for meeting and meeting friends and families, "he concludes.






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.













--br 
“Tragam seus filhos para ver gente nua”: campanha do Museu d’Orsay será retomada em Paris.

Uma bem-sucedida operação de comunicação, lançada em 2015 pelo Museu d’Orsay e o Museu da Orangerie, em Paris, para atrair mais famílias aos locais, será retomada neste mês de outubro em Paris. Um dos cartazes da campanha utiliza a mensagem: “Tragam seus filhos para ver gente nua”.

A operação utiliza, no total, nove cartazes - exibidos em ruas, paradas de ônibus e metrôs de Paris - com obras célebres dos dois museus aliadas a frases divertidas, sempre direcionadas a pais e filhos. Sucesso nas redes sociais, a peça que mais teve êxito utiliza a tela “Femme Nue Couchée” (Mulher Nua Deitada), realizada em 1907, pelo pintor francês Auguste Renoir. Na obra, uma jovem é retratada em uma cama, seios à mostra, o sexo coberto com um lençol. Mas foi a mensagem utilizada no cartaz que chamou a atenção do público: “Tragam seus filhos para ver gente nua”.

imagem 1

Cartaz da campanha do Museu d'Orsay e Orangerie tem a mensagem: “Tragam seus filhos para ver gente nua”.

A operação foi realizada pela agência parisiense Madame Bovary, com a coordenação da diretora de comunicação do Museu d’Orsay e da Orangerie, Amélie Hardivillier. “A campanha foi muito bem recebida pelo público, apreciada e reproduzida. Não houve nenhuma polêmica em relação a ela”, diz.

Segundo ela, o objetivo da campanha era se colocar no lugar das crianças quando elas vão aos museus, decifrar suas reações e a compreensão que têm das obras. Além disso, a operação de comunicação brinca com uma inversão de valores: “queríamos mostrar que são as crianças que levam os pais aos museus”.

imagem 2

The Origin of the World", 1866, de Gustave Courbet.

Para Hardivillier, todos devem ir a exposições de arte. O maior desafio para sua equipe, afirma, é justamente de que forma atrair diferentes públicos ao local, entre eles, crianças e adolescentes. Para isso, segundo ela, é preciso relacionar obras históricas a assuntos atuais. “São Sebastião é um santo. Mas pode se tornar um ícone gay se você o observar nas pinturas com o olhar de hoje”, ressalta.

A diretora de comunicação salienta que nenhuma obra do museu tem censura de idade, nem mesmo a emblemática “L’Origine du Monde” (A Origem do Mundo”, tela de realizada por Gustave Courbet em 1866). Isso não exclui por exemplo, o debate em torno da pintura adquirida pelo museu em 1995, que é protegida por um vidro e fica em uma sala especial do museu. “Há a relação com a nudez que leva ao debate, sobretudo sobre essa obra, que é tão sensível. Mas essa também é a função da arte: incomodar, questionar”, reitera.

“Queer Museum” e “La Bête”

Hardivillier expressa sua surpresa sobre os episódios do fechamento da exposição “Queer Museum”, no Santander Cultural de Porto Alegre, e a polêmica que gerou a performance “La Bête”, do artista carioca Wagner Schwartz, no Museu de Arte Moderna de São Paulo. “Sei que São Paulo é palco de belas exposições. É muito grave essa situação. Fico triste com essa notícia”, lamenta.

Artistas e curadores brasileiros que vivem na França também manifestam sua indignação, como Fabrícia Martins. A artista, radicada em Paris, é amiga de longa data de Schwartz, e acompanhou a criação da performance pelo carioca na capital francesa. Segundo ela, o carioca está “abaladíssimo, em estado de choque e é alvo de ameaças”.

Para Fabrícia, as manifestações contra a arte no Brasil não passam de uma manobra política. “A liberdade artística está virando moeda das próximas eleições. A performance de Wagner Schwartz viralizou na internet devido a um vídeo descontextualizado. Pessoas que nunca foram ao museu o viram e se chocaram. Os políticos estão tirando proveito disso. A extrema-direita está encabeçando essa espécie de caça às bruxas na classe artística”, diz.


A artista lembra que o trabalho do carioca não tem nenhuma conotação erótica, mas os brasileiros estão condicionados ao erotismo. “A sociedade brasileira é extremamente erotizada. O Brasil é o quarto país no mundo onde mais são realizados casamentos com menores de idade. E a gente sabe que a pedofilia no Brasil acontece sobretudo nas famílias. Então, trabalhos como os de Wagner Schwartz são potentes porque trazem à tona esse imaginário camuflado.”

imagem 3

La Bête, onde Wagner Schwartz manipula uma réplica de plástico de uma das esculturas da série Bichos (1960), de Lygia Clark.

Para o galerista e curador Ricardo Fernandes, especialista em arte contemporânea radicado em Paris, os episódios de censura à arte são reflexo de falta de investimento em educação no Brasil. “É primeiramente necessário discutir a decadência da educação brasileira para depois começarmos a falar sobre o acesso à arte e a compreensão da liberdade de expressão”, afirma.

Segundo ele, o nu não é o centro da polêmica, mas a interpretação falha da arte que utiliza o nu, por conta da falta de informação e capacidade para entendê-la. “Todos nós chegamos nus ao mundo e isso é natural a todos nós. Mas foi a desinformação que gerou a polêmica, propagada por um grupo radical. Esse grupo interpretou as obras de forma errônea e a espalhou pelo Brasil.”

Para o galerista e curador, a questão se resolve com educação básica. “As pessoas precisam ter acesso à escola, aprender a interpretar e a questionar, conhecer bases culturais e históricas. A educação tem o poder de transformar uma sociedade”, completa.


Segundo Fernandes, é o acesso à educação de qualidade que evita que polêmicas como essas aconteçam na França. “Foi isso que possibilitou que os franceses desenvolvessem uma visão em relação à arte muito mais ampla. Ir a uma galeria ou a uma exposição é um programa cultural comum na França, onde os museus são também locais de reunião e de encontro de amigos e famílias”, conclui.






--chines simplificado
“带孩子看裸体人”:奥赛博物馆将在巴黎恢复活动。

由奥赛博物馆和巴黎奥司他博物馆于2015年发起成功的交流活动,将吸引更多的家庭到本地人,今年10月份将在巴黎恢复。其中一个宣传海报使用的信息是:“让你的孩子看到裸体的人”。

这项行动共使用了九个海报 - 展示在巴黎的街道,公共汽车站和地铁上 - 两个博物馆的着名作品与有趣的短语相关联,总是针对父母和孩子。社会网络的成功,最成功的作品使用了法国画家奥古斯特·雷诺阿(Oree Renoir)在1907年实现的“Femme NueCouchée”(女人裸露)。在戏中,一名年轻女子被描绘在床上,露出乳房,性感被一张纸覆盖。但是广告牌上的消息引起了公众的注意:“让你的孩子看到裸体的人”。

图片1






奥赛博物馆和Orangerie的海报活动的信息如下:“带孩子看裸体人”。

这个行动是由巴黎的Bovary夫人进行的,由奥赛博物馆和Orangerie的传讯总监AmélieHardivillier进行协调。他说:“这个运动受到了公众的好评,赞赏和转载,没有任何争议。”

据她介绍,这个运动的目标是让孩子们去博物馆,破解他们的反应和对作品的理解。此外,沟通行动与价值观相反:“我们想表明,将父母带到博物馆的孩子们”。

图2

世界的起源“,1866年,由Gustave Courbet。

对于Hardivillier,每个人都应该去艺术展览。他说,他的团队面临的最大挑战正是如何吸引不同的观众到这个地方,包括儿童和青少年。据此,有必要将历史作品与时事联系起来。他说:“圣塞巴斯蒂安是一个圣人,但是如果你在今天的样子中看着它,它可以成为一个同性恋的图标。”他指出。

交流主任指出,博物馆没有任何工作对年龄进行审查,甚至没有1866年由古斯塔夫·库尔贝特(Gustave Courbet)制作的象征性的“世俗起源”(世界的起源)。这并不排除在1995年由博物馆在博物馆的一个特别的房间里被玻璃保护的博物馆所获得的绘画的争论。他说:“与导演辩论的裸体有关系,特别是关于这项工作非常敏感,但这也是艺术的功能:打扰问题,”他重申。

“Queer博物馆”和“LaBête”

Hardivillier对在阿雷格里港的桑坦德文化馆举办的“Queer博物馆”展览的闭幕式感到惊讶,以及在圣保罗现代艺术博物馆由Carioca艺术家Wagner Schwartz制作的“LaBête”表演的争议。 。 “我知道圣保罗是美丽的展览场面,这种情况非常严重,我对这个消息很伤心,”他感叹。

生活在法国的巴西艺术家和策展人也表示愤慨,像FabríciaMartins。巴黎的艺术家是Schwartz的长期朋友,并遵循法国首都的龋齿的创作。据她所说,鲤鱼“颤抖起来,震惊和威胁”。

对于Fabrícia来说,巴西反对艺术的示威只不过是一场政治演习。 “艺术自由正在转变下一届选举的货币,瓦格纳·施瓦茨(Wagner Schwartz)的表现由于采用了非文字化的视频,使互联网变得互联网,从来没有去过博物馆的人们也看到了震惊,政治家正在利用这一点,他正在带领这种在艺术课上寻找女巫,“他说。

艺术家回忆说,卡里奥卡的作品没有色情内涵,但巴西人则是色情主义。巴西社会极度色情巴西是世界上第四个与未成年人结婚的国家,我们知道,巴西的恋童癖主要发生在家庭中,所以像瓦格纳·施瓦茨(Wagner Schwartz)这样的工作是有效的,因为它们带来了这种伪装的图像。 “


图3

LaBête,瓦格纳·施瓦茨(Wagner Schwartz)处理了Lygia Clark的Bichos(1960)系列雕塑之一的塑料复制品。

对于画廊策展人里卡多·费尔南德斯(Ricardo Fernandes),巴黎当代艺术专家,艺术家的审查反映出巴西缺乏对教育的投资。他说:「首先要讨论巴西教育的衰落,让我们开始谈论获取艺术和理解言论自由。」

据他介绍,裸体不是争论的中心,而是由于缺乏信息和能力来理解它,对裸体的艺术的瑕疵的解释。 “我们都赤裸裸地来到这个世界,对我们所有人来说都是自然的,但这是一个由激进组织传播的造成争议的虚构,这个团体以错误的方式解释了作品,并将其传播到巴西。

对于画廊策展人来说,这个问题是通过基础教育解决的。他补充说:“人们需要进入学校,学习解释和质疑,了解文化和历史基础,教育有权力改变社会。


根据费尔南德斯的说法,可以获得优质教育,避免法国的这种争议。 “这是法国人制定更广泛艺术的愿景,去画廊或展览是法国的一个共同文化节目,博物馆也是会议和会见朋友和家人的地方,”他总结说。