domingo, 15 de outubro de 2017

More than 141,000 people visit the exhibit in Wuhan before it is eventually removed after sparking complaints from Africans. - Mais de 141 mil pessoas visitam a exposição em Wuhan antes de serem removidas depois de provocar queixas de africanos. - 超过十一万一千人在武汉参观展会,最终在引发了非洲人的投诉后被淘汰。

Chinese museum accused of racism over photos pairing Africans with animals. 


The exhibit titled This Is Africa at the Hubei Provincial Museum in the city of Wuhan displayed a series of diptychs, each one containing a photo of an African person paired with the face of an animal. In a particularly striking example, a child with his mouth wide open was paired with a gorilla and other works included baboons and cheetahs.

The exhibit was eventually removed after complaints by Africans, including some living in China, the curator said. All the photographs were taken by Yu Huiping, a construction magnate who has travelled to Africa more than 20 times, has previously won awards for his work and is vice-chairman of the Hubei Photographers Association.

Racial sensitivities are often muddled in China, where about 92% of the population belongs to the dominant Han ethnicity and ethnic minorities mostly live in the sporadically populated far west of the country. African countries are increasingly important trading partners, but cultural stereotypes dominate Chinese popular discourse on the continent.

Wang Yuejun, one of the exhibit’s curators, said that comparisons to animals were typically seen as a compliment in Chinese culture, pointing to the zodiac signs that identify people with animals according to their birth year.

“The target audience is mainly Chinese,” Wang said in a statement. But the museum understood the images offended “our African friends” and the pictures were removed to show respect for their concerns, Wang added.

The offensive nature was first notices by a Nigerian Instagram user, Edward E Duke. In a post, which was later removed, he asked why the museum “put pictures of a particular race next to wild animals”.

China is rife with examples of tone deafness when it comes to race. China’s most popular chat app, WeChat, was forced to apologise this week after its software used the English N-word to translate a Chinese phrase that commonly means “black foreigner”.

Last year a television advert for laundry detergent showed a black man covered in paint going into a washing machine and coming out as a sparkling Asian man. The video went viral around the world and caused outrage for its insensitive messaging.

Over the summer China’s state news agency published a video during a border standoff with India featuring an offensive parody of a Sikh man, complete with a turban and fake beard.










Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.






--br via tradutor do google
Mais de 141 mil pessoas visitam a exposição em Wuhan antes de serem removidas depois de provocar queixas de africanos.

Museu chinês acusado de racismo sobre fotos emparelhando africanos com animais.

A exposição intitulada This Is Africa no Museu Provincial Hubei, na cidade de Wuhan, exibiu uma série de dípticos, cada um contendo uma foto de uma pessoa africana emparelhada com o rosto de um animal. Em um exemplo particularmente impressionante, uma criança com a boca aberta estava emparelhada com um gorila e outros trabalhos incluíam babuínos e guepardos.

A exibição foi eventualmente removida após queixas de africanos, incluindo alguns que vivem na China, disse o curador. Todas as fotografias foram tiradas por Yu Huiping, um magnate da construção que viajou para a África mais de 20 vezes, já ganhou prêmios por seu trabalho e é vice-presidente da Hubei Photographers Association.

As sensibilidades raciais são muitas vezes confusas na China, onde cerca de 92% da população pertence à etnia Han dominante e as minorias étnicas vivem principalmente no extremo oeste esporadicamente povoado do país. Os países africanos são parceiros comerciais cada vez mais importantes, mas os estereótipos culturais dominam o discurso popular chinês no continente.

Wang Yuejun, um dos curadores da exposição, disse que as comparações com animais eram tipicamente vistas como um elogio na cultura chinesa, apontando para os signos do zodíaco que identificam pessoas com animais de acordo com seu ano de nascimento.

"O público-alvo é principalmente chinês", disse Wang em um comunicado. Mas o museu entendeu que as imagens ofendiam "nossos amigos africanos" e as fotos foram removidas para mostrar respeito pelas suas preocupações, acrescentou Wang.

A natureza ofensiva foi o primeiro aviso de um usuário do Instagram da Nigéria, Edward E Duke. Em uma postagem, que foi posteriormente removida, ele perguntou por que o museu "colocava fotos de uma raça particular ao lado de animais selvagens".

A China está repleta de exemplos de surdez de tom quando se trata de raça. O aplicativo de bate-papo mais popular da China, o WeChat, foi obrigado a pedir desculpas nesta semana depois que seu software usou a N-word inglesa para traduzir uma frase chinesa que normalmente significa "estrangeiro negro".

No ano passado, um anúncio de televisão para detergente de roupa mostrou um homem negro coberto de tinta entrando em uma máquina de lavar e saindo como um asiático cintilante. O vídeo foi viral em todo o mundo e causou indignação por sua mensagem insensível.

Durante o verão, a agência de notícias estatal chinesa publicou um vídeo durante um período de fronteira com a Índia, com uma paródia ofensiva de um homem sikh, com um turbante e uma barba falsa.




--chines simplificado via tradutor do google
超过十一万一千人在武汉参观展会,最终在引发了非洲人的投诉后被淘汰。

中国博物馆指责种族主义与非洲动物配对的照片。


在武汉市湖北省博物馆举办的“非洲”展览展示了一系列的双画,每张相片包含一张非洲人与动物脸相配的照片。在一个特别突出的例子中,一个嘴大开的小孩与大猩猩配对,其他作品包括狒狒和猎豹。

策展人表示,这次展览最终被非洲人投诉,包括一些居住在中国的外国人撤回。所有的照片都是曾经去过非洲20多次的建筑巨人余惠平拍摄的,曾获得过湖北摄影协会副主席,

在中国,种族的敏感性往往是混乱的,其中大约92%的人口属于主要的汉族,少数民族主要生活在全国零星的西部。非洲国家贸易伙伴越来越重要,但文化定型观念主宰了非洲大陆的中国流行话语。

展览策展人之一王跃军表示,与动物的比较通常被视为对中国文化的赞赏,指出根据出生年份识别动物的十二生肖。

王先生在一份声明中说:“目标受众主要是中国人。但博物馆了解到这些图片被“我们的非洲朋友”所遗弃,图片被删除,以表示尊重他们的关切。

尼日利亚Instagram用户爱德华·杜克(Edward E Duke)首先注意到进攻性质。在一篇后来被删除的帖子中,他问为什么博物馆“把野生动物旁边的一个种族的照片放在一起”。



中国在比赛中充满了口耳聋的例子。中国最受欢迎的聊天应用程序WeChat在本周软件使用英文N字来翻译通常是“黑人外国人”的中文短语之后,被迫道歉。

去年,洗衣粉电视广告显示一名黑人被涂在洗衣机里面,出来是一个闪亮的亚洲男子。视频在世界各地发生病毒化,并对其不敏感信息感到愤怒。


夏天,中国国家通讯社在与印度的边界对峙期间发表了一个视频,介绍了一个锡克人的攻势模仿,配有头巾和假胡须。


The Dutch Danielle Kuijten comes to Rio de Janeiro, Brazil, to attend an international seminar on training, management, reinterpretation and use of institutions' collections. - A holandesa Danielle Kuijten vem ao Rio de Janeiro, Brasil, para participar de seminário internacional sobre formação, gerenciamento, reinterpretação e uso dos acervo das instituições.

Amid polemics involving museums and cultural centers in Brazil, with protests against works on one side and artists claiming freedom of expression from another, Rio hosts an international seminar on training, management, reinterpretation and use between October 17 and 20 of the collections of museums. There will be two days of seminar at the Fundação Getúlio Vargas Auditorium and two other workshops held at the Rio Art Museum (MAR). Among the 29 professionals from different areas in Brazil, Germany, the United Kingdom, the Netherlands, Peru and Portugal who will be discussing the challenges of the 21st century are the Dutch Danielle Kuijten, vice-president of the Committee for the Development of Collections of the International Council of Museums Icom).


image
Danielle Kuijten participates in a seminar in Rio de Janeiro
  -Disclosure


In the distance, Danielle accompanied the news about the censorship of the exhibition "Queermuseu" and the accusation of apology to pedophilia in the performance "La bête". A master's degree in museology from the Reinwardt Academy in Amsterdam, she finds it difficult for museums to be completely protected from this controversial type, in a time when content and opinions are rapidly disseminated through social networks.

- When discussing controversial issues, one must create debates and open dialogues. We, as museums, schedule these exhibitions to facilitate this dialogue. It is important to make sure the exhibits contain the right context and that this information is clear - says Dalielle, for whom it is equally complex to control what is recorded with cameras and cell phones inside the institutions. - It is possible to stipulate that, in certain views, photos are not allowed. This can reduce the leak on the internet, but there will always be people who are still going to do it. You need to be prepared to react quickly on social networks, bringing the right context to the works.

Outside Brazil, works and exhibitions have also suffered resistance. Earlier this month, the sculpture "Domestikator" from the Dutch collective Atelier Van Lieshout was taken from a public display by the Louvre for its "sexually explicit" content. Exhibitions such as "The Beast and the Sovereign" (2015) in Barcelona and the retrospective of the American photographer Jock Sturges (2016) in Moscow were suspended on similar grounds. For the Dutch, the institutions need to be strategic also in the digital environment, avoiding and minimizing noises in relation to the exposed collection.

- Social networks have changed the forms of dialogue. They have enabled people to speak for or against certain content. Museums should also be online intelligently and visibly, to give context to the works whenever necessary. Contemporary art has always been in the midst of heated discussions. As we begin to censor exposures that make the audience uneasy, we are betraying essential freedoms, "says Danielle, for whom the clarity of the institution is essential to prevent future polemics. - It is necessary to avoid surprising people, being as transparent as possible in what is being displayed, informing the public well. Warnings about content are also effective for viewers to decide what to watch or not before entering the shows.

Precautions, however, should not constrain institutions from their role of promoting debate and addressing issues that challenge the public, she says.

- The museum is the place where past and present meet, inviting the public to dialogue. Institutions should take advantage of all the changes we see to become spaces where people feel welcomed, but also challenged - analyzes. - To account for what is happening in society, museums need to position themselves socially and politically. Museum is not neutral place. Therefore, you should not avoid topics such as racism, discrimination, gender diversity, inequality. Professional museums should involve people, strengthen critical thinking. By censoring exhibits, you shut up voices you do not want to hear.

The seminar of Icom's international committees is held in Rio with the support of FGV Projetos, Consulado Geral do Reino de Holanda, Roberto Marinho Foundation, Instituto Moreira Salles, Rio Art Museum / RJ Municipal Culture, Systems of the Future and Casa de Rui Barbosa Foundation.












https://oglobo.globo.com/cultura/artes-visuais/especialista-diz-que-museus-devem-acolher-mas-desafiar-21948101

collaboration: Marilia Bonas

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.












--br
A holandesa Danielle Kuijten vem ao Rio de Janeiro, Brasil, para participar de seminário internacional sobre formação, gerenciamento, reinterpretação e uso dos acervo das instituições.

Em meio a polêmicas envolvendo museus e centros culturais no Brasil, com protestos contra obras de um lado e artistas reivindicando liberdade de expressão de outro, o Rio sedia, entre 17 e 20 de outubro, um seminário internacional sobre formação, gerenciamento, reinterpretação e uso dos acervos dos museus. Serão dois dias de seminário no Auditório da Fundação Getúlio Vargas e outros dois de oficinas, realizadas no Museu de Arte do Rio (MAR). Entre os 29 profissionais de diversas áreas de Brasil, Alemanha, Reino Unido, Holanda, Peru e Portugal que debaterão desafios do século XXI, está a holandesa Danielle Kuijten, vice-presidente do Comitê para o Desenvolvimento de Coleções do do Conselho Internacional de Museus (Icom).

À distância, Danielle acompanhou as notícias sobre a censura à exposição “Queermuseu” e a acusação de apologia à pedofilia na performance “La bête”. Mestre em Museologia pela Reinwardt Academy, de Amsterdã, ela acha difícil que museus consigam se proteger completamente deste tipo polêmica, em tempos em que conteúdos e opiniões são disseminados rapidamente pelas redes sociais.

— Ao abordar temas controversos, deve-se criar debates e abrir diálogos. Nós, como museus, programamos essas exposições para facilitar esse diálogo. É importante certificar-se de que as exposições contenham o contexto correto e que essas informações estejam claras — observa Dalielle, para quem é igualmente complexo o controle do que é registrado com câmeras e celulares no interior das instituições. — É possível estipular que, em certas exibições, fotos não são permitidas. Isso pode reduzir o vazamento na internet, mas sempre haverá pessoas que ainda vão fazê-lo. É preciso estar preparado para reagir rapidamente nas redes sociais, levando o contexto correto às obras.

Fora do Brasil, obras e exposições também têm sofrido resistência. No início do mês, a escultura “Domestikator”, do coletivo holandês Atelier Van Lieshout, foi retirada de uma mostra pública pelo Louvre por seu conteúdo “sexualmente explícito”. Exposições como “The beast and the sovereign” (2015), em Barcelona, e a retrospectiva do fotógrafo americano Jock Sturges (2016), em Moscou, foram suspensas por alegações semelhantes. Para a holandesa, as instituições precisam ser estratégicas também no meio digital, evitando e minimizando ruídos em relação ao acervo exposto.

— As redes sociais alteraram as formas de diálogo. Elas possibilitaram que pessoas falem a favor ou contra determinado conteúdo. Os museus também devem estar online de forma inteligente e visível, para dar contexto às obras sempre que necessário. A arte contemporânea sempre esteve em meio a discussões acaloradas. No momento em que começamos a censurar exposições que deixam o público desconfortável estamos traindo liberdades essenciais — ressalta Danielle, para quem a clareza da instituição é essencial para prevenir futuras polêmicas. — É preciso evitar surpreender as pessoas, sendo o mais transparente possível no que está sendo exibido, informando bem ao público. Advertências sobre o conteúdo também são eficazes para que os espectadores decidam o que ver ou não antes de entrar nas mostras.

As precauções, porém, não devem cercear as instituições de seu papel de promover debates e abordar temas que desafiem o público, ela diz.

— O museu é o lugar em que passado e presente se encontram, convidando o público a dialogar. As instituições devem se aproveitar de todas as mudanças que presenciamos para se tornar espaços onde as pessoas se sintam acolhidas, mas também desafiadas — analisa. — Para dar conta do que acontece na sociedade, os museus precisam se posicionar social e politicamente. Museu não é lugar neutro. Portanto, não deve evitar tópicos como racismo, discriminação, diversidade de gênero, desigualdade. Profissionais de museus devem envolver as pessoas, reforçar o pensamento crítico. Ao censurar exposições, você cala vozes que não quer ouvir.

O seminário dos comitês internacionais do Icom é realizado no Rio com o apoio da FGV Projetos, Consulado Geral do Reino dos Países Baixos, Fundação Roberto Marinho, Instituto Moreira Salles, Museu de Arte do Rio/Secretaria Municipal de Cultura RJ, Sistemas do Futuro e Fundação Casa de Rui Barbosa.

colaboração: Marilia Bonas