Listen to the text.

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

O II Encontro de Música Popular Brasileira: O Samba Além dos 100 anos

Vai reunir, durante os dias 19 e 20 de outubro de 2017, um grupo de pesquisadores e personalidades do Samba para debater e trazer novas perspectivas acerca dos limites e possibilidades do gênero musical dentro da recente efeméride dos 100 anos. Ao longo de cinco mesas e quatro conferências, buscaremos trazer o máximo possível das potencialidades que o Samba nos oferece nas Ciências Humanas como gerador de espaços de resistência e expressão para negros e negras.


Sambistas, pesquisadores e alunos reunidos em um grande evento para discutir as questões de um dos gêneros musicais mais importantes do Brasil.




Confiram a nossa programação completa!

QUINTA-FEIRA 19/10

9h30 às 11h - Mesa de abertura: o Samba Além dos 100 anos



com Walter Garcia e Salloma Salomão 


11h às 13h - Mesa 1: Samba Paulista: do rural ao urbano?




com Tadeu Kaçula, Lígia Nassif, Rafael Galante e Paulo Dias

13h às 14h – intervalo para almoço 

14h às 16h - Mesa 2: Carnaval e samba: oficialização, mercadoria e espetáculo

com Bruno Baronetti, Lucas Tadeu, Maria Helena e Edleia Santos

16h às 17h – Apresentação: "Samba Chula em trans-missão" com mestres do Recôncavo Baiano e convidados



17h às 19h – Mesa 3: A presença feminina no samba: representação, invisibilidade e protagonismo



com Verônica Borges, Pâmela Alves, Rosemeire Marcondes e Simone Tobias

19h às 19h30 - intervalo

19h30 às 21h – Conferência: Caminhos do Samba

com Luiz Antônio Simas







SEXTA-FEIRA 20/10

9h30 às 11h - Mesa de abertura: Samba, Estado e Identidade

com Vagner Gonçalves e Jair Marcatti

11h às 13h - Mesa 4: Samba e Negritude

com Fernanda Kalliany, Rosângela Macedo, Thiago Praxedes e Selito SD.

13h às 14h30 – intervalo para almoço

14h30 às 16h – Conferência: Narrativas, Embates e Cultura Musical

com Amailton Azevedo e Marcos Napolitano

16h às 18h -Mesa 5: Sonoridades Negras: diálogos possíveis

com Guilherme Botelho, Filipe Amado, Hélio Menezes, Rachel Rua Baptista

18h às 18h30 - intervalo

18h30 às 21h30 - Homenagem aos bambas

com Seu Carlão, Tia Cleuzi e Tio Mário

SHOW DE ENCERRAMENTO

Samba de Dandara



LOCAIS

19/10

Das 9h às 18h30 no Auditório Nicolau Sevcenko (História)


Das 18h30 às 21h no Auditório 14 (Ciências Sociais).


20/10

Das 9h às 18h30 no Auditório Fernand Braudel (História)

Das 18h30 às 21h no Auditório 14 (Ciências Sociais)

SHOW

22h no Centro Cultural Butantã
-----------------------------

Para ficar fácil de nos localizar, o Auditório Nicolau Sevcenko é o mais novo auditório da História, ao lado da lanchonete. O cartaz com a programação está na entrada.





segundo dia























The unexpected low-tech solutions that enabled the construction of the Guggenheim in Bilbao. --- As inesperadas soluções de baixa tecnologia que possibilitaram a construção do Guggenheim de Bilbao.

The Bilbao Guggenheim Museum, which celebrates its twentieth anniversary this month, has been hailed as a pinnacle of technological progress since its opening in October 1997. Although the use of CATIA (Computer Aided Three-Dimensional Interactive Application) no doubt, innovative, some of the greatest moments of ingenuity during the design and construction of the building were clearly low-tech. Developed between 1991 and 1997, the curved and angular titanium-coated building was designed at the turning point between analog and digital practice. This profound change involved and permeated all aspects of the project, from the design process and constructive techniques to the technological methods of communication used.


The complexity of the building was in many cases better communicated through physical models so that the detailed annotated photos of the hand-built models were distributed to ensure that everyone was "speaking the same language." Other project information was transmitted through unique methods then available: Throughout the project, hours were spent on the phone daily, face-to-face meetings were held every six weeks and more than 16,000 faxes were sent. The main project team was staffed in New York, Los Angeles and Bilbao respectively by the Solomon R. Guggenheim Foundation, Frank O. Gehry and Associates (now Gehry Partners), a staff of 150 from the IDOM legal entity created by the Basque Government: Guggenheim Bilbao Consortium. All of these, in addition to SOM's structural engineers in Chicago, Cosentini's mechanical engineers in New York and countless contractors, have set up a 24-hour office in cities around the world.




Of the thousands of faxes sent, 6,000 were dedicated exclusively to the facade of the building. Frank O. Gehry and Associates had already worked with metal facades, but were frustrated after reviewing a series of models in Bilbao. Experiencing with abrasion and polymerization of the metal, the architects felt that the steel was very reflective in the sun and very dull on the gray and rainy days of Bilbao. By chance, a piece of titanium in the company's sample material stack caught the eyes of the team. On an unusual Los Angeles cloudy day, the square metal plate was nailed to a telephone pole in the office parking lot; It turned golden with the gray light and everyone agreed that the material should be part of the project.




When you think about titanium, the first objects that come to mind are probably golf clubs and airplane parts. Characterized by its strength / weight ratio, this lightweight material is expensive and rarely used as exterior building material, which is why it was not originally considered for the museum. Exactly 42,875 titanium panels make up the iconic facade of the Guggenheim Museum in Bilbao. The history of the choice, purchase, processing and application of this metal is composed of calculations and a happy chance. The most well-known obstacles in this saga were linked to the circumstances surrounding their purchase: at the moment, titanium was more than twice the cost of steel. This initial impediment did not stop the team, which after researching the properties of the metal confirmed that titanium could be used with half the thickness of the steel. This conclusion was sufficient to seriously consider the use of the material, which was included as an alternative to stainless steel in the facade envelope. Incredibly, just as the team exposed the offer, Russia launched titanium in the market at a low price. Needless to say, the price rose just after the metal was bought for the Guggenheim Museum in Bilbao, highlighting this unique opportunity.




The intrinsic benefits of titanium vary from its strength to its resilience - the metal does not oxidize. These qualities of the material were known and exploited as the details of building construction were elaborated. In the case in question: titanium panels with the thickness of a sheet of paper (0.38 mm) wave in the wind according to the design. The stainless steel clips are positioned at the midpoint of each panel between traditional joints, causing the metal to become corrugated rather than flattened. In addition, the transforming quality of the museum facade - that golden glow - was also carefully calibrated. After titanium was mined in Russia, it was processed by Timet (Titanium Metals Corporation) in Pittsburgh. The experiments were carried out over a year to ensure that only the correct combination of chemicals and heat were used during the lamination process to create the surface quality that seems to turn effortlessly in response to the Bilbao sky.



The team faced an unprecedented challenge when titanium was ready to be installed. Although each 60-90 centimeters panel was light enough to be comfortably manipulated by a single person, the standard installation equipment (a crane, for example) was not designed to accommodate the concave vertical curves of the building. Instead of devising a high-tech installation method as complex and private as the building itself, climbers were hired to install the panels. IDOM project manager Luis Rodriguez Llopis sums up the thinking behind this ingenious solution: "We found it easier to hire mountaineers and train them as installers than to hire installers and train them as mountaineers."

Known for its smooth and asymmetrical curves, the lack of repetition in the form of the Guggenheim Museum Bilbao is attributed to the use of pioneering digital technology. In reality, it is the interaction between automated and analog methods and the relationship between the idiosyncratic total volume of the building and the fairly regular grid of titanium panels that culminates with the effect that has become iconic. Although Italy-based contractor Permasteelisa used CATIA files to cut titanium panels with a CNC router (Computer Numerical Control), 80 percent of the facade panels have four standard dimensions (the other 20 per cent required only 16 unique profiles). Hearing the flickering of these panels on a hectic day and watching the titanium take on the ever changing sky colors of Bilbao is at once cathartic and fascinating. Interestingly, these impressive ephemeral features were meticulously planned and made possible by architects, engineers and climbers.

This article was originally published at guggenheim.org/blogs under the title "How Analog and Digital Came Together in the 1990s Creation of the Guggenheim Museum Bilbao," and is used with permission.







Rozmari Petek 
Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.





--br
As inesperadas soluções de baixa tecnologia que possibilitaram a construção do Guggenheim de Bilbao.

O Museu Guggenheim de Bilbao, que comemora seu vigésimo aniversário este mês, foi aclamado como um pináculo do progresso tecnológico desde sua abertura em outubro de 1997. Embora o uso do software de modelagem CATIA (Computer Aided Three-Dimensional Interactive Application) tenha sido, sem dúvidas, inovador, alguns dos maiores momentos de engenhosidade durante o projeto e a construção do edifício foram claramente de baixa tecnologia. Desenvolvido entre 1991 e 1997, o edifício curvado e angular revestido em titânio foi concebido no ponto de virada entre a prática analógica e a digital. Essa mudança profunda envolveu e permeou todos os aspectos do projeto, desde o processo projetual e técnicas construtivas até os métodos tecnológicos de comunicação utilizados.

A complexidade do edifício foi, em muitos casos, melhor comunicada através de modelos físicos, de modo que as fotos anotadas em detalhes das maquetes construídas à mão foram distribuídas para garantir que todos estivessem "falando a mesma língua". Outras informações de projeto foram transmitidas através de métodos exclusivos, então disponíveis: ao longo do projeto, horas foram gastas no telefone diariamente, reuniões presenciais foram realizadas a cada seis semanas e mais de 16.000 faxes foram enviados. A equipe principal do projeto foi composta por funcionários em Nova Iorque, Los Angeles e Bilbao, respectivamente, da Fundação Solomon R. Guggenheim, Frank O. Gehry and Associates (agora Gehry Partners), uma equipe de 150 pessoas do arquiteto executivo IDOM e uma entidade jurídica criada pelo Governo Basco: Consorcio Guggenheim Bilbao. Todos esses, além dos engenheiros estruturais da SOM em Chicago, dos engenheiros mecânicos Cosentini em Nova Iorque e de inúmeros contratados, constituíram um escritório de 24 horas em cidades em todo o mundo.

Dos milhares de faxes enviados, 6.000 foram dedicados exclusivamente à fachada do edifício. Frank O. Gehry and Associates já tinham trabalhado com fachadas metálicas, mas ficaram frustrados depois de revisarem uma série de maquetes em Bilbao. Experimentando com abrasão e polimerização do metal, os arquitetos sentiram que o aço era muito reflexivo ao sol e muito maçante nos dias cinzas e chuvosos de Bilbao. Por acaso, um pedaço de titânio na pilha de amostras de materiais da empresa captou os olhos da equipe. Em um dia incomum de Los Angeles nublado, a placa quadrada de metal foi pregada em um poste telefônico no estacionamento do escritório; Tornou-se dourada com a luz cinzenta e todos acabaram concordando que o material deveria compor o projeto.

Quando você pensa sobre titânio, os primeiros objetos que vêm à mente são, provavelmente, tacos de golfe e peças de avião. Caracterizado por sua relação força / peso, este material leve é ​​caro e raramente usado como material de construção exterior, razão pela qual não foi originalmente considerado para o museu. Exatamente 42.875 painéis de titânio compõem a fachada icônica do Museu Guggenheim de Bilbao. A história da escolha, compra, processamento e aplicação deste metal é composta por cálculos e um feliz acaso. Os obstáculos mais conhecidos nesta saga foram ligados às circunstâncias que envolvem sua compra: no momento, o titânio era mais que o dobro do custo do aço. Esse impedimento inicial não parou a equipe, que após pesquisar as propriedades do metal confirmou que o titânio poderia ser usado com a metade da espessura do aço. Essa conclusão foi suficiente para considerar seriamente o uso do material, que foi incluído como uma alternativa ao aço inoxidável na envoltória da fachada. Incrivelmente, assim como a equipe expôs a oferta, a Rússia lançou titânio no mercado a um preço baixo. Desnecessário dizer que o preço subiu logo após o metal ter sido comprado para o Museu Guggenheim de Bilbao, ressaltando essa oportunidade singular.


Os benefícios intrínsecos do titânio variam de sua força à sua resiliência - o metal não oxida. Essas qualidades do material foram conhecidas e exploradas à medida que os detalhes da construção do edifício eram elaborados. No caso em questão: os painéis de titânio com a espessura de uma folha de papel (0,38 mm) ondulam no vento segundo o projeto. Os clipes de aço inoxidável são posicionados no ponto médio de cada painel entre juntas tradicionais, fazendo com que o metal torne-se ondulado em vez de ficar aplainado. Além disso, a qualidade transformadora da fachada do museu - esse fulgor dourado - também foi cuidadosamente calibrada. Depois que o titânio foi extraído na Rússia, ele foi processado pela Timet (Titanium Metals Corporation) em Pittsburgh. As experiências foram realizadas ao longo de um ano para garantir que apenas a combinação correta de produtos químicos e calor fosse usada durante o processo de laminação para criar a qualidade da superfície que parece se transformar sem esforço em resposta ao céu de Bilbao.

A equipe enfrentou um desafio sem precedentes quando o titânio estava pronto para ser instalado. Embora cada painel de 60 a 90 centímetros fosse leve o suficiente para ser manipulado confortavelmente por uma única pessoa, o equipamento de instalação padrão (um guindaste, por exemplo) não era projetado para acomodar as curvas verticais côncavas do edifício. Em vez de conceber um método de instalação de alta tecnologia tão complexo e particular quanto o próprio edifício, alpinistas foram contratados para instalar os painéis. O gerente de projeto do IDOM, Luis Rodriguez Llopis, resume o pensamento por trás dessa solução engenhosa: "Descobrimos que era mais fácil contratar alpinistas e treiná-los como instaladores do que contratar instaladores e treiná-los como alpinistas".

Conhecido por suas curvas suaves e assimétricas, a falta de repetição na forma do Museu Guggenheim Bilbao é atribuída ao uso da tecnologia digital pioneira. Na realidade, é a interação entre métodos automatizados e analógicos e a relação entre ao volume total idiossincrático do edifício e a grade bastante regular de painéis de titânio que culmina com o efeito que se tornou icônico. Embora o empreiteiro com sede em Itália, a Permasteelisa, tenha utilizado arquivos CATIA para cortar os painéis de titânio com um roteador CNC (Computer Numerical Control), vale ressaltar que 80 por cento dos painéis de fachada possuem quatro dimensões padrão (os outros 20 por cento exigiram apenas 16 perfis únicos). Ouvir a tremulação desses painéis em um dia agitado e observar o titânio assumir as cores do céu em constante mudança de Bilbao é, ao mesmo tempo, catártico e fascinante. O mais interessante é observar que essas características efêmeras impressionantes foram meticulosamente planejadas e tornadas possíveis por arquitetos, engenheiros e alpinistas.

Este artigo foi publicado originalmente em guggenheim.org/blogs, com o título "How Analog and Digital Came Together in the 1990s Creation of the Guggenheim Museum Bilbao,"  e é utilizado com permissão.