Listen to the text.

sábado, 3 de fevereiro de 2018

Unique Viking runes discovered in Denmark. - Um pente com uma inscrição rúnica da palavra "pente", talvez não pareça tão sensacional. Mas isso é.

“These are the runes we’ve been missing,” says archaeologist.

The two new discoveries double the number of runes from Ribe, which was a centre of power during the early Viking Age.


A comb with a runic inscription of the word “comb,” perhaps doesn’t sound so sensational. But it is.

The comb dates to the early Viking Age around 800 CE. Just a handful of runic texts from this period exists.

The comb was discovered during excavations of a Viking Age market place in Denmark’s oldest town Ribe.

Alongside the comb, archaeologists also discovered a runic inscription on a small plate of bone or antler.

Together, the two objects reveal details from a crucial period of Viking history, says archaeologist and excavation leader Søren Sindbæk from Aarhus University, Denmark.

“These are the runes we’ve been missing. We’ve waited generations to be able to dig into this,” says Sindbæk.

Casts light on how Vikings used runes

Archaeologists know that runes changed drastically at the start of the Viking Age. But they lack evidence to know how standardised written and spoken language was during this time, and what the Vikings actually used runes for.

The two new discoveries double the number of runes from Ribe, which was a centre of power during the early Viking Age.

The runes showed up during an excavation of the city’s market place.

“This is from a period where runes changed a lot. Just the fact that we now have two new inscriptions to add to the two existing ones from Ribe, expands our understanding of the different uses they had,” says Sindbæk.

For example, there is a difference between using language to communicate with others, such as when writing a letter, or to label a comb as a comb.

Another way of using language could be when a trader deals with another trader to communicate the price or the type of goods, or to summon the gods.

Runes belonged to a bronze caster


The top of the Rök runestone. The inscription begins on this side. (Photo: Science Photo Library)


Sindbæk discovered the bone plate while he was excavating a small house that was known to have been a bronze foundry. Initially, he could not figure out what it was.

“The engraving is so fine that you can’t immediately see the text, but I thought to myself, ‘what if it is an inscription?’ But then I thought, ‘no, that’s too optimistic’.”

“It’s expertly crafted and we don’t find so many of its kind, so I couldn’t shake the idea. In the end I convinced myself that it had to be runes,” says Sindbæk, who was proven to be correct.

Runes inscribed by a steady hand

It was difficult to decipher the text as both ends were missing. Archaeologists do not know how big the original piece would have been, or in what context it was used. A guess is that it was once part of a casket, says Sindbæk.

The text lacks certain features, which mark the beginning and end of each word. Just like if we today wrote asentencewithoutanyspaces. It is decipherable, but difficult to read.

But this does not mean that the work was sloppy. The runes were clearly etched by a steady hand with detail indicative of an experienced engraver.

Old runic alphabet out-competed itself

Archaeologists were especially interested to find out whether the script on the comb and plate were the new alphabet, which came into use at the beginning of the Viking Age.

Previously, the Vikings used a more complicated alphabet known as the 24 character futhark—itself a combination of the first six letters of the alphabet.

“It was built up so each rune had its own name and indicated the sound. But as the language developed, the names and sounds changed too, and in the end it was too difficult to remember the sound value of each rune and there was too much uncertainty in the message being conveyed,” says rune expert Lisbeth Imer from the National Museum of Denmark.

“At some point they decided not to use the old system anymore,” says Imer, who was invited to Ribe to study the two new discoveries and decipher whether it was the old or new alphabet.

Cities were hotbeds for the new alphabet

The development of a new runic alphabet is revealed by Viking rune stones.

At the same time, they represent a unique time line from the runes and clearly illustrate when the new alphabet came into use, and that it was in fact alive and used.

Researchers have long presumed that the new alphabet system first appeared or developed in early Viking towns. But there were no specific finds to back up this hypothesis.

“If it wasn’t for rune stones then we wouldn’t have many finds from the 9th century. The fact that the Vikings constructed a new alphabet is secondary evidence that runes were much in use in the 9th century,” says Imer.

The excavation is a part of the research project “Northern Emporium,” financed by the Carlsberg Foundation.








Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.















--br via tradutor do google
Um pente com uma inscrição rúnica da palavra "pente", talvez não pareça tão sensacional. Mas isso é.

Corridas de Viking únicas descobertas na Dinamarca.

"Estas são as runas que perdemos", diz o arqueólogo.

imagem
As duas novas descobertas duplicam o número de runas de Ribe, que era um centro de poder durante a idade viking anterior.

O pente remonta à idade vikingo precoce em torno de 800 EC. Apenas existe um punhado de textos rúnicos desse período.

O pente foi descoberto durante as escavações de um mercado da Viking Age na cidade mais antiga de Dinamarca Ribe.

Ao lado do pente, os arqueólogos também descobriram uma inscrição rúnica em uma pequena placa de osso ou garfo.

Juntos, os dois objetos revelam detalhes de um período crucial da história viking, diz o arqueólogo e líder da escavação Søren Sindbæk, da Universidade de Aarhus, na Dinamarca.

"Estas são as runas que perdemos. Nós esperamos gerações para poder escavar isso ", diz Sindbæk.

Lança luz sobre como os Vikings usavam runas

Os arqueólogos sabem que as runas mudaram drasticamente no início da era viking. Mas eles faltam evidências para saber como a linguagem escrita e falada padronizada era durante esse período, e o que os Vikings realmente usavam para as runas.

As duas novas descobertas duplicam o número de runas de Ribe, que era um centro de poder durante a idade viking anterior.

As runas apareceram durante uma escavação do mercado da cidade.

"Isto é de um período em que as runas mudaram muito. Apenas o fato de termos agora duas novas inscrições para adicionar aos dois existentes de Ribe, expandimos nossa compreensão sobre os diferentes usos que eles usaram ", diz Sindbæk.

Por exemplo, há uma diferença entre usar o idioma para se comunicar com os outros, como, por exemplo, escrever uma carta ou rotular um pente como um pente.

Outra maneira de usar o idioma pode ser quando um comerciante lida com outro comerciante para comunicar o preço ou o tipo de bens, ou para convocar os deuses.

Runes pertenciam a um rodízio de bronze

Sindbæk descobriu a placa de osso enquanto ele estava escavando uma pequena casa que era conhecida por ser uma fundição de bronze. Inicialmente, ele não conseguiu descobrir o que era.

"A gravura é tão boa que você não pode ver imediatamente o texto, mas pensei em mim mesmo," e se fosse uma inscrição? "Mas, então, pensei:" não, isso é muito otimista ".

"É habilmente elaborado e não encontramos tantos de seu tipo, então não conseguiria agitar a idéia. No final, eu me convenci de que tinha que ser runas ", diz Sindbæk, que foi comprovado estar correto.

Runes inscritas por uma mão firme

Foi difícil decifrar o texto, pois os dois extremos estavam faltando. Os arqueólogos não sabem o tamanho da peça original, ou em que contexto foi usado. Acho que foi uma vez parte de um caixão, diz Sindbæk.

O texto não tem certas características, que marcam o início eo final de cada palavra. Assim como se hoje escrevemos asentências sem espaços. É decifrável, mas difícil de ler.

Mas isso não significa que o trabalho foi descuidado. As runas foram claramente gravadas por uma mão constante com detalhes indicativos de um gravador experiente.

O antigo alfabeto runico fora competido

Os arqueólogos estavam especialmente interessados ​​em descobrir se o roteiro sobre o pente e a placa eram o novo alfabeto, que entrou em uso no início da era viking.

Anteriormente, os Vikings usavam um alfabeto mais complicado, conhecido como o futhark de 24 caracteres, uma combinação das primeiras seis letras do alfabeto.

"Foi construído para que cada runa tivesse seu próprio nome e indicasse o som. Mas, à medida que o idioma se desenvolveu, os nomes e os sons também mudaram e, no final, era muito difícil lembrar o valor sonoro de cada runa e havia muita incerteza na mensagem transmitida ", diz a especialista em runas Lisbeth Imer do National Museu da Dinamarca.

"Em algum momento eles decidiram não usar mais o sistema antigo", diz Imer, que foi convidado para Ribe para estudar as duas novas descobertas e decifrar se era o antigo ou o novo alfabeto.

As cidades eram hotbeds para o novo alfabeto

O desenvolvimento de um novo alfabeto rúnico é revelado por pedras runa Viking.

Ao mesmo tempo, eles representam uma linha de tempo única das runas e ilustram claramente quando o novo alfabeto entrou em uso e que, de fato, estava vivo e usado.

Os pesquisadores há muito presumiram que o novo sistema de alfabeto apareceu pela primeira vez ou se desenvolveu em cidades antigas do Viking. Mas não houve achados específicos para apoiar esta hipótese.

"Se não fosse para pedras de runa, não teríamos muitos achados do século 9. O fato de os Vikings terem construído um novo alfabeto é evidência secundária de que as runas foram muito usadas no século 9 ", diz Imer.

A escavação faz parte do projeto de pesquisa "Emporium do Norte", financiado pela Fundação Carlsberg.

Nenhum comentário:

Postar um comentário