Listen to the text.

sábado, 19 de outubro de 2019

Symbol of Manaus' architectural, historical and heritage legacy, the Universal Pavilion, a Belle Époque iron building, will be delivered revitalized and with new service within the 350th anniversary program of the capital, Manau, in Amazonas, Brazil. -- Símbolo do legado arquitetônico, histórico e patrimonial de Manaus, o Pavilhão Universal, uma edificação de ferro da Belle Époque, será entregue revitalizado e com novo serviço dentro da programação de aniversário dos 350 anos da capital, Manau, no Amazonas, Brasil. -- Der Universal Pavilion, ein Gebäude aus Eisen der Belle Époque, ist ein Symbol für Manaus 'architektonisches, historisches und kulturelles Erbe und wird im Rahmen des 350. Jubiläumsprogramms der brasilianischen Hauptstadt Manau im brasilianischen Amazonas revitalisiert und mit neuem Service geliefert. -- Будучи символом архитектурного, исторического и исторического наследия Манауса, Универсальный павильон, железное здание в стиле «Прекрасной эпохи», будет восстановлено и получит новую услугу в рамках программы 350-летия столицы Манау в Амазонасе, Бразилия. -- 象征着玛瑙斯建筑,历史和遗产遗产的环球影城,一座美丽的铁皮建筑,将在巴西首都马瑙斯成立350周年纪念日内进行翻新并提供新服务。 -- سيتم تسليم إحياء التراث المعماري والتاريخي والتاريخي لمدينة ماناوس ، حيث تم تسليم "الجناح العالمي" ، وهو مبنى بيل إيبوك الحديدي ، مع خدمة جديدة ضمن برنامج الذكرى السنوية 350 للعاصمة ماناو ، في أمازوناس ، البرازيل.

The space will be transformed into a Tourist Assistance Center (CAT), managed by the Municipal Foundation for Culture, Tourism and Events (Manauscult).

The monument rescues existing elements in the building in 1975, when the structure of the Pavilion was located in Tenreiro Aranha square. Today, the building is installed in Adalberto Vale square, composing the same architectural ensemble.

The work is part of the “Manaus Historica” program, executed with funds from the municipal treasury. Previously, the project belonged to PAC Historical Cities. The renovation and restoration was bid and is coordinated by the Municipal Institute of Urban Planning (Implurb).

Restoration

The Universal Pavilion had the work started in April this year by the company Biapó Construtora. With 90% of the work completed, the iron building receives the latest finishing services, painting and placement of glass pieces, lamps and tableware, as well as furniture. The project was approved by the Institute of National Historical and Artistic Heritage (Iphan).

One of the details of the restoration is that all metal parts are the original ones. They were disassembled, treated and reassembled at the new address. The fish-scale cover was redone from a found model.

Universal Pavilion is restored and will be delivered on Manaus anniversary
Space, located in Adalberto Vale square, will be transformed into a Tourist Service Center (CAT)






by Edison Mariotti, 
data analyst in code programming language, R.

-
Say no to fake News.

This report, is guaranteed to verify the address of the LINK above
-
@edisonmariotti  - #edisonmariotti

analista de dados em linguagem de programação em código, R.
Diga não às fake news.
Esta reportagem, tem a garantia de apuração do endereço do LINK abaixo.










--br 
Símbolo do legado arquitetônico, histórico e patrimonial de Manaus, o Pavilhão Universal, uma edificação de ferro da Belle Époque, será entregue revitalizado e com novo serviço dentro da programação de aniversário dos 350 anos da capital, Manau, no Amazonas, Brasil.

O espaço será transformado em um Centro de Atendimento ao Turista (CAT), administrado pela Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult).

O monumento resgata elementos existentes na edificação, em 1975, quando a estrutura do Pavilhão estava implantada na praça Tenreiro Aranha. Hoje, o prédio está instalado na praça Adalberto Vale, compondo o mesmo conjunto arquitetônico.

A obra faz parte do programa “Manaus Histórica”, executado com recursos do Tesouro municipal. Antes, o projeto pertencia ao PAC Cidades Históricas. A reforma e restauro foi licitada e tem coordenação do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb).

Restauro

O Pavilhão Universal teve a obra iniciada em abril deste ano, pela empresa Biapó Construtora. Com 90% dos trabalhos concluídos, a edificação em ferro recebe os últimos serviços de acabamento, pintura e colocação de peças de vidro, luminárias e louças, além de mobiliário.  O projeto teve aprovação junto ao Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Um dos detalhes do restauro é que todas as peças metálicas são as originais. Elas foram desmontadas, tratadas e remontadas no novo endereço. A cobertura em forma de escama de peixe foi refeita a partir de um modelo encontrado.

Pavilhão Universal é restaurado e será entregue no aniversário de Manaus
Espaço, localizado na praça Adalberto Vale, será transformado em um Centro de Atendimento ao Turista (CAT)












--de via tradutor do google
Der Universal Pavilion, ein Gebäude aus Eisen der Belle Époque, ist ein Symbol für Manaus 'architektonisches, historisches und kulturelles Erbe und wird im Rahmen des 350. Jubiläumsprogramms der brasilianischen Hauptstadt Manau im brasilianischen Amazonas revitalisiert und mit neuem Service geliefert.

Der Raum wird in ein Tourist Assistance Center (CAT) umgewandelt, das von der Städtischen Stiftung für Kultur, Tourismus und Veranstaltungen (Manauscult) verwaltet wird.

Das Denkmal rettet vorhandene Elemente des Gebäudes im Jahr 1975, als sich die Struktur des Pavillons auf dem Tenreiro Aranha-Platz befand. Heute befindet sich das Gebäude auf dem Adalberto-Vale-Platz und besteht aus demselben architektonischen Ensemble.

Die Arbeit ist Teil des Programms „Manaus Historica“, das mit Mitteln der Stadtkasse durchgeführt wird. Zuvor gehörte das Projekt zu PAC Historical Cities. Die Sanierung und Restaurierung wurde ausgeschrieben und wird vom Städtischen Institut für Stadtplanung (Implurb) koordiniert.

Wiederherstellung

Der Universal Pavilion ließ die Arbeiten im April dieses Jahres von der Firma Biapó Construtora beginnen. Mit 90% der abgeschlossenen Arbeiten erhält das Eisengebäude die neuesten Fertigungsdienstleistungen, das Streichen und Platzieren von Glasstücken, Lampen und Geschirr sowie Möbeln. Das Projekt wurde vom Institut für nationales historisches und künstlerisches Erbe (Iphan) genehmigt.

Eines der Details der Restaurierung ist, dass alle Metallteile die Originalteile sind. Sie wurden an der neuen Adresse demontiert, behandelt und wieder zusammengebaut. Der Fischschuppendeckel wurde von einem gefundenen Modell überarbeitet.

Universal Pavilion ist restauriert und wird zum Manaus-Jubiläum ausgeliefert
Der auf dem Adalberto Vale-Platz gelegene Raum wird in ein Tourist Service Center (CAT) umgewandelt.











--ru via tradutor google
Будучи символом архитектурного, исторического и исторического наследия Манауса, Универсальный павильон, железное здание в стиле «Прекрасной эпохи», будет восстановлено и получит новую услугу в рамках программы 350-летия столицы Манау в Амазонасе, Бразилия.

Помещение будет преобразовано в Центр содействия туризму (CAT), управляемый Муниципальным фондом культуры, туризма и событий (Манаускульт).

Памятник спасает существующие элементы в здании в 1975 году, когда структура павильона была расположена на площади Тенрейру-Аранья. Сегодня здание установлено на площади Адальберто Вале, составляющей тот же архитектурный ансамбль.

Работа является частью программы «Manaus Historica», которая осуществляется за счет средств муниципальной казны. Ранее проект принадлежал PAC Historical Cities. Ремонт и реставрация были предложены и координируются Муниципальным институтом городского планирования (Implurb).

восстановление

Универсальный павильон начал свою работу в апреле этого года компанией Biapó Construtora. После завершения 90% работ железное здание получает последние отделочные услуги, покраску и расстановку стеклянных изделий, ламп и посуды, а также мебели. Проект был одобрен Институтом национального исторического и художественного наследия им. Ифана.

Одной из деталей реставрации является то, что все металлические детали являются оригинальными. Их разбирали, обрабатывали и собирали по новому адресу. Крышка рыбьей чешуи была переделана из найденной модели.

Универсальный павильон восстановлен и будет доставлен на юбилей Манауса
Пространство, расположенное на площади Адальберто Вале, будет преобразовано в Центр туристического обслуживания (CAT)











--chines simplificado via tradutor do google
象征着玛瑙斯建筑,历史和遗产遗产的环球影城,一座美丽的铁皮建筑,将在巴西首都马瑙斯成立350周年纪念日内进行翻新并提供新服务。

该空间将被改造成由城市文化,旅游和活动基金会(制造商)管理的游客援助中心(CAT)。

1975年,当亭子的结构位于Tenreiro Aranha广场上时,纪念碑将建筑物中的现有元素进行了抢救。如今,该建筑安装在Adalberto Vale广场上,构成同一建筑群。

这项工作是“ Manaus Historica”计划的一部分,该计划由市政财政部拨款执行。以前,该项目属于PAC历史城市。翻新和修复工作是由市城市规划研究所(Implurb)协调进行的。

恢复

世界馆由BiapóConstrutora公司于今年4月开始工作。在完成90%的工作后,铁建筑得到了最新的装修服务,玻璃件,灯具和餐具以及家具的油漆和放置。该项目获得了美国国家历史和艺术遗产研究所(Iphan)的批准。

修复的细节之一是所有金属零件均为原始零件。他们在新地址被拆解,处理和重新组装。鱼鳞覆盖物是从找到的模型中重做的。

环球影城恢复原状,并将在马瑙斯周年纪念日交付
位于Adalberto Vale广场的空间将被改造成游客服务中心(CAT)










--ae via tradutor do google
سيتم تسليم إحياء التراث المعماري والتاريخي والتاريخي لمدينة ماناوس ، حيث تم تسليم "الجناح العالمي" ، وهو مبنى بيل إيبوك الحديدي ، مع خدمة جديدة ضمن برنامج الذكرى السنوية 350 للعاصمة ماناو ، في أمازوناس ، البرازيل.

سيتم تحويل المساحة إلى مركز المساعدة السياحية (CAT) ، الذي تديره المؤسسة البلدية للثقافة والسياحة والأحداث (Manauscult).

ينقذ النصب العناصر الموجودة في المبنى في عام 1975 ، عندما كان هيكل الجناح يقع في ساحة Tenreiro Aranha. اليوم ، تم تثبيت المبنى في ساحة Adalberto Vale ، التي تتكون من نفس المجموعة المعمارية.

يعد هذا العمل جزءًا من برنامج "Manaus Historica" ​​، الذي تم تنفيذه بتمويل من خزينة البلدية. في السابق ، كان المشروع ينتمي إلى مدن PAC التاريخية. تم ترميم وترميم العرض وتنسيقه من قبل المعهد البلدي للتخطيط الحضري (Implurb).

استعادة

بدأ Universal Pavilion العمل في أبريل من هذا العام بواسطة شركة Biapó Construtora. مع 90 ٪ من الأعمال المنجزة ، يتلقى المبنى الحديدي أحدث خدمات التشطيب ، والطلاء ووضع القطع الزجاجية والمصابيح وأدوات المائدة ، وكذلك الأثاث. تمت الموافقة على المشروع من قبل معهد التراث التاريخي والفني الوطني (Iphan).

واحدة من تفاصيل الترميم هي أن جميع الأجزاء المعدنية هي الأجزاء الأصلية. تم تفكيكها ومعالجتها وإعادة تجميعها في العنوان الجديد. تمت إعادة بناء غطاء مقياس السمك من طراز موجود.

تم ترميم الجناح العالمي وسيتم تسليمه في ذكرى ماناوس
سيتم تحويل المساحة الموجودة في ساحة أدلبرتو فالي إلى مركز للخدمات السياحية (CAT)

Cultura: Mark Zuckerberg falou na Universidade de Georgetown sobre a importância de proteger a liberdade de expressão.


Ele enfatizou sua crença de que dar voz a todos fortalece os impotentes e leva a sociedade a melhorar com o tempo - uma crença que está no centro do Facebook.


Diante de centenas de estudantes no Gaston Hall da escola, Mark alertou que cada vez mais vemos leis e regulamentos em todo o mundo que comprometem a liberdade de expressão e os direitos humanos. Ele argumentou que, para garantir que as pessoas continuem a ter voz, devemos: 1) escrever uma política que ajude os valores da voz e da expressão a triunfar em todo o mundo, 2) afastar o desejo de definir discursos que não gostamos tão perigoso e 3) criar novas instituições para que empresas como o Facebook não tomem tantas decisões importantes por conta própria.



Leia o discurso completo de Mark abaixo.



Em pé para voz e expressão livre



Ei pessoal. É ótimo estar aqui em Georgetown com todos vocês hoje.



Antes de começarmos, quero reconhecer que hoje perdemos um ícone, Elijah Cummings. Ele era uma voz poderosa para a igualdade, o progresso social e a união das pessoas.



Quando eu estava na faculdade, nosso país havia acabado de entrar em guerra no Iraque. O clima no campus era descrença. Parecia que estávamos agindo sem ouvir muitas perspectivas importantes. O número de soldados, famílias e nossa psique nacional era severo, e a maioria de nós se sentia impotente para impedi-lo. Lembro-me de sentir que se mais pessoas tivessem voz para compartilhar suas experiências, talvez as coisas tivessem sido diferentes. Esses primeiros anos moldaram minha crença de que dar voz a todos fortalece os impotentes e leva a sociedade a melhorar ao longo do tempo.



Naquela época, eu estava construindo uma versão inicial do Facebook para minha comunidade e pude ver minhas crenças se desenvolvendo em menor escala. Quando os alunos expressaram quem eram e o que importava para eles, organizaram mais eventos sociais, iniciaram mais negócios e até desafiaram algumas maneiras estabelecidas de fazer as coisas no campus. Ele me ensinou que, embora a atenção do mundo se concentre em grandes eventos e instituições, a história maior é que o maior progresso em nossas vidas vem de pessoas comuns que têm mais voz.



Desde então, concentro-me na criação de serviços para fazer duas coisas: dar voz às pessoas e aproximar as pessoas. Essas duas idéias simples - voz e inclusão - andam de mãos dadas. Vimos isso ao longo da história, mesmo que não pareça assim hoje. Sempre foi necessário haver mais pessoas capazes de compartilhar suas perspectivas para construir uma sociedade mais inclusiva. E nosso compromisso mútuo - de que temos o direito de expressar nossos pontos de vista e de sermos ouvidos acima do nosso próprio desejo de sempre obter os resultados que queremos - é como progredimos juntos.



Mas essa visão está sendo cada vez mais desafiada. Algumas pessoas acreditam que dar voz a mais pessoas está dirigindo a divisão, em vez de nos unir. Mais pessoas em todo o espectro acreditam que alcançar os resultados políticos que consideram importantes é mais importante do que todas as pessoas que têm voz. Eu acho isso perigoso. Hoje eu quero falar sobre o porquê e algumas escolhas importantes que enfrentamos em torno da liberdade de expressão.



Ao longo da história, vimos como a capacidade de usar sua voz ajuda as pessoas a se unirem. Vimos isso no movimento dos direitos civis. Frederick Douglass certa vez chamou a expressão livre de "o grande renovador moral da sociedade". Ele disse que "a escravidão não pode tolerar a liberdade de expressão". Os líderes dos direitos civis argumentaram repetidamente que seus protestos eram livres de expressão protegida, e um observou: "quase todos os casos envolvendo o movimento dos direitos civis foram decididos com base na Primeira Emenda".



Também vimos isso globalmente, onde a capacidade de falar livremente tem sido central na luta pela democracia em todo o mundo. As sociedades mais repressivas sempre restringiram mais a fala - e quando as pessoas finalmente conseguem falar, frequentemente pedem mudanças. Somente este ano, as pessoas usaram suas vozes para encerrar várias ditaduras de longa duração no norte da África. E já estamos ouvindo vozes nos países que foram excluídos apenas por serem mulheres ou por acreditarem na democracia.



Nossa idéia de liberdade de expressão se tornou muito mais ampla nos últimos 100 anos. Muitos americanos sabem sobre a história do Iluminismo e como consagramos a Primeira Emenda em nossa constituição, mas poucos sabem quão dramaticamente nossas normas culturais e proteções legais se expandiram, mesmo na história recente.



1



O primeiro caso da Suprema Corte a considerar seriamente a liberdade de expressão e a Primeira Emenda foi em 1919, Schenk x Estados Unidos. Naquela época, a Primeira Emenda se aplicava apenas ao governo federal, e os estados podiam e freqüentemente restringiam seu direito de falar. Nossa capacidade de chamar coisas que julgávamos erradas também costumava ser muito mais restrita. As leis de difamação costumavam impor danos se você escrevesse algo negativo sobre alguém, mesmo que fosse verdade. Mais tarde, o padrão mudou e ficou bom, desde que você pudesse provar que sua crítica era verdadeira. Não recebemos as amplas proteções de liberdade de expressão que temos até a década de 1960, quando a Suprema Corte decidiu em opiniões como New York Times e Sullivan que você pode criticar figuras públicas desde que não o faça com malícia real, mesmo se o que você está dizendo é falso.



Agora temos um poder significativamente mais amplo para chamar coisas que consideramos injustas e compartilhar nossas próprias experiências pessoais. Movimentos como #BlackLivesMatter e #MeToo tornaram-se virais no Facebook - a hashtag #BlackLivesMatter foi realmente usada pela primeira vez no Facebook - e isso não seria possível da mesma maneira antes. 100 anos atrás, muitas das histórias que as pessoas compartilharam teriam sido contra a lei até mesmo escrever. E sem a Internet dando às pessoas o poder de compartilhá-las diretamente, elas certamente não teriam alcançado tantas pessoas. Com o Facebook, mais de 2 bilhões de pessoas agora têm uma oportunidade maior de se expressar e ajudar os outros.



Embora seja fácil se concentrar nos principais movimentos sociais, é importante lembrar que o maior progresso ocorre em nossas vidas cotidianas. São as mães da Força Aérea que criaram um grupo no Facebook para que seus filhos e outros membros do serviço que não podem chegar em casa durante o feriado tenham um lugar para ir. É o grupo da igreja que se reuniu durante um furacão para fornecer comida e voluntário para ajudar na recuperação. É a pequena empresa na esquina que agora tem acesso às mesmas ferramentas sofisticadas que os grandes caras costumavam usar, e agora eles podem expressar sua voz e alcançar mais clientes, criar empregos e se tornar um centro na comunidade local. O progresso e a coesão social vêm de bilhões de histórias como essa em todo o mundo.



As pessoas que têm o poder de se expressar em escala são um novo tipo de força no mundo - um Quinto Estado, ao lado de outras estruturas de poder da sociedade. As pessoas não precisam mais confiar nos porteiros tradicionais da política ou da mídia para fazer ouvir suas vozes, e isso tem consequências importantes. Entendo as preocupações sobre como as plataformas tecnológicas centralizam o poder, mas acredito que a história muito maior é o quanto essas plataformas têm poder descentralizado, colocando-o diretamente nas mãos das pessoas. Faz parte dessa incrível expansão da voz através da lei, cultura e tecnologia.



Portanto, dar às pessoas uma voz e uma inclusão mais ampla andam de mãos dadas, e a tendência tem sido em direção a uma maior voz ao longo do tempo. Mas há também uma contra-tendência. Em tempos de turbulência social, nosso impulso geralmente é recuar na liberdade de expressão. Queremos o progresso que advém da liberdade de expressão, mas não da tensão.



Vimos isso quando Martin Luther King Jr. escreveu sua famosa carta da Cadeia de Birmingham, onde foi inconstitucionalmente preso por protestar pacificamente. Vimos isso nos esforços para encerrar os protestos no campus contra a Guerra do Vietnã. Vimos isso de volta quando os EUA estavam profundamente polarizados sobre seu papel na Primeira Guerra Mundial, e a Suprema Corte decidiu que o líder socialista Eugene Debs poderia ser preso por fazer um discurso anti-guerra.



No final, todas essas decisões estavam erradas. Recolher a liberdade de expressão não era a resposta e, de fato, muitas vezes acabava prejudicando as visões minoritárias que buscamos proteger. De onde estamos agora, parece óbvio que, é claro, devem ser permitidos protestos por direitos civis ou contra guerras. No entanto, o desejo de suprimir essa expressão foi sentido profundamente por grande parte da sociedade da época.



Hoje, estamos em outro momento de tensão social. Enfrentamos problemas reais que levarão muito tempo para serem resolvidos - transições econômicas maciças da globalização e da tecnologia, consequências da crise financeira de 2008 e reações polarizadas a uma maior migração. Muitos de nossos problemas decorrem dessas mudanças.



Diante dessas tensões, mais uma vez um impulso popular é afastar-se da liberdade de expressão. Estamos em outra encruzilhada. Podemos continuar defendendo a liberdade de expressão, entendendo sua bagunça, mas acreditando que a longa jornada em direção a um progresso maior exige confrontar idéias que nos desafiam. Ou podemos decidir que o custo é simplesmente muito alto. Estou aqui hoje porque acredito que devemos continuar defendendo a liberdade de expressão.



2



Ao mesmo tempo, sei que a liberdade de expressão nunca foi absoluta. Algumas pessoas argumentam que as plataformas da Internet devem permitir toda expressão protegida pela Primeira Emenda, mesmo que a Primeira Emenda não se aplique explicitamente às empresas. Tenho orgulho de que nossos valores no Facebook sejam inspirados na tradição americana, que apoia mais a liberdade de expressão do que em qualquer outro lugar. Mas até a tradição americana reconhece que alguns discursos violam os direitos de outros. E, ainda assim, um padrão estrito da Primeira Emenda pode exigir que permitamos propaganda terrorista, intimide jovens e muito mais que quase todo mundo concorda que devemos parar - e eu certamente o faço -, bem como conteúdo como pornografia que deixaria as pessoas desconfortáveis ao usar nossas plataformas.



Então, quando retiramos esse conteúdo, a questão é: onde você desenha a linha? A maioria das pessoas concorda com os princípios de que você deve poder dizer coisas que as outras pessoas não gostam, mas você não deve dizer coisas que colocam as pessoas em perigo. A mudança nos últimos anos é que muitas pessoas argumentariam agora que mais discurso é perigoso do que antes. Isso levanta a questão de exatamente o que conta como discurso perigoso online. Vale a pena examinar isso em detalhes.



Muitos argumentos sobre a fala online estão relacionados a novas propriedades da própria Internet. Se você acredita que a Internet é completamente diferente de tudo antes dela, não faz sentido se concentrar em precedentes históricos. Mas devemos ter cuidado com argumentos excessivamente amplos, já que eles foram feitos sobre quase todas as novas tecnologias, desde a imprensa até o rádio e a TV. Em vez disso, vamos considerar as maneiras específicas em que a Internet é diferente e como serviços de Internet como os nossos podem lidar com esses riscos e proteger a liberdade de expressão.



Uma diferença clara é que agora muito mais pessoas têm voz - quase metade do mundo. Isso é incrivelmente empoderador por todos os motivos que mencionei. Mas, inevitavelmente, algumas pessoas usam sua voz para organizar a violência, minar eleições ou ferir outras pessoas, e temos a responsabilidade de lidar com esses riscos. Quando você atende a bilhões de pessoas, mesmo que uma porcentagem muito pequena cause danos, isso ainda pode causar muitos danos.



Criamos sistemas específicos para lidar com cada tipo de conteúdo nocivo - desde incitação à violência, exploração infantil até outros danos, como violações à propriedade intelectual - cerca de 20 categorias no total. Nós nos julgamos pela prevalência de conteúdo nocivo e pela porcentagem que encontramos proativamente antes que alguém nos relate. Por exemplo, nossos sistemas de IA identificam 99% do conteúdo terrorista que retiramos antes que alguém o veja. Este é um investimento enorme. Agora, temos mais de 35.000 pessoas trabalhando em segurança, e nosso orçamento de segurança hoje é maior do que toda a receita de nossa empresa no momento de nosso IPO no início desta década.



Todo esse trabalho é sobre o cumprimento de nossas políticas existentes, não ampliando nossa definição do que é perigoso. Se fizermos isso bem, poderemos impedir muitos danos enquanto lutamos contra a imposição de restrições adicionais à fala.



Outra diferença importante é a rapidez com que as idéias podem se espalhar online. Agora, a maioria das pessoas pode ter muito mais alcance do que nunca. Este é o cerne de muitos usos positivos da internet. É empoderador que qualquer pessoa possa iniciar uma angariação de fundos, compartilhar uma ideia, criar um negócio ou criar um movimento que possa crescer rapidamente. Mas já vimos isso acontecer de outra maneira - principalmente quando o IRA da Rússia tentou interferir nas eleições de 2016, mas também quando a desinformação se tornou viral. Algumas pessoas argumentam que a própria viralidade é perigosa, e precisamos de filtros mais rígidos sobre qual conteúdo pode se espalhar rapidamente.



Para desinformação, nos concentramos em garantir que as fraudes completas não sejam virais. Nós nos concentramos especialmente em informações erradas que podem levar a danos físicos iminentes, como conselhos de saúde enganosos dizendo que, se você está tendo um derrame, não precisa ir ao hospital.



De maneira mais ampla, descobrimos que uma estratégia diferente funciona melhor: focar na autenticidade do palestrante e não no conteúdo em si. Grande parte do conteúdo compartilhado pelas contas russas era desagradável, mas teria sido considerado um discurso político permitido se fosse compartilhado pelos americanos - o verdadeiro problema era que ele foi publicado por contas falsas coordenando e fingindo ser outra pessoa. Vimos um problema semelhante com esses grupos que fornecem informações erradas como spam apenas para ganhar dinheiro.



3



A solução é verificar as identidades das contas com ampla distribuição e melhorar a remoção de contas falsas. Agora, solicitamos que você forneça um ID do governo e prove sua localização se desejar exibir anúncios políticos ou uma página grande. Você ainda pode dizer coisas controversas, mas precisa apoiá-las com sua identidade real e encarar a responsabilidade. Nossos sistemas de IA também se tornaram mais avançados na detecção de grupos de contas falsas que não se comportam como seres humanos. Agora, removemos bilhões de contas falsas por ano - a maioria minutos depois do registro e antes que elas façam muito. O foco na autenticidade e na verificação de contas é uma solução muito melhor do que uma definição cada vez maior de qual discurso é prejudicial.



Outra diferença qualitativa é que a internet permite que as pessoas formem comunidades que antes não seriam possíveis. Isso é bom porque ajuda as pessoas a encontrar grupos a que pertencem e a compartilhar interesses. Mas o outro lado é que isso pode levar à polarização. Eu me preocupo muito com isso - afinal, nosso objetivo é reunir as pessoas.



Muitas das pesquisas que eu vi são mistas e sugerem que a Internet pode realmente diminuir aspectos da polarização. Os eleitores mais polarizados na última eleição presidencial foram os menos propensos a usar a internet. Pesquisas do Instituto Reuters também mostram que as pessoas que veem suas notícias on-line têm uma dieta de mídia muito mais diversa do que as que não o fazem e estão expostas a uma gama mais ampla de pontos de vista. Isso ocorre porque a maioria das pessoas assiste apenas algumas estações de notícias a cabo ou lê apenas alguns jornais, mas mesmo que a maioria dos seus amigos online tenha opiniões semelhantes, geralmente você tem algumas que são diferentes e é exposto a diferentes perspectivas por meio delas. . Ainda assim, temos um papel importante no design de nossos sistemas para mostrar uma diversidade de idéias e não incentivar o conteúdo polarizador.



Uma última diferença com a internet é que ela permite que as pessoas compartilhem coisas que antes eram impossíveis. Veja a transmissão ao vivo, por exemplo. Isso permite que as famílias fiquem juntas por momentos como aniversários e até casamentos, professores escolares leiam histórias de ninar para crianças que talvez não sejam lidas e pessoas que testemunham alguns eventos muito importantes. Mas também vimos pessoas transmitindo auto-mutilação, suicídio e violência terrível. Esses são novos desafios e nossa responsabilidade é criar sistemas que possam responder rapidamente.



Estamos particularmente focados no bem-estar, especialmente para os jovens. Criamos uma equipe de milhares de pessoas e sistemas de IA que podem detectar riscos de auto-mutilação em questão de minutos, para que possamos chegar quando as pessoas mais precisam de ajuda. No ano passado, ajudamos os socorristas a alcançar pessoas que precisavam de ajuda milhares de vezes.



Para cada uma dessas questões, acredito que temos duas responsabilidades: remover o conteúdo quando ele puder causar um perigo real da maneira mais eficaz possível e lutar para manter a mais ampla definição de liberdade de expressão possível - e não permitir a definição de o que é considerado perigoso expandir além do que é absolutamente necessário. É com isso que estou comprometido.



Mas além dessas novas propriedades da internet, também existem sensibilidades culturais mutantes e visões divergentes sobre o que as pessoas consideram conteúdo perigoso.



Tome desinformação. Ninguém nos diz que eles querem ver desinformação. É por isso que trabalhamos com verificadores de fatos independentes para impedir que as fraudes que se tornam virais se espalhem. Mas desinformação é uma categoria bastante ampla. Muitas pessoas gostam de sátira, o que não é necessariamente verdade. Muitas pessoas falam sobre suas experiências através de histórias que podem ser exageradas ou com imprecisões, mas falam com uma verdade mais profunda em sua experiência vivida. Precisamos ter cuidado ao restringir isso. Mesmo quando há um conjunto comum de fatos, diferentes meios de comunicação contam histórias muito diferentes, enfatizando diferentes ângulos. Há muitas nuances aqui. E enquanto me preocupo com a erosão da verdade, acho que a maioria das pessoas não quer viver em um mundo onde você só pode postar coisas que as empresas de tecnologia consideram 100% verdadeiras.



Recentemente, esclarecemos nossas políticas para garantir que as pessoas possam ver o discurso da fonte primária a partir de figuras políticas que moldam o discurso cívico. A publicidade política é mais transparente no Facebook do que em qualquer outro lugar - mantemos todos os anúncios políticos e emitimos em um arquivo para que todos possam examiná-los, e nenhuma TV ou impressão faz isso. Não verificamos anúncios políticos de fato. Não fazemos isso para ajudar os políticos, mas porque achamos que as pessoas devem poder ver por si mesmas o que os políticos estão dizendo. E se o conteúdo for digno de ser noticiado, também não o removeremos, mesmo que entrem em conflito com muitos de nossos padrões.



4



Sei que muitas pessoas discordam, mas, em geral, não acho certo que uma empresa privada censure políticos ou as notícias em uma democracia. E não somos um fora-da-lei aqui. As outras grandes plataformas da Internet e a grande maioria da mídia também exibem esses mesmos anúncios.



A tradição americana também tem algum precedente aqui. O caso da Suprema Corte que mencionei anteriormente, que nos deu nossos direitos atuais de expressão ampla, New York Times x Sullivan, tratava-se de um anúncio com informações erradas, apoiando Martin Luther King Jr. e criticando um departamento de polícia do Alabama. O comissário de polícia processou o Times por publicar o anúncio, o júri no Alabama encontrado contra o Times e a Suprema Corte revogou por unanimidade a decisão, criando o padrão de discurso de hoje.



Como princípio, em uma democracia, acredito que as pessoas devem decidir o que é credível, não as empresas de tecnologia. É claro que existem exceções e, mesmo para os políticos, não permitimos conteúdo que incite violência ou arrisque danos iminentes - e, é claro, não permitimos a supressão de eleitores. Votar é voz. O combate à supressão de eleitores pode ser tão importante para o movimento dos direitos civis quanto a liberdade de expressão. Assim como somos inspirados pela Primeira Emenda, também somos inspirados pela 15ª.



Dada a sensibilidade em relação aos anúncios políticos, considerei se deveríamos parar de permiti-los completamente. Do ponto de vista comercial, a controvérsia certamente não vale a pequena parte de nossos negócios que eles compõem. Mas os anúncios políticos são uma parte importante da voz - especialmente para candidatos locais, desafiantes em ascensão e grupos de advocacia que podem não receber muita atenção da mídia de outra forma. A proibição de anúncios políticos favorece os titulares e quem quer que a mídia cubra.



Mesmo se quiséssemos proibir anúncios políticos, não está claro para onde vamos traçar a linha. Existem muito mais anúncios sobre questões do que diretamente sobre eleições. Proibiríamos todos os anúncios sobre assistência médica, imigração ou empoderamento das mulheres? Se baníssemos os anúncios dos candidatos, mas não estes, faria realmente sentido dar voz a todos os outros em debates políticos, exceto os próprios candidatos? Há problemas de qualquer maneira que você resolva isso e, quando não está absolutamente claro o que fazer, acredito que devemos errar no lado de uma maior expressão.



Ou faça um discurso de ódio, que definimos como alguém atacando diretamente uma pessoa ou grupo com base em uma característica como raça, gênero ou religião. Reduzimos o conteúdo que poderia levar à violência no mundo real. Nos países em risco de conflito, isso inclui qualquer coisa que possa levar a violência iminente ou genocídio. E sabemos pela história que desumanizar as pessoas é o primeiro passo para incitar a violência. Se você diz que os imigrantes são vermes ou todos os muçulmanos são terroristas - isso faz com que outros sintam que podem escalar e atacar esse grupo sem consequências. Então, não permitimos isso. Eu levo isso incrivelmente a sério, e trabalhamos duro para tirar isso da nossa plataforma.



A tradição americana de liberdade de expressão reconhece que algumas falas podem ter o efeito de restringir o direito de falar de outras pessoas. Embora a lei americana não reconheça o "discurso de ódio" como uma categoria, ela proíbe o assédio racial e o assédio sexual. Ainda temos uma forte cultura de liberdade de expressão, mesmo enquanto nossas leis proíbem a discriminação.



Mas ainda assim, as pessoas têm grandes discordâncias sobre o que qualifica como ódio e não deve ser permitido. Algumas pessoas pensam que nossas políticas não proíbem conteúdo que consideram qualificado como ódio, enquanto outras pensam que o que retiramos deve ser uma forma de expressão protegida. Esta área é uma das mais difíceis de acertar.



Eu acredito que as pessoas devem poder usar nossos serviços para discutir questões sobre as quais se sentem fortemente - desde religião e imigração até política externa e crime. Você deve ser capaz de criticar os grupos sem desumanizá-los. Mas mesmo isso nem sempre é fácil de julgar em grande escala, e muitas vezes leva a erros de execução. Alguém está postando novamente um vídeo de um ataque racista porque está condenando ou glorificando e incentivando as pessoas a copiá-lo? Eles estão usando gírias normais ou usando uma palavra inocente de uma nova maneira de incitar a violência? Agora multiplique esses desafios linguísticos por mais de 100 idiomas em todo o mundo.



As regras sobre o que você pode e o que não pode dizer geralmente têm consequências indesejadas. Quando as restrições de fala foram implementadas no Reino Unido no século passado, o parlamento observou que elas eram aplicadas mais fortemente a cidadãos de origens mais pobres porque a maneira como expressavam as coisas não combinava com o estilo de elite Oxbridge. Em tudo o que fazemos, precisamos garantir que estamos capacitando as pessoas, não simplesmente reforçando as instituições e estruturas de poder existentes.



5



Isso nos leva de volta às encruzilhadas em que todos nos encontramos hoje. Continuaremos lutando para dar mais voz às pessoas, ou nos afastaremos da liberdade de expressão?



Vejo três grandes ameaças à frente:



O primeiro é legal. Cada vez mais, vemos leis e regulamentos em todo o mundo que comprometem a liberdade de expressão e os direitos humanos das pessoas. Essas leis locais são cada uma individualmente preocupante, especialmente quando eles encerram o discurso em lugares onde não há democracia ou liberdade de imprensa. Mas é ainda pior quando os países tentam impor suas restrições de fala ao resto do mundo.



Isso levanta uma questão maior sobre o futuro da internet global. A China está construindo sua própria Internet focada em valores muito diferentes e agora está exportando sua visão da Internet para outros países. Até recentemente, a internet em quase todos os países fora da China era definida por plataformas americanas com fortes valores de livre expressão. Não há garantia de que esses valores vencerão. Há uma década, quase todas as principais plataformas da Internet eram americanas. Hoje, seis dos dez primeiros são chineses.



Estamos começando a ver isso nas mídias sociais. Embora nossos serviços, como o WhatsApp, sejam usados por manifestantes e ativistas em todos os lugares devido a fortes proteções de criptografia e privacidade, no TikTok, o aplicativo chinês que cresce rapidamente em todo o mundo, as menções a esses protestos são censuradas, mesmo nos EUA.



Essa é a internet que queremos?



Essa é uma das razões pelas quais não operamos o Facebook, Instagram ou outros serviços na China. Eu queria nossos serviços na China porque acredito em conectar o mundo inteiro e pensei que poderíamos ajudar a criar uma sociedade mais aberta. Eu trabalhei duro para fazer isso acontecer. Mas nunca poderíamos chegar a um acordo sobre o que seria necessário para operarmos lá, e eles nunca nos deixam entrar. E agora temos mais liberdade para falar e defender os valores em que acreditamos e lutamos pela liberdade de expressão em todo o mundo. mundo.



Essa questão de quais valores de nação determinará qual discurso é permitido nas próximas décadas realmente coloca em perspectiva nossos debates sobre as questões de conteúdo do dia. Embora possamos discordar sobre exatamente onde delinear questões específicas, pelo menos podemos discordar. É isso que é a liberdade de expressão. E o fato de podermos ter essa conversa significa que estamos pelo menos debatendo sobre alguns valores comuns. Se as plataformas de outra nação definirem as regras, nosso discurso será definido por um conjunto de valores completamente diferente.



Para combater isso, como todos trabalhamos para definir políticas e regulamentos da Internet para lidar com a segurança pública, também devemos ser proativos e escrever políticas que ajudem os valores da voz e da expressão a triunfar em todo o mundo.



O segundo desafio à expressão são as próprias plataformas - inclusive nós. Porque a realidade é que tomamos muitas decisões que afetam a capacidade das pessoas de falar.



Estou comprometido com os valores que estamos discutindo hoje, mas nem sempre acertamos. Entendo que as pessoas estão preocupadas por termos tanto controle sobre como elas se comunicam em nossos serviços. E eu entendo que as pessoas estão preocupadas com o viés e se certificam de que suas idéias sejam tratadas de maneira justa. Francamente, também não acho que devamos tomar tantas decisões importantes sobre a fala. Nós nos beneficiaríamos de um processo mais democrático, regras mais claras para a Internet e novas instituições.



É por isso que estamos estabelecendo um Conselho de Supervisão independente para que as pessoas apelem de nossas decisões de conteúdo. O conselho terá o poder de tomar decisões finais vinculativas sobre se o conteúdo permanece ou não em nossos serviços - decisões que nossa equipe e eu não podemos derrubar. Vamos nomear membros deste conselho que tenham uma diversidade de visões e antecedentes, mas que cada um tenha liberdade de expressão como seu valor primordial.



Construir esta instituição é importante para mim pessoalmente, porque nem sempre vou estar aqui, e quero garantir que os valores da voz e da liberdade de expressão sejam consagrados profundamente na forma como esta empresa é governada.



O terceiro desafio à expressão é o mais difícil, porque vem da nossa cultura. Estamos em um momento de tensão particular aqui e ao redor do mundo - e estamos vendo o impulso de restringir a fala e impor novas normas sobre o que as pessoas podem dizer.



Cada vez mais, vemos pessoas tentando definir mais discursos como perigosos, pois isso pode levar a resultados políticos que consideram inaceitáveis. Alguns consideram que, como os riscos são tão altos, eles não podem mais confiar em seus concidadãos o poder de se comunicar e decidir em que acreditar.



6



Pessoalmente, acredito que isso é mais perigoso para a democracia a longo prazo do que quase qualquer discurso. A democracia depende da idéia de que temos o direito de nos expressar e de sermos ouvidos acima do nosso próprio desejo de obter sempre os resultados que queremos. Você não pode impor tolerância de cima para baixo. Tem que vir de pessoas que se abrem, compartilham experiências e desenvolvem uma história compartilhada para a sociedade da qual todos sentimos que fazemos parte. É assim que progredimos juntos.



Então, como mudamos a maré? Alguém me disse uma vez que nossos pais fundadores pensavam que a liberdade de expressão era como o ar. Você não perde até que se acabe. Quando as pessoas não sentem que podem se expressar, perdem a fé na democracia e têm maior probabilidade de apoiar partidos populistas que priorizam metas políticas específicas em detrimento da saúde de nossas normas democráticas.



Estou um pouco mais otimista. Acho que não precisamos perder nossa liberdade de expressão para perceber o quanto isso é importante. Acho que as pessoas entendem e apreciam a voz que têm agora. Em algum nível fundamental, acho que a maioria das pessoas também acredita nos colegas.



Desde que nossos governos respeitem o direito das pessoas de se expressar, desde que nossas plataformas cumpram suas responsabilidades de apoiar a expressão e evitar danos, e desde que todos nos comprometamos a ser abertos e a abrir espaço para mais perspectivas, acho que nós ' vou fazer progresso. Vai levar tempo, mas vamos trabalhar nesse momento. Superamos a profunda polarização após a Primeira Guerra Mundial e a intensa violência política na década de 1960. O progresso não é linear. Às vezes, damos dois passos à frente e um passo atrás. Mas se não concordarmos em deixar um ao outro falar sobre os problemas, não podemos dar o primeiro passo. Mesmo quando é difícil, é assim que construímos um entendimento compartilhado.



Então, sim, temos grandes discordâncias. Talvez mais agora do que em qualquer outro momento da história recente. Mas parte disso é porque estamos colocando nossos problemas em discussão - assuntos sobre os quais há muito tempo não se fala. Mais pessoas de mais partes da nossa sociedade têm uma voz do que nunca, e levará tempo para ouvir essas vozes e uni-las em uma narrativa coerente. Às vezes, esperamos que um evento singular resolva esses conflitos, mas nunca foi assim que funciona. Nós nos concentramos nas principais instituições - de governos a grandes empresas -, mas a história maior sempre foi a de pessoas comuns usando sua voz para dar bilhões de passos individuais adiante para melhorar nossas vidas e nossas comunidades.



O futuro depende de todos nós. Quer você goste do Facebook ou não, precisamos reconhecer o que está em jogo e nos unir para defender a liberdade de expressão neste momento crítico.



Acredito em dar voz às pessoas porque, no final das contas, acredito nas pessoas. E enquanto muitos de nós continuarmos lutando por isso, acredito que mais vozes das pessoas acabarão nos ajudando a resolver esses problemas juntos e escrever um novo capítulo em nossa história - onde, de todas as nossas vozes e perspectivas individuais, podemos trazer o mundo mais perto.

texto em .br via tradutor do google




by Edison Mariotti, 
data analyst in code programming language, R.

-
Say no to fake News.

This report, is guaranteed to verify the address of the LINK above
-
@edisonmariotti  - #edisonmariotti

analista de dados em linguagem de programação em código, R.
Diga não às fake news.
Esta reportagem, tem a garantia de apuração do endereço do LINK abaixo.
-


TEXTO em inglês

Video 38min.