Google+ Followers

terça-feira, 23 de maio de 2017

MUSEOS, PATRIMONIO Y SENTIMIENTOS. · en CULTURA, GESTIÓN, INSTITUCIONES, MUSEO, OPINIÓN, PATRIMONIO. ·

¿Por qué las personas tenemos interés en visitar museos y lugares patrimoniales? Podría ser una pregunta relativamente sencilla, sin embargo es una cuestión que entra dentro de la discusión académica e incluso del discurso político y la práctica museística como tal. Tradicionalmente, la respuesta está basada en dos suposiciones básicas: en primer lugar, las personas visitamos los museos porque queremos aprender algo nuevo y, en segundo lugar, porque queremos disfrutar como turistas de visita. Ambos supuestos tienden a considerar a los visitantes consumidores pasivos de mensajes interpretativos, contemplando que no se producen más cosas durante esas visitas individuales y/o colectivas a esos lugares. Podríamos cuestionar estos supuestos y analizar no sólo lo que la visita a un museo o a un conjunto patrimonial significa para los visitantes, sino ir un poco más allá y reflexionar en otros términos, como son el trabajo cultural y las razones políticas y sociales que están implicadas en esa visita.



El patrimonio forma parte de un proceso de ayuda para que las personas y las sociedades puedan asimilar cultura, y no sólo en cuanto al significado de su pasado, sino también poniendo en valor las formas en que dicho pasado sirve para legitimar y poner de manifiesto sus valores, sus narrativas históricas y las realidades de las que forma parte. Las colecciones de los museos, conjuntos patrimoniales u otros lugares normalmente identificados como patrimonio, son, no un valor en sí mismos en lo material, sino más bien herramientas culturales para generar y mantener el recuerdo y la memoria de un pueblo. El patrimonio es una actuación íntimamente ligada a la legitimación de la identidad, al sentido de pertenencia y de formar parte de un lugar, pero también es un proceso o actuación en la que los significados patrimoniales evolucionan constantemente dependiendo de las necesidades y realidades del presente.

FFFFOUND!

Estos cambios a menudo tienen lugar alrededor de las prácticas de la gestión y de la curación, en decisiones que se toman cuando se recoge, se guarda o expone, se enumera o define como herencia, qué mantener y qué hacer desaparecer de la vista de los ciudadanos. Sin embargo, el contacto con el patrimonio también se produce espontáneamente, de forma individual y colectiva a partir de la visita a lugares particulares. Las premisas sobre lo que es y no es patrimonio van mas allá de los límites que a menudo se establecen entre los museos y los sitios patrimoniales, sosteniendo que ambos son teatros de la memoria, así como remanentes físicos de la conciencia histórica de cada pueblo. También debemos decir que las actuaciones y orientaciones que los curadores y los gestores del patrimonio realizan no son aquellas que necesariamente propician que los visitantes se involucren con lo que ven.


Una de las cuestiones clave que creemos es capital a la hora de hacer valoraciones generales sobre los sitios patrimoniales y los museos, es que mantenemos la idea de que son lugares donde la gente va a “sentir”, a sentir emociones. La comprensión de la naturaleza emocional de la visita no sólo se revela como una acción de aprendizaje y compresión de lo que puede observar con la vista, sino que también está demostrado que los museos y los lugares de herencia patrimonial pueden ser utilizados de otras muchas maneras y con diferentes propósitos por parte de los visitantes.


Entender el contenido emocional de una visita a un museo o a un lugar patrimonial revela formas complejas en que los visitantes reaccionan a los mensajes y los asimilan, algunos de ellos programados por la curaduría. Este trabajo curatorial es muy delicado, ya que está relacionado directamente con nuestra capacidad de sentir emociones y de percibir sensaciones íntimas incluso, sobre todo cuando se trata de enfrentarnos a cuestiones muy delicadas. La provocación emocional a menudo debe ir acompañada de un soporte didáctico de apoyo a la comprensión, de percepciones críticas y progresivas sobre nuestro pasado, reforzando y adaptando sus significados en el presente. A la inversa, sin embargo, a partir de posibles respuestas emocionales que se despierten en nosotros de manera espontánea, también se puede reforzar la comprensión y el acercamiento a nuestra historia, aunque es algo mucho más complicado. Por lo tanto, el objetivo general es intentar desentrañar estas respuestas afectivas y emocionales explorando las razones que impiden o facilitan la participación de los visitantes y el papel que desempeñan los momentos que vivimos en museos y lugares de herencia y significado histórica, para que los que los visitantes se involucren con estos conceptos y emociones de la mejor manera posible.

J

Reflexionamos sobre cómo la comprensión del aspecto emocional en las interacciones de los visitantes con el patrimonio es crucial, y observamos todo aquello que pueda revelar algo de esta complejidad emocional que se produce entre las personas y su legado histórico. Durante años, hemos visto a muchas personas desmoronarse y llorar o se quedarse sin palabras al sentir emociones demasiado complejas para ser expresadas. Incluso hemos visto a personas emocionarse sin tener vínculo alguno con el lugar, sintiéndose conmovidas por tanta belleza.


En uno de nuestros viajes a Ciudad de México, tuvimos ocasión de visitar el Museo de la Memoria y la Tolerancia. Aunque no había muchos visitantes, era una mañana de junio, entre semana, decidimos incorporarnos a un grupo de visita guiada. El museo centra su narrativa para que el público tenga una idea de lo que fueron los seis genocidios más devastadores de la historia de la humanidad: El Holocausto, el Genocidio Armenio, la Antigua Yugoslavia, El Genocidio de Ruanda, El Genocidio de Camboya, el Genocidio de Guatemala y el de Dafur.


Desde el punto de vista emocional, la visita a este maravilloso museo es un verdadero maratón de sentimientos, de emociones, de sensaciones. Ninguno de los que estaban en el grupo había sido víctima de aquel horror, ni tan siquiera era natural de aquellos lugares, pero se veían lágrimas en la mayoría de los rostros, además de muecas de horror y disgusto. Este es un museo de la memoria, un lugar para dar rienda suelta a las emociones que llevamos dentro si aun seguimos siendo sensibles al horror y a la devastación. La reflexión de aquel día fue que se habían desencadenado dentro de nosotros sentimientos que, de otra manera, viendo un programa de televisión por ejemplo, no se hubieran dado. Está claro que el potencial de los museos y de su narrativa, si está bien planteada, puede resultar profundamente conmovedora y reveladora.


Es cierto que los lugares de interés cultural, como son los museos que exhiben nuestro patrimonio histórico y cultural, están orientados de muchas maneras diferentes. La mejor manera de plantear el mensaje es llegar a comprender, si se puede, las maneras en que la gente visita y se relaciona con los lugares de herencia histórica, obteniendo así una comprensión mayor de las maneras en que se entiende y percibe la historia y el pasado por parte de las personas, y también cómo el pasado es utilizado activamente en el presente por cada individuo. Este uso puede abarcar desde el planteamiento personal sobre cuestiones políticas, hasta reforzar aspectos de identidad personal, étnica o nacional, y lo más importante, aproximar a la narrativa de experiencias pasadas y contemporáneas apoyadas con argumentos de identidad colectiva.



Por eso entendemos que es de una enorme responsabilidad la forma en la que se conserva, mantiene, exhibe y difunde el patrimonio histórico, ya que debe ser concreto a una realidad histórica neutra, sin aditivos ni colorantes, sin interpretaciones individuales marcadas por intereses políticos u otros aún peores. La memoria histórica debe permanecer como valor del conocimiento humano, no como una herramienta de reivindicación de ideas particulares.


RECURSOS:

Butler, Judith y Athena Anthanasiou, 2013. “Desposesión: el desarrollo de lo político”. Cambridge: Política.
Fraser, Nancy, 2000. “Repensar el reconocimiento”, Revisión de la Nueva Izquierda, 3, Mayo/Junio: 107-120.
Smith, Laurajane. “Usos del Patrimonio”. Londres, Routledge, 2006.
Smith, Laurajane, 2010. “La humanidad del hombre hacia al hombre y tópicos que evitan la falta de reconocimiento: un análisis de las respuestas de los visitantes a las exposiciones que recuerdan. El Bicentenario 1807, Museo y Sociedad, 8(3): 193-214.
Young, Iris, 2000. “Inclusión y democracia”. Oxford: Oxford University Press








Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.

Thousands of Vikings were based at Torksey camp, archaeologists find. --- Arqueólogos encontraram: Milhares de Vikings permaneceram no acampamento de Torksey.

A huge camp which was home to thousands of Vikings as they prepared to conquer England in the late ninth century has been uncovered by archaeologists.


Established in Torksey, on the banks of the River Trent in Lincolnshire, the camp was used as the Vikings’ defensive and strategic position during the winter months.

A vignette from the virtual reality Viking experience at the Yorkshire Museum’s Viking: 
Rediscover the Legend exhibition. Photo credit: Dr Guy Schofield /
 University of York / University of Sheffield



The research, conducted by archaeologists at the Universities of Sheffield and York, has revealed how the camp was used by thousands of Viking warriors, women and children who lived there temporarily in tented accommodation.

They also used the site as a base to repair ships, melt down stolen loot, manufacture, trade and play games.

Professor Dawn Hadley, who led the research from the University of Sheffield’s Department of Archaeology said, “The Vikings’ camp at Torksey was much more than just a handful of hardy warriors – this was a huge base, larger than most contemporary towns, complete with traders, families, feasting, and entertainment.

“From what has been found at the site, we know they were repairing their boats there and melting down looted gold and silver to make ingots – or bars of metal they used to trade.


“Metal detectorists have also found more than 300 lead game pieces, suggesting the Vikings, including, women and children, were spending a lot of time playing games to pass the time, waiting for spring and the start of their next offensive.”

Professor Julian Richards, from the Department of Archaeology at the University of York, added that “The Vikings had previously often raided exposed coastal monasteries and returned to Scandinavia in winter, but in the later ninth century they came in larger numbers, and decided to stay. This sent a very clear message that they now planned not only to loot and raid – but to control and conquer.”

The exact location and scale of the camp in Lincolnshire has been debated for many years, but now the research by Sheffield and York is beginning to reveal the true extent of the camp. It is now thought to be at least 55 hectares in size, bigger than many towns and cities of the time, including York.

There have also been more than a thousand finds by metal detectorists and archaeologists, including over 300 coins. They include more than 100 Arabic silver coins which would have come to the area through established Viking trade routes.

More than 50 pieces of chopped up silver, including brooch fragments and ingots have been found along with rare hackgold. Evidence has been found that these items were being processed at the camp – chopped up to be melted down. Other finds include the 300 gaming pieces, iron tools, spindle whorls, needles and fishing weights.

Using landscape analysis, the research has been able to reveal the topography of the camp. With the River Trent to the west and surrounding land prone to flooding to this day, its strength as a defensive position becomes clear.

Yorkshire Museum hosts Vikings exhibition

The findings have now been used to create a virtual reality experience giving users an opportunity to experience what life was like in a Viking army camp. Developed by researchers at the University of York it is now part of an exhibition at the Yorkshire Museum that opened last week.

Dr Gareth Beale from York’s Digital Creativity Labs commented, “The new research by the Universities of Sheffield and York has been used to create the most realistic images of the camp to date, based on real findings. These images are also believed to be the most realistic Virtual Reality ever created anywhere of the Viking world.”

All the scenes featured in the virtual reality experience are based on real objects found by archaeologists and metal detectorists at Torksey.

Dr Damian Murphy, at the University’s Department of Electronic Engineering who developed the soundtrack, said: “Our research explores efficient implementation of plausible virtual acoustic scenes in the context of architectural design, environmental soundscape and creative audio applications.

“This work can be applied to virtual reality for entertainment and digital heritage projects, as well as applications for health and wellbeing. For this project we were able to combine research into virtual reality and digital heritage with fieldwork in archaeology, to create a very unique experience for museum visitors.”







http://www.medievalists.net/2017/05/thousands-vikings-based-torksey-camp-archaeologists-find/

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.





--br via tradutor do google
Arqueólogos encontraram: Milhares de Vikings permaneceram no acampamento de Torksey. 

Um acampamento enorme que era home aos milhares de Viquingues enquanto se prepararam para conquistar Inglaterra no final do nono século foi descoberto por arqueólogos.

Estabelecido em Torksey, nas margens do rio Trent em Lincolnshire, o acampamento foi usado como a posição defensiva e estratégica dos Vikings durante os meses de inverno.

A pesquisa, conduzida por arqueólogos nas universidades de Sheffield e York, revelou como o acampamento foi usado por milhares de guerreiros vikings, mulheres e crianças que moravam lá temporariamente em acomodações de tenda.
Eles também usaram o site como uma base para reparar navios, derreter saque roubado, fabricação, comércio e jogos.

A professora Dawn Hadley, que liderou a pesquisa do Departamento de Arqueologia da Universidade de Sheffield, disse: "O acampamento dos Vikings em Torksey era muito mais do que um punhado de guerreiros resistentes - esta era uma base enorme, maior do que a maioria das cidades contemporâneas, Comerciantes, famílias, festa e entretenimento.

"Pelo que foi encontrado no local, sabemos que eles estavam reparando seus barcos lá e derreter o ouro e a prata saqueados para fazer lingotes - ou barras de metal que costumavam trocar.

"Detectores de metal também encontraram mais de 300 peças de jogo de chumbo, sugerindo que os vikings, incluindo mulheres e crianças, estavam gastando muito tempo jogando jogos para passar o tempo, esperando a primavera eo começo de sua próxima ofensiva".

O professor Julian Richards, do Departamento de Arqueologia da Universidade de York, acrescentou que "os Vikings haviam freqüentemente invadido monastérios costeiros expostos e retornado à Escandinávia no inverno, mas no final do século IX chegaram em maior número e decidiram ficar . Isso enviou uma mensagem muito clara de que agora planejavam não só pilhar e atacar - mas controlar e conquistar ".

A localização exata e escala do campo em Lincolnshire tem sido debatido por muitos anos, mas agora a pesquisa por Sheffield e York está começando a revelar a verdadeira extensão do acampamento. Atualmente, estima-se que tenha pelo menos 55 hectares em tamanho, maior do que muitas cidades e cidades da época, incluindo York.

Houve também mais de mil descobertas por detectores de metal e arqueólogos, incluindo mais de 300 moedas. Eles incluem mais de 100 moedas de prata árabe que teriam chegado à área através de rotas comerciais estabelecidas Viking.

Mais de 50 peças de prata picada, incluindo fragmentos broche e lingotes foram encontrados junto com hackgold raro. Comprovou-se que esses itens estavam sendo processados ​​no acampamento - cortados até serem derretidos. Outros achados incluem as peças de 300 jogos, ferramentas de ferro, spore whorls, agulhas e pesos de pesca.

Usando análise de paisagem, a pesquisa tem sido capaz de revelar a topografia do campo. Com o rio Trent para o oeste e terra circundante propenso a inundação até hoje, sua força como uma posição defensiva torna-se claro.
O museu de Yorkshire hospeda a exposição de Viquingues.

As descobertas agora foram usadas para criar uma experiência de realidade virtual dando aos usuários a oportunidade de experimentar como era a vida em um acampamento do Exército Viking. Desenvolvido por pesquisadores da Universidade de York, agora faz parte de uma exposição no Yorkshire Museum que foi inaugurado na semana passada.

O Dr. Gareth Beale dos Laboratórios de Criatividade Digital de York comentou: "A nova pesquisa das Universidades de Sheffield e York tem sido usada para criar as imagens mais realistas do campo até hoje, com base em descobertas reais. Estas imagens também são acreditadas para ser a Realidade Virtual mais realista jamais criada em qualquer lugar do mundo Viking ".

Todas as cenas apresentadas na experiência de realidade virtual são baseadas em objetos reais encontrados por arqueólogos e detectores de metal em Torksey.

O Dr. Damian Murphy, do Departamento de Engenharia Eletrônica da Universidade, que desenvolveu a trilha sonora, disse: "Nossa pesquisa explora a implementação eficiente de cenas acústicas virtuais plausíveis no contexto do projeto arquitetônico, da paisagem sonora ambiental e das aplicações de áudio criativas.

"Este trabalho pode ser aplicado à realidade virtual para projetos de entretenimento e patrimônio digital, bem como aplicações para a saúde eo bem-estar. Para este projeto, fomos capazes de combinar pesquisa sobre realidade virtual e patrimônio digital com trabalho de campo em arqueologia, para criar uma experiência única para os visitantes do museu ".


В 2017 году в России исполняется 100 лет русской революции --- In 2017, Russia marks the 100th anniversary of the Russian revolution, --- Em 2017, o 100º aniversário da Revolução Russa na Rússia,

которой посвящено множество федеральных и региональных проектов. Новый и неожиданный ракурс этих событий представляет Самарский литературный музей им. М. Горького с проектом «A la Rus». Его основой стала подлинная переписка самых известных русских писателей и поэтов начала XX века: Сергея Есенина, Александра Блока, Николая Клюева, Зинаиды Гиппиус с нашим земляком поэтом Александром Ширяевцем. «A la Rus» - это выставка и дискуссионная площадка, как в офлайн, так и в онлайн формате.


Великая Российская Революция – коренной перелом в отечественной истории. Затронувший все сферы общественной жизни процесс до сих пор в историческом сознании современной России, переживающей период социальной, культурной и политической трансформации, не приобрел однозначной оценки. Многие аспекты данного периода российской истории остаются нераскрытыми или раскрытыми необъективно и политически ангажировано.

2017 год – год столетнего юбилея Революции 1917 года. Столетний рубеж – знаковый для исторической памяти. Именно сейчас необходимо поддержать тенденцию примирения общества с событиями 1917 года и способствовать популяризации качественного исторического знания для извлечения из них уроков. 

Российское историческое общество принимает активное участие в подготовке и проведении мероприятий, посвященных Великой Российской Революции, руководствуясь ценностями научности, верифицируемости и гражданской солидарности, выраженной в деликатном и объективном подходе к историческим событиям. 







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.













--in via tradutor do google
In 2017, Russia marks the 100th anniversary of the Russian revolution,

Which is devoted to many federal and regional projects. A new and unexpected foreshortening of these events is the Samara Literary Museum. M. Gorky with the project "A la Rus". Its basis was the genuine correspondence of the most famous Russian writers and poets of the early 20th century: Sergei Yesenin, Alexander Blok, Nikolai Klyuev, Zinaida Gippius with our fellow poet Alexander Shiryaevets. "A la Rus" is an exhibition and discussion platform, both in offline and in online format.

The Great Russian Revolution is a radical turning point in Russian history. The process that has touched all spheres of social life is still not in the historical consciousness of modern Russia, which is going through a period of social, cultural and political transformation, has unambiguously assessed. Many aspects of this period of Russian history remain undisclosed or uncovered biased and politically biased.

2017 is the year of the centennial anniversary of the Revolution of 1917. A century's milestone is a landmark for historical memory. Right now it is necessary to support the tendency of reconciliation of society with the events of 1917 and to promote the popularization of qualitative historical knowledge for the extraction of lessons from them.

The Russian Historical Society takes an active part in the preparation and holding of events dedicated to the Great Russian Revolution, guided by the values ​​of scientific, verifiable and civic solidarity, expressed in a delicate and objective approach to historical events.










--br via tradutor do google
Em 2017, o 100º aniversário da Revolução Russa na Rússia,

é o tema de inúmeros projetos federais e regionais. Uma visão nova e surpreendente destes eventos é Samara Literary Museum. Gorky com «A la Rus» projeto. Tornou-se a base para uma correspondência genuína dos mais famosos escritores russos e poetas do início do século XX: Sergei Yesenin, Alexander Blok, Nikolai Klyuev, Zinaidy Gippius nosso poeta compatriota Alexander Shiryaevtsem. «A la Rus» - uma exposição e um fórum de discussão, tanto em off-line e em formato online.

A Grande Revolução Russa - uma mudança radical na história do país. Afetado todas as esferas da vida social processo ainda está na consciência histórica da Rússia moderna, que está passando por um período de transformação social, cultural e política não adquiriu uma avaliação inequívoca. Muitos aspectos deste período da história russa permanece sem solução ou abrir tendenciosa e politicamente engajado.

2017 - o ano do centenário da Revolução de 1917. Centenários - um marco para a memória histórica. É agora necessário para apoiar a tendência de reconciliação pública com os acontecimentos de 1917 e contribuir para a promoção da qualidade do conhecimento histórico para extrair delas lições.

Sociedade Histórica da Rússia tem participado activamente na preparação e realização de eventos dedicados à grande revolução russa, orientada pelos valores da ciência, verificabilidade e da solidariedade cívica, expressa em uma abordagem delicada e objetiva a eventos históricos.


segunda-feira, 22 de maio de 2017

Lei estadual reconhece humor do Ceará, Brasil, como patrimônio imaterial.

Chico Anysio, Renato Aragão e Tom Cavalcante têm em comum o fato de serem humoristas consagrados no Brasil. Não por acaso, os três são nascidos no Ceará, estado onde o humor, por meio de lei estadual sancionada semana passada, passou a ser considerado um bem cultural de natureza imaterial.


A esse trio de artistas, segue uma lista extensa de outros nomes do humor cearense, entre eles Falcão, Tiririca, Rossicléa, Adamastor Pitaco e, mais recentemente, Edmilson Filho, que ficou nacionalmente conhecido nos últimos anos ao protagonizar os filmes Cine Holliúdy (2012) e Shaolin do Sertão (2016).

A história antiga e recente do humor estão expostas de diversas formas no Museu do Humor, localizado em Fortaleza. “Este é um museu vivo, pois está sempre se renovando. A história do humor nunca acaba”, disse o historiador e humorista Jader Soares, que interpreta o personagem Zebrinha. No escritório do museu, estão peças utilizadas em Cine Holliúdy 2, que só serão expostas após o lançamento do filme.

Origem do humor

De sua autoria, o livro Paula Nei: o primeiro humorista brasileiro (2015) afirma que este cearense, natural de Aracati, foi a primeira pessoa a fazer humor no país, especialmente no Rio de Janeiro, para onde se mudou aos 17 anos.

Um dos notórios causos contados no livro revela que Nei, então estudante de medicina, respondia uma prova de anatomia. O professor, já sabendo que as respostas não teriam nada a ver com o conteúdo correto, perguntou: “Diga-me, ao menos, senhor Nei, quantos ossos têm o crânio de um homem?” O estudante respondeu: “Não me recordo, professor, mas tenho-os todos aqui na cabeça.”

Logo na entrada do museu, uma representação da Praça do Ferreira, com seus bancos, a Coluna da Hora e o Cajueiro da Mentira (que já não existe mais) informam que lá foi um centro efervescente de humor e cultura no começo do século XX.

Há também o desenho de um sol alaranjado que reconta o dia em que o povo vaiou a grande estrela, decepcionados com a falta de chuva. O fato ocorreu em 1942 e foi repercutido em 2012, nos 70 anos da história, com um concurso promovido pelo museu, que oferecia um troféu àquele que desse a melhor vaia.

Há ainda uma réplica do bode Ioiô, um animal que passeava pela praça e era querido por todos – tanto que os escritores e boêmios que frequentavam o espaço resolveram tornar o bode candidato a vereador.

Seu cabo eleitoral era Quintino Cunha, outro precursor do humor cearense, que acolhia o animal em sua casa, no centro de Fortaleza. O bode Ioiô original, empalhado depois de morto, está exposto no Museu do Ceará.

Chico Anysio

Duas salas expõem a memória de Chico Anysio e de seus 209 personagens, em especial o Professor Raimundo. Uma das salas exibe o jaleco, a peruca e o bigode usado pelo artista nas gravações do programa Escolinha do Professor Raimundo. Em outra está exposta a urna funerária onde as cinzas de Chico foram transportadas.

“Chico Anysio dizia que, por conta do sofrimento, o humor era o jeito de o cearense extravasar. Não sei se é isso. Acho que o brasileiro, de forma geral, é muito alegre. O nordestino é muito gaiato e o cearense consegue colocar essa alegria no palco. Todo mundo conta piada no bar, mas, na hora de subir num palco para fazer isso, o cearense é quem melhor faz. Nós influenciamos outros estados”, afirmou Soares.

O Museu do Humor funciona de segunda a sábado, entre 13h e20h e conta com um teatro, batizado de Chico Anysio. Semanalmente, nas noites de sexta-feira, o palco é tomado pelas apresentações de diferentes humoristas cearenses.







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.

Joslyn Art Museum's European collection reopens with a fresh look and a cleaner narrative. --- A coleção européia do Museu de Arte Joslyn se reabre com um olhar fresco e uma narrativa mais limpa.

The galleries had grown tired, and the story confused.

Some new additions to the Joslyn Art Museum's European
collection can be enjoyed now that the renovation of the European galleries is complete. 




For the Joslyn Art Museum’s European collection — which reopens today after three months of renovations — it was time for a reboot.

The five galleries that hold the 100-plus priceless objects (including one Rembrandt) hadn’t been updated since 2000. Some of the new upgrades are cosmetic: a fresh coat of paint, refinished floors, installation of temporary, movable walls. But the changes run much deeper.

In revamping the collection, the museum — which each year hosts about 180,000 visitors — has restored narrative continuity to hundreds of years of art history. Now, visitors walking through the five galleries are told a complete, chronological story. A story that begins with medieval, Renaissance and Baroque artists and winds through the 18th and 19th century works of French and British painters to conclude with impressionism and the beginnings of modernism.

Over the years the collection had lost track of its story. This change happened incrementally.

“Things shift around,” said Toby Jurovics, chief curator. “You might make an acquisition, something gets knocked off the wall for something else. And at a certain point you kind of lost that thread.”

Jack Becker, the museum’s executive director and CEO, said they realized years ago they needed to rediscover that thread.

“This was something we wanted to do for a long time,” he said. But the galleries “needed a fresh approach. Dana was the right person to do it.”

Dana is Dana Cowen, who came to the Joslyn from the Cleveland Museum of Art in February 2015. One of her chief roles as the associate curator of European art was the collection’s reinstallation.

“My goal was to first figure out how to hang everything so that it followed a narrative,” she said. “So that it was easy for people to understand that artwork comes from a certain context and that it’s not created in a vacuum. That artists are influenced by one another.”

For more than two years Cowen has been researching every item in the collection (and many in storage) and working to refine the overall picture the pictures present.

On her office wall, Cowen has floor plans representing each of the five galleries and images of every painting and statue in the collection. Cowen spent countless hours mixing and matching and finding the ideal order for the objects.

“Dana could pretty much write a book on every painting in the collection,” Jurovics said.

Which made paring down the labels to 120 words or less a sometimes painful process. Cowen had to dice the windy descriptions on previous labels into something more digestible and appealing to folks who don’t know much about art history — to “say a lot with a little.”

Preparing for the installation, the Joslyn held visitor engagement focus groups and surveys, asking participants to assess the layout of the galleries, the quality of the information, the desirability of integrating technology into the space.

Ages and responses of the survey participants ran the gamut, Cowen said. Younger people surveyed wanted greater accessibility. They wanted information to be presented more quickly and less esoterically. Handy little labels with bullet-pointed info instead of verbose introductory panels.

Also in response to the feedback, the makeover will incorporate tech applications for individual items, a first for the museum. Three objects will come with interactive iPad stations that reveal further layers of the work. One is the collection’s star: Rembrandt van Rijn’s “Portrait of Dirck van Os,” a piece discovered in storage a few years ago.

The iPad station will focus on the painting’s journey, how it came into the collection and was later found to be the work of one of the most important artists ever.

The interactive, Cowen said, will show “how all objects that come into the museum have lives and how they change over time.”

The tech initiatives, which could ripple through other areas of the Joslyn, are a way to entice the modern museumgoer. “One of the things that every museum is now very cautious of is how people digest information,” Jurovics said.

The museum also knows this: Time and attention are in shorter supply these days, and the museum needs to stay competitive for each. The big question, said executive director Becker: Why should you care about the Joslyn Art Museum?

“Why are we relevant?” he said. “We think about this a lot, about how to increase relevance and reach.”

Things like free admission help the museum’s attendance. Things like reinstallations. Things like letting visitors know they are welcome.

“Art museums by nature are intimidating places,” Becker said. “We try every day to ensure we’re not.”






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.





--br via tradutor do google
A coleção européia do Museu de Arte Joslyn se reabre com um olhar fresco e uma narrativa mais limpa.

As galerias cresceram e a história ficou confusa.

Para a coleção européia do Museu de Arte Joslyn - que reabre hoje após três meses de reformas - era hora de uma reinicialização.

As cinco galerias que possuem mais de 100 objetos valiosos (incluindo um Rembrandt) não foram atualizadas desde 2000. Algumas das novas atualizações são cosméticas: uma camada fresca de tinta, pisos refinados, instalação de paredes móveis temporárias. Mas as mudanças correm muito mais fundo.

Ao renovar a coleção, o museu - que anualmente abriga cerca de 180 mil visitantes - restaurou a continuidade narrativa de centenas de anos de história da arte. Agora, os visitantes que atravessam as cinco galerias recebem uma história cronológica completa. Uma história que começa com artistas e ventos medievais, renacentistas e barrocos através das obras dos pintores franceses e britânicos dos 18 e 19 de século para concluir com o impressionismo e os começos do modernismo.

Ao longo dos anos, a coleção perdeu a noção de sua história. Essa mudança aconteceu de forma incremental.

"As coisas mudam", disse Toby Jurovics, curador chefe. "Você pode fazer uma aquisição, algo é derrubado da parede para outra coisa. E, em certo ponto, você perdeu esse fio.

Jack Becker, diretor executivo e diretor executivo do museu, disse que percebeu que há anos que precisava redescobrir esse fio.

"Isso era algo que queríamos fazer por um longo tempo", disse ele. Mas as galerias "precisavam de uma nova abordagem. Dana era a pessoa certa para fazê-lo. "

Dana é Dana Cowen, que veio ao Joslyn do Museu de Arte de Cleveland em fevereiro de 2015. Um dos seus principais papéis como curador associado da arte européia foi a reinstalação da coleção.

"Meu objetivo era primeiro descobrir como pendurar tudo para que ele seguisse uma narrativa", disse ela. "Então, foi fácil para as pessoas entenderem que a obra vem de um determinado contexto e que não é criada no vácuo. Que os artistas são influenciados um pelo outro ".

Por mais de dois anos Cowen tem pesquisado cada item na coleção (e muitos em armazenamento) e trabalhando para refinar a imagem geral das fotos presentes.

Na parede do escritório, Cowen tem planos de chão representando cada uma das cinco galerias e imagens de cada pintura e estátua da coleção. Cowen passou inúmeras horas misturando e combinando e encontrando a ordem ideal para os objetos.

"Dana poderia muito bem escrever um livro sobre cada pintura na coleção", disse Jurovics.

O que reduziu os rótulos para 120 palavras ou menos, um processo às vezes doloroso. Cowen teve que cortar as descrições ventosas em rótulos anteriores em algo mais digerível e atraente para pessoas que não sabem muito sobre a história da arte - "dizer muito com um pouco".

Preparando-se para a instalação, o Joslyn realizou grupos focais de envolvimento de visitantes e pesquisas, perguntando aos participantes para avaliar o layout das galerias, a qualidade da informação, a conveniência de integrar a tecnologia no espaço.

A idade e as respostas dos participantes da pesquisa correu completamente, disse Cowen. As pessoas mais jovens pesquisadas queriam maior acessibilidade. Eles queriam que a informação fosse apresentada mais rapidamente e menos esotericamente. Handy rótulos com informações marcadas com bala em vez de painéis introdutórios detalhados.

Também em resposta ao feedback, a reforma incorporará aplicativos de tecnologia para itens individuais, um primeiro para o museu. Três objetos virão com estações de iPad interativas que revelam outras camadas do trabalho. Uma é a estrela da coleção: o "Retrato de Dirck van Os" de Rembrandt van Rijn, uma peça descoberta em armazenamento há alguns anos atrás.

A estação do iPad se concentrará na jornada da pintura, como ela entrou na coleção e mais tarde foi encontrada como o trabalho de um dos artistas mais importantes de todos os tempos.

O interativo, Cowen disse, mostrará "como todos os objetos que entram no museu têm vidas e como eles mudam ao longo do tempo".

As iniciativas tecnológicas, que poderiam atravessar outras áreas do Joslyn, são uma forma de seduzir o museu moderno. "Uma das coisas que cada museu agora é muito cautelosa é como as pessoas digerem informações", disse Jurovics.


O museu também sabe disso: o tempo ea atenção estão em oferta mais curta atualmente, e o museu precisa se manter competitivo para cada um. A grande questão, disse o diretor executivo Becker: Por que você deveria se preocupar com o Joslyn Art Museum?

"Por que somos relevantes?", Ele disse. "Nós pensamos muito sobre isso, sobre como aumentar a relevância e alcance".

Coisas como admissão gratuita ajudam o atendimento do museu. Coisas como reinstalações. Coisas como informar os visitantes de que são bem-vindos.

"Os museus de arte por natureza são lugares intimidantes", disse Becker. "Nós tentamos todos os dias para garantir que não estamos".

Micah.mertes@owh.com, 402-444-3182, twitter.com/micahmertes