Google+ Followers

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Virtual reality breathes new life into African fossils, art and artefacts. - A realidade virtual dá nova vida aos fósseis, arte e artefatos africanos.


Digital technology has become an integral part of our everyday lives. So it was only a matter of time before the ways people interact with the past and ancient artefacts in museum settings became digital, too.

image 1


This picture of a reconstruction of a hominin skull is one of a variety of multimedia that can be experienced in the Origins Virtual Reality experience.


The problem is that technology can be extremely expensive. Many museums just don’t have the funding to obtain, develop and maintain fancy devices or interactive digital gadgets. Some big European and North American museums, which receive millions of visitors each year, have been able to afford virtual reality (VR) and various other digital technologies. These are an appealing and popular element of the visitor experience.

For example, you can tour the British Museum in London using VR. Visitors to the Smithsonian American Art Museum in Washington, DC can download an app to experience one of the exhibits in VR.

More digital avenues are being added to South Africa’s museums – and now the country has its first full VR exhibit. It will launch at the Origins Centre at the University of the Witwatersrand in Johannesburg on 25 September and will take visitors on a journey through hundreds of thousands of years of human history, art and innovation. I am a Middle Stone Age archaeologist and ochre specialist, and have been part of the team putting the exhibit together over the past four months.

Along the way, we’ve had to work out how to marry facts, interpretations, stories and technology. This hasn’t always been easy, but there have been a number of lessons along the way: most crucially, about the value of collaborative, interdisciplinary work to bring science to life.

Getting started

Steven Sack, the director of the Origins Centre and Professor Barry Dwolatzky, who runs the university’s Tshimologong Digital Precinct, were the exhibit’s initial champions. The precinct is a technology hub. Dwolatzky was so enthusiastic about the idea of VR at the Origins Centre that he personally donated money towards it. Armed with this and a grant from the National Institute of Humanities and Social Sciences, we got started.

The next step was to develop VR hardware – headsets loaded in the content we went on to produce. For this, we had to look beyond academia and bring in a team from Alt-Reality, a company in Johannesburg.

My role was to provide guidance on my own areas of expertise, and to act as a link between the Origins Centre and Professor Chris Henshilwood, for whom I work at the university’s Evolutionary Studies Institute. It was one of the institutes that provided a great deal of content for the VR exhibit.

Lara Mallen, a rock art specialist who was the curator at the Origins Centre, was a crucial part of the project: her knowledge of the centre’s displays and her intricate understanding of the rock art was vital in developing the content.

I bugged many of my peers in the Evolutionary Studies Institute, Rock Art Research Institute and School of Geography, Archaeology and Environmental Studies at Wits University as well as researchers at other institutions for their opinions and images. We also sourced video and digital content from their research that we could include in the VR exhibit. They were all intrigued and excited by the chance to share their work in a totally new, different form.

Then came the balancing act: what would work well in VR, how much content could we have and what was missing. It was a very organic and ever-changing process. We continually revised, cut and added content.

The visitor can chose what they want to see and what they want to learn more about. They can see (and hear) how people made stone tools and ground ochre 100,000 years ago, or they can be transported into a painted rock shelter while also being able to see the individual images right up close.

image 2
An ochre processing toolkit from the Blombos caves. VR allows visitors to see how the process worked. 



Telling stories in new ways

As an academic I wanted to make sure that we presented a factual yet exciting summary of the Origin Centre’s content. That wasn’t at all straightforward.

We had to decide what stories we chose to tell, how we wanted to tell them – and whether our interpretations were correct. Bringing the past into a digital space creates so much more overt space for interpretation and different narratives. Traditional museum panels explain what an object is and how old it is. The VR actually shows how it worked and the process archaeologists have used to find that out.

One of the most valuable aspects of this project has been the opportunity to diversify traditional narratives around archaeology. Women and children have been somewhat neglected in archaeological interpretations, especially since in the past most histories were written by (white) men. This has tended to present a simplistic picture of prehistoric societies: men hunting, women gathering.

But there was more to it than that. Stone tools had to be made; poison was collected on use on the tips. Fires needed to be built and ochre ground to create paint for ritual. VR gives more space to explain the answers and explore the nuances of prehistoric societies.

Collaborating with a team of researchers of different ages, backgrounds and genders means a more unbiased picture of the past can be created. The VR content allows anyone to interact with the artefacts – female, male, young and old. They can immerse themselves in it and draw their own conclusions.

The digital experience might also appeal more to younger people and hopefully bring more young visitors into the museum. But it’s accessible, enlightening and informative and older people will enjoy it too.
Collaboration is exciting

As a scientist, I think these kinds of interactive museum displays are vital in aiding deeper understanding and interest in a topic. The same applies to archaeological research.

Being able to manipulate or reconstruct artefacts and use them helps us to understand how and why they were used or created. Being in the team that has conceptualised and created the Origins Centre’s VR content has reminded me that collaborative and interdisciplinary work – even though sometimes tricky to start – can be so fulfilling and revolutionary.





Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.











--br via tradutor do google


A realidade virtual dá nova vida aos fósseis, arte e artefatos africanos.

imagem 1
Esta imagem de uma reconstrução de um crânio de hominina é uma variedade de multimídia que pode ser experimentada na experiência Origins Virtual Reality.

A tecnologia digital tornou-se parte integrante da nossa vida cotidiana. Portanto, era apenas uma questão de tempo antes das formas como as pessoas interagem com o passado e artefatos antigos nas configurações do museu tornaram-se também digitais.

O problema é que a tecnologia pode ser extremamente dispendiosa. Muitos museus simplesmente não têm o financiamento para obter, desenvolver e manter dispositivos sofisticados ou dispositivos digitais interativos. Alguns grandes museus da Europa e da América do Norte, que recebem milhões de visitantes a cada ano, têm podido pagar a realidade virtual (VR) e várias outras tecnologias digitais. Estes são um elemento atraente e popular da experiência do visitante.

Por exemplo, você pode visitar o British Museum em Londres usando a VR. Os visitantes do Smithsonian American Art Museum em Washington, DC podem baixar um aplicativo para experimentar uma das exposições em VR.

Várias avenidas digitais estão sendo adicionadas aos museus da África do Sul - e agora o país tem sua primeira exposição VR completa. Ele será lançado no Centro de Origens na Universidade do Witwatersrand em Joanesburgo, em 25 de setembro, e levará os visitantes a uma jornada através de centenas de milhares de anos de história humana, arte e inovação. Eu sou arqueólogo e ocre da Idade do Meio da Idade da Pedra e fiz parte da equipe juntando a exposição nos últimos quatro meses.

Ao longo do caminho, tivemos que descobrir como se casar com fatos, interpretações, histórias e tecnologia. Isso nem sempre foi fácil, mas houve várias lições ao longo do caminho: o mais importante, sobre o valor do trabalho colaborativo e interdisciplinar para levar a vida a ciência.

Começando

Steven Sack, o diretor do Centro de Origens e o professor Barry Dwolatzky, que administra o Tshimologong Digital Precinct da universidade, foram os primeiros campeões da exposição. O recinto é um centro tecnológico. Dwolatzky ficou tão entusiasmado com a idéia de VR no Centro de Origens que ele pessoalmente doou dinheiro para isso. Armado com isso e uma doação do Instituto Nacional de Ciências Humanas e Sociais, começamos.

O próximo passo foi desenvolver hardware VR - fones de ouvido carregados no conteúdo que fomos para produzir. Para isso, tivemos que olhar além da academia e trazer uma equipe da Alt-Reality, uma empresa em Joanesburgo.

Meu papel era fornecer orientação sobre minhas próprias áreas de atuação e atuar como um link entre o Centro de Origens e o Professor Chris Henshilwood, para quem eu trabalho no Instituto de Estudos Evolutivos da universidade. Foi um dos institutos que forneceu uma grande quantidade de conteúdo para a exposição VR.

Lara Mallen, especialista em arte rupestre que foi curadora no Centro de Origens, foi uma parte crucial do projeto: o conhecimento sobre as telas do centro e sua compreensão intrincada da arte rupestre foi vital no desenvolvimento do conteúdo.

Eu estudei muitos dos meus colegas no Instituto de Estudos Evolutivos, Rock Art Research Institute e Escola de Geografia, Arqueologia e Estudos Ambientais da Universidade Wits, bem como pesquisadores de outras instituições por suas opiniões e imagens. Nós também obtivemos vídeo e conteúdo digital de suas pesquisas que podemos incluir na exposição VR. Todos ficaram intrigados e entusiasmados com a chance de compartilhar seu trabalho de forma totalmente nova e diferente.

Em seguida, veio o ato de equilíbrio: o que funcionaria bem em VR, quanto poderia ter conteúdo e o que faltava. Foi um processo muito orgânico e em constante mudança. Nós continuamente revisamos, cortamos e adicionamos conteúdo.

O visitante pode escolher o que deseja ver e sobre o que quer aprender mais. Eles podem ver (e ouvir) como as pessoas criaram ferramentas de pedra e ocre moído 100.000 anos atrás, ou podem ser transportadas para um abrigo de pedra pintada, ao mesmo tempo em que podem ver as imagens individuais bem perto.

imagem 2
Um kit de ferramentas de processamento Ocre das cavernas de Blombos. A VR permite que os visitantes vejam como o processo funcionou.



Contando histórias de novas maneiras


Como um acadêmico, eu queria garantir que apresentássemos um resumo factual ainda emocionante do conteúdo do Centro de Origem. Isso não era nada direto.

Tivemos que decidir quais as histórias que escolhemos dizer, como queríamos dizer-lhes - e se nossas interpretações estavam corretas. Trazendo o passado para um espaço digital cria muito mais espaço aberto para interpretação e narrativas diferentes. Os painéis tradicionais do museu explicam o que é um objeto e qual a sua idade. O VR realmente mostra como funcionou e os arqueólogos do processo costumavam descobrir isso.

Um dos aspectos mais valiosos deste projeto tem sido a oportunidade de diversificar as narrativas tradicionais em torno da arqueologia. Mulheres e crianças foram negligenciadas um tanto nas interpretações arqueológicas, especialmente porque, no passado, a maioria das histórias foram escritas por homens (brancos). Isso tendeu a apresentar um quadro simplista das sociedades pré-históricas: caça masculina, reunião de mulheres.

Mas havia mais do que isso. Ferramentas de pedra tinham que ser feitas; O veneno foi coletado no uso nas dicas. Os incêndios precisavam ser construídos e chão ocre para criar tinta para o ritual. VR dá mais espaço para explicar as respostas e explorar as nuances das sociedades pré-históricas.

Colaborar com uma equipe de pesquisadores de diferentes idades, origens e gêneros significa que uma imagem mais imparcial do passado pode ser criada. O conteúdo VR permite que qualquer pessoa interaja com os artefatos - feminino, masculino, jovem e antigo. Eles podem mergulhar nele e tirar suas próprias conclusões.

A experiência digital também pode atrair mais para os jovens e espero que traga mais visitantes jovens para o museu. Mas é acessível, esclarecedor e informativo e as pessoas mais velhas também vão gostar.


A colaboração é emocionante

Como cientista, acho que esses tipos de exibições de museus interativos são vitais para ajudar a compreender e interessar mais profundamente um tópico. O mesmo se aplica à pesquisa arqueológica.

Ser capaz de manipular ou reconstruir artefactos e usá-los nos ajuda a entender como e por que eles foram usados ​​ou criados. Estar no time que conceituou e criou o conteúdo VR do Origins Center me lembrou que o trabalho colaborativo e interdisciplinar - mesmo que às vezes complicado de começar - possa ser tão gratificante e revolucionário.

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Experience the future of "Imminent Common Points" in Seoul. - Experimente o futuro de “Pontos Iminentes em Comum” em Seul.

Seoul, South Korea, September 18, 2017 / PRNewswire / - Korea's first biennial dedicated to dealing with "cities" and "architecture" is being held in Seoul.


Official poster and codirectors (Hyungmin Pai and Alejandro Zaera-Polo) for the Seoul Biennial of Architecture and Urbanism (PRNewsfoto / Seoul Metropolitan Government)

The Metropolitan Government of Seoul and the Seoul Design Foundation announced that the First Biennial of Architecture and Urbanism in Seoul will be held for two months from September 2 to November 5, 2017 in areas around Seoul, including the Dongdaemun Design Plaza (DDP) and the Donuimun Museum Village.

Since the inauguration of Seoul Mayor Park Won Soon in 2011, the direction of Seoul's urban policy has shifted to promoting urban regeneration and restructuring Seoul into a "city of exchange". Through the Seoul Biennial, representatives from Seoul will have an opportunity to discuss the changing role of architecture in cities with representatives from other cities around the world.

This inaugural Seoul Biennial was co-chaired by Hyungmin Pai, a professor of architecture at the University of Seoul, and Alejandro Zaera, a world-renowned architect and professor at Princeton University. Pai was the curator of the Korean Pavilion, which received the Golden Lion award for Best National Participation at the Venice Biennale in 2014. Zaera-Polo is a renowned Spanish architect whose main works include the Yokohama International Passenger Terminal.

Held under the theme "Imminent Commons", the Seoul Biennial consists of four main parts, including the two largest exhibitions, "Exhibition of Cities" and "Thematic Exhibition", Living Projects, which will take place in important historic and industrial sites in Seoul, as well as programs with the participation of various citizens.

Planned to be held at the Donuimun Museum Village, the Thematic Exhibition features 39 projects that showcase various types of solutions to urban problems such as technology, policy, lifestyle and design solutions based on the Nine Common Points. The Nine Common Points consist of four common ecological points - air, water, fire and earth - plus five common technological points - production, sensation, movement, recycling and communication. The Donuimun Museum Village is a village rich in history and culture that was created through urban restoration efforts. It is the home of the hanok (traditional Korean houses) remodeled and about 30 buildings dating from the Japanese colonial era until the 1980s. During the Seoul Biennale, it was first opened to the public in September.

The "Cities Exhibition" presents public projects that have been implemented in cities around the world to solve various urban problems. This exhibition is being held at the DDP, which will serve as a platform for comparing and contrasting the various common values ​​of global cities, and will present projects from around 50 cities including New York, London, Vienna, San Francisco, Shanghai and Pyongyang.

It is noteworthy that the Pyongyang Exhibition Exhibition features a model of a typical apartment in Pyongyang, with a 36 square meter covered area, based on the theme of "Urban Space Changes and the Housing Culture of Pyongyang". In planning this exhibition, South Korean experts were consulted in North Korea, including experts from the Unification Ministry and the National Intelligence Service of Korea. The entrance, living room, bedrooms, kitchen and bathrooms were all built to match those of real houses in North Korea, and the space was equipped with custom furniture and wallpaper as well as those found in Pyongyang apartments. In addition, home appliances were brought in from North Korea, creating an experience in which visitors feel as if they have entered a genuine Pyongyang apartment.

"The Seoul Biennial will provide a platform for communication between ordinary people and experts in various fields, as well as debates on urban architecture in Seoul," said Hyungmin Pai, co-director. He further added: "It will be an opportunity to discover the potential of His as a city of interchange."









For more details visit the official website of the Seoul Biennale:


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.



--br
Experimente o futuro de “Pontos Iminentes em Comum” em Seul.

SEUL, Coreia do Sul, 18 de setembro de 2017 /PRNewswire/ — A primeira bienal da Coreia dedicada a tratar dos assuntos de “cidades” e “arquitetura” está sendo realizada em Seul.

Cartaz oficial e codiretores (Hyungmin Pai e Alejandro Zaera-Polo) para a Bienal de Arquitetura e Urbanismo de Seul (PRNewsfoto/Seoul Metropolitan Government)

O Governo Metropolitano de Seul e a Fundação de Design de Seul anunciaram que a Primeira Bienal de Arquitetura e Urbanismo de Seul (Bienal de Seul) será realizada por dois meses, de 2 de setembro a 5 de novembro de 2017, em áreas ao redor de Seul, incluindo o Dongdaemun Design Plaza (DDP) e a Donuimun Museum Village. 

Desde a inauguração do Seoul Mayor Park Won Soon em 2011, a direção da política urbana de Seul mudou para a promoção da regeneração urbana e a reestruturação de Seul em uma “cidade de intercâmbio”. Por meio da Bienal de Seul, representantes de Seul terão uma oportunidade de discutir o papel mutante da arquitetura em cidades com representes de outras cidades ao redor do mundo.

Essa Bienal de Seul inaugural foi codirigida por Hyungmin Pai, professor de arquitetura da Universidade de Seul, e Alejandro Zaera, arquiteto mundialmente reconhecido e professor da Princeton University. Pai foi o curador do Pavilhão Coreano, que recebeu o prêmio do Leão de Ouro por Melhor Participação Nacional na Bienal de Veneza em 2014. Zaera-Polo é um arquiteto espanhol renomado cujas principais obras incluem o Terminal Internacional de Passageiros de Yokohama.   

Realizada com o tema “Pontos Iminentes em Comum” [“Imminent Commons”], a Bienal de Seul consiste de quatro partes principais, incluindo as duas maiores exposições, “Exposição de Cidades” e “Exposição Temática”, Projetos Vivos, que acontecerão em importantes pontos históricos e industriais em Seul, além de programas com a participação de vários cidadãos.

Planejada para ser realizada na Donuimun Museum Village, a Exposição Temática apresenta 39 projetos que mostram vários tipos de soluções para problemas urbanos, como soluções de tecnologia, política, estilo de vida e design, com base nos “Nove Pontos em Comum”. Os Nove Pontos em Comum consistem de quatro pontos ecológicos comuns — ar, água, fogo e terra — além de cinco pontos tecnológicos comuns — produção, sensação, movimentação, reciclagem e comunicação. A Donuimun Museum Village é uma vila rica em história e cultura que foi criada por meio de esforços urbanos de restauração. É a sede das hanok (casas coreanas tradicionais) remodeladas e cerca de 30 prédios datados da era colonial japonesa até a década de 1980. No decorrer da Bienal de Seul, foi aberta ao público pela primeira vez em setembro.

A “Exposição de Cidades” apresenta projetos públicos que foram implementados em cidades ao redor do mundo para solucionar vários problemas urbanos. Essa exposição está sendo realizada no DDP, que servirá como plataforma para comparar e contrastar os diversos valores comuns de cidades globais, e apresentará os projetos de cerca de 50 cidades, incluindo Nova York, Londres, Viena, São Francisco, Xangai e Pyongyang. 

Vale salientar que a Exposição de Pyongyang Exhibition apresenta um modelo de um apartamento típico em Pyongyang, com área coberta de 36 metros quadrados, com base no tema de “Mudanças no Espaço Urbano e na Cultura de Moradias de Pyongyang“. Ao planejar esta exposição, foram consultados especialistas sul-coreanos na Coreia do Norte, incluindo especialistas no Ministério de Unificação e no Serviço Nacional de Inteligência da Coreia. A entrada, sala de estar, quartos, cozinha e banheiros foram todos construídos para corresponder aos de casas reais na Coreia do Norte, e o espaço foi equipado com mobília personalizada e papel de parede, assim como aqueles encontrados em apartamentos de Pyongyang. Além disso, aparatos domésticos foram trazidos da Coreia do Norte, criando uma experiência na qual os visitantes se sintam como se tivessem entrado em um genuíno apartamento de Pyongyang.

“A Bienal de Seul proporcionará uma plataforma para comunicação entre pessoas comuns e especialistas em diversos ramos, além de debates sobre a arquitetura urbana em Seul”, declarou Hyungmin Pai, codiretor. Ele ainda acrescentou: “Será uma oportunidade para descobrirmos o potencial de Seu como uma cidade de intercâmbio.”

Para mais detalhes acesse o site oficial da Bienal de Seul: http://www.seoulbiennale.org/

The Museum Of London Want Some Of The Infamous 'Fatberg'. It is important for the Museum of London to display genuine curiosities from past and present London. - O Museu de Londres quer alguns dos infames 'Fatberg'. É importante para o Museu de Londres exibir curiosidades genuínas do passado e presente de Londres.


Everyone's talking about it. That whopping 'fatberg' lurking beneath the streets of east London.



What exactly is the 'fatberg' we hear you cry? It's a delicious sounding recipe consisting of 130 tonnes of wet wipes, nappies, fat and oil, all squidged together to make one near-immovable sewer blockage.

To put this thing into perspective it weighs the same as 11 double decker buses.

The world bows down to the almighty power of the fatberg. Its gravitational pull has been covered by outlets across the globe. It is a greasy, stinking celebrity in its own right like... ah, let's not go there.

But what lies ahead for our precious fatberg? First, it has to be removed so the sewer can function properly again. And from there? One organisation has stepped up to try and save historical evidence of this momentous beast.

The Museum of London wants to obtain a cross-section of the fatberg, because it "highlights some of the pressures modern life can impose on London's historical infrastructure."

Explains Sharon Ament, Director at the Museum of London:

"The discovery of this fatberg highlights one of the many issues London has to deal with as it grows and evolves. 

It is important for the Museum of London to display genuine curiosities from past and present London. 

If we are able to acquire the fatberg for our collection I hope it would raise questions about how we live today and also inspire our visitors to consider solutions to the problems of growing metropolises. This could be one of the most extraordinary objects in any museum collection in London."

Extraordinary, indeed. The Museum of London has opened a dialogue with Thames Water about acquiring a segment of fatberg. Although we would not be surprised if Ripley's Believe It or Not! wanted a grim slice of the action.
-
The 'fatberg' in question. Photo: Thames Water.

Giant fat ball and toilet paper is removed from the London sewer

The structure was 10 tons and 40 meters in diameter;

A huge structure made of fat and frozen toilet paper was removed from the London sewer. The deal was so heavy and gigantic that it broke the plumbing of the Chelsea region, causing a £ 400,000 loss.

The acorn has been dubbed 'fatberg' - a mixture of iceberg with 'fat' (which means fat).

"We see blockages made of the same material all the time in homes - but they are the size of a cricket ball at most," says Stephen Hunt, the maintenance supervisor at the area's sewage company, Thames Water. "The plumbing is so damaged by the grease that we need to replace several meters."

Although a fatberg of this size is rare, structures are becoming a constant problem in the sewers of London. That's because the English capital produces about 44 million liters of oil a year - and much of that stuff goes down the drain, literally. There, it finds toilet paper discarded by the privates and happens the formation of fatbergs. Research shows that one in five people admits to flushing toilet paper, contributing to the creation of these masses. Remembering that, in addition to being bad for the environment, damaging the treatment of the sewage, they also increase the chances of flooding (not crystalline water) in homes.

And it is worth remembering that this fatberg is not even the largest recorded. In 2013, a 15-ton ball was found in Kingston and last year, workers needed to deal with an 80-meter fatberg.

The next time you discard your toilet paper or throw the kitchen oil through the sink, think of the monster you can help create.






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.




-br via tradutor do google
O Museu de Londres quer alguns dos infames 'Fatberg'. É importante para o Museu de Londres exibir curiosidades genuínas do passado e presente de Londres.


O "fatberg" em questão. Foto: Thames Water.

Todos estão falando sobre isso. Esse enorme "fatberg" espreitando sob as ruas do leste de Londres.

O que exatamente é o "fatberg", nós o ouvimos chorar? É uma deliciosa receita de som que consiste em 130 toneladas de toalhetes molhados, fraldas, gorduras e óleo, todos esparramados para fazer um bloqueio de esgoto quase imobilizável.

Para colocar isso em perspectiva, pesa o mesmo que 11 onibus de dois andares.

O mundo se inclina para o poder todo-poderoso do fatberg. Sua atração gravitacional foi coberta por pontos de venda em todo o mundo. É uma celebridade gordurosa e fedorenta por direito próprio ... ah, não vamos lá.

Mas o que está à frente do nosso precioso fatberg? Primeiro, ele deve ser removido para que o esgoto possa funcionar corretamente novamente. E a partir daí? Uma organização intensificou-se para tentar salvar as evidências históricas dessa grande besta.

O Museu de Londres quer obter uma seção transversal do fatberg, porque "destaca algumas das pressões que a vida moderna pode impor à infra-estrutura histórica de Londres".

Explica Sharon Ament, Diretora no Museu de Londres:

"A descoberta deste fatberg destaca uma das muitas questões que Londres tem para lidar à medida que cresce e evolui.

É importante para o Museu de Londres exibir curiosidades genuínas do passado e presente de Londres.

Se pudermos adquirir o fatberg para a nossa coleção, espero que ele levante questões sobre como vivamos hoje e também inspire nossos visitantes a considerar soluções para os problemas das metrópoles em crescimento. Este poderia ser um dos objetos mais extraordinários em qualquer coleção de museus em Londres ".

Extraordinário, na verdade. O Museu de Londres abriu um diálogo com a Thames Water sobre a aquisição de um segmento de fatberg. Embora não nos surpreenda se Ripley's Believe It or Not! queria uma fatia sombria da ação.
-


Bola gigante de gordura e papel higiênico é removida do esgoto de Londres

A estrutura tinha 10 toneladas e 40 metros de diâmetro;

Uma estrutura enorme feita de gordura e papel higiênico congelados foi removida do esgoto de Londres. O negócio era tão pesado e gigantesco que quebrou o encanamento da região de Chelsea, causando um prejuízo de 400 mil libras.

A bolota foi apelidada de 'fatberg' - mistura de iceberg com 'fat' (que, em inglês, significa gordura).

"Vemos bloqueios feitos do mesmo material o tempo todo em residências - mas eles são do tamanho de uma bola de cricket, no máximo", afirma Stephen Hunt, o supervisor de manutenção da empresa responsável pelo esgoto da região, a Thames Water. "O encanamento está tão danificado pela gordura que precisamos substituir vários metros".

Apesar de um fatberg dessa dimensão ser raro, as estruturas estão se tornando um problema constante nos esgotos de Londres. Isso porque a capital inglesa produz cerca de 44 milhões de litros de óleo por ano - e uma boa parte dessa substância vai pelo ralo, literalmente. Lá, encontra papel higiênico descartado pelas privadas e acontece a formação dos fatbergs. Pesquisas mostram que uma em cada cinco pessoas admite dar descarga no papel higiênico, contribuindo para a criação dessas massas. Lembrando que, além de serem péssimas para o meio ambiente, prejudicando o tratamento do esgoto, elas também aumentam as chances de que aconteçam alagamentos (não de água cristalina) nas casas.

E vale lembrar que esse fatberg nem é o maior registrado. Em 2013, uma bola de 15 toneladas foi encontrada em Kingston e, no ano passado, trabalhadores precisaram lidar com um fatberg de 80 metros.

Da próxima vez em que for descartar seu papel higiênico ou for jogar o óleo da cozinha pela pia, pense no monstro que você pode ajudar a criar.


domingo, 17 de setembro de 2017

Nigerian govt, build six science, technology museums, says Minister. - Governo nigeriano, constrói seis museus de ciência, tecnologia, diz o ministro.

The Federal Government on Monday said it planned to build a science and technology museum in each of the country’s six geo-political zones.


The Minister of Science and Technology, Ogbonnaya Onu, said in Abuja that the idea was to stimulate children’s interest in science and technology in the country.


“Science, technology and Innovation museum is very important. We want our young people to have interest in science and technology. With that all the natural phenomena that happen – lightning, rainfall – we will have explanations on them there.


“All these little equipment and so on, we will put it in a way that children will start developing interest from early age,” the minister said.

Even the adults, he pointed out, would also like to go in there, because major achievements of science and technology across the country would also be showcased there.

Although he said it would take time to be built, the minister said it was important that it should be done, adding that there was no major country without many of such institutions.

Once the funds become available, he said government would start in Abuja, pointing out that work would soon commence at the site for the SHESTCO Silicon Valley.

“We are going to start a technology village. The money allocated is not much, but we thank President Muhammadu Buhari and we are assuring of more support. We will start work; our intention is to have it in the six zones,” Mr. Onu said.










Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.




--br via tradutor do google
Governo nigeriano, constrói seis museus de ciência, tecnologia, diz o ministro.

O governo federal disse na segunda-feira que planeja construir um museu de ciência e tecnologia em cada uma das seis zonas geopolíticas do país.

O ministro da Ciência e Tecnologia, Ogbonnaya Onu, disse em Abuja que a idéia era estimular o interesse das crianças pela ciência e tecnologia no país.

"O museu de ciência, tecnologia e inovação é muito importante. Queremos que nossos jovens tenham interesse em ciência e tecnologia. Com isso, todos os fenômenos naturais que acontecem - relâmpagos, chuvas - teremos explicações sobre eles lá.

"Todos esses pequenos equipamentos e assim por diante, vamos colocar de uma maneira que as crianças começarão a desenvolver o interesse desde os primeiros anos", disse o ministro.

Mesmo os adultos, ele apontou, também gostaria de entrar lá, porque as principais realizações de ciência e tecnologia em todo o país também seriam exibidas lá.

Embora ele tenha dito que levaria tempo para ser construído, o ministro disse que era importante que fosse feito, acrescentando que não havia um país importante sem muitas dessas instituições.

Uma vez que os fundos estão disponíveis, ele disse que o governo começaria em Abuja, ressaltando que o trabalho começaria em breve no site do SHESTCO Silicon Valley.

"Vamos começar uma aldeia tecnológica. O dinheiro alocado não é muito, mas agradecemos o Presidente Muhammadu Buhari e estamos assegurando mais apoio. Vamos começar a trabalhar; nossa intenção é tê-lo nas seis zonas ", disse Onu.


Material and immaterial cultural heritage in the rural environment: potentialities. - O patrimônio cultural das áreas rurais tem dimensões materiais e imateriais que coexistem e são observadas e analisadas de forma inseparável.

The cultural heritage of rural areas has material and immaterial dimensions that coexist and are observed and analyzed in an inseparable way.

This relationship between tangible heritage and intangible heritage and its role in the social construction of cultural heritage and collective memory can not be forgotten. Researches conducted in the interior of the Algarve have made it possible to find places rich in intangible heritage, such as legends, traditions, prayers, and ancestral knowledge that are at risk of being lost. There are many places in the accelerated process of desertification, with some only two or three inhabitants and elderly. These are places where we still find the landscape preserved, the authenticity of the people, the community experiences, such as the sharing of the oven, threshing floor, donkey, utensils and agricultural implements.

They are spaces that can allow the sustainable tourism experience, valuing the old populations and their knowledge, reviving imaginary ones that manage to meet an idyllic image of the rural. By observation on the ground, I can affirm that there are still relatively preserved experiences in the Algarve, which show that part of the tradition still exists, with an important cross between materiality and immateriality. This crossing allows for many multidisciplinary approaches.

Crossing the interior Algarve from Aljezur to Alcoutim, it is possible to find some examples of connection between material heritage and intangible heritage, almost always in small villages or hills. The mountains in the Algarve are formed by a group of houses, usually of different owners, as if it were a 'mini-village', unlike the mountains in the Alentejo that are usually formed by a single house, sometimes with annexes, and relatively isolated .

Concrete example of the connection between tangible and intangible heritage
Community oven with oratory on side wall


In the two images we can see a community oven in the center of a hill in the northeast of the Algarve. The oven, in addition to its baking function, has a religious worship function, because it has a niche or oratory of Marian devotion on the wall of the oven itself.

This niche or oratory has small peculiarities that value the material and immaterial patrimony: the image of the Virgin Mary is decorated with a border of pebbles collected in the streams; there is a linen cloth that covers the image and it is decorated with a small embroidery representing the know-how and arts of this area of ​​the Algarve.

There is still a panel of six tiles with twelve verses concerning the Virgin Mary and the faith of these people. Also highlighted is the year in which the religious part was adapted to one of the side walls of the furnace. The inhabitants refer to know this oven, always in the middle of the hill, for the use of all.

The twelve verses dedicated to Our Lady of the Conception refer to the devotion of the inhabitants of the mountain and its location, as well as natural elements of the area such as the streams, the springs and the rosemary:

The devotion is so
That we give you an altar
To bless us
In the hours of chance
You stay here on this mountain
From the parish of Alcoutim
You stand between two streams
Where there are only steaks and rosemary

I mentioned the characteristics of this oven to Prof. Dr. Moisés Espírito Santo, who was my professor of Sociology of Religions at the New University of Lisbon, and said that he does not know any other case of this kind in the country.

From the local world to the challenges of the global world
From the oven comes food for the body and for the spirit


Sociologist Anthony Giddens points out that tradition persists with a few reinventions with each generation, but without a deep cut or absolute discontinuity between yesterday, today and tomorrow.

The said sociologist also adds the idea that tradition involves ritual and this constitutes a practical means of preservation. In societies or communities that integrate tradition, rituals are mechanisms for preserving collective memory.

The material and immaterial heritage remains in the rural environment because there is identity and close proximity between the elements of the community, almost always with a degree of kinship between them. These ties reinforce the sense of responsibility in preserving what was left to them by their ancestors.

It is a legacy that weighs on the social construction of cultural heritage and collective memory and this rediscovery of memory, tradition and identity, has an authenticity that facilitates the creation of tourist attractions. Allowing the tourism experience, provided that in a sustainable way, valuing the landscape, the elderly populations and their knowledge, reviving imaginary, can be an asset for all parties: who is visited and who visits.




According to the European Landscape Convention, signed by Portugal and the other members of the Council of Europe in October 2000, the landscape plays important public, cultural, ecological, environmental and social roles and is clearly a resource for activity economic development. According to the same Convention, the heritage of the rural world must be understood and used, taking into account all its components (landscape, buildings, techniques, tools, know-how and rural man himself) as a development factor.

In fact, all these elements are a living heritage. The different actors of the rural world, interconnecting with these elements, give it a sense and value for the community and for the territory.

There is an almost generalized idea that with the globalized world, traditions are becoming obsolete. However, some authors are unanimous in affirming that the era of globalization has allowed a valuation of what is local and specific, in the face of an increasingly homogenized world, that which marks by difference and contains ingredients of genuineness is sought and valued . Moreover, the tools that have been developed in the scope of the new information technologies, allow in minutes we can visualize through the Internet images, films or documentaries about the traditions of remote locations.

While on the one hand it resists the process of globalization, on the other hand the tools produced by this process are used to divulge and maintain the memory and the traditions.
Reinventing the heritage

The heritage over time is being reinvented and new functions are added to it, which sometimes attract people from outside the community. These new users are very likely to try to enjoy the space by experiencing new experiences such as kneading the bread, putting it in the oven, learning the brief prayers for the blessing of the bread, in which the sign of the cross is made, saying: "May God add you and may it be to many people!" And, of course, at the end, taste it along with local produce such as sausages, ham, cheese, honey and olives. In short, it will be the enjoyment of these knowledges and tastes, as part of intangible heritage, that enrich the experience in the rural world.

Hence the reference to a possible sustainable tourism experience, in which there is a rediscovery and interpretation of the rural territory, with alternatives for the development of the rural territories. In that resources are valued and can enable the few existing populations to remain in the places of origin and to obtain some profitability in the maintenance of their traditions, and also to maintain a balance in their relation with the past, the present and the future.

(Article published in Caderno de Artes Cultura.Sul)






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.

















--pt
O patrimônio cultural das áreas rurais tem dimensões materiais e imateriais que coexistem e são observadas e analisadas de forma inseparável.

Esta relação entre patrimônio tangível e patrimônio imaterial e seu papel na construção social do patrimônio cultural e da memória coletiva não podem ser esquecidas. As pesquisas realizadas no interior do Algarve possibilitaram a localização de lugares ricos em patrimônio intangível, como lendas, tradições, orações e conhecimento ancestral que correm o risco de serem perdidos. Há muitos lugares no processo acelerado de desertificação, com apenas dois ou três habitantes e idosos. Estes são lugares onde ainda encontramos a paisagem preservada, a autenticidade das pessoas, a comunidade experimenta, como a partilha do forno, a eira, o burro, utensílios e implementos agrícolas.

São espaços que podem permitir a experiência de turismo sustentável, valorizando as populações antigas e seus conhecimentos, revivendo imaginários que conseguem encontrar uma imagem idílica do rural. Por observação no terreno, posso afirmar que ainda existem experiências relativamente preservadas no Algarve, que mostram que parte da tradição ainda existe, com um importante cruzamento entre materialidade e imaterialidade. Este cruzamento permite muitas abordagens multidisciplinares.

Atravessando o interior do Algarve de Aljezur para Alcoutim, é possível encontrar alguns exemplos de conexão entre patrimônio material e patrimônio intangível, quase sempre em pequenas aldeias ou colinas. As montanhas no Algarve são formadas por um grupo de casas, geralmente de diferentes proprietários, como se fosse uma "mini-aldeia", ao contrário das montanhas do Alentejo que geralmente são formadas por uma única casa, às vezes com anexos e relativamente isolado.

Fotografia
Exemplo concreto da conexão entre patrimônio tangível e intangível
Forno comunitário com oratório na parede lateral


Nas duas imagens, podemos ver um forno comunitário no centro de uma colina no nordeste do Algarve. O forno, além de sua função de cozedura, tem uma função de culto religioso, porque tem um nicho ou oratório de devoção mariana na parede do próprio forno.

Este nicho ou oratório tem pequenas peculiaridades que valorizam o patrimônio material e imaterial: a imagem da Virgem Maria está decorada com uma borda de seixos coletados nas correntes; há um tecido de linho que cobre a imagem e está decorado com um pequeno bordado que representa o know-how e as artes desta área do Algarve.

Ainda há um painel de seis telhas com doze versos sobre a Virgem Maria e a fé dessas pessoas. Também destacado é o ano em que a parte religiosa foi adaptada a uma das paredes laterais do forno. Os habitantes referem-se a conhecer este forno, sempre no meio da colina, para o uso de todos.

Os doze versículos dedicados a Nossa Senhora da Conceição referem-se à devoção dos habitantes da montanha e à sua localização, bem como elementos naturais da região, como os rios, as fontes e o alecrim:

A devoção é tão
Que lhe damos um altar
Para nos abençoar
Nas horas do acaso
Você fica aqui nesta montanha
Da paróquia de Alcoutim
Você está entre dois córregos
Onde há apenas bifes e alecrim

Eu mencionei as características deste forno para o Prof. Dr. Moisés Espírito Santo, que era meu professor de Sociologia das Religiões na Nova Universidade de Lisboa, e disse que não conhece nenhum outro caso desse tipo no país.

foto 2
Do mundo local aos desafios do mundo global
Do forno vem comida para o corpo e para o espírito


O sociólogo Anthony Giddens aponta que a tradição persiste com algumas reinvenções com cada geração, mas sem um corte profundo ou uma descontinuidade absoluta entre ontem, hoje e amanhã.

O referido sociólogo também acrescenta a idéia de que a tradição envolve o ritual e isso constitui um meio prático de preservação. Em sociedades ou comunidades que integram a tradição, os rituais são mecanismos para preservar a memória coletiva.

O patrimônio material e imaterial permanece no meio rural porque há identidade e proximidade entre os elementos da comunidade, quase sempre com um grau de parentesco entre eles. Esses laços reforçam o senso de responsabilidade na preservação do que os seus antepassados ​​lhes restava.

É um legado que pesa sobre a construção social do patrimônio cultural e a memória coletiva e essa redescoberta da memória, tradição e identidade, tem uma autenticidade que facilita a criação de atrações turísticas. Permitir a experiência do turismo, desde que, de forma sustentável, valorizando a paisagem, as populações idosas e seus conhecimentos, revivendo o imaginário, possam ser um aporte para todas as partes: quem é visitado e quem visita.

De acordo com a Convenção Europeia da Paisagem, assinada por Portugal e os outros membros do Conselho da Europa em Outubro de 2000, a paisagem desempenha importantes papéis públicos, culturais, ecológicos, ambientais e sociais e é claramente um recurso para o desenvolvimento econômico da atividade. De acordo com a mesma Convenção, a herança do mundo rural deve ser entendida e utilizada, levando em consideração todos os seus componentes (paisagem, edifícios, técnicas, ferramentas, know-how e próprio homem rural) como um fator de desenvolvimento.

Na verdade, todos esses elementos são uma herança viva. Os diferentes atores do mundo rural, interligando esses elementos, dão sentido e valor para a comunidade e para o território.

Existe uma idéia quase generalizada de que, com o mundo globalizado, as tradições estão ficando obsoletas. No entanto, alguns autores são unânimes em afirmar que a era da globalização permitiu uma avaliação do que é local e específico, diante de um mundo cada vez mais homogeneizado, o que marca pela diferença e contém ingredientes de autenticidade é procurado e valorizado. Além disso, as ferramentas que foram desenvolvidas no escopo das novas tecnologias de informação, permitem que, em minutos, possamos visualizar através das imagens, filmes ou documentários da Internet sobre as tradições de locais remotos.

Enquanto, por um lado, resiste ao processo de globalização, por outro lado, as ferramentas produzidas por este processo são usadas para divulgar e manter a memória e as tradições.
Reinventando o patrimônio

A herança ao longo do tempo está sendo reinventada e novas funções são adicionadas, o que às vezes atrai pessoas de fora da comunidade. Esses novos usuários provavelmente tentarão aproveitar o espaço experimentando novas experiências, como amassar o pão, colocá-lo no forno, aprender as breves orações para a benção do pão, no qual o sinal da cruz é feito, dizendo: : "Que Deus lhe adicione e seja para muitas pessoas!" E, é claro, no final, experimente-o com produtos locais, como salsichas, presunto, queijo, mel e azeitonas. Em suma, será o gozo desses conhecimentos e gostos, como parte do patrimônio intangível, que enriquece a experiência no mundo rural.

Daí a referência a uma possível experiência de turismo sustentável, em que há uma redescoberta e interpretação do território rural, com alternativas para o desenvolvimento dos territórios rurais. Na medida em que os recursos são valorizados e podem permitir que as poucas populações existentes permaneçam nos locais de origem e obtenham alguma rentabilidade na manutenção de suas tradições e também manter um equilíbrio na relação com o passado, o presente e o futuro.

(Artigo publicado no Caderno de Artes Cultura.Sul)