Listen to the text.

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

In commemoration of the 65th anniversary of its inauguration, the Victor Meirelles Museum (MVM / Ibram), in Florianópolis, Santa Catarina, Brazil, opens two exhibitions on November 16, at 6:00 p.m. - Em comemoração aos 65 anos de sua inauguração o Museu Victor Meirelles (MVM/Ibram), em Florianópolis,

The first is MVM Collection in Perspective, which makes a history of the composition of the collection of the museum itself. The second proposes a reflection on the social and political relations of art, through the assembly of Module 3 - The Political Dimension, within the Victor cycle in 4D, a long - lasting exhibition that began in May.

Christ on the Waves - Victor Meirelles - undated
Paris, France - Oil and paper on canvas glued on wood - 31.42 x 44.7 cm
Press Release Victor Meirelles / Ibram Museum

The works selected for the exhibition MVM Collection in Perspective represent the multiplicity of the language of the visual arts, putting together works of one of the greatest Brazilian artists of the nineteenth century, the painter Victor Meirelles, and works by 36 contemporary artists.

The Political Dimension of Victor Meirelles

In this third module of the Victor Project in 4D, reflection on the social, cultural and political function of art, as well as its capacity for representation, seeks to be open to dialogue with the public and the community.

Victor Meirelles was a dedicated student at the Imperial Academy of Fine Arts and, later, a rigorous teacher, no less dedicated, at the Lyceum of Arts and Crafts. In addition, he excelled by being a skilled painter of landscapes, panoramas and portraits.

But it was with his historical paintings that Victor achieved renown, guided by the commitment of the Brazilian Empire to build a national identity. His works of art tell stories, engender speeches, negotiate aesthetically and politically with the sociocultural relations of the second half of the nineteenth century in Brazil.

The two exhibitions, MVM Collection in Perspective and Victor in 4D - The Political Dimension, are in print until February 9, 2018. The Victor Meirelles Museum is functioning at its provisional headquarters, at Rua Rafael Bandeira, nº 41 - Centro, in Florianópolis. Admission is free.








Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.






--br
Em comemoração aos 65 anos de sua inauguração o Museu Victor Meirelles (MVM/Ibram), em Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, abre duas exposições no próximo 16 de novembro, às 18 h. 

imagem: Cristo sobre as Ondas
Victor Meirelles – sem dataParis, França
óleo e papel sobre tela colado em madeira
 31,42 x 44,7 cm
Divulgação Museu Victor Meirelles/Ibram

A primeira é Acervo MVM em Perspectiva, que faz um histórico da composição do acervo do próprio museu. A segunda propõe uma reflexão acerca das relações sociais e políticas da arte, através da montagem do Módulo 3 – A Dimensão Política, dentro do ciclo Victor em 4D, mostra de longa duração que se iniciou em maio último.

As obras selecionadas para a exposição Acervo MVM em Perspectiva representam a multiplicidade da linguagem das artes visuais, colocando lado a lado obras de um dos maiores artistas brasileiros do século XIX, o pintor Victor Meirelles, e trabalhos de 36 artistas contemporâneos.

A Dimensão Política de Victor Meirelles

Neste terceiro módulo do Projeto Victor em 4D ganha corpo a reflexão em torno da função social, cultural e política da arte, bem como a sua capacidade de representação, buscando sempre à disposição para dialogar com o público e a comunidade.

Victor Meirelles foi um dedicado aluno na Academia Imperial de Belas Artes e, mais tarde, um rigoroso professor, não menos dedicado, no Liceu de Artes e Ofícios. Além disso, se destacou por ser um habilidoso pintor de paisagens, panoramas e retratos.

Mas foi com suas pinturas históricas que Victor alcançou renome, guiado pelo compromisso do Império brasileiro em construir uma identidade nacional. Suas obras de arte contam histórias, engendram discursos, negociam estética e politicamente com as relações socioculturais da segunda metade do século XIX no Brasil.

As duas exposições, Acervo MVM em Perspectiva e Victor em 4D – A Dimensão Política, ficam em cartaz até o dia 9 de fevereiro de 2018. O Museu Victor Meirelles está funcionando em sua sede provisória, na Rua Rafael Bandeira, nº 41 – Centro, em Florianópolis. A entrada é gratuita.





Restoration works advance in the House Museum of Benjamin Constant, in Rio de Janeiro, Brazil. - Obras de restauro avançam no Museu Casa de Benjamin Constant, Rio de Janeiro, Brasil.

Closed for visitation since the beginning of the year for restoration works, the Benjamin Constant House Museum (MCBC) in Rio de Janeiro (RJ), records an advanced stage of the extensive programmed physical intervention, which encompasses its two main historical buildings and part of the green area where the institution is located, in the Carioca neighborhood of Santa Teresa.

Held on several fronts since the beginning of this year, complete restoration of the historic home where Benjamin Constant lived and the administrative headquarters of the museum is expected to be completed in early 2018.


The historic house where Benjamin Constant lived (1836-1891), considered one of the founders of the Brazilian republic, and the so-called Casa de Bernardina, where the administrative headquarters of the museum functions, goes through restoration process.

Held on several fronts, the work provides for the recovery of roofs of the buildings that make up the architectural complex of the old farm, review of frames and floors, and leveling of its central courtyard and geological and archaeological diagnostics on the ground.

Evaluation, cleaning and recovery

In the first quarter of 2017, prepared the construction site, most of its collection was removed from the main house, which was relocated to spaces prepared in the administrative area. From then on, a team of restorative museologists began to explore the materials and colors originally used in façades, windows, doors, floors and other constituent materials throughout the house.

Up to 7 different layers were found on different surfaces and cataloged for study of chemical composition and original shades, or as close as possible, to the period in which Benjamin Constant lived in the old residence, built in the mid-nineteenth century.


Roof restoration of the Bernardina House, 
administrative headquarters of the MCBC.

After that, the cleaning of marbles and tiles was started, as well as the removal, repair and cleaning of frames. The work - which lasted around 5 months and involved carpenters, carpenters, locksmiths, painters and glaziers - ensured the detailed retrieval of all the doors and windows of the museum.

"Every small bolt, knob, hinge, knocker, cremone, lock and latch was removed from the wood and dismantled, cleaned, polished, lubricated, reassembled and returned to its place of origin. Each piece of wood has been sanded, dished, dismantled or changed, grafted, cut, assembled, polished, painted and reassembled in its place, "explains Maria Alice Miller, administrator of the MCBC who supervises the work.

Also in the first quarter of the intervention, one of the most anticipated and fundamental works for the museum began: the recovery of the roof of the historic house. The process included the removal of tiles, brushing and blasting each of them. During the period, the area was covered with special tarpaulin that guaranteed its preservation against the climatic action.

Diagnosis and new installations

In April, new electrical installations were commissioned for the museum, requiring the removal of wallpapers from the main house. The analysis, treatment, immunization and replacement of pieces that make up the roofing, lining, flooring and other areas of the property were also analyzed, treated, immunized and replaced, as well as the survey of the museum's land for knowledge about its geological composition, including the existence of eventual groundwater .

Prospecting and resettlement

The beginning of the second half of the year was marked by the beginning of the painting of the facades of the museum - for which the white color was preserved, with hydrated lime-based paint - and cleaning of all the luminaires in the house. required the complete dismantling of metal parts, crystal glass, wood, original manufacturer identification and use of special cleaning and whitening techniques.

In July, archaeological prospecting began with the aim of finding traces of ancient lake and also of a tank used for external baths, both maintained by the family to the time of Benjamin Constant. With this aim, archaeological studies were carried out in two points near the historic house with ultrasound.

Painting of facades, resettlement of sidewalks
and restoration of furniture items were some of the interventions
held in the second half of 2017.


Also began a service of withdrawal of the stone pavement of the type "foot-of-moleque", employed since the century. XVIII, existing in area between the main house and the House of Bernardina. Fairly uneven, the floor is being resettled in order to facilitate the circulation and accessibility of all visitors. Along with this service, gutters and floor grates for rainwater, made in concrete, are also being recovered.

Reopening to the public

The full restoration of the MCBC is expected to be completed by early 2018, when the museum will be reopened for public visitation.






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.





--br
Obras de restauro avançam no Museu Casa de Benjamin Constant, Rio de Janeiro, Brasil.

Fechado à visitação desde o início do ano para obras de restauro, o Museu Casa de Benjamin Constant (MCBC), no Rio de Janeiro (RJ), registra estágio avançado da ampla intervenção física programada, que abarca suas duas edificações históricas principais e parte da área verde onde a instituição está situada, no bairro carioca de Santa Teresa.


Realizado em várias frentes desde o início deste ano, restauro completo da casa histórica onde viveu Benjamin Constant e da sede administrativa do museu deve ser concluído no início de 2018.

Passam por processo de restauração a casa histórica onde viveu Benjamin Constant (1836-1891), considerado um dos fundadores da república brasileira, e a chamada Casa de Bernardina, onde funciona a sede administrativa do museu.

Realizada em várias frentes, a obra prevê recuperação de coberturas das edificações que compõem o conjunto arquitetônico da antiga chácara, revisão de esquadrias e de pisos, além de nivelamento de seu pátio central e diagnósticos de caráter geológico e arqueológico sobre o terreno.

Avaliação, limpeza e recuperação

No primeiro trimestre de 2017, preparado o canteiro de obras, foi retirada da casa principal a maior parte de seu acervo, que foi realocada para espaços preparados na área administrativa. A partir de então, deu-se início a um trabalho de prospecção, realizado por equipe de museólogas restauradoras, com objetivo de descobrir materiais e cores originalmente utilizados em fachadas, janelas, portas, pisos e outros materiais constituintes de toda a casa.

Até 7 camadas diferentes foram encontradas em diferentes superfícies e catalogadas para estudo de composição química e tonalidades originais, ou o mais próximas possível, ao período em que Benjamin Constant viveu na antiga residência, construída em meados do século XIX.


Recuperação de telhado da Casa de Bernardina, sede administrativa do MCBC.

Na sequência, foi iniciada a limpeza de mármores e ladrilhos, além de retirada, conserto e limpeza de esquadrias. O trabalho – que durou em torno de 5 meses e envolveu carpinteiros, marceneiros, serralheiros, pintores e vidraceiros – garantiu a recuperação detalhada de todas as portas e janelas do museu.

“Cada pequeno parafuso, maçaneta, dobradiça, aldrava, cremona, fechadura e trinco foi retirado da madeira e desmontado, limpo, polido, lubrificado, remontado e voltou a seu lugar de origem. Cada peça de madeira foi lixada, desempenada, descupinizada ou trocada, enxertada, recortada, montada, polida, pintada e remontada no seu lugar”, explica Maria Alice Miller, administradora do MCBC que atua na supervisão da obra.

Ainda no primeiro trimestre da intervenção, iniciou-se um dos trabalhos mais esperados e fundamentais para o museu: a recuperação do telhado da casa histórica. O processo incluiu a retirada de telhas, escovação e jateamento de cada uma delas. Durante o período, a área destelhada foi coberta por lona especial que garantiu sua preservação frente à ação climática.

Diagnóstico e novas instalações

Em abril, foi iniciada a execução de novas instalações elétricas para o museu, exigindo a retirada dos papéis de parede da casa principal. Também foi iniciada a análise, tratamento, imunização e substituição de peças que compõem o madeiramento do telhado, forro, piso e outras áreas do imóvel, e a sondagem do terreno do museu para conhecimento sobre sua composição geológica, incluindo a existência de eventuais lençóis freáticos.

Prospecção e reassentamento

O começo do segundo semestre foi marcado pelo início da pintura das fachadas do museu – para o qual optou-se pela manutenção da cor branca, com pintura à base de cal hidratada – e limpeza de todas as luminárias da casa, trabalho realizado por restauradoras que exigiu o desmonte total de partes em metal, vidro cristal, madeira, a identificação de fabricante original e utilização de técnicas especiais de limpeza e clareamento.

Em julho, foi iniciada prospecção arqueológica com o objetivo de encontrar vestígios de antigo lago e também de um tanque utilizado para banhos externos, ambos mantidos pela família à época de Benjamin Constant. Com este objetivo, estudos arqueológicos foram realizados em dois pontos próximos à casa histórica com uso de ultrassom.

Pintura de fachadas, reassentamento de calçadas 
e restauro de itens do mobiliário foram algumas das intervenções 
realizadas no segundo semestre de 2017.

Também foi iniciado serviço de retirada do calçamento de pedras do tipo “pé-de- moleque”, empregado desde o séc. XVIII, existente em área entre a casa principal e a Casa de Bernardina. Bastante irregular, o piso está sendo reassentado de modo a facilitar a circulação e a acessibilidade de todos os visitantes. Junto a este serviço, também estão sendo recuperadas calhas e grelhas de piso para águas pluviais, feitas em concreto.

Reabertura ao público

A previsão é de que o restauro integral do MCBC seja concluído até o início de 2018, quando o museu será reaberto à visitação pública.

The Museu Casa Histórica de Alcântara (MCHA), located in Maranhão, Brazil, and member of the Ibram network, is 13 years old and opened to the public on Wednesday (8). - O Museu Casa Histórica de Alcântara (MCHA), situado no Maranhão, Brasil, e integrante da rede Ibram, completa 13 anos de abertura ao público nesta quarta-feira (8).

Considered a cultural reference in the region for its educational, cultural, museological and research activities, the institution lives in the process of physical and museographic reformulation.



Situated in a former colonial house, which was listed by Iphan and exemplary of the period of economic flourishing of the city between the 17th and 19th centuries, the MCHA was established by a federal decree in 1986, but began its activities only on November 8, 2004, after several works of recovery and adaptation of the property, in addition to the training of a staff to act in the conservation of the collection and reception of visitors.

Along with the colonial architecture of the building, where the Guimarães family lived, they portray the domestic history of Monarchic Brazil. The collection includes 958 items among furniture, clothing, accessories, dishes, iconography, ceramics and tiles. Now the building and its collection are a focus of reformulation that will bring changes in the way the MCHA is accessed, presented and inserted in the cultural dynamics of the region.

Restoration

Begun in 2017, the elaboration of an executive project of restoration, structural project and projects of building facilities, visual communication and landscaping will open the way for the execution of the restoration work of the museum. The idea is that the restoration will make the building compatible with the current needs of the MCHA, including technological updating and accessibility, respecting the minimum intervention criteria foreseen in the tipping of the property.

The work will include physical intervention in the interior, façade and roof of the building and in its energy, lighting, telephony, security, hydraulic and sanitary installations, as well as the execution of new fire prevention, signaling, landscaping, lighting and expogation projects . It is also planned to occupy the so-called sobrado number 15, contiguous to the current museum, expanding its physical area.

New project

The museum team takes advantage of the moment when remodeling in its form is prepared to rethink its content: a new Museological Plan is in preparation, proposing new themes, narratives and strategies of dialogue with the public.

The new project will address the archaeological origin and traces of dinosaurs found on the island of Cajual (MA); the historical aspects of indigenous peoples originating in the locality; the arrival of the French and Portuguese settlers; the cultural manifestations of the Feast of the Divine Holy Spirit and the Feast of St. Benedict; slavery and the presence of quilombola communities in the region; the history of the Guimarães Family and the mansion; besides the presence of the Alcântara Launch Center in the Brazilian aerospace context.

"I want to congratulate all those who made and make the museum happen day after day, to the partners and to the technical staff who are involved in making the museum happen," says MCHA director Karina Waleska Scanavino. "It is rewarding to contribute to this part of our culture and our memory. We only have to be proud of the Historic House of Alcântara ".







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.











--br
O Museu Casa Histórica de Alcântara (MCHA), situado no Maranhão, Brasil, e integrante da rede Ibram, completa 13 anos de abertura ao público nesta quarta-feira (8).

Considerada referência cultural na região por suas atividades de cunho educativo, cultural, museológico e de pesquisa, a instituição vive pleno processo de reformulação física e museográfica.

Situado em antigo sobrado colonial tombado pelo Iphan e exemplar do período de florescimento econômico vivido pela cidade entre os séculos XVII e XIX, o MCHA teve sua criação garantida por decreto federal em 1986, mas iniciou suas atividades apenas em 8 de novembro de 2004, após diversas obras de recuperação e adaptação do imóvel, além de formação de um corpo de funcionários para atuar na conservação do acervo e recepção de visitantes.

Integram o acervo do museu 958 itens entre mobiliário, indumentárias, acessórios, louças, iconografias, cerâmicas e azulejos – que, em conjunto com a arquitetura colonial do prédio, onde viveu a família Guimarães, retratam a história doméstica do Brasil Monárquico. Agora, o edifício e seu acervo são foco de reformulação que vai trazer mudanças no modo como o MCHA é acessado, apresentado e inserido na dinâmica cultural da região.

Restauro

Iniciada em 2017, a elaboração de projeto executivo de restauro, projeto estrutural e projetos de instalações prediais, comunicação visual e paisagismo abrirá caminho para a execução de obra de restauração do museu. A ideia é que o restauro compatibilize o prédio às necessidades atuais do MCHA, inclusive quanto à atualização tecnológica e à acessibilidade, respeitando os critérios de intervenção mínima previstos no tombamento do imóvel.

A obra incluirá intervenção física no interior, fachada e cobertura do edifício e em suas instalações de energia, iluminação, telefonia, segurança, hidráulicas e sanitárias, além da execução de novos projetos de prevenção e combate a incêndio, sinalização, paisagístico, luminotécnico e expográfico. Também está prevista ocupação do chamado sobrado número 15, contíguo ao museu atual, ampliando sua área física.

Novo projeto

A equipe do museu aproveita o momento em que se preparam remodelações em sua forma para repensar também seu conteúdo: um novo Plano Museológico está em preparo, propondo novas temáticas, narrativas e estratégias de diálogo com o público.

O novo projeto vai abordar a origem arqueológica e os vestígios de dinossauros encontrados na Ilha do Cajual (MA); os aspectos históricos dos povos indígenas originários da localidade; a chegada dos colonizadores franceses e portugueses; as manifestações culturais da Festa do Divino Espírito Santo e do Festejo de São Benedito; a escravidão e a presença de comunidades quilombolas na região; a história da Família Guimarães e do casarão; além da presença do Centro de Lançamento de Alcântara no contexto aeroespacial brasileiro.

“Quero parabenizar a todos que fizeram e fazem o museu acontecer dia após dia, aos parceiros e à equipe técnica que se desdobra em fazer o museu acontecer”, afirma a diretora do MCHA, Karina Waleska Scanavino. “É recompensador contribuir com essa parte da nossa cultura e da nossa memória. Só temos que nos orgulhar da Casa Histórica de Alcântara”.