sábado, 23 de dezembro de 2017

Parish of San Michele Arcangelo - Potenza - Italy. - Paróquia de San Michele Arcangelo - Potenza - Itália. - Parrocchia di San Michele Arcangelo - Potenza - Italia. - 圣米歇尔教区Arcangelo - 波坦察 - 意大利。

The Church of San Michele Arcangelo, which looks onto the homonymous street, dates back to the fifth century, when Pope was Gelasius I and bishop in Potenza was Erculenzio. It is probable that the current church, datable to the twelfth century and designed by Maestro Sarolo di Muro Lucano, represents a remake of the old one. In any case, it presents the characteristics of Romanesque churches.


The façade, in masonry, with exposed stones, is divided into three zones by four pilasters, which mark the width of the central nave, This is raised above the side, which have sloping slopes with outward slopes. The entrance shows a beautiful stone portal, with double jamb and two round arches.

On the right side of the building there is a side entrance, surmounted by a lunette with a bas-relief of the Madonna and Child.


The interior is of a basilical type, with three naves divided by twelve pillars surmounted by Romanesque capitals with round arches. In the left aisle stands the chapel with the baptismal font (1950), with two wall paintings by the Prayer.

Near is the wooden altar of Sant'Antonio, a work of unknown. The main altar, of the basilica type, is made up of a monobloc stone table, which is an ancient altar table, found during the restoration of the 70s in the church walls.


The altarpiece is divided into three areas, with figures of saints. At the center stands a polychrome wooden sculpture of St. Anthony, a work by an unknown carver of the eighteenth century. The wooden part of the altar is an important document of the Lucan craft tradition, characterized by an elegant decorative apparatus.


The church contains many remarkable works, including: a painting enclosed in a three-lobed wooden trilobed element, depicting a Christ deposed by the Cross, an announcing Angel and the Annunciation; it seems that these paintings are parts of the polyptych of the Madonna del Carmine (1532), attributed to Simon of Florence, and of the predella of Christ and the twelve Apostles, both preserved in San Michele; a sixteenth-century Madonna of the Rosary and fifteen mysteries, oil on canvas by the potent Antonio Stabile; a Madonna with Child and Saints Peter and Paul, by Dirk Hendricksz, known as Teodoro d "Errico, and an Annunciation by Giovanni de Gregorio, known as Pietrafesa.


The oil painting on the table of Christ with the Apostles is also noteworthy; the polychrome wooden crucifix that stands on the altar and an eighteenth century
wooden sculpture of St. Michael the Archangel.



Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.












--br via tradutor do google
Paróquia de San Michele Arcangelo - Potenza - Itália.

A Igreja de San Michele Arcangelo, que olha para a rua homônima, remonta ao século V, quando o Papa foi Gelasius I e o bispo em Potenza foi Erculenzio. É provável que a atual igreja, datável para o século XII e desenhada pelo maestro Sarolo di Muro Lucano, represente um remake do antigo. Em qualquer caso, apresenta as características das igrejas românicas.

A fachada, em alvenaria, com pedras expostas, é dividida em três zonas por quatro pilastras, que marcam a largura da nave central, esta é levantada acima do lado, que tem encostas inclinadas com encostas externas. A entrada mostra um belo portal de pedra, com duplo batente e dois arcos redondos.

No lado direito do edifício, há uma entrada lateral, superada por uma luneta com um bas-relief da Madonna e da Criança.

O interior é de tipo basilical, com três naves divididas por doze pilares encimados por capitais românicos com arcos redondos. No corredor esquerdo encontra-se a capela com a fonte batismal (1950), com duas pinturas de parede da Oração.

Perto é o altar de madeira de Sant'Antonio, uma obra de desconhecido. O altar principal, do tipo basílica, é composto por uma mesa de pedra monobloco, que é uma antiga mesa de altar, encontrada durante a restauração dos anos 70 nas paredes da igreja.

O retábulo é dividido em três áreas, com figuras de santos. No centro está uma escultura de madeira policromada de Santo Antônio, uma obra de um escultor desconhecido do século XVIII. A parte de madeira do altar é um documento importante da tradição artesanal de Lucan, caracterizada por um elegante aparelho decorativo.

A igreja contém muitas obras notáveis, incluindo: uma pintura encerrada em um elemento trilobado de três lóbulos, retratando um Cristo deposto pela Cruz, um anjo anunciador e a Anunciação; Parece que essas pinturas são partes do poliptico da Madonna del Carmine (1532), atribuídas a Simão de Florença, e da predela de Cristo e dos doze apóstolos, ambos preservados em San Michele; uma Madonna do Rosário do século XVI e quinze mistérios, óleo sobre tela pelo poderoso Antonio Stabile; Madonna com criança e santos Pedro e Paulo, de Dirk Hendricksz, conhecida como Teodoro d "Errico, e uma Anunciação de Giovanni de Gregorio, conhecida como Pietrafesa.

A pintura a óleo sobre a mesa de Cristo com os Apóstolos também é digna de nota; o crucifixo policromo de madeira que fica no altar e um século XVIII

Escultura em madeira de São Miguel Arcanjo.
https://www.facebook.com/sanmichelearcangelopz/photos/

Colaboração: Giorgia Ceccherelli














--it
Parrocchia di San Michele Arcangelo - Potenza - Italia.

La Chiesa di San Michele Arcangelo, che si affaccia sull'omonima via, risale al V secolo, quando papa Gelasius I e vescovo a Potenza furono Erculenzio. È probabile che l'attuale chiesa, databile al XII secolo e progettata dal Maestro Sarolo di Muro Lucano, rappresenti un rifacimento del vecchio. In ogni caso, presenta le caratteristiche delle chiese romaniche.

La facciata, in muratura, con pietre a vista, è divisa in tre zone da quattro pilastri, che segnano la larghezza della navata centrale, che si eleva sopra il lato, che hanno pendenze inclinate con pendenze verso l'esterno. L'ingresso mostra un bel portale in pietra, con doppio stipite e due archi a tutto sesto.

Sul lato destro del palazzo c'è un ingresso laterale, sormontato da una lunetta con un bassorilievo della Madonna col Bambino.

L'interno è di tipo basilicale, a tre navate divise da dodici pilastri sormontati da capitelli romanici con archi a tutto sesto. Nella navata sinistra si trova la cappella con il fonte battesimale (1950), con due pitture murali della Preghiera.

Vicino c'è l'altare ligneo di Sant'Antonio, un'opera sconosciuta. L'altare maggiore, di tipo basilicale, è costituito da un tavolo in pietra monoblocco, che è un antico tavolo d'altare, rinvenuto durante il restauro degli anni '70 nelle pareti della chiesa.

La pala d'altare è divisa in tre aree, con figure di santi. Al centro si trova una scultura in legno policromo di Sant'Antonio, opera di un intagliatore sconosciuto del XVIII secolo. La parte in legno dell'altare è un importante documento della tradizione artigianale lucana, caratterizzato da un elegante apparato decorativo.

La chiesa contiene molte opere notevoli, tra cui: un dipinto racchiuso in un elemento trilobato in legno trilobato, raffigurante un Cristo deposto dalla Croce, un angelo annunciante e l'Annunciazione; sembra che questi dipinti siano parti del polittico della Madonna del Carmine (1532), attribuito a Simone di Firenze, e della predella di Cristo e dei dodici apostoli, entrambi conservati a San Michele; una cinquecentesca Madonna del Rosario e quindici misteri, olio su tela del potente Antonio Stabile; una Madonna con Bambino e Santi Pietro e Paolo, di Dirk Hendricksz, detto Teodoro d'Errico, e un'Annunciazione di Giovanni de Gregorio, detta Pietrafesa.

Degno di nota è anche il dipinto ad olio sulla tavola di Cristo con gli apostoli; il crocifisso ligneo policromo che sorge sull'altare e un secolo XVIII
scultura in legno di San Michele Arcangelo.

https://www.facebook.com/sanmichelearcangelopz/photos/

colaboração: Giorgia Ceccherelli







--chines simplificado.
圣米歇尔教区Arcangelo - 波坦察 - 意大利。

圣米歇尔教堂的Arcangelo,看着同名街道,可以追溯到公元五世纪,当时教皇是Gelasius我和波坦察主教是Erculenzio。现在的教堂,可能到十二世纪,由大师Sarolo di Muro Lucano设计,代表了旧教堂的改造。无论如何,它都呈现出罗马式教堂的特征。

砖石砌成,外露石块的立面,由四个柱子分成三个区域,标出中央中殿的宽度,这个柱子高于一侧,有斜坡向外倾斜。入口处显示了一个美丽的石头门户,双门框和两个圆拱门。

在大楼的右侧有一个侧门,上面有一个带麦当娜和儿童浅浮雕的露珠。

内部是一个basilical类型,有三个由十二个支柱,由罗马式首都圆拱拱顶殿堂划分。在左边的走廊上,用洗礼字体(1950),用祷告的两幅壁画矗立着。

附近是Sant'Antonio的木制祭坛,一件不知名的作品。大教堂类型的主祭坛由一座整体式的石桌组成,这是一座古老的祭坛桌,在教堂墙壁恢复了70年代时发现。

祭坛分为三个区域,有圣人。在中心矗立着圣安东尼彩色木雕,十八世纪的一位不知名雕刻家的作品。祭坛的木制部分是鲁班工艺传统的重要文件,其特点是典雅的装饰装置。

教堂里有很多着名的作品,包括:一幅三瓣木制三叶草元素,描绘了一个被十字勋章废除的基督,宣布天使和报喜;似乎这些画是麦当娜胭脂红(Madonna del Carmine)(1532年)的多联画的一部分,归功于佛罗伦萨的西蒙,以及保存在圣米歇尔的基督和十二使徒的指甲花;十六世纪的玫瑰圣母玛瑙和十五个奥秘,由强大的安东尼奥·斯塔比勒布面油画;一个麦当娜与儿童和圣徒彼得和保罗,由德克亨德里克斯,被称为特奥多罗德Errico,和乔瓦尼·德格雷戈里奥被称为Pietrafesa的通告。

基督与使徒们的油画也是值得注意的;在法坛和十八世纪站立的彩色木耶稣受难像
圣迈克尔木雕塑天使。


https://www.facebook.com/sanmichelearcangelopz/photos/


Africa’s looted heritage needs to come home. - O património saqueado de África precisa voltar para casa.

colaboração:  Milena Parteli

By Rachel Hamada on June 17, 2015 — Prized cultural and religious artefacts from Africa were looted and many now live in the basements of European and American museums, oceans away from their places of creation.

image 1
This incredible panel is one of the Benin bronzes looted from the palace of the Oba.


The British Museum in London is known for its wealth of ancient treasures from the world’s civilisations. Go there and you’ll find inspiration, feel the vertigo of history and usually feel of a human connection with someone from another time and another place who saw beauty or meaning and paid tribute to it.

However this institution is not without controversy. The most famous case is that of the Elgin Marbles. Ownership of these ancient Greek sculptures is hotly contested, with the British claiming that paperwork was carried out that justifies their holding on to them, but the Greek saying that they were obtained illegally and must be returned.

The Elgin Marbles are not the only marvels held in the British Museum. So too are many of the spellbinding Benin bronze plaques, which are almost 500 years old. In 1897, the British launched a punitive epedition to the venerable Benin City, heart of an old kingdom headed by Oba (King) Ovonramwen. Troops sacked his palace, stole the bronze plaques that detailed the history and customs of the kingdom and exiled him – turning the kingdom into part of modern-day Nigeria.

image 2
Oba Ovonramwen Nogbaisi was the last king of Benin Kingdom in 1897 when the British sacked the city, looted its beautiful bronzes from his palace and forced him into exile.


The British Museum has a formidable number of these and says itself: “There are over 900 plaques of this type in various museums in England, Europe and America. They are thought to have been made in matching pairs and fixed to pillars in the Oba’s palace in Benin City.”

In the late 1990s, firebrand UK politician Bernie Grant campaigned to get Glasgow to return the Benin bronzes in its possession. He said at the time: “These belong to a living culture and have a deep historic and social value which goes far beyond the aesthetic and monetary value which they hold in exile.”


image 3
One of the Benin bronze plaques held at the British Museum in London


Cultural historian Gus Casely-Hayford, who also presented the BBC’s series Lost Kingdoms of Africa, points out that the British Museum has so many Benin bronzes that it has actually in the last century been selling them off. “That kind of thing makes one feel uneasy.” In fact, if you search the British Museum database for items from Benin City, there are over one thousand results. There is even a schools resource that shows the British with their loot and identifies which objects are now in the British Museum.

It’s not just the British. Think of any major Western museum with an African art collection and it will almost always hold cultural objects of dubious provenance, or that are known to have been secured through looting or theft. Paris’s renowned Quai Branly museum, for example, has a number of Nigerian Nok terracotta heads with unclear provenance, and Dutch and Belgian collections tend to be rich in colonial loot.Any one of those institutions has more than all the museums across sub-Saharan Africa combined

Says Casely-Hayford: “If you look at a collection, whether Quai Branly or whether it’s the British Museum or whether it’s the Smithsonian, any single one of those institutions has more in terms of significant objects than the whole of the collection of museums across sub-Saharan Africa combined – any single one of them. These are museums with hundreds of thousands of objects, with multiple versions of objects.”



The International Council of Museums has in the past published a red watchlist of African archaeological items likely to be looted. The list hasn’t been updated recently, but most of the items on it are reflected in foreign museum collections – from Nok terracotta heads to Esie soapstone statues.

The emphasis is very much on West African items, but the theft of cultural objects has taken place in other areas too. For example, in Kenya, carved totems (vigango) became popular, and it’s hard to work out which were genuinely sold, and which were just taken from the communities they belonged to.

Bizarrely, US actor Gene Hackman became a major collector of these vigango, and gifted many to museum collections. The Denver Museum of Nature and Science, one of the recipients of these totems, decided last year to return them to Kenya.

Said the museum’s curator of anthropology Chip Colwell-Chanthaphonh at the time: “There is no legal instrument or international treaty that requires us to return them. This is not about the law; it’s about ethics… these objects are communally owned and deeply sacred to the Mijikenda community of Kenya.



image 4
These totems were among the ones returned to National Museums of Kenya. (Photo: Richard Wicker, Denver Museum of Nature and Science)

“We want to signal to other museums that that these are sacred objects and must not be treated as an ordinary vase or carpet.”

Boston Museum of Fine Arts recently returned a number of items to Nigeria, and another story of return is that of Dr Adrian Walker, a retired British doctor. He inherited artefacts from his grandfather that were clearly from the looting of Benin City. In fact his grandfather had even described how a fellow officer was “wandering round with chisel & hammer, knocking off brass figures”. In the end Dr Walker came to an arrangement with the Oba’s descendants to bring them home, which he did last year.

image 5
British troops with their loot at Benin City in 1897 (Photo: British Museum)


Prince Edun Akenzua, the younger brother of the Oba to whom the items were returned, has been lobbying for the return of the other stolen items to their home.

“The English returned the Stone of Scone to Scotland some years ago. So why can’t they return our things? They mean so much to us but they mean nothing to the British.”



--- video 2

To those arguing that this would put them in danger, the Prince responded: “It’s a bit like if someone were to steal my car in Benin City, and I found it in Lagos and could prove that it was mine. And the thief told me, ‘OK, you can have your car back if you can convince me that you’ve built an electronically controlled garage to keep the car. Until you do that, I will not return it to you.’”

Casely-Hayford says that religious items from Ethiopia are also being held: “There are certain sorts of religious artefacts, from places like Ethiopia, that are particularly valuable and cannot be displayed. One wonders why an institution like the British Museum would continue to keep those objects. I know there’s been a discussion with the Ethiopian government about the way in which they are held but they should be being bolder, they should be thinking if they can’t be displayed, out of respect then why not return them?”

Worryingly, some looting is thought to still take place in Africa, although nowadays official museums and institutions should not be naïve to the origins of new items that they acquire.

image 5
This beautiful Ife head of a woman in wood and plaster is at the British Museum.

Academic Meg Lambert, who works on the Trafficking Culture project, which describes its mission as “researching the global traffic in looted cultural objects”, specialises in West African artefacts. She says that efforts to stop present-day looting of African cultural objects are still sometimes frustrated by realities on the ground. For example, a bilateral agreement between Mali and the US, which effectively prevented the import of illicit Malian archaeological objects into the States following on from widespread looting in the 1970s, was rendered ineffective by recent political unrest.

Meanwhile, she says that objects still aren’t safe in Nigeria. “While Nigeria’s National Commission for Museums and Monuments has been very outspoken about requesting the restitution of objects from European and US institutions, political corruption and disorganisation means that Nigeria’s museums and cultural institutions are incredibly underfunded and ill-equipped to prevent looting.”

It’s a minefield, but on the other side, should institutions such as the British Museum and Quai Branly and the Smithsonian choose to go in the right direction, is a valuable goal – restitution. If these artefacts came home and could be seen and appreciated by the descendants of the people who made them, some belated justice would be achieved.

Much damage has been done, and so it is crucial to showcase the deep and complex heritage of Africa’s peoples; when much of the colonial mission was to tell them that they had none.

Says Lambert: “Prior to the early 20th century, African cultural objects were collected by European colonists as scientific or cultural curiosities. Anthropological theories of the time followed the model of unilineal evolution, which purports that all cultures ‘progress’ at different rates but follow the same evolutionary process from primitive to civilised. Thus, European anthropologists viewed the peoples of Africa, Oceania, and the Americas as ‘primitive’ populations and believed it possible to investigate peculiarities of human evolution as they occurred in those populations. As part of scholarly or military expeditions, colonists would acquire cultural objects for national museums or university collections.

“With European fine art considered to be the height of civilisation, most African objects were seen as too rudimentary or grotesque to be considered aesthetically advanced or pleasing.”

image 6 
This gold mask, likely looted by the British from Kumasi in Ghana, currently resides in London’s Wallace Collection.

There were some exceptions to this. “After the British invaded and sacked Benin City in 1897, the Benin bronze panels from the royal palace were considered to be so finely crafted that it was not possible for them to have been created by the Edo people. Scholars initially believed them to have been influenced by the Portuguese traders who frequented the West African coast in the 15th and 16th centuries.”

In fact they were the work of a sophisticated society with, amongst other things, highly developed artistic skills and technical expertise.

Says Lambert: “It’s crucial that object histories are transparently and honestly acknowledged. Tragically, so much of our understanding of non-Western peoples and histories are the direct result of the exploitation and subjugation of those people.”

The power dynamic between Western and African countries doesn’t help, Casely-Hayford says. “I think the Nigerian and the Ghanaian and the Ethiopian governments try to keep the channels open, but to have a conversation it needs to be two-way, and because there is such inequality of power and finances in these situations it’s very difficult for African nations to put Europe or North America under any real pressure.

“There have to be bigger incentives and I suppose that comes from the population of the wealthier countries saying ‘Look, this is not tolerable, this is an area of history that we need to address’. If you think about it, for most people of African descent, so much of their history is connected to different episodes of exploitation, whether it was slavery or colonialism or what happened after colonialism. These objects are a perfect material encapsulation of that.

“I think it would be really good if we look again at how we deal with these things and how to open up really rigorous dialogue, a dialogue which is open to everyone to be a part of, because I think it will be very cathartic for people.


“It may be through culture that we can begin to build some of bridges and repair the damage that we’ve done over centuries.”




Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.







--br via tradutoe do google
O património saqueado de África precisa voltar para casa.

Por Rachel Hamada em 17 de junho de 2015 - Foram saqueados artefatos culturais e religiosos premiados da África e muitos agora vivem nos porões dos museus europeus e americanos, oceanos longe de seus lugares de criação.

imagem 1
Este painel incrível é um dos bronzes do Benim saqueados do palácio da Oba.

O Museu Britânico em Londres é conhecido por sua riqueza de tesouros antigos das civilizações do mundo. Vá lá e você encontrará inspiração, sente a vertigem da história e geralmente sente uma conexão humana com alguém de outro momento e outro que viu beleza ou significado e homenageou.

No entanto, esta instituição não tem controvérsias. O caso mais famoso é o dos mármores Elgin. A propriedade dessas esculturas gregas antigas é vivamente contestada, com os britânicos alegando que a papelada foi realizada que justifica a sua participação em eles, mas o grego dizendo que eles foram obtidos ilegalmente e devem ser devolvidos.

Os mármores de Elgin não são as únicas maravilhas realizadas no Museu Britânico. Assim também são muitas das placas de bronze Benin fascinantes, com quase 500 anos de idade. Em 1897, os britânicos lançaram uma eliminatória punitiva para a venerável cidade de Benin, coração de um antigo reino liderado por Oba (rei) Ovonramwen. Tropas derrubaram seu palácio, roubaram as placas de bronze que detalhavam a história e os costumes do reino e o exilavam - transformando o reino em parte da Nigéria moderna.

imagem 2
Oba Ovonramwen Nogbaisi foi o último rei do Reino de Benin em 1897, quando os britânicos derrubaram a cidade, saquearam os seus belos bronzes do seu palácio e o forçaram a exilar.

O Museu Britânico tem um número formidável destes e diz-se: "Existem mais de 900 placas deste tipo em vários museus na Inglaterra, Europa e América. Acredita-se que eles tenham sido feitos em pares correspondentes e fixados em pilares no palácio de Oba na cidade de Benin.

No final da década de 1990, o político britânico Bernier Grant, da Firebrand britânico, fez uma campanha para que Glasgow devolvesse os bronzes do Benim em sua posse. Ele disse na época: "Estes pertencem a uma cultura viva e têm um profundo valor histórico e social que vai muito além do valor estético e monetário que detêm no exílio".

imagem 3
Uma das placas de bronze de Benin realizadas no British Museum em Londres

O historiador cultural Gus Casely-Hayford, que também apresentou a série da BBC Lost Kingdoms of Africa, ressalta que o Museu Britânico tem tantos bronzes de Benin que, na verdade, no século passado, os vendeu. "Esse tipo de coisa faz um se sentir desconfortável." Na verdade, se você pesquisar na base de dados do Museu Britânico para itens da cidade de Benin, existem mais de mil resultados. Existe mesmo um recurso de escolas que mostra os britânicos com seu pilhagem e identifica quais objetos estão agora no Museu Britânico.

Não são apenas os britânicos. Pense em qualquer grande museu ocidental com uma coleção de arte africana e quase sempre terá objetos culturais de proveniência duvidosa, ou que se sabe terem sido protegidos por saque ou roubo. O famoso museu Quai Branly de Paris, por exemplo, tem uma série de cabeças de terracota nigerianas Nok com uma proveniência pouco clara e as coleções holandesas e belgas tendem a ser ricas em pilhagem colonial. Qualquer uma dessas instituições tem mais do que todos os museus da África subsaariana combinado

Disse Casely-Hayford: "Se você olha para uma coleção, quer seja o Quai Branly, quer seja o Museu Britânico ou se é o Smithsonian, qualquer uma dessas instituições tem mais em termos de objetos significativos do que toda a coleção de museus em todo África subsaariana combinada - qualquer um deles. São museus com centenas de milhares de objetos, com múltiplas versões de objetos ".

           vídeo 1


O Conselho Internacional de Museus publicou no passado uma lista de observação vermelha de itens arqueológicos africanos que provavelmente serão saqueados. A lista não foi atualizada recentemente, mas a maioria dos itens nele se refletem em coleções de museus estrangeiros - desde cabeças de terracota Nok até estátuas de pedra saba Esie.

A ênfase é muito importante em itens da África Ocidental, mas o roubo de objetos culturais ocorreu em outras áreas também. Por exemplo, no Quênia, os totens esculpidos (vigango) tornaram-se populares, e é difícil descobrir quais foram genuinamente vendidos, e que foram retirados das comunidades que pertenciam.

Bizarremente, o ator dos EUA, Gene Hackman, tornou-se um grande colecionador desses vigango, e dotou muitos de coleções de museus. O Museu de Natureza e Ciência de Denver, um dos destinatários desses totens, decidiu no ano passado devolvê-los ao Quênia.

Disse o curador de antropologia do museu Chip Colwell-Chanthaphonh na época: "Não existe um instrumento legal ou tratado internacional que exija que devolvamos. Não se trata da lei; trata-se de ética ... esses objetos são de propriedade comum e profundamente sagrados para a comunidade Mijikenda do Quênia.

imagem 4
Esses totens estavam entre os retornados aos Museus Nacionais do Quênia. (Foto: Richard Wicker, Denver Museum of Nature and Science)

"Queremos sinalizar para outros museus que esses são objetos sagrados e não devem ser tratados como um vaso ou tapete comum".

O Museu de Belas Artes de Boston retornou recentemente uma série de itens à Nigéria, e outra história de retorno é a do Dr. Adrian Walker, um médico britânico aposentado. Ele herdou artefatos de seu avô que eram claramente da pilhagem da cidade de Benin. Na verdade, seu avô já havia descrito como um colega oficial estava "andando com cincel e martelo, derrubando figuras de bronze". No final, o Dr. Walker chegou a um acordo com os descendentes do Oba para trazê-los para casa, o que ele fez no ano passado.

imagem 5
Tropas britânicas com seu pilhagem na cidade de Benin em 1897 (Foto: Museu Britânico)


O príncipe Edun Akenzua, o irmão mais novo da Oba a quem os itens foram devolvidos, tem pressionado pelo retorno dos outros itens roubados para sua casa.

"Os ingleses retornaram a Pedra de Scone para a Escócia alguns anos atrás. Então, por que eles não podem devolver nossas coisas? Eles significam muito para nós, mas eles não significam nada para os britânicos ".

--- video 2

Para aqueles que argumentavam que isso os colocaria em perigo, o Príncipe respondeu: "É um pouco como se alguém roubasse meu carro na cidade de Benin, e eu encontrei em Lagos e poderia provar que era meu. E o ladrão me disse: "Ok, você pode voltar seu carro se você puder me convencer de que você construiu uma garagem controlada eletronicamente para manter o carro. Até que você faça isso, não vou devolvê-lo para você. '"

Casely-Hayford diz que itens religiosos da Etiópia também estão sendo realizados: "Há certos tipos de artefatos religiosos, de lugares como a Etiópia, que são particularmente valiosos e não podem ser exibidos. Pergunta-se por que uma instituição como o British Museum continuaria a manter esses objetos. Eu sei que houve uma discussão com o governo etíope sobre a forma como eles são mantidos, mas eles devem estar sendo mais ousados, eles devem estar pensando se eles não podem ser exibidos, por respeito, por que não devolvê-los? "

Com preocupação, pensa-se que alguns saqueios ainda acontecem na África, embora hoje em dia os museus e as instituições oficiais não sejam ingênuos à origem de novos itens que adquirem.

imagem 5
Esta linda cabeça Ife de uma mulher em madeira e em gesso é no Museu Britânico.

Acadêmico Meg Lambert, que trabalha no projeto Trafficking Culture, que descreve sua missão como "pesquisando o tráfego global em objetos culturais saqueados", especializada em artefatos da África Ocidental. Ela diz que os esforços para parar o saque atual dos objetos culturais africanos ainda são por vezes frustrados pelas realidades no terreno. Por exemplo, um acordo bilateral entre o Mali e os EUA, que efetivamente impediu a importação de objetos arqueológicos ilícitos malienses nos Estados que seguiram o saque saque generalizado na década de 1970, tornou-se ineficaz devido à recente agitação política.

Enquanto isso, ela diz que os objetos ainda não estão seguros na Nigéria. "Embora a Comissão Nacional de Museus e Monumentos da Nigéria tenha sido muito sincera em pedir a restituição de objetos de instituições européias e americanas, a corrupção política e a desorganização significam que os museus e as instituições culturais da Nigéria são incrivelmente subfinanciados e mal equipados para evitar o saque".

É um campo minado, mas, por outro lado, instituições como o British Museum e o Quai Branly e o Smithsonian optarem pela direção certa, é um objetivo valioso - a restituição. Se esses artefatos chegassem a casa e pudessem ser vistos e apreciados pelos descendentes das pessoas que os criaram, seria alcançada uma justa tardia.

Muitos danos foram feitos, e por isso é crucial mostrar o patrimônio profundo e complexo dos povos africanos; quando grande parte da missão colonial era dizer-lhes que não tinham nenhum.

Diz Lambert: "Antes do início do século XX, os colonos europeus recolhiam objetos culturais africanos como curiosidades científicas ou culturais. As teorias antropológicas do tempo seguiram o modelo de evolução unilineal, que defende que todas as culturas "progridem" a taxas diferentes, mas seguem o mesmo processo evolutivo do primitivo para o civilizado. Assim, os antropólogos europeus viram os povos de África, Oceania e as Américas como populações "primitivas" e acreditavam que era possível investigar as peculiaridades da evolução humana tal como ocorrem nessas populações. Como parte das expedições acadêmicas ou militares, os colonos adquirem objetos culturais para museus nacionais ou coleções universitárias.


"Com as belas artes européias consideradas como o auge da civilização, a maioria dos objetos africanos era visto como muito rudimentar ou grotesco para ser considerado esteticamente avançado ou agradável".

imagem 6

Esta máscara de ouro, provavelmente saqueada pelos britânicos de Kumasi em Gana, atualmente reside na coleção Wallace de Londres.

Havia algumas exceções a isso. "Depois que os britânicos invadiram e saquearam a cidade de Benin em 1897, os painéis de bronze do Benin do palácio real foram considerados tão finamente trabalhados que não era possível que eles fossem criados pelo povo Edo. Os estudiosos inicialmente acreditaram que foram influenciados pelos comerciantes portugueses que freqüentavam a costa da África Ocidental nos séculos 15 e 16 ".

Na verdade, eles eram o trabalho de uma sociedade sofisticada com, entre outras coisas, habilidades artísticas altamente desenvolvidas e conhecimentos técnicos.

Diz Lambert: "É crucial que as histórias dos objetos sejam transparentes e honestamente reconhecidas. Tragicamente, muito da nossa compreensão de povos e histórias não-ocidentais são o resultado direto da exploração e subjugação dessas pessoas ".

A dinâmica de poder entre países ocidentais e africanos não ajuda, diz Casely-Hayford. "Eu acho que os governos nigeriano e ghanéano e etíope tentam manter os canais abertos, mas ter uma conversa precisa ser bidireccional e porque há tal desigualdade de poder e finanças nessas situações é muito difícil para os africanos nações para colocar a Europa ou a América do Norte sob qualquer pressão real.

"É preciso haver maiores incentivos e suponho que isso venha da população dos países mais ricos, dizendo:" Olha, isso não é tolerável, essa é uma área da história que precisamos abordar ". Se você pensa sobre isso, para a maioria das pessoas de ascendência africana, grande parte de sua história está ligada a diferentes episódios de exploração, seja a escravidão ou o colonialismo, ou o que aconteceu após o colonialismo. Esses objetos são um encapsulamento de material perfeito disso.

"Eu acho que seria muito bom se olharmos novamente como lidamos com essas coisas e como abrir um diálogo realmente rigoroso, um diálogo aberto a todos para serem parte, porque acho que será muito catártico para pessoas.


"Pode ser através da cultura que podemos começar a construir algumas pontes e reparar os danos que fizemos ao longo de séculos".


Kyoto Costume Institute. - Instituto de vestuario de Kioto. - 京都服飾研究所。

The Kyoto Costume Institute was established on April 1978 with the purpose of collecting authentic samples of western clothing from various time period in history. 



At present, the museum’s collection ranges from 17th century court dresses to present day items from designers like Alexander McQueen and Jean Paul Gaultier and are part of the institute’s 12,000 items of clothing and 16,000 documents. Most of the items in the collection were donations from top designers and fashion houses like Chanel, Christian Dior, Louis Vuitton as well as Japanese designers like Rei Kawakubo and Issey Miyake. 

Aside from the museum, the Kyoto Costume Institute has a library which became a great source for researchers and designers from all over the world.



Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.





--es via tradutor do google
Instituto de vestuario de Kioto.

El Kyoto Costume Institute se estableció en abril de 1978 con el objetivo de recoger muestras auténticas de prendas occidentales de diversos períodos de la historia.

En la actualidad, la colección del museo abarca desde vestidos cortesanos del siglo XVII hasta artículos actuales de diseñadores como Alexander McQueen y Jean Paul Gaultier, y forman parte de las 12,000 prendas de vestir y 16,000 documentos del instituto. La mayoría de los artículos de la colección fueron donaciones de los mejores diseñadores y casas de moda como Chanel, Christian Dior, Louis Vuitton y diseñadores japoneses como Rei Kawakubo e Issey Miyake.

Además del museo, el Kyoto Costume Institute tiene una biblioteca que se convirtió en una gran fuente para investigadores y diseñadores de todo el mundo.






--jp via tradutor do google
京都服飾研究所。

京都服飾研究所は、1978年4月に設立され、歴史のある時代から洋服の本物のサンプルを収集することを目的としています。

現在、博物館のコレクションは17世紀の裁判所の衣装からアレクサンダー・マックイーンやジャン・ポール・ゴルチエのようなデザイナーの現在のアイテムにまで及んでおり、同研究所の衣類12,000アイテムと1万6000件の書類の一部です。 コレクションのアイテムのほとんどは、トップデザイナーやシャネル、クリスチャンディオール、ルイヴィトンなどのファッションハウスからの寄付や、川久保玲、三宅一生などの日本のデザイナーからの寄付でした。

博物館のほかに、京都服飾研究所には図書館があり、世界中の研究者やデザイナーのための素晴らしい資料となっています。

Imperial Palace of Rio de Janeiro, Brazil, receives photo exhibition of the Soviet Union. - Paço Imperial do Rio de Janeiro, Brasil, recebe mostra de fotografia da União Soviética - Императорский дворец Рио-де-Жанейро, Бразилия, получает фотовыставку Советского Союза

The exhibition runs until February 2018. Vladimir Lagrange, Leonid Lazarev, Vladimir Bogdanov, Yuri Krivonossov, Viktor Akhlomov and Antanas Sutkus portray the complex relationship between the individual and the state in the former USSR.
Next Thursday (14), the exhibition "The Soviet Union through the camera", with 200 black and white images by six important photographers of the former USSR, will be inaugurated at 6:30 pm in the Imperial Palace of Rio de Janeiro.

"The Soviet Union through the Camera" curated by Luiz Gustavo Carvalho and Maria Vragovae, through the eyes of different renowned artists with distinct formations and aesthetics, will provide the public with a trip to a distant culture.

The photographs portray Stalin's daily life, inhabitants and history from 1956 - the year of Nikita Khrushchev's secret address to Stalin's crimes - until 1991, when the Soviet Union was dissolved.

The photographers displayed are Vladimir Lagrange, Leonid Lazarev, Vladimir Bogdanov, Yuri Krivonossov, Viktor Akhlomov and Antanas Sutkus.

The exhibition also seeks most of the complex relationship between the individual and the state, penetrating the thin space left for individual interpretation by Soviet censorship.

In this way, the viewer can observe the vast nuance of glances about the same country, according to the region portrayed by the artist, the political position and degree of conformism or subversion of each respective artist.

The exhibition is in print until February 25, 2018 and has free admission.

"Avenida Kalinin", de Víktor Akhlomov.







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.





--br
Paço Imperial do Rio de Janeiro, Brasil, recebe mostra de fotografia da União Soviética

Exposição fica em cartaz até fevereiro de 2018. Vladímir Lagrange, Leonid Lazarev, Vladímir Bogdanov, Iúri Krivonossov, Viktor Akhlomov e Antanas Sutkus retratam a complexa relação entre o indivíduo e o Estado na ex-URSS.
Na próxima quinta-feira (14), será inaugurada, às 18h30, no Paço Imperial do Rio de Janeiro, a exposição “A União Soviética através da câmera”, com 200 imagens em preto e branco realizadas por seis importantes fotógrafos da antiga URSS.         

 “A União Soviética através da câmera” tem curadoria de Luiz Gustavo Carvalho e Maria Vragovae, por meio do olhar de diferentes artistas de renome com formações e estéticas distintas, proporcionará ao público uma viagem a uma cultura longínqua.

As fotografias retratam a vida cotidiana, os habitantes e a história da Rússia pós-Stálin a partir de 1956 - ano do discurso secreto em que Nikita Khruschov denuncia os crimes cometidos por Stálin - até 1991, quando ocorre a dissolução da União Soviética.  

Os fotógrafos exibidos são Vladímir Lagrange, Leonid Lazarev, Vladímir Bogdanov, Iúri Krivonossov, Viktor Akhlomov e Antanas Sutkus.

A exposição também busca mostrar a complexa relação entre o indivíduo e o Estado, penetrando no fino espaço deixado para a interpretação individual pela censura soviética.

Desta forma, o espectador poderá observar a vasta nuance de olhares sobre o mesmo país, segundo a região retratada pelo artista, o posicionamento político e o grau de conformismo ou subversão de cada respectivo artista.

A exposição fica em cartaz até 25 de fevereiro de 2018 e tem entrada franca.







--ru via tradutor do google
Императорский дворец Рио-де-Жанейро, Бразилия, получает фотовыставку Советского Союза

Выставка проходит до февраля 2018 года. Владимир Лагранж, Леонид Лазарев, Владимир Богданов, Юрий Кривоносов, Виктор Ахломов и Антанас Суткус изображают сложные отношения между человеком и государством в бывшем СССР.
В следующий четверг (14) в 18:30 в Императорском дворце Рио-де-Жанейро откроется выставка «Советский Союз через камеру» с 200 черно-белыми изображениями шести важных фотографов бывшего СССР.

«Советский Союз через камеру», курированный Луисом Густаво Карвалью и Марией Враговой, глазами различных известных художников с различными формациями и эстетикой, предоставит общественности поездку в далекую культуру.

На фотографиях изображена повседневная жизнь Сталина, жители и история с 1956 года - год секретного обращения Никиты Хрущева к преступлениям Сталина - до 1991 года, когда Советский Союз был распущен.

Среди фотографов - Владимир Лагранж, Леонид Лазарев, Владимир Богданов, Юрий Кривоносов, Виктор Ахломов и Антанас Суткус.

Выставка также ищет большую часть сложных отношений между человеком и государством, проникая в тонкое пространство, оставленное для индивидуального толкования советской цензурой.

Таким образом, зритель может наблюдать огромный нюанс взглядов о той же стране, в зависимости от региона, изображенного художником, политического положения и степени конформизма или подрывной деятельности каждого соответствующего художника.

Выставка печатается до 25 февраля 2018 года и имеет бесплатный вход.