Listen to the text.

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Craig Green A/W 2018. The designer draws on the blueprints of masculine dress for his latest offering - Craig Green A / W 2018. O designer baseia-se nos planos do vestido masculino para sua última oferta.

Scene setting: Craig Green has always been interested in sculpture and form. His contemplative and intellectual fashion shows are often completed with models carrying abstract wooden sculptures, designed by David Curtis-Ring. For his A/W 2018 show, Green erected his most powerful show set to date at the Workshop on Lambeth High Street. The brand created a backdrop of hanging black panels, which separated the show set into sections, and featured bright beams of light at their intersects, which models walked between as the show began. 




Mood board: Green has become known for his intricately detailed and designed clothing, which takes inspiration from military silhouettes, utilitarianism and uniforms- be that of boyscouts of deep sea divers. For A/W 2018, he was preoccupied with ‘blueprints of masculine dress’, culminating in exaggerated looks which resembled parachuters outfits, detailed with graphic military-inspired ‘gig seams’, running the length of torsos and legs as 3D folds. Green also developed the denim offering he showcased for S/S 2018, with wide legged jeans in dark denim, and sent out a jersey tracksuit with the brand’s signature hole motif- both commercially savvy options, complementing his more avant-garde designs. 


Best in show: Green worked with David Curtis-Ring on a series of wearable wooden sculptures strapped to the torsos of models and covered in colourful latex. As models walked down the catwalk, the sculptures bobbed and the bright latex resembled filled water balloons associated with childhood games. Also building on this naïveté , Green showcased panelled multicoloured knitwear with cut out panels, and patches of delicate crochet.









Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.









--br via tradutor do google
Craig Green A / W 2018. O designer baseia-se nos planos do vestido masculino para sua última oferta.

Configuração de cena: Craig Green sempre esteve interessado em escultura e forma. Seus desfiles de moda contemplativa e intelectual são muitas vezes completados com modelos com esculturas de madeira abstratas, desenhados por David Curtis-Ring. Para o seu espetáculo A / W 2018, Green ergueu o seu show mais poderoso para o Workshop no Lambeth High Street. A marca criou um pano de fundo de suspensão de painéis pretos, que separaram o conjunto de shows em seções e apresentaram feixes de luz brilhantes em suas interseções, cujos modelos caminharam entre o início do show.

Placa de humor: Green tornou-se conhecido por sua roupa intrincada detalhada e projetada, que se inspira em silhuetas militares, utilitarismo e uniformes - seja a de meninos de mergulhadores de águas profundas. Para a A / W 2018, ele estava preocupado com "planos de vestimenta masculina", culminando em aparências exageradas que se assemelhavam a roupas de pára-quedistas, detalhadas com "juntas gigantes de inspiração militar", executando o comprimento de torsos e pernas como dobras 3D. A Green também desenvolveu a oferta de denim que apresentou para a S / S 2018, com jeans de lã cheia em denim escuro e enviou um fato de treino jersey com o motivo do buraco de assinatura da marca - opções comercialmente experientes, complementando seus projetos mais vanguardistas.

Melhor no show: Green trabalhou com David Curtis-Ring em uma série de esculturas de madeira wearable amarradas aos torsos de modelos e cobertas de látex colorido. À medida que os modelos caminhavam pela passarela, as esculturas batiam e o latex brilhante se assemelhava a balões de água cheios associados a jogos de infância. Construindo também sobre este naïveté, Green mostrou malhas multicoloridas em painéis com painéis cortados e manchas de crochê delicado.

Egyptian Faience: Technology and Production. - Faience Egípcia: Tecnologia e Produção - 埃及的知识:技术和生产

In ancient Egypt, objects created with faience were considered magical, filled with the undying shimmer of the sun, and imbued with the powers of rebirth. For Egyptians, the sculptures, vessels, jewelry, and ritual objects made of faience glimmered with the brilliance of eternity. While faience is made of common materials—quartz, alkaline salts, lime, and mineral-based colorants—it maintained important status among precious stones and metals. Faience may have been developed to simulate highly prized and rare semi-precious blue stones like turquoise. This man-made substance allowed the Egyptians to make a wide variety of objects covered in shiny, bright blue glaze—a color that was closely linked with fertility, life, and the gleaming qualities of the sun.


Faience first appeared at the end of the fifth millennium B.C. and has occurred in various forms up to the present day. It is possible that its invention might have occurred in the ancient Near East following the development of an alkaline glaze on quartz stones. Its technological refinement and major triumphs, however, were surely accomplished in Egypt. Some of the earliest faience objects made in Egypt were beads, soon followed by small votive temple offerings and royal tomb objects. Faience was inlaid into furniture and into walls as tomb and temple decoration (48.160.1; 26.7.991). The most recognizable forms of faience are small figures of gods (55.121.5; 26.7.878), animals (26.7.899; 1989.281.96), and shabtis (26.7.919), as well as jewelry (40.3.2; 74.51.4540), amulets (17.190.1639), scarabs, and vessels (26.7.971).

Technical Description of Faience

The term “faience” is actually a misnomer, as it also refers, more accurately, to the maiolica originating from Faenza and other towns in Northern Italy in the late fifteenth century A.D. Maiolica is earthenware known for its bright colors applied on white tin-opacified glaze; Egyptian faience is neither earthenware nor tin-glazed. However, since there has been little agreement on an alternative term, “faience” remains the most commonly used.


Egyptian faience is a ceramic material with a siliceous body and a brightly colored glaze. In addition to silica, faience also contains alkaline salts (the source of which was either natron or plant ash), minor amounts of lime, and a metallic colorant. Although faience was made in a range of bright colors, the turquoise blue color so characteristic of the material is created with copper. During the firing process, the alkali (acting as a flux) and the lime (acting as a stabilizer) react with the silica in the core to form a glaze on the surface.


Observed in cross-section, the microstructure of faience reveals at least two different layers of material: an inner core and an outer layer of glaze. The core is friable and porous, and is made up of particles that can vary in size from fine to coarse. These particles tend to be white but can be very pale blue, green, brown, or gray, depending on impurities contained in source materials. The bulk of this core material is made up of angular quartz grains without any visible clay particles, and always has the appearance of being artificially powdered. The quartz grains in the core are coated and held in place by small amounts of a soda-lime-silicate glass.

This interstitial glass appears colorless and transparent in cross-section, but in the glaze on the exterior surface one observes a very different optical effect: translucency. The crushed quartz core visible beneath the glaze creates an irregular white ground that scatters the light. The result is a diffuse, almost variegated appearance of depth that closely resembles the optical qualities of turquoise. The way light hits the interface between the core and the glaze gives an impression of brightness as well as translucency. Steatite, a soft, easily carved stone to which similar glazes were applied, is much smoother at this interface and does not scatter light in the same way faience does (17.190.2011). This distinction might offer one explanation as to why faience, which is difficult to form, might have replaced glazed steatite as a preferred method to produce for producing prized objects.


Raw Materials

The humble raw materials for creating faience were available in the Egyptians’ immediate surroundings. Silica could have been acquired from fine desert sands or from quartz rock, quartz pebbles, or silicaceous limestone, all of which are abundant in Egypt. Quartz sand of the purity contained in faience cores is extremely rare. Quartz rock occurs as veins in igneous rocks of the eastern Egyptian desert. Such rock would have produced good material for faience, but it was not easily accessible and would have required significant labor to acquire. White quartz pebbles seem the most likely source of silica for faience, as they are plentiful in the desert and easy to acquire. Mining and carving of granite or sandstone might have provided a significant source of silica to the faience industry. Some scholars have proposed that the raw materials for faience were obtained as a by-product of hard stone drilling. Copper tools were used with abrasive sand to drill or saw granite and hard limestone artifacts. The waste powders from this process consisted of quartz and lime from the limestone, and also contained particles of copper from the drill, potentially providing a ready source for the materials to make faience.

Egyptian soil is rich in saline substances such as niter, natron, alum, rock salt, and sea salts—all of which could have provided the alkaline component for faience. Niter forms as an efflorescence on the surface of the soil during dry periods. Natron is collected from the saline encrustations of dry lakebeds of Wadi Natrun in the west of the Nile Delta. Rock salt and alum are mined from the earth.


Making Faience


There were various manufacturing methods for faience, but the most common was a self-glazing technique referred to as the “efflorescence method.” To make faience with this glazing method, water-soluble alkaline salts are combined with powdered quartz, some lime, and a colorant (e.g., copper originating from metal shavings or crushed copper-rich stones such as malachite). The dry ingredients are mixed with water to create a paste that is then formed into the desired shape. As soon as the paste is formed, one starts to notice the difference between faience and clay. Faience is thixotropic, which means that the paste appears to be a solid, but becomes more fluid and slumps as it is modeled. A paste made of corn starch and water exhibits similar behavior.

Not only is faience paste thixotropic, it is also non-plastic. It cracks when bent, and has little ability to support its own weight. Due to these physical properties, faience cannot be formed into objects using the same techniques as potter’s clay; throwing faience on a wheel to make vessels is possible, but this technique was only used to a limited extent. Small amulets and beads could be formed by hand-modelling, but one of the most common ways to shape faience was with clay molds, as is evidenced by the multitude of faience molds found in the archaeological record (21.9.23). The paste can also be worked into a slab by shaking and patting to create flat objects such as inlays or tiles. Another technique for working with faience is to form the paste around an organic core that burns away during firing. A layer of paste was either modeled around the combustible core or it was dipped into a slurry of faience ingredients. There are examples of hollow faience fruit that were made by coating actual fruits. The holes in these objects correspond to where the stem was located.

Larger objects made of Egyptian faience exist, but are less common. Such objects would have been a challenge to create and were likely hand-modelled rather than made in molds. Strategic methods, such as modelling separate parts that were then partially dried and joined together, would likely have been used (26.7.971; 17.9.1). Examples of large faience objects indicate the level of mastery achieved in this medium and reflect the fact that faience makers had an intimate understanding of their material and firing methods.

In addition to the efflorescence method described above, there are two other glazing techniques: direct application and cementation. These glazing methods aren’t necessarily mutually exclusive—they might be used alone or in combination. Direct application is similar to the modern-day method of glazing a ceramic object in which a glaze slurry is applied to a clay object. The glaze is applied to the pre-formed faience object by brushing, dipping, or pouring. Cementation is a self-glazing technique in which a formed, unglazed faience core is buried in a glazing powder. This powder contains a high percentage of flux, which partially melts and reacts with the silica in the core to form a glaze. After firing, the glazing powder is broken away from the object without sticking to the surface.

Whatever method is chosen for shaping and glazing, the dull, dry pieces must be fired in a kiln to reveal their brilliant color. During firing, the alkaline components (e.g., the salty crust formed with the efflorescence method) react with the ground quartz, copper oxide, and lime to form a glaze. Most ancient faience objects have glaze covering their entire surface, and most show no traces that indicate how they were supported in the kiln during firing. Small conical and spherical kiln supports have been found, but there is little other archaeological evidence of kiln furniture. The lack of archaeological evidence relating to firing makes it difficult for the modern scholars of faience to reconstruct how the kilns were stacked. Some have suggested that faience workers dusted their kiln shelves with a non-wetting powder such as hydrated lime, ash, or even cementation powder. Studies have shown that faience was fired at a temperature between 1598°F (870°C) and 1688°F (920°C). If temperatures in excess of 1832°F (1000°C) are achieved in the kiln, then the glaze begins to bubble excessively and flow off the object.

Close study of Egyptian faience will reveal a wide range in the quality of objects in terms of both modeling and firing techniques. The ancient Egyptians placed a high value on this medium because of the brilliant blue color that could be created with humble, readily available components. Consequently, Egyptian faience persisted for an astonishing four millennia in the Nile Valley.

Carolyn Riccardelli
Department of Objects Conservation, The Metropolitan Museum of Art








Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.















--br via tradutor do google
Faience Egípcia: Tecnologia e Produção

No antigo Egito, os objetos criados com faiança eram considerados mágicos, cheios de brilhos eternos do sol e imbuídos dos poderes do renascimento. Para os egípcios, as esculturas, os vasos, a jóia e os objetos rituais feitos de faiança brilhavam com o brilho da eternidade. Enquanto a faiança é feita de materiais comuns - quartzo, sais alcalinos, limão e corantes à base de minerais - manteve um status importante entre pedras e metais preciosos. A faiança pode ter sido desenvolvida para simular pedras preciosas semi-preciosas, muito apreciadas e raras, como turquesa. Esta substância artificial permitiu aos egípcios fazer uma grande variedade de objetos cobertos de esmaltes brilhantes e brilhantes - uma cor que estava intimamente ligada à fertilidade, à vida e às brilhantes qualidades do sol.

A Faience apareceu pela primeira vez no final do quinto milênio. e ocorreu em várias formas até o presente. É possível que sua invenção possa ter ocorrido no antigo Oriente Próximo, após o desenvolvimento de um esmalte alcalino em pedras de quartzo. Seu refinamento tecnológico e grandes triunfos, no entanto, certamente foram realizados no Egito. Alguns dos primeiros objetos de faiança feitos no Egito eram contas, logo seguidas por pequenas oferendas de templo votivo e objetos de túmulos reais. A faiança foi embutida nos móveis e nas paredes como decoração do túmulo e do templo (48.160.1; 26.7.991). As formas mais reconhecidas de faiança são pequenas figuras de deuses (55.121.5; 26.7.878), animais (26.7.899; 1989.281.96), e shabtis (26.7.919), bem como jóias (40.3.2; 74.51 .4540), amuletos (17.190.1639), escaravelhos e vasos (26.7.971).

Descrição Técnica da Faience

O termo "faiança" é na verdade um termo incorreto, como também se refere, com mais precisão, à maiolica originária de Faenza e outras cidades do norte da Itália, no final do século XV, a Maiolica é conhecida por suas cores brilhantes aplicadas em estanho branco-opacificado Esmalte; A faiança egípcia não é nem faiança nem esmalte. No entanto, uma vez que houve pouco acordo sobre um termo alternativo, a "faiança" continua a ser a mais utilizada.

A faiança egípcia é um material cerâmico com um corpo silicioso e um esmalte de cores vivas. Além da sílica, a faiança também contém sais alcalinos (a fonte do que era natr ou cinzas vegetais), pequenas quantidades de limão e um corante metálico. Embora a faiança tenha sido feita em uma variedade de cores brilhantes, a cor turquesa tão característica do material é criada com cobre. Durante o processo de queima, o álcali (que atua como um fluxo) e a cal (atuando como um estabilizador) reagem com a sílica no núcleo para formar um esmalte na superfície.

Observado em seção transversal, a microestrutura da faiança revela pelo menos duas camadas diferentes de material: um núcleo interno e uma camada externa de esmalte. O núcleo é friável e poroso, e é composto de partículas que podem variar em tamanho de fino a grosseiro. Essas partículas tendem a ser brancas, mas podem ser muito pálidas em azul, verde, marrom ou cinza, dependendo das impurezas contidas nos materiais originais. A maior parte deste material do núcleo é constituída por grãos de quartzo angulares sem partículas de argila visíveis, e sempre tem a aparência de ser artificialmente em pó. Os grãos de quartzo no núcleo são revestidos e mantidos no lugar por pequenas quantidades de um vidro soda-limão-silicato.

Este vidro intersticial parece incolor e transparente em seção transversal, mas no esmalte na superfície exterior observa-se um efeito óptico muito diferente: translucidez. O núcleo de quartzo esmagado, visível sob o esmalte, cria um chão branco irregular que dispersa a luz. O resultado é uma aparência de profundidade difusa e quase variegada que se parece muito às qualidades ópticas da turquesa. A maneira pela qual a luz atinge a interface entre o núcleo e o esmalte dá uma impressão de brilho e translucidez. Steatite, uma pedra macia e facilmente esculpida para a qual foram aplicadas esmaltes similares, é muito mais suave nessa interface e não dispersa a luz da mesma maneira que a faience (17.190.2011). Esta distinção pode oferecer uma explicação sobre por que a faiança, que é difícil de formar, pode ter substituído o esteatite glacé como um método preferido para produzir para produzir objetos valorizados.

Matéria prima


As humildes matérias-primas para criar a faiança estavam disponíveis nos arredores imediatos dos egípcios. A sílica poderia ter sido adquirida de areias finas do deserto ou de pedras de quartzo, pedras de quartzo ou calcário silicáceo, todas abundantes no Egito. A areia de quartzo da pureza contida em núcleos de faiança é extremamente rara. A rocha de quartzo ocorre como veias em rochas ígneas do deserto do Egito Oriental. Essa pedra teria produzido bons materiais para a faiança, mas não era facilmente acessível e teria exigido mão de obra significativa para adquirir. Os seixos de quartzo branco parecem ser a fonte mais provável de sílica para a faiança, pois são abundantes no deserto e fáceis de adquirir. Mineração e escultura de granito ou arenito pode ter proporcionado uma fonte significativa de sílica para a indústria da faiança. Alguns estudiosos propuseram que as matérias-primas para a faiança fossem obtidas como subproduto da perfuração de pedras duras. As ferramentas de cobre foram utilizadas com areia abrasiva para perfurar ou serrar granito e artefatos de pedra calcária dura. Os resíduos de pó deste processo consistiam em quartzo e lima do calcário, e também continham partículas de cobre da broca, potencialmente fornecendo uma fonte pronta para que os materiais façam a faiança.

O solo egípcio é rico em substâncias salinas, como niter, natron, alum, sal de rocha e sais marinhos, o que poderia ter fornecido o componente alcalino para a faiança. Niter forma-se como uma eflorescência na superfície do solo durante períodos secos. Natron é coletado das incrustações salinas de lagoas de lago seco de Wadi Natrun, no oeste do Delta do Nilo. O sal e o alun da rocha são extraídos da terra.

Fazendo Faience


Havia vários métodos de fabricação para a faiança, mas a mais comum era uma técnica de auto-vidraça referida como o "método de eflorescência". Para fazer a faiança com este método de vidro, os sais alcalinos solúveis em água são combinados com quartzo em pó, um pouco de lima e um corante (por exemplo, cobre proveniente de aparas metálicas ou pedras ricas em cobre esmagadas, como a malaquita). Os ingredientes secos são misturados com água para criar uma pasta que é então formada na forma desejada. Assim que a pasta é formada, começa a notar a diferença entre a faiança e a argila. A faiança é tixotrópica, o que significa que a pasta parece ser sólida, mas se torna mais fluida e cai como modelada. Uma pasta feita de amido de milho e água exibe comportamento semelhante.

Não é apenas a fieza de pasta de tixotrópica, também não é de plástico. Fede quando curvado e tem pouca habilidade para suportar seu próprio peso. Devido a essas propriedades físicas, a faiança não pode ser formada em objetos usando as mesmas técnicas que a argila do oleiro; Jogar a faiança em uma roda para fazer embarcações é possível, mas essa técnica foi usada apenas em uma extensão limitada. Pequenos amuletos e grânulos poderiam ser formados por modelagem manual, mas uma das maneiras mais comuns de moldar a faiança era com moldes de argila, como é evidenciado pela multiplicidade de moldes de faiança encontrados no registro arqueológico (21.9.23). A pasta também pode ser trabalhada em uma laje agitando e tapando para criar objetos planos, como inlays ou telhas. Outra técnica para trabalhar com faiança é formar a pasta em torno de um núcleo orgânico que queima durante o disparo. Uma camada de pasta foi modelada em torno do núcleo combustível ou foi mergulhada em uma pasta de ingredientes de faiança. Existem exemplos de frutas de faiança oca que foram feitas por revestimento de frutas reais. Os orifícios nesses objetos correspondem a onde o tronco estava localizado.

Maiores objetos feitos de faiança egípcia existem, mas são menos comuns. Tais objetos teriam sido um desafio para criar e provavelmente foram modelados à mão em vez de feitos em moldes. Métodos estratégicos, como a modelagem de partes separadas que foram parcialmente parcialmente secas e juntas, provavelmente teriam sido usadas (26.7.971; 17.9.1). Exemplos de grandes objetos de faiança indicam o nível de domínio alcançado neste meio e refletem o fato de que os fabricantes de faias tiveram uma compreensão íntima de seus materiais e métodos de disparo.

Além do método de eflorescência descrito acima, existem duas outras técnicas de vidro: aplicação direta e cimentação. Esses métodos de vitrificação não são necessariamente mutuamente exclusivos - eles podem ser usados ​​sozinhos ou em combinação. A aplicação direta é semelhante ao método moderno de vitrificação de um objeto cerâmico no qual uma pasta esmaltada é aplicada a um objeto de argila. O esmalte é aplicado ao objeto de faiança pré-formado por escovação, imersão ou vazamento. A cimentação é uma técnica de auto-vitrificação na qual um núcleo de faiança formado e não esmaltado é enterrado em um pó de vitrificação. Este pó contém uma alta porcentagem de fluxo, que parcialmente derrete e reage com a sílica no núcleo para formar um esmalte. Após a queima, o pó de vitrificação é quebrado do objeto sem aderir à superfície.

Seja qual for o método escolhido para modelagem e vidros, as peças maçantes e secas devem ser disparadas em um forno para revelar sua cor brilhante. Durante a queima, os componentes alcalinos (por exemplo, a crosta salgada formada com o método de eflorescência) reagem com o quartzo moído, óxido de cobre e lima para formar um esmalte. A maioria dos objetos de faiança antiga têm esmalte cobrindo toda a sua superfície, e a maioria não mostra vestígios que indicam como eles foram apoiados no forno durante o disparo. Foram encontrados pequenos suportes de forno cônico e esférico, mas há pouca evidência arqueológica de móveis de forno. A falta de evidências arqueológicas relativas aos disparos torna difícil para os estudiosos modernos da faiança reconstruir como os fornos foram empilhados. Alguns sugeriram que os trabalhadores de faiança despejavam suas prateleiras de forno com um pó não molhante, como lima hidratada, cinza ou mesmo pó de cimentação. Estudos demonstraram que a faiança foi disparada a uma temperatura entre 1598 ° F (870 ° C) e 1688 ° F (920 ° C). Se as temperaturas acima de 1832 ° F (1000 ° C) forem alcançadas no forno, então o esmalte começa a borbulhar excessivamente e afunda o objeto.

Estudo próximo da faiança egípcia revelará uma ampla gama na qualidade dos objetos em termos de técnicas de modelagem e de disparo. Os antigos egípcios colocaram um alto valor nesse meio devido à brilhante cor azul que poderia ser criada com componentes humildes e prontamente disponíveis. Consequentemente, a faiança egípcia persistiu por um impressionante quatro milênios no Vale do Nilo.

Carolyn Riccardelli
Conservação do Departamento de Objetos, o Museu Metropolitano de Arte







--chines simplificado
埃及的知识:技术和生产

在古埃及,用细腻的东西创造的物体被认为是神奇的,充满了太阳的永恒的微光,充满了重生的力量。对于埃及人来说,由彩陶制成的雕塑,器皿,珠宝和仪式物品闪烁着永恒的光辉。而常见的材料 - 石英,碱性盐,石灰和矿物基着色剂 - 在宝石和金属中保持着重要的地位。可能已经开发出模拟高度珍贵和罕见的半宝石蓝宝石,如绿松石。这种人造物质使埃及人能够制作各种各样的物体,上面覆盖着闪闪发亮,明亮的蓝色釉,这种颜色与生育力,生命和太阳闪闪发光的品质息息相关。

在第五个千年年底结束时,并且直到今天以各种形式出现。在石英石上发展碱性釉之后,古代近东地区的发明有可能发生。然而,它的技术完善和主要的胜利在埃及当然是完成的。埃及制造的一些最早的彩陶物品是珠子,紧接着是小奉献寺庙和皇室墓碑。彩陶镶嵌在家具里面,如同墓室和庙宇装饰(48.160.1; 26.7.991)。最知名的彩陶形式是小神像(55.121.5; 26.7.878),动物(26.7.899; 1989.281.96)和shabtis(26.7.919),以及珠宝(40.3.2; 74.51 .4540),护身符(17.190.1639),圣甲虫和船只(26.7.971)。

技术说明

“彩陶”一词实际上是一个用词不当,因为它更准确地指的是十五世纪后期源于意大利北部的法恩扎和其他城镇的木ica草。木ica草是一种以其明亮的颜色着称的陶器,以白色的不透明的白色釉;埃及的彩陶既不是陶器也不是镀锡的。然而,由于在替代术语方面几乎没有一致意见,所以“彩陶”仍然是最常用的。

埃及的彩陶是一种具有硅质体和鲜艳釉的陶瓷材料。除二氧化硅之外,彩陶还含有碱性盐(其来源是内酯或植物灰),少量石灰和金属着色剂。虽然彩陶是用一系列鲜艳的色彩制成的,但是这种材料所特有的绿松石蓝色是由铜制成的。在烧制过程中,碱(充当助熔剂)和石灰(充当稳定剂)与核心中的二氧化硅反应以在表面上形成釉。

在横截面上观察,彩陶的微观结构至少揭示了两层不同的材料:内核和外层釉。核心是易碎的和多孔的,并且由粒度从细到粗的粒子组成。这些颗粒往往是白色的,但可能是非常浅的蓝色,绿色,棕色或灰色,这取决于原材料中所含的杂质。这种核心材料的大部分是由角形石英颗粒组成,没有任何可见的粘土颗粒,并且总是具有人造粉末的外观。核心中的石英颗粒被少量的钠钙硅酸盐玻璃涂覆和固定。

这种间质玻璃在横截面上看起来是无色透明的,但在外表面上的釉中观察到了非常不同的光学效应:半透明性。在釉下方可见的碎石英石创造了一个不规则的白色地面,散射光线。其结果是一个弥漫的,几乎杂色的深度的外观,非常类似于绿松石的光学质量。光线照射在核心和釉面之间的界面给人一种亮度和半透明的印象。滑石是一种柔软的易于雕刻的石头,其上涂有类似的釉料,在这个界面上更光滑,不会像彩陶那样散射光线(17.190.2011)。这种区别可能提供一个解释,为什么很难形成的彩色玻璃可能已经取代玻璃滑石作为生产珍贵物品的首选方法。

原料


在埃及人周围的环境中可以找到制造微妙的原材料。二氧化硅可能来自细沙漠的沙子,或者是石英岩,石英卵石或硅灰石,而这些都是埃及丰富的。包含在彩晶核中的纯度的石英砂是非常罕见的。石英岩在东埃及沙漠的火成岩中以静脉形式出现。这样的岩石本来会产生好的材料,但不容易获得,需要大量的劳力才能获得。白色的石英砾石似乎是最有可能的二氧化硅的来源,因为它们在沙漠中很丰富,易于获得。花岗岩或砂岩的开采和雕刻可能为彩陶行业提供了重要的二氧化硅来源。有学者提出,作为一种硬质石材钻孔的副产品,获得了细腻的原材料。铜工具被用于研磨砂钻或锯花岗岩和硬石灰石文物。这个过程中产生的废粉由石灰石和石灰石组成,还含有来自钻头的铜颗粒,可能为材料提供便利来源,使其成为彩陶。

埃及土壤含有丰富的盐类物质,如硝酸盐,钠盐,明矾,岩盐和海盐,所有这些盐都可以为碱性物质提供碱性成分。在干燥的时期,Niter在土壤表面形成风化。 Natron是从尼罗河三角洲以西的Wadi Natrun干湖床盐碱地收集的。岩盐和明矾是从地下开采的。

让人着迷

有许多制造彩陶的方法,但最常见的是一种称为“风化方法”的自上釉技术。为了使这种上釉方法成为彩陶,水溶性碱性盐与粉状石英,一些石灰和着色剂(例如来源于金属屑的铜或者诸如孔雀石的碎铜富石)。将干燥的成分与水混合以形成糊状物,然后形成所需的形状。一旦糊状物形成,人们开始注意到彩陶和粘土之间的区别。熟知是触变性的,这意味着糊剂似乎是一种固体,但变得更流畅和滑落,因为它是模仿。由玉米淀粉和水制成的糊剂表现出类似的行为。

彩泥不仅触变性,而且也是非塑性的。它弯曲时会裂开,而且几乎没有支撑自身重量的能力。由于这些物理特性,使用与陶土相同的技术不能将彩陶形成物体;把轮子扔在轮子上使船只成为可能,但这种技术只能在有限的程度上使用。小型的护身符和珠子可以通过手工造型形成,但塑造彩陶的最常用的方法之一是用粘土模具,这可以从考古学记录(21.9.23)中发现的众多的彩陶模型中得到证明。通过摇动和拍打,也可以将糊剂加工成平板,以制造诸如嵌体或瓷砖的平面物体。另一种与彩陶一起使用的技术是围绕在烧制过程中烧毁的有机芯形成糊状物。将一层糊状物模拟在可燃芯体周围,或将其浸入彩泥成分的浆液中。有一些中空的水果是通过涂抹实际水果而制成的。这些物体上的孔对应于茎所在的位置。

埃及的细微物品存在较大的物体,但不太常见。这样的东西本来就是一个挑战,而且很可能是手工制作而不是模具制作的。战略方法,如建模单独的部分,然后部分干燥和连接在一起,可能会被使用(26.7.971; 17.9.1)。大型彩陶物品的例子表明了这种媒介所达到的掌握程度,并反映了彩陶制造者对其材料和烧制方法有深刻的了解。

除了上述的风化方法之外,还有两种其他上釉技术:直接施加和胶结。这些上釉方法不一定是相互排斥的 - 它们可以单独使用或组合使用。直接应用类似于上釉陶瓷物体的现代方法,其中将釉浆施加到粘土物体上。通过刷涂,浸渍或倾倒将釉涂抹到预先形成的彩陶物体上。胶结是一种自上釉的技术,其中形成的,未上釉的彩陶芯被埋在上釉粉中。这种粉末含有高百分比的助熔剂,其部分熔化并与芯中的二氧化硅反应形成釉。烧成后,上光粉不会粘在表面上而从物体上脱落。

无论选择何种方法来成型和上釉,都必须在窑中烧制干燥的干燥块,以显示其明亮的颜色。在焙烧期间,碱性组分(例如用风化法形成的咸壳)与研磨的石英,氧化铜和石灰反应形成釉料。大多数古代的彩陶物体的釉面覆盖整个表面,大多数没有迹象表明它们在烧制过程中如何在窑内得到支撑。已经发现小型圆锥形和球形窑炉支架,但是没有其他的窑具考古证据。由于缺乏与射击有关的考古证据,现代的儒家学者很难重建窑的堆放方式。一些人建议,彩陶工人用熟石灰,灰分,甚至胶结粉等非润湿粉末在窑架上撒灰。研究表明,温度在1598°F(870°C)和1688°F(920°C)之间的温度下发射。如果在窑内达到超过1832°F(1000°C)的温度,则釉料开始过度地起泡并从物体上流出。

对埃及的彩陶进行仔细的研究,将会在建模和击发技术方面展现广泛的物体品质。古埃及人对这种媒介高度重视,因为它可以用谦逊,容易获得的组件创造出来的蓝色。因此,埃及的精神在尼罗河谷持续了四千年。

卡罗琳Riccardelli
大都会艺术博物馆对象保护系