Listen to the text.

quarta-feira, 14 de março de 2018

The Jamaican model agency bringing diversity to fashion’s biggest runways. - A agência modelo jamaicana traz a diversidade para as maiores pistas de pista da moda

Founded by Deiwght Peters in 2000, Saint International’s models have walked for Gucci, Balenciaga and Chanel

Fashion is further behind than it should be when it comes to diversity, but ongoing conversations around the topic are slowly but surely paying off. When it comes black models and their increased presence on the catwalk over the years, one person to thank is Deiwght Peters – founder of Jamaican agency Saint International.



In fact, his models are basically at every major runway show. During the recent AW18 womenswear shows, Saint faces walked in Chanel, Balenciaga, Burberry, Jacquemus, Gucci, Coach, and Dries Van Noten – to name a few. And it isn’t just the girls – four of the agency’s boys walked in the last Wales Bonner show, with the designer writing a special shoutout in her show notes.

Founded in 2000, Peters’ agency is probably the world’s biggest go-to for black models – providing over 150 Jamaican faces to agencies all over the globe. His driving force is simple. “For me, it was always an appreciation for black skin. There is a lot of beauty in being black,” he says of what inspires him. “Coming from a small Caribbean island that is not really into fashion, it was really the idea of: ‘How do you position these faces in a way that is respected, applauded, appreciated, and they get to work with the best brands and casting directors in the world?’”

More than just an agent, Peters is like a father to the young faces under his care – most of whom have never left home, let alone Jamaica. “I am very protective of my models, so they sometimes call me ‘Pops’,” he explains. Eternally optimistic, the agent doesn’t believe fashion (currently feeling the heat after revelations of mistreatment by some of its biggest stars) is a lost cause. “It all comes to an end, no matter how powerful you think these people are,” he says. “That’s what we’re witnessing now. The industry has started to evolve – it is moving away from the abusive stereotype people used to ascribe to it.”

Here, we talk to Peters on founding the agency and increasing diversity within the industry.
-
How was Saint Models first founded?

Deiwght Peters: Saint started as a talent management company for musicians, but I didn’t have any background in it. Then back in 2001, one of the first televised model searches in the world was born which came about through a friend who was working for one of the top television stations in Jamaica. It was called the Faces Of Summer. During the summer months, we would go all across Jamaica and had cameras following us. It was groundbreaking because people had never seen this before, we were taking them right through the creative process of finding a new Jamaican model. It catapulted us to the forefront of the industry. People started showing respect and we started developing very close relationships with agents in all the major markets – even the more commercial ones in LA, in Miami, Chicago. I started learning and appreciating the creative dynamics of the industry; how the relationships work, the politics of it all.

What do you try to bring to the industry with your agency?

Deiwght Peters: Healthy, beautiful black girls and boys who definitely can represent an international brand at the highest level. It’s about really refining the eye, understanding the aesthetic of the global market, what the expectations are, and just respecting it. The market is much more democratic than it was before. You have wonderful, intelligent casting directors who are now understanding the demographics in a global space and what really will work.

“As black people I believe we are confident, powerful, strong, and beautiful and once you package that within the realm of being a model you can go very far” – Deiwght Peters 



What is your role during the season of shows?

Deiwght Peters: A lot of things! Just before the season begins, I make submissions and then you start getting feedback on who could be cast or optioned for the upcoming shows. It’s about getting everything organised and training the models before they go, how to be respectful and upbeat and positive about the experience. I work very closely with parents who trust me with their kids. I make sure everybody – the family and otherwise – are fully aware of what is expected. I’m very real so I don’t give too many false hopes or expectations. I’m not going to say to a model ‘Oh you’re booked’ from the start. It may be confirmed, it may not be confirmed. This process is new but they need to understand it, so I break it down in simple terms.

So a lot of your job is being their guardian, really?


Deiwght Peters: If they’re 17 or 18, to me they’re still young, especially if they are just starting out. I make sure all the appropriate paperwork is in order, making sure the correct authorisations are signed and that the visas are processed in a timely manner. Chaperoning them is definitely a key responsibility, making sure they eat on time – my Jamaican models love to eat. I don’t have a problem cooking sometimes because I just want to make sure it’s a healthy, positive experience all around.

Have you found it challenging getting recognition for your models in an industry that favours Eurocentric beauty ideals?

Deiwght Peters: It’s not to say that there haven’t been challenges, but what I believe is that it’s a matter of timing. Let’s take the girl who is now fronting Prada campaigns (Anok Yai), who was discovered on social media. She may have been thought as being too dark-skinned by some modelling agents, but now people can see her in a whole different space, the market is different. Over time things will evolve. Some clients I believe were just closed to what may have been a stereotype that they themselves developed about what a black model represented.

I always look to Naomi Campbell and Iman from a different perspective than most people. What I like is that there’s a substantive elegance that is consistent among all these black models that make it to the top. I believe it is of paramount importance that it is not about changing who you are, or your fundamental beliefs and cultural identity. As black people I believe we are confident, we are powerful, we are strong, we are beautiful and once you package that you can go very far as a model.



Do you think diversity in modelling has changed over the years?

Deiwght Peters: The new age of casting directors, whether it’s Ashley Brokaw, Piergiorgio Del Moro or Anita Bitton, have played a key role in opening the doors to diversity and having more diverse runways. The designers themselves who front international brands have recognised that the global market demographic is definitely changing, so they have to make sure that their casting for the runway is consistent with what is happening now.

I think one of the biggest changes has been social media and Instagram. Now, casting directors themselves are empowered, they are no longer limited by agents who might be limited in perspective, who may decide who they want to send to a casting director. Social media has democratised the casting process in that a casting director can go on Instagram and discover talent that an agent may not have fed to them because they may not represent that model in the respective market, or they may not necessarily think the model suits their ideal of the aesthetic they promote.

How do you try and protect your models from dangers within the industry?

Deiwght Peters: I am very open with models, I try to explain that the world is what it is, there are good people and there are bad people. It’s not about limiting it to being in modelling or fashion, it’s everywhere. I always say to them, do not sell yourself short. Do not let anyone tell you you have to do something to get something. We try to make sure the expectations are very high when it comes to integrity, I am very, very strong on that. You have to be on time, you have to be professional but I do not believe you have to do anything that makes you uncomfortable, or that you do not wish to do. I manage the models and I manage the families – it’s important that the kids can report to their mums, their dads, their uncles, their grandfathers, and not to come back with ‘I was forced to do this, I was being pressured to do that’.

What have some of your highlights been over the years?

Deiwght Peters: One of my fondest experiences was when I took one of my first winners of the Faces of Summer contest to Paris. One agent said to us ‘We like the girl, we’re going to send you to meet Azzedine Alaïa.’ I didn’t realise how important he was in the world of fashion. It was the most amazing experience that I still cherish to this day, and I have a picture I took in the atelier with him measuring my model. He asked us if we had problems placing her with Paris agencies and said ‘I’ll send you to meet with Karin Models,’ because that’s where Naomi Campbell was at the time. In the end, that’s where we placed her. So that was one of my first relationships in Paris. 



A poignant moment for me over this last season was backstage at Balenciaga. I realised that one of my models had the World Food Programme motto ‘Saving lives, Changing lives’ on her back and I was blown because the tagline for Saint is ‘Changing lives, Expanding horizons’. On that day we were celebrating a record of eight models on such a prestigious runway so it was really a moment for me to just step back and say ‘Wow, this is incredible!’

How do you plan to continue growing the agency?

Deiwght Peters: People keep asking how I keep finding the models. For me, the main thing is our global brand, there are models who have been sending stuff on DM through Instagram and Facebook from Nigeria, Kenya, the US, England saying they have seen how well we have done in terms of black models. It’s about accessing more markets and giving more people an opportunity. There are several markets we’re looking at, more within the region of the Caribbean and definitely in Africa.

There are some challenges, in terms of making sure things work, understanding all of the immigration processes across the world. Whether we can get a visa easily, if not. What are the barriers? It’s important for me to be informed in immigration-related matters. I want to get into more territories and create more opportunities for these young people. For me, that’s what it’s all about.

@saintmodelsja






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing








--br via tradutor do google
A agência modelo jamaicana traz a diversidade para as maiores pistas de pista da moda

Fundada por Deiwght Peters em 2000, os modelos da Saint International caminharam para Gucci, Balenciaga e Chanel

A moda está mais atrasada do que deveria ser quando se trata da diversidade, mas as conversas em curso em torno do tema são lentas, mas certamente pagam. Quando se trata de modelos negros e sua maior presença na passarela ao longo dos anos, uma pessoa a agradecer é Deiwght Peters - fundador da agência jamaicana Saint International.

Na verdade, seus modelos são basicamente em todos os principais shows de pista. Durante as recentes exibições femininas AW18, Saint faces entrou em Chanel, Balenciaga, Burberry, Jacquemus, Gucci, Treinador e Dries Van Noten - para citar alguns. E não são apenas as meninas - quatro dos meninos da agência entraram no último show de Wales Bonner, com o designer escrevendo um shoutout especial nas notas do show.

Fundada em 2000, a agência de Peters é provavelmente a maior do mundo para modelos negros - fornecendo mais de 150 rostos jamaicanos para agências em todo o mundo. Sua força motriz é simples. "Para mim, sempre foi uma apreciação da pele preta. Há muita beleza em ser negra ", ele diz sobre o que o inspira. "Vindo de uma pequena ilha do Caribe que não é realmente de moda, era realmente a idéia de:" Como você posiciona esses rostos de uma maneira que é respeitada, aplaudida, apreciada e que eles conseguem trabalhar com as melhores marcas e o elenco diretores no mundo? '"

Mais do que apenas um agente, Peters é como um pai para os jovens rostos sob seus cuidados - a maioria dos quais nunca saiu de casa, e muito menos a Jamaica. "Eu sou muito protetor dos meus modelos, então eles às vezes me chamam de 'Pops'", ele explica. Etimamente otimista, o agente não acredita que a moda (atualmente sentindo o calor após revelações de maus tratos por algumas das suas maiores estrelas) é uma causa perdida. "Tudo acaba, não importa quão poderoso você pense que essas pessoas são", diz ele. "Isso é o que estamos testemunhando agora. A indústria começou a evoluir - está se afastando do estereótipo abusivo que as pessoas costumavam atribuir a ele ".

Aqui, conversamos com Peters para fundar a agência e aumentar a diversidade dentro da indústria.
-
Como foi fundado o Saint Models?

Deiwght Peters: a Saint começou como uma empresa de gestão de talentos para músicos, mas não tinha antecedentes. Então, em 2001, uma das primeiras pesquisas de modelo televisionado no mundo nasceu, que surgiu através de um amigo que estava trabalhando para uma das melhores estações de televisão na Jamaica. Foi chamado Faces Of Summer. Durante os meses de verão, íamos por toda a Jamaica e tivemos câmeras que nos seguiram. Foi inovador porque as pessoas nunca tinham visto isso antes, nós o seguíamos pelo processo criativo de encontrar um novo modelo jamaicano. Isso nos levou à liderança da indústria. As pessoas começaram a mostrar respeito e começamos a desenvolver relacionamentos muito próximos com agentes em todos os principais mercados - mesmo os mais comerciais em Los Angeles, em Miami, Chicago. Comecei a aprender e a apreciar a dinâmica criativa da indústria; como os relacionamentos funcionam, a política de tudo.

O que você tenta trazer para a indústria com sua agência?

Deiwght Peters: meninas e meninos pretos saudáveis ​​e bonitas que definitivamente podem representar uma marca internacional ao mais alto nível. Trata-se de realmente refinar o olho, entender a estética do mercado global, quais são as expectativas e apenas respeitá-lo. O mercado é muito mais democrático do que antes. Você tem diretores de elenco maravilhosos e inteligentes que agora estão compreendendo a demografia em um espaço global e o que realmente funcionará.

"Como pessoas negras, acredito que somos confiantes, poderosos, fortes e bonitos e, uma vez que você embala isso dentro do domínio de ser um modelo, você pode ir muito longe" - Deiwght Peters

Qual é o seu papel durante a temporada de shows?

Deiwght Peters: Muitas coisas! Pouco antes do início da temporada, faço envios e, em seguida, você começa a receber comentários sobre quem pode ser lançado ou selecionado para os próximos shows. Trata-se de organizar tudo e treinar os modelos antes de ir, como ser respeitoso e positivo e positivo sobre a experiência. Eu trabalho muito de perto com os pais que confiam em mim com seus filhos. Tenho certeza de que todos - a família e de outra forma - estão plenamente conscientes do que se espera. Eu sou muito real, então eu não dou muitas esperanças falsas ou expectativas. Eu não vou dizer a um modelo 'Oh, você está reservado' desde o início. Pode ser confirmado, pode não ser confirmado. Este processo é novo, mas eles precisam entender isso, então eu dividi-lo em termos simples.

Então, muito do seu trabalho é ser seu guardião, de verdade?


Deiwght Peters: se eles têm 17 ou 18 anos, para mim eles ainda são jovens, especialmente se eles estão apenas começando. Tenho certeza de que toda a documentação apropriada está em ordem, certificando-se de que as autorizações corretas estão assinadas e que os vistos são processados ​​em tempo hábil. Ajudá-los é definitivamente uma responsabilidade fundamental, certificando-se de que comem a tempo - meus modelos jamaicanos adoram comer. Não tenho problemas para cozinhar às vezes porque eu só quero ter certeza de que é uma experiência saudável e positiva ao redor.

Você achou desafiante obter o reconhecimento de seus modelos em uma indústria que favorece os ideais de beleza eurocêntrica?

Deiwght Peters: Não quer dizer que não houve desafios, mas o que eu acredito é que é uma questão de timing. Vamos levar a garota que agora está enfrentando as campanhas da Prada (Anok Yai), que foi descoberto nas redes sociais. Ela pode ter sido pensada como sendo muito escura por alguns agentes de modelagem, mas agora as pessoas podem vê-la em um espaço completamente diferente, o mercado é diferente. Ao longo do tempo, as coisas irão evoluir. Alguns clientes, eu acredito, foram apenas fechados para o que pode ter sido um estereótipo que eles mesmos desenvolveram sobre o que um modelo preto representava.

Eu sempre olho para Naomi Campbell e Iman de uma perspectiva diferente da maioria das pessoas. O que eu gosto é que existe uma elegância substantiva que é consistente entre todos esses modelos pretos que chegam ao topo. Eu acredito que é de suma importância que não se trata de mudar quem você é, ou suas crenças fundamentais e identidade cultural. Como pessoas negras, acreditamos que somos confiantes, somos poderosos, somos fortes, somos lindos e, uma vez que você embala, você pode ir muito longe como um modelo.


Você acha que a diversidade na modelagem mudou ao longo dos anos?

Deiwght Peters: A nova era dos diretores de elenco, seja Ashley Brokaw, Piergiorgio Del Moro ou Anita Bitton, desempenharam um papel fundamental na abertura das portas à diversidade e em pistas de pouso mais diversas. Os próprios designers que enfrentaram marcas internacionais reconheceram que o mercado global do mercado está definitivamente mudando, então eles precisam se certificar de que seu elenco para a pista é consistente com o que está acontecendo agora.

Eu acho que uma das maiores mudanças foi a mídia social e o Instagram. Agora, os próprios diretores de elenco estão habilitados, eles não são mais limitados por agentes que podem ser limitados em perspectiva, que podem decidir quem eles querem enviar para um diretor de elenco. As mídias sociais democratizaram o processo de casting na medida em que um diretor de elenco pode seguir Instagram e descobrir o talento que um agente pode não ter alimentado por eles porque eles podem não representar esse modelo no respectivo mercado, ou talvez eles não pensem necessariamente que o modelo se adapte às suas ideal da estética que promovem.

Como você tenta e protege seus modelos de perigos dentro da indústria?

Deiwght Peters: Estou muito aberto com modelos, eu tento explicar que o mundo é o que é, há pessoas boas e há pessoas ruins. Não se trata de limitar a modelagem ou moda, está em toda parte. Eu sempre digo para eles, não se vendam a curto. Não permita que ninguém lhe diga que você tem que fazer algo para conseguir algo. Nós tentamos nos certificar de que as expectativas são muito altas quando se trata de integridade, eu sou muito, muito forte nisso. Você tem que estar na hora, você tem que ser profissional, mas não acredito que você tenha que fazer qualquer coisa que o deixa desconfortável, ou que você não deseja fazer. Gerenciei os modelos e administro as famílias - é importante que as crianças possam se reportar a suas mães, seus pais, seus tios, seus avós e não voltarem com 'Eu fui forçado a fazer isso, eu estava sendo pressionado a fazer aquele'.


Quais foram alguns dos seus destaques ao longo dos anos?

Deiwght Peters: Uma das minhas melhores experiências foi quando levei um dos meus primeiros vencedores do concurso Faces of Summer a Paris. Um agente nos disse: "Nós gostamos da menina, nós vamos mandá-lo para conhecer Azzedine Alaïa." Eu não percebi o quão importante ele estava no mundo da moda. Foi a experiência mais incrível que ainda aprecio até hoje, e eu tenho uma foto que peguei no ateliê com ele medindo meu modelo. Ele nos perguntou se tínhamos problemas para colocá-la com as agências de Paris e dissemos: "Vou enviar você para se encontrar com Karin Models", porque naquele tempo era Naomi Campbell. No final, é aí que a colocamos. Então, esse foi um dos meus primeiros relacionamentos em Paris.

Um momento pungente para mim durante esta última temporada foi nos bastidores de Balenciaga. Eu percebi que um dos meus modelos tinha o lema do Programa Mundial de Alimentos "Salvando vidas, Mudando vidas" de costas e fui explodido porque o slogan para São é "Mudando vidas, Expansão de horizontes". Naquele dia, celebramos um recorde de oito modelos em uma pista tão prestigiada, então foi realmente um momento para eu simplesmente dar um passo atrás e dizer 'Uau, isso é incrível!'

Como você planeja continuar crescendo a agência?

Deiwght Peters: As pessoas continuam perguntando como eu continuo encontrando os modelos. Para mim, o principal é a nossa marca global, existem modelos que enviaram material para o DM através do Instagram e do Facebook da Nigéria, do Quênia, dos EUA e da Inglaterra, dizendo ter visto o quão bem nós fizemos em termos de modelos negros. Trata-se de acessar mais mercados e dar mais oportunidades a pessoas. Existem vários mercados nos quais estamos olhando, mais na região do Caribe e definitivamente na África.

Há alguns desafios, em termos de garantir que as coisas funcionem, compreendendo todos os processos de imigração em todo o mundo. Quer possamos obter um visto facilmente, se não. Quais são as barreiras? É importante que eu seja informado em assuntos relacionados à imigração. Quero entrar em mais territórios e criar mais oportunidades para esses jovens. Para mim, é disso que se trata.

@saintmodelsja

Yves Saint Laurent Museum Paris: 40 new precious models come out of the reserves. - Musée Yves Saint Laurent Paris : 40 nouveaux précieux modèles sortent des réserves. - Yves Saint Laurent Museum Paris: 40 novos modelos preciosos saem das reservas.

Evening jacket tribute to Georges Braque signed Yves Saint Laurent Paris 
© Yves Saint Laurent Museum Paris. Alexandre Guirkinger


The Yves Saint Laurent Museum, opened at the end of 2017, renews its retrospective journey of the couturier's work. Presented in the historic site of the old fashion house, 40 new haute couture models are included, starting from March 13, while other models return to the reserves for conservation reasons.

Rotating works for conservation

"The Yves Saint Laurent Paris Museum presents its off-the-shelf collections that allow direct proximity to visitors who are then immersed in the intimacy of a fashion house, with textiles being among the most sensitive organic materials to be preserved, their exposure to the light, the dust and their submission to strong tensions when presented on mannequins must be limited "says Aurélie Samuel, Director of Collections Museum Yves Saint Laurent Paris.

Yves Saint Laurent Paris Short Evening Dress
© Yves Saint Laurent Museum Paris. Alexandre Guirkinger

Thus most of the works presented since October 3, 2017 will reinstate the reserves and will be replaced from March 13, 2018 by some forty similar works some of which are shown for the first time. The organization of the course and the themes remain unchanged.

Yves Saint Laurent Paris Evening Dress
© Yves Saint Laurent Museum Paris. Alexandre Guirkinger

Among these iconic creations, there is a heather taffeta dress from the spring-summer 1986 collection, the jacket called "Mirror Broken" or an embroidered cape in tribute to the painter Georges Braque. From the opulence of embroidery to nerve fabrics of silk gazar, clean lines to patchwork evening dresses, the course combines the many aesthetic and technical facets of Yves Saint Laurent's creations.

Yves Saint Laurent Paris Evening Set
© Yves Saint Laurent Museum Paris. Alexandre Guirkinger

A renewed inaugural course

"The inaugural exhibition of the Yves Saint Laurent Museum in Paris is an exceptional presentation of the work of Yves Saint Laurent, which we wish to show during the first year of opening, and particularly emblematic but rarely exhibited pieces are shown here. Yves Saint Laurent collection from 1962 - which will be the only section of the museum that will not be the subject of a renewal of textile works on March 13, "said Olivier Flaviano, Director of the Yves Saint Laurent Museum in Paris.

Yves Saint Laurent Paris broken mirror evening jacket
© Yves Saint Laurent Museum Paris. Alexandre Guirkinger

The opening course - which runs until September 9, 2018 - reflects the creative genius of the designer through fifty or so haute couture pieces accompanied by accessories, sketches, photographs or films. The most emblematic models - tuxedos, saharienne, jumpsuits, trench coats - which are the quintessence of the Saint Laurent style, rub shoulders with his homage to art, including his collections inspired by China, Morocco and Spain. and Russia.

Yves Saint Laurent Paris Long Evening Dress
© Yves Saint Laurent Museum Paris. Alexandre Guirkinger

Next exhibition: "The dream Asia of Yves Saint Laurent"

Asia has long had a fascination with European artists. This "temptation of the Orient" has partly been diffused by the gradual arrival of works of art and textiles, inexhaustible sources of inspiration for painters, sculptors and fashion designers. Yves Saint Laurent proposed a literal and imaginary vision of Asia based on a knowledge of his history, culture and arts, as evidenced by his personal library and the collection of works of art he gathered with Pierre Bergé.




The exhibition "The Asian dream of Yves Saint Laurent", in October 2018, will bring together about fifty models. They will be accompanied by original drawings, jewelry and Asian objects to understand the process of creating clothing. Objects from the National Museum of Asian Arts - Guimet and Samuel Myers collection will be exhibited next to the creations of the designer.

A place of memory

Housed in the historic mansion of 5 avenue Marceau, where the creations of Yves Saint Laurent were born during nearly thirty years, from 1974 to 2002, the course also explores the life of the fashion house and the creative process of a collection. It is the witness of the history of the twentieth century and haute couture that accompanied a certain lifestyle now disappeared.

The couturier Yves Saint Laurent in his studio
© Courtesy of Yves Saint Laurent

Each year, the Yves Saint Laurent Paris Museum's programming is punctuated by a thematic temporary exhibition (October to January), then by a return to a retrospective itinerary (February to September).







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing











--fr
Musée Yves Saint Laurent Paris : 40 nouveaux précieux modèles sortent des réserves.

Veste de soir hommage à Georges Braque signée Yves Saint Laurent Paris

Veste de soir hommage à Georges Braque signée Yves Saint Laurent Paris © Musée Yves Saint Laurent Paris. Alexandre Guirkinger

Le Musée Yves Saint Laurent, ouvert fin 2017, renouvelle son parcours rétrospectif de l'oeuvre du couturier. Présentés dans le lieu historique de l’ancienne maison de couture, 40 nouveaux modèles haute couture intègrent, à partir du 13 mars, ce parcours tandis que d'autres modèles retournent dans les réserves pour raisons de conservation.

Rotation des œuvres pour conservation

"Le Musée Yves Saint Laurent Paris présente ses collections hors vitrine permettant une proximité directe avec les visiteurs qui sont alors plongés dans l’intimité d’une maison de couture. Les textiles étant des matériaux organiques parmi les plus sensibles à conserver, leur exposition à la lumière, à l’empoussièrement et leur soumission à des tensions fortes lorsqu’ils sont présentés sur mannequins doivent être limités" explique Aurélie Samuel, Directrice des collections du Musée Yves Saint Laurent Paris.

Robe de soirée courte signée Yves Saint Laurent Paris

© Musée Yves Saint Laurent Paris. Alexandre Guirkinger

Ainsi la plupart des oeuvres présentées depuis le 3 octobre 2017 réintègreront les réserves et seront remplacées à partir du 13 mars 2018 par une quarantaine d'oeuvres similaires dont certaines sont montrées pour la première fois. L’organisation du parcours et les thématiques restent inchangées. 

Robe du soir Yves Saint Laurent Paris

© Musée Yves Saint Laurent Paris. Alexandre Guirkinger

Parmi ces créations emblématiques, on note une robe de taffetas chiné de la collection printemps-été 1986, la veste dite "Miroir brisé" ou encore une cape brodée en hommage au peintre Georges Braque. De l’opulence des broderies aux étoffes nerveuses de gazar de soie, des lignes épurées aux robes de soir patchwork, le parcours compile les multiples facettes esthétiques et techniques des créations de la maison Yves Saint Laurent.

Ensemble de soir signé Yves Saint Laurent Paris

© Musée Yves Saint Laurent Paris. Alexandre Guirkinger

Un parcours inaugural renouvelé

"Le parcours inaugural du Musée Yves Saint Laurent Paris est une présentation exceptionnelle de l’oeuvre d’Yves Saint Laurent que nous souhaitons montrer durant toute la première année d’ouverture. Des pièces particulièrement emblématiques mais rarement exposées y sont montrées, comme la première collection d’Yves Saint Laurent de 1962 - qui sera d’ailleurs la seule section du musée à ne pas faire l’objet d’un renouvellement des oeuvres textiles le 13 mars" a indiqué Olivier Flaviano, Directeur du Musée Yves Saint Laurent Paris. 

Veste de soir dite du miroir brisé signée Yves Saint Laurent Paris

© Musée Yves Saint Laurent Paris. Alexandre Guirkinger

Le parcours inaugural - qui se tient jusqu’au 9 septembre 2018 - rend compte du génie créatif du couturier via une cinquantaine de pièces haute couture accompagnés d’accessoires, de croquis, de photographies ou de films. Les modèles les plus emblématiques - smoking, saharienne, jumpsuit, trench-coat - qui sont la quintessence du style Saint Laurent, côtoient ses hommages à l’art, en passant par ses collections inspirées de la Chine, du Maroc, de l’Espagne et de la Russie. 

Robe de soir longue signée Yves Saint Laurent Paris

© Musée Yves Saint Laurent Paris. Alexandre Guirkinger

Prochaine exposition : "L’Asie rêvée d’Yves Saint Laurent"

L’Asie a depuis fort longtemps exercé une fascination sur les artistes européens. Cette "tentation de l’Orient" s’est en partie diffusée par l’arrivée progressive des objets d’art et des textiles, sources d’inspiration inépuisables pour les peintres, les sculpteurs et les couturiers. Yves Saint Laurent proposa une vision à la fois littérale et imaginaire de l’Asie, fondée sur une connaissance de son histoire, de sa culture et de ses arts comme en témoigne sa bibliothèque personnelle et la collection d’oeuvres d’art qu’il rassembla avec Pierre Bergé.

L’exposition "L’Asie rêvée d’Yves Saint Laurent", en octobre 2018, rassemblera une cinquantaine de modèles. Ils seront accompagnés de dessins originaux, de bijoux et d’objets asiatiques permettant de comprendre le processus de création des vêtements. Des objets provenant du musée national des arts asiatiques - Guimet ainsi que de la collection Samuel Myers seront exposés en regard des créations du couturier.

Un lieu de mémoire

Installé dans l’hôtel particulier historique du 5 avenue Marceau où naquirent durant près de trente ans, de 1974 à 2002, les créations d’Yves Saint Laurent, le parcours explore aussi la vie de la maison de couture et le processus de création d’une collection. Il se veut le témoin de l’Histoire du XXe siècle et d’une haute couture qui accompagnait un certain art de vivre aujourd’hui disparu.


Chaque année, la programmation du Musée Yves Saint Laurent Paris est rythmée par une exposition temporaire thématique (octobre à janvier), puis par un retour à un parcours rétrospectif (février à septembre).


Journaliste, responsable de la rubrique Mode de Culturebox








--br via tradutor do google
Yves Saint Laurent Museum Paris: 40 novos modelos preciosos saem das reservas.

Jaqueta de noite Georges Braque de Yves Saint Laurent Paris
Homenagem a Georges Braque assinou Yves Saint Laurent Paris © Yves Saint Laurent Museum Paris. Alexandre Guirkinger

O Museu Yves Saint Laurent, inaugurado no final de 2017, renova sua jornada retrospectiva do trabalho do couturier. Apresentado no site histórico da antiga casa de moda, estão incluídos 40 novos modelos de alta costura, a partir de 13 de março, enquanto outros modelos retornam às reservas por motivos de conservação.

Trabalhos rotativos para conservação
"O Museu de Yves Saint Laurent Paris apresenta suas coleções disponíveis que permitem a proximidade direta de visitantes que estão imersos na intimidade de uma casa de moda, sendo os têxteis entre os materiais orgânicos mais sensíveis a serem preservados, a exposição a a luz, o pó e a submissão a fortes tensões quando apresentadas nos manequins devem ser limitadas ", afirma Aurélie Samuel, diretora do Museu de Coleções Yves Saint Laurent Paris.

Yves Saint Laurent Paris vestido de noite curto
© Yves Saint Laurent Museum Paris. Alexandre Guirkinger

Assim, a maioria das obras apresentadas desde 3 de outubro de 2017 irá restabelecer as reservas e será substituída de 13 de março de 2018 por cerca de quarenta obras similares, algumas das quais são exibidas pela primeira vez. A organização do curso e os temas permanecem inalterados.

Yves Saint Laurent Paris vestido de noite
© Yves Saint Laurent Museum Paris. Alexandre Guirkinger

Entre essas criações icônicas, há um vestido de taffeta urze da coleção primavera-verão de 1986, o casaco chamado "Espelho quebrado" ou uma capa bordada em homenagem ao pintor Georges Braque. Da opulência do bordado aos tecidos nervosos do gazar de seda, linhas limpas para vestidos de retalhos, o curso combina as muitas facetas estéticas e técnicas das criações de Yves Saint Laurent.

Yves Saint Laurent Paris Evening Set
© Yves Saint Laurent Museum Paris. Alexandre Guirkinger

Um curso inaugural renovado
"A exposição inaugural do Museu Yves Saint Laurent em Paris é uma apresentação excepcional do trabalho de Yves Saint Laurent, que desejamos mostrar durante o primeiro ano de abertura, e peças particularmente emblemáticas, mas raramente exibidas são mostradas aqui. A coleção Yves Saint Laurent de 1962 - que será a única seção do museu que não será objeto de renovação de obras têxteis em 13 de março ", disse Olivier Flaviano, diretor do Museu Yves Saint Laurent em Paris.

Yves Saint Laurent Paris espelho quebrado jaqueta à noite
© Yves Saint Laurent Museum Paris. Alexandre Guirkinger

O curso de abertura - que funciona até 9 de setembro de 2018 - reflete o gênio criativo do designer através de cerca de cinquenta peças de alta costura acompanhadas de acessórios, esboços, fotografias ou filmes. Os modelos mais emblemáticos - smokings, saharienne, macacões, trincheiras - que são a quinta essência do estilo de Saint Laurent, esfregam a homenagem à arte, incluindo suas coleções inspiradas na China, Marrocos e Espanha. e a Rússia.

Yves Saint Laurent Paris vestido de noite longo
© Yves Saint Laurent Museum Paris. Alexandre Guirkinger

Próxima exposição: "O sonho da Ásia de Yves Saint Laurent"
A Ásia tem um longo fascínio por artistas europeus. Esta "tentação do Oriente" foi parcialmente difundida pela chegada gradual de obras de arte e têxteis, fontes inesgotáveis ​​de inspiração para pintores, escultores e estilistas. Yves Saint Laurent propôs uma visão literal e imaginária da Ásia com base no conhecimento de sua história, cultura e artes, como evidenciado pela sua biblioteca pessoal e pela coleção de obras de arte que ele reuniu-se com Pierre Bergé.

A exposição "O sonho asiático de Yves Saint Laurent", em outubro de 2018, reunirá cerca de cinquenta modelos. Eles serão acompanhados por desenhos originais, jóias e objetos asiáticos para entender o processo de criação de roupas. Objetos do Museu Nacional de Artes Asiáticas - A coleção Guimet e Samuel Myers será exibida ao lado das criações do designer.

Um lugar de memória


Alojado na mansão histórica da 5 avenue Marceau, onde as criações de Yves Saint Laurent nasceram durante quase trinta anos, de 1974 a 2002, o curso também explora a vida da casa de moda e o processo criativo de uma coleção. É o testemunho da história do século XX e a alta costura que acompanhou um certo estilo de vida agora desapareceu.

O couturier Yves Saint Laurent em seu estúdio
© cortesia de Yves Saint Laurent

Todos os anos, a programação do Museu de Paris Yves Saint Laurent é pontuada por uma exposição temporária temática (outubro a janeiro), depois por um retorno a um itinerário retrospectivo (de fevereiro a setembro).