Listen to the text.

sexta-feira, 30 de março de 2018

Museum of the Boi Quim Costa Car, in São Bento do Sapucaí - São Paulo, Brazil. - Museu do Carro de Boi Quim Costa, em São Bento do Sapucaí - São Paulo, Brasil.

Built in honor of the Regional Master of Ox Cart, Mr. Joaquim Pereira da Costa, Quim Costa, who died in 2014, the Museum aims to preserve its production of ox carts and tools. In addition to the physical pieces, the space has a visual and sound media collection from donations and will offer workshops, tours and guided tours, among other activities.



Located on the property of one of the daughters of Mr. Joaquim Costa, Maria Bernadete da Costa Prado, the Museum was built with family resources and organized in different spaces to conserve the collection. According to Maria Bernadete, the construction of the museum was a wish of Mr. Joaquim, who had his work published in several publications, such as Revista Brasileiros. "He always knew the value of his work and knew that the construction of ox cars was getting more and more extinct, so he asked us to keep this story, which will now be available to the entire population and also to visitors."



Ox cars played a very important role in the city for many years and were used in carnivals, weddings and to carry parcels to the city, such as the bell of the Mother Church, which came from Ubatuba to São Bento do Sapucaí by car of ox.



-
Car Museum of Boi - Legacy of its Quim Coast, in São Bento do Sapucaí. Recently awarded by the Ministry of Culture in the 5th edition of the Prize of Traditional Cultures, edition Leandro Gomes de Barros, in the category Masters in Memorian, is the only one of its kind in Brazil. With a rich collection of tools, many of them produced by Quim itself, it has ox cars, axles and components, and also with personal objects set in scenarios that reproduce the Costa family way of life.



Also being awarded by the Cultural Support Program of the Government of the State of São Paulo (PROAC ICMS), the Museu do Carro se Boi has promoted events such as carreates and festivals and attracted tourists from all over the world interested in Cultural Tourism, years.






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing




--br
 Museu do Carro de Boi Quim Costa, em São Bento do Sapucaí - São Paulo, Brasil.

Construído em homenagem ao Mestre Regional do Carro de Boi, Sr. Joaquim Pereira da Costa, o Quim Costa, falecido em 2014, o Museu tem o objetivo de preservar sua produção de carros de boi e de ferramentas. Além das peças físicas, o espaço conta com um acervo midiático visual e sonoro proveniente de doações e oferecerá oficinais, passeios e visitas guiadas, entre outras atividades.




Localizado na propriedade de uma das filhas do Sr. Joaquim Costa, Maria Bernadete da Costa Prado, o Museu foi construído com recursos dos familiares e organizado em espaços distintos para conservar o acervo. De acordo com Maria Bernadete, a construção do museu era um desejo do Sr. Joaquim, que teve seu trabalho divulgado em diversas publicações, como a Revista Brasileiros. “Ele sempre soube do valor do seu trabalho e sabia que a construção de carros de boi estava ficando cada vez mais extinta, então ele pediu pra gente conservar essa história, que agora estará disponível para toda a população e também para os visitantes”.

Os carros de boi desempenharam um papel muito importante na cidade por muitos anos e eram usados nos carnavais, nos casamentos e para transportar encomendas para a cidade, como o sino da Igreja Matriz, que veio de Ubatuba até São Bento do Sapucaí através de um carro de boi.

-
Museu do Carro de Boi - Legado de seu Quim Costa, em São Bento do Sapucaí. Recentemente premiado pelo Ministério da Cultura na 5.a edição do Prêmio de Culturas Tradicionais, edição Leandro Gomes de Barros, na categoria Mestres in Memorian, é o único no seu gênero no Brasil. Com um rico acervo de ferramentas, muitas delas produzidas pelo próprio seu Quim, conta com carros de boi, eixos e componentes, e, ainda com objetos de uso pessoal ambientados em cenários que reproduzem o modo de vida da família Costa.

Também premiado pelo Programa de Apoio Cultural do Governo do Estado de São Paulo (PROAC ICMS), o Museu do Carro se Boi tem promovido eventos como carreatas e festivais e atraído turistas do mundo inteiro, interessados pelo Turismo Cultural, cada vez mais crescente nos últimos anos.




Dolce & Gabbana to hold first fashion show in New York. After New York, April 6-10, 2018, the two collections will be shown at the Soumaya Museum in Mexico City, in a show scheduled for April 18. - Dolce & Gabbana para realizar o primeiro desfile de moda em Nova York. Depois de Nova York, de 6 a 10 de abril de 2018, as duas coleções serão exibidas no Museu Soumaya, na Cidade do México, em um show marcado para o dia 18 de abril.

Fashion house Dolce & Gabbana is heading to the Big Apple in April to show its two couture lines, Alta Moda and Alta Sartoria.

The Italian luxury brand, Dolce & Gabbana has selected New York to hold its next fashion show to introduce its two couture lines, Alta Moda womenswear and Alta Sartoria menswear lines. However, the location of the shoot remains undisclosed until further notice.

Browsing through the previous locations of the shoots, the fashion house seems keen on the idea of travelling the world with its couture collections.

Let’s take a walk down the memory lane and recall some of these hype and fashionable moments:

1
Dolce & Gabbana unveiled the new looks of the Spring/Summer 2018 collection (pictured above) in the beautiful setting of Piazza San Marco in Venice.


In Tokyo, Japan Dolce & Gabbana displayed its most prestigious lines. Domenico Dolce and Stefano Gabbana shared this: “Japan is a country full of contrasts: it is simultaneously classic, modern and contemporary. Our boutique will be luminous and graphic. Visitors will feel as if they were experiencing a sunny Sicilian day in Tokyo…”



Also, the fashion house’s new boutique in Tokyo is located on a luxurious address and situated in the shopping hub of Aoyama, which is a short distant walk from Shibuya where the most trafficked crossing in the world is located.

Inside the Aoyama boutique houses the Menswear and Womenswear Collections, clothing, accessories and small leather goods distributed on two levels.







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing




--br via tradutor do google
Dolce & Gabbana para realizar o primeiro desfile de moda em Nova York. Depois de Nova York, de 6 a 10 de abril de 2018, as duas coleções serão exibidas no Museu Soumaya, na Cidade do México, em um show marcado para o dia 18 de abril.


A casa de moda Dolce & Gabbana está indo para a Big Apple em abril para mostrar suas duas linhas de alta costura, Alta Moda e Alta Sartoria.

A marca de luxo italiana Dolce & Gabbana selecionou Nova York para realizar seu próximo desfile de moda para apresentar suas duas linhas de alta costura, a moda feminina Alta Alta e as linhas de moda masculina Alta Sartoria. No entanto, a localização da filmagem permanece não revelada até novo aviso.

Navegando pelos locais anteriores das filmagens, a casa de moda parece interessada na idéia de viajar pelo mundo com suas coleções de alta-costura.

Vamos dar um passeio pela estrada da memória e relembrar alguns desses momentos badalados e da moda:


1
A Dolce & Gabbana revelou os novos visuais da coleção Primavera / Verão 2018 (foto acima) no belo cenário da Piazza San Marco em Veneza.


Em Tóquio, no Japão, a Dolce & Gabbana exibiu suas linhas de maior prestígio. Domenico Dolce e Stefano Gabbana compartilharam o seguinte: “O Japão é um país cheio de contrastes: é simultaneamente clássico, moderno e contemporâneo. Nossa boutique será luminosa e gráfica. Os visitantes sentirão como se estivessem experimentando um dia siciliano ensolarado em Tóquio ... ”

Além disso, a nova boutique da casa de moda em Tóquio está localizada em um endereço de luxo e situada no centro de compras de Aoyama, que fica a uma curta distância de Shibuya, onde a travessia mais traficada do mundo está localizada.

Dentro da boutique Aoyama abriga as coleções de moda masculina e feminina, roupas, acessórios e pequenos artigos de couro distribuídos em dois níveis.

Fashion People Are Proving the Term "Plus-Size" Is Far From Perfect. - As pessoas da moda estão provando que o termo "Plus-Size" está longe de ser perfeito.

Merriam Webster tells me that the first-known use of “plus-size” was in the year 1942. For a term that’s (relatively speaking) contemporary, it’s hard to pin down a clear definition. “Extra large clothing” is what the dictionary authority offers, while clothing above a certain size is what shoppers have come to identify with it. As for that certain size? Well that varies, too. For retailers like ASOS, plus sizing begins at size 12. For Mango's Violeta line, it’s size 10. For Eloquii, it’s 14. We could continue, but for the sake of brevity, we think you get the idea.



We’ll be the first to admit that body inclusivity in the fashion space still has a long way to go. Yes, we can celebrate designers like Prabal Gurung and Christian Siriano whose runways continue to be the most inclusive, and we can continue to champion models like Candice Huffine and Ashley Graham. But there’s a larger conversation to be had around this community and its relationship with the fashion industry: the terminology.

While everyone has different opinions on using the term, there's one overarching theme that can’t be ignored. To get a clearer sense of what the term “plus-size” really means and whether or not it has a future in fashion, we spoke with the designers, models, and influencers who all have a few poignant things to say on the matter.



Alex Waldman, co-founder of the size-inclusive brand Universal Standard, points out that “the term ‘plus-size’ describes a group of women who actually represent a vast majority of American women.” She refers, of course, to the reality that 67% of American women are plus size. “It has become shorthand for everything over a certain size. I don’t think this term has a future because the future of fashion is just inclusive. It’s just going to become clothing for women.”

There's a technical use for the term that Waldman touched on, which is to indicate in a literal sense an article of clothing’s size. While co-founder of clothing line Premme and fashion blogger Nicolette Mason doesn’t have a problem with the term as it relates to the sizes themselves, she told Who What Wear, “I’d love for qualifiers not to be necessary, but until all brands, all media, and content are truly inclusive, it feels like a necessary part of the language. Unfortunately, I think it can sometimes feel tokenizing or like an afterthought.”



“It’s a complicated term, and fashion is still playing catch-up with this movement,” explains Kathryn Retzer, co-founder and creative director of 11 Honoré. “We love the way that advocates for inclusivity have embraced labels and made them their own, but we hope that eventually, the industry is able to throw out labels and that a size-run 0 to 24 will be the norm, not the exception.” 

We couldn’t agree more that the future of how this community is represented by brands and in the media all comes down to the lack of terminology we give it. Only by erasing how plus-size fashion is named, not trying to redefine it, we can call our industry an inclusive one.

Offering a final say in the matter, Jordyn Woods expresses. “There’s no reason that we need to be labeled. Labels create segregation. It’s amazing to be different, and you should own your individuality, but we all should feel like we are one.” RT, Jordyn.



Until we begin to start thinking of this community differently (as part of the whole of fashion), we won’t be able to rename the term “plus-size.” So we shouldn’t be brainstorming an alternative; we should be brainstorming ways to knock down the barriers that require the adjective in the first place.





Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing






--br via tradutor do google
As pessoas da moda estão provando que o termo "Plus-Size" está longe de ser perfeito.

Merriam Webster me disse que o primeiro uso conhecido de “tamanho maior” foi no ano de 1942. Para um termo que é (relativamente falando) contemporâneo, é difícil definir uma definição clara. “Roupas extra-grandes” é o que a autoridade do dicionário oferece, enquanto roupas acima de um certo tamanho são o que os compradores identificaram com elas. Quanto àquele tamanho certo? Bem, isso também varia. Para varejistas como o ASOS, o dimensionamento começa no tamanho 12. Para a linha Violeta da Mango, é o tamanho 10. Para a Eloquii, são 14. Podemos continuar, mas, por questão de brevidade, achamos que você entendeu.

Seremos os primeiros a admitir que a inclusividade do corpo no espaço da moda ainda tem um longo caminho a percorrer. Sim, podemos celebrar designers como Prabal Gurung e Christian Siriano, cujas passarelas continuam sendo as mais inclusivas, e podemos continuar a promover modelos como Candice Huffine e Ashley Graham. Mas há uma conversa maior em torno dessa comunidade e de sua relação com a indústria da moda: a terminologia.

Embora todos tenham opiniões diferentes sobre o uso do termo, há um tema abrangente que não pode ser ignorado. Para ter uma noção mais clara do que o termo “tamanho positivo” realmente significa e se ele tem ou não um futuro na moda, falamos com os designers, modelos e influenciadores que têm algumas coisas pungentes a dizer sobre o assunto.

Alex Waldman, co-fundador da marca de tamanho universal Universal Standard, aponta que “o termo 'plus size' descreve um grupo de mulheres que na verdade representam uma vasta maioria das mulheres americanas”. Ela se refere, é claro, ao realidade que 67% das mulheres americanas são mais tamanho. “Tornou-se uma abreviação para tudo em um determinado tamanho. Eu não acho que esse termo tenha futuro porque o futuro da moda é apenas inclusivo. Só vai se tornar roupa para mulheres.

Há um uso técnico para o termo que Waldman abordou, que é indicar, em um sentido literal, um artigo do tamanho da roupa. Embora o co-fundador da linha de roupas Premme e a blogueira de moda Nicolette Mason não tenham problema com o termo em relação aos tamanhos em si, ela disse a Who What Wear: “Eu adoraria que os qualificadores não fossem necessários, mas até Todas as marcas, todos os meios de comunicação e conteúdo são verdadeiramente inclusivos, parece uma parte necessária da linguagem. Infelizmente, acho que às vezes pode parecer um token ou algo secundário. ”

"É um termo complicado, e a moda ainda está acompanhando esse movimento", explica Kathryn Retzer, co-fundadora e diretora criativa da 11 Honoré. “Adoramos a maneira como os defensores da inclusão adotaram os rótulos e os adotaram, mas esperamos que, eventualmente, a indústria seja capaz de descartar rótulos e que um tamanho de 0 a 24 seja a norma, não a exceção. "

Não poderíamos concordar mais que o futuro de como essa comunidade é representada por marcas e na mídia se resume à falta de terminologia que damos a ela. Apenas apagando o nome da moda plus size, não tentando redefini-la, podemos chamar nossa indústria de inclusiva.

Oferecendo uma palavra final sobre o assunto, Jordyn Woods expressa. “Não há motivo para precisarmos ser rotulados. Os rótulos criam segregação. É incrível ser diferente, e você deve possuir sua individualidade, mas todos nós devemos sentir que somos um. ”RT, Jordyn.

Até começarmos a pensar nessa comunidade de forma diferente (como parte de toda a moda), não poderemos renomear o termo "tamanho maior". Portanto, não devemos pensar em uma alternativa; nós deveríamos estar discutindo maneiras de derrubar as barreiras que exigem o adjetivo em primeiro lugar.