Listen to the text.

domingo, 1 de abril de 2018

Art Central 2018. Hong Kong. - Art Central 2018. Hong Kong.

Richard Koh Fine Art will show the works of Mequitta Ahuja, Nadiah Bamadhaj and Trong Gia Nguyen at Art Central 2018. The artists explore diverse themes revolving around artist self-portraits, the Indonesian social climate and reconstruction of childhood memories respectively. Yet collectively, they share a commitment to questioning viewers’ expectations of — and attitudes towards — representation, culture and their environment.

This series, ‘Performing Painting’ references different modes of depicting scribes. What did you want to explore?

The imagery in ‘Seated Scribbler’ relates to four types of images in art history: paintings of saints writing the gospels, portraits of learned people, paintings and statues of scribes and self-portraits in manuscripts. Some of the earliest self-portraits are depictions of scribes. I’ve distilled the link– scribe to self-portrait– in a single image. By projecting her shadow onto the page, it becomes a vehicle for her self-portrait. I’ve shown my subject writing as a pretence for presenting her as a maker of self-portraits. 

1
Mequitta Ahuja, ‘Seated Scribbler’, 2015, oil on canvas, 213.3 x 203.2cm. Image courtesy Mequitta Ahuja/Richard Koh Fine Art.


What inspired you to use earthy, neutral tones, and simplicity of form?

I wanted to distil every element, including shape and colour, to its visual essence. I portray the body in simplified form. The unadorned figure is one shape within a composition of shapes and the underlying abstract structure is presented in clear, flat planes. The works’ visual impact comes from their simplicity.

We see beyond the scribe’s immediate surroundings. In ‘Author’, we get glimpses of the world outside and in ‘Interpreter’, we see a curtain’s edges. What was your motivation behind the framing?

The works of Giotto, “father of the Renaissance”, serve as inspiration. In particular, one aspect that I borrow from Giotto is the cut-away room which is a visual fiction that gives viewers access to a private space, inside and outside simultaneously.

2
Mequitta Ahuja, ‘Author’, 2015, oil on canvas, 213.3 x 203.2cm. Image courtesy Mequitta Ahuja/Richard Koh Fine Art.


What is the background story of the cungkup you depicted?

I encountered the cungkup in a small village on the East Javanese southern coast, where community practice is steeped in Javanese mysticism and superstitions. Each cungkup houses a gravesite. Each gravesite has a custodian: either a volunteer or someone chosen by the community who feels moved by spiritual forces. For superstitious reasons, a cungkup in disrepair is left untouched by the custodian, decayed by the elements.

Why focus purely on the physical, starkly rendered attributes of various cungkup in states of disintegration rather than including human forms?

I’ve had a long fascination with architecture. I find that physical structures reference the body in the way they house and classify people. For the cungkup, they can only house one figure within their scale and structure.

3

Nadiah Bamadhaj, ‘Pessimism is Ridiculous II-I’, 2017, charcoal on paper collage, 122 x 150cm. Nadiah Bamadhaj/Richard Koh Fine Art.

In this series, the tension surrounding the relevance of Javanese mysticism for the cungkup exemplifies the conflict between Kejawen, those who value hybridity in identities, and Santri, those who value purity. Is this a call for people to understand the threats to Kejawen and pursue a course of action?

While I’ve made work based on political or societal issues as food for thought, I’ve never made a call for action. The latter is wishful thinking. While the cungkup’s origin is specific to Indonesia, by isolating it from its environment, any viewer will understand the universal message of decay and disintegration.4

4
Trong Gia Nguyen, ‘Enid, Pine Street’, 2015, oil pastel on canvas, mounted C-print, 62 x 91.4 cm © Trong Gia Nguyen/Richard Koh Fine Art.


This series mixes painting with recent photography of buildings featured in old family photographs. The variances in the painted figures’ details from ‘Enid, Pine Street’ to ‘Saigon, Loc Vinh’ hint at issues of time and memory. Did you draw upon your memories for the paintings?

The paintings, based on archival prints and polaroids, are rendered in the form of colouring book drawings that have already been coloured in, with the lines removed. They superimpose the past with the present, and make the point that memory is not fixed but constantly changing. I chose oil pastels which are crayon-like and never fully dry, which equate the organic nature of memory.


What role does time play through your photography?


Since photographing these houses within the last four years, some of them have probably changed. I find that time allows memory and narrative to evolve, and I allow ideas and images to decide for themselves when they begin and end.

5
Trong Gia Nguyen, ‘Tallahassee, North MLK Boulevard’, 2017, 
oil pastel on canvas, mounted C-print, 88.9 x 111 cm each. 
© Trong Gia Nguyen/Richard Koh Fine Art.

This series seems personal and specific to your experiences as a Vietnamese-American and yet, counterintuitively, relatable to a wider audience. What is it about your work that speaks to such an audience?

I want to use my artist soapbox to speak as universally as possible, because deep down we all more or less want and need the same basic things. I utilise recognisable entry points that bring a viewer in. Gradually, the work guides the viewer on a crooked path to somewhere more uneasy and uncertain, which leads to conversation, debate, and reflection.

ART REPUBLIK is proud to be a media partner of Art Central.

More information at artcentralhongkong.com

This article was written by Zaki Jumahri for ART REPUBLIK 18.


Richard Koh Fine Art Highlights. 
Richard Koh Fine Art presents three artists with a shared commitment





http://www.luxuo.com/culture/art-central-hong-kong-2018-rkfa.html

Richard Koh Fine Art Highlights. 
Richard Koh Fine Art presents three artists with a shared commitment

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing






--br via tradutor do google
Art Central 2018. Hong Kong.

Destaques da Richard Koh Fine Art.
Richard Koh Fine Art apresenta três artistas com um compromisso compartilhado

A Richard Koh Fine Art mostrará os trabalhos de Mequitta Ahuja, Nadiah Bamadhaj e Trong Gia Nguyen na Art Central 2018. Os artistas exploram diversos temas em torno de auto-retratos de artistas, o clima social indonésio e a reconstrução de memórias de infância, respectivamente. No entanto, coletivamente, eles compartilham o compromisso de questionar as expectativas e atitudes dos espectadores em relação à representação, à cultura e ao meio ambiente.

Esta série, "Performing Painting", refere-se a diferentes modos de representar os escribas. O que você queria explorar?

A imagem de "Scribbler sentado" refere-se a quatro tipos de imagens na história da arte: pinturas de santos que escrevem os evangelhos, retratos de pessoas instruídas, pinturas e estátuas de escribas e auto-retratos em manuscritos. Alguns dos primeiros auto-retratos são representações de escribas. Eu destilei o link - escrevi para o auto retrato - em uma única imagem. Ao projetar sua sombra na página, ela se torna um veículo para seu autorretrato. Mostrei meu assunto escrevendo como pretexto para apresentá-la como criadora de auto-retratos.

1
Mequitta Ahuja, "Scribbler sentado", 2015, óleo sobre tela, 213,3 x 203,2cm. Imagem cedida por Mequitta Ahuja / Richard Koh Fine Art

O que o inspirou a usar tons terrosos e neutros e simplicidade de forma?

Eu queria destilar cada elemento, incluindo forma e cor, à sua essência visual. Eu retrato o corpo de forma simplificada. A figura sem adornos é uma forma dentro de uma composição de formas e a estrutura abstrata subjacente é apresentada em planos planos e claros. O impacto visual das obras vem de sua simplicidade.

Nós vemos além do entorno imediato do escriba. Em "Autor", vislumbramos o mundo lá fora e, em "Intérprete", vemos as bordas de uma cortina. Qual foi sua motivação por trás do enquadramento?

As obras de Giotto, “pai do Renascimento”, servem de inspiração. Em particular, um aspecto que eu pego emprestado da Giotto é a sala de corte, que é uma ficção visual que dá aos espectadores acesso a um espaço privado, dentro e fora simultaneamente.

2
Mequitta Ahuja, "Autor", 2015, óleo sobre tela, 213,3 x 203,2 cm. Imagem cedida por Mequitta Ahuja / Richard Koh Fine Art

Qual é a história de fundo do cungkup que você descreveu?

Eu encontrei o cungkup em uma pequena aldeia na costa sul do leste javanês, onde a prática comunitária está mergulhada no misticismo javanês e nas superstições. Cada cungkup abriga um túmulo. Cada túmulo tem um guardião: seja um voluntário ou alguém escolhido pela comunidade que se sente movido por forças espirituais. Por razões supersticiosas, um cungkup em desuso permanece intocado pelo zelador, decaído pelos elementos.

Por que concentrar-se puramente nos atributos físicos, totalmente reanimados, de vários cungkup em estados de desintegração, em vez de incluir formas humanas?

Eu tive um longo fascínio pela arquitetura. Eu acho que as estruturas físicas fazem referência ao corpo no modo como elas abrigam e classificam as pessoas. Para o cungkup, eles só podem abrigar uma figura dentro de sua escala e estrutura.

3
Nadiah Bamadhaj, "Pessimismo é ridículo II-I", 2017, carvão em colagem de papel, 122 x 150cm. Nadiah Bamadhaj / Richard Koh Belas Artes.

Nesta série, a tensão em torno da relevância do misticismo javanês para o cungkup exemplifica o conflito entre Kejawen, aqueles que valorizam a hibridez nas identidades, e Santri, aqueles que valorizam a pureza. Isso é um chamado para que as pessoas entendam as ameaças a Kejawen e sigam um curso de ação?

Embora eu tenha trabalhado com base em questões políticas ou sociais como um alimento para o pensamento, nunca fiz um apelo à ação. Este último é uma ilusão. Enquanto a origem do cungkup é específica da Indonésia, ao isolá-lo de seu ambiente, qualquer espectador entenderá a mensagem universal de decadência e desintegração.4

4
Trong Gia Nguyen, "Enid, Rua dos Pinheiros", 2015, pastel a óleo sobre tela, impressão C, 62 x 91,4 cm © Trong Gia Nguyen / Richard Koh Fine Art.

Esta série mistura a pintura com a fotografia recente de edifícios apresentados em antigas fotografias de família. As variações nos detalhes das figuras pintadas de "Enid, Pine Street" a "Saigon, Loc Vinh" sugerem questões de tempo e memória. Você usou suas memórias para as pinturas?

As pinturas, baseadas em gravuras arquivísticas e polaroids, são apresentadas na forma de desenhos de livros de colorir que já foram coloridos, com as linhas removidas. Eles sobrepõem o passado ao presente e defendem que a memória não é fixa, mas muda constantemente. Eu escolhi pastéis de óleo que são semelhantes a lápis e nunca totalmente secos, o que equaciona a natureza orgânica da memória.

Que papel o tempo desempenha na sua fotografia?Desde que fotografamos essas casas nos últimos quatro anos, algumas delas provavelmente mudaram. Acho que o tempo permite que a memória e a narrativa evoluam, e permito que idéias e imagens decidam por si mesmas quando começam e terminam.5Trong Gia Nguyen, "Tallahassee, Norte MLK Boulevard", 2017, pastel a óleo sobre tela, impressão C, 88,9 x 111 cm cada. © Trong Gia Nguyen / Richard Koh Belas Artes.Esta série parece pessoal e específica para suas experiências como uma vietnamita-americana e ainda, contra-intuitivamente, relacionada a um público mais amplo. O que é sobre o seu trabalho que fala para tal público?Eu quero usar meu palanque de artista para falar o mais universalmente possível, porque no fundo todos nós mais ou menos queremos e precisamos das mesmas coisas básicas. Eu utilizo pontos de entrada reconhecíveis que trazem um espectador. Gradualmente, o trabalho guia o espectador em um caminho tortuoso para um lugar mais desconfortável e incerto, o que leva a conversas, debates e reflexões.A ART REPUBLIK orgulha-se de ser um parceiro de mídia da Art Central.Mais informações em artcentralhongkong.comEste artigo foi escrito por Zaki Jumahri para o ART REPUBLIK 18.Destaques da Richard Koh Fine Art.Richard Koh Fine Art apresenta três artistas com um compromisso compartilhado

















The British Museum - Museum Development North West. Central to the day is the question: if museums are memory institutions, how do we ensure that we maintain access to the digital memory that we’re creating now for our future audiences? - The British Museum - Museu do Desenvolvimento do Noroeste. O ponto central do dia é a questão: se os museus são instituições de memória, como podemos garantir que mantemos acesso à memória digital que estamos criando agora para nossos futuros públicos?

Call for Papers – Museums and digital memory: from creation and curation to digital preservation.

Free conference and debate at the British Museum



Monday 3rd September 2018

The British Museum’s (BM) National Programmes team and the Digital Preservation Coalition invite you to contribute towards a day of workshops, discussion and debate on the subject of digital content in museums.

The BM want to explore best practice in how we as a sector create, curate and preserve digital content – not just the exciting outward-facing side of digital technology in museums, but the often overlooked back-of-house digital preservation work that is essential to ensure the long-term viability and sustainability of these efforts.

Central to the day is the question: if museums are memory institutions, how do we ensure that we maintain access to the digital memory that we’re creating now for our future audiences?
-
Over the last seven years the British Museum has held an annual conference focused on partnerships in the museum sector.

The British Museum regularly hosts lectures, seminars and conferences, but the National Programmes is sector-facing, with a focus of working across the UK.

The annual conference is designed to be a networking opportunity and a chance to inspire new partnership activity. We want to make sure that the conference is relevant and useful to the museum representatives who attend.

We are open to ideas and suggestions for the annual conference. For more information contact Georgia Mallin, UK Partnerships Coordinator: GMallin@britishmuseum.org

Lecture theatre

Conference

3 September 2018

Call for papers 

National Programmes Conference 2018 – Call for Papers

Museums and digital memory: from creation and curation to digital preservation

This year’s National Programmes Conference will explore the subject of digital content in museums, and is being developed in partnership with the Digital Preservation Coalition.

Generously supported by the Vivmar Foundation, the day will include a lively programme of workshops, discussion and debate, which we hope will be shaped by contributions from colleagues across the UK.

The UK museum sector is making increasingly creative use of digital technologies in the way it records and disseminates information about its collections. These technologies and advances in museum practice offer dynamic and exciting new ways of engaging people with collections, but they also provoke urgent questions about how we manage and preserve all the digital content we’re creating.

Looking after physical assets in archives and collections is at the heart of museum work, but how do we do the same for our digital assets? What are the new skills museums need to safeguard digital content and how will we develop them?

In this one-day conference we want to explore best practice in how we as a sector create, curate and preserve digital content – not just the exciting outward-facing side of digital technology in museums, but the often overlooked back-of-house digital preservation work that is essential to ensure the long-term viability and sustainability of these efforts.

Central to the day is the question: if museums are memory institutions, how do we ensure that we maintain access to the digital memory that we’re creating now for our future audiences?

The conference will be shaped by contributor responses, but we hope that the following themes might inspire discussion or particular case studies:

• Digital content creation

• Curation and use of digital content

• Digital preservation

We welcome submissions from museum professionals, representatives of sector bodies, academics and early-career scholars, people working in the creative and digital industries with a relevance to the museum sector, and others working in these fields including digital preservation specialists and practitioners.












Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing









--br via tradutor do google
Museu do Desenvolvimento do Noroeste. O ponto central do dia é a questão: se os museus são instituições de memória, como podemos garantir que mantemos acesso à memória digital que estamos criando agora para nossos futuros públicos?

Call for Papers - Museus e memória digital: da criação e curadoria à preservação digital.

Conferência e debate gratuitos no British Museum

Segunda-feira, 3 de setembro de 2018

A equipa de Programas Nacionais do Museu Britânico (BM) e a Digital Preservation Coalition convidam-no a contribuir para um dia de workshops, discussão e debate sobre o tema dos conteúdos digitais nos museus.

A BM quer explorar as melhores práticas em como nós, como setor, criamos, curamos e preservamos o conteúdo digital - não apenas o excitante lado externo da tecnologia digital nos museus, mas o trabalho muitas vezes negligenciado de preservação digital que é essencial garantir a viabilidade a longo prazo e a sustentabilidade desses esforços.

O ponto central do dia é a questão: se os museus são instituições de memória, como podemos garantir que mantemos acesso à memória digital que estamos criando agora para nossos futuros públicos?
-
Nos últimos sete anos, o Museu Britânico realizou uma conferência anual focada em parcerias no setor de museus.

O British Museum organiza regularmente palestras, seminários e conferências, mas os Programas Nacionais estão voltados para o setor, com foco no trabalho em todo o Reino Unido.

A conferência anual é projetada para ser uma oportunidade de networking e uma oportunidade de inspirar novas atividades de parceria. Queremos ter certeza de que a conferência é relevante e útil para os representantes do museu que participam.

Estamos abertos a idéias e sugestões para a conferência anual. Para mais informações, entre em contato com Georgia Mallin, Coordenadora de Parcerias do Reino Unido: GMallin@britishmuseum.org

Palestra teatro

Conferência

3 de setembro de 2018

Pedir documentos

Conferência Nacional de Programas 2018 - Call for Papers

Museus e memória digital: da criação e curadoria à preservação digital

A Conferência Nacional de Programas deste ano explorará o tema de conteúdo digital em museus e está sendo desenvolvida em parceria com a Digital Preservation Coalition.

Generosamente apoiado pela Fundação Vivmar, o dia incluirá um programa de workshops, discussões e debates, que esperamos que sejam moldados por contribuições de colegas de todo o Reino Unido.

O setor de museus do Reino Unido está fazendo uso cada vez mais criativo de tecnologias digitais na maneira como registra e divulga informações sobre suas coleções. Essas tecnologias e avanços na prática de museus oferecem maneiras novas e dinâmicas de envolver as pessoas com coleções, mas também provocam perguntas urgentes sobre como gerenciamos e preservamos todo o conteúdo digital que estamos criando.

Cuidar de ativos físicos em arquivos e coleções está no centro do trabalho do museu, mas como fazemos o mesmo com nossos ativos digitais? Quais são as novas habilidades que os museus precisam para proteger o conteúdo digital e como os desenvolveremos?

Nesta conferência de um dia, queremos explorar as melhores práticas em como nós, como setor, criamos, curamos e preservamos o conteúdo digital - não apenas o excitante lado voltado para a tecnologia digital nos museus, mas o frequentemente negligenciado back-of-house digital trabalho de preservação que é essencial para assegurar a viabilidade e sustentabilidade a longo prazo desses esforços.

O ponto central do dia é a questão: se os museus são instituições de memória, como podemos garantir que mantemos acesso à memória digital que estamos criando agora para nossos futuros públicos?

A conferência será moldada por respostas de colaboradores, mas esperamos que os seguintes temas possam inspirar discussões ou estudos de caso específicos:

• Criação de conteúdo digital

• Curadoria e uso de conteúdo digital

• preservação digital

Congratulamo-nos com submissões de profissionais de museus, representantes de entidades do setor, acadêmicos e acadêmicos em início de carreira, pessoas que trabalham nos setores criativo e digital com relevância para o setor de museus e outros que trabalham nesses campos, incluindo especialistas em preservação digital e profissionais.