Listen to the text.

terça-feira, 3 de abril de 2018

Leão Coroado has its intangible heritage in a safeguard project. Pernambuco Brazil. Maracatu Group Leão Coroado, founded in 1863, is considered a living patrimony of the State. - Leão Coroado tem seu patrimônio imaterial em projeto de salvaguarda. Pernambuco, Brasil. Grupo do Maracatu Leão Coroado, fundado em 1863, é considerado patrimônio vivo do Estado.

One of the oldest maracatus in Pernambuco is in celebration. 150 years of history, culture and tradition. "Several products make up the project: a book chronicling the history of the association, a CD with 16 traditional tunes, a video documentary and a website that will continue to be fed by the members of maracatu .



The launch takes place at the Post Cultural Center in the Recife neighborhood and will also feature a dialogue table on the importance of the Crowned Lion as guardian of afrodescendant memory and, at the end, tasting of terreiro gastronomy.

"Through three years, with support from the Pernambucano Fund for Culture Incentive (Funculture), materials such as photos, music and audiovisual records of Leão Coroado were researched and systematized in partner entities such as the Pernambuco Commission of Folklore, the Joaquim Nabuco Foundation , the Museum of Abolition, the Brotherhood of Our Lady of the Rosary of the Black Men and the members of Maracatu, especially the oldest ones ", says the coordinator of the project and president of the nongovernmental organization International Economic Cooperation (Icei Brazil), Diego Di Niglio.

Along with the collection and cataloging of the images and the making of the book, CD and DVD, the project carried out workshops for the transmission of knowledges (such as dance, percussion, instrument making and costume making and banners) and videotaping. members of Leão Coroado, students of local schools and other residents of Águas Compridas neighborhood, in Olinda, where the headquarters of maracatu is located.



Founded in 1863 and considered living heritage of Pernambuco, the Crowned Lion had never been recorded with such breadth and depth. In 1989, the Municipality of Recife published the book "Leão Coroado", focusing on the former master of the association, Luiz de França, who died in 1997, and in 2013, a year in which the association celebrated its 150th anniversary. printing a catalog. Nothing, however, comparable to the ransom promoted now.

"This type of project is fundamental to valorize and preserve manifestations of popular culture, especially those of African origin, which have orality at their base. On the one hand, it organizes and registers memory, and on the other, it forms the basis for the future "points out Di Niglio, noting that the fact that there is a multiplicity of languages ​​widens the look and favors the appropriation by the community itself.

For the master of the Crowned Lion, Afonso Gomes de Aguiar Filho, it would be important that other associations from Pernambuco could be the target of this kind of rescue and incentive. "The Crowned Lion is proud to be able to tell this story from the earliest times to the present day. We have been trying to follow a legacy, preserving our traditions and showing people what a true maracatu is like at a time when the excess of stylization is causing many to lose the thread of the skein, "he criticizes.


The materials that make up the project will be distributed free of charge during the event, and will later be sold at a cost of R $ 40 (book) or R $ 20 (CD or DVD). The income collected will be reverted to the construction of the headquarters of the Lion Crowned.

At the moment, the props and other materials of the centennial institution are kept in the house of the master Afonso himself. "We already have the terrain, and I hope that now that we have this material as a counterpart, it is possible to realize the dream of having a headquarters where we can rehearse and pass that knowledge forward," he says.





Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing




--br
Leão Coroado tem seu patrimônio imaterial em projeto de salvaguarda. Pernambuco, Brasil. Grupo do Maracatu Leão Coroado, fundado em 1863, é considerado patrimônio vivo do Estado. 

Um dos mais antigos maracatus de Pernambuco está em festa. 150 anos de história, cultura e tradição". Vários produtos compõem o projeto: um livro registrando a história viva da agremiação, um CD com 16 toadas tradicionais, um vídeo-documentário e um website, que vai continuar sendo alimentado pelos próprios integrantes do maracatu.

O lançamento ocorre no Centro Cultural dos Correios, no Bairro do Recife, e contará também com uma mesa de diálogo sobre a importância do Leão Coroado enquanto guardião da memória afrodescendente e, ao final, degustação de gastronomia de terreiro.

"Ao longo de três anos, com apoio do Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura (Funcultura), foram pesquisados e sistematizados materiais como fotos, músicas e registros audiovisuais do Leão Coroado, em entidades parceiras como a Comissão Pernambucana de Folclore, a Fundação Joaquim Nabuco, o Museu da Abolição, a Confraria de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos e os próprios integrantes do maracatu, especialmente os mais antigos", conta o coordenador do projeto e presidente da organização não governamental Instituto Cooperação Econômica Internacional (Icei Brasil), Diego Di Niglio. 

Junto com o levantamento e catalogação das imagens e da confecção do livro, do CD e do DVD, o projeto realizou oficinas de transmissão de saberes (como dança, percussão, fabricação de instrumentos e confecção de fantasias e estandartes) e gravação de videoaulas voltadas para integrantes do Leão Coroado, alunos de escolas locais e outros moradores do bairro de Águas Compridas, em Olinda, onde fica a sede do maracatu. 

Fundado em 1863 e considerado patrimônio vivo de Pernambuco, o Leão Coroado nunca tinha sido registrado com tanta amplitude e profundidade. Em 1989, a Prefeitura do Recife editou o livro "Leão Coroado", focando no antigo mestre da agremiação, Luiz de França, falecido em 1997, e em 2013, ano em que a agremiação completou 150 anos, foi realizada uma exposição fotográfica com a impressão de um catálogo. Nada, contudo, comparável ao resgate promovido agora. 

"Esse tipo de projeto é fundamental para valorizar e preservar manifestações de cultura popular, especialmente as de matriz africana, que têm a oralidade em sua base. De um lado, se organiza e registra a memória, e de outro serve de base para o futuro", aponta Di Niglio, destacando que o fato de haver uma multiplicidade de linguagens amplia o olhar e favorece a apropriação por parte da própria comunidade.

Para o mestre do Leão Coroado, Afonso Gomes de Aguiar Filho, seria importante que outras agremiações pernambucanas pudessem ser alvo desse tipo de resgate e incentivo. "O Leão Coroado sente orgulho de poder contar essa história, desde os primórdios até os dias atuais. A gente vem tentando dar sequência a um legado, conservando nossas tradições e mostrando às pessoas como é um maracatu de verdade, em um momento em que o excesso de estilização está fazendo muitos perderem o fio da meada", critica. 

Os materiais que compõem o projeto vão ser distribuídos gratuitamente durante o evento, e posteriormente serão vendidos ao custo de R$ 40 (livro) ou R$ 20 (CD ou DVD). A renda arrecadada será revertida para a construção da sede do Leão Coroado.

No momento, os adereços e outros materiais da instituição centenária ficam guardados na casa do próprio mestre Afonso. "Já temos o terreno, e tenho esperança de que, agora que temos esse material como contrapartida, seja possível realizar o sonho de ter uma sede onde possamos ensaiar e passar esse saber adiante", afirma.

Armenian artist Rudolf Khachatryan. - Artista armênio Rudolf Khachatryan.

Born in 1937, Rudolf Khachatryan started painting at the age of three. He lived in Paris for a long period. Then he returned to Armenia, his homeland. Creating paintings and beautiful portraits, Rudolf Khachatryan (Roudolf Khachatrian) used various media. In particular, white or colored paper, pencil, light-brown liquid ink (sepia), and red chalk pencil (sanguine), pen and brush. In 1971 Rudolf Khachatryan moved to Moscow. He created portraits and still lifes, filled with black or monochromatic ocher pencil, developing his own distinctive artistic style. Roudolf Khachatrian is a very unique artist. His artworks have been exhibited in different international exhibitions, stored in museums and private collections.


One night, when little Roudolf was laying on the bed and thinking, a bright light shine appeared just in front of him. The boy saw a kind face outlined in this light, he closed his eyes again. When he reopened his eyes, the face was still there. The boy was so afraid, that he cried. In the morning the boy said to his mum that he saw God. Many years later, he remembered: “For the first time we cry, when we are born. For the second time I was crying, when I was born as a human”.

Beauty will save, Viola, Beauty in everything


Multidimensional Rudolf Khachatryan


The Exhibition Multidimensional Rudolf Khachatryan is dedicated to the 80th birthday anniversary of the celebrated Armenian artist. Rudolf Khachatryan (1937-2007) had a versatile oeuvre with varied artistic periods, leaving a rich legacy. The exhibition features artworks from private collections, as well as from the National Gallery of Armenia and the Modern Art Museum of Yerevan. 


Through this exhibition the Cafesjian Center for the Arts presents the whole artistic path that Rudolf Khachatryan traveled from the 1950s to the 2000s. The exhibition Multidimensional Rudolf Khachatryan includes not only the famous realistic artworks on gesso, but also the unique characters and sculptures from the artist’s late period, as well as pieces from the early period, revealing Rudolf Khachatryan as a “multidimensional” artist.




Rudolf Khachatryan was born in Yerevan in 1937. In 1951 Khachatryan attended Yerevan Fine Art College for a few months, but was expelled over disagreement on educational principles. In 1952 he met Ervand Kochar who became young artist’s mentor and friend. Since 1955 the artist participated in local and international exhibitions. In 1960 Khachatryan became a member of the USSR Artists’ Union. In the 1950-1960s he was awarded gold and silver medals in the scope of various festivals. In 1961 the State Gallery of Armenia acquired several portraits of Armenian cultural intellectuals by Rudolf Khachatryan. Since 1971 he lived and worked in Moscow. In 1977 he became Honored Artist of Armenia, and in 1984 People’s Artist of Armenia. In 1989-1994 the artist worked and lived in London. In 1997 Rudolf Khachatryan was awarded the Medal of People’s Friendship by the President of Russian Federation, Boris Yeltsin. In 2002 he became a corresponding member of the Academy of Fine Arts of Russia. In 2003 Khachatryan was awarded RA Medal of Movses Khorenatsi, as well as the Gold Medal of the Franz Kafka European Organization. The artist died in Germany in 2007.








Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing










--br via tradutor do googlr
Artista armênio Rudolf Khachatryan.

Nascido em 1937, Rudolf Khachatryan começou a pintar aos três anos de idade. Ele viveu em Paris por um longo período. Então ele voltou para a Armênia, sua terra natal. Criando pinturas e belos retratos, Rudolf Khachatryan (Roudolf Khachatrian) usou vários meios de comunicação. Em particular, papel branco ou colorido, lápis, tinta líquida marrom-clara (sépia) e lápis de giz vermelho (sangüíneo), caneta e pincel. Em 1971, Rudolf Khachatryan se mudou para Moscou. Ele criou retratos e naturezas-mortas, preenchidos com lápis ocre preto ou monocromático, desenvolvendo seu próprio estilo artístico. Roudolf Khachatrian é um artista muito original. Suas obras foram exibidas em diferentes exposições internacionais, armazenadas em museus e coleções particulares.

Certa noite, quando o pequeno Roudolf estava deitado na cama e pensando, um brilho forte de luz apareceu bem à sua frente. O menino viu um rosto gentil delineado sob essa luz, fechou os olhos novamente. Quando ele reabriu os olhos, o rosto ainda estava lá. O menino estava com tanto medo que chorou. De manhã, o menino disse a sua mãe que ele viu Deus. Muitos anos depois, ele se lembrou: “Pela primeira vez nós choramos, quando nascemos. Pela segunda vez eu estava chorando, quando nasci como humano ”.

Rudolf Khachatryan Multidimensional
A Exposição Multidimensional Rudolf Khachatryan é dedicada ao 80º aniversário do célebre artista armênio. Rudolf Khachatryan (1937-2007) teve uma obra versátil com variados períodos artísticos, deixando um rico legado. A exposição apresenta obras de arte de coleções particulares, bem como da National Gallery of Armenia e do Museu de Arte Moderna de Yerevan.

Através desta exposição, o Centro Cafesjiano de Artes apresenta todo o caminho artístico que Rudolf Khachatryan percorreu entre os anos 50 e os anos 2000. A exposição Multidimensional Rudolf Khachatryan inclui não só as famosas obras de arte realistas sobre o gesso, mas também os personagens únicos e esculturas do período final do artista, bem como peças do período inicial, revelando Rudolf Khachatryan como um artista “multidimensional”.

As datas de exibição são 23 de março de 2017 a 4 de junho de 2017. A admissão pública começará em 24 de março, gratuitamente.

Rudolf Khachatryan nasceu em Yerevan em 1937. Em 1951, Khachatryan frequentou o Yerevan Fine Art College por alguns meses, mas foi expulso por discordar de princípios educacionais. Em 1952 ele conheceu Ervand Kochar, que se tornou mentor e amigo de um jovem artista. Desde 1955, o artista participou em exposições locais e internacionais. Em 1960, Khachatryan tornou-se membro do Sindicato dos Artistas da URSS. Na década de 1950-1960, ele foi premiado com medalhas de ouro e prata no âmbito de vários festivais. Em 1961, a State Gallery of Armenia adquiriu vários retratos de intelectuais culturais armênios por Rudolf Khachatryan. Desde 1971 ele viveu e trabalhou em Moscou. Em 1977 ele se tornou Artista Homenageado da Armênia, e em 1984 Artista do Povo da Armênia. Em 1989-1994, o artista trabalhou e viveu em Londres. Em 1997, Rudolf Khachatryan foi premiado com a Medalha da Amizade do Povo pelo Presidente da Federação Russa, Boris Yeltsin. Em 2002 ele se tornou um membro correspondente da Academia de Belas Artes da Rússia. Em 2003 Khachatryan foi premiado com a Medalha RA de Movses Khorenatsi, assim como com a Medalha de Ouro da Organização Européia Franz Kafka. O artista morreu na Alemanha em 2007.