segunda-feira, 16 de abril de 2018

Venice does not forget Casanova, his universal libertine. The city inaugurates the world's first museum dedicated to writer and adventurer. - Veneza não esquece Casanova, seu libertino universal. A cidade inaugura o primeiro museu do mundo dedicado ao escritor e aventureiro.

When Carlo Parodi moved to Venice a few years ago, he followed the trail of his childhood hero, Giacomo Casanova, who was born in Italy in 1725. The Lombard businessman discovered that there was only one place to remember his memory. And that was not necessarily the height of such a legendary character: a simple commemorative plaque installed on Malipiero Street, a discreet lane beside the Grand Canal, where Casanova was born and raised. Every time he passed by, he would see tourists crowding in front of the inscription, immortalizing the moment with a selfie. "I thought to myself that it was not possible that this was his only mark in all of Venice. I needed to do something about it, "explains Parodi, who imports prosecco in the UK.

He decided to create a museum, the first dedicated to writer and adventurer across the planet, which opened doors last week, coinciding with the 220th anniversary of Casanova's death. Situated in a 1400s mansion in the Cannaregio district, the Casanova Museum and Experience is more experience than a museum.

Parodi made a different bet from a traditional museum. To begin with, your collection is limited to a few books and objects. Let no one expect a rigorous scientific orientation, even if the texts are abundant and well documented. But his profile is undoubtedly playful. When he crosses the door, the visitor puts on glasses of virtual reality and with this he manages to transform himself into Casanova and live the same wanderings that the character carried out in the city from where he had to escape three times, when he was persecuted by his libertine customs. "It's not an artist who painted pictures that we can now contemplate. In fact, I believe it is your life that is a work of art, "says Parodi. "This is why it was convenient to embody the character and thus understand who it was." Designer Roberto Frasca, in charge of technological aspects, adds: "This is a museum of experience where the visitor should be the protagonist and not a passive being who looks back of a showcase ".

1
Portrait of Casanova GETTY

Throughout six rooms, the museum explores every facet of his biography. Different holograms and videos evoke his life and his work, between period dresses and projections of Canaletto paintings, and even a room where the visitor is witness of his mating rituals. Nevertheless, Parodi's main obsession was to stand out from the myth that Casanova ended up being the victim. "He was a great seducer, but also a great literary, musician, scientist, diplomat and secret agent," says the founder of the museum. "Casanova is like an iceberg: we only know a tiny part of it. I wanted to give him back his complexity and eclecticism. "The new museum recalls that he lived with characters such as Rousseau, Voltaire and Mozart. A mobile application completes the visit and allows you to visit several points of the city linked to Casanova, such as Sottoportego dei Do Mori or Caffé Florian, where Casanova met his achievements. "It's an important idea to recover this historical character and put him back in this beautiful place. If Casanova is a Venetian par excellence, it is because this is not the city of who is born here, but who decides to return to it, "explained the mayor of Venice, Luigi Brugnaro, during the inauguration.

This is the first Casanova museum, but it will not be the last. At the end of 2018, Parodi will open another identical center in Prague, recalling that the adventurer died in Bohemia, where he worked as a librarian in the service of the Count of Waldstein, after falling into oblivion and misery. He is also finalizing a traveling version of the exhibition that will go through some of the cities where he lived: St. Petersburg, Paris, London and "a Spanish city", still to be determined. In his time, Casanova passed by Madrid, Barcelona, ​​Valencia and Saragossa between 1767 and 1768, after expelled from Paris by its indecorous customs. He fled after being persecuted by the Inquisition and expelled from the Catalan capital, where he spent six weeks in his Citadel. More than two centuries after his death, Casanova will return to European geography.

PERMANENT FASCINIO
Since their exhaustive memoirs of 3,500 pages, History of My Life, were reissued in the 1960s, after surviving a bombardment of the Allies in Leipzig, Casanova once again became an object of fascination. At the end of the tour, the Venetian museum reviews the films that were inspired by his life, directed by all types of filmmakers, from Federico Fellini to Albert Serra. Numerous biographies tried to decipher the key to its existence. One of them, signed by the psychoanalyst Lydia Flem in the 1990s, considered him a pre-feminist character and embraced his fluid sexuality and his experiences with men and women. Another more recent, published in 2016, by Laurence Bergreen, highlights the affective needs that would have been caused by the abandonment of his mother, an actress who left him in charge of his grandmother and never gave him the love he needed. The National Library of France acquired the manuscript of History of my life in 2010 for 7 million euros (about 21 million reais) which made it the most expensive piece in its collection.





This report is guaranteed to verify the address of the LINK above.
Say no to fake news!

Esta reportagem tem a garantia de apuração do endereço do LINK acima.
Diga não às fake news!

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.





--br
Veneza não esquece Casanova, seu libertino universal. A cidade inaugura o primeiro museu do mundo dedicado ao escritor e aventureiro.

Quando Carlo Parodi se mudou para Veneza, há alguns anos, se pôs a seguir o rastro de seu herói da infância, Giacomo Casanova, que nasceu na cidade italiana em 1725. O empresário lombardo descobriu que havia um único local para recordar sua memória. E que não estava necessariamente à altura de tão lendário personagem: uma simples placa comemorativa instalada na rua Malipiero, discreta travessa ao lado do Grande Canal, onde Casanova nasceu e cresceu. Toda vez que passava por ali, descobria turistas amontoados em frente à inscrição, imortalizando o momento com uma selfie. “Pensei comigo que não era possível que essa fosse sua única marca em toda Veneza. Precisava fazer algo para resolver isso”, explica Parodi, que se dedica à importação de prosecco no Reino Unido.

Decidiu criar um museu, o primeiro dedicado ao escritor e aventureiro em todo o planeta, que abriu as portas semana passada, coincidindo com o 220º aniversário da morte de Casanova. Situado em um palacete dos anos 1400 no bairro de Cannaregio, o chamado Casanova Museum and Experience é mais experiência que museu.

Parodi fez uma aposta diferente da de um museu tradicional. Para começar, sua coleção se limita a alguns livros e objetos. Que ninguém espere uma rigorosa orientação científica, ainda que os textos sejam abundantes e bem documentados. Mas seu perfil é sem dúvida lúdico. Ao cruzar a porta, o visitante coloca óculos de realidade virtual e com isso consegue transformar-se em Casanova e viver as mesmas andanças que o personagem protagonizou na cidade de onde teve de escapar três vezes, ao ver-se perseguido por seus costumes libertinos. “Não é um artista que pintou quadros que agora possamos contemplar. Na verdade, creio que é sua vida que é uma obra de arte”, afirma Parodi. “Por isso era conveniente encarnar o personagem e assim entender quem foi.” O designer Roberto Frasca, encarregado dos aspectos tecnológicos, completa: “Este é um museu da experiência, onde o visitante deve ser o protagonista e não um ser passivo que observa atrás de uma vitrine”.


1
Retrato de Casanova GETTY


Ao longo de seis salas, o museu explora todas as facetas de sua biografia. Diferentes hologramas e vídeos evocam sua vida e sua obra, entre vestidos de época e projeções de quadros do Canaletto, e até um quarto onde o visitante é testemunha de seus rituais de acasalamento. Apesar de tudo, a principal obsessão de Parodi foi a de destacar-se do mito do qual Casanova acabou sendo vítima. “Foi um grande sedutor, mas também um grande literato, músico, cientista, diplomata e agente secreto”, afirma o fundador do museu. “Casanova é como um iceberg: só conhecemos uma parte minúscula dele. Quis lhe devolver sua complexidade e ecletismo.” O novo museu recorda que conviveu com personagens como Rousseau, Voltaire e Mozart. Um aplicativo para celular completa a visita e permite percorrer vários pontos da cidade vinculados a Casanova, como o Sottoportego dei Do Mori ou o Caffé Florian, onde Casanova encontrava suas conquistas. “É uma ideia importante recuperar esse personagem histórico e voltar a situá-lo neste belo lugar. Se Casanova é um veneziano por excelência, é porque esta não é a cidade de quem nasce aqui, mas de quem decide retornar a ela”, explicou o prefeito de Veneza, Luigi Brugnaro, durante a inauguração.

Este é o primeiro museu Casanova, mas não será o último. No fim de 2018, Parodi abrirá outro centro idêntico em Praga, recordando que o aventureiro faleceu na Boêmia, onde trabalhou como bibliotecário a serviço do conde de Waldstein, depois de cair no esquecimento e na miséria. Também está finalizando uma versão itinerante da exposição que passará por algumas das cidades onde viveu: São Petersburgo, Paris, Londres e “uma cidade espanhola”, ainda a ser determinada. Em seu tempo, Casanova passou por Madri, Barcelona, Valência e Zaragoza entre 1767 e 1768, depois de expulso de Paris por seus indecorosos costumes. Fugiu depois de ser perseguido pela Inquisição e expulso da capital catalã, onde passou seis semanas em sua Ciudadela. Mais de dois séculos depois de sua morte, Casanova voltará a percorrer a geografia europeia.

FASCÍNIO PERMANENTE

Desde que suas exaustivas memórias de 3.500 páginas, História de minha vida, foram reeditadas nos anos 1960, depois de terem sobrevivido a um bombardeio dos aliados em Leipzig, Casanova voltou a se tornar objeto de fascínio. No fim do percurso, o museu veneziano passa em revista os filmes que se inspiraram em sua vida, dirigidos por todo tipo de cineastas, de Federico Fellini a Albert Serra. Numerosas biografias tentaram decifrar a chave de sua existência. Uma delas, assinada pela psicanalista Lydia Flem nos anos noventa, considerou-o um personagem pré-feminista e abrangeu sua sexualidade fluida e suas experiências com homens e mulheres. Outra mais recente, publicada em 2016, por Laurence Bergreen, destaca as carências afetivas que teriam sido provocadas pelo abandono de sua mãe, atriz que o deixou a cargo de sua avó e nunca lhe deu o amor de que necessitava. A Biblioteca Nacional da França adquiriu o manuscrito de História de minha vida em 2010 por 7 milhões de euros (cerca de 21 milhões de reais) o que o transformou na peça mais cara de sua coleção.




Mystery solved on the resting place of the prolific Ming Dynasty poet and playwright known as the “Chinese Shakespeare”. Chinese museums have mounted exhibits comparing the Eastern and Western Bards. - Mistério resolvido no lugar de descanso do prolífico poeta e dramaturgo da dinastia Ming, conhecido como o “Shakespeare chinês”. Museus chineses montaram exposições comparando os bardos orientais e ocidentais. - 神秘主义解决了多产的明代诗人和剧作家称为“中国莎士比亚”的安息之地。中国的博物馆展出了比较东西方吟游诗人的展品。

Tang Xianzu has been called the “Chinese Shakespeare,” but until recently, the resting place of the prolific Ming Dynasty poet and playwright remained a mystery. Then last summer, Chinese news agencies announced that archaeologists had uncovered what they report is Tang Xianzu’s grave. Though no bones remained, the Eastern Bard left an important clue—in writing, naturally.

1
Kunqu, scene of "Mudanting", photo taken in the Liu Garden in Suzhou.

Jiangxi archaeologists unearthed 42 Ming-era graves dating between 1368 and 1644  in Fuzhou, Tang’s birthplace, in the eastern region of Jiangxi, due south of Shanghai. Forty of them are assumed to belong to Tang’s extended family and retinue.

Six epitaphs thought to be written by Tang Xianzu were found in the family burial plot, which led archaeologists to believe he was entombed there along with his third wife, Fu. His second wife, Zhao, was entombed nearby. Though the site was uncovered in 2016, China’s news agency released news of the findings in 2017. @XHNews tweeted images of the excavated site in 2017.

2

Tang Xianzu

“The epitaphs can help us learn more about the calligraphy, art, and literature in Tang’s time,” said Xu Changqing of the Jiangxi Provincial Cultural Relics and Archaeology Research Institute, according to Archaeology.

The major plays Tang wrote are known as the Four Dreams and include the romantic tragicomedy The Peony Pavilion, a work still performed on the Chinese Kun opera stage today. With its complex plot, dramatic structure, and fully realized characters, the Peony Pavilion is the most emblematic and enduring dramatic work of the Ming dynasty.

3
A page from a printed copy of Record of Southern Bough 
(also known as A Dream Under the Southern Bough)

Tang was something of a renegade in his day. His plays celebrated the triumph of humanity over hierarchy, a daring concept in the Ming Dynasty, which revered rank, structure, and formality. In Peony Pavilion, a young noblewoman falls scandalously and fatally in love with an impoverished scholar. Heavens!

4
Tang Xianzu

Such was the power and popularity of Tang’s plays that he became known as the “Chinese Shakespeare.” Indeed, both flourished during the same period. And both died on the same day, April 23, 1616.

Tang and Shakespeare never met, given the day and age and thousands of miles between China and England. They likely didn’t even know of each other’s existence. But that hasn’t stopped Chinese fans and critics from drawing comparisons between the two.

5
Dish with opera scene from the Peony Pavilion,
 China, Qing dynasty, Kangxi period, 1662-1722


Chinese operas today perform mash-ups of Tang and Shakespeare. Twenty performing arts troupes from China and England gathered for a month-long commemoration of both playwrights in Fuzhou in 2017. 

Chinese museums have mounted exhibits comparing the Eastern and Western Bards. 

And Fuzhou’s government donated statues of Tang and Shakespeare standing shoulder-to-shoulder to Stratford-upon-Avon, Shakespeare’s birthplace, in 2017. The statue was unveiled on Shakespeare’s 453rd birthday.

6
Memorial Hall of Tang Xianzu Photo: 猫猫的日记本
CC BY-SA 4.0

The two bards were similarly prolific. Shakespeare has nearly 40 plays and more than 150 sonnets to his credit. In addition to his quartet of plays, Tang composed more than 2,000 poems and essays, mostly in his later years.

When The Peony Pavilion was first performed, in 1598, there were no theaters in China. So the play was staged in a garden.

In the Cultural Revolution of the mid-1960s, guards in the Red Army likely destroyed Tang’s gravesite as a symbol of China’s ancient culture and customs, even if they didn’t know that the famous playwright was entombed there. A factory was soon built over the site.

Related story from us: Plagiarism tool used to catch college students detects similarities in Shakespeare’s plays and the work of an obscure Englishman named George North.

It was the recent destruction of the 1960s-era factory and subsequent cleanup that led to the 2017 discovery of the tombs. Very little of what was originally buried was found intact, however. No bones remained. Even so, the archaeological discovery was met with celebration. The Fuzhou government plans eventually to turn the site into a tourist attraction with the epitaphs displayed. A fitting tribute to the Chinese Shakespeare.






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

This report is guaranteed to verify the address of the LINK above.
Say no to fake news!

Esta reportagem tem a garantia de apuração do endereço do LINK acima.
Diga não às fake news!

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.




--br via tradutor do google
Mistério resolvido no lugar de descanso do prolífico poeta e dramaturgo da dinastia Ming, conhecido como o “Shakespeare chinês”. Museus chineses montaram exposições comparando os bardos orientais e ocidentais.

Tang Xianzu foi chamado de "Shakespeare chinês", mas até recentemente, o lugar de descanso do prolífico poeta e dramaturgo da Dinastia Ming permaneceu um mistério. No verão passado, as agências de notícias chinesas anunciaram que os arqueólogos descobriram o que relatam ser o túmulo de Tang Xianzu. Embora não restassem ossos, o bardo oriental deixou uma pista importante - por escrito, naturalmente.

1
Kunqu, cena de "Mudanting", foto tirada no Jardim Liu, em Suzhou.

Arqueólogos de Jiangxi desenterraram 42 túmulos da era Ming que datam de 1368 a 1644 em Fuzhou, local de nascimento de Tang, na região leste de Jiangxi, ao sul de Xangai. Supõe-se que quarenta deles pertençam à família extensa de Tang e seguem.

Seis epitáfios pensados ​​para serem escritos por Tang Xianzu foram encontrados no enterro da família, o que levou os arqueólogos a acreditarem que ele estava sepultado lá junto com sua terceira esposa, Fu. Sua segunda esposa, Zhao, foi sepultada por perto. Embora o site tenha sido descoberto em 2016, a agência de notícias da China divulgou notícias sobre as descobertas em 2017. @XHNews twittou imagens do local escavado em 2017.

2
Tang Xianzu

"Os epitáfios podem nos ajudar a aprender mais sobre a caligrafia, a arte e a literatura no tempo de Tang", disse Xu Changqing, do Instituto Provincial de Pesquisas Culturais e Arqueológicas de Jiangxi, segundo a Archaeology.

As principais peças escritas por Tang são conhecidas como os Quatro Sonhos e incluem a tragicomédia romântica The Peony Pavilion, um trabalho ainda realizado no palco da ópera chinesa de Kun hoje. Com o seu enredo complexo, estrutura dramática e personagens totalmente realizados, o Pavilhão Peony é o trabalho dramático mais emblemático e duradouro da dinastia Ming.

3
Uma página de uma cópia impressa do Record of Southern Bough (também conhecido como A Dream Under the Southern Bough)

Tang era uma espécie de renegado em seus dias. Suas peças celebravam o triunfo da humanidade sobre a hierarquia, um conceito ousado na dinastia Ming, que reverenciava a hierarquia, a estrutura e a formalidade. Em Peony Pavilion, uma jovem nobre se apaixona escandalosamente e fatalmente por um estudioso empobrecido. Céus!

4
Tang Xianzu

Tal foi o poder e a popularidade das peças de Tang que ele ficou conhecido como o “Shakespeare chinês”. De fato, ambos floresceram durante o mesmo período. E ambos morreram no mesmo dia, 23 de abril de 1616.

Tang e Shakespeare nunca se encontraram, dado o dia e a idade e milhares de quilômetros entre a China e a Inglaterra. Eles provavelmente nem sabiam da existência um do outro. Mas isso não impediu que os fãs e críticos chineses fizessem comparações entre os dois.

5
Prato, com, ópera, cena, de, a, peony, pavilhão, china, dinastia qing, período kangxi, 1662-1722


As óperas chinesas realizam atualmente mash-ups de Tang e Shakespeare. Vinte trupes de artes performáticas da China e da Inglaterra se reuniram para uma comemoração de um mês de duração de ambos os dramaturgos em Fuzhou em 2017.

Museus chineses montaram exposições comparando os bardos orientais e ocidentais.

E o governo de Fuzhou doou estátuas de Tang e Shakespeare lado a lado com Stratford-upon-Avon, local de nascimento de Shakespeare, em 2017. A estátua foi revelada no 453º aniversário de Shakespeare.

6
Salão Memorial de Tang Xianzu Foto: Memorial 的 日记 本
CC BY-SA 4.0

Os dois bardos eram igualmente prolíficos. Shakespeare tem quase 40 peças e mais de 150 sonetos para o seu crédito. Além de seu quarteto de peças, Tang compôs mais de 2.000 poemas e ensaios, principalmente em seus últimos anos.

Quando o Pavilhão Peony foi realizado pela primeira vez, em 1598, não havia teatros na China. Então a peça foi encenada em um jardim.

Na Revolução Cultural de meados da década de 1960, os guardas do Exército Vermelho provavelmente destruíram o túmulo de Tang como um símbolo da antiga cultura e costumes da China, mesmo que não soubessem que o famoso dramaturgo estava sepultado lá. Uma fábrica foi construída logo sobre o site.

7
Em 1980, um túmulo vazio foi erguido no Parque do Povo de Fuzhou para homenagear seu legado.

História relacionada de nós: ferramenta de plágio usada para pegar estudantes universitários detecta semelhanças nas peças de Shakespeare e o trabalho de um obscuro inglês chamado George North.

Foi a recente destruição da fábrica da década de 1960 e a subsequente limpeza que levou à descoberta dos túmulos em 2017. Muito pouco do que foi originalmente enterrado foi encontrado intacto, no entanto. Nenhum osso permaneceu. Mesmo assim, a descoberta arqueológica foi recebida com celebração. O governo de Fuzhou planeja eventualmente transformar o local em uma atração turística com os epitáfios exibidos. Um tributo adequado ao Shakespeare chinês.

https://www.thevintagenews.com/2018/04/09/chinese-shakespeare/






--chines simplificado
神秘主义解决了多产的明代诗人和剧作家称为“中国莎士比亚”的安息之地。中国的博物馆展出了比较东西方吟游诗人的展品。

汤显祖被称为“中国莎士比亚”,但直到最近,多产的明代诗人和剧作家的安息之地仍然是一个谜。去年夏天,中国新闻社宣布考古学家发现他们所报道的是汤显祖的坟墓。虽然没有骨头留下,但东巴德自然留下了一条重要线索 - 写作。

1
昆曲,“牡丹亭”现场,摄于苏州柳园。

江西考古学家在上海南部的江西东部地区福州出生于福州,出土了1368年至1644年的42个明代坟墓。他们中的四十人被认为属于唐家的大家庭和随从。

考古学家认为他和他的第三任妻子傅先生一起被埋葬在那里,他们在家庭墓地发现了六件被唐显祖写成的墓志铭。他的第二任妻子赵被埋在附近。尽管该网站在2016年发现,但中国新闻社在2017年发布了该调查结果的新闻。@ XHNews在2017年发布了发掘网站的图片。

2
汤显祖

根据考古学,江西省文物考古研究所的徐长青说:“这些墓志铭可以帮助我们更多地了解唐代时期的书法,艺术和文学。”

唐代的主要戏剧作品被称为“四梦”,其中包括浪漫的悲喜剧“牡丹亭”,这部作品今天仍在中国昆剧的舞台上演出。牡丹亭以其复杂的情节,戏剧化的结构和完全实现的人物,是明朝最具象征性和持久性的戏剧作品。

3
从南部树丛记录(也被称为南部树丛下的梦想)

唐在当时是一个叛徒。他的戏剧庆祝了人类对等级的胜利,这是明代的一种尊崇阶级,结构和形式的大胆概念。在牡丹亭里,一位年轻的贵族女子绯闻和致命地爱上了一个贫穷的学者。天!

4
汤显祖

这就是唐代戏剧的力量和流行,他被称为“中国莎士比亚”。事实上,两者在同一时期都是蓬勃发展的。两人于1616年4月23日同一天死亡。

考虑到中国和英国之间的时代和数千英里的距离,唐和莎士比亚从未见过面。他们可能甚至不知道彼此的存在。但这并没有阻止中国球迷和评论家在两者之间进行比较。

与牡丹亭,中国,清朝,康熙时期,1662年至1722年的歌剧场景


今天的中国歌剧演出唐和莎士比亚的混搭。 2017年,来自中国和英国的二十个表演艺术团队聚集在福州举办为期一个月的纪念两位剧作家。

中国的博物馆展出了比较东西方吟游诗人的展品。

2017年,福州政府捐赠了唐和莎士比亚的雕像,并肩并肩站在莎士比亚的出生地斯特拉特福,这座雕像是在莎士比亚诞辰453周年的时候揭幕的。

6
汤显祖纪念馆照片:猫猫的日记本
CC BY-SA 4.0

这两个吟游诗人同样多产。莎士比亚有近40场戏和150多首十四行诗。除了他的四部剧作之外,唐诗创作了超过2000首诗歌和散文,大部分是晚年。

当牡丹亭在1598年首次演出时,中国没有剧院。所以这部戏是在花园里举行的。

在六十年代中期的文化大革命中,红军卫兵很可能将唐的墓地摧毁为中国古代文化和习俗的象征,即使他们不知道这位着名剧作家被埋葬在那里。工厂很快就建成了。

7
1980年,福州人民公园设立了一座空坟,以纪念他的遗产。

来自我们的相关故事:用于抓大学生的剽窃工具可以发现莎士比亚戏剧中的相似之处,以及一位名叫乔治·诺斯的名不见经传的英国人的作品。

最近60年代时期的工厂遭到破坏,随后的清理工作导致2017年发现了坟墓。然而,很少发现原来埋藏的东西完好无损。没有骨头留下。即便如此,这次考古发现也迎来了庆祝。福州市政府计划最终将该网站变成一个带有墓志铭的旅游景点。向中国莎士比亚致敬。

https://www.thevintagenews.com/2018/04/09/chinese-shakespeare/