Google+ Followers

terça-feira, 15 de setembro de 2015

A história do Recife, Pernambuco, Brasil, contada em cartões-postais

Coleção lançada pelo Museu da Cidade é composta de postais, com fotos em preto e branco

Zeppelin sobrevoando o bairro de Santo Antônio, no Centro do Recife, em 1936
Foto:Alexandre Berzin/Acervo do Museu da Cidade do Recife


O Museu da Cidade do Recife é guardião de mais de 200 mil fotos da capital pernambucana no século 20. São cenas de praças, de ruas, do Carnaval, das pontes, do Rio Capibaribe, enfim, a memória impressa de fatos e lugares que marcaram a nossa história. As imagens poderiam ficar dormindo no acervo da instituição. Mas o museu teve uma ideia melhor e resolveu compartilhar as fotografias criando simpáticos cartões-postais.

Antes que você pergunte, são cartões de verdade mesmo, aqueles retângulos de papel no tamanho 10x15, com fotos em preto e branco para serem manuseados, colecionados ou enviados a parentes e amigos, com um recado no verso escrito a mão. Um mimo para ser postado nos Correios e surpreender quem recebe, nesses tempos de mensagens virtuais.

A primeira edição do Projeto Coleção Postais do Recife já está disponível ao público na livraria do museu, localizado no Forte das Cinco Pontas, no bairro de São José. Para a estreia, foram confeccionados 12 tipos diferentes de cartões. Seis são ilustrados com fotos do Graf Zeppelin e seis exibem praças públicas, clicadas nos anos 30, 40 e 50.

Para quem não sabe, o Zeppelin era um balão dirigível que fazia a ponte aérea entre a Alemanha e o Recife, de 1930 a 1937. Um ano antes do fim das viagens, o fotógrafo Alexandre Berzin registrou a aeronave em toda sua exuberância equilibrada na torre de atracação do campo de pouso do Jiquiá (Zona Oeste) e cruzando o bairro de Santo Antônio, no Centro, com as ruas praticamente sem carros.

“O Zeppelin é um grande sucesso mercadológico”, diz Betânia Corrêa de Araújo, diretora do centro cultural e colecionadora de postais, ao justificar as paisagens selecionadas entre 200 mil fotos. Nos outros cartões da coleção o museu imprimiu flagrantes de seis praças recifenses projetadas ou restauradas por Roberto Burle Marx (1909-1994), um dos melhores paisagistas do século 20.

Repare só nos homens de paletó e gravata, nos meninos de calças curtas e nos vestidos de saia rodada das meninas que brincam na Praça Faria Neves, em Dois Irmãos, na frente do zoológico. A foto da Praça Euclides da Cunha, na Madalena, mostra a vegetação da caatinga que o paisagista trouxe para a área urbana, pelas lentes de Severino Fragoso.

As praças escolhidas – Faria Neves, Euclides da Cunha, de Casa Forte, do Derby, Ministro Salgado Filho (Aeroporto) e da República (entre o Palácio do Governo, Palácio da Justiça e Teatro de Santa Isabel) – foram reconhecidas como jardins históricos pelo Iphan, em junho de 2015. São postais com pedigree.

“É possível acompanhar, pelos cartões, as mudanças de usos e costumes ocorridas na cidade, comparando as fotos antigas com as imagens atuais”, comenta Betânia Corrêa. O bilhete-postal possibilita várias leituras, diz ela. A ideia do museu é fazer mais um lançamento este ano, com cenas do Carnaval e do Rio Capibaribe, também do arquivo da instituição.

Depois, ela pretende convidar fotógrafos em atividade para montar uma nova coleção, desta vez com fotos contemporâneas da cidade. “Há uma carência grande de bons postais no Recife e, ao mesmo tempo, temos um acervo riquíssimo. A venda dos cartões funcionará como uma doação ao museu, para ajudar na conservação das fotografias.”

A proposta é também estimular o colecionismo entre crianças, jovens e adultos acrescenta Betânia. Cada postal custa R$ 2 e a lojinha do museu atende de terça-feira a domingo (sim, o museu agora abre aos domingos), das 9h às 17h, sem cobrança de ingresso.

HOMENAGEM

Invenção do século 19, o bilhete-postal surgiu para facilitar a troca de correspondências. Sem envelope protegendo o conteúdo escrito e com espaço limitado para a mensagem, a postagem era mais barata. Hoje, os Correios cobram 95 centavos para enviar um cartão (tarifa nacional). É o mesmo preço de uma carta simples.

Quer saber mais? No Brasil, o postal foi instituído pelo Decreto nº 7695 de 28 de abril de 1880, 11 anos depois da circulação do primeiro cartão no mundo, em 1º de outubro de 1869, no Império Austro-Húngaro. Um pernambucano do Recife, Manuel Buarque de Macedo (1837-1881) é o autor da façanha.

Nada mais justo, pois, que o seu nome batize um dos cartões-postais da cidade, a Ponte Buarque de Macedo, que liga a Praça da República, em Santo Antônio, à Avenida Rio Branco, no Bairro do Recife. Engenheiro e jornalista, ele era ministro da Agricultura, Comércio e Obras Públicas e conselheiro do Imperador Pedro II.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti
http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/suplementos/jc-mais/noticia/2015/09/13/a-historia-do-recife-contada-em-cartoes-postais-198671.php

Nenhum comentário:

Postar um comentário