Google+ Followers

sábado, 26 de setembro de 2015

The shrine of Fatema Mæ'sume (sister of Imām ʻAlī ibn-Mūsā Riđā) is located in Qom which is considered by Shia Muslims to be the second most sacred city in Iran after Mashhad.

Fatima Masumeh was the sister of the eighth Imam 'Ali al-Rida and the daughter of the seventh Imam Musa al-Kadhim (Tabari 60). In Shia Islam, women are often revered as saints if they are close relatives to one of the Twelver Imams. Fatima Masumeh is therefore honored as a saint, and her shrine in Qom is considered one of the most significant Shi'i shrines in Iran. Every year, thousands of Shi'i Muslims travel to Qom to honor Fatima Masumeh and ask her for blessings. For more information on the history of Fatima Masumeh, see Fatima bint Musa.

Shrine of Fātimah al-Ma‘sūmah, sister of ‘Alī al-Riđā


Also buried within the shrine are three daughters of the ninth, Twelver Shī‘ah Imām, Muhammad at-Taqī.

The golden dome above the mausoleum

--
The mosque consists of a burial chamber, three courtyards and three large prayer halls, totalling an area of 38,000 m2 (410,000 sq ft). The three prayer halls are named: Tabātabā'ī, Bālā Sar, and A‘dham.

--
Though Shi'i theology formally states that the relatives of the Imams, or imamzadehs, hold a lower status than the Imams, popular Shi'ism still strongly venerates imamzadehs. In Iran, there are many more burial places of the Imams' relatives than there are for the Imams themselves. Imamzadehs are considered to be close to God and religiously pious because of their close relation to Imams. Shi'is commonly travel on pilgrimages to shrines of imamzadehs, such as the Shrine of Fatima Masumeh, the sister of the 8th Imam 'Ali al-Rida, in Qom, Iran. Men and women seek cures to ailments, solutions to problems, and forgiveness of sins at these sites. Many hadiths, or teachings, are recorded from Shi'i Imams praising the veneration of Fatima Masumeh, and proclaiming that those who make a pilgrimage to her Shrine will "certainly be admitted to heaven."

Fatima Masumeh's Shrine in Qom is crowded every day of the year with Shi'i men, women, and children from all around the world. Some stay for hours or days praying at the mosque and circumambulating her tomb. The economy of Qom has become reliant on this pilgrimage for the tourism it brings. In turn, Qom has remained conservative and traditional to maintain a pious environment for pilgrims. Many miracles have been recorded as taking place at this shrine, and they are documented in a special office within the shrine complex. Some are published in the shrines monthly newspaper, the Payam-e Astan.

Pilgrims at the Shrine of Fatima Masumeh follow rituals that have been passed down for centuries. Imam Ali al-Rida, Fatima Masumeh's brother, outlined these ritual acts as he described the way he visited her Shrine. The prayer Imam al-Rida dictated to his sister continues to be part of the pilgrimage. Since the Safavid period, additional rituals have been added that are now typical for many Shi'i pilgrimages including ritual washing beforehand, dressing in perfumed clothing, and entering the site with one's right foot.

--
Since the beginning of Qom's history in the 7th century, the city was associated with Shi'ism and set apart from the Sunni caliphate. Many Shi'i hadiths referred to Qom as a "place of refuge for believers," calling it a deeply religious place. After Fatima Masumeh's death in Qom and the construction of her Shrine, scholars began to gather in Qom and the city gained its reputation for religious learning. Today, Qom is still noted for its religious seminaries and organizations.

Fatima Masumeh died in Qom in 201 A.H. as she travelled to join her brother, Imam Ali al-Rida in Khorasan. The caravan she travelled in was attacked in Saveh by enemies to the Shi'i's, and 23 of Fatima Masumeh's family and friends were killed (Jaffer). Fatima Masumeh was then poisoned by a women from the enemies, fell ill, and asked to be taken to Qom, where she died. Fatima Masumeh's host in Qom buried her in his plot of land.

The style of Fatima Masumeh's Shrine has developed over many centuries. At first, her tomb was covered with a bamboo canopy. Fifty years later, a dome was built above her tomb at the request of the daughter of Imam Muhammad at-Taqī, Sayyida Zaynab. The family of Sayyida Zainab later built two more domes onto the Shrine. This marked the beginning of women patronizing the tomb of Fatima Masumeh.

--
In 1519, Tajlu Khanum, the wife of Shah Isma'il I, led a project to improve the drainage around the Shrine, embellish the Shrine with an ivan and two minarets, and reconstruct the tomb chamber as a domed octagon. During the Safavid dynasty, the women of this family were very active in embellishing the Shrine of Fatima Masumeh. In times of war, Safavid royal women found refuge in Qom, and likely compared their situation to that of Fatima Masumeh. These women donated beautiful fabrics and other items to the Shrine. Shah Abbas I of the Safavids did not patronize the Shrine of Fatima Masumeh as much as he did other shrines of Imams, but he did offer books to the Shrine's seminary library. Many Safavid royalty were buried around the Shrine of Fatima Masumeh.

From 1795-1796, Fath-Ali Shah Qajar converted two Safavid sahn or courtyards into one large courtyard and, in 1803, fixed the golden dome. In 1883, Amin al-Sultan added the new sahn e-jadid or "New Court" to the Shrine complex.

In Ayatollah Khomeini's Iranian Revolution of the 1970s, Qom was named "the birthplace" of this movement. Khomeini studied in Qom and lived there at the beginning and end of the Revolution. Aspects of the culture of Qom, including the Shrine of Fatima Masumeh, were used to unite the Iranian people over significant historical and mythical events. Khomeini used images of the Shrine of Fatima Masumeh in posters, money, and stamps created during the Revolution. Khomeini also constructed an addition to the Shrine of Fatima Masumeh and added more space for pilgrims. In addition, the tomb of Ayatollah Khomeini utilizes architectural elements that are similar to Fatima Masumeh's Shrine, such as the golden dome.


--
fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti     colaboração: Ali Reza Sarvdalir


--br
O santuário de Fatema Mæ'sume (irmã de Imām'Alī ibn-Mūsā Riđā) está localizada em Qom que é considerado por muçulmanos xiitas para ser a segunda cidade mais sagrada no Irã depois de Mashhad. Fátima Masumeh era a irmã do oitavo Imam Ali al-Rida e filha do sétimo Imam Musa al-Kadhim (Tabari 60). No islamismo xiita, as mulheres muitas vezes são reverenciados como santos se eles são parentes próximos de um dos imames Twelver. Fátima Masumeh é, portanto, homenageado como um santo, e seu santuário em Qom é considerado um dos santuários xiitas mais importantes no Irã. Todos os anos, milhares de xiitas muçulmanos viajar a Qom para honrar Fátima Masumeh e pedir-lhe bênçãos. Para obter mais informações sobre a história de Fátima Masumeh, consulte Fatima bint Musa.

Também enterrados dentro do santuário são três filhas do nono, Twelver xiita Imam Muhammad at-Taqi.

-
A mesquita é composto por uma câmara funerária, três pátios e três grandes salas de oração, totalizando uma área de 38.000 m2 (410.000 pés quadrados). As três salas de oração são nomeados: Tabātabā'ī, Bālā Sar, e A'dham.

-
Apesar de teologia xiita afirma formalmente que os parentes dos Imames, ou imamzadehs, manter um status mais baixo do que os imãs, xiismo popular, ainda venera fortemente imamzadehs. No Irã, há muitos lugares mais de sepultamento de parentes dos imames 'do que há para os imãs próprios. Imamzadehs são considerados para estar perto de Deus e religiosamente devota por causa de sua estreita relação com imames. Shi'is comumente viajam em peregrinação a santuários de imamzadehs, como o Santuário de Fátima Masumeh, irmã do oitavo Imam Ali al-Rida, em Qom, no Irã. Homens e mulheres procuram curas para doenças, soluções para os problemas, eo perdão dos pecados a estes sites. Muitas hadiths, ou ensinamentos, são registrados a partir de Imames xiitas louvando a veneração de Fátima Masumeh, e proclamando que aqueles que fazem uma peregrinação ao seu santuário irá "certamente ser admitido para o céu.".

Santuário de Fátima Masumeh em Qom é lotado todos os dias do ano, com os homens xiitas, mulheres e crianças de todo o mundo. Alguns ficam por horas ou dias orando na mesquita e circumambulating seu túmulo. A economia de Qom tornou-se dependente desta peregrinação para o turismo traz. Por sua vez, Qom permaneceu conservador e tradicional para manter um ambiente piedoso para os peregrinos. Muitos milagres foram registrados como tendo lugar neste santuário, e eles são documentados em um escritório especial dentro do complexo do santuário. Alguns são publicados nos santuários de jornal mensal, o Payam-e Astan.

Os peregrinos no Santuário de Fátima Masumeh seguir rituais que foram transmitidos por séculos. Imam Ali al-Rida, o irmão de Fatima Masumeh, delineou estes atos rituais, como ele descreveu a maneira como ele visitou seu Santuário. A oração Imam al-Rida ditado a sua irmã continua a fazer parte da peregrinação. Desde o período de Safavid, rituais foram adicionadas que estão agora típico para muitas peregrinações xiitas incluindo a lavagem ritual de antemão, se vestir com roupas perfumadas, e entrar no local com o pé direito.

-
Desde o início da história de Qom, no século 7, a cidade foi associado com o xiismo e separado do califado sunita. Muitas hadiths xiitas referido Qom como um "local de refúgio para os crentes", chamando-o de um lugar profundamente religioso. Após a morte de Fatima Masumeh em Qom ea construção de seu Santuário, os estudiosos começaram a se reunir em Qom ea cidade ganhou sua reputação de aprendizagem religiosa. Hoje, Qom ainda é conhecida pelos seus seminários e organizações religiosas.

Fátima Masumeh morreu em Qom em 201 AH como ela viajou para se juntar a seu irmão, Imam Ali al-Rida em Khorasan. A caravana viajou em foi atacado em Saveh por inimigos para os xiitas do, e 23 da família de Fatima Masumeh e amigos foram mortos (Jaffer). Fátima Masumeh foi então envenenado por uma mulher dos inimigos, caiu doente, e pediu para ser levado para Qom, onde morreu. Acolhimento de Fátima Masumeh em Qom enterrado ela no seu lote de terra.

O estilo do Santuário de Fátima Masumeh tem desenvolvido ao longo de muitos séculos. No início, seu túmulo foi coberto com um toldo de bambu. Cinquenta anos depois, a cúpula foi construída acima de seu túmulo, a pedido da filha do Imam Muhammad at-Taqi, Sayyida Zainab. A família de Sayyida Zainab mais tarde construiu mais duas cúpulas para o Santuário. Isto marcou o início das mulheres paternalista do túmulo de Fátima Masumeh.

-
Em 1519, Tajlu Khanum, a esposa de Shah Ismail I, levou um projeto para melhorar a drenagem em torno do Santuário, embelezar o Santuário com uma ivan e dois minaretes, e reconstruir a câmara do túmulo como um octagon cúpula. Durante a dinastia Safavid, as mulheres desta família foram muito ativos na embelezando o Santuário de Fátima Masumeh. Em tempos de guerra, Safávidas mulheres reais encontraram refúgio em Qom, e provavelmente comparou sua situação à de Fátima Masumeh. Essas mulheres doado belos tecidos e outros itens para o Santuário. Shah Abbas I do Safavids não freqüentam o Santuário de Fátima Masumeh tanto quanto ele fez outros santuários de Imames, mas ele fez oferta de livros à biblioteca do seminário do Santuário. Muitos royalty Safavid foram enterrados em torno do Santuário de Fátima Masumeh.

A partir de 1795-1796, Fath-Ali Shah Qajar convertido dois sahn Safavid ou pátios em um grande pátio e, em 1803, fixou a cúpula dourada. Em 1883, Amin al-Sultan acrescentou o novo e-Jadid sahn ou "New Court" para o complexo do santuário.

Em aiatolá Khomeini Revolução Iraniana de 1970, Qom foi nomeado "o berço" desse movimento. Khomeini estudou em Qom e viveu lá no início e no fim da Revolução. Aspectos da cultura de Qom, incluindo o Santuário de Fátima Masumeh, foram usados ​​para unir o povo iraniano sobre eventos históricos e míticos significativos. Khomeini usou imagens do Santuário de Fátima Masumeh em cartazes, dinheiro e selos criados durante a Revolução. Khomeini também construiu uma adição ao Santuário de Fátima Masumeh e acrescentou mais espaço para os peregrinos. Além disso, o túmulo do Aiatolá Khomeini utiliza elementos arquitectónicos que são semelhantes para o Santuário de Fátima Masumeh, como a cúpula dourada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário