Google+ Followers

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Museu do Meio Ambiente na Ilha Grande da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Brasil -- Museum of the Environment on the Big Island, State University of Rio de Janeiro, Brazil

No próximo dia 12, o Ecomuseu Ilha Grande da UERJ inaugura a sede do Museu do Meio Ambiente, com a exposição "Certos Modos de Ser Caiçara", sobre o universo tradicional das comunidades localizadas no litoral sul fluminense, tais como, saberes, fazeres, crenças, valores, ambiente de trabalho, lazer, entre outros. 



Em obras desde 2012, o MuMA fica numa construção remanescente da antiga Fazenda Dois Rios, do século XIX. O prédio que chegou a ser utilizado como presídio em 1894 e teve como preso histórico o escritor Graciliano Ramos, em 1936, faz parte do conjunto penitenciário que funcionou no local até 1994, quando foi parcialmente implodido pelo governo do estado.

"Essa é uma grande contribuição da universidade para o resgate da tradição e da memória cultural da Ilha Grande e da população sul fluminense como um todo", diz o professor e antropólogo Ricardo Lima, diretor do Departamento Cultural da UERJ. Para a coordenadora do MuMA, Thereza Rosso, a intenção é que o lugar se torne ecologicamente sustentável, em função de estar localizado numa área de proteção do INEA. "Além de um espaço cultural, a ideia é que o museu apresente também projetos universitários relacionados ao meio ambiente", afirma. 

Na mesma data, também será implantada a Casa de Produção de Mudas do Parque Botânico, outra unidade do Ecomuseu Ilha Grande, onde se localizava a lavanderia do Instituto Penal Cândido Mendes. Em função de pesquisas e levantamentos sobre a flora local, mais de mil espécies nativas foram catalogadas sob a supervisão da professora, Cátia Callado, coordenadora do Parque Botânico. "O objetivo desse trabalho é contar a história da Ilha Grande através das plantas", informa.


http://www.jb.com.br/cultura/noticias/2015/10/25/novo-museu-do-meio-ambiente-na-ilha-grande-sera-inaugurado-no-dia-12/

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Vamos compartilhar.



--in
Museum of the Environment on the Big Island, State University of Rio de Janeiro, Brazil

On Feb. 12, the Ecomuseum Grand Island UERJ inaugurates the headquarters of the Museum of the Environment, with the exhibition "Certain Being modes Rascal" on the traditional universe of communities located in Rio's south coast, such as knowledge, doings, beliefs, values, workplace, leisure, among others.


In the works since 2012, the Muma is a remaining building of the old farm Two Rivers, the nineteenth century. The building was once used as a prison in 1894 and was arrested as historical writer Graciliano Ramos in 1936, it is part of the prison set that worked there until 1994 when it was partially imploded by the state government.

"This is a great contribution of the university to the rescue of tradition and cultural memory of Ilha Grande and Rio southern population as a whole," says professor and anthropologist Ricardo Lima, director of the Cultural Department of UERJ. For the coordinator of Muma, Thereza Rosso, the intention is that the place will become ecologically sustainable, be in function INEA located in a protection area. "In addition to a cultural space, the idea is that the museum also present university projects related to the environment," he says.

On the same day, it will also be deployed to Seedling Production House Botanic Park, another unit of the Ecomuseum Big Island, where was located the laundry room of the Criminal Institute Cândido Mendes. In research function and surveys about the local flora, over a thousand native species have been cataloged under the supervision of a teacher, Katie Callado, coordinator Botanic Park. "The goal of this work is to tell the story of the Big Island through the plants," he says.


Um comentário:

  1. A iniciativa de transformar o presídio de Ilha Grande em um Museu Ecológico e contar a história através do mesmo sinaliza que a ¨Terra jamais será uma paisagem árida. Felizmente uma parte considerável da raça humana se preocupa com o futuro de seus semelhantes, pesquisando e criando museus.

    ResponderExcluir