Google+ Followers

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Teerão mostra por fim a sua escondida, e muito valiosa, colecção de arte moderna. (.pt)

Durante quatro décadas as obras de Picasso, Rothko, Warhol ou Bacon reunidas para o Museu de Arte Contemporânea de Teerão mantiveram-se escondidas num cofre-forte. Agora surgem, por fim, nas paredes do museu, disponíveis ao olhar dos iranianos.

Rapariga com um caracol, de Henri de Toulouse -Lautrec, é um dos quadros da exposição ATTA KENARE/AFP


Nos últimos anos do regime do Xá Reza Pahlavi, a imperatriz Farah Pahlavi adquiriu mundo fora obras de Picasso, Rothko, Warhol, Pollock, Gauguin ou Bacon, criando aquela que é uma das maiores e mais valiosas colecções de arte moderna ocidental. O objectivo? Rechear o Museu de Arte Contemporânea de Teerão, que ela própria ajudara a fundar.

Com a revolução islâmica de 1979, que conduziu o Aiatola Khomeini ao poder, as obras, muitas delas consideradas blasfemas ou representativas da intoxicação da sociedade iraniana pela cultura ocidental, desceram à segurança de uma caixa-forte do museu. Desde sexta-feira, porém, estão colocadas nos locais inicialmente previstos: nas paredes do museu, disponíveis ao olhar dos iranianos. É a primeira grande exposição de arte estrangeira ali patente desde 1999.

Na inauguração, sexta-feira, o ministro iraniano da Cultura, Ali Jannati, explicou que o recente acordo com as potências ocidentais quanto ao programa nuclear do país abriu as portas para a colaboração noutros sectores – como o cultural. “Este é um primeiro passo, e esperamos que haja mais cooperação mútua para divulgar artistas iranianos notáveis, bem como para exibir mais obras da nossa colecção estrangeira de arte”, declarou à AFP.

Na exposição agora inaugurada, os iranianos poderão apreciar Suicide, acrílico de Warhol na linha da série Death and Disaster, arrematada na Sotheby’s de Nova Iorque, em 2013, por 98 milhões de dólares, Sienna Orange and Black on Dark Brown, de Mark Rothko, ou Reclining Man With Sculpture, de Francis Bacon. Estão agrupadas 42 obras da colecção estrangeira e uma mostra de 130 trabalhos da pintora, escritora, artista visual e tradutora iraniana Farideh Lashai, falecida em 2013, aos 68 anos.

A inauguração sinaliza a abertura do museu ao mundo, firmada em Outubro com um acordo assinado com o governo alemão para a cedência de 30 obras ocidentais e 30 iranianas para exposição em Berlim durante três meses, no que constitui a primeira internacionalização do Museu de Arte Contemporânea de Teerão.

Num extenso artigo publicado pela Bloomberg, o jornalista Peter Waldman, que visitou o museu e a caixa-forte, descreve os jardins por onde passeiam estudantes de fotografia que utilizam como alvo das suas objectivas as esculturas de Max Ernst, Giacometti ou Magritte ali expostas, e descreve obras da colecção como Mural On Indian Red Ground, uma das maiores “drip paintings” de Jackson Pollock (2,7 metros por 2,4 metros), e também uma das mais valiosas – a Christie’s avaliou-a em 234 milhões de euros em 2010.

A sobrevivência da colecção de 1500 obras durante as últimas quatro décadas deve-se, por um lado, à resistência dos responsáveis do museu às propostas de compra que foram surgindo regularmente, mesmo aquelas que, por representarem nudez ou homossexualidade, são consideradas inaceitáveis pelo poder religioso – “Se as vendêssemos, o que compraríamos que tivesse o mesmo valor?”, questionava na reportagem da Bloomberg Majid Mollanoroozi, o director do museu. Deve-se, por outro lado, à dedicação e coragem de homens como Firouz Shabazi Moghadam.

No pico da revolução islâmica, passou dois anos praticamente fechado no museu, assegurando que a colecção se mantinha intacta. E quando abordado pelas autoridades para a cedência de algumas obras, impunha-se perante elas e recusava abrir as portas da caixa-forte, temendo que não mais voltassem ao museu. “Só Deus sabe onde fui encontrar coragem para o fazer”, confessou. “Normalmente tenho tanto medo, mas em relação a esta caixa-forte, neste museu, sou como um leão”.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti 


http://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/teerao-mostra-por-fim-a-sua-escondida-e-muito-valiosa-coleccao-de-arte-moderna-1715179


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Vamos compartilhar.





Warhol, Pollock e Rothko numa rara exposição Obras vão estar no Museu das Artes Contemporâneas, no Irão. 

Algumas das obras de arte moderna e contemporânea mais caras e menos vistas no mundo, nomeadamente quadros dos norte-americanos Jackson Pollock, Andy Warhol e Mark Rothko, estão expostas a partir de deste sábado e durante três meses em Teerão. 

Esta grande exposição no Museu das Artes Contemporâneas integra 42 obras de artistas ocidentais, como o "Mural on Indian Red Ground" (1950), considerada a obra-prima de Pollock e que peritos da Christie's avaliaram em 2010 em 250 milhões de dólares (234,8 milhões de euros). 

Podem também ser vistos "Suicide" (1963), de Andy Warhol, que mostra um homem a saltar de um edifício e faz parte de uma série intitulada "Death and Disaster" (Morte e Desastre). 

Um dos quadros desta série foi leiloado por 105 milhões de dólares (98,6 milhões de euros) em 2013 pela Sotheby's. As obras apresentadas em Teerão fazem parte de uma coleção reunida no essencial sob o regime do Xá do Irão, derrubado em 1979, e que integra perto de 300 telas de grandes pintores dos séculos XIX e XX, como Paul Gauguin, Pablo Picasso, Joan Miro ou Francis Bacon.



Nenhum comentário:

Postar um comentário