Google+ Followers

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

O Museu das Antiguidade Egípcias de Turim

O Museu das Antiguidade Egípcias de Turim, mais conhecido simplesmente como o Museu Egípcio, é considerado, pelo valor dos achados, o mais importante do mundo, depois daquele do Cairo, assim como o mais importante da Itália e da Europa, seguido pelo de Florença .


No início de '800, depois das campanhas napoleônicas no Egito, na Europa explodiu uma verdadeira moda para a coleta de antiguidades egípcias. Bernardino Drovetti, piemontes, Cônsul Geral da França durante a ocupação no Egito, coletou neste período mais de 8.000 itens, incluindo estátuas, sarcófagos, múmias, papiros, amuletos e joias diversas. Em 1824, o rei Carlos Felice comprou esta grande coleção, e juntando outros artefatos de Antiguidades Clássicas da Casa de Savóia, deu à luz o primeiro museu egípcio no mundo. No final do 800, o diretor do museu, Ernesto Schiaparelli, iniciou novas aquisições e começou pessoalmente a realizar escavações importantes no Egito. Desta forma, em torno dos anos trinta do 900, a coleção cresceu para mais de 30.000 peças, para testemunhar e explicar os aspectos mais importantes do antigo Egito, desde o esplendor das artes para os objetos comuns de uso diário. O museu é dedicado exclusivamente a arte egípcia. No seu interior você pode encontrar múmias, papiros e tudo sobre a arte egípcia (incluindo bichos embalsamados).



No museu há cerca de 30 mil peças que cobrem o período do Paleolítico até a época copta. Os mais importantes são: 


a tumba intacta de Kha e Merit
o templo de pedra de Ellesija
o Cânon Real, conhecido como o Papiro de Turim, uma das fontes mais importantes sobre a sequência de reis egípcios
a Mensa Isiaca, que os Savoia obtinham do Gonzaga no século XVII
a tela pintada de Gebelein
os relevos de Djoser
as estátuas das deusas Isis e Sekhmet e aquela de Ramsés II descoberta por Vitaliano Donati no templo da deusa Mut em Karnak
o papiro de mineração de ouro 

O passeio começa no piso térreo das duas salas de estatuária, que exibe duas esfinges com o rosto de Amenhotep III, uma estátua de uma deusa com um diadema, as estátuas monumentais de Amenhotep II, Ramses II em basanito preto, Sethi II, da Princesa Redi , o grupo do rei Tutankhamon III e o deus Amenca, a estátua de Thutmose III e grandes sarcófagos de pedra.




Na sala vizinha foi reconstruído o Templo de Ellesija (cerca de 1450 AC), doada ao museu pelo trabalho realizado por arqueólogos italianos ao salvar os monumentos da Núbia, ameaçados pela barragem de Assuão.



Na sala subterrânea da ala Shiaparelli pode ver os achados escavados da vila de Gebelein e Qau-el-Kebir. 

No primeiro andar, na primeira sala há lápides funerárias. Na segunda estão documentadas os costumes de sepultamento: múmias, sarcófagos, vasos canopos, estatuetas, amuletos e " Livro dos Mortos".

Na terceira sala há artefatos Paleolítico até a época copta; neste corredor existem três quartos:
no primeiro há um túmulo do desconhecido (2400 AC), encontrado intacto em Gebelein; no segundo há a capela funerária do pintor Meie (1300 AC); no terceiro quarto está reconstruído o túmulo do arquiteto Kha e sua esposa Mirit (1400 AC ), encontrado em Dair-el-Medina com o mobiliário intactos.

Na quarta sala há a famosa tabela isiaca e algumas ferramentas de tecelagem.

Na quinta sala estão expostos alguns dos papiros de propriedade do museu, incluindo o Canone Regio, o papiro Judiciário, ummapa topográfico, o papiro satírico e o chamado "ostrakon" da dançarina.

A sexta sala é dedicada a artes e ofícios, a sétima com a religião, com múmias de animais sagrados, e na oitava à pintura com têmpera arrancado do túmulo de Iti em Gebelein.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário