Google+ Followers

sábado, 12 de dezembro de 2015

Projeto Jovem Explorador fica em 1º lugar no VI Prêmio Ibero-Americano de Educação e Museus, Ceará, Brasil.

Conhecer na Serra de Baturité, aspectos históricos, culturais ou da fauna, como fez a Comissão Científica de Exploração que veio ao Ceará no século XIX, no governo de D.Pedro II. 




A sede de um Ecomuseu sustentável, erguida em plástico e mantida pela comunidade
 e seus parceiros, já é um exemplo, mesmo antes de sua inauguração,
 da força da sociedade civil organizada e liderada pela juventude.





Baturité é um município brasileiro do estado do Ceará, Brasil.
 Localiza-se na microrregião de Baturité, mesorregião do Norte Cearense

Esse caminho foi percorrido pelos alunos da Escola de Ensino Médio Menezes Pimentel, localizada no município de Pacoti, e faz parte do projeto Jovem Explorador e Ecomuseu. Idealizado pelo professor de História, Levi Jucá, o trabalho ficou em 1º lugar no VI Prêmio ibero-Americano de Educação e Museus, promovido pelo Programa Ibermuseus / IBRAM. A experiência receberá 15 mil dólares.

Conforme Levi Jucá, concorreram com 147 projetos provenientes de 12 países da Comunidade Ibero-Americana: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, Espanha, México, Peru, Portugal e Uruguai. "Estamos muito felizes com essa nova e incrivel conquista de reconhecimento, um feito inédito em Pacoti" - comemora o educador que inscreveu o projeto, por meio da ONG Pingo D´Água, iniciativa cultural parceira do município e associação sem fins lucrativos de educação ambiental.

Como acontece

O Jovem Explorador e Ecomuseu promove a iniciação científica dos alunos que se organizam em expedições botânicas, zoológicas, etnográficas, dentre outras, para reconhecer o patrimônio cultural e natural da região em que habitam, a Área de Proteção Ambiental da Serra de Baturité. Também integra o projeto a criação do Ecomuseu de Pacoti, o primeiro do país feito a partir de material plástico reciclado. Lá serão expostos os objetos coletados e conhecimentos produzidos durante as etapas de formação e pesquisa. O terreno que abriga o museu foi cedido pela Universidade Estadual do Ceará (Uece).

O mesmo projeto conquistou o 1º lugar na Área das Ciências Humanas, na Feira de Ciências e Cultura - etapa regional, no âmbito da Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação (Crede) 8. Participará, neste mês, da fase estadual desse evento, promovido pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria da Educação (Seduc), para as escolas das redes estadual e municipal.




fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.



-
Nossa História começa em setembro de 2014, numa escola pública do interior do Ceará (EEM Menezes Pimentel), na qual o professor de História, Levi Jucá, mobiliza seus alunos para recriar a velha comissão científica de exploração que esteve no Ceará entre 1859 e 1861 à mando de D. Pedro II. A "Comissão das Borboletas", como ficou conhecida, tinha por maior objetivo conhecer mais profundamente essa região distante (Norte/Nordeste) do centro (Sudeste) do país. Inspirada nesta, nasceu o JOVEM EXPLORADOR.

Mas antes de continuar a nossa história, vale dizer que a cidade que habitamos, a pequena PACOTI, conta hoje com aproximadamente 11.607 habitantes, situando-se à cerca de 800 metros do nível do mar no alto da Serra de Baturité: uma área de proteção ambiental, "ilha verde" de mata atlântica, úmida e fria o ano inteiro em pleno sertão cearense!

Pois é! Pra quem é de fora e acha que no Ceará só existe PRAIA e SERTÃO ainda está com o mesmo pensamento dos cientistas da expedição do século XIX que chegaram a mandar trazer camelos da África para usar como transporte nos "escaldantes desertos sertanejos" que pensavam ser "primos" do Saara, talvez!

Chefiada pelo botânico Francisco Freire Alemão, a comissão de cientistas produziu relatos e estudos, coletou inúmeros objetos, espécies da flora e da fauna, minérios etc., para compor o acervo do Museu Imperial, e subdividia-se em cinco seções: botânica, geológica e mineralógica, zoológica, astronômica e geográfica, etnográfica e narrativa de viagem.

Da mesma forma, nós estudantes, JOVENS EXPLORADORES, também nos subdividimos nessas seções, formando equipes de pesquisa. Através de encontros de formação (metodologia de pesquisa, museologia, educação ambiental, biologia, audiovisual...), oficinas e atividades práticas como aulas de campo, visitas técnicas às universidades, museus, mapeamento de trilhas ecológicas e de iniciação científica, vamos aprendendo e produzindo conhecimento sobre nossa história, memória e natureza locais. Queremos divulgar as descobertas e multiplicar essa metodologia de educação integral e transdisciplinar através da construção do espaço de um ECOMUSEU que cumpra sua missão educativa junto à comunidade serrana e seus visitantes, formando novos jovens exploradores!

Através da capacidade educativa dos museus para as presentes e futuras gerações, explorar passa(rá) a significar, para além da palavra, uma nova prática. Buscar, investigar e conhecer com o único objetivo de preservar e não degradar, como há séculos ocorre neste país. (Prof. Levi Jucá)
Qual a diferença entre um ECOMUSEU e um MUSEU TRADICIONAL?
O museólogo francês Hugues de Varine, a quem se atribui a definição do conceito de ECOMUSEU, sintetizou a comparação desta forma:

Nesta perspectiva da museologia social, promovemos a participação da comunidade na construção de sua identidade e, por isso, efetivando o seu desenvolvimento no sentido cultural ao econômico. À medida que avançam as pesquisas dos jovens exploradores, vai se compondo o futuro acervo de objetos, documentos ou artefatos doados e compartilhados para compor o acervo do ecomuseu.

A criação da Comissão dos Jovens Exploradores tem obtido alcance muito além da comunidade escolar, posto que já atinge a esfera municipal e regional. Com a futura inauguração do espaço museológico, em terreno cedido pela Universidade Estadual do Ceará - UECE, contribuirá definitivamente com o direito à memória que é fator essencial para a história de um lugar, reconhecendo-a como patrimônio, e cuidando de sua preservação, que serão seus maiores deveres.

Em maio de 2015, a última parceria firmada durante a programação da 13ª Semana de Museus resultou na construção da estruturação física do prédio-sede do ecomuseu, cujo material e serviço de montagem foram doados por um engenheiro conterrâneo (Joaquim Caracas) que inventou um tipo de construção com paredes fabricadas de módulos plásticos, fazendo do futuro Ecomuseu de Pacoti o primeiro museu feito de plástico do Brasil!

A sede de um Ecomuseu sustentável, erguida em plástico e mantida pela comunidade e seus parceiros, já é um exemplo, mesmo antes de sua inauguração, da força da sociedade civil organizada e liderada pela juventude.


Nenhum comentário:

Postar um comentário