Google+ Followers

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Museu do Seminário de São José dá a conhecer história da evangelização do sul da China. --- Museum of the Seminary of St. Joseph makes known history of evangelization in southern China.

O novo núcleo museológico, que conta com o apoio do Instituto Cultural, dá a conhecer a história da relação secular que a Igreja Católica mantém com Macau. O acervo do Tesouro de Arte Sacra do Seminário de São José” é constituído por objectos trazidos para o território por missionários provenientes de Portugal ou de Goa.

Inaugurado no início do corrente mês, o museu do Seminário de São José mostra a história da cidade e a sua relação com a igreja católica, através de objectos trazidos por missionários de várias partes do mundo, como Goa ou Portugal.

“Temos objectos de Portugal, de Goa [Índia], e de outros sítios, porque os missionários vieram de diferentes países, especialmente os jesuítas, que trouxeram muitos coisas dos seus países e das suas próprias culturas, e isto tem um valor acrescido para a população local”, disse à agência Lusa o padre Jojo Ancheril, que foi responsável pela organização do museu, ao longo dos últimos três anos.

Administrado por Portugal durante mais de 400 anos, até 1999, o território é considerado o berço do catolicismo na Ásia. A diocese de Macau é a mais antiga do Extremo Oriente ainda em funcionamento: a primeira foi a Arquidiocese de Pequim, erguida em 1307, seguida da de Quanzhou, também na China, mas ambas desapareceram ao fim de pouco tempo.

O museu ocupa dois pisos de um edifício adjacente à igreja do Seminário de São José, fundado em 1728 por missionários jesuítas e património classificado pela UNESCO desde 2005. Designado “Tesouro de Arte Sacra do Seminário de S. José”, o museu está organizado em sete salas, exibindo desde pinturas a óleo e imagens de santos, a vestuário e objectos usados nas eucaristias.

Um dos espaços é dedicado a documentos e livros escritos pelos próprios missionários, que testemunham a introdução do catolicismo na China e que são relíquias culturais de Macau protegidas, inscritos na lista “The Memory of the World Regional Register for Asia/Pacific da UNESCO” em 2010.

“Temos alguns dicionários em português e inglês. (As pessoas têm curiosidade em saber) como os missionários tiveram curiosidade em aprender a língua e como foram capazes de escrever um dicionário. Na verdade, isto mostra o compromisso dos missionários”, afirmou.

O projecto está a ser desenvolvido com o apoio do Instituto Cultural, e tem margem para crescer, uma vez que ainda há objectos armazenados no Seminário de São José que podem vir a ser expostos ao público, explicou.

O padre Jojo Ancheril destacou também a importância do museu no âmbito do turismo religioso: “[O museu] também enriquece o turismo em Macau porque muitos [visitantes] vêm do Japão, da Coreia do Sul, etc, para visitar as igrejas, especialmente para ver a relíquia de São Francisco Xavier e como este museu está adjacente à igreja (do Seminário de São José, onde ela está exposta), as pessoas estão bastante interessadas em visitar este museu”, disse.

Segundo o padre Jojo Ancheril, nas últimas três semanas o museu tem registado “boa afluência, sobretudo entre sexta-feira e domingo”, tanto por locais, como por visitantes estrangeiros, que chegam do Japão, da Coreia do Sul e até do longínquo Portugal.



Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.


O tempo voa, obras de arte são para a eternidade, sem rugas!



--in via tradutor do google

Museum of the Seminary of St. Joseph makes known history of evangelization in southern China.

The new museum center, which has the support of the Cultural Institute, makes known the history of the secular relationship that the Catholic Church has with Macau. The Sacred Art of Treasury assets of St. Joseph Seminary "consists of objects brought into the territory by missionaries from Portugal or Goa.

Opened earlier this month, the St. Joseph's Seminary museum shows the history of the city and its relationship with the Catholic Church, through objects brought by missionaries from various parts of the world like Goa or Portugal.

"We have objects of Portugal, Goa [India], and other sites because the missionaries came from different countries, especially the Jesuits, who brought many things of their countries and their own cultures, and this has added value to the local population, "said Lusa Father Jojo Ancheril, who was responsible for the museum organization over the past three years.

Administered by Portugal for more than 400 years, until 1999, the territory is considered the cradle of Catholicism in Asia. The Diocese of Macau is the oldest in the Far East still running: the first was the Archdiocese of Beijing, built in 1307, followed by the Quanzhou, in China too, but both disappeared after a short time.

The museum occupies two floors of a building adjacent to the Seminary of St. Joseph's Church, founded in 1728 by Jesuit missionaries and heritage UNESCO since 2005. Designated "Treasure of Sacred Art of St. Joseph's Seminary," the museum is organized in seven rooms, from displaying oil paintings and images of saints, the clothing and objects used in the Eucharist.

One of the spaces is dedicated to papers and books written by the missionaries who bear witness to the introduction of Catholicism in China and are Macao cultural relics protected, inscribed in "The Memory of the World Regional Register for Asia / Pacific UNESCO" list 2010.

"We have some dictionaries in Portuguese and English. (People are curious to know) how missionaries were curious to learn the language and how they were able to write a dictionary. In fact, this shows the commitment of the missionaries, "he said.

The project is being developed with the support of the Cultural Institute, and has room to grow, since there are still objects stored in the Seminary of St. Joseph that may be exposed to the public, he said.

Father Jojo Ancheril also stressed the importance of the museum as part of religious tourism: "[The museum] also enriches tourism in Macau because many [visitors] come from Japan, South Korea, etc. to visit the churches, especially for see the relic of St. Francis Xavier and how this museum is adjacent to the church (the Seminary of St. Joseph, where it is exposed), people are very interested in visiting this museum, "he said.

According to Father Jojo Ancheril, the last three weeks the museum has registered "good turnout, especially between Friday and Sunday," both local and from foreign visitors arriving from Japan, South Korea and even the distant Portugal .

Nenhum comentário:

Postar um comentário