Google+ Followers

terça-feira, 15 de novembro de 2016

People of colour are painfully absent from our museums. Let’s change that. --- Pessoas de cor estão dolorosamente ausentes de nossos museus. Vamos mudar isso.

The German artist Hans Haacke wrote that “museums are managers of consciousness” giving us “an interpretation of history, of how to view the world and locate ourselves in it.” If you are a black and minority ethnic (BAME) attendee, what is painfully obvious is our absence in these public cultural spaces. That is, of course, if you don’t count our presence as security staff.

‘Last week the magazine collective, gal-dem, curated an event that was nothing short 
of breathtaking at the V&A.’ Photograph: Peanut Butter Vibes


Last week the print and online magazine collective, gal-dem, curated an event that was nothing short of breathtaking at The V&A in London. People of colour, in their thousands, confidently walked through the corridors and display rooms of a museum established to show off the booty of empire. For once we could gather in such a space and view it not as a diminishment of our value, but rather a celebration of our worth.

As part of the The V&A’s Friday Late programme, the collective treated visitors to contemporary work being made by young people of colour. For the editor-in-chief and founder of gal-dem, Liv Little, the collective “wanted to fill this space with a spread of work that is reflective of different lived experiences … with art forms that are not static but instead interactive.” Work that is, in short, “never seen in traditional museum and gallery spaces”. You could listen to the young women spearheading grime music in the grand entrance, or twerk to empowerment in the lecture theatre, or immerse yourself through dance in the culture of queer and trans women of colour, or listen to discussion on how we manage careers in arts, music and politics.

By the museum’s own estimation, more than 4,000 people turned up to take up space both as a celebration and an act of resistance. The majority of them being people of colour because here was art for us, by us. We strolled through exuding a sense of triumph and satisfaction that comes with taking what is rightfully yours.

A day after gal-dem’s historic takeover, Museum Detox, a group of BAME museum workers, staged a flashmob at the Museum of London. Sara Wajid, founder of the group and head of interpretation at the Birmingham Museum and Art Gallery, organised the event to declare that “we exist and we want to see more people like us in museums.” It stands to reason that if you see yourself reflected in this arena of high art and culture, then it will feel less austere an environment.

Conversations around the low participation levels of BAME people in these public centres of culture and debate are not new. Periodically appearing in well-researched reports that are the paper copy of pointless hand-wringing, they fade into the general hum, part of the whirr of things we could do much better on. But, as Wajid points out, museums and galleries are public spaces, funded by taxpayers. If, as people of colour, we do not find ourselves reflected in them, then we are allowed to call the situation unjust.

What gal-dem’s event highlighted so brilliantly was how the public conversations about ourselves and our history do not give us the whole story. Many of us do not see ourselves in the works on display and when we do, it is often a painful reflection. The British Museum has for so long consigned its Africa and Pacific collections to the basement of the building. If there was ever a visual metaphor for the abasement of cultures and traditions, then this sorry space is it. Who wants to enter a space that at its very core feels uninviting?

Galleries, and museums in particular, are the last remaining free spaces where we can conduct a national dialogue about what constitutes culture and art. Yet there are obvious absences and silences that betray a narrative that is not true for all.

A cultural shift is taking place at the moment. Fact. Collectives like gal-dem are evidence of that. “Outsider art” is now accessible on digital platforms such as Instagram and emerging artists are finding innovative ways of showcasing their work. Museums, as custodians of the collection for the past and future, will have to take great care in ensuring they don’t become obsolete for the generation of cultural consumers to come.










Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

O tempo voa, obras de arte são para a eternidade, sem rugas!













--br via tradutor do google
Pessoas de cor estão dolorosamente ausentes de nossos museus. Vamos mudar isso.

Lola Okolosie

O artista alemão Hans Haacke escreveu que "os museus são gerentes da consciência", dando-nos "uma interpretação da história, de como ver o mundo e nos situarmos nele". Se você é um negro e minoria étnica (BAME), o que é Dolorosamente óbvia é a nossa ausência nesses espaços culturais públicos. Isto é, é claro, se você não contar nossa presença como pessoal de segurança.

Na semana passada, o coletivo de revistas impressas e on-line, gal-dem, curou um evento que não foi nada menos que impressionante no The V & A em Londres. Pessoas de cor, aos seus milhares, caminharam com confiança pelos corredores e salas de exibição de um museu estabelecido para mostrar o saque do império. Pela primeira vez, poderíamos nos reunir em tal espaço e encará-lo não como uma diminuição do nosso valor, mas sim como uma celebração do nosso valor.

Como parte do programa The V & A's Friday Late, o coletivo tratava os visitantes do trabalho contemporâneo feito por jovens de cor. Para o editor-chefe e fundador da gal-dem, Liv, o coletivo "queria preencher este espaço com uma difusão de trabalho que é reflexo de diferentes experiências vividas ... com formas de arte que não são estáticas, mas sim interativas". Trabalho que é, em suma, "nunca visto em espaços de museu e galeria tradicionais". Você pode ouvir as jovens mulheres liderando a música de grime na entrada principal, ou twerk para a capacitação na sala de aula, ou mergulhar através da dança na cultura de mulheres queer e trans de cor, ou ouvir a discussão sobre como gerenciar carreiras em Artes, música e política.

Por estimativa do museu, mais de 4.000 pessoas apareceram para ocupar espaço tanto como uma celebração como um ato de resistência. A maioria deles sendo pessoas de cor porque aqui foi arte para nós, por nós. Passamos por exuberante uma sensação de triunfo e satisfação que vem com a tomada do que é legitimamente seu.

Um dia após a aquisição histórica de gal-dem, o museu Detox, um grupo de trabalhadores do museu de BAME, montou um flashmob no museu de Londres. Sara Wajid, fundadora do grupo e chefe de interpretação do Museu e Galeria de Arte de Birmingham, organizou o evento para declarar que "existimos e queremos ver mais pessoas como nós em museus". É lógico que se você se vê Refletida nesta arena da arte e da cultura altas, então sentirá um ambiente menos austero.

Conversas em torno dos baixos níveis de participação das pessoas BAME nesses centros públicos de cultura e debate não são novas. Periodicamente aparecendo em relatórios bem pesquisados ​​que são a cópia em papel de inútil mão-wringing, eles desaparecem no zumbido geral, parte do whirr de coisas que poderíamos fazer muito melhor. Mas, como Wajid aponta, museus e galerias são espaços públicos, financiados por contribuintes. Se, como pessoas de cor, não nos encontramos refletidos neles, então somos autorizados a chamar a situação de injusta.

O evento gal-dem destaque tão brilhantemente foi como as conversas públicas sobre nós mesmos e nossa história não nos dão toda a história. Muitos de nós não nos vemos nos trabalhos em exposição e quando fazemos, é muitas vezes uma reflexão dolorosa. O Museu Britânico tem por tanto tempo consignado suas coleções de África e Pacífico para o porão do edifício. Se houve alguma vez uma metáfora visual para o abasement das culturas e das tradições, então este espaço pesaroso é ele. Quem quer entrar em um espaço que, no seu núcleo, se sente pouco convidativo?

Galerias e museus em particular, são os últimos espaços livres livres onde podemos realizar um diálogo nacional sobre o que constitui cultura e arte. No entanto, existem ausências e silêncios óbvios que traem uma narrativa que não é verdadeira para todos.

Uma mudança cultural está ocorrendo no momento. Fato. Coletivos como gal-dem são evidência disso. "Outsider art" é agora acessível em plataformas digitais como Instagram e artistas emergentes estão encontrando maneiras inovadoras de mostrar seu trabalho. Os museus, como depositários da coleção para o passado e para o futuro, terão que tomar muito cuidado para que eles não se tornem obsoletos para a geração de consumidores culturais.


Nenhum comentário:

Postar um comentário