Google+ Followers

domingo, 15 de janeiro de 2017

New Art from China Renders Local Histories Fantastic, Futuristic, and Bloody. The installation is a highlight of Tales of Our Time, a dynamic and tightly curated exhibition at the Guggenheim. ---

Each of these thoughtful, well-realized works offers an investigation into global politics, the contemporary as historical, and environmental collapse, with room to laugh, rest, and think in between.

Sun Yuan and Peng Yu’s “Can’t Help Myself” (2016) 
(all photos courtesy of the Solomon R. Guggenheim Museum)


In the corner of a small gallery on an upper floor of the Solomon R. Guggenheim Museum, you are immersed in a bloody, bizarre, and strangely emotional tableau. Inside a floor-to-ceiling acrylic cage, a black robotic arm twirls around, sweeping bloody residue on the floor towards itself. Just as the arm’s plastic flap cleans one area, more liquid oozes out elsewhere. The artists Sun Yuan and Peng Yu have given the poor robot an impossible job — the piece, called “Can’t Help Myself,” dooms the arm to this repetitive, hopeless, horrific task. The arm uses sensors to choose where it will sweep next, but at times it whirls and flails as if overwhelmed, giving the arm an eerily humanoid feel.

The installation is a highlight of Tales of Our Time, a dynamic and tightly curated exhibition at the Guggenheim. This robotic arm could be an icon for the present moment. It makes tangible, for our globalized and industrialized world, the metaphor of “clean hands.” Do we identify with the robot and its attempt to make order out of the violent mess around it? (Isn’t this how it feels to respond to each new appointment by the president-elect, each white power rally?) Or is the robot simply there to do what most refuse to, performing the messy labor of waste management that allows our societies to function?

It’s a shock for anyone coming to the Guggenheim expecting to kick back with Kandinsky and Cézanne. Tales of Our Time is a small but ambitious show, presenting just seven artists or collectives, with nine works in total. Each of these thoughtful, well-realized works offers an investigation into global politics, the contemporary as historical, and environmental collapse, with room to laugh, rest, and think in between.

The nine works are commissions, generated after a series of studio visits with emerging and mid-career Chinese artists by curators Xiaoyu Weng and Hou Hanru. The commissions were paid for by a major grant from the Robert H. N. Ho Family Foundation, and the museum will acquire all of them. The exhibition, then, is like a laboratory: these works are brand new, and are being stamped into the DNA of the Guggenheim.








Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.






--br via tradutor do google
Nova Arte da China Renders Histórias Locais Fantástico, Futurista e Sangrento. A instalação é um destaque de Tales of Our Time, uma exposição dinâmica e bem curada no Guggenheim.

Cada uma dessas obras bem pensadas e pensadas oferece uma investigação sobre a política global, o contemporâneo como histórico e o colapso ambiental, com espaço para rir, descansar e pensar no meio.

No canto de uma pequena galeria no andar superior do Museu Solomon R. Guggenheim, você está imerso em um quadro sanguinário, bizarro e estranhamente emocional. Dentro de uma gaiola acrílica do chão ao teto, um braço robotizado preto gira em torno, varrendo resíduos sangrentos no chão em direção a si mesmo. Assim como a aba de plástico do braço limpa uma área, mais líquido transborda em outro lugar. Os artistas Sun Yuan e Peng Yu deram ao pobre robô um trabalho impossível - a peça, chamada "Can not Help Myself", condena o braço a essa tarefa repetitiva, desesperada e horrível. O braço usa sensores para escolher onde ele irá varrer em seguida, mas às vezes gira e flails como se estivesse sobrecarregado, dando ao braço uma sensação estranhamente humanóide.

A instalação é um destaque de Tales of Our Time, uma exposição dinâmica e bem curada no Guggenheim. Este braço robótico poderia ser um ícone para o momento presente. Ela torna tangível, para o nosso mundo globalizado e industrializado, a metáfora de "mãos limpas". Será que nos identificamos com o robô e sua tentativa de fazer a ordem fora da bagunça violenta ao seu redor? (Não é assim que se sente ao responder a cada nova nomeação pelo presidente eleito, cada manifestação de poder branco?) Ou é o robô simplesmente lá para fazer o que mais se recusam a realizar o trabalho confuso de gestão de resíduos que permite que nossas sociedades funcionar?

É um choque para qualquer um que vem ao Guggenheim que espera retroceder com Kandinsky e Cézanne. Tales of Our Time é um pequeno, mas ambicioso show, apresentando apenas sete artistas ou coletivos, com nove obras no total. Cada uma dessas obras bem pensadas e pensadas oferece uma investigação sobre a política global, o contemporâneo como histórico e o colapso ambiental, com espaço para rir, descansar e pensar no meio.

As nove obras são comissões, geradas após uma série de visitas de estúdio com artistas chineses emergentes e de meia-carreira pelos curadores Xiaoyu Weng e Hou Hanru. As comissões foram pagas por uma concessão principal da fundação da família de Robert H. N. Ho, eo museu adquirirá todos eles. A exposição, então, é como um laboratório: essas obras são novas e estão sendo gravadas no DNA do Guggenheim.


Nenhum comentário:

Postar um comentário