Google+ Followers

quinta-feira, 2 de março de 2017

Strutting the runway in fashion: technology behind the glamour. --- Suportando a pista na moda: tecnologia por trás do glamour. --- 在时尚跑道上展示:技术背后的魅力。

Lights, Camera, Action! With New York Fashion Week in full bloom, London Fashion Week in headlines, Milan Fashion Week and Paris Fashion Week lining up the runway, the spotlight over the coming month is well and truly centred on luxury goods. What better time than now to delve into the likes of Vogue’s luxury goods insights for 2017, adding a dash of financial lingo, as we explore the strategic growth of fashion and luxury goods in Asia, as well as the show-stopping link between tech and fashion.




Luxury Goods Outlook for 2017

Luxury goods (including high-end fashion), not being essential for consumers, tend to be more prone to fluctuations in the economic cycle. 

Luckily for the US, this is not so much an issue with positive economic indications following Trump’s election. Unfortunately, though, the situation is not as uniform within Europe. While luxury goods benefitted from the depreciation of the pound, which drove touristic shopping growth in the UK, a series of terrorist attacks around Germany and France negatively impacted sales of luxury goods.


So what is next? The US will have to be wary of the rapidly strengthening USD, which would be sure to restrict high-end tourist spending in the area. However, this concern might be mitigated with the growing expectation of an interest rate hike in the US.

The outlook looks duller in Europe. On the whole, European economies are struggling. This is partly because of the difficulty associated with recovering from the sovereign debt crisis, and the uncertainty that comes with more imminent events: Trump’s administration, Brexit negotiations, and the potential election of leaders with very protectionist agendas which could threaten the Eurozone.

Moving to Asia, the emerging middle class should continue to boost luxury spending, though once again tense political relations following Trump’s election might dampen the expected growth from this area.


On the whole, then, high-end spending has openings for growth (particularly outside Europe), though reverse pressures might be seen from strengthening local currencies and political uncertainty.

Strategic Growth in Asia

How does fashion intend to grow in Asia? On one hand, it doesn’t have to do much. Asian households are increasingly moving into higher income brackets, leading them towards an increased level of discretionary purchases (and thus endowing fashion with a larger customer base). On the other hand, prospective growth in the industry may be more enhanced for certain strategic avenues over others.



Firstly, online shopping is set to skyrocket, even further than it already has in recent years. Clothing is the #1 item purchased by Asian shoppers online, and online retail revenue in the Asia-Pacific is set to double from $733 billion in 2015 to $1.4 trillion by 2020. In particular, targeting China is likely to reap benefits for fashion brands aspiring to expand within Asia, with the country accounting for 80% of online retail in the Asia-Pacific. Forrester, in its report ‘Asia Pacific Online Retail Forecast, 2015 to 2020‘, points out that China surpassed the US to become the largest e-commerce market in the world despite an economic slowdown in 2015. For fashion brands, China is likely to be seen as a more reliable source of Asian retail growth.

Secondly, it seems that Western brands are a more prosperous source of expansion in the Asia-Pacific region. Chinese fashionistas, with a broad international brand awareness from travel and the media, are often willing to pay extra for Western brands, which are less commonly locatable in the Asian regions. Many foreign companies have successfully taken advantage of the growth potential in Asia – H&M, for example, has for a long time had more than 50 stores in China alone. Zara began a similar expansion into Asia around 6 years ago. It is not long before the remainder of foreign retail brands realise the success that such companies have experienced and jump on the bandwagon.



(Fin)Tech and Fashion
Lastly, the fashion industry is prone to changes in the technological sector.

While fashion sometimes uses technology to merely create new styles (Karl Lagerfeld dedicated his October 2016’s Chanel fashion show in Paris to wires and data boxes), some firms have focused on using technological innovations and FinTech to provide customers with new digital experiences. Babyghost, for example, enables pieces of collections to be digitally linked to an app so that they can share “stories”, such as where and by whom they were worn.

Others have adopted new tech tools to design more fashionable products. London start-up Search Style Ltd utilises real social content for unbiased, real-time analysis to provide insights into current global fashion trends. The stored data can then be used as a source of inspiration for designers and customers. Fyodor Golan intends to fully digitalise the design and specification of garments pre-sampling, removing the need to toile, which would speed up the design process and enable designers to focus on creativity.

Final Remarks

Source: Call Levels

Engaging new developments in technology inevitably finds a way to link back to aspects of our everyday lives, and fashion is no exception. The growth of fashion and high-end goods, particularly in the Asian regions, is undoubtedly an exciting space to watch.












Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.










--br
Suportando a pista na moda: tecnologia por trás do glamour.

Luzes, câmera, ação! Com a Semana de Moda de Nova York em plena floração, a Semana da Moda de Londres em manchetes, a Semana da Moda de Milão e a Semana de Moda de Paris fazendo a fila da pista, o foco no próximo mês está bem centrado nos bens de luxo. Que tempo melhor do que agora para mergulhar em gostos de insights Vogue luxo de mercadorias para 2017, adicionando uma pitada de linguagem financeira, como nós exploramos o crescimento estratégico da moda e bens de luxo na Ásia, bem como a ligação show-stopping entre tecnologia e moda.

Perspectiva de bens de luxo para 2017
Produtos de luxo (incluindo moda high-end), não sendo essencial para os consumidores, tendem a ser mais propenso a flutuações no ciclo econômico.

Felizmente para os EUA, isso não é tanto um problema com indicações econômicas positivas após a eleição de Trump. Infelizmente, porém, a situação não é tão uniforme na Europa. Enquanto os bens de luxo beneficiaram da depreciação da libra, que impulsionou o crescimento das compras turísticas no Reino Unido, uma série de ataques terroristas em torno da Alemanha e da França impactou negativamente as vendas de bens de luxo.
Então o que é o próximo? Os EUA terão de ser cautelosos com o rápido fortalecimento do USD, o que, com certeza, restringiria os gastos turísticos de alto nível na área. No entanto, esta preocupação pode ser atenuada com a crescente expectativa de uma subida das taxas de juro nos EUA.

A perspectiva parece mais embotada na Europa. No seu conjunto, as economias europeias estão a lutar. Isso se deve, em parte, à dificuldade associada à recuperação da crise da dívida soberana e à incerteza que acompanha eventos mais iminentes: a administração de Trump, as negociações de Brexit ea potencial eleição de líderes com agendas muito protecionistas que poderiam ameaçar a zona do euro.
Movendo-se para a Ásia, a classe média emergente deve continuar a impulsionar os gastos de luxo, embora uma vez mais tensas relações políticas após a eleição Trump pode moderar o crescimento esperado a partir desta área.

Em geral, então, os gastos de alto nível têm aberturas para o crescimento (especialmente fora da Europa), embora as pressões inversas possam ser vistas pelo fortalecimento das moedas locais e pela incerteza política.

Crescimento Estratégico na Ásia
Como a moda pretende crescer na Ásia? Por um lado, não tem que fazer muito. As famílias asiáticas estão cada vez mais se movendo em escalões de renda mais elevados, levando-os para um aumento do nível de compras discricionárias (e, assim, dotar a moda com uma base de clientes maior). Por outro lado, o crescimento prospectivo na indústria pode ser mais reforçada para certos caminhos estratégicos sobre os outros.

Em primeiro lugar, compras on-line está definido para skyrocket, ainda mais do que já tem nos últimos anos. A roupa é o item # 1 comprado por compradores asiáticos on-line, ea receita de varejo on-line na Ásia-Pacífico está dobrando de US $ 733 bilhões em 2015 para US $ 1,4 trilhão até 2020. Em particular, a meta da China é colher benefícios para as marcas de moda aspirantes Para expandir dentro de Ásia, com o país que responde por 80% do varejo em linha na Ásia-Pacífico. A Forrester, em seu relatório "Previsão de varejo on-line da Ásia-Pacífico, 2015 a 2020", ressalta que a China ultrapassou os EUA para se tornar o maior mercado de e-commerce do mundo, apesar de uma desaceleração econômica em 2015. Para as marcas de moda, Ser visto como uma fonte mais confiável do crescimento do varejo asiático.

Em segundo lugar, parece que as marcas ocidentais são uma fonte mais próspera de expansão na região da Ásia-Pacífico. As fashionistas chinesas, com uma ampla consciência da marca internacional de viagens e mídia, muitas vezes estão dispostas a pagar mais por marcas ocidentais, que são menos comumente localizadas nas regiões asiáticas. Muitas empresas estrangeiras têm aproveitado com sucesso o potencial de crescimento na Ásia - H & M, por exemplo, tem por muito tempo tinha mais de 50 lojas na China sozinho. Zara começou uma expansão similar em Ásia aproximadamente 6 anos há. Não é muito antes de o restante de marcas de varejo estrangeiras perceber o sucesso que essas empresas têm experimentado e saltar sobre o bandwagon.

(Fin) Tecnologia e Moda
Por fim, a indústria da moda é propensa a mudanças no setor tecnológico.

Enquanto a moda às vezes usa a tecnologia para simplesmente criar novos estilos (Karl Lagerfeld dedicou seu desfile de moda Chanel de outubro de 2016 em Paris a fios e caixas de dados), algumas empresas se concentraram em usar inovações tecnológicas e FinTech para oferecer aos clientes novas experiências digitais. O Babyghost, por exemplo, permite que pedaços de coleções sejam digitalmente vinculados a um aplicativo para que eles possam compartilhar "histórias", como onde e por quem eles foram usados.

Outros adotaram novas ferramentas de tecnologia para projetar produtos mais elegantes. Londres start-up Search Style Ltd utiliza conteúdo social real para imparcial, análise em tempo real para fornecer insights sobre as tendências da moda global atual. Os dados armazenados podem então ser usados ​​como uma fonte de inspiração para designers e clientes. Fyodor Golan pretende digitalizar completamente o design e especificação de vestuário pré-amostragem, eliminando a necessidade de toile, o que aceleraria o processo de design e permitir que os designers se concentrar na criatividade.

Considerações finais

Fonte: Níveis de chamada
Engajar novos desenvolvimentos na tecnologia, inevitavelmente, encontra uma maneira de ligar de volta aos aspectos de nossas vidas cotidianas, ea moda não é excepção. O crescimento da moda e produtos de alta qualidade, especialmente nas regiões asiáticas, é sem dúvida um espaço emocionante para assistir.
Visite o site Call Levels em www.call-levels.com.











--chines simplificado via tradutor do google
在时尚跑道上展示:技术背后的魅力。

灯,相机,行动!随着纽约时装周盛开,伦敦时装周的头条新闻,米兰时装周和巴黎时装周排行跑道,未来一个月的亮点是真正的以奢侈品为中心。在我们探索时尚和奢侈品在亚洲的战略发展,以及技术和服务之间的联系,我们将在2017年深入了解Vogue的奢侈品洞察,时尚。

奢侈品展望2017年
奢侈品(包括高端时尚),对于消费者来说不是必需的,往往更容易出现经济周期的波动。

幸运的是,对于美国来说,这不是关于特朗普当选后的积极经济迹象的问题。不幸的是,这种情况在欧洲并不统一。虽然奢侈品受益于英镑的贬值,这促使英国的旅游购物增长,围绕德国和法国的一系列恐怖袭击对奢侈品销售造成负面影响。
那么接下来是什么呢?美国将必须警惕快速增长的美元,这肯定会限制该地区的高端旅游支出。然而,随着美国加息的预期日益增长,这种担忧可能会减轻。

欧洲的前景看起来很枯燥。总的来说,欧洲经济正在挣扎。这部分是因为从主权债务危机中恢复的困难,以及更迫在眉睫的事件带来的不确定性:特朗普政府,Brexit谈判,以及可能选择可能威胁欧元区的非常保护主义议程的领导人。
走向亚洲,新兴的中产阶级应该继续提高奢侈品消费,但是特朗普选举之后,再次紧张的政治关系可能会抑制这一地区的预期增长。

总体而言,高端支出有增长的空间(特别是在欧洲以外),尽管从加强当地货币和政治不确定性可以看出逆转压力。

亚洲战略增长
时尚如何在亚洲成长?一方面,它不需要做太多。亚洲家庭越来越多地进入高收入阶层,导致他们提高自由购买水平(从而使时尚拥有更大的客户群)。另一方面,对于某些战略渠道,行业的预期增长可能会比其他战略渠道更加增强。

首先,网上购物的规模将大幅提升,远远超过近年来的水平。服装是亚洲购物者在线购买的第一个产品,亚太地区的在线零售收入将从2015年的7,330亿美元翻一番,到2020年达到1.4万亿美元。特别是,面向中国的时尚品牌在亚洲地区扩展,该国占亚太地区在线零售的80%。 Forrester在其报告“2015年至2020年亚太地区在线零售预测”中指出,尽管2015年经济放缓,中国已超过美国成为世界上最大的电子商务市场。对于时尚品牌,中国可能被视为亚洲零售增长的更可靠来源。

其次,似乎西方品牌是亚太地区更为繁荣的扩张源泉。中国时尚达人,来自旅游和媒体的广泛的国际品牌意识,往往愿意为西方品牌支付额外的费用,这些品牌在亚洲地区较少见。许多外国公司已经成功地利用了亚洲的增长潜力 - 例如,H&M长期以来在中国有超过50家门店。大约6年前,Zara开始类似地扩展到亚洲。不久之后,其余的外国零售品牌就意识到这些公司所经历的成功,并跳过了这一潮流。

(Fin)科技和时尚
最后,时装业容易发生技术变化。
虽然时尚有时使用技术来创造新的风格(Karl Lagerfeld将他2016年10月在香港的Chanel时装秀用于电线和数据盒),一些公司专注于使用技术创新和FinTech为客户提供新的数字体验。例如,Babyghost允许将一些集合数字地链接到应用程序,以便他们可以共享“故事”,例如他们穿在哪里和谁。
其他人则采用新的技术工具来设计更时尚的产品。伦敦启动Search Style Ltd利用真实的社交内容进行无偏见的实时分析,以提供对当前全球时尚趋势的洞察。存储的数据然后可以用作设计者和客户的灵感源。 Fyodor Golan打算完全数字化服装预抽样的设计和规格,消除了对厕所的需要,这将加快设计过程,使设计师能够专注于创造力。

最后说明

来源:Call Levels
参与技术的新发展不可避免地找到一种方法来连接回我们的日常生活的各个方面,时尚也不例外。时尚和高端商品的增长,特别是在亚洲地区,无疑是一个令人兴奋的空间观看。

访问Call Levels网站www.call-levels.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário