Google+ Followers

quarta-feira, 1 de março de 2017

Why natural history museums are important. Specimen of the Week 278: The British Antarctic Survey Limpets. --- Por que os museus de história natural são importantes. Espécime da Semana 278: O British Antarctic Survey Limpets

There is much more to a natural history museum than meets the eye, and that’s mostly because relatively tiny proportions of their collections are on display. At the Grant Museum of Zoology we are lucky enough to have about 12% of our collection on display. That’s because we have a lot of tiny things in the Micrarium and our collection is relatively small, with 68,000 objects. While we REALLY like to cram as much in our cases as is sensible, these percentages are not realistic for many museums, whose collections run into the millions.




The vast majority of specimens in natural history museums, ours included, were not intended for display, and that includes this week’s Specimen of the Week…




**The Jar of Antarctic Limpets**

What are museums for?

The value of natural history displays are relatively well documented. In 2013 I oversaw a study funded by Arts Council England for the Natural Sciences Collections Association which found that they were the most popular gallery type in museums with mixed collections. It’s clear that what visitors see of natural history museums is very well loved. And there are other reasons to think museums are important: research going on here in our own department – UCL Culture – is investigating the benefits to people’s health and wellbeing from engaging with museums. However, arguably many natural history museums could be more successful at using their galleries to communicate what goes on behind the scenes, and that’s a shame as public galleries are not the only thing museums are for.




Specimens or artefacts?

As well as being visitor attractions, many museums are also research institutes – there may be tens or hundreds of scientists working behind the scenes, using the stored collections to make discoveries about biodiversity, evolution and how ecosystems work, among many other things. If they don’t have their own researchers on staff, most museums with natural history collections hold the bulk of their collections off display for researchers to visit. In natural history museums we talk of “specimens” rather than “artefacts”, which are more often associated with archaeology, anthropology and social history museums. The difference is that specimens are real examples of a particular type of thing: specimens are in museums to represent their whole species. Artefacts are man-made objects, mostly in museums to represent themselves*.




Specimens as snapshots

There are many kinds of research that can be done with museum specimens, not least because museums hold the physical definitions of each species : the type specimens. Specimens are not just an example of a species, they are an example of a species at a particular place at a particular time. As crucial as the object itself are the data that go with it: where was it collected, when, and by whom. These pieces of information make museum specimens incredibly valuable. These limpets, for example, were collected at King Edward Point in South Georgia on 13th November 1969, by the British Antarctic Survey.


These limpets were collected by the British Antarctic Survey. LDUCZ-P879 Nacella concinna

Understanding changes in diversity

One of the most critical kinds of research that natural history collections can be used for is investigating how ecosystems and their ecological communities change over time. This specimen is physical evidence that this species of limpet was at that site on that date. Furthermore, analysis of the make-up of the specimens could tell us about the chemistry of the ocean they lived in. Understanding the impact of climate change, pollution, ocean acidification and ecosystem collapse being are critical to our ability to mitigate these global challenges, and specimens like this can provide invaluable data.




Series sampling

Different scientific organisations have been sampling at King Edward Point since 1925 (although it was somewhat disrupted by the Falklands War, after which it was occupied by the British military for a while). Therefore, the specimens from different points in the long term sampling series can be compared over time. We also have samples from the Institute of Oceanographic Sciences (now the National Oceanography Centre) that have been amassing “The Discovery Collection” since 1925. The original purpose of this survey was for whaling research, and so they trawled for huge numbers of samples of krill – the principal food of whales. As such they can tell us about the oceans before the whaling industry brought about the collapse of global whale populations.



Trawl sample from the Institute of Oceanographic Science "Discovery Collections" LDUCZ-H703



These are just a couple of examples of the kinds of incredibly valuable collections that museums hold in their storerooms. Museums are so much more than just the displays.

* That said the extent to which specimens are also artefacted by human intervention is one of my favourite topics when talking to students about the authenticity of museum displays. Mounted skeletons and taxidermy, for example, are made by people from animal remains. I wrote about this in The Conversation.

Jack Ashby is the Manager of the Grant Museum of Zoology








Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,

mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.











--br via tradutor do google

Por que os museus de história natural são importantes. Espécime da Semana 278: O British Antarctic Survey Limpets


Há muito mais a um museu da história natural do que encontra o olho, e aquele é na maior parte porque as proporções relativamente pequenas de suas coleções estão na exposição. No Grant Museum of Zoology temos a sorte de ter cerca de 12% da nossa colecção em exibição. Isso é porque nós temos muitas coisas minúsculas no Micrarium e nossa coleção é relativamente pequena, com 68.000 objetos. Enquanto nós realmente gostamos de cram tanto em nossos casos como é sensato, essas percentagens não são realistas para muitos museus, cujas coleções de execução em milhões.

A grande maioria dos espécimes em museus de história natural, incluindo os nossos, não foram destinados para exibição, e que inclui o Specimen of the Week ...

** O Jarro de Limpets Antárctico **
Para que servem os museus?
O valor das exposições de história natural é relativamente bem documentado. Em 2013 eu supervisionei um estudo financiado pelo Conselho de Artes da Inglaterra para a Associação de Coleções de Ciências Naturais que descobriu que eles eram o tipo de galeria mais popular em museus com coleções mistas. É claro que o que os visitantes vêem de museus de história natural é muito bem amado. E há outras razões para pensar que os museus são importantes: a pesquisa aqui em nosso próprio departamento - UCL Culture - está investigando os benefícios para a saúde e bem-estar das pessoas de se envolver com museus. No entanto, sem dúvida muitos museus de história natural poderia ser mais bem sucedido em usar suas galerias para comunicar o que se passa nos bastidores, e isso é uma vergonha como galerias públicas não são a única coisa museus são para.

Espécimes ou artefactos?
Além de ser atrações para os visitantes, muitos museus também são institutos de pesquisa - pode haver dezenas ou centenas de cientistas trabalhando nos bastidores, usando as coleções armazenadas para fazer descobertas sobre biodiversidade, evolução e como os ecossistemas funcionam, entre muitas outras coisas. Se eles não têm seus próprios pesquisadores em pessoal, a maioria dos museus com coleções de história natural manter a maior parte de suas coleções off exibição para os pesquisadores a visitar. Nos museus de história natural falamos de "espécimes" em vez de "artefatos", que são mais freqüentemente associados a arqueologia, antropologia e museus de história social. A diferença é que os espécimes são exemplos reais de um tipo particular de coisa: os espécimes estão nos museus para representar sua espécie inteira. Artefatos são objetos feitos pelo homem, principalmente em museus para se representar *.

Espécimes como instantâneos
Há muitos tipos de pesquisa que pode ser feito com espécimes de museu, não menos porque os museus prendem as definições físicas de cada espécie: os espécimes do tipo. Os espécimes não são apenas um exemplo de uma espécie, eles são um exemplo de uma espécie em um lugar particular em um momento particular. Tão cruciais como o próprio objeto são os dados que acompanham: onde foi coletado, quando e por quem. Essas informações tornam os espécimes dos museus incrivelmente valiosos. Estas lapas, por exemplo, foram coletadas em King Edward Point, na Geórgia do Sul, em 13 de novembro de 1969, pelo British Antarctic Survey.

Compreender as mudanças na diversidade
Um dos tipos mais críticos de pesquisa que as coleções de história natural pode ser usado para investigar como os ecossistemas e suas comunidades ecológicas mudam ao longo do tempo. Este espécime é uma prova física de que esta espécie de lapa estava nesse local naquela data. A compreensão do impacto das mudanças climáticas, da poluição, da acidificação dos oceanos e do colapso dos ecossistemas é crítica para a nossa capacidade de mitigar esses desafios globais, E espécimes como este podem fornecer dados inestimáveis.

Amostragem em série
Diferentes organizações científicas têm vindo a amostrar no King Edward Point desde 1925 (embora tenha sido um pouco interrompido pela Guerra das Malvinas, após o que foi ocupado pelos militares britânicos por um tempo). Portanto, os espécimes de diferentes pontos da série de amostragem de longo prazo podem ser comparados ao longo do tempo. Nós também temos amostras do Instituto de Ciências Oceanográficas (agora o Centro Nacional de Oceanografia) que têm vindo a reunir "The Discovery Collection" desde 1925. O objetivo original desta pesquisa foi para a pesquisa de baleias, e assim eles arrasto para um grande número de amostras de Krill - principal alimento das baleias. Como tal, eles podem nos contar sobre os oceanos antes que a indústria baleeira trouxe o colapso das populações globais de baleias.

Amostra de arrasto do Instituto de Ciências Oceanográficas "Coleções de Descoberta" LDUCZ-H703

Estes são apenas alguns exemplos dos tipos de coleções incrivelmente valiosas que os museus têm em seus depósitos. Museus são muito mais do que apenas os monitores.

* Isso disse que a medida em que os espécimes são também artefactos pela intervenção humana é um dos meus temas favoritos quando se fala com os alunos sobre a autenticidade do museu exibe. Esqueletos montados e taxidermia, por exemplo, são feitos por pessoas de restos de animais. Escrevi sobre isso em The Conversation.

Jack Ashby é o Gerente do Museu Grant de Zoologia

Nenhum comentário:

Postar um comentário