Google+ Followers

segunda-feira, 17 de julho de 2017

A question of interpretation. - Uma questão de interpretação.

Head of Interpretation Stuart Frost explains how his team collaborates with colleagues across the organisation to help develop new permanent exhibits and temporary special exhibitions..

Inside the BP exhibition Sunken cities: Egypt's lost worlds.

What is ‘interpretation’? Broadly speaking, it is anything that help visitors make sense of the Museum and its collection.

Visitors in the Egyptian Sculpture Gallery (Room 4).

It is not about providing information that visitors passively absorb, but more about encouraging visitors to actively engage, to look closer at objects and to reveal something relevant that they might otherwise have missed.

Developing effective interpretation requires detailed knowledge about visitors. We’ve been undertaking rigorous evaluation regularly since 2005 and we have rich invaluable archive of data that informs our work.

Special exhibitions

We regularly undertake evaluation for our major special exhibitions. Front-end evaluation is used to establish visitors’ prior knowledge about a subject and their expectations of a new exhibition.

When exhibition plans are more advanced we will then test these qualitatively – visitor feedback obtained through this formative evaluation is used to make iterative improvements. Finally, after an exhibition has opened, we undertake summative evaluation to establish how successful an individual project has been in meeting its objectives, and to inform the development of future displays.

Evaluation of special exhibitions with an admission charge has confirmed that they attract a very different audience to the free permanent galleries. Special exhibition visitors are usually highly motivated and will look at most of the show. The typical dwell time for a major special exhibition is between 75 and 90 minutes, much higher than a free permanent gallery where the dwell time is often much less. Special exhibitions therefore need bespoke approaches to interpretation.

The Jericho Skull on display in Room 3.

Permanent galleries

Evaluation at the British Museum has transformed the way we develop new permanent galleries. Room 3 is currently used for temporary displays focused on a single object from the collection, The Asahi Shimbun Displays. This space provides an opportunity for the Museum to experiment with new approaches to design and interpretation.

Evaluation of previous Asahi Shimbun Displays established some important findings. Firstly, most visitors are drawn to objects first, before looking for the interpretation. Secondly, visitors tend to ignore wall panels or other interpretive texts unless they are in direct proximity to the object that attracts their attention. Thirdly, in free displays most visitors exhibit selective browsing behaviour, rather than thorough sequential viewing. These observations inform our current interpretive philosophy.

Gateway objects

As there are over 80 galleries to explore, and the average length of visit to the Museum as whole is just over two and a quarter hours, it is not surprising that the average length of visit to any one gallery is often low. Most of our audience consists of first-time visitors. Some of the older rooms at the Museum contain more objects than any first-time visitor could be expected to deal with in a single visit. As a result we now tend to structure new permanent displays around 20–30 particularly important ‘gateway’ objects, significant objects in the collection that lead into bigger themes. The interpretation is always in a clear and direct relationship with the object, and starts with what the visitor can see, building outwards to tell an overarching story.

Coins from all nations of the world arranged in a spiral to create a visually appealing display (Room 68). Evaluation tells us that this gateway group of objects is successful at attracting visitors’ attention.

We have used gateway objects in numerous displays since 2006, and the evaluation of each display indicates that the approach deepens engagement – visitors stay for longer and look at more objects. The introduction of gateways in the refurbished Citi Money Gallery (Room 68), for example, contributed to increased dwell time, and an increased number of stops made by visitors.

Case study: Sutton Hoo

The Sir Paul and Lady Ruddock Gallery of Sutton Hoo and Europe AD 300–1100 (Room 41) opened in 2014 – it’s one of the Museum’s most recent galleries. An evaluation of the old display was particularly influential in shaping the current display. The results confirmed that the attracting power of the old displays was disappointing. The few objects that visitors did stop at did not hold their attention for very long, or deliver the stories we wanted to tell.

Room 41 before refurbishment.



The one exception was a case containing the helmet and shield of an Anglo-Saxon warrior, found in a ship burial at Sutton Hoo (in Suffolk) dating from the early AD 600s. The Sutton Hoo ship burial was one of the most important archaeological discoveries of the 20th century – the helmet enjoys an almost iconic status in the UK. The popularity of this single case encouraged the project team to move all of the Sutton Hoo objects from their location on the periphery of the old gallery to the physical and conceptual heart of the new gallery.

The new display in Room 41.

Room 41
The new display in Room 41.

The new interpretation of the Sutton Hoo material was designed to provide visitors with an introduction to the gallery as a whole, explaining some of the key features of the early medieval period. An evaluation of the new current gallery confirms that this approach works well. The vast majority of visitors now come face to face with the Sutton Hoo helmet – one of the highlights of the Museum’s collection – and engage with the interpretation of this central display.

Future plans

Evaluation almost always reveals lessons that can be applied to future projects. Each completed project informs those that come after. We are currently focused on three major gallery projects, all of which are structured around the gateway object concept.

An artist’s impression of how Room 33 will look after refurbishment.

An artist’s impression of how Room 33 will look after refurbishment.


The Sir Joseph Hotung Gallery of China and South Asia (Room 33) will reopen in November 2017, the Mitsubishi Corporation Japanese Galleries (Rooms 92–94) will be refurbished in 2018, and the new Albukhary Foundation Galleries of the Islamic world will open towards the end of 2018. With new interpretive approaches, and new digital technology to enhance visitors’ experiences, there are exciting times ahead.







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.
















--br via tradutor do google
Uma questão de interpretação.

Chefe de interpretação Stuart Frost explica como sua equipe colabora com colegas em toda a organização para ajudar a desenvolver novas exposições permanentes e exposições especiais temporárias.

O que é "interpretação"? Em termos gerais, é tudo o que ajuda os visitantes a darem sentido ao Museu e à sua coleção.

Não se trata de fornecer informações que os visitantes absorvam passivamente, mas mais sobre incentivar os visitantes a se envolver ativamente, olhar mais de perto para os objetos e revelar algo relevante que de outra forma poderiam ter perdido.

Desenvolver uma interpretação eficaz exige um conhecimento detalhado sobre os visitantes. Nós realizamos uma avaliação rigorosa regularmente desde 2005 e temos um vasto e valioso arquivo de dados que informa nosso trabalho.

Exposições especiais

Nós realizamos avaliações regularmente para nossas principais exposições especiais. A avaliação do front-end é usada para estabelecer o conhecimento prévio dos visitantes sobre um assunto e suas expectativas de uma nova exibição.

Quando os planos de exibição são mais avançados, testaremos isso de forma qualitativa - o feedback do visitante obtido através dessa avaliação formativa é usado para fazer melhorias iterativas. Finalmente, após a abertura de uma exposição, realizamos uma avaliação sumativa para determinar o sucesso de um projeto individual no cumprimento de seus objetivos e para informar o desenvolvimento de exibições futuras.

A avaliação de exposições especiais com uma taxa de admissão confirmou que eles atraem um público muito diferente para as galerias permanentes gratuitas. Os visitantes de exposições especiais geralmente são altamente motivados e verão a maior parte do show. O tempo de permanência típico para uma grande exposição especial é entre 75 e 90 minutos, muito maior que uma galeria permanente gratuita onde o tempo de permanência é muitas vezes muito menor. Exposições especiais, portanto, precisam de abordagens de interpretação.

Galerias permanentes

A avaliação no Museu Britânico transformou a forma como desenvolvemos novas galerias permanentes. O quarto 3 é atualmente usado para exibições temporárias focadas em um único objeto da coleção, The Asahi Shimbun Displays. Este espaço oferece uma oportunidade para o Museu experimentar novas abordagens de design e interpretação.

A avaliação de anteriores Asahi Shimbun Displays estabeleceu algumas descobertas importantes. Em primeiro lugar, a maioria dos visitantes é atraída para objetos primeiro, antes de procurar a interpretação. Em segundo lugar, os visitantes tendem a ignorar os painéis de parede ou outros textos interpretativos, a menos que estejam em proximidade imediata do objeto que atrai a atenção deles. Em terceiro lugar, em exibições gratuitas a maioria dos visitantes exibe comportamento de navegação seletiva, em vez de visualização sequencial completa. Essas observações informam nossa filosofia interpretativa atual.

Objetos de gateway

Como há mais de 80 galerias para explorar, e a duração média da visita ao Museu como um todo é de mais de duas horas e meia, não é surpreendente que a duração média da visita a qualquer galeria seja frequentemente baixa. A maioria da nossa audiência é composta por visitantes pela primeira vez. Alguns dos quartos antigos do Museu contêm mais objetos do que qualquer visitante pela primeira vez, que poderia ser tratado em uma única visita. Como resultado, agora tendemos a estruturar novos displays permanentes em torno de 20-30 objetos de "gateway" particularmente importantes, objetos significativos na coleção que levam a temas maiores. A interpretação está sempre em um relacionamento claro e direto com o objeto, e começa com o que o visitante pode ver, construindo para fora para contar uma história abrangente.

Usamos objetos de gateway em inúmeras exibições desde 2006, e a avaliação de cada exibição indica que a abordagem aprofunda o engajamento - os visitantes permanecem por mais tempo e observam mais objetos. A introdução de gateways na Citi Money Gallery remodelada (Sala 68), por exemplo, contribuiu para o aumento do tempo de permanência e um aumento no número de paradas feitas pelos visitantes.

Estudo de caso: Sutton Hoo

A Galeria Sir Paul e Lady Ruddock de Sutton Hoo e a Europa 300-1100 (Quarto 41) abriram em 2014 - é uma das galerias mais recentes do Museu. Uma avaliação da exibição antiga foi particularmente influente na formação da exibição atual. Os resultados confirmaram que o poder atraente das telas antigas foi decepcionante. Os poucos objetos que os visitantes deixaram de fazer não mantiveram a atenção por muito tempo, nem entregar as histórias que queríamos dizer.


A única exceção foi um caso que contenha o capacete e o escudo de um guerreiro anglo-saxão, encontrado em um enterro de navio em Sutton Hoo (em Suffolk), datado do início de 600 dC. O enterro do navio Sutton Hoo foi uma das descobertas arqueológicas mais importantes do século 20 - o capacete goza de um status quase icônico no Reino Unido. A popularidade deste único caso incentivou a equipe do projeto a mover todos os objetos Sutton Hoo de sua localização na periferia da galeria antiga para o coração físico e conceitual da nova galeria.

Quarto 41
A nova exibição no quarto 41.

A nova interpretação do material de Sutton Hoo foi projetada para fornecer aos visitantes uma introdução à galeria como um todo, explicando algumas das principais características do período medieval inicial. Uma avaliação da nova galeria atual confirma que esta abordagem funciona bem. A grande maioria dos visitantes agora está cara a cara com o capacete Sutton Hoo - um dos destaques da coleção do Museu - e se envolve com a interpretação desta exibição central.

Planos futuros

A avaliação quase sempre revela lições que podem ser aplicadas em projetos futuros. Cada projeto completo informa os que se seguem. Estamos atualmente focados em três grandes projetos de galeria, todos estruturados em torno do conceito de objeto de gateway.


A impressão de um artista de como o quarto 33 irá cuidar da remodelação.

A Galeria Sir Joseph Hotung da China e do Sul da Ásia (Quarto 33) reabrirá em novembro de 2017, as Galerias Japonesas da Mitsubishi Corporation (Salas 92-94) serão remodeladas em 2018 e as novas Galerias da Fundação Albukhary do mundo islâmico se abrirão para No final de 2018. Com novas abordagens interpretativas e novas tecnologias digitais para melhorar as experiências dos visitantes, há momentos excitantes à frente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário