Google+ Followers

domingo, 9 de julho de 2017

Cais do Valongo (RJ) wins World Heritage. - Cais do Valongo (RJ) ganha título de Patrimônio Mundial

The suffering of those who have been forcibly taken from their homelands for a life of forced labor and degradation is something that can not be forgotten. More than four million Africans were enslaved in Brazil and will now have their pain represented and recalled in UNESCO's decision, which has just recognized the Cais do Valongo Archaeological Site (Rio de Janeiro) as a World Heritage Site.





The decision came from 22 nations that compose the World Heritage Committee, which met this week in the city of Krakow, Poland.

Representing Brazil, the president of Iphan, Kátia Bogéa, followed the discussions promoted by the Committee and emphasized the importance of the title. "In times of high intolerance that surrounds the world today, the recognition of sensitive sites highlights the need to share our experience in favor of a more humanistic view of global society, from the observation of what the Pier Valongo meant and the Its social reappropriation in the present day, especially by Afro-Brazilian descendants, who in an attitude of overcoming reaffirm their blackness and their history for Brazil, the Americas and the whole world, "he said in his speech.

The main port of entry for enslaved Africans in Brazil and the Americas, Cais do Valongo, located in the port region of Rio de Janeiro (RJ), is a symbol of this unfortunate episode that represents one of the greatest injustices in world history. Very important for the Afro-Brazilian community and for the Afro-American community in general, Valongo Pier is now on the same level as the city of Hiroshima, Japan, and the Auschwitz Concentration Camp in Poland, classified as Places of memory and suffering.

The Pier of Valongo was the main landing dock for Africans enslaved throughout the Americas and also the only materially preserved. By the magnitude of what it represents, it stands as the most prominent vestige of the slave trade on the American continent.

The title of World Heritage represents the recognition of a unique example of the history of humanity that, in spite of the slavery process produced, provided an invaluable contribution of the Africans and their descendants to the cultural, economic and social formation and development of Brazil, in a direct way, and Of the region, indirectly. The title also recognizes the exceptional universal value of the place, as a memory of violence against humanity represented by slavery, and of resistance, freedom and affirmation, strengthening the historical responsibilities not only of the Brazilian State, but also of all UNESCO member countries.

The application process


Presented by the Institute of National Historical and Artistic Heritage (Iphan) and by the City Hall of Rio de Janeiro, the candidature of the Archaeological Site of the Valongo Caise was accepted at the end of 2015 by the World Heritage Center.

The application was based on a dossier that rescues the history of the slave trade in the city in its various phases and analyzes in detail the historical and social importance of this process, as well as the significance of the archaeological site, not only for Afro-descendants, but for all Brazilians. Coordinated by the anthropologist Milton Guran and prepared by Iphan, in partnership with the City of Rio de Janeiro, the document was finalized after a year of work, where the exceptional universal value of the good is presented for evaluation, as well as the parameters related to its protection, Conservation and management, as set out in the operational guidelines of the 1972 World Natural and Cultural Heritage Convention.

Large gateway of Africans enslaved in Brazil

Brazil received about four million slaves in the more than three centuries of the slave regime, which is equivalent to 40 percent of all Africans who arrived alive in the Americas between the 16th and 19th centuries. Of these, approximately 60% entered through Rio de Janeiro, being about one million of them by the Pier of the Valongo. From 1774, by the determination of the Marquis of Lavradio, Viceroy of Brazil, the landings of slaves in Rio were integrally concentrated in the region of Praia do Valongo, where the slave market was installed, which, besides the commercial houses, included A graveyard and a lazaretto.

The objective was to withdraw from the Right Street, the current First of March, the landing and trade of enslaved Africans. Upon arrival, they were intended for coffee, tobacco and sugar plantations in the interior and other regions of Brazil. Those who stayed in Rio de Janeiro were often forced to do housework or public works.

The arrival of the Portuguese royal family to Brazil and the intensification of coffee growing considerably increased slavery traffic. In 1811, with the increase of traffic and the flow of other goods, infrastructure works were carried out, including the stone pavement of a stretch of Valongo Beach, which currently constitutes the Archaeological Site of Cais do Valongo.

The site was deactivated as a port of landing of slaves in 1831, when transatlantic traffic was banned under pressure from England - a solemnly ignored standard, which received the ironic designation of law for English ver. Twelve years later, in 1843, the Pier of Valongo was landed to receive the Princess of the Two Sicilies and Princess of Bourbon-Anjou, Teresa Cristina, wife of the Emperor Dom Pedro II, receiving the name of Pier of the Empress. With the signing of the Eusébio de Queirós Law in 1850, the traffic to Brazil was truly ended, although the last known shipment dates from 1872 and slavery persisted until Abolition in 1888.

In 1911, with the urbanistic reforms of the city, the Pier of the Empress was grounded. However, during the works of Porto Maravilha, with the excavations carried out in the place in 2011, thousands of objects were found, such as footwear, buttons made of bones, necklaces, amulets, rings and bracelets in piaçava of extreme delicacy, Shells and other pieces used in religious rituals. Among the rare finds, there is a jewel box, carved in antimony, with drawings of a caravel and geometric figures on the lid.

In 2012, the city of Rio de Janeiro accepted the suggestion of the Organizations of the Black Movements and transformed the space into a monument preserved and open to public visitation. The Cais do Valongo joined the Historic and Archaeological Circuit of the Celebration of African Heritage, which establishes landmarks of Afro-Brazilian culture in the Port Region, next to the Suspended Garden of Valongo, Largo do Depósito, Pedra do Sal, José Bonifácio Cultural Center And New Black Cemetery.

On November 20, 2013, Black Consciousness Day, the Pier of Valongo was elevated to the Cultural Patrimony of the city of Rio de Janeiro, through the Rio Heritage Humanity Institute (IRPH). The intention of the city of Rio de Janeiro to launch the candidacy of the Valongo Pier to World Heritage was also reinforced by the fact that UNESCO representatives also consider the archaeological site as part of the Slave Route. One step closer to the recognition of good.


More information for the press
Iphan Communication Office

comunicacao@iphan.gov.br

Fernanda Pereira - fernanda.pereira@iphan.gov.br

Adélia Soares - adelia.soares@iphan.gov.br

Michel Toronaga - michel.toronaga@iphan.gov.br

(61) 2024-5511-2024-5513-2024-5531

(61) 99381-7543

www.iphan.gov.br

www.facebook.com/IphanGovBr | Www.twitter.com/IphanGovBr

www.youtube.com/IphanGovBr









Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.











--br
Cais do Valongo (RJ) ganha título de Patrimônio Mundial

O sofrimento daqueles que foram tirados à força de suas terras de origem para uma vida de trabalhos forçados e degradação é algo que não pode ser esquecido. Foram mais de quatro milhões de africanos escravizados no Brasil e que agora terão sua dor representada e relembrada na decisão da UNESCO, que acaba de reconhecer o Sítio Arqueológico Cais do Valongo (RJ) como Patrimônio Mundial.

A decisão partiu de 22 nações que compõem o Comitê do Patrimônio Mundial, que reuniu-se esta semana na cidade de Cracóvia, na Polônia.

Representando o Brasil, a presidente do Iphan, Kátia Bogéa, acompanhou as discussões promovidas pelo Comitê e ressaltou a importância do título. “Em momentos de elevada intolerância que ronda o mundo atual, o reconhecimento de sítios sensíveis coloca em evidência a necessidade de compartilharmos nossa experiência em prol de uma visão mais humanista da sociedade global, a partir da observação do quê o Cais do Valongo significou e da sua reapropriação social nos dias atuais, em especial, pelos descendentes afro-brasileiros, que numa atitude de superação reafirmam sua negritude e sua história para o Brasil, as Américas e todo o Mundo”, disse, em seu discurso.

Principal porto de entrada de africanos escravizados no Brasil e nas Américas, o Cais do Valongo, localizado na região portuária do Rio de Janeiro (RJ), é um símbolo desse infeliz episódio que representa uma das maiores injustiças da história mundial. Muito importante para a comunidade afro-brasileira e para a comunidade afro-americana em geral, o Cais do Valongo agora encontra-se no mesmo patamar da cidade de Hiroshima, no Japão, e do Campo de Concentração de Auschwitz, na Polônia, classificados como locais de memória e sofrimento.

O Cais do Valongofoi o principal cais de desembarque de africanos escravizados em todas as Américas e também o único preservado materialmente. Pela magnitude do que representa, coloca-se como o mais destacado vestígio do tráfico negreiro no continente americano.

O título de Patrimônio Mundial representa o reconhecimento de um exemplo único da história da humanidade que, apesar do processo escravagista produzido, propiciou uma inestimável contribuição dos africanos e seus descendentes à formação e desenvolvimento cultural, econômico e social do Brasil, de modo direto, e da região, de modo indireto. O título também reconhece o valor universal excepcional do local, como memória da violência contra a humanidade representada pela escravidão, e de resistência, liberdade e afirmação, fortalecendo as responsabilidades históricas, não só do Estado brasileiro, como de todos os países membros da UNESCO. 

O processo da candidatura 

Apresentada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, a candidatura do Sítio Arqueológico do Cais do Valongo foi aceita no fim de 2015 pelo Centro do Patrimônio Mundial.

A candidatura teve como base um dossiê que resgata a história do tráfico de escravos na cidade em suas várias fases e analisa, detalhadamente, a importância histórica e social desse processo, além do significado do sítio arqueológico não só para os afrodescendentes, mas para todos os brasileiros. Coordenado pelo antropólogo Milton Guran e elaborado pelo Iphan, em parceria com a Prefeitura do Rio de Janeiro, o documento foi finalizado após um ano de trabalho, onde são apresentados para avaliação o valor universal excepcional do bem, além dos parâmetros relacionados à sua proteção, conservação e gestão, conforme estabelecem as diretrizes operacionais da Convenção do Patrimônio Mundial, Natural e Cultural, de 1972.

Grande porta de entrada de africanos escravizados no Brasil

O Brasil recebeu cerca de quatro milhões de escravos nos mais de três séculos de duração do regime escravagista, o que equivale a 40% de todos os africanos que chegaram vivos nas Américas, entre os séculos XVI e XIX. Destes, aproximadamente 60% entraram pelo Rio de Janeiro, sendo que cerca de um milhão deles pelo Cais do Valongo. A partir de 1774, por determinação do Marquês do Lavradio, Vice-Rei do Brasil, o desembarque de escravos no Rio foi integralmente concentrado na região da Praia do Valongo, onde se instalou o mercado de escravos que, além das casas de comércio, incluía um cemitério e um lazareto.

O objetivo era retirar da Rua Direita, atual Primeiro de Março, o desembarque e comércio de africanos escravizados. Após a chegada, eles eram destinados às plantações de café, fumo e açúcar do interior e de outras regiões do Brasil. Os que ficavam no Rio de Janeiro, geralmente eram forçados aos trabalhos domésticos ou em obras públicas.

A vinda da família real portuguesa para o Brasil e a intensificação da cafeicultura ampliaram consideravelmente o tráfico escravagista. Em 1811, com o incremento do tráfico e o fluxo de outras mercadorias, foram feitas obras de infraestrutura, incluindo o calçamento de pedra de um trecho da Praia do Valongo, que constitui atualmente o Sítio Arqueológico do Cais do Valongo.

O local foi desativado como porto de desembarque de escravos em 1831, quando o tráfico transatlântico foi proibido por pressão da Inglaterra – norma solenemente ignorada, que recebeu a denominação irônica de lei para inglês ver. Doze anos depois, em 1843, o Cais do Valongo foi aterrado para receber a Princesa das Duas Sicílias e Princesa de Bourbon-Anjou, Teresa Cristina, esposa do Imperador Dom Pedro II, recebendo o nome de Cais da Imperatriz. Com a assinatura da Lei Eusébio de Queirós, em 1850, pôs-se fim verdadeiramente ao tráfico para o Brasil, embora a última remessa conhecida date de 1872 e a escravidão tenha persistido até a Abolição, em 1888.

Em 1911, com as reformas urbanísticas da cidade, o Cais da Imperatriz foi aterrado. No entanto, durante as obras do Porto Maravilha, com as escavações realizadas no local em 2011, foram encontrados milhares de objetos, como parte de calçados, botões feitos com ossos, colares, amuletos, anéis e pulseiras em piaçava de extrema delicadeza, jogos de búzios e outras peças usadas em rituais religiosos. Entre os achados raros, há uma caixinha de joias, esculpida em antimônio, com desenhos de uma caravela e de figuras geométricas na tampa.

Em 2012, a prefeitura do Rio de janeiro acatou a sugestão das Organizações dos Movimentos Negros e transformou o espaço em monumento preservado e aberto à visitação pública. O Cais do Valongo passou a integrar o Circuito Histórico e Arqueológico da Celebração da Herança Africana, que estabelece marcos da cultura afro-brasileira na Região Portuária, ao lado do Jardim Suspenso do Valongo, Largo do Depósito, Pedra do Sal, Centro Cultural José Bonifácio e Cemitério dos Pretos Novos.

Em 20 de novembro de 2013, Dia da Consciência Negra, o Cais do Valongo foi alçado a Patrimônio Cultural da cidade do Rio de Janeiro, por meio do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH). A intenção da cidade do Rio de Janeiro em lançar a candidatura do Cais do Valongo a Patrimônio da Humanidade foi reforçada também pelo fato de representantes da UNESCO também considerarem o sítio arqueológico como parte da Rota dos Escravos. Um passo a mais para o reconhecimento do bem.

Mais informações para a imprensa
Assessoria de Comunicação Iphan
comunicacao@iphan.gov.br
Fernanda Pereira – fernanda.pereira@iphan.gov.br
Adélia Soares – adelia.soares@iphan.gov.br
Michel Toronaga – michel.toronaga@iphan.gov.br
(61) 2024-5511- 2024-5513 - 2024-5531
(61) 99381-7543


www.facebook.com/IphanGovBr | www.twitter.com/IphanGovBr

www.youtube.com/IphanGovBr



Nenhum comentário:

Postar um comentário