Google+ Followers

terça-feira, 11 de julho de 2017

Study Finds Museum Salaries Are Rising Across the Board, Despite Huge Disparities. - Estudo descobre que os salários dos museus estão crescendo em todo o conselho, apesar das enormes disparidades.

While salaries rose by 3% in 2016, museum directors are making about nine times what security guards do, according to the Association of Art Museum Directors.



Nearly one quarter of executive directors at museums in North America are either provided with a car or an allowance for one, but only 2.5% of non-executive museum staff enjoy the same perk. Meanwhile, just one in five non-executive museum workers receive some kind of subsidy for their mass transit expenses. These are among the findings of the Association of Art Museum Directors’ (AAMD) salary survey for 2017, released last week. While it suggests that salary growth across the museum field has outpaced national salary growth rates, it also shows the vast disparities in compensation between different sectors of the museum industry.

The study, AAMD’s 32nd annual tabulation of salary information, was conducted in partnership with the data consultancy Stax Inc. It is based on data from 2011 to 2016 provided by 219 of the group’s 242 member institutions. It shows some interesting overall data at the national level for the US, like that 35% of the participating museums have between 21 and 50 employees, while 27% have over 100, and just 3% have 10 or fewer. A related graph shows that nearly one third (32%) of responding institutions had an annual operation budget of between $2.5 and $5 million last year, while 21% had budgets of over $20 million — including six participating museums with budgets over $100 million — while just 1% of museums reported a budget of less than $1 million. Unsurprisingly, while smaller museums rely disproportionately on freelancers, large museums mostly employ full-time workers. Nearly half of the responding museums (42%) spend about half of their budgets (41–50%) on payroll.

In addition to the disparities in transportation allowances for executive directors and non-executives, the study provides details on all kinds of benefits enjoyed by (or withheld from) museum workers. For instance, a little over a quarter of museum workers were allowed to telecommute in 2016. Another benefit doled out in relatively equal measure to executive and non-executive workers is attendance at professional conferences: just over 90% of executives were offered this perk in 2016, and over 86% of non-executive workers were, too. Meanwhile, as of last year regular full-time museum workers could expect 14 days of paid time off in their first year at an institution, with about an extra day off for every year of employment. A full 59% of responding museums offer cafeteria plans.

However, the most interesting section of the report is the one that breaks down compensation by job title. There, we see that the mean annual salary for a North American museum director is $293,988, and that there are vast disparities between regions. Among the 10 Canadian and Mexican museums that provided data, directors earn a mean salary of $204,782 annually, while their best-paid colleagues in the US, those in the western states, earn $368,986. (The director’s assistant, however, earns just $57,424.) Deputy directors earn a mean annual salary of $173,572, while chief operation officers receive $172,872. The mean annual salary for a chief curator is $143,412, while directors of development earn $133,345. Chief conservators fare reasonably well, with a mean salary of $118,271, slightly surpassing the $111,941 earned by directors of external affairs. For 2011 to 2016, the salary growth rate was highest among museum workers for chief operating officers, who saw their salaries increase at a compound annual growth rate of 5.5% — nearly twice the rate of growth for the whole field. Last year alone, the mean average salary of a museum worker went up 2.8%.

At the low end of the compensation spectrum, the increasingly high-profile job of social media manager (described by AAMD, tellingly, as “New Media Manager”) comes with a mean annual salary of $53,072. That’s still better than the typical curatorial assistant, who earns just $42,458, though a promotion to assistant curator could mean a bump to a mean annual salary of $55,999 — well ahead of their British colleagues. Meanwhile institutional photographers, charged with making high-quality images of artworks and exhibits, typically earn $61,230. The mean annual salary for a museum security guard is just under $34,000, though Canadian and Mexican museum security guards (based on the five institutions that provided data in this category) earn nearly $10,000 more than their US colleagues.


Though the study is an instructive breakdown of salaries and benefits at different levels of the museum workforce and in different regions, it would be interesting to see this data cross-referenced with recent studies about the lack of racial diversity and gender equality in different sectors of the industry. Still, for someone considering applying for arts administration jobs and torn between, say, a position in membership services and one in special events, the 2017 Salary Survey may make that decision much simpler.









Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.











--br via tradutor do google
Estudo descobre que os salários dos museus estão crescendo em todo o conselho, apesar das enormes disparidades.

Enquanto os salários aumentaram 3% em 2016, os diretores de museus estão fazendo cerca de nove vezes o que os guardas de segurança fazem, de acordo com a Associação de Diretores de Museus de Arte.

Quase um quarto dos diretores executivos em museus na América do Norte são fornecidos com um carro ou um subsídio para um, mas apenas 2,5% da equipe não-executiva do museu desfruta da mesma vantagem. Enquanto isso, apenas um em cinco trabalhadores não-executivos do museu recebe algum tipo de subsídio para as despesas de trânsito em massa. Estes estão entre os resultados da pesquisa de salários da Associação de Diretores de Museus de Arte (AAMD) para 2017, divulgada na semana passada. Embora sugira que o crescimento salarial em todo o campo do museu superou as taxas de crescimento salarial nacional, também mostra as grandes disparidades de compensação entre diferentes setores da indústria do museu.

O estudo, a 32ª tabulação anual de informações salariais da AAMD, foi conduzido em parceria com a consultoria de dados Stax Inc. Baseia-se em dados de 2011 a 2016 fornecidos por 219 das 242 instituições membros do grupo. Ele mostra alguns dados gerais interessantes a nível nacional para os EUA, assim 35% dos museus participantes têm entre 21 e 50 funcionários, enquanto 27% têm mais de 100 e apenas 3% têm 10 ou menos. Um gráfico relacionado mostra que quase um terço (32%) das instituições respondentes tinham um orçamento de operação anual de entre US $ 2,5 e US $ 5 milhões no ano passado, enquanto 21% tinham orçamentos de mais de US $ 20 milhões - incluindo seis museus participantes com orçamentos acima de US $ 100 milhões - enquanto Apenas 1% dos museus relataram um orçamento de menos de US $ 1 milhão. Sem surpresa, enquanto os museus menores dependem desproporcionalmente de freelancers, grandes museus empregam empregados em tempo integral. Quase metade dos museus respondentes (42%) gastam cerca de metade de seus orçamentos (41-50%) na folha de pagamento.

Além das disparidades em subsídios de transporte para diretores executivos e não executivos, o estudo fornece detalhes sobre todos os tipos de benefícios de que gozam (ou retidos) os trabalhadores do museu. Por exemplo, um pouco mais de um quarto dos trabalhadores do museu foram autorizados a telecomutar em 2016. Outro benefício distribuído em medidas relativamente iguais aos executivos e não executivos é o comparecimento em conferências profissionais: pouco mais de 90% dos executivos receberam essa vantagem em 2016, e mais de 86% dos trabalhadores não-executivos também foram. Entretanto, a partir do ano passado, os trabalhadores regulares de museus a tempo inteiro poderiam esperar 14 dias de prazo pago no primeiro ano em uma instituição, com um dia de folga extra por cada ano de emprego. Um total de 59% dos museus respondentes oferecem planos de cafeteria.

No entanto, a seção mais interessante do relatório é a que divide a compensação pelo título do trabalho. Lá, vemos que o salário anual médio para um diretor de museu norte-americano é de US $ 293.988 e que existem grandes disparidades entre as regiões. Entre os 10 museus canadenses e mexicanos que forneceram dados, os diretores ganham um salário médio de US $ 204.782 por ano, enquanto seus colegas mais bem pagos nos EUA, aqueles nos estados ocidentais, ganham US $ 368.986. (O assistente do diretor, no entanto, ganha apenas US $ 57.424.) Os diretores-adjuntos ganham um salário anual médio de US $ 173.572, enquanto os oficiais-chefe da operação recebem US $ 172.872. O salário anual médio para um curador chefe é de US $ 143.412, enquanto os diretores de desenvolvimento ganham US $ 133.345. Os conservadores principais são razoavelmente bons, com um salário médio de $ 118.271, superando ligeiramente os $ 111.941 obtidos por diretores de assuntos externos. Para 2011 a 2016, a taxa de crescimento salarial foi maior entre os trabalhadores do museu para os principais funcionários, que viram seus salários aumentarem a uma taxa de crescimento anual composta de 5,5% - quase o dobro da taxa de crescimento para todo o campo. Somente no ano passado, o salário médio médio de um trabalhador do museu subiu 2,8%.

No extremo inferior do espectro de compensação, o cargo de gerente de mídia social cada vez mais alto (descrito pela AAMD, como "New Media Manager") vem com um salário médio anual de $ 53,072. Isso ainda é melhor do que o típico assistente de curadoria, que ganha apenas US $ 42.458, embora uma promoção para curador assistente possa significar uma colisão para um salário anual médio de US $ 55.999 - bem antes dos colegas britânicos. Enquanto isso, os fotógrafos institucionais, encarregados de fazer imagens de alta qualidade de obras de arte e exposições, geralmente ganham US $ 61.230. O salário anual médio para um guarda de segurança do museu é pouco menos de US $ 34.000, embora os guardas de segurança dos museus canadenses e mexicanos (com base nas cinco instituições que forneceram dados nesta categoria) ganham quase US $ 10.000 mais do que seus colegas dos EUA.

Embora o estudo seja uma quebra instrutiva de salários e benefícios em diferentes níveis da força de trabalho do museu e em diferentes regiões, seria interessante ver esses dados referenciados com estudos recentes sobre a falta de diversidade racial e igualdade de gênero em diferentes setores de a industria. Ainda assim, para alguém considerando se candidatar a empregos de administração de artes e dividido entre, por exemplo, um cargo em serviços de membros e um em eventos especiais, o Inquérito Salarial 2017 pode tornar essa decisão muito mais simples.



Nenhum comentário:

Postar um comentário