Listen to the text.

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

National Cryptologic Museum. Ft. George G. Meade, - Museu Criptológico Nacional. Ft. George G. Meade,

The National Cryptologic Museum is the National Security Agency's principal gateway to the public. It shares the Nation's, as well as NSA's, cryptologic legacy and place in world history. Located adjacent to NSA Headquarters at Ft. George G. Meade, Maryland, the Museum houses a collection of thousands of artifacts that collectively serve to sustain the history of the cryptologic profession. Here visitors can catch a glimpse of some of the most dramatic moments in the history of American cryptology: the people who devoted their lives to cryptology and national defense, the machines and devices they developed, the techniques they used, and the places where they worked. For the visitor, some events in American and world history will take on a new meaning. For the cryptologic professional, it is an opportunity to absorb the heritage of the profession.




Originally designed to house artifacts from the Agency and to give employees a place to reflect on past successes and failures, the Museum quickly developed into a priceless collection of the Nation's cryptologic history. The Museum opened to the public in December 1993 and quickly became a highlight of the area.

Being the first and only public museum in the Intelligence Community, the Museum hosts approximately 50,000 visitors annually from all over the country and all over the world, allowing them a peek into the secret world of codemaking and codebreaking.

The Museum is also an invaluable educational tool, benefiting thousands of students and teachers every year. Tours are provided allowing students of all ages the chance to learn about cryptology's impact on history and the possibility of exciting jobs in an area they may not have thought possible.

The Museum has been featured in a plethora of international TV, print, and radio media and has hosted visitors and dignitaries from around the world.
Museum Library

The National Cryptologic Museum has had an adjunct reference library since it opened in 1993. The library not only supports the exhibits, but also encourages visitors to research various areas of cryptologic history. Over the years, the library has become an important resource to students, scholars, and those with an interest in this once secret world.

The Museum Library maintains a collection of unclassified and declassified books and documents relating to every aspect of cryptology. The books and records complement the museum exhibits and artifacts, but also offer unique and in-depth sources of information for researchers. A listing of those sources can be found here.

The library has a very large collection of commercial codebooks. These codebooks were used by all manner of businesses to reduce the costs of cable communications as well as to provide a measure of security for trade secrets. Modern communications and encryption methods have made these books obsolete and they are mainly of historical interest. Some of the most sought after items in the library include the declassified documents. The Museum Library holds all of the released VENONA documents. NSA's Special Research Histories (SRH) provide documentation of NSA's predecessor organizations in the U.S. Army and Navy's cryptologic services. The SRH collection (available in its entirety at the National Archives in Record Group 457) consists of declassified reports dating predominantly to World War II. The library also holds some of the oral histories taken by NSA's Center for Cryptologic History.

A few select, unclassified monographs are also available to the public from the Museum Library. They cover a wide range of cryptologic subjects from early American ciphers to the Vietnam War. Most of the monographs were written and published by NSA's Center for Cryptologic History. These monographs go into greater depth than the museum exhibits or museum pamphlets and help to provide a greater understanding of the events in which cryptology played a role in world history.

The collection nearly doubled by the gift of the leading historian of cryptology, David Kahn, author of The Codebreakers. The works range from the first printed book on cryptology, the 1518 Polygraphiae Libri Sex by the German mystic Johannes Trithemius, to Kahn's notes of his interviews with modern cryptologists.

In June 2010, the library received another gift of the archives of the late John Byrne who invented what he called "Chaocipher" in 1918. Among these papers are an enciphered excerpt from a speech by General Douglas MacArthur, Chaocipher - The Ultimate Elusion, worksheets for Chaocipher Exhibit 2, blueprints of the Chaocipher, Preliminary Instructions for Chaocipher II (a computerized version of the Chaocipher developed by Byrne's son John Jr.), correspondence between Byrne and the RD Development Company, and letters from Byrne to U.S. Navy Capt. J.M. Irish and Greg Mellen.

The Museum Library is open to the public; however, the hours vary. Please call ahead to ensure that a staff member will be present to assist you (301-688-2145). The library is non-circulating, but photocopying is permitted.
Museum Gift Shop

The NSA Civilian Welfare Fund Gift Shop, located within the National Cryptologic Museum, offers a variety of merchandise ranging from unique NSA logo items to books and videos relating to the art and science of cryptology. Gift Shop hours are 10:00 a.m. - 3:30 p.m., Monday through Friday; and 10:30 a.m. - 1:30 p.m., the 1st and 3rd Saturdays of each month.

Adjacent to the Museum, is the National Vigilance Park. The park showcases two reconnaissance aircraft used for secret missions. The RU-8D serves to represent the Army Airborne Signal Intelligence contribution in Vietnam and the C-130 memorializes an Air Force aircraft that was shot down over Soviet Armenia during the Cold War.









Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.






--br

Museu Criptológico Nacional. 
Ft. George G. Meade,

o Museu Criptológico Nacional é o principal portal da Agência de Segurança Nacional para o público. Ele compartilha o legado criptográfico da Nação, bem como a NSA, e o lugar na história mundial. Localizado junto à sede da NSA em Ft. George G. Meade, Maryland, o Museu abriga uma coleção de milhares de artefatos que coletivamente servem para sustentar a história da profissão criptológica. Aqui, os visitantes podem vislumbrar alguns dos momentos mais dramáticos da história da criptologia americana: as pessoas que dedicaram suas vidas à criptologia e à defesa nacional, as máquinas e dispositivos que desenvolveram, as técnicas que usaram e os lugares onde trabalhavam . Para o visitante, alguns eventos na história americana e mundial terão um novo significado. Para o profissional criptográfico, é uma oportunidade para absorver o patrimônio da profissão.

Originalmente projetado para abrigar artefatos da Agência e dar aos funcionários um lugar para refletir sobre sucessos e falhas do passado, o Museu rapidamente se tornou uma coleção inestimável da história criptológica da Nação. O Museu abriu ao público em dezembro de 1993 e rapidamente se tornou um destaque da área.

Sendo o primeiro e único museu público da Comunidade de Inteligência, o Museu reúne anualmente cerca de 50 mil visitantes de todo o país e em todo o mundo, permitindo-lhes espreitar o mundo secreto de codificação e codificação.

O Museu também é uma ferramenta educacional inestimável, beneficiando milhares de estudantes e professores todos os anos. Os passeios são oferecidos permitindo aos alunos de todas as idades a oportunidade de aprender sobre o impacto da criptologia sobre a história e a possibilidade de exercícios emocionantes em uma área que eles talvez não tenham pensado ser possível.

O Museu foi apresentado em uma infinidade de TV internacionais, impressão e mídia de rádio e hospedou visitantes e dignitários de todo o mundo.
Biblioteca do Museu

O National Cryptologic Museum teve uma biblioteca de referência adjunta desde que abriu em 1993. A biblioteca não só apoia as exposições, mas também incentiva os visitantes a pesquisarem várias áreas da história criptológica. Ao longo dos anos, a biblioteca tornou-se um recurso importante para estudantes, estudiosos e aqueles com interesse neste mundo, uma vez secreto.

A Biblioteca do Museu mantém uma coleção de livros e documentos não classificados e desclassificados relacionados a todos os aspectos da criptologia. Os livros e os registros complementam as exposições e artefatos do museu, mas também oferecem fontes de informação únicas e aprofundadas para pesquisadores. Uma lista dessas fontes pode ser encontrada aqui.

A biblioteca possui uma grande coleção de cadernos comerciais. Esses livros de códigos foram usados ​​por todo tipo de empresas para reduzir os custos das comunicações por cabo, bem como fornecer uma medida de segurança para os segredos comerciais. Métodos modernos de comunicação e criptografia tornaram esses livros obsoletos e são principalmente de interesse histórico. Alguns dos itens mais procurados na biblioteca incluem os documentos desclassificados. A Biblioteca do Museu possui todos os documentos VENONA divulgados. Os Relatórios Especiais de Pesquisa da NSA (SRH) fornecem documentação das organizações antecessoras da NSA nos serviços criptológicos do Exército dos EUA e da Marinha. A coleção SRH (disponível na sua totalidade nos Arquivos Nacionais no Grupo Record 457) consiste em relatórios desclassificados que datam predominantemente da Segunda Guerra Mundial. A biblioteca também possui algumas das histórias orais tomadas pelo Centro de História Criptológica da NSA.

Algumas monografias selecionadas e não classificadas também estão disponíveis para o público a partir da Biblioteca do Museu. Eles cobrem uma ampla gama de assuntos criptológicos desde criptografos americanos iniciais até a Guerra do Vietnã. A maioria das monografias foi escrita e publicada pelo Centro de História Criptológica da NSA. Essas monografias vão em maior profundidade do que as exposições do museu ou panfletos do museu e ajudam a fornecer uma maior compreensão dos eventos em que a criptologia desempenhou um papel na história mundial.

A coleção quase duplicou pelo presente do principal historiador da criptologia, David Kahn, autor de The Codebreakers. As obras variam desde o primeiro livro impresso sobre criptologia, o 1511 Polygraphiae Libri Sex pelo místico alemão Johannes Trithemius, até as notas de Kahn de suas entrevistas com criptologistas modernos.

Em junho de 2010, a biblioteca recebeu outro presente dos arquivos do falecido John Byrne, que inventou o que ele chamou de "Chaocipher" em 1918. Entre esses trabalhos estão um excerto criptografado de um discurso do general Douglas MacArthur, Chaocipher - The Ultimate Elusion, planilhas para Chaocipher, Anexo 2, planos do Chaocipher, Instruções Preliminares para Chaocipher II (uma versão computadorizada do Chaocipher desenvolvida pelo filho de Byrne, John Jr.), correspondência entre Byrne e a RD Development Company e cartas de Byrne para US Navy Capt. JM Irlandês e Greg Mellen.
A Biblioteca do Museu está aberta ao público; No entanto, as horas variam. Ligue com antecedência para garantir que um membro da equipe esteja presente para ajudá-lo (301-688-2145). A biblioteca não circula, mas a fotocópia é permitida.
Loja de presentes do museu

A loja de presentes da Fundação Civil de Segurança NSA, localizada no National Cryptologic Museum, oferece uma variedade de mercadorias que vão desde itens exclusivos do logotipo da NSA até livros e vídeos relacionados à arte e à ciência da criptologia. Horário da loja de presentes são 10:00 da.m. - 3:30 p.m., de segunda a sexta-feira; e 10:30 da manhã - 1:30 p.m., 1º e 3º Sábados de cada mês.

Adjacente ao Museu, é o National Vigilance Park. O parque mostra duas aeronaves de reconhecimento usadas para missões secretas. A RU-8D serve para representar a contribuição da Inteligência do Sinal Aerotransportado do Exército no Vietnã e o C-130 memorializa uma aeronave da Força Aérea que foi derrubada sobre a Armênia Soviética durante a Guerra Fria.

Cairo Museum displays pieces from the tomb of Tutankhamun never seen before (PHOTOS). - Museu do Cairo exibe peças do túmulo de Tutancâmon nunca antes vistas (FOTOS).

About 60 pieces of gold from the tomb of Pharaoh Tutankhamen (reigned in Ancient Egypt between 1332 and 1323 BCE), which had never before been shown to the public, are now displayed in the Cairo Museum.


Uma das amostras da exposição Tutankhamun's Unseen Treasures (Tesouros Nunca Vistos de Tutancâmon) no Museu Egípcio do Cairo, 15 de novembro de 2017

According to the Al Ahram edition, these are pieces that for more than 90 years have been stored in a wooden box in a museum warehouse. In 2014, the museum began its restoration in cooperation with German scientists.

They are gold plates that were removed from one of Pharaoh's chariots, found in the tomb. On the plates are depicted scenes of everyday life as well as battles between animals.

picture 2
 Peças de tecido decoradas com ouro do túmulo do faraó Tutancâmon no Museu Egípcio do Cairo
Pieces of fabric decorated with gold from the tomb of Pharaoh Tutankhamun at the Egyptian Museum in Cairo.

According to the portal Youm7, the scientists claim that the designs are not traditional from Ancient Egypt but have foreign origin. It is assumed that the plates would have been produced in Syria and then taken to Egypt.

The exhibition will be on display at the Cairo Museum until the end of the current year, and the samples will then be transferred to the new Egyptian history museum being built near the Pyramids of Giza. Its opening is scheduled for 2018.

picture 3
Máscara de ouro do faraó Tutancâmon exibida no Museu do Cairo
Golden mask of Pharaoh Tutankhamun exhibited at the Cairo Museum

Construction began in 2002 and the inauguration was planned for 2015, but the works could not be completed on time because of some difficulties.

In the new museum will be exhibited more than 100 thousand works, including 4,5 thousand pieces from the tomb of Tutankhamun, discovered by the British Egyptologist Howard Carter in 1922 in the valley of Luxor.









Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.









--br
Museu do Cairo exibe peças do túmulo de Tutancâmon nunca antes vistas (FOTOS).

Cerca de 60 peças de ouro da sepultura do faraó Tutancâmon (reinou no Egito Antigo entre 1332 e 1323 a.C.), que nunca antes tinham sido exibidas ao público, estão expostas agora no Museu do Cairo.

Segundo a edição Al Ahram, estas são peças que durante mais de 90 anos estiveram guardadas em uma caixa de madeira em um armazém do museu. Em 2014, o museu iniciou a sua restauração, em cooperação com cientistas alemães.

São placas de ouro que foram removidas de um dos carros de guerra do faraó, encontrado na tumba. Nas placas estão representadas cenas da vida cotidiana, bem como batalhas entre animais.

imagem 2

Peças de tecido decoradas com ouro do túmulo do faraó Tutancâmon no Museu Egípcio do Cairo.

Segundo o portal Youm7, os cientistas afirmam que os desenhos não são tradicionais do Egito Antigo mas que têm origem estrangeira. Supõe-se que as placas teriam sido produzidas na Síria e depois levadas ao Egito.

A exposição estará patente no Museu do Cairo até o fim do ano corrente, sendo as amostras depois transferidas ao novo museu de história egípcia que está sendo construído perto das Pirâmides de Gizé. Sua abertura está prevista para 2018.

imagem 3

Máscara de ouro do faraó Tutancâmon exibida no Museu do Cairo

A construção começou em 2002 e a inauguração foi planejada para 2015, mas as obras não puderam ser terminadas a tempo por causa de algumas dificuldades.

No novo museu serão expostas mais de 100 mil obras artísticas, incluindo 4,5 mil peças procedentes do túmulo de Tutancâmon, descoberto pelo egiptólogo britânico Howard Carter em 1922 no vale de Luxor.