quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Warsaw National Museum - Henryk Siemiradzki( Polish painter ) 1843 - 1902. collaboration: Lilit Minasyan. - Museu Nacional de Varsóvia - Henryk Siemiradzki (pintor polonês) 1843 - 1902. colaboração: Lilit Minasyan

Rome-based painter. A great representative of European academic art. Born in 1843 near Kharkiv, in an estate called Pieczeniegi, died in 1902 in Strzałków near Częstochowa.


Nymph, 1869
oil on canvas
153 × 156 cm. (60.2 × 61.4 in)
Lviv National Art Gallery


He was born into a noble family that resided in Lithuania since the end of the 17th century. The artist’s father was an officer in the Russian army, who ended his career in 1871 in a general’s rank. 

An atmosphere of Polish patriotism existed however within the family. Siemiradzki considered himself a Pole throughout his entire life. He remained indifferent to the fact that the Russian press and critics tried to attribute Russian nationality to him, when he was having his greatest artistic successes. 

Henryk Siemiradzki, "A Dance among Swords”, 1881, 120 × 225 cm, oil on canvas, part of the collection of the National Museum in Warsaw

His works are still exhibited in the national art sections of some museums in Russia and in the Ukraine.

He spent his childhood in Kharkiv. In the same town he received, already as a gymnasium student, drawing lessons from Dmitry Bezperchy. Siemiradzki reminisced later that thanks to his tutor he felt very well prepared for academic studies. 

In 1864 he completed the mathematical-physical faculty of the Kharkiv university and he received the title of natural sciences candidate. The same year he was admitted to the Petersburg Academy of Fine Arts, at first as a non-enrolled student (he couldn’t be put on the list of students because he was more than 21 years old); only in 1866, after many efforts, did he become a regular student. 


He learned under the auspices of the well-known battle-painter Bogdan Willewalde and Karl Wenig. As a student of the academy Siemiradzki was awarded a silver medal 5 times and a golden one twice. He was respected and supported by the academy’s rector Fiodor Bruni. The Polish painter spent much of his time in the Hermitage museum. He was fascinated with the works of the masters of the Italian renaissance. 

He frequented the Petersburg theatres, where he paid close attention to stage sceneries, decorations and light effects. Since the days of his early youth, he was fascinated not only by theatre but by music as well. At the turn of 1864 and 1865 he traveled to the Polish regions – he visited Lublin and Warsaw at that time. 

Henryk Hektor Siemiradzki

In 1871 he completed his studies and was awarded a great golden medal for the painting Alexander the Great and His Doctor Philip, thanks to which he received a six-year scholarship for further studies abroad.

In the autumn of 1871 he journeyed to Munich, on the way he stopped in Kraków for a brief visit. In the former capitol of Poland he encountered for the first time the magnificent monuments and relics of Polish greatness. This cultural experience aroused the young artist’s sense of polishness, from which he was separated for his entire childhood and the time of his Petersburg studies.

After Siemiradzki came to Munich, he decided that he will work alone, he didn’t enroll in the local Academy of Fine Arts (some scholars claim that he took advice from one of the academy’s professors, Carl Piloty). The author of Alexander the Great and His Doctor Philip established however a rapport with the Polish colony which was centered around Józef Brandt and Maksymilian Gierymski. 

At that time Siemiradzki was a close friend to Stanisław Witkiewicz link opens page in new window - the two met each other back in Petersburg. With time Witkiewicz became the one of the harshest critics of Siemiradzki’s work. 


In Munich the artist born in Pieczeniegi created the painting Roman Orgy, which was exhibited at Kunstverein. The work was warmly received by German critics and the Polish artistic colony. In the spring of 1872 Siemiradzki stayed in Dresden for a brief period. There he befriended the great Polish writer Józef Ignacy Kraszewski, for whom he felt respect and sympathy ever since. 

Later the painter went to Italy. After he saw Venice and Verona he wanted to stop for a longer stay in Florence. He went however to Naples (where he wanted to see the eruption of Vesuvius that took place in April 1872) and changed his plans – Siemiradzki’s daughter reminisced after many years that “… he saw Rome and everything else ceased to exist for him. That was his world, his artistic vocation”. He settled down in the eternal city in May 1872 and he stayed there for the rest of his life. 






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.



--br
Museu Nacional de Varsóvia - Henryk Siemiradzki (pintor polonês) 1843 - 1902. colaboração: Lilit Minasyan

Pintor com sede em Roma. Um excelente representante da arte acadêmica européia. Nascido em 1843, perto de Kharkiv, em uma propriedade chamada Pieczeniegi, morreu em 1902 em Strzałków, perto de Częstochowa.

imagem
Ninfa, 1869
óleo sobre tela
153 × 156 cm. (60,2 × 61,4 pol)
Galeria nacional de arte de Lviv

Ele nasceu em uma família nobre que residiu na Lituânia desde o final do século XVII. O pai do artista era um oficial no exército russo, que terminou sua carreira em 1871 no ranking de um general.

Uma atmosfera de patriotismo polonês existia no entanto dentro da família. Siemiradzki se considerou um pólo ao longo de toda a sua vida. Ele permaneceu indiferente ao fato de que a imprensa russa e os críticos tentaram atribuir-lhe a nacionalidade russa, quando ele estava tendo seus maiores sucessos artísticos.

imagem 1
Henryk Siemiradzki, "A Dance entre Espadas", 1881, 120 × 225 cm, óleo sobre tela, parte da coleção do Museu Nacional em Varsóvia

Suas obras ainda são exibidas nas seções de arte nacionais de alguns museus na Rússia e na Ucrânia.

Ele passou sua infância em Kharkiv. Na mesma cidade, ele já recebeu, como estudante de ginásio, lições de Dmitry Bezperchy. Siemiradzki relembrou mais tarde que, graças ao seu tutor, ele se sentiu muito bem preparado para estudos acadêmicos.

Em 1864, completou a faculdade matemática-física da universidade de Kharkiv e recebeu o título de candidato às ciências naturais. No mesmo ano, ele foi admitido na Academia de Belas Artes de Petersburgo, primeiro como estudante não matriculado (não podia ser colocado na lista de estudantes porque tinha mais de 21 anos); Somente em 1866, depois de muitos esforços, ele se tornou um estudante regular.

Ele aprendeu sob os auspícios do bem conhecido pintor de batalhas Bogdan Willewalde e Karl Wenig. Como estudante da academia, Siemiradzki recebeu uma medalha de prata 5 vezes e uma dourada duas vezes. Ele foi respeitado e apoiado pelo reitor Fiodor Bruni da academia. O pintor polonês passou a maior parte do tempo no museu do Hermitage. Ele ficou fascinado com os trabalhos dos mestres do renascimento italiano.

Ele frequentava os teatros de Petersburgo, onde prestava muita atenção aos cenários, decorações e efeitos de luz. Desde os dias da juventude, ele ficou fascinado não só pelo teatro, mas também pela música. Na volta de 1864 e 1865 viajou para as regiões polacas - ele visitou Lublin e Varsóvia naquele momento.

Em 1871, completou seus estudos e recebeu uma grande medalha de ouro para a pintura Alexander the Great e His Doctor Philip, graças ao qual recebeu uma bolsa de seis anos para estudos futuros no exterior.

No outono de 1871, ele viajou para Munique, no caminho em que ele parou em Cracóvia para uma breve visita. No antigo Capitólio da Polônia, encontrou pela primeira vez os magníficos monumentos e relíquias da grandeza polonesa. Esta experiência cultural despertou a sensação de polimento do jovem artista, do qual ele foi separado por toda a sua infância e o tempo de seus estudos de Petersburgo.

 Depois que Siemiradzki chegou a Munique, ele decidiu que ele trabalharia sozinho, ele não se matriculou na academia local de Belas Artes (alguns estudiosos afirmam que ele tomou conselhos de um dos professores da academia, Carl Piloty). O autor de Alexandre, o Grande e Seu doutor Philip estabeleceram, no entanto, um relacionamento com a colônia polonesa que se concentrou em torno de Józef Brandt e Maksymilian Gierymski.

Naquele tempo, Siemiradzki era um amigo próximo de Stanisław Witkiewicz. O link abre a página em uma nova janela - os dois se encontraram de volta a Petersburgo. Com o tempo Witkiewicz tornou-se um dos mais severos críticos do trabalho de Siemiradzki.

Em Munique, o artista nascido em Pieczeniegi criou a pintura Roman Orgy, que foi exibida em Kunstverein. O trabalho recebeu calorosamente os críticos alemães e a colônia artística polonesa. Na primavera de 1872, Siemiradzki ficou em Dresden por um breve período. Lá ele fez amizade com o grande escritor polonês Józef Ignacy Kraszewski, para quem ele sentiu respeito e simpatia desde então.

Mais tarde, o pintor foi para a Itália. Depois de ver Veneza e Verona, ele queria parar para uma estadia mais longa em Florença. Ele foi, no entanto, a Nápoles (onde ele queria ver a erupção do Vesúvio que ocorreu em abril de 1872) e mudou seus planos - a filha de Siemiradzki lembrou depois de muitos anos que "... ele viu Roma e tudo o mais deixou de existir para ele. Esse era o mundo dele, sua vocação artística ". Ele se instalou na cidade eterna em maio de 1872 e ficou ali pelo resto de sua vida.







How Phillip and Patricia Frost Museum Of Science, Miami, USA, (MUVE) is Helping Cities Adapt to Climate Change. - Como Phillip e Patricia Frost Museum of Science, Miami, EUA, (MUVE) está ajudando as cidades a se adaptarem às mudanças climáticas.

By Fernando Bretos, Curator of Ecology and Director of MUVE

Four people planting mangrove seedlings.



Most science centers are located in urban and suburban areas. As a result, they’re in a unique position to help their cities find ways to cope with climate change. This is more urgent for science centers in coastal areas, like New Orleans, New York and Miami, who are facing threats from sea level rise (SLR) at a rate faster than any of us could have predicted. Miami is one of the areas most at risk due to the fact that the city is low and flat; no area in Miami is higher than four meters above sea level! Already, a phenomenon called “sunny day flooding” is leading to tidal flooding in the lowest parts of Miami Beach. This is a result of the king tides, which are abnormally high tidal events that take place between the months of September and November. Absent of even a drop of rain, streets flood with salt water; in fact, an octopus was recently filmed swimming in a parking garage.

Sea level flooding is only one consequence of urban climate change. As with any city, some areas are more at risk than others. In Miami, those areas with less trees and greater amounts of concrete face a double whammy from flooding due to heavy rain events and the heat island effect. These heavy rain events denote a change in Miami’s climate. Our regular cycle of convection-driven afternoon rain showers has given way to large rains that can last days. This makes us especially vulnerable to flooding. This past summer, the area around the Phillip and Patricia Frost Museum of Science received five inches of rain in just two hours, leaving concrete-covered areas flooded and stranding drivers in their cars. Heat island effect occurs when areas with less trees experience an extreme spike in temperatures due to the heat-trapping characteristics of concrete and the lack of vegetative canopy. Both of these phenomenon are most common in lower income neighborhoods, where concrete abounds and trees are scarce.

Here in Miami, our political leaders have been much more cognizant of these risks than other parts of our country, with many of our mayors utilizing financial and personnel resources to combat these threats. Both the City of Miami and Miami-Dade County have created resiliency offices, complete with staff who are making recommendations to local governments on how to adapt. Greater Miami and the Beaches (GMB) is a member of the Rockefeller 100 Resilient Cities Program which is empowering cities to be active agents in adapting to climate change.

A considerable sum of money has been spent trying to combat this issue. The City of Miami Beach recently spent hundreds of millions of dollars on a system of pumps that are designed to keep sea water off the streets of southwest Miami Beach. But there are steps we can take to fortify our coastlines without spending much money, and in the case of Miami, a science center is leading the way.

Working under the leadership of Miami-Dade County’s Department of Environmental Resource Management which has restored hundreds of acres of coastal habitat around the county, Frost Science’s MUVE (Museum Volunteers for the Environment) project helps restore native coastal habitats using a team of dedicated community volunteers. These coastal habitats are also called living shorelines, as they use native vegetation to allay the impacts of SLR.

Mangroves (of which Miami has three species), for example, are adapted to salt water. The floating seeds (called propagules) of the red mangrove can colonize new coastal areas and create new habitat. Their stilt-like roots keep the plants above the water. Together, these plants are well-suited to SLR. Using deep roots to stabilize sand and remain above the water line, dunes also serve as a great example of a living shoreline. Both mangroves and dunes do a much better job of withstanding rising waters than sea walls, which can easily overflow.

MUVE’s foremost mission is to teach the community about the environment around them—but it also empowers those same residents to do something about it. By acting together to restore native habitats (and the ecological and economic services they provide), MUVE volunteers are making Miami a more resilient city. Citizen science habitat monitoring allows volunteers to continue their service by ensuring that these areas are serving their ecological and economic functions. Since its inception in 2007, over 8,000 volunteers have restored 25 acres of living shorelines.


In October 2017, Frost Science, in partnership with the City of Miami and Miami-Dade County, received a $287,000 grant from the National Fish and Wildlife Foundation Resilient Cities program to restore three living shorelines. This will become the first of 100 coastal resilience demonstration sites around the city. In addition, the museum will be creating an original exhibition about SLR that aims to educate residents about how they can adapt to its threats. They will also be working with youth from three communities that are most at risk for SLR, heavy rain flooding and heat island effect to identify local champions and solutions, while creating videos about their experiences. These communities—including Hialeah, Little Haiti and Historic Overtown (located blocks from Frost Science)—are some of the most economically challenged and lowest lying points in the city. They’re places where concrete abounds and tree canopy is scarce.

Frost Science looks forward to making an impact within our community—both in educating visitors about the impacts of climate change and inspiring them to take action to protect our city. We invite you to #getmuving at www.frostscience.org





www.frostscience.org

Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.









--br via tradutor do google
Como Phillip e Patricia Frost Museum of Science, Miami, EUA, (MUVE) está ajudando as cidades a se adaptarem às mudanças climáticas.

Por Fernando Bretos, curador de ecologia e diretor de MUVE

Quatro pessoas plantando mudas de manguezal.

A maioria dos centros científicos estão localizados em áreas urbanas e suburbanas. Como resultado, eles estão em uma posição única para ajudar suas cidades a encontrar formas de lidar com as mudanças climáticas. Isso é mais urgente para os centros de ciência em áreas costeiras, como Nova Orleans, Nova York e Miami, que enfrentam ameaças do aumento do nível do mar (SLR) a uma taxa mais rápida do que qualquer um poderia ter previsto. Miami é uma das áreas mais vulneráveis ​​devido ao fato de que a cidade é baixa e plana; Nenhuma área em Miami é maior do que quatro metros acima do nível do mar! Já, um fenômeno chamado "inundações em dias de sol" está levando a inundações de maré nas partes mais baixas de Miami Beach. Isto é resultado das marés do rei, que são eventos de maré anormalmente elevados que ocorrem entre os meses de setembro e novembro. Ausente mesmo uma gota de chuva, as ruas inundam água salgada; Na verdade, um polvo foi filmado recentemente na piscina em uma garagem.

A inundação do nível do mar é apenas uma conseqüência da mudança climática urbana. Como em qualquer cidade, algumas áreas correm maior risco do que outras. Em Miami, as áreas com menos árvores e maiores quantidades de concreto enfrentam um duplo golpe de inundações devido a fortes chuvas e ao efeito da ilha de calor. Esses fortes eventos de chuva denotam uma mudança no clima de Miami. Nosso ciclo regular de choques de chuva à tarde com convecção deu lugar a grandes chuvas que podem durar dias. Isso nos torna especialmente vulneráveis ​​a inundações. No verão passado, a área ao redor do Museu de Ciência Phillip e Patricia Frost recebeu cinco centímetros de chuva em apenas duas horas, deixando as áreas cobertas de concreto inundadas e encalhando motoristas em seus carros. O efeito da ilha do calor ocorre quando as áreas com menos árvores experimentam um pico extremo nas temperaturas devido às características de captura de calor do concreto e à falta de dossel vegetativo. Ambos os fenômenos são mais comuns em bairros de baixa renda, onde abunda o concreto e as árvores são escassas.

Aqui em Miami, nossos líderes políticos têm sido muito mais cientes desses riscos do que outras partes do nosso país, com muitos de nossos prefeitos utilizando recursos financeiros e de pessoal para combater essas ameaças. Tanto a Cidade de Miami como o Condado de Miami-Dade criaram escritórios de resiliência, completos com funcionários que estão fazendo recomendações aos governos locais sobre como se adaptar. O Grande Miami e as Praias (GMB) é um membro do Rockefeller 100 Resilient Cities Program, que está capacitando as cidades a serem agentes ativos na adaptação às mudanças climáticas.

Uma soma considerável de dinheiro foi gasto tentando combater esta questão. A Cidade de Miami Beach gastou recentemente centenas de milhões de dólares em um sistema de bombas que são projetados para manter a água do mar nas ruas do sudoeste de Miami Beach. Mas há passos que podemos tomar para fortalecer nossos litorais sem gastar muito dinheiro, e no caso de Miami, um centro de ciência está liderando o caminho.

Trabalhando sob a liderança do Departamento de Gerenciamento de Recursos Ambientais do Condado de Miami-Dade, que restaurou centenas de hectares de habitat costeiro ao redor do município, o projeto MUVE (Museum Volunteers for the Environment) da Frost Science ajuda a restaurar os habitats costeiros nativos usando uma equipe de voluntários dedicados da comunidade . Esses habitats costeiros também são chamados de praias vivas, pois usam vegetação nativa para aliviar os impactos da SLR.

Os manguezais (dos quais Miami tem três espécies), por exemplo, são adaptados à água salgada. As sementes flutuantes (chamadas propágulos) do manguezal vermelho podem colonizar novas áreas costeiras e criar um novo habitat. Suas raízes semelhantes a palafitas mantêm as plantas acima da água. Juntos, essas plantas são bem adaptadas à SLR. Usando raízes profundas para estabilizar a areia e permanecer acima da linha de água, as dunas também servem como um ótimo exemplo de uma costa viva. Tanto os manguezais como as dunas fazem um trabalho muito melhor de suportar as águas subindo do que as paredes do mar, que podem facilmente transbordar.

A principal missão de MUVE é ensinar a comunidade sobre o meio ambiente em torno deles, mas também habilita os mesmos residentes a fazer algo a respeito. Ao atuar em conjunto para restaurar os habitats nativos (e os serviços ecológicos e econômicos que eles fornecem), os voluntários do MUVE estão fazendo de Miami uma cidade mais resiliente. O monitoramento do habitat da ciência cidadã permite aos voluntários continuar seu serviço, assegurando que essas áreas atinjam suas funções ecológicas e econômicas. Desde a sua criação em 2007, mais de 8.000 voluntários restauraram 25 acres de costas vivas.


Em outubro de 2017, a Frost Science, em parceria com a Cidade de Miami e o Condado de Miami-Dade, recebeu uma doação de US $ 287.000 do programa National Resilient Cities da National Fish and Wildlife Foundation para restaurar três áreas de vida. Isso se tornará o primeiro de 100 locais de demonstração de resiliência costeira em torno da cidade. Além disso, o museu estará criando uma exposição original sobre SLR que visa educar os moradores sobre como eles podem se adaptar às suas ameaças. Eles também estarão trabalhando com jovens de três comunidades que correm maior risco de SLR, inundações intensas de chuvas e efeitos de ilha de calor para identificar os campeões e soluções locais, criando vídeos sobre suas experiências. Essas comunidades - incluindo Hialeah, Little Haiti e Historic Overtown (localizadas a partir de Frost Science) - são alguns dos pontos economicamente mais desafiadores e mais baixos da cidade. São lugares onde abunda o concreto e o abismo das árvores é escasso.

A Frost Science aguarda com expectativa o impacto de nossa comunidade, tanto na educação dos visitantes sobre os impactos das mudanças climáticas quanto na sua inspiração para tomar medidas para proteger nossa cidade. Nós o convidamos para #getmuving em www.frostscience.org

Phillip and Patricia Frost Museum Of Science, Miami, USA. The Mission to Save Cuba’s Sea Turtles. - Phillip e Patricia Frost Museum of Science, Miami, EUA. A Missão para Salvar as Tartarugas Marinhas de Cuba.

By Fernando Bretos, Curator of Ecology and Director of MUVE.


Woman Helping Sea Turtle

As Frost Science’s Curator of Ecology, I have a dream job. I get to direct Museum Volunteers for the Environment (MUVE), a project I created in 2007 that helps to restore rare coastal habitats through the tireless work of local volunteers. But I also get to spend a good deal of time working in the field on conservation science projects. One subject that is dear to me is the study of sea turtles. As soon as I saw my first female green turtle nesting on a beach, I fell in love with these sentinel creatures who, over 200 million years ago, left their comfy lives on land to navigate the oceans in search of food, mates and, every year or two, a beach to lay their eggs. And that’s just the females. Male turtles live their life at sea, which makes them even more difficult to study. However, the females offer an exclusive glimpse into the behavior and physiology of these highly-evolved reptiles.

One place I have spent a lot of time doing research is Cuba. With its 3,000 miles of coastline, Cuba is the largest island in the Caribbean. The abundance of beach habitat and ample foraging grounds on the island make it a hotbed for sea turtle nesting and foraging. Primarily, three species of turtle nest and feed in Cuban waters: green, loggerhead and hawksbill. And Cayo Largo is the most important nesting site in Cuba with an average of 2,000 green and loggerhead nests per year. It’s also an important tourism site with five all-inclusive hotels operating within walking distance of regular active nesting activity. Walking on the beaches at night during the nesting season involves taking very careful steps not to disturb a nest.

This past August, sea turtle scientists from Cuba, Florida and Costa Rica gathered for the 5th International Workshop on Cuban Sea Turtle Research and Conservation in Cayo Largo, Cuba. The objective of our workshop was to develop a plan to restore regular research efforts during the nesting season, organize satellite tracking efforts on the island and create a permanent sea turtle rehabilitation program in Cuba that would help turtles being impacted by incidental bycatch, disease (particularly fibropalliloma tumors) and turtle strandings.

Sea Turtle blog 2

Sadly, tourism to Cayo Largo doesn’t take advantage of the beautiful natural denizens on their island. While there is a rescue center that organizes the public release of hatchlings (an activity that is shunned upon by turtle scientists) from nests laid in areas threatened by tourism, there is no ethic to encourage tourism that offers unique views of these creatures. The island needs more tourism, especially in the summer nesting season—interestingly, this also coincides with the island’s low season. This creates incentives for the five hotels operating on the island to care more about their conservation.

The consensus was to secure funding to support three trips to Cayo Largo (June, July and August 2018), whereby Cuban scientists and volunteers will patrol beaches and collect nesting and hatchling data. Cuba also lacks a wildlife rehabilitation center where diseased turtles (or those caught incidentally by fishers) can be treated and returned to the wild. During our workshop, we selected wildlife veterinarian Eddy García to undergo training at the Florida Aquarium in Tampa in January 2018. Mr. Garcia, a trained veterinarian and manatee biologist, will learn how to treat injured turtles from the Florida Aquarium’s wildlife rehabilitation program in Tampa Bay.




While the workshop was a great success, Hurricane Irma ravaged the north coast of Cuba as a category five storm only a short week later. Wildlife veterinarian Eddy García lost his house in Santa Clara and two research institutions there were badly damaged. 






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.



--br via tradutor do google
Phillip e Patricia Frost Museum of Science, Miami, EUA. A Missão para Salvar as Tartarugas Marinhas de Cuba.


Por Fernando Bretos, curador de ecologia e diretor de MUVE


Mulher que ajuda tartaruga de mar
Como curador de ecologia da Frost Science, tenho um trabalho de sonho. Chego a dirigir os Voluntários de Museus para o Meio Ambiente (MUVE), um projeto que criei em 2007 que ajuda a restaurar habitats litorais raros através do trabalho incansável de voluntários locais. Mas eu também passo a passar um bom tempo trabalhando no campo em projetos de ciência de conservação. Um assunto que é caro para mim é o estudo de tartarugas marinhas. Assim que vi a minha primeira tartaruga verde feminina aninhando em uma praia, eu me apaixonei por essas criaturas sentinelas que, há mais de 200 milhões de anos, deixaram suas vidas confortáveis ​​em terra para navegar pelos oceanos em busca de alimentos, companheiros e, todos ano ou dois, uma praia para colocar seus ovos. E isso é apenas as fêmeas. As tartarugas masculinas vivem sua vida no mar, o que os torna ainda mais difíceis de estudar. No entanto, as fêmeas oferecem um vislumbre exclusivo sobre o comportamento e a fisiologia desses répteis altamente evoluídos.

Um lugar onde passei muito tempo fazendo pesquisas é Cuba. Com suas 3.000 milhas de litoral, Cuba é a maior ilha do Caribe. A abundância de habitat de praia e amplos campos de forrageamento na ilha tornam um viveiro de tartaruga e de forrageamento de tartarugas marinhas. Principalmente, três espécies de tartaruga se nidificam e se alimentam em águas cubanas: verde, gatinho embriagado e tortavel. E Cayo Largo é o sítio de nidificação mais importante em Cuba, com uma média de 2.000 ninhos verdes e de gatinhos por ano. É também um importante site de turismo com cinco hotéis com tudo incluído, a uma curta distância da atividade de assentamento ativo. Andar nas praias à noite durante a estação de nidificação envolve tomar medidas muito cuidadosas para não atrapalhar um ninho.

Em agosto passado, cientistas de tartarugas marinhas de Cuba, Flórida e Costa Rica se reuniram para o 5º Workshop Internacional sobre Pesquisa e Conservação de Tartarugas de Mar Cubanas em Cayo Largo, Cuba. O objetivo da nossa oficina foi desenvolver um plano para restaurar os esforços de pesquisa regulares durante a época de nidificação, organizar os esforços de rastreamento por satélite na ilha e criar um programa permanente de reabilitação de tartarugas marinhas em Cuba, o que ajudaria as tartarugas a serem impactadas por acidentes acidentais, doenças (particularmente tumores de fibropalliloma) e torceduras de tartarugas.

Sea Turtle blog 2
Infelizmente, o turismo para Cayo Largo não aproveita os belos habitantes naturais em sua ilha. Embora exista um centro de resgate que organiza o lançamento público de crias (uma atividade que é evitada por cientistas de tartarugas) de ninhos colocados em áreas ameaçadas pelo turismo, não existe uma ética para encorajar o turismo que oferece visões únicas dessas criaturas. A ilha precisa de mais turismo, especialmente na temporada de assentamento de verão - curiosamente, isso também coincide com a baixa temporada da ilha. Isso cria incentivos para que os cinco hotéis que operam na ilha se preocupem mais com sua conservação.

O consenso foi garantir financiamento para apoiar três viagens a Cayo Largo (junho, julho e agosto de 2018), pelo qual cientistas e voluntários cubanos patrulharão praias e coletarão dados de nidificação e hatchling. Cuba também carece de um centro de reabilitação de vida selvagem onde as tartarugas doentes (ou aquelas capturadas incidentalmente por pescadores) podem ser tratadas e retornadas à natureza. Durante a nossa oficina, selecionamos o veterinário da vida selvagem, Eddy García, para treinar no Aquário da Flórida em Tampa, em janeiro de 2018. O Sr. Garcia, um veterinário treinado e biólogo de manatí, aprenderá a tratar as tartarugas do programa de reabilitação da vida selvagem do Aquário da Flórida em Tampa Baía.

Enquanto o workshop foi um grande sucesso, o furacão Irma assolou a costa norte de Cuba como uma tempestade de categoria cinco apenas uma pequena semana depois. O veterinário dos animais selvagens, Eddy García, perdeu sua casa em Santa Clara e duas instituições de pesquisa foram gravemente danificadas.


Leia mais sobre as tartarugas marinhas de Cuba:
http://classified.tampabay.com/news/environment/wildlife/how-visiting-a-scenic-cuban-resort-can-help-save-green-sea-turtles/2338330

http://classified.tampabay.com/news/environment/wildlife/how-visiting-a-scenic-cuban-resort-can-help-save-green-sea-turtles/2338330