Listen to the text.

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Research Smarter.Semantic Scholar is improving the way researchers find scientific publications. - Pesquisa mais inteligente. Semantic Scholar está melhorando a forma como os pesquisadores encontram publicações científicas.

Archaeologists found an interesting discovery when researching the area of the transport infrastructure for Jaguar Land Rover and accompanying industrial park in Nitra. They found a human skeleton from the Bronze Age that was probably a shaman. He was not buried in a standard grave but placed in hole serving a food storage.

“When the hole was not used anymore, people backfilled it with soil and this person was placed or thrown inside later. We don’t know whether he was thrown in or placed in, because the human was lying on his stomach,” said Klaudia Daňová, a scientific secretary from the Archaeological Institute in Nitra, as cited by the SITA newswire.

“Bronze decorations were placed near his ears. They were connected by little ear bones,” added Daňová for SITA. Archaeologists suggest that those are poultry bone but an analysis will be done to make sure.

“The decorations are unusual, we don’t have anything analogous to them yet,” stressed Daňová as quoted by SITA, adding that the placement of the body on his stomach is also unusual.

Scientists hypothesize that the body came from the older Bronze Age, however, a specific time frame will be given after radiocarbon analysis of the bones. Anthropological analysis will also determine gender, reveal diseases and maybe the cause of death.

“A necklace made of bones was the sign of a shaman,” said the head of the Archaeological Institute in Nitra Matej Ruttkay, as quoted by SITA. He added that shamans used to be very important persons in past times.

“They solved problems when the weather was dry, when someone was ill. The question is, if they were really solving problems or the society just believed it,” said Ruttkay, as cited by SITA.



Archaeologists researched more than 20 kilometres of future roads. They focused on four places where they found evidences of settlement from prehistoric times to middle ages. Six graves of children and one adult from the late Stone Age was also interesting. Archaeologists found also the foundations of houses from this era.

Archaeologists discovered at each of the researched areas findings from the early Middle Ages, mainly from the Great Moravia era. They found typical Slavic houses – dugout shelters with a stone oven in the corner.

These are proofs of the large area of Nitra’s agglomeration in the early Middle Ages, according to Ruttkay. The dense net of settlements was bigger than today’s town, which puts Nitra as the most significant Central-European centre of that age.

The research should be done during November. The findings, however, have not affected construction plans.







Source: The Slovak Spectator [November 2017]

image Credit: Klaudia Daňová, Spectator



Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.







--br via tradutor do google
Pesquisa mais inteligente. Semantic Scholar está melhorando a forma como os pesquisadores encontram publicações científicas.

Os arqueólogos encontraram uma descoberta interessante ao pesquisar a área da infra-estrutura de transporte para o Jaguar Land Rover e o parque industrial acompanhante em Nitra. Eles encontraram um esqueleto humano da Era do Bronze que provavelmente era um xamã. Ele não foi enterrado em uma sepultura padrão, mas colocado no buraco servindo um armazenamento de alimentos.

"Quando o buraco já não era usado, as pessoas o preenchiam com solo e esta pessoa foi colocada ou jogada dentro mais tarde. Nós não sabemos se ele foi jogado ou colocado, porque o humano estava deitado de bruços ", disse Klaudia Daňová, uma secretária científica do Instituto Arqueológico de Nitra, citada pelo SITA newswire.

"As decorações de bronze foram colocadas perto de suas orelhas. Eles estavam conectados por pequenos ossos da orelha ", acrescentou Daňová para o SITA. Arqueólogos sugerem que esses são ossos de aves, mas uma análise será feita para se certificar.

"As decorações são incomuns, ainda não temos nada análogo a elas", ressaltou Daňová como citado pela SITA, acrescentando que a colocação do corpo no estômago também é incomum.

Os cientistas da hipótese de que o corpo veio da idade de bronze mais velha, no entanto, um período de tempo específico será dado após a análise do radiocarbono dos ossos. A análise antropológica também determinará gênero, revelará doenças e talvez a causa da morte.

"Um colar feito de ossos foi o sinal de um xamã", disse o chefe do Instituto Arqueológico em Nitra Matej Ruttkay, citado pela SITA. Ele acrescentou que os xamãs costumavam ser pessoas muito importantes nos tempos passados.

"Eles resolveram problemas quando o tempo estava seco, quando alguém estava doente. A questão é se eles estavam realmente resolvendo problemas ou a sociedade simplesmente acreditava nisso ", disse Ruttkay, citado pela SITA.

Arqueólogos pesquisaram mais de 20 quilômetros de estradas futuras. Eles se concentraram em quatro lugares onde encontraram evidências de assentamento desde os tempos pré-históricos até a Idade Média. Seis túmulos de crianças e um adulto do final da Idade da Pedra também foram interessantes. Arqueólogos também encontraram os alicerces das casas desta época.

Os arqueólogos descobriram em cada uma das descobertas das áreas pesquisadas do início da Idade Média, principalmente da era da Grande Morávia. Eles encontraram casas típicas eslavas - abrigos com um forno de pedra na esquina.

Estas são provas da grande área da aglomeração de Nitra no início da Idade Média, de acordo com Ruttkay. A rede densa de assentamentos foi maior do que a cidade de hoje, o que coloca Nitra como o centro centro-europeu mais importante dessa época.

A pesquisa deve ser realizada em novembro. As descobertas, no entanto, não afetaram planos de construção.

Caesar's invasion of Britain began from Pegwell Bay in Kent, say archaeologists. - A invasão de César da Grã-Bretanha começou a partir de Pegwell Bay, em Kent, dizem arqueólogos.

Nearby excavations reveal remains of an ancient defensive base, bones and iron weapons, which suggest bay as most likely landing spot for Roman fleet.

image 1
Julius Caesar’s army landing in Britain. Archaeologists believe that the wide, shallow Pegwell Bay on Kent’s easterly tip, is the most likely landing spot. Illustration: Alamy

Julius Caesar’s invasion of Britain was launched from the sandy shores of Pegwell Bay on the most easterly tip of Kent, according to fresh evidence unearthed by archaeologists.

Researchers named the wide, shallow bay the most likely landing spot for the Roman fleet after excavators found the remains of a defensive base dating to the first century BC in the nearby hamlet of Ebbsfleet, near Ramsgate.




The ancient base covered more than 20 hectares and would have been ideally placed to protect the 800 ships the Roman army had to haul ashore when they were battered by a storm soon after they arrived from France in 54BC.

“This is the first archaeological evidence we have for Julius Caesar’s invasion of Britain,” said Andrew Fitzpatrick, a researcher at the University of Leicester. “It’s a large defended site that dates to the first century BC.”

Archaeologists got their first glimpse of the Roman base while excavating land ahead of a new road project. They uncovered a deep defensive ditch that looks similar to Roman defences found at Alesia in France, site of the decisive battle in the 52BC Gallic war.



Further excavations uncovered bones that appear to have been damaged in fights and iron weapons, including a Roman pilum or javelin. The archaeologists believe the site included a Roman fort and served to protect Caesar’s ships from attackers coming from the north. “The main purpose of the site is to defend the fleet,” Fitzpatrick said.

The Roman general’s own account of the invasion describes how the fleet set off from France on the night of 4 July but got swept eastwards by currents when the wind failed. Early the next morning, the crew spotted England and rowed west to reach land at about noon.

The fleet was left at anchor at an even and open shore, Caesar wrote, but a high tide combined with a storm to wreak havoc on the ships, which broke anchor and smashed into one another. The general had the ships drawn onto the beach and set thousands of craftsmen to repair the damage.

Pegwell Bay had not been considered a viable landing site before because it lies on the Isle of Thanet, which was separated from mainland England until the middle ages by the Wantsum Channel. But the discovery of the Roman base makes the bay the most likely landing spot, Fitzpatrick said. “The Wantsum Channel wouldn’t have been a barrier to such accomplished engineers as the Roman army,” he said.

Pegwell Bay is the only large bay on the east coast of Kent with an open sandy shore that could accommodate the vast fleet, the archaeologists believe. With at least 20,000 men and two thousand horses to disembark, the ships would have taken up more than a kilometre of beach when they arrived.

The British originally opposed the landing but on seeing the size of the fleet, retreated to higher ground, in positions that are now thought to be on the Isle of Thanet around Ramsgate.

While the Roman general returned to France without leaving an occupying army, the treaties Caesar set up between Rome and British royal families led to rulers of the south east of England becoming client kings of Rome. Those allegiances may have aided the invasion by the emperor Claudius nearly 100 years later in AD43.

“This was the beginning of the permanent Roman occupation of Britain, which included Wales and some of Scotland, and lasted for almost 400 years, suggesting that Claudius later exploited Caesar’s legacy,” said Colin Haselgrove at the University of Leicester. The findings will be explored as part of BBC Four’s Digging for Britain on Wednesday 29 November.










Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing.






--br via tradutor do google
A invasão de César da Grã-Bretanha começou a partir de Pegwell Bay, em Kent, dizem arqueólogos.

As escavações próximas revelam vestígios de uma antiga base defensiva, ossos e armas de ferro, que sugerem que a baía é o ponto de pouso mais provável para a frota romana.

imagem 1
O exército de Júlio César desembarcou na Grã-Bretanha. Os arqueólogos acreditam que o amplo e superficial Pegwell Bay na dota do leste de Kent é o ponto de desembarque mais provável. Ilustração: Alamy


A invasão de Grã-Bretanha de Júlio César foi lançada a partir das margens arenosas de Pegwell Bay, na ponta mais a leste de Kent, de acordo com novas evidências descobertas por arqueólogos.

Os pesquisadores chamaram a ampla e rasa baía do ponto de aterrissagem mais provável para a frota romana depois que as escavadeiras encontraram os restos de uma base defensiva que data do primeiro século aC na aldeia próxima de Ebbsfleet, perto de Ramsgate.

A base antiga abrangeu mais de 20 hectares e teria sido idealmente colocada para proteger os 800 navios que o exército romano teve que transportar em terra quando foram atingidos por uma tempestade logo depois que chegaram da França em 54 aC.

"Esta é a primeira evidência arqueológica que temos para a invasão de Grã-Bretanha por Júlio César", disse Andrew Fitzpatrick, pesquisador da Universidade de Leicester. "É um grande site defendido que data do primeiro século aC".

Os arqueólogos obtiveram seu primeiro vislumbre da base romana ao escavar terras antes de um novo projeto rodoviário. Eles descobriram uma vala defensiva profunda que se parece com as defesas romanas encontradas em Alesia, na França, local da batalha decisiva na guerra gálica de 52BC.

Outras escavações descobriram ossos que parecem ter sido danificados em lutas e armas de ferro, incluindo um pilar ou dardo javelino. Os arqueólogos acreditam que o site incluiu um forte romano e serviu para proteger os navios de César dos atacantes vindos do norte. "O objetivo principal do site é defender a frota", disse Fitzpatrick.

O relato do general romano sobre a invasão descreve como a frota partiu da França na noite de 4 de julho, mas foi varrida para o leste por correntes quando o vento falhou. No início da manhã seguinte, a tripulação viu a Inglaterra e remou para o oeste para chegar à terra em cerca de meio dia.

A frota foi deixada na âncora em uma costa comprida e aberta, escreveu César, mas uma maré alta combinada com uma tempestade para causar estragos nos navios, que esvaziou e quebrou um ao outro. O general teve os navios desenhados na praia e montou milhares de artesãos para reparar o dano.

A Baía de Pegwell não foi considerada um local de aterragem viável antes porque está na Ilha de Thanet, que foi separada da Inglaterra do Continente até a Idade Média pelo Canal de Wantsum. Mas a descoberta da base romana torna a baía o ponto de desembarque mais provável, disse Fitzpatrick. "O Canal Wantsum não teria sido uma barreira para engenheiros tão realizados como o exército romano", disse ele.

Pegwell Bay é a única grande baía na costa leste de Kent, com uma costa arenosa aberta que pode acomodar a vasta frota, acreditam os arqueólogos. Com pelo menos 20 mil homens e dois mil cavalos para desembarcar, os navios teriam ocupado mais de um quilômetro de praia quando chegaram.

Os britânicos originalmente se opuseram ao pouso, mas ao ver o tamanho da frota, recuaram para um terreno mais alto, em posições que agora se pensa estar na Ilha de Thanet em torno de Ramsgate.

Enquanto o general romano voltou para a França sem deixar um exército ocupante, os tratados César estabelecidos entre Roma e as famílias reais britânicas levaram os governantes do sudeste da Inglaterra a se tornarem reis clientes de Roma. Essas lealdades podem ter ajudado a invasão pelo imperador Claudius quase 100 anos depois em AD43.

"Este foi o início da ocupação romana permanente da Grã-Bretanha, que incluiu o País de Gales e alguns da Escócia, e durou quase 400 anos, sugerindo que Claudius mais tarde explorasse o legado de César", disse Colin Haselgrove na Universidade de Leicester. As descobertas serão exploradas como parte da BBC Four's Digging para a Grã-Bretanha na quarta-feira, 29 de novembro.