Listen to the text.

sábado, 17 de março de 2018

Carnegie Museum of Art's curator of fine arts to step down, the third top official to announce departure in seven months. - A curadora de artes plásticas do Carnegie Museum of Art demitir-se, é o terceiro funcionário superior a anunciar a partida em sete meses.

Louise Lippincott, curator of fine arts for 27 years at Carnegie Museum of Art, will step down July 1.




She’s the third top leader to announce her departure from the Oakland complex in seven months. Jo Ellen Parker, 63, president of Carnegie Museums of Pittsburgh, left after less than four years on Feb. 2. Lynn Zelevansky, who ran the art museum for eight years, left last September after turning 70 and returned home to New York City.

“Jo Ellen’s departure and the prospect of a lengthy leadership transition,” made the 64-year-old think, “OK, it’s a good time to make a break.”

Ms. Lippincott’s successor will be following a versatile professional whose thoughtfulness and willingness to tackle tough projects led to two collaborative exhibitions with the Vincent Van Gogh Museum in The Netherlands and the acquisition of 80,000 images made by Pittsburgh photojournalist Charles “Teenie” Harris. His well-composed photographs, made between 1937 and 1975, captured the rich culture of black life here for the ordinary and the famous.

Arriving for a job interview in the early 1990s, Ms. Lippincott first saw Pittsburgh at night. When she came through the Fort Pitt Tunnels upon the lit-up city, she thought, “Oh, I should take this place seriously.”

The primary attraction was the art museum’s especially diverse collection of European paintings, sculpture, photographs, prints and contemporary art. She is also a serious sports fan who switched her allegiances from Philadelphia’s Phillies and Eagles to rooting for the Pittsburgh Steelers and Pirates. On Monday night, her son, Phil McGuire, of Portland, Ore., treated her to a Penguins’ game and she loved watching them win in overtime.

In the Philadelphia suburb of Fort Washington,, she grew up surrounded by picture books. “I was 9 when I decided I wanted to become a curator,” Ms. Lippincott said, adding that her mother, Beatrice B. Garvan, was curator of American decorative art for many decades at the Philadelphia Museum of Art.

Armed with an art history degree from Yale and a doctorate in 18th-century European history from Princeton, Ms. Lippincott spent four years working at the Philadelphia Museum of Art. There, she was assistant curator for the John G. Johnson collection of European painting.

After she came to Pittsburgh in 1991, Ms. Lippincott began work on “Pittsburgh Revealed,” a 1997 show that recorded the city and its people. Photography professors Linda Benedict-Jones and Charlee Brodsky had the idea. The exhibition, which drew large crowds throughout its run and a record-breaking 5,000 people on its last day, stoked considerable interest in regional photography, Ms. Lippincott said.

For “Pittsburgh Revealed,” the museum borrowed images by Teenie Harris. 

“The quality of the work was exceptional,” Ms. Lippincott said, adding that the number of famous and ordinary people in Harris’s images make it an extraordinary record. 

In 1995, Ms. Lippincott began talking with Mr. Harris once a week to learn more about his work and the stories behind the pictures.

Ms. Lippincott teamed with Andreas Bluhm, then director of exhibitions at the Vincent Van Gogh Museum, on a successful show called “Light! The Industrial Age, 1750-1900.” The 2001 exhibition, shown first in Amsterdam and then here, examined the role of light in art and science as well as its influence on human perception. 

By then, Ms. Lippincott said, “Pittsburgh was reinventing itself as a technology center.”

In 2006, Ms. Lippincott and Mr. Bluhm reunited for another exhibition called “Fierce Friends: Artists and Animals, 1750-1900,” which examined human beings’ relationship with animals.

More recently, Ms. Lippincott worked on the Art Tracks team, an initiative to use data visualization for researching the chain of ownership, called provenance, of artworks.

Upon her departure, she is giving herself a six-month sabbatical. She plans to plant “a really great vegetable garden,” try writing a trashy novel as a “palate cleanser” and drive from here to San Francisco in her BMW 228, stopping periodically to visit art museums for fun. 

Marylynne Pitz at mpitz@post-gazette.com, 412-263-1648 or on Twitter: @mpitzpg 












Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing







- br via tradutor do google
A curadora de artes plásticas do Carnegie Museum of Art demitir-se, é o terceiro funcionário superior a anunciar a partida em sete meses.

Louise Lippincott, curadora de artes plásticas por 27 anos no Carnegie Museum of Art, vai demitir-se 1 de julho.



Ela é a terceira líder para anunciar sua partida do complexo de Oakland em sete meses. Jo Ellen Parker, 63 anos, presidente dos museus Carnegie de Pittsburgh, partiu depois de menos de quatro anos em 2 de fevereiro. Lynn Zelevansky, que dirigiu o museu de arte por oito anos, saiu em setembro passado, depois de completar 70 anos e voltar para a cidade de Nova York.

"A partida de Jo Ellen e a perspectiva de uma longa transição de liderança", pensou o jogador de 64 anos, "OK, é um bom momento para fazer uma pausa".

O sucessor da Sra. Lippincott estará seguindo um profissional versátil cuja consideração e disposição para enfrentar projetos difíceis levou a duas exposições colaborativas com o Museu Vincent Van Gogh na Holanda e a aquisição de 80 mil imagens feitas pelo fotojornalista de Pittsburgh Charles "Teenie" Harris. Suas fotografias bem compostas, feitas entre 1937 e 1975, capturaram a rica cultura da vida negra aqui para o comum e o famoso.

Chegando para uma entrevista de emprego no início da década de 1990, a Sra. Lippincott viu pela primeira vez Pittsburgh à noite. Quando ela atravessou os túneis de Fort Pitt na cidade iluminada, ela pensou: "Oh, eu deveria levar este lugar com seriedade".

A principal atração foi a coleção especialmente diversificada de pinturas, escultura, fotografias, estampa e arte contemporânea do museu de arte. Ela também é uma fã de esportes séria que mudou suas lealdades de Filadélfia Phillies e Eagles para rootear para Pittsburgh Steelers e Pirates. Na noite de segunda-feira, seu filho, Phil McGuire, de Portland, Ore., Tratou-a de um jogo de pinguins e adorou vê-los ganhar em horas extras.

No subúrbio de Fort Washington, Filadélfia, ela cresceu cercada de livros ilustrados. "Eu tinha 9 anos quando decidi que queria me tornar um curador", disse Lippincott, acrescentando que sua mãe, Beatrice B. Garvan, foi curadora de arte decorativa americana durante muitas décadas no Museu de Arte de Filadélfia.

Armado com um diploma de história da arte de Yale e um doutorado na história européia do século 18 de Princeton, a Sra. Lippincott passou quatro anos trabalhando no Museu de Arte de Filadélfia. Lá, ela foi assistente de curador da coleção John G. Johnson de pintura européia.

Depois que ela chegou a Pittsburgh em 1991, a Sra. Lippincott começou a trabalhar em "Pittsburgh Revealed", um show de 1997 que registrou a cidade e suas pessoas. Os professores de fotografia Linda Benedict-Jones e Charlee Brodsky tiveram a ideia. A exposição, que atraiu grandes multidões ao longo de sua corrida e um recorde de 5.000 pessoas no último dia, despertou um interesse considerável na fotografia regional, disse a Sra. Lippincott.

Para "Pittsburgh Revealed", o museu emprestou imagens de Teenie Harris.

"A qualidade do trabalho foi excepcional", disse Lippincott, acrescentando que o número de pessoas famosas e comuns nas imagens de Harris o tornam um recorde extraordinário.

Em 1995, a Sra. Lippincott começou a conversar com o Sr. Harris uma vez por semana para aprender mais sobre seu trabalho e as histórias por trás das fotos.

A Sra. Lippincott juntou-se com Andreas Bluhm, então diretor de exposições no Museu Vincent Van Gogh, em um show de sucesso chamado "Light! The Industrial Age, 1750-1900. "A exposição de 2001, mostrada primeiro em Amsterdã e depois aqui, examinou o papel da luz na arte e na ciência, bem como sua influência na percepção humana.

Até então, a Sra. Lippincott disse: "Pittsburgh estava se reinventando como um centro tecnológico".

Em 2006, a Sra. Lippincott e o Sr. Bluhm se reuniram para outra exposição intitulada "Fierce Friends: Artists and Animals, 1750-1900", que examinava o relacionamento dos seres humanos com os animais.

Mais recentemente, a Sra. Lippincott trabalhou na equipe Art Tracks, uma iniciativa para usar a visualização de dados para pesquisar a cadeia de propriedade, chamada proveniência, de obras de arte.

Em sua partida, ela está se dando um período sabático de seis meses. Ela planeja plantar "uma horta realmente grande", tente escrever uma novela trashy como "limpador de paladar" e dirija-se daqui a San Francisco em seu BMW 228, parando periodicamente para visitar museus de arte por diversão.

Marylynne Pitz em mpitz@post-gazette.com, 412-263-1648 ou no Twitter: @mpitzpg


Cultura: Estão abertas as inscrições para a 6ª edição do Diploma Heloneida Studart de Cultura que será entregue em junho 2018. - Podem se inscrever pessoas físicas e instituições públicas ou privadas que atuem nas seguintes áreas: Arquitetura e Urbanismo; Arquivos; Arte Digital; Artes Visuais; Artesanato; Circo; Culturas Afro-Brasileiras; Culturas Populares; Dança; Design; Literatura, Livro e Leitura; Moda; Música; Patrimônio Imaterial; Patrimônio Material e,Teatro; além da consideração das Artes Integradas, Culturas Indígenas e Gastronomia nos termos da legislação estadual vigente.

O diploma é um instrumento de reconhecimento e estímulo às boas práticas culturais e é promovido pela Comissão de Cultura da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). Os interessados deverão se inscrever no link 


a partir desta quarta-feira (14/03) até o dia 24 de abril.


Podem se inscrever pessoas físicas e instituições públicas ou privadas que atuem nas seguintes áreas: Arquitetura e Urbanismo; Arquivos; Arte Digital; Artes Visuais; Artesanato; Circo; Culturas Afro-Brasileiras; Culturas Populares; Dança; Design; Literatura, Livro e Leitura; Moda; Música; Patrimônio Imaterial; Patrimônio Material e,Teatro; além da consideração das Artes Integradas, Culturas Indígenas e Gastronomia nos termos da legislação estadual vigente.



A história do diploma


Criado em 2009 pela Resolução nº 874/2009, o diploma carrega o nome da escritora e também ex-deputada estadual Heloneida Studart. Ela se destacou por abordar pautas feministas na política e por suas produções literárias.


Nascida em Fortaleza, Heloneida veio para o Rio de Janeiro aos 16 anos e estreou como colunista no jornal O Nordeste. Na década de 1960, tornou-se presidente do Sindicato das Entidades Culturais (Senambra). Na Alerj, Studart presidiu a Casa de1981 a1982 e integrou comissões voltadas ao direito da mulher. Ela faleceu em dezembro de 2007, aos 75 anos.


Desde a criação do Diploma, diversos artistas e instituições voltados à promoção da cultura no estado já receberam a gratificação, como a escritora Ana Maria Machado, a atriz Letícia Sabatela e Associação Cultural para o Desenvolvimento de Tecnologias Humanas-Instituto DAGAZ.








Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing


Queer Britain, the new LGBTQ museum, opens in London in 2021. - Queer Britain, o novo museu LGBTQ, abre em Londres em 2021.

It will become a museum for all, "regardless of their sexuality or gender identity".




1
The Museum Queer Britain will host an entire record that has been drawn from the LGBT community in Her Majesty's lands.


What does a museum mean but a place with preservation, conservation, safeguarding a collective memory, an illustrated archive with a mission to tell a story, several stories, in order to understand the past, and also, fundamentally, to understand and to accept the various layers of a present? It is in this logic that the space adjacent to the Café Royal Hotel in London was announced in the Oscar Wilde Hall, the opening of Museum Queer Britain in 2021.

It will host, protect and promote a whole register that has been designed by an LGBTQ community in Her Majesty's lands. It will be the first national museum to safeguard, emphasize, celebrate and reflect on the lives of a gay, lesbian, transsexual, bisexual and queer community that for a substantial fraction of the time saw their behavior marginalized.

Queer Britain, which is also already known as the title of a series hosted by Youtuber and journalist Riyadh Khalaf, who set out to explore queer culture, is potentially located in the Southwark area of ​​South London. According to John Galliano, co-founder of the space, former editor of the Gay Times: "People have already left the closet, now it's time to get off the shores." Queer Britain will become a museum for everyone, "regardless of their sexuality or gender identification ". In an attempt to create a file and collection of the various narratives, to add to a previously planned collection, John Galliano added to The Guardian: "People's artifacts and stories are being lost every day, and we need to save them. Already too many people - inevitably, mostly men - who have directly experienced the situation, before the partial decriminalization of homosexuality in 1967, are no longer with us. "

Celebrating this cultural, social heritage will not only serve as didactic material for the understanding of future generations, but also becomes the project's main motto. That will become part of a set of museums that aim at this safeguard and sharing. The first space in the world dedicated to LGBTQ art, founded 50 years ago, has a collection spanning centuries: the Leslie-Lohman Museum of Gay and Lesbian Art in New York; in San Francisco, the GLBT History Museum; in European territory, in Berlin and Amsterdam, the Schwules Museum and the IHLIA LGBT Heritage, respectively. Initiatives like these restore hope within the communities. Now all we have to do is wait.






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing




--br 
Queer Britain, o novo museu LGBTQ, abre em Londres em 2021.

Tornar-se-á num museu para todos, “independentemente da sua sexualidade ou identificação de género”.

1
O Museum Queer Britain acolherá todo um registo que tem vindo a ser desenhado pla comunidade LGBT em terras de Sua Majestade.

O que significa um museu senão um lugar com ideais de preservação, conservação, de salvaguarda de uma memória colectiva, arquivo ilustrado com a missão de contar uma história, várias histórias, de forma a compreendermos o passado, e também, fundamentalmente, a entendermos e aceitarmos as várias camadas de um presente? É nessa lógica que se anunciou, na Sala Oscar Wilde, espaço adjacente ao Hotel Café Royal em Londres, a abertura para 2021 do Museum Queer Britain.

Acolherá, protegerá e promoverá todo um registo que tem vindo a ser desenhado por uma comunidade LGBTQ em terras de Sua Majestade. Será o primeiro museu nacional que salvaguarda, enfatiza, celebra e reflecte sobre as vidas de uma comunidade gay, lésbica, transsexual, bissexual e queer, que durante uma substancial fracção de tempo viu os seus comportamentos marginalizados.



Queer Britain, que também é já conhecido como título de uma série apresentada pelo Youtuber e jornalista Riyadh Khalaf, que se propôs explorar a cultura queer, tem como potencial localização a zona de Southwark, no Sul de Londres. Segundo John Galliano, co-fundador do espaço, antes editor do Gay Times: “As pessoas já saíram do armário, agora é altura de saírem das margens.” Queer Britain tornar-se-á num museu para todos, “independentemente da sua sexualidade ou identificação de género”. Numa tentativa de criação de um arquivo e colecção das diversas narrativas, de maneira a adicionar a uma colecção já previamente planeada, John Galliano acrescentou ao The Guardian: “Os artefactos e as histórias das pessoas estão-se a perder todos os dias, e precisamos de as salvar. Já demasiada gente – inevitavelmente, na sua maioria, homens – que experienciou directamente a situação, antes da descriminalização parcial da homossexualidade em 1967, já não se encontra connosco.”

Celebrar esta herança cultural, social, não só servirá como material didáctico para o entendimento das futuras gerações, como torna-se mote principal do projecto. Que passará a fazer parte de um conjunto de museus que visam essa salvaguarda e partilha. Destacam-se o primeiro espaço do mundo dedicado à arte LGBTQ, fundado há 50 anos, e que conta já com uma colecção que abrange séculos: o Leslie-Lohman Museum of Gay and Lesbian Art, em Nova Iorque; em São Francisco, o GLBT History Museum; em território europeu, em Berlim e Amesterdão, o Schwules Museum e o IHLIA LGBT Heritage, respectivamente. Iniciativas como esta restauram a esperança no seio das comunidades. Agora, só nos resta aguardar.