domingo, 8 de abril de 2018

History of Glenbow Museum, Calgary, Canada. - História do Museu Glenbow, Calgary, Canadá

Glenbow Museum is located in downtown Calgary in the heart of Calgary's Cultural District, across from the Calgary Tower.



Glenbow Museum began with the remarkable vision of petroleum entrepreneur and lawyer Eric Lafferty Harvie. Mr. Harvie came into his fortune when oil was discovered on the land to which he held the mineral rights to, with the discovery in Leduc in 1947 and in Redwater in 1949. With this prosperity, he decided to pursue his favourite passion — collecting — and simultaneously return some of his good fortune back to the region that had been so generous to him. Mr. Harvie's goal was to collect the objects representing the history and culture of Western Canada as well as from around the world.

Eric Harvie began collecting material relating to the history of Western Canada in the 1950s, developing an extensive collection of artifacts from North America that tell the fascinating story of Aboriginal peoples, frontier exploration, and the development of western Life. He built on these North American collections with extraordinary artifacts and art from Asia, West Africa, South America, and islands in the Pacific, eventually amassing a huge museum collection. Establishing the Glenbow Foundation in 1954, Mr. Harvie's collection became an eclectic blend of western history and international art and artifacts.

In 1966, Eric Harvie and his family donated his impressive collection of art, artifacts, and historical documents to the people of Alberta. Today, Glenbow Museum is one of the most entrepreneurial museums in Canada, playing an essential role in defining Western Canadian culture. Glenbow also continues Eric Harvie's vision to be "Where the World Meets the West," inviting visitors to explore three major special exhibitions annually, and an eclectic range of permanent galleries featuring significant Western Canadian and international collections.

About Our Founder

Eric Lafferty Harvie (1892-1975) was the Glenbow Museum's founder and the West's most notable philanthropist. From small town roots in Orillia, Ontario, he moved west, started a one-man legal practice, and kept his eye on business opportunities in the new province of Alberta.

Portrait of Eric Harvie


John Gilroy, British (1898-1985), Portrait of Eric Harvie, 1960, oil on canvas, Collection of Glenbow Museum. Gift of Mrs. Joy Harvie MacLaren, Ottawa, 1991, 991.87.1

Eric married Dorothy Southam and together they had three children, Joy, Donald, and Neil. The family liked nothing better than weekends at their Glenbow Ranch, where they hunted, fished, and camped out under canvas beneath the prairie sky. On February 13, 1947


As a key cultural cornerstone in Calgary for 50 years, Glenbow has surprised and engaged generations of Albertans and visitors to the province with remarkable connections between art, culture and the world around us. Glenbow provides us with a sense of place -- what it means to live in this amazing landscape -- and an appreciation for the legacy of the remarkable people and events that have shaped our community.

Glenbow's collection represents Western Canadian art and culture, both as a repository of important cultural history but also as a living record of contemporary life in this part of the world. Our collecting priorities respond to our community and over the past 50 years, the collection has shifted and adapted to incorporate new voices and perspectives. Our collection includes over a million objects, documents, photographs and artworks, making Glenbow one of the largest museums in western Canada.

In all of our exhibitions, whether they travel to Glenbow from other national or international institutions, or have been created and curated here at home, we are interested in making connections with our collection and exploring human creativity and "the art of making." Just like a work of art, an everyday object can tell a story about how it was made, who used it and the cultural values it represents.

We are passionate about sharing art and culture at Glenbow. Our role is to bring it to life -- to make it vivid, meaningful and relevant. We're at our best when we can activate the art and artifacts within our walls and create opportunities for people to have memorable personal experiences in the museum.

Last year, over 125,000 visitors passed through Glenbow's doors, including more than 65,000 school children who took part in our School Programs and Chevron Museum School.






colaboração: 
Kamla Hari McGonigal

This report is guaranteed to verify the address of the LINK above.
Say no to fake news!

Esta reportagem tem a garantia de apuração do endereço do LINK acima.
Diga não às fake news!

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.










--br via tradutor do google
História do Museu Glenbow, Calgary, Canadá

O Glenbow Museum está localizado no centro de Calgary, no coração do Distrito Cultural de Calgary, em frente à Torre de Calgary.

O Glenbow Museum começou com a notável visão do empresário e advogado de petróleo Eric Lafferty Harvie. O Sr. Harvie entrou em sua fortuna quando o petróleo foi descoberto na terra em que detinha os direitos minerais, com a descoberta em Leduc em 1947 e em Redwater em 1949. Com essa prosperidade, ele decidiu seguir sua paixão favorita - coletando - e, ao mesmo tempo, devolver parte de sua boa sorte à região que lhe fora tão generosa. O objetivo de Harvie era coletar os objetos que representam a história e a cultura do oeste do Canadá, bem como de todo o mundo.

Eric Harvie começou a coletar material relacionado à história do Canadá Ocidental na década de 1950, desenvolvendo uma extensa coleção de artefatos da América do Norte que contam a fascinante história dos povos aborígines, a exploração das fronteiras e o desenvolvimento da vida ocidental. Ele construiu essas coleções norte-americanas com artefatos e arte extraordinários da Ásia, África Ocidental, América do Sul e ilhas do Pacífico, acumulando uma enorme coleção de museus. Estabelecendo a Fundação Glenbow em 1954, a coleção de Harvie se tornou uma mistura eclética da história ocidental e arte e artefatos internacionais.

Em 1966, Eric Harvie e sua família doaram sua impressionante coleção de arte, artefatos e documentos históricos para o povo de Alberta. Hoje, o Glenbow Museum é um dos museus mais empreendedores do Canadá, desempenhando um papel essencial na definição da cultura canadense ocidental. Glenbow também continua a visão de Eric Harvie de ser "Onde o Mundo Encontra o Ocidente", convidando os visitantes a explorar três grandes exposições especiais anualmente, e uma eclética variedade de galerias permanentes com importantes coleções canadenses ocidentais e internacionais.

Sobre o nosso fundador
Eric Lafferty Harvie (1892-1975) foi o fundador do Glenbow Museum e o filantropo mais notável do Ocidente. De raízes de pequenas cidades em Orillia, Ontário, ele se mudou para o oeste, iniciou uma prática legal de um homem e manteve seus olhos em oportunidades de negócios na nova província de Alberta.

Retrato de Eric Harvie
John Gilroy, britânico (1898-1985), retrato de Eric Harvie, 1960, óleo sobre tela, coleção de Glenbow Museum. Presente da Sra. Joy Harvie MacLaren, Ottawa, 1991, 991.87.1

Eric casou-se com Dorothy Southam e juntos eles tiveram três filhos, Joy, Donald e Neil. A família não gostava de nada além dos finais de semana em Glenbow Ranch, onde caçavam, pescavam e acampavam sob a lona sob o céu da pradaria. Em 13 de fevereiro de 1947

Retrato de Eric Harvie

Como uma importante base cultural em Calgary há 50 anos, Glenbow surpreendeu e envolveu gerações de albertenses e visitantes da província, com conexões notáveis ​​entre arte, cultura e o mundo ao nosso redor. Glenbow nos proporciona um senso de lugar - o que significa viver nesta paisagem incrível - e uma apreciação pelo legado das pessoas e eventos notáveis ​​que moldaram nossa comunidade.

A coleção da Glenbow representa a arte e a cultura do oeste canadense, tanto como um repositório de importante história cultural, mas também como um registro vivo da vida contemporânea nesta parte do mundo. Nossas prioridades de coleta respondem à nossa comunidade e nos últimos 50 anos, a coleção mudou e se adaptou para incorporar novas vozes e perspectivas. Nossa coleção inclui mais de um milhão de objetos, documentos, fotografias e obras de arte, tornando Glenbow um dos maiores museus do oeste do Canadá.

Em todas as nossas exposições, quer tenham viajado para Glenbow de outras instituições nacionais ou internacionais, ou tenham sido criadas e curadas aqui em casa, estamos interessados ​​em fazer conexões com nossa coleção e explorar a criatividade humana e a "arte de fazer". Assim como uma obra de arte, um objeto cotidiano pode contar uma história sobre como foi feito, quem usou e os valores culturais que representa.

Somos apaixonados por compartilhar arte e cultura na Glenbow. Nosso papel é trazê-lo à vida - para torná-lo vívido, significativo e relevante. Estamos no nosso melhor quando podemos ativar a arte e os artefatos dentro de nossas paredes e criar oportunidades para que as pessoas tenham experiências pessoais memoráveis ​​no museu.

No ano passado, mais de 125.000 visitantes passaram pelas portas de Glenbow, incluindo mais de 65.000 crianças em idade escolar que participaram dos nossos Programas Escolares e da Escola do Museu Chevron.

Inscrições abertas para o Prêmio do Iphan. O resultado será divulgado dia 30 de agosto.

O Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, uma das principais ações do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), órgão vinculado ao Ministério da Cultura (MinC), em reconhecimento às ações de preservação do Patrimônio Cultural Brasileiro, está com inscrições abertas. Neste edital de 2018, serão selecionados oito trabalhos representativos de ações no campo do Patrimônio Cultural Brasileiro. Cada premiado receberá o valor de R$ 30 mil.



Os trabalhos inscritos deverão ser entregues nas superintendências do Iphan nos estados até o próximo dia 21 de maio. As ações serão pré-selecionadas pelas comissões estaduais, compostas por representantes das diferentes áreas culturais de cada Estado, sob a presidência do respectivo superintendente.

Os projetos vencedores em cada etapa estadual serão analisados pela Comissão Nacional de Avaliação, formada pela presidente do Iphan, Kátia Bogéa, e por 16 jurados que atuam nas áreas de preservação ou salvaguarda do Patrimônio Cultural.

O resultado final do concurso deverá ser divulgado até o dia 30 de agosto de 2018, no site do Iphan.

Em consonância com a proposta do Iphan de levar o prêmio a todas as regiões do Brasil e, em 2018, promover o Patrimônio Cultural do Norte brasileiro, a 31ª edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade acontecerá em Belém, capital do Pará. A cerimônia, marcada para novembro deste ano, será em ritmo de carimbó − registrado pelo Iphan como Patrimônio Cultural do Brasil. A solenidade contará ainda com outras expressões tradicionais do Norte, como o Boi-Bumbá de Parintins.

Novo Formato

Criado em 1987, em reconhecimento a ações de proteção, preservação e divulgação do Patrimônio Cultural Brasileiro, o prêmio está na sua 31ª edição − e foi assim denominado em homenagem ao primeiro dirigente da instituição.

Estimular e valorizar aqueles que atuam em favor da preservação do patrimônio cultural no País é, também, uma das missões do Iphan, vinculado ao Ministério da Cultura (MinC).

Nesta edição, o prêmio apresenta um novo formato de edital, com duas grandes categorias subdivididas em quatro segmentos:

Categoria 1 - Iniciativas de excelência no campo do Patrimônio Cultural Material referem-se a ações nas áreas de preservação de bens imóveis, como paisagens culturais, cidades históricas, sítios arqueológicos e monumentos; ou móveis, como coleções arqueológicas, acervos museológicos, documentais, bibliográficos, arquivísticos, videográficos, fotográficos e cinematográficos, assim como ações relacionadas de comunicação, difusão e educação, e devem ser apresentadas por pessoas físicas ou jurídicas que sejam responsáveis por sua concepção, autoria ou responsabilidade técnica.

Categoria 2 - Iniciativas de excelência no campo do Patrimônio Cultural Imaterial referem-se a ações nas áreas de salvaguarda de práticas e domínios da vida social que se manifestam em saberes, ofícios e modos de fazer; celebrações; formas de expressão cênicas, plásticas, musicais ou lúdicas; e nos lugares que abrigam práticas culturais coletivas, assim como ações de comunicação, difusão e educação, e devem ser apresentadas por pessoas físicas ou jurídicas que sejam responsáveis por sua concepção, autoria ou responsabilidade técnica.

Segmento I – Entidades governamentais da administração direta dos níveis federal, estadual ou municipal ou indireta (autarquias, empresas públicas, sociedades de economia mista e fundações públicas).

Segmento II – Empresas e fundações privadas mantidas por empresas.

Segmento III – Outras instituições sem fins lucrativos da sociedade civil organizada.

Segmento IV - Pessoas físicas e representantes de grupos ou coletivos.

Serão selecionadas, ao todo, oito ações, sendo uma de cada segmento, por categoria.





Fonte: MinC


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing


Smithsonian's Freer/Sackler weaves together traditional and contemporary fashion. - Freer/Sackler, da Smithsonian, une moda tradicional e contemporânea.

WASHINGTON, DC.- “To Dye For: Ikats from Central Asia,” is on view at the Smithsonian’s Arthur M. Sackler Gallery March 24–July 29. Traditional 19-century ikat coats and panels from the Sackler’s collections, a gift of Guido Goldman, encourage visitors to explore the techniques and traditions that produced the Central Asian textiles. Alongside these historical objects are a number of Oscar de la Renta (1932– 2014) garments on loan from the Collection of Annette de la Renta and the Oscar de la Renta Collection. 

1

Woman's robe (munisak).
Central Asia, 1850–1900. Silk, cotton, and wool. 
Gift of Guido Goldman.

The process of creating ikats involved collaboration among different communities. Bundles of threads are patterned by repeated binding and resist dyeing before being woven into narrow strips and immersed into sequential vats of color. In multi-ethnic 19-century Central Asia, each “group” played a different role in the process. The Jews were responsible for importing and dying indigo, while the Tajiks were in charge of the yellow-and red-dye. The Uzbeks served as the weavers, who turned the brightly colored threads into the textiles seen in the exhibition. 

The finished ikats are more than ornate fabrics. Transformed into brightly colored panels or sumptuous robes for men and women, they are works of art. The panels or curtains added colorful accents to the mud-brick architecture of Central Asia, while the coats were striking statement items that adorned wealthy men and women. Worn on special occasions as status symbols, they functioned in the same way as many of de la Renta-designer garments do today.

Drawn to the vibrant colors and bold designs of Central Asian ikat in 1997, the Dominican American de la Renta incorporated ikat motifs into his haute couture gowns, which he created for Pierre Balmain, the celebrated French designer. After 2005, de la Renta used ikat-inspired patterns in his own collections and was soon followed by other American designers. Today, the distinct ikat motifs appear in collections ranging from high fashion to jeans, from pillows and rugs to wallpaper and stationery. In turn, international interest in ikats stimulated the revival of this traditional technique in present-day Uzbekistan. 

“These vibrant and highly original Central Asian ikat designs are found everywhere but few are aware of their origin and history,” said Massumeh Farhad, chief curator and Ebrahimi Family Curator of Persian, Turkish and Arab Art. 

The textiles are accompanied by a slideshow of images that will give viewers insight to the environment and times that fostered the creation of the historic objects.







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 
but what modifies the way of looking and hearing



--br via tradutor do google
Freer/Sackler, da Smithsonian, une moda tradicional e contemporânea.


WASHINGTON, DC.- "To Dye For: Ikats da Ásia Central", está em exibição na Arthur M. Sackler Gallery do Smithsonian de 24 de março a 29 de julho. Ikat tradicional do século 19 e painéis das coleções da Sackler, um presente de Guido Goldman, incentive os visitantes a explorar as técnicas e tradições que produziram os têxteis da Ásia Central. Juntamente com esses objetos históricos, estão algumas peças de Oscar de la Renta (1932-2014) emprestadas da Coleção de Annette de la Renta e da Coleção Oscar de la Renta.

1
Roupão de mulher (munisak).
Ásia Central, 1850-1900. Seda, algodão e lã. 
Dom de Guido Goldman 

O processo de criação de ikats envolveu colaboração entre diferentes comunidades. Pacotes de linhas são padronizados por ligações repetidas e resistem ao tingimento antes de serem tecidos em tiras estreitas e imersos em tonéis de cores seqüenciais. Na Ásia Central multiétnica do século 19, cada “grupo” desempenhou um papel diferente no processo. Os judeus eram responsáveis ​​pela importação e morte do índigo, enquanto os tajiques estavam encarregados do corante amarelo e vermelho. Os uzbeques serviram como tecelões, que transformaram os fios coloridos nos tecidos vistos na exposição.

Os ikats acabados são mais que tecidos ornamentados. Transformados em painéis coloridos ou roupas suntuosas para homens e mulheres, são obras de arte. Os painéis ou cortinas acrescentavam sotaques coloridos à arquitetura de tijolos de barro da Ásia Central, enquanto os casacos batiam em objetos de declaração que adornavam homens e mulheres ricos. Usados ​​em ocasiões especiais como símbolos de status, funcionavam da mesma forma que muitas das roupas de designer de la Renta fazem hoje.

Atraído pelas cores vibrantes e desenhos arrojados do ikat da Ásia Central em 1997, o dominicano-americano de la Renta incorporou motivos ikat em seus vestidos de alta costura, que ele criou para Pierre Balmain, o célebre designer francês. Depois de 2005, de la Renta usou padrões inspirados em ikat em suas próprias coleções e logo foi seguido por outros designers americanos. Hoje, os distintos motivos ikat aparecem em coleções que variam de alta moda a jeans, de travesseiros e tapetes a papel de parede e papel de carta. Por sua vez, o interesse internacional em ikats estimulou o renascimento dessa técnica tradicional no atual Uzbequistão.

“Estes vibrantes e altamente originais projetos de ikat da Ásia Central estão em toda parte, mas poucos estão cientes de sua origem e história”, disse Massumeh Farhad, curador-chefe e curador da Família Ebrahimi de arte persa, turca e árabe.

Os têxteis são acompanhados por uma apresentação de imagens que dará aos espectadores uma visão do ambiente e das épocas que promoveram a criação dos objetos históricos.