Listen to the text.

quinta-feira, 12 de abril de 2018

The Metropolitan Museum of Art’s - Met - Goes Beyond Its Doors to Pick a Leader Who Bridges Art and Technology. - O Museu Metropolitano de Arte - Met - vai além de suas portas para escolher um líder que une arte e tecnologia.. - colaboração: Renata Motta

The Metropolitan Museum of Art’s new director, Max Hollein, heads the Fine Arts Museums in San Francisco and has a painting by Michael Langer, “Die Gelbrote Faust” (“The Yellow-Red Fist”), from 1967, on the wall of his home.CreditPeter Prato for The New York Times

For the first time in 60 years, the Metropolitan Museum of Art has reached beyond its own doors for a new leader, choosing a Vienna-born museum director who is conversant in the old masters, modern art and Minecraft to steer the venerable institution through the digital age.




1
Max Hollein and his wife, Nina Hollein.
CreditFine Arts Museums of San Francisco. 
Photo by Drew Altizer

The Met announced on Tuesday that Max Hollein, 48, currently the director and chief executive of the Fine Arts Museums of San Francisco and a veteran of Germany’s oldest art foundation, will become its 10th director this summer. He will take command of the Met at a time when museums are under increasing pressure to remain relevant, raise funds and attract new audiences.

“The Met is one of its kind,” Mr. Hollein said in an interview at the museum. “The museum has the opportunity to be not just an art destination,” Mr. Hollein added, but “a major provider of understanding and different narratives to a global audience.”

Unlike his recent predecessors Philippe de Montebello, who served for 31 years, and Thomas P. Campbell, who served for eight, Mr. Hollein did not ascend from the Met’s curatorial ranks. He was reportedly a runner-up when Mr. Campbell was chosen in 2008.

But he was an appealing candidate this time around for a museum seeking a stabilizing force after a period of financial turmoil. He is an aggressive fund-raiser with experience in contemporary art as well as a broader knowledge of art history, who has a track record of digital innovations.

Since age 31, Mr. Hollein has served as a museum director, including 15 years at several institutions in Frankfurt: the Städel Museum, which houses one of Europe’s important collections of old masters; the Schirn Kunsthalle, which exhibits modern and contemporary art; and the Liebieghaus, with a world-renowned sculpture collection.

At the Städel, Mr. Hollein developed a forceful digital strategy and oversaw a $69 million renovation and expansion that doubled the gallery space and created a new wing for art made since 1945. All three museums during his tenure saw record levels of attendance and added more than 2,800 artworks to their collections.

He only recently moved to the United States, in 2016, to head the Fine Arts Museums, consisting of the de Young Museum in Golden Gate Park, which specializes in American art; and the Legion of Honor near the foot of the Golden Gate Bridge, which focuses on European art.

In his two years in San Francisco, Mr. Hollein has brought significant innovations to the Fine Arts Museums, including Digital Stories, an in-depth look into the museum’s exhibitions, enhanced by multimedia experiences. The museum translated all exhibition materials into Spanish for its exhibition “Teotihuacan: City of Water, City of Fire”; created a Minecraft map of the pyramids there; and offered free online courses to help encourage access for all audiences — not only the young.

At a time when museums are making a concerted effort to expand the cultural conversation to include more women and people of color, Mr. Hollein said it was also important to him that the Met “open up” to incorporate a range of perspectives. He cited his current institution’s acquisition last year of 62 works by African-American artists, from the Souls Grown Deep Foundation in Atlanta. (The Met acquired 57 works from the foundation in 2014, some of which go on view in an exhibition that opens May 22).

Many in the art world had wondered whether the Met director job would draw first-rate candidates, given the museum’s recent reorganization of its leadership structure. Rather than governing from the top of the pyramid, like Mr. Campbell, who also served as chief executive before he was forced to step down last year, Mr. Hollein will report to Daniel H. Weiss, the president and chief executive of the Met. “We are going to be genuine partners,” Mr. Weiss said. Though both will have responsibility for fund-raising, Mr. Hollein will be in charge of the artistic side of the museum — exhibitions, acquisitions, programming — while Mr. Weiss will oversee business and operations.

Nevertheless, some of the names said to be under consideration , according to a person familiar with the selection process who declined to be identified discussing internal deliberations, included Adam D. Weinberg, the director of the Whitney Museum of American Art in New York; Julián Zugazagoitia, the chief executive and director of the Nelson-Atkins Museum of Art in Kansas City, Mo.; Emilie Gordenker, the director of the Mauritshuis, the museum in The Hague; Timothy Rub, the director of the Philadelphia Museum of Art; and Taco Dibbits, the director of the Rijksmuseum in Amsterdam.

Mr. Hollein’s art world peers seem to think highly of him. “Max is an excellent choice,” said Glenn D. Lowry, the director of the Museum of Modern Art. “He’s an esteemed colleague, he’s known to many of us, he’s been an interesting director for a while.”

Michael Govan, the director of the Los Angeles County Museum of Art, said Mr. Hollein “is extremely personable and he has had a tremendous amount of experience in management — both of organizations and friendships.”

Still, the selection of Mr. Hollein could lead to complaints that the Met has again chosen a white man for the top job. “This could have been a moment for the Met to take a leap into the present,” said Tom Eccles, executive director of the Center for Curatorial Studies at Bard College. “This is a moment when we’re really trying to unearth different histories, different viewpoints, new ways of thinking about geographies and identities.”

Candace K. Beinecke, a board member who led its search committee with Richard Chilton, said that “the museum’s commitment to diversity is evident in everything we do, and the search was no exception to that.”

The Met would not disclose Mr. Hollein’s salary. As director and chief executive, Mr. Campbell’s total compensation was $1.4 million, including a salary of $942,287 and the use of a Fifth Avenue apartment (which the Met plans to sell), according to recent tax records. Mr. Campbell was forced out in the wake of the museum’s financial problems and low morale, departing amid revelations about a close personal relationship he had with a female staff member.

To right its finances, the Met cut staff and recently started charging non-New Yorkers mandatory admission of $25.

The museum also scaled back plans for its new modern and contemporary wing, initially expected to cost $600 million. Mr. Hollein will have to raise money for that reconceived project at a time when many cultural projects are vying for funds, namely the Museum of Modern Art’s $400 million expansion; the Studio Museum in Harlem’s $175 million new home; the Frick Collection’s $160 million redesign; and Geffen Hall’s renovation, initially estimated at more than $500 million.

Although European museum directors are typically assumed to require fewer fund-raising skills, given government support for the arts, that is changing. Mr. Hollein said he raised half the cost of the Städel extension from private donations, an impressive feat and unusual for Germany, where large cultural projects are mostly state funded.

A 2014 article on the German website Deutsche Welle said Mr. Hollein “manages to walk the line between art and commerce,” citing for example the Städel’s partnership with the German drugstore chain DM, which sells art pieces as prints for people’s living rooms.

Advertisement

Some have accused Mr. Hollein of going too far; in 2012, he was forced to defend the museum against accusations that he had turned the acquisition of a Raphael painting of Pope Julius II — with questionable provenance — into “a mass public spectacle.” he said at the time: “We knew that the attribution was going to be controversial. That’s why it was so important for us to not simply hang it in the museum, but to present all the facts we had gleaned over the years. I don’t see this as sensationalist, but rather as a very open and transparent process.”

Nevertheless, the Met job will present a learning curve for Mr. Hollein, who began his career at the Solomon R. Guggenheim Foundation, as the chief of staff and executive assistant to its former director, Thomas Krens, but who has never led a museum in New York. The Met can be something of a shark tank, requiring a constructive working relationship with its powerful curators.

The Fine Arts Museums of San Francisco receive a healthy 1.6 million visitors, but that pales in comparison to the Met’s 7 million annual visitors across its three locations. In San Francisco, Mr. Hollein managed an operating budget of $60 million and over 500 employees; the Met has a budget of $305 million and a staff of 2,200.

Mr. Hollein grew up in an artistic household, the son of Hans Hollein, the Viennese postmodern architect. Max Hollein studied art history at the University of Vienna and business administration at the Vienna University of Economics. As a curator, he specialized in art of the 1980s and ’90s and organized the Austrian pavilion at the Venice Art Biennale in 2005.

While running the de Young in San Francisco, Mr. Hollein added its first contemporary art curator, and he is not risk averse. The museum’s first major show since his arrival, “Contemporary Muslim Fashion,” opening in September, will explore Muslim dress codes and their influence on fashion worldwide. (Mr. Hollein’s wife, Nina Hollein, is an Austrian clothing designer; they have three teenagers.)

“On the one hand it’s a fashion show, on the other hand it will address complex social, political questions,” Mr. Hollein said. “Museums these days are one of the few areas where you can have a complex cultural discussion in a non-polemical way.”







This report is guaranteed to verify the address of the LINK above.
Say no to fake news!

Esta reportagem tem a garantia de apuração do endereço do LINK acima.
Diga não às fake news!

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.






--br via tradutor do google
O Museu Metropolitano de Arte - Met - vai além de suas portas para escolher um líder que une arte e tecnologia.

O novo diretor do Metropolitan Museum of Art, Max Hollein, dirige os Museus de Belas Artes de São Francisco e tem uma pintura de Michael Langer, “Die Gelbrote Faust” (“O Punho Amarelo-Vermelho”), de 1967, na parede de sua casa. home.CreditPeter Prato para o New York Times

Pela primeira vez em 60 anos, o Metropolitan Museum of Art ultrapassou as suas próprias portas para um novo líder, escolhendo um diretor de museu nascido em Viena que é familiarizado com os antigos mestres, arte moderna e Minecraft para conduzir a venerável instituição através do idade digital.


1
Max Hollein e sua esposa, Nina Hollein.CreditFine Arts Museus de São Francisco. Foto de Drew Altizer


O Met anunciou na terça-feira que Max Hollein, 48 anos, atualmente diretor e executivo-chefe dos Museus de Belas Artes de São Francisco e veterano da mais antiga fundação de arte da Alemanha, se tornará seu 10º diretor neste verão. Ele assumirá o comando do Met em uma época em que os museus estão sob crescente pressão para permanecer relevantes, arrecadar fundos e atrair novas audiências.

"O Met é um dos seus tipos", disse Hollein em uma entrevista no museu. "O museu tem a oportunidade de não ser apenas um destino de arte", acrescentou Hollein, mas "um importante fornecedor de compreensão e narrativas diferentes para um público global".

Ao contrário de seus predecessores recentes, Philippe de Montebello, que serviu por 31 anos, e Thomas P. Campbell, que serviu para oito, Hollein não ascendeu das fileiras curatoriais do Met. Ele foi declarado vice-campeão quando Campbell foi escolhido em 2008.

Mas ele era um candidato atraente desta vez para um museu que buscava uma força estabilizadora após um período de turbulência financeira. Ele é um arrecadador de fundos agressivo com experiência em arte contemporânea, bem como um conhecimento mais amplo da história da arte, que possui um histórico de inovações digitais.

Desde os 31 anos de idade, Hollein atuou como diretor de museus, incluindo 15 anos em várias instituições em Frankfurt: o Museu Städel, que abriga uma das importantes coleções de antigos mestres da Europa; o Schirn Kunsthalle, que exibe arte moderna e contemporânea; e o Liebieghaus, com uma coleção de esculturas de renome mundial.

No Städel, Hollein desenvolveu uma estratégia digital vigorosa e supervisionou uma reforma e expansão de US $ 69 milhões que dobrou o espaço da galeria e criou uma nova ala de arte feita desde 1945. Todos os três museus durante seu mandato registraram níveis recordes de participação e acrescentaram mais de 2.800 obras de arte para suas coleções.

Ele só se mudou recentemente para os Estados Unidos, em 2016, para dirigir os Museus de Belas Artes, que consistem no Museu de Young, no Golden Gate Park, especializado em arte americana; e a Legião de Honra perto do pé da Ponte Golden Gate, que se concentra na arte européia.

Em seus dois anos em São Francisco, Hollein trouxe inovações significativas para os Museus de Belas Artes, incluindo Digital Stories, um exame detalhado das exposições do museu, aprimoradas por experiências multimídia. O museu traduziu todos os materiais de exposição para o espanhol para a exposição “Teotihuacan: Cidade da Água, Cidade do Fogo”; criei um mapa de Minecraft das pirâmides lá; e ofereceu cursos on-line gratuitos para ajudar a incentivar o acesso de todos os públicos - não apenas dos jovens.

Em uma época em que os museus estão fazendo um esforço conjunto para expandir a conversa cultural para incluir mais mulheres e pessoas de cor, Hollein disse que também era importante para ele que o Met “se abrisse” para incorporar uma série de perspectivas. Ele citou no ano passado a aquisição de sua instituição atual de 62 trabalhos de artistas afro-americanos, da Souls Grown Deep Foundation, em Atlanta. (O Met adquiriu 57 obras da fundação em 2014, algumas das quais podem ser vistas em uma exposição que será aberta em 22 de maio).

Muitos no mundo da arte se perguntavam se o cargo de diretor do Met atrairia candidatos de primeira linha, dada a recente reorganização da estrutura de liderança do museu. Em vez de governar a partir do topo da pirâmide, como Campbell, que também serviu como executivo-chefe antes de ser obrigado a renunciar no ano passado, Hollein se reportará a Daniel H. Weiss, presidente e diretor executivo da Met . "Seremos parceiros genuínos", disse Weiss. Embora ambos tenham a responsabilidade pela arrecadação de fundos, Hollein estará encarregado do lado artístico do museu - exposições, aquisições, programação - enquanto Weiss supervisionará os negócios e as operações.

No entanto, alguns dos nomes considerados em análise, segundo uma pessoa familiarizada com o processo de seleção, que se recusou a ser identificado discutindo deliberações internas, incluiu Adam D. Weinberg, diretor do Museu Whitney de Arte Americana, em Nova York; Julián Zugazagoitia, diretor executivo e diretor do Museu de Arte Nelson-Atkins em Kansas City, Mo.; Emilie Gordenker, diretora do Mauritshuis, o museu em Haia; Timothy Rub, diretor do Museu de Arte da Filadélfia; e Taco Dibbits, diretor do Rijksmuseum em Amsterdã.

Os colegas do mundo da arte de Hollein parecem pensar muito nele. "Max é uma excelente escolha", disse Glenn D. Lowry, diretor do Museu de Arte Moderna. "Ele é um colega estimado, ele é conhecido por muitos de nós, ele é um diretor interessante há algum tempo."

Michael Govan, diretor do Museu de Arte do Condado de Los Angeles, disse que Hollein "é extremamente gentil e tem uma enorme experiência em administração - tanto de organizações quanto de amizades".

Ainda assim, a escolha de Hollein pode levar a queixas de que o Met tenha novamente escolhido um homem branco para o cargo máximo. "Este poderia ter sido um momento para o Met dar um salto para o presente", disse Tom Eccles, diretor executivo do Centro de Estudos Curatoriais do Bard College. "Este é um momento em que estamos realmente tentando desenterrar diferentes histórias, diferentes pontos de vista, novas formas de pensar sobre geografias e identidades".

Candace K. Beinecke, membro do conselho que liderou seu comitê de pesquisa com Richard Chilton, disse que "o compromisso do museu com a diversidade é evidente em tudo o que fazemos, e a busca não foi uma exceção a isso".

O Met não divulgaria o salário do Sr. Hollein. Como diretor e executivo-chefe, a remuneração total do Sr. Campbell foi de US $ 1,4 milhão, incluindo um salário de US $ 942.287 e o uso de um apartamento na Quinta Avenida (que o Met planeja vender), segundo registros fiscais recentes. Campbell foi forçado a sair devido aos problemas financeiros do museu e à baixa moral, partindo em meio a revelações sobre um relacionamento pessoal próximo que mantinha com uma funcionária do sexo feminino.

Para corrigir suas finanças, o Met reduziu a equipe e recentemente começou a cobrar uma admissão obrigatória de não-nova-iorquinos de US $ 25.

O museu também reduziu os planos para sua nova ala moderna e contemporânea, inicialmente prevista para custar US $ 600 milhões. Hollein terá que arrecadar dinheiro para esse projeto reconcebido numa época em que muitos projetos culturais disputam fundos, a saber, a expansão de US $ 400 milhões do Museu de Arte Moderna; o Studio Museum na nova casa de 175 milhões de dólares do Harlem; o redesign de US $ 160 milhões da Coleção Frick; e a renovação da Geffen Hall, inicialmente estimada em mais de US $ 500 milhões.

Embora os diretores de museus europeus sejam normalmente considerados como requerendo menos habilidades de levantamento de fundos, dado o apoio do governo às artes, isso está mudando. Hollein disse que levantou metade do custo da extensão da Städel de doações privadas, um feito impressionante e incomum para a Alemanha, onde grandes projetos culturais são financiados pelo Estado.

Um artigo de 2014 no site alemão Deutsche Welle disse que Hollein "consegue andar na linha entre arte e comércio", citando por exemplo a parceria da Städel com a rede de drogarias alemã DM, que vende peças de arte como estampas para salas de estar de pessoas.

Propaganda

Alguns acusaram Hollein de ir longe demais; em 2012, ele foi forçado a defender o museu contra as acusações de que ele havia transformado a aquisição de uma pintura de Rafael do papa Júlio II - com proveniência questionável - em "um espetáculo público de massa", ele disse na época: atribuição seria controversa. É por isso que era tão importante não simplesmente pendurá-lo no museu, mas apresentar todos os fatos que havíamos aprendido ao longo dos anos. Eu não vejo isso como sensacionalista, mas sim como um processo muito aberto e transparente. ”

No entanto, o trabalho do Met apresentará uma curva de aprendizado para o Sr. Hollein, que começou sua carreira na Fundação Solomon R. Guggenheim, como chefe de gabinete e assistente executivo do seu ex-diretor Thomas Krens, mas que nunca dirigiu um museu. Em Nova Iórque. O Met pode ser algo como um tanque de tubarões, exigindo uma relação de trabalho construtiva com seus poderosos curadores.

Os Museus de Belas Artes de São Francisco recebem um saudável 1,6 milhão de visitantes, mas isso não é nada comparado aos 7 milhões de visitantes anuais do Met em seus três locais. Em São Francisco, Hollein gerenciou um orçamento operacional de US $ 60 milhões e mais de 500 funcionários; o Met tem um orçamento de US $ 305 milhões e uma equipe de 2.200.

Hollein cresceu em uma casa artística, filho de Hans Hollein, o arquiteto pós-moderno vienense. Max Hollein estudou história da arte na Universidade de Viena e administração de empresas na Universidade de Economia de Viena. Como curador, ele se especializou em arte nos anos 80 e 90 e organizou o pavilhão austríaco na Bienal de Arte de Veneza em 2005.

Enquanto dirigia o Young em San Francisco, o Sr. Hollein adicionou seu primeiro curador de arte contemporânea, e ele não é avesso ao risco. O primeiro grande espetáculo do museu desde a sua chegada, “Contemporary Muslim Fashion”, que será inaugurado em setembro, explorará os códigos de vestuário muçulmano e sua influência na moda mundial. (A esposa de Hollein, Nina Hollein, é uma estilista austríaca; eles têm três adolescentes.)

"Por um lado, é um desfile de moda, por outro lado, abordará questões políticas e sociais complexas", disse Hollein. “Hoje em dia, os museus são uma das poucas áreas em que você pode ter uma discussão cultural complexa de uma maneira não polêmica.”


Siga Robin Pogrebin no Twitter: @rpogrebin.

https://mobile.nytimes.com/2018/04/10/arts/design/met-museum-director-max-hollein.html

De Robin Pogrebin


colaboração: Renata Motta



https://www.facebook.com/renata.motta1?hc_ref=ARQgpGZT5PjPzTlLZMxLKCI8ki9-pChpSA720rDYW8tA8D04Ltl04g_i8TMKmUYLvgc










The XIV National Oral History Meeting, organized around the theme Oral History and the expansion of the audiovisual record, will take place from May 02 to 04, 2018, in Campinas, São Paulo, Brazil. - O XIV Encontro Nacional de História Oral, organizado em torno do tema História Oral e a expansão do registro audiovisual, ocorrerá de 02 a 04 de maio de 2018, em Campinas, São Paulo, Brasil.

It is an initiative of the Brazilian Association of Oral History in partnership with the State University of Campinas (UNICAMP). The event will welcome contributions from the different disciplines that make use of oral history in round tables, symposia and audiovisual shows. In this edition, reflections on the process of recording interviews in audiovisual media and their different uses are particularly stimulated.

The XIV National Oral History Meeting continues the sequence of biannual events promoted since the founding of the Association, which took place in 1994. It is therefore a historically consolidated event that mobilizes a large number of participants: teachers, researchers, professionals museums and archival institutions, students and others interested in the methodological discussions around oral history and the collection of interviews. The theme of the XIV Meeting, "Witnessing for images, oral history and the audiovisual record" proposes a reflection on the historiographic making in the contemporary conjuncture where communication is made, more and more, mediated by the image.

Inserted in these "new" times, oral history began to produce, above all, audiovisual records. Filmed interviews are especially rich in information about corporeality, representations of self, interaction and affections, and can contribute to the historiographical narrative new dimensions of analysis, while at the same time constituting visual records of the dialogical relationship from which they result. Documentaries, and / or filmed testimonies, bring to the historiographic narrative a visual universe and that extrapolates the limits of the paper to the sharing resulting from research in audiovisual support.

With the current proliferation, and even trivialization, of this use of the image (driven by the digital age) requires an in-depth discussion on issues concerning the relationship between image in movement and oral history. The XIV National Meeting on Oral History will contribute to the strengthening of actions and reflections in this field of knowledge, providing a space for debate on the challenges related to the recording of testimonies as well as the use of new media, storage techniques and dissemination actions.



The event will be organized around the following activities:

- Conferences with guests;

- Round tables with invited participants;

- Forum of Collectives of Oral History with the participation of representatives of nuclei, laboratories and documentary collections;

- Thematic Symposiums;

- Offices;

- Exhibition of posters of Scientific Initiation;

- Documentary show;

- Result of the "I PRIZE ABHO OF THESES ECLÉA BOSI".

- Book Launching







This report is guaranteed to verify the address of the LINK above.
Say no to fake news!

Esta reportagem tem a garantia de apuração do endereço do LINK acima.
Diga não às fake news!

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.








--br
O XIV Encontro Nacional de História Oral, organizado em torno do tema História Oral e a expansão do registro audiovisual, ocorrerá de 02 a 04 de maio de 2018, em Campinas, São Paulo, Brasil.

Trata-se de uma iniciativa da Associação Brasileira de História Oral em parceria com a Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). O evento acolherá contribuições provenientes das distintas disciplinas que fazem uso da História Oral em mesas redondas, simpósios e mostras audiovisuais. Nessa edição, são particularmente estimuladas reflexões sobre o processo de gravação de entrevistas em mídias audiovisuais e seus diferentes usos.

O XIV Encontro Nacional de História Oral dá continuidade à sequência de eventos bianuais promovidos desde a fundação da Associação, ocorrida em 1994. Trata-se, portanto, de um evento historicamente consolidado e que mobiliza um grande número de participantes: docentes, pesquisadores, profissionais de museus e de instituições arquivísticas, alunos e outros interessados nas discussões metodológicas em torno da história oral e dos acervos de entrevistas. O tema do XIV Encontro, "Testemunhar por imagens. A história oral e o registro audiovisual" propõe uma reflexão sobre o fazer historiográfico na conjuntura contemporânea onde a comunicação se faz, cada vez mais, mediada pela imagem.

Inserida nesses “novos” tempos, a história oral passou a produzir, sobretudo, registros audiovisuais. Entrevistas filmadas são especialmente ricas em informações acerca da corporalidade, das representações de si, da interação e dos afetos, podendo aportar à narrativa historiográfica novas dimensões de análise, ao mesmo tempo em que constituem registros visuais da relação dialógica da qual resultam. Documentários, e/ou depoimentos filmados, trazem para a narrativa historiográfica um universo visual e que extrapola os limites do papel ao compartilhar resultantes de pesquisa em suporte audiovisual.

Com a atual proliferação, e até mesmo banalização, desse uso da imagem (impulsionada pela era digital) é mister uma discussão aprofundada sobre questões concernentes às relações entre imagem em movimento e história oral. O XIV Encontro Nacional de História Oral contribuirá para o fortalecimento de ações e reflexões nesse campo de conhecimento, propiciando um espaço de debate sobre os desafios relacionados à gravação de depoimentos bem como à utilização de novos suportes, técnicas de armazenamento e ações de difusão.

O evento será organizado em torno das seguintes atividades:

- Conferências com convidados;

- Mesas Redondas com participantes convidados;

- Fórum de Coletivos de História Oral com a participação de representantes de núcleos, laboratórios e acervos documentais;

- Simpósios Temáticos;

- Oficinas;

- Mostra de pôsteres de Iniciação Científica;

- Mostra de documentários;

- Resultado do “I PRÊMIO ABHO DE TESES ECLÉA BOSI”.

- Lançamento de livros




The Brooklyn Museum presents the exhibition Radical Women: Latin American Art, 1960 - 1985. - O Brooklyn Museum apresenta a exposição Radical Women: Latin American Art, 1960 – 1985.

The first exhibition to explore the pioneering artistic practices of Latin American women during a tumultuous and transformational period in the history of the Americas and contemporary art.

Radical Women includes over 260 works - including photography, video and other experimental media, as well as paintings, sculptures and prints - signed by more than 120 artists from 15 countries. The Brooklyn Museum is the only place on the east coast of the United States to host this exhibition organized by the Hammer Museum in Los Angeles. Opening on April 13, 2018, the exhibit will remain open until July 22, 2018.

Artists range from iconic figures to less familiar names. Since the 1990s, artists such as Beatriz González, Anna Maria Maiolino, Ana Mendieta, Lygia Pape and Cecilia Vicuña have been widely recognized for the originality and experimental nature of their work, and are among the most influential artists of the twentieth century.



But many other Latin American women and artists deserve greater recognition. The Cuban artist living in Puerto Rico Zilia Sánchez, for example, impregnated the formal language of geometric abstraction with a sense of eroticism in 1960. Equally important are pioneering video artists such as Letícia Parente (Brazil), Narcisa Hirsch (Argentina), and Pola Weiss (Mexico), whose work uses the female body to symbolize the restrictions imposed on women and the freedom of expression coveted by citizens throughout Latin America in the mid-1970s.

Addressing a historical-artistic vacuum, Radical Women highlights the work created during a period of deep political and social turbulence in many Latin Americans in the 1960s, 1970s and early 1980s, a period that saw the emergence of multiple dictatorships. The works of art in Radical Women can be seen as heroic acts giving voice to generations of women throughout Latin America and the United States. The work at the exhibition highlights concerns such as the autonomy of the body, social oppression, gender violence and the environment.

Radical Women focuses on the notion of political body. The artists represented embarked on experimental artistic investigations beginning in the early 1960s, tracing new paths in photography, performance, video and conceptual art. They produced on the politicization of the woman's body and sought to free themselves from an atmosphere of political and social repression that subjugated women.

In her work, the representation of the woman's body became a starting point for questioning the established historical-artistic bias, as well as a means to denounce acts of social, cultural and political violence, as well as oppression. Some artists have used the body metaphorically and as a real medium, using a new iconography to explore both the personal and the political.

The exhibition argues that many unrecognized artists have helped shape a more complex, expanded and diverse field of conceptual video, performance and artistic installation in Latin America and the United States.

Radical Women also examines the various artistic approaches to feminism in relation to their geographical context and their political and social specificities. In Latin America, the history of feminists has not been widely reflected in the arts except Mexico and a few isolated cases in the 1970s and 1980s, and in many countries feminism is not a definite movement.

In the United States, Latino artists challenged patriarchal politics that were as oppressive as those faced by their counterparts in Latin America, and many participated in anti-war movements, for homosexual rights, rights for people with disabilities, and feminist movements, though often perspective, and sometimes in opposition to the main strands of feminism.

Mara Alvares, Claudia Andujar and Martha Araújo are some of the Brazilian artists who will be at the exhibition.










This report is guaranteed to verify the address of the LINK above.
Say no to fake news!

Esta reportagem tem a garantia de apuração do endereço do LINK acima.
Diga não às fake news!

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing


Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.










--br
O Brooklyn Museum apresenta a exposição Radical Women: Latin American Art, 1960 – 1985.

A primeira exposição a explorar as práticas artísticas pioneiras de mulheres latino-americanas durante um período tumultuado e transformacional na história das Américas e da arte contemporânea.

Radical Women inclui mais de 260 obras – incluindo fotografia, vídeo e outros meios experimentais, bem como pinturas, esculturas e gravuras – assinadas por mais de 120 artistas de 15 países. O Brooklyn Museum é o único local da costa leste dos EUA a receber esta exposição organizada pelo Hammer Museum em Los Angeles. Com abertura em 13 de abril de 2018, a exibição permanecerá aberta até 22 de julho de 2018.

As artistas variam de figuras emblemáticas para nomes menos familiares. Desde os anos 90, artistas como Beatriz González, Anna Maria Maiolino, Ana Mendieta, Lygia Pape e Cecilia Vicuña têm sido amplamente reconhecidas pela originalidade e natureza experimental dos seus trabalhos, e estão entre as mais influentes artistas do século XX.

Porém muitas outras mulheres e artistas latino-americanas são merecedoras de maior reconhecimento. A artista cubana que vive em Porto Rico Zilia Sánchez, por exemplo, impregnou a linguagem formal de abstração geométrica com um sentido de erotismo em 1960. Igualmente importantes são vídeo-artistas pioneiras como Letícia Parente (Brasil), Narcisa Hirsch (Argentina) e Pola Weiss (México), cujos trabalhos utilizam o corpo feminino para simbolizar as restrições impostas às mulheres e à liberdade de expressão cobiçada pelos cidadãos em toda a América Latina em meados da década de 1970.

Abordando um vácuo histórico-artístico, Radical Women destaca o trabalho criado durante um período de profunda turbulência política e social em muitos latino-americanos nos anos 1960, 1970 e início dos anos 80, um período que viu o surgimento de múltiplas ditaduras. As obras de arte em Radical Women podem ser vistas como atos heróicos dando voz para gerações de mulheres em toda a América Latina e nos Estados Unidos. O trabalho na exposição destaca preocupações como a autonomia do corpo, a opressão social, violência de gênero e meio ambiente.

Radical Women centra-se na noção de corpo político. As artistas representadas embarcaram em investigações artísticas experimentais começando no início da década de 1960, traçando novos caminhos na fotografia, performance, vídeo e arte conceitual. Elas produziram sobre a politização do corpo da mulher e procuraram se libertar de uma atmosfera de repressão política e social que subjugou mulheres.

Em seus trabalhos, a representação do corpo da mulher tornou-se um ponto de partida para questionar o estabelecido viés histórico-artístico, bem como um meio para denunciar atos de violência sociais, culturais e políticos, além da opressão. Alguns artistas empregaram o corpo metaforicamente e como um meio real, usando uma nova iconografia para explorar tanto o pessoal quanto o político.

A exposição argumenta que muitas artistas não reconhecidas têm ajudado a moldar um mais complexo, ampliado e diversificado campo de conceitual de vídeo, performance e instalação artística na América Latina e nos Estados Unidos.

Radical Women também examina as várias abordagens artísticas ao feminismo em relação ao seu contexto geográfico e suas especificidades políticas e sociais. Na América Latina, a história das feministas não foi amplamente refletida nas artes, com exceção do México e alguns casos isolados nas décadas de 1970 e 1980, e em muitos países o feminismo não é um movimento definido.

Nos Estados Unidos, artistas latinas desafiaram a política patriarcal que era tão opressiva quanto as enfrentadas por suas colegas na América Latina, e muitas participaram de movimentos antiguerra, por direitos dos homossexuais, direitos de pessoas com deficiência e movimentos feministas, embora muitas vezes de uma perspectiva diferente e, às vezes, em oposição às principais vertentes do feminismo.

Mara Alvares, Claudia Andujar e Martha Araújo são algumas das artistas brasileiras que estarão na exposição.