Google+ Followers

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Museu de Ciências da PUCRS é atração para quem busca conhecimento. Rio Grande do Sul, Brasil.

Museu científico reúne mais de 3,5 milhões de peças em acervo no RS

Subsolo do local guarda peças que enriquecem o estudo da biodiversidade.






Pouca gente sabe, mas o Museu de Ciências e Tecnologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) abriga muitas raridades em seu subsolo. São mais de 3 milhões de peças encanta quem chega ao local com sede de conhecimento, como mostra a reportagem do Jornal do Almoço (veja o vídeo).


Os grandes salões sempre estão com alguma grande novidade científica exposta. Mas é o que está nas salas dos arquivos, escondidas entre os corredores do movimentado museu, que agrega um valor gigantesco para a ciência. São peças coletadas há mais de 50 anos que formam a história do incrível do local.

Uma das salas é composta por inúmeros corpos de aves e mamíferos. Pode parecer sombrio, mas o coordenador das coleções científicas do museu, professor Carlos Alberto Lucena, garante que cada animal foi doado após serem encontrados mortos e que acervos como este ajudam a conhecer a biodiversidade. “O que colecionamos aqui é o que vai fazer com que as áreas pesquisem a existência de novas espécies em determinadas regiões”, diz.
Os insetos chegam congelados para os biólogos
(Foto: RBS TV / Reprodução)

Na sala, a temperatura e umidade do ambiente são controladas para evitar o ataque de insetos e fungos. Usados por pesquisadores, muitos animais que estão no local serviram de base para o conhecimento da espécie.

A maior coleção do acervo reúne mais de 450 mil espécies de peixes. “A coleção abriga algumas espécies que não são naturais das drenagens do Brasil. Temos um exemplar de cat fish americano coletado no Rio dos Sinos, que já não está mais restrito em suas criações”, completa o coordenador.

O biólogo Juliano Romanzini prefere a coleção de insetos. Ele é um dos responsáveis pela montagem e manutenção do acervo, que precisa ser feita com muita delicadeza, habilidade e paciência. “O pesquisador traz o inseto para a gente no laboratório e, em alguns casos, ele vem congelado. A gente descongela e faz a montagem com alfinetes especiais e cada ordem de inseto tem um local prévio para ser colocado esse alfinete”, conta Juliano.

No subsolo do museu, há também o acervo de plantas e fungos. O odor muda de acordo com cada reservatório. Em um deles, por exemplo, o cheiro de cânfora predomina, já que é usada para preservar o material. Existem plantas coletadas em 1933, em Caxias do Sul, na serra gaúcha, e em 1944, no Morro Santana, em Porto Alegre.

O professor de paleontologia Marco Brandalise adora trabalhar com esses acervos. “O passado reserva grandes surpresas para nós, quando trabalhamos com pesquisa de paleontologia. Nós temos exemplares de rincossauros, que foram répteis importantes aqui no triássico do Rio Grande do Sul”, orgulha-se o professor.

Algumas peças das coleções às vezes deixam o subsolo pra serem expostas ao público no museu ou até mesmo em escolas, em ações educativas. Tudo é preservado com muito cuidado, de olho no futuro. “Uma coleção científica é para sempre. Por isso, o cuidado curatorial dela é constante, porque não será feito pra mim, vai ser para sempre”, afirma o coordenador Carlos Alberto Lucena.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti 
http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2015/06/museu-cientifico-reune-mais-de-35-milhoes-de-pecas-em-acervo-no-rs.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário