Google+ Followers

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Kyoto, the Capital for 1,000 years, aspires to hold the Creative Workshop of the 21st century. -- Kyoto, o Capital por 1.000 anos, aspira a manter o Oficina Criativa do século 21

Few cities in the world have a history spanning over a millennium. Kyoto was Japan’s capital for 1,000 years and the center of imperial culture, boasting of being the forefront in craft and sophisticated goods. Groups of expert artists and craftspeople gathered in this imperial city and it became the source of Japan’s beauty and culture. One archeologist conducting an excavation in Kyoto stated, “There are thirty times more artifacts discovered in Kyoto than in other regions. There are nearly ten distinct layers from the Yayoi period through the Heian period to the end of the Edo period.”



Emperor Kammu decided to move the capital to Kyoto in 794, after his previous capital became plagued with political unrest and various disasters. The location and construction method was chosen using feng shui, the science of the day, so to speak. Situated in a basin surrounded by mountains to the north, east, and west, the area was blessed with fresh water from the Kibune, while wild birds frolicked on the banks of the Kamogawa River, which ran through the middle of town. An ancient breath still permeates the World Heritage-listed Tadasu no Mori Forest at the Shimogamo Shrine.

There are 17 World Heritage sites in Kyoto Prefecture, which is the highest number anywhere in Japan. Kyoto is also known as the venue where the Kyoto Protocol was signed. Innumerable shrines and temples link the mountainous countryside to areas of human habitation; their gardens make use of “borrowed scenery” to accentuate the changing of seasons in harmony with the surrounding environment. The entire Kyoto is Japanese culture concentrated into one beautiful garden. The gardens lush with vegetation change each season with their cherry blossoms and autumn leaves, while the dry landscape gardens such as the rock garden at Ryoanji Temple, made only of sand and rocks, are praised by international artists and appreciators of culture. Steve Jobs, the innovator who led the world into the 21st century, stated in his autobiography that he was inspired by the dry landscape gardens of Kyoto. It is no exaggeration that Kyoto’s traditions have been a source of inspiration for innovation.

Kyoto became a city during the Heian period. At that time, Japan’s colorful dynastic culture blossomed, with literature such as The Tale of the Genji coming to the fore. Even under samurai rule in the Muromachi and Azuchi-Momoyama periods, the foundations of traditional Japanese culture were being laid in the form of the tea ceremony, Noh, Ikebana, and Kabuki. Artists, Buddhist sculptors, carpenters, and artisans in various fields who were employed by the court or at the shrines and temples began to emulate techniques, and traditional culture began to be handed down. Surrounded by mountains, blessed with pure water, and a refined sensitivity to the changes in nature like a color print depicting the four seasons—this was beauty cultivated by a refined sense of esthetics. Architecture and gardens, pictures and partition paintings, Buddhist sculptures, crafts, classical theater—the traditional culture continues to live in the present day in this thousand-year-old city, with over a thousand shrines, temples, and shops. Makers of Nishijin fabrics, Kyoyaki ceramics, Kyoto cuisine, and Kyogashi sweets have charge over the esthetics in their respective fields. Wandering into a back alley, one might see a bamboo artisan weaving bamboo, a yūzen craftsman dyeing ceramics, or a picture framer mounting a Japanese painting. Students at our university have the opportunity to visit the workshops of these artisans who are the custodians of traditional fine arts, experience these places of creation, and be introduced into the field. Kyoto is a living museum. Living in Kyoto provides our students with the opportunity to research their own topics using all five senses to the fullest.

While one might think of Kyoto in terms of shrines, temples, and traditional industries, there also exist many industries in Kyoto that have developed epoch-breaking, cutting-edge technology. These include Kyocera, Nintendo, Omron, ROHM, Shimadzu, Wacoal, and Takara Shuzo. These industries have reference libraries and research laboratories, and, behind the scenes, they work closely with educational institutions through industry-academy collaboration.

Kyoto has so many universities that it is known as a “university city.” Its specialized universities such as Kyoto University, which is one of Japan’s national universities, arts universities such as ours, or Buddhist universities are training a new generation of young people in the unique academic traditions of Kyoto. Kyoto is well known for its free and creative researchers. This is symbolized by Kyoto University, the alma mater of Hideki Yukawa, Japan’s first Nobel Prize laureate. The university is even now receiving worldwide attention for iPS cell research spearheaded by Professor Shinya Yamanaka. Many of these universities have facilities such as art galleries, museums, and reference libraries. The Kyoto University Museum Collaboration was recently established to involve the general public in its activities.

The temples and artisan’s workshops, which are the custodians of tradition, are collaborating with young artists and innovative companies to begin new creative projects for society. Kyoto is not simply a thousand-year-old time capsule. Tradition and innovation go hand in hand in this city where young people gather with respect for tradition, awareness of their environment, and a dream to advance into the future. This is the beginning of a 21st century renaissance.

Architecture/Sculpture

Buddhist Statues in their Original Settings in Historical Buildings

There are more than a thousand temples and shrines in Kyoto, standing serenely against backdrops of mountains, valleys, or rivers, and providing a calm oasis on busy streets. Seventeen of these have been world-heritage listed and are cultural treasures of ancient Kyoto, such as Kiyomizu-dera, Rokuonji (Kinkakuji), Jishouji (Ginkakuji),Ryoan-ji, Toji, and Byodo-in. Although many of these temples were rebuilt due to earthquakes or after being burned down during wars, such as the Ōnin War, many of them are now already several hundred years old and are valuable cultural assets, boasting world-class traditional wooden architecture. The image of Amitabha Tathagata, crafted by Jocho Busshi, revered at the temple of Byodo-in in Uj, as well as in its Hōō-dō (Phoenix Hall), remains as it was when it was erected around one thousand years ago; the image is a priceless embodiment depicting Sukhavati as it existed in the minds of noblemen at the time. Although Toji is a recreation of the original, the layout of the temple, including that of statues of Buddha within the auditorium, follows the arrangement given in the plans by Kukai when the temple was founded. 



One can experience the mastery of the sculptures, which are pure esoteric Buddhist sculpture, with all five senses as a three-dimensional mandala. Through art, one can experience the worldview of Kukai, Japan’s greatest producer of Buddhism. The five-story pagoda (re-built in 1644) is 55 meters high, and is the tallest wooden pagoda in Japan. Its construction, with the central pillar placed simply on the stone base, has been a point of reference for earthquake-resistant construction of modern-day high-rise buildings. A visit from Tadasu-no-Mori Forest to Shimogamo Shrine gives a vicarious sense of the essence of Shinto and the nature worship of the ancients, who sensed divinity in the trees and pure water.

Gardens

A distinguishing characteristic of Japan’s gardens is the way in which buildings and borrowed scenery—designs that incorporate the surrounding natural landscapes such as mountains—are synthesized into a garden. There are a great variety of gardens in Kyoto, from the Kyoto Imperial Palace, shrine and temple grounds, the mansions of the wealthy and villa gardens, to small townhouse gardens. Classic examples would be the Shugakuin Imperial Villa and the Katsura Imperial Villa, constructed in the 17th century. As the power of the imperial court started to decline during the Edo period, the abdicated Emperor Go-Mizunoo turned to culture to display the significance of the imperial court’s existence. The cultural essence of the aristocracy was confined to buildings and gardens.* The Katsura Imperial Villa, which was built for Go-Mizunoo’s imperial outings, was the main cultural salons of the day; the Shugakuin Imperial Villa, designed by Go-Mizunoo himself, shine with the last rays of the beauty of dynastic culture. 



Students at this university can contribute to the preservation of our cultural heritage by participating in activities, such as cleaning and trimming of the Katsura Imperial Villa garden, as part of their class work. Students also have the opportunity to visit and experience different types of gardens, such as the rock garden at Ryoan-ji, together with experts in the field.

The Beauty of Paintings and Partition Paintings

For a thousand years, Kyoto has attracted artists from all over Japan, competing for the patronage of the imperial court and the shrines and temples. Kyoto has been leading the Japanese art since the introduction of Buddhism to Japan, throughout the Edo period when the culture of nobles and merchants flourished, and to the present day. Buddhist art thrived in the Heian and Muromachi periods; outstanding works that were produced and adorned temples are now national treasures and important cultural property. Painters such as those from Kanō school, Sesshū, Hasegawa Tōhaku, Tarawaya Sōtatsu, Ogata Kōrin, Maruyama Ōkyo, and Itō Jakuchū were active from the Muromachi period to the Edo period, showcasing their talent on the canvases of sliding and folding screens. Many of these works have been donated to museums, since they are valuable important cultural properties. Although most of them are not ordinarily open to the public, they can be appreciated at special exhibitions and openings during spring and fall. For example, Jakuchū was born into a greengrocer family in the Nishiki market district, and developed an ultra-realist style of painting from carefully observing chickens in his own garden. 



Many of his works are preserved at Shōkokuji because he converted to Buddhism and maintained a friendship with the abbot of that temple. The Heavenly Dragon, said to have been painted by Kanō Mitsunobu, is a painting of a huge dragon on the ceiling of the lecture hall at Shōkokuji. By looking at these paintings, one can gain a sense of the workings of minds of these painters, feel the power of the place involved in their productions, and examine the records held at the temple. Moreover, a movement has begun in Kyoto’s temples to commission works by modern artists and train young artists. Creating and displaying works in these historical temples is no longer an unattainable dream.

Festivals and Events in Kyoto


There are various festivals and events in Kyoto throughout all four seasons. The most representative of these are the Three Major Festivals: the Hollyhock Festival (May), the Gion Festival (July), and the Festival of the Ages (October). The Gion Festival began in 869A.D. with the erection of 66 halberds to intercede with the gods to stop the spread of a plague at the time. In recent days, the festivities start on July 1 and last around one month. The greatest highlight is the float parade, with Shijō Street so crowded with spectators that movement is impossible. The festival floats from each neighborhood are also considered important cultural property, and are dazzlingly decorated with 16th- and 17th-century Belgian tapestries and traditional carvings by the legendary sculptor Hidari Jingorō. Local community leaders show-off the wealth and beauty of their neighborhoods through the extravagance of their festival floats. During the small festival on the eve of the float parade, shrine parishioners play Gion festival music on flutes, gongs, and drums from atop their decorated mountains or halberds, while families put on their heirlooms or display prized folding screens or works of art. As such, the whole neighborhood becomes like a gallery. The “Gozan no Oukribi,” another special attraction in the summer, is a traditional Kyoto event to send-off the spirits of the ancestors invited during O-Bon. This festival requires a lot of work behind the scenes, such as transporting large amounts of firewood to the surrounding mountains, arrange it in the shape of the characters, and set it alight. Students at this university can volunteer to take part in this work, thus, supporting a traditional Kyoto event and experiencing a festival from the perspective of the organizers.


Gion Festival


Gion Festival "Special Reserved Seating" Information The Gion Festival is famous for being one of the three great festivals of Japan. In order to comfortably view the Gion parade, please take advantage of this special reserved seating. KYOTO CITY TOURISM ASSOCIATION TEL +81-(0)75-752-7070

Tea Ceremonies and Ikebana

Tea ceremonies and Ikebana are typical modern Japanese cultural traditions. These traditions, which have had a major influence on Japanese art, can have their origins traced back to the Muromachi period in Kyoto. During the Muromachi period, Murata Shukō, who studied Zen under Ikkyū Sōjun of Daitokuji, advocated wabi-cha (the tea ceremony), which was perfected by Sen-no-Rikyū in the Azuchi-Momoyama period. As Warring States warlords battled to gain control over the entire country, the tea ceremony became a place for exchanging information and strategy as well as a stage for politics and diplomacy. Sen-no-Rikyū was an actively participated in politics and culture and interacted over tea with conquering leaders such as Oda Nobunaga and Toyotomi Hideyoshi. Rikyū’s “forlorn” esthetics, which seek beauty in simple tools used in daily life and rustic, thatched-roofed tea huts, has had a major impact on the Japanese esthetic sense. Tai-an, a miniscule, two-tatami tea hut made by Rikyū, still exists in Oyamazaki-cho, providing inspiration not only to tea masters but also to architects and designers as well. The san-Senke, the descendants of Sen-no-Rikyū, are based in Kyoto to this day and continue to uphold his teachings. Ikebana is thought to have originated in Rokkakudō in Kyoto in the form of floral offerings to the Buddha. Tachibana began in the Muromachi period as a way of decorating alcoves in traditional buildings; this practice developed into Ikebana. The Rokkakudō area was also home to Ikenobo, the founder of Ikebana; modern Ikebana is followed there by interacting with tradition.

Japanese Classical Theater/Noh and Kabuki


Noh developed from dengaku—ritual religious performances—and sarugaku theater, and was perfected by the father and son duo, Kanami and Zeami Motokiyo in the Muromachi period. The plays developed into stories of women, military commanders, priests, ghosts, and gods who freely crossed space and time to travel between the present and past (now and hereafter). The stage is a space of about six square meters, stripped of all decoration, with a passageway to the backstage. The masked shite performs a shuffling dance of restrained tension, inviting the audience into a world of delicate beauty. Zeami’s noh was the pinnacle of the Kitayama culture that developed out of Rokuonji (Kinkakuji) under the Muromachi shogun Ashikaga Yoshimitsu. The noh that was succeeded by actors of the Kanzeand Kongō schools can be seen in noh theaters and temples or shrines in Kyoto, and there are many opportunities to practice noh skills. Costumes and masks that belong to heads of noh schools are available for public view when they are being aired out, which is a valuable opportunity for researchers of noh costumes.

photo_Toshihiro Shimizu


Kabuki is also a typical traditional form of Japanese performing arts. The dry river bed of Shijōgawara is said to be the birthplace of kabuki, where Izumo no Okuni first danced her kabuki. Kabuki at Minamiza draws many spectators even in modern times. There are also shrines in Kyoto that showcase a primitive form of music and dancing every month; there are still many forms of performing arts with abundant folkloristic interest, such as the Mibu kyogen of Mibudera Temple. This university’s kabuki theater—Shunjuza—hosts public performances such as noh and kabuki plays by current leading performers, as well as workshops and symposia, providing more opportunities for fieldwork experiences; this enables scholars to pursue integrated academic research on classical theater.

fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.kyoto-art.ac.jp/


--br
Kyoto, o Capital por 1.000 anos, aspira a manter o Oficina Criativa do século 21

Poucas cidades no mundo têm uma história de mais de um milênio. Kyoto era a capital do Japão por 1.000 anos e o centro da cultura imperial, vangloriando-se de ser a vanguarda em artesanato e produtos sofisticados. Grupos de artistas e artesãos especialistas reunidos nesta cidade imperial e tornou-se a fonte de beleza e cultura do Japão. Um arqueólogo realização de uma escavação em Kyoto, declarou: "Há trinta vezes mais artefatos descobertos em Kyoto que em outras regiões. Há quase dez camadas distintas do período Yayoi durante o período Heian para o final do período de Edo. "

Imperador Kammu decidiu mudar a capital para Kyoto em 794, depois de seu capital social anterior tornou-se atormentado com agitação política e vários desastres. O método de localização e construção foi escolhido usando feng shui, a ciência do dia, por assim dizer. Situado em uma bacia cercada por montanhas ao norte, leste e oeste, a área foi abençoado com água fresca do Kibune, enquanto aves selvagens brincavam nas margens do Rio Kamogawa, que corriam pelo meio da cidade. Uma respiração antiga ainda permeia o Tadasu Patrimônio da Humanidade no Mori Floresta no Santuário Shimogamo.

Há 17 sítios do Patrimônio Mundial em Prefeitura de Quioto, que é o número mais alto em qualquer lugar no Japão. Kyoto também é conhecido como o local onde o Protocolo de Quioto foi assinado. Inumeráveis ​​santuários e templos vincular a paisagem montanhosa para as áreas de habitação humana; seus jardins fazem uso de "cenário emprestado" para acentuar a mudança das estações em harmonia com o ambiente circundante. Toda a Kyoto é cultura japonesa concentrada em um belo jardim. Os jardins exuberantes, com mudança da vegetação a cada temporada com suas flores de cereja e folhas de outono, enquanto os jardins da paisagem secos, como o jardim de rocha no templo de Ryoanji, feita apenas de areia e rochas, são elogiados por artistas e apreciadores da cultura internacional. Steve Jobs, o inovador que liderou o mundo no século 21, afirmou em sua autobiografia que ele foi inspirada pelos jardins paisagem seca de Kyoto. Não é exagero que as tradições de Kyoto têm sido uma fonte de inspiração para a inovação.

Kyoto tornou-se uma cidade durante o período Heian. Naquela época, colorido cultura dinástica do Japão floresceu, com a literatura, como O Conto de Genji vindo à tona. Mesmo sob o governo samurai nos períodos Muromachi e Azuchi-Momoyama, os fundamentos da cultura tradicional japonesa foram sendo colocados sob a forma de cerimônia do chá, Noh, Ikebana, e Kabuki. Artistas, escultores, carpinteiros, budistas e artesãos em vários campos que foram empregados pelo tribunal ou nos santuários e templos começaram a imitar técnicas, e cultura tradicional começou a ser proferida. Rodeado por montanhas, abençoado com água pura, e uma sensibilidade refinada para as mudanças na natureza como uma impressão em cores que representam as quatro estações-este foi cultivado beleza por um refinado sentido de estética. Arquitetura e jardins, imagens e partição pinturas, esculturas budistas, artesanato, teatro-a cultura tradicional clássico continua a viver nos dias de hoje, nesta cidade de mil anos de idade, com mais de mil santuários, templos e lojas. Os fabricantes de tecidos, cerâmicas Nishijin Kyoyaki, cozinha Quioto, e doces Kyogashi intendentes a estética em seus respectivos campos. Vagando em um beco, pode-se ver um bambu artesanal tecelagem, um artesão yuzen cerâmica tingimento, ou um conspirador imagem a montagem de uma pintura japonesa. Os alunos da nossa universidade tem a oportunidade de visitar as oficinas de artesãos estes que são os guardiões de artes tradicionais, a experiência desses lugares de criação, e ser introduzida no campo. Kyoto é um museu vivo. Vivendo em Kyoto fornece aos nossos alunos a oportunidade de pesquisar seus próprios tópicos usando os cinco sentidos ao máximo.

Embora se possa pensar de Quioto em termos de santuários, templos e indústrias tradicionais, também existem muitas indústrias em Kyoto que se desenvolveram época de quebra, tecnologia de ponta. Estes incluem Kyocera, Nintendo, Omron, ROHM, Shimadzu, Wacoal, e Takara Shuzo. Estas indústrias têm bibliotecas de referência e laboratórios de investigação, e, nos bastidores, eles trabalham em estreita colaboração com as instituições de ensino através da colaboração indústria-academia.

Kyoto tem tantas universidades que é conhecida como a "cidade universitária". Suas universidades especializadas, como a Universidade de Kyoto, que é uma das universidades nacionais do Japão, as universidades de artes como a nossa, ou universidades budistas estão treinando uma nova geração de jovens na as tradições acadêmicas únicas de Kyoto. Kyoto é bem conhecido por seus pesquisadores livres e criativas. Isto é simbolizado pela Universidade de Kyoto, a alma mater de Hideki Yukawa, primeiro laureado com o Prêmio Nobel do Japão. A universidade está mesmo agora a receber a atenção do mundo para a pesquisa com células iPS liderada pelo professor Shinya Yamanaka. Muitas dessas universidades têm facilidades, tais como galerias de arte, museus e bibliotecas de referência. A Colaboração Museu da Universidade de Kyoto foi recentemente criado para envolver o público em geral em suas atividades.

Os templos e lojas de artesãos, que são os guardiões da tradição, estão colaborando com jovens artistas e empresas inovadoras para começar novos projetos criativos para a sociedade. Kyoto não é simplesmente uma cápsula do tempo de mil anos de idade. Tradição e inovação andam de mãos dadas nesta cidade onde os jovens se reúnem com respeito pela tradição, a consciência de seu ambiente, e um sonho para avançar para o futuro. Este é o início de um renascimento do século 21.

Arquitetura / Escultura

Estátuas budistas em suas configurações originais em Edifícios Históricos

Há mais de mil templos e santuários em Kyoto, em pé serenamente contra panos de fundo de montanhas, vales, rios ou, e proporcionando um oásis de calma em ruas movimentadas. Dezessete deles foram listados como património mundial e são tesouros culturais de Kyoto antigo, como Kiyomizu-dera, Rokuonji (Kinkakuji), Jishouji (Ginkakuji), Ryoan-ji, Toji, e Byodo-in. Embora muitos desses templos foram reconstruídos devido a terremotos ou depois de ter sido incendiada durante as guerras, como a Guerra Onin, muitos deles já são agora várias centenas de anos de idade e que os bens culturais valiosos, vangloriando-se de classe mundial arquitetura de madeira tradicional. A imagem de Amitabha Tathagata, trabalhada por Jocho Busshi, reverenciado no templo de Byodo-in no Uj, bem como na sua Hoo-DO (Phoenix Hall), permanece como era quando foi erguido em torno de mil anos atrás; a imagem é uma forma de realização de valor inestimável que descreve Sukhavati, tal como existia na mente dos nobres na época. Embora Toji é uma recriação do original, o layout do templo, incluindo o de estátuas de Buda dentro do auditório, segue o arranjo dado nos planos por Kukai quando o templo foi fundado. Pode-se experimentar o domínio das esculturas, que são escultura budista esotérica pura, com todos os cinco sentidos como uma mandala tridimensional. Através da arte, pode-se experimentar a visão de mundo de Kukai, maior produtor do budismo do Japão. O pagode de cinco andares (re-construída em 1644) é de 55 metros de altura, e é o mais alto madeira pagode do Japão. Sua construção, com o pilar central colocado simplesmente na base de pedra, tem sido um ponto de referência para a construção terremoto-resistente de modernos arranha-céus. A visita de Tadasu-no-Mori Floresta para Shimogamo Santuário dá um sentido vicário da essência do Xintoísmo eo culto natureza dos antigos, que sensoriamento divindade nas árvores e água pura.

Jardins

Uma característica distintiva da jardins do Japão é a maneira pela qual os edifícios e cenário emprestados-projetos que incorporam as paisagens naturais circundantes, como montanhas-são sintetizados em um jardim. Há uma grande variedade de jardins em Kyoto, a partir do Palácio Imperial de Kyoto, santuário motivos e do templo, as mansões dos ricos e villa jardins, para pequenos jardins casa na cidade. Exemplos clássicos seria a Vila Imperial Shugakuin e da Vila Imperial Katsura, construído no século 17. À medida que o poder da corte imperial começou a diminuir durante o período Edo, o imperador abdicou Go-Mizunoo virou-se para a cultura para mostrar a importância da existência da corte imperial. A essência cultural da aristocracia foi confinado a edifícios e jardins * A Vila Imperial Katsura, que foi construído para passeios imperiais da Go-Mizunoo, foram os principais salões culturais da época.; Imperial Villa Shugakuin, desenhado pelo próprio Go-Mizunoo, brilhar com os últimos raios de a beleza da cultura dinástica. Os alunos desta universidade podem contribuir para a preservação do nosso património cultural através da participação em actividades, tais como a limpeza e aparar o jardim de Katsura Vila Imperial, como parte de seu trabalho de classe. Os alunos também têm a oportunidade de visitar e conhecer diferentes tipos de jardins, como o jardim de rocha em Ryoan-ji, em conjunto com especialistas na área.

A beleza de Pinturas e Pinturas de Partição

Por mil anos, Kyoto tem atraído artistas de todo o Japão, competindo para o patrocínio da corte imperial e os santuários e templos. Kyoto tem vindo a liderar a arte japonesa desde a introdução do budismo no Japão, durante todo o período Edo quando a cultura de nobres e mercadores floresceu, e até os dias atuais. Arte budista prosperou nos períodos Heian e Muromachi; obras pendentes que foram produzidos e templos adornados agora são tesouros nacionais e propriedade cultural importante. Pintores como os da escola Kanō, Sesshu, Hasegawa Tohaku, Tarawaya Sotatsu, Ogata Kōrin, Maruyama Ōkyo, e Itō Jakuchū estavam ativos desde o período Muromachi para o período Edo, mostrando seu talento nas telas de correr e de fole telas. Muitas dessas obras foram doadas a museus, uma vez que são valiosos importantes propriedades culturais. Embora a maioria deles não são normalmente abertos ao público, que pode ser apreciada em exposições especiais e aberturas durante a primavera eo outono. Por exemplo, Jakuchū nasceu em uma família verdureiro no distrito de mercado Nishiki, e desenvolveu um estilo ultra-realista da pintura a partir cuidadosamente observando galinhas em seu próprio jardim. Muitas de suas obras são preservadas em Shokokuji porque ele se converteu ao budismo e manteve uma amizade com o abade desse templo. O Dragão Celestial, disse ter sido pintado por Kanō Mitsunobu, é uma pintura de um enorme dragão no teto da sala de aula em Shokokuji. Ao olhar para estas pinturas, pode-se ter uma noção do funcionamento das mentes desses pintores, sentir o poder do lugar envolvido em suas produções, e examinar os registros mantidos no templo. Além disso, um movimento começou nos templos de Kyoto para comissionar obras de artistas modernos e treinar jovens artistas. Criação e exibição de obras nesses templos históricos não é mais um sonho inatingível.

Festas e Eventos em Kyoto


Existem vários festivais e eventos em Kyoto, em todas as quatro estações. O mais representativo de Estas são as três principais festivais: o Festival Hollyhock (Maio), o Festival Gion (julho) eo Festival da Idade (outubro). O Festival Gion começou em 869A.D. com a construção de 66 alabardas para interceder com os deuses para parar a propagação de uma praga no momento. Nos últimos dias, as festividades começam em 1 de Julho e durar cerca de um mês. O maior destaque é o carro alegórico, com Shijo Street para lotado de espectadores que o movimento é impossível. Os flutuadores do festival de cada bairro também são considerados propriedade cultural importante, e são deslumbrantemente decorados com 16th- e do século 17 tapeçarias belgas e esculturas tradicionais do escultor lendário Hidari Jingoro. Líderes comunitários locais mostram-off a riqueza ea beleza de seus bairros através da extravagância de seus flutuadores do festival. Durante o pequeno festival na véspera do desfile float, paroquianos santuário jogar Gion festival de música em flautas, tambores e gongos, do alto de suas montanhas ou alabardas decorados, enquanto as famílias colocam suas heranças ou exibir premiado biombos ou obras de arte. Como tal, toda a vizinhança se torna como uma galeria. O "Gozã não Oukribi", outra atração especial no verão, é um evento tradicional Kyoto para enviar-off os espíritos dos antepassados ​​convidados durante a O-Bon. Este festival requer muito trabalho nos bastidores, como o transporte de grandes quantidades de lenha para as montanhas circundantes, organizá-lo na forma dos personagens, e coloque isso aceso. Os alunos desta universidade pode se voluntariar para participar neste trabalho, assim, apoiando um evento tradicional Kyoto e experimentar um festival a partir da perspectiva dos organizadores.


Gion Festival


Gion Festival "Special reservados Estar" Informações O Gion Festival é famoso por ser um dos três grandes festivais do Japão. Para visualizar confortavelmente o desfile Gion, por favor, tirar proveito desse assento reservado especial. Kyoto City Associação de Turismo TEL + 81- (0) 75-752-7070

Tea Cerimônias e Ikebana

Cerimónias de chá e Ikebana são tradições culturais japonesas modernas típicas. Essas tradições, que tiveram uma grande influência na arte japonesa, pode ter suas origens remontam ao período Muromachi em Kyoto. Durante o período de Muromachi, Murata Shuko, que estudou sob Zen Ikkyu Sojun de Daitokuji, defendeu wabi-cha (cerimônia do chá), que foi aperfeiçoada por Sen-no-Rikyū no período Azuchi-Momoyama. Como Reinos Combatentes senhores da guerra lutaram para ganhar o controle sobre todo o país, a cerimônia do chá tornou-se um lugar para troca de informações e estratégia, bem como um palco para a política e diplomacia. Sen-no-Rikyū foi um participou activamente na política e na cultura e interagiram durante o chá com a conquista líderes como Oda Nobunaga e Toyotomi Hideyoshi. Estética do Rikyu "desamparados", que buscam beleza em ferramentas simples utilizados na vida diária e rústico, cabanas de colmo de chá-telhadas, teve um grande impacto sobre o sentido estético japonês. Tai-um, um minúsculo, de dois tatami cabana chá feito por Rikyū, ainda existe em Oyamazaki-cho, proporcionando inspiração não só para mestres do chá, mas também para arquitetos e designers também. O san-Senke, os descendentes de Sen-no-Rikyū, são baseados em Kyoto até hoje e continuar a defender os seus ensinamentos. Ikebana é pensado para ter originado em Rokkakudo em Quioto, em forma de oferendas florais ao Buda. Tachibana começou no período Muromachi como uma maneira de decorar alcovas em edifícios tradicionais; esta prática desenvolveu-se Ikebana. A área Rokkakudo também foi a casa de Ikenobo, o fundador da Ikebana; Ikebana moderno é seguido lá, interagindo com a tradição.

Teatro Clássico japonês / Noh e Kabuki


Noh desenvolvido a partir de performances e-Sarugaku religioso teatro dengaku-ritual, e foi aperfeiçoado pela dupla pai e filho, Kanami e Zeami no período Muromachi. Os jogos desenvolvidos em histórias de mulheres, comandantes militares, sacerdotes, fantasmas e deuses que livremente cruzados espaço e tempo para viajar entre o presente eo passado (agora e no futuro). O palco é um espaço de cerca de seis metros quadrados, despojado de toda a decoração, com uma passagem para os bastidores. O shite mascarado executa uma dança baralhar de tensão contida, convidando o público a um mundo de beleza delicada. Noh de Zeami foi o auge da cultura Kitayama que se desenvolveu a partir de Rokuonji (Kinkakuji) sob o shogun Yoshimitsu Ashikaga Muromachi. O Noh que foi sucedido por atores das escolas Kanzeand Kongo pode ser visto nos cinemas Noh e templos ou santuários em Quioto, e há muitas oportunidades para praticar habilidades de Noh. Fantasias e máscaras que pertencem a chefes de escolas Noh estão disponíveis para visualização pública quando estão sendo ventilado, o que é uma oportunidade valiosa para os investigadores de trajes Noh.


photo_Toshihiro Shimizu



Kabuki é também uma forma tradicional típica de artes japonesas do espectáculo. O leito de rio seco do Shijōgawara é dito ser o local de nascimento de kabuki, onde não Izumo Okuni primeiro dançou sua kabuki. Kabuki em Minamiza atrai muitos espectadores mesmo em tempos modernos. Há também são santuários em Quioto, que mostram uma forma primitiva de música e dança a cada mês; ainda há muitas formas de artes cênicas com interesse folclórico abundantes, como o kyogen Mibu de Mibudera Temple. Teatro Kabuki-Shunjuza-anfitriões deste universitários performances públicas, tais como Noh e Kabuki peças de artistas atuais líderes, bem como workshops e simpósios, proporcionando mais oportunidades para experiências de trabalho de campo; isso permite que os estudiosos a prosseguir a investigação académica integrada no teatro clássico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário