Google+ Followers

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Museu do Índio, Rio de Janeiro , Brasil, abre exposição com “chuva de miçangas”

A miçanga é, desde sua origem, associada à viagem. Fácil de carregar e sedutora pelo brilho, dureza e colorido, a miçanga se transforma rapidamente em matéria prima cobiçada para a arte de produzir enfeites a amarrar o corpo e enfeitar artefatos rituais entre muitos povos do mundo.

Rio de Janeiro foi presenteado com a belíssima exposição de longa duração "No caminho da miçanga – um mundo que se faz de contas", aberta a visitação pública no Museu do Índio, sob a curadoria de Els Lagrou.


Foto: Mário Vilela/Funai



Dos convidados só se ouvia que a chuva de granizo que caia era na verdade de miçangas, um bom presságio, um momento de lavagem espiritual. E era exatamente assim que todos se sentiam ao percorrer os caminhos da exposição que revela uma parte da enorme diversidade e riqueza, com peças feitas em miçanga por povos indígenas do Brasil e do mundo.

Para o diretor, José Levinho, servidores e colaboradores que participaram de todo o processo de construção de "No caminho da miçanga – um mundo que se faz de contas" esta é uma exposição diferente das outras que o Museu do Índio já promoveu por reunir, pela primeira vez, peças e filmes produzidos por artesãos e cineastas de 24 etnias do Brasil, além de 18 da África, Ásia e das Américas. "São mais de quatro mil objetos confeccionados por seis toneladas de miçanga, que reproduzem inúmeros padrões diferentes, formas de relação com o mundo, com a natureza e também a forma de produção de cultura material sustentável'", afirmou Levinho e concluiu, "É a única matéria prima que o ocidente produz e os povos indígenas transformam".


Foto: Mário Vilela/Funai

O processo de trabalho durou cerca de cinco anos e contou com a participação de inúmeros pesquisadores e povos indígenas por meio do Programa de Documentação de Línguas e Culturas Indígenas, o Progdoc.

A exposição que conta com a parceria da UNESCO e do Programa de Pós Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro IFCS-UFRJ, procura mostrar a importância da cultura material para os diferentes povos de todos os continentes. Nesse caso, destaque para essa preciosa matéria prima apropriada por quase todas as culturas – a miçanga. Objeto que inspira e faz construir novas relações com o outro. Contas de vidro que exercem fascínio desde a Antiguidade até os dias de hoje.

São as mulheres indígenas, exímias artesãs que transformam essas pequeninas peças em arte complexa e fascinante, que com mãos, linhas e contas tecem verdadeiras obras primas, registros fundamentais da história e cosmologia de seus povos.


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti http://www.funai.gov.br/

Expo Micanga MI-foto MarioVilela-Funai-262.jpgOK.jpgokok
Foto: Mário Vilela/Funai

Nenhum comentário:

Postar um comentário