Google+ Followers

domingo, 15 de novembro de 2015

Paris tem sábado atípico com lojas e pontos turísticos vazios

Lojas de departamentos, grifes tradicionais, museus, torre Eiffel, avenida Champs Elysées: estes emblemáticos símbolos parisienses, disputados por turistas do mundo inteiro, estavam praticamente desertos neste sábado, acertados em cheio pelos atentados da noite de sexta-feira.



Os ataques simultâneos castigaram o centro de Paris, capital que está no primeiro lugar dos destinos turísticos do mundo, em um momento em que o governo fixou a meta ambiciosa de receber 100 milhões de turistas estrangeiros em 2020.

No sábado, os principais museus, entre eles o Louvre e o Palácio de Versalhes, várias salas de espetáculo, como a Ópera, assim como a Eurodisney permaneceram fechados. A Torre Eiffel, símbolo de Paris, não abrirá até nova ordem.

Às 9H30, em frente ao Louvre, apenas 15 pessoas aguardavam a abertura do museu. Entre eles, Lionel, um arquiteto de 45 anos, que veio de Genebra passar o fim de semana em Paris.

"Não tenho vontade de voltar a Genebra ou de me esconder em um hotel", explicou. "Espero que abram. Não se deve ser derrotista, senão não vamos ganhar deles", acrescentou, antes de o museu abrir para em seguida fechar as portas nas últimas horas da manhã.

As grandes lojas abriram as portas. Mas algumas delas decidiram por fim fechar horas depois.

Depois de ter manifestado sua "vontade de resistir", as Galeries Lafayette anunciaram em um comunicado que cederiam diante das "dificuldades de garantir uma qualidade de serviço ótima".

Diante das vitrines, já enfeitadas para o Natal, ninguém parava. Os bonecos animados se mexiam para pedestres apressados. Os soldados da sequência de Guerra nas Estrelas pareciam solitários, firmes, com suas armaduras brancas.

No bulevar Haussmann, grande rua comercial, agora patrulhada por policiais, uma mulher passa falando ao celular: "Não vá para as grandes lojas, de nada serve correr o risco de ir a um possível alvo", recomenda a mulher ao seu interlocutor.

Em frente à Printemps, outra célebre grande loja de departamentos, só os acessos adjacentes davam a leve impressão de movimento, graças a um grupo de chineses que aguardava para entrar, encabeçado por uma guia. Na sexta-feira, "estavam em Berlim e no domingo estarão em Roma, não estão sabendo de nada", diz a mulher.

"Durante três horas, depois de (os atentados de janeiro) Charlie Hebdo, não havia ninguém na loja, os clientes voltaram depois para as promoções, mas agora o que chega é para as festas de fim de ano", disse uma vendedora, preocupada.

O café Starbucks do bulevar está vazio. Desde a abertura, uma hora e meia antes, Brian, um dos garçons, só contou três clientes, que não demoraram em sair.

No mesmo momento, vendedoras da loja H&M põem precipitadamente cartazes que advertem: "para a segurança das nossas equipes e dos nossos clientes, estaremos fechados excepcionalmente hoje".

"São uns covardes, isto é tudo", protestou um cliente enquanto se distanciava.

Na praça da Concórdia, alguns turistas tiram fotos enquanto falam dos atentados da véspera.

Apesar de tudo, os parisienses levam o cachorro para passear, compram jornal e saem para correr, enquanto militares com roupas de combate patrulham as estações ferroviárias.

"Tenho medo de olhar as pessoas no rosto, do que podem pensar ou fazer. Eu sou árabe. Dá para notar?", disse Fátima, em um bar.

Luc, de 46 anos, entra no mesmo bar: "Não consigo entender. Dizem que frustraram atentados, que prenderam gente e agora tem caras que atiram contra todo mundo em uma casa de shows em plena Paris. Não é normal que não sejamos capazes de proteger esta cidade".

Paranoia

Franck e Astrid, que chegaram da cidade francesa de Vichy (centro) para celebrar seus 16 anos de casados, encontraram o museu de cera Grévin fechado em "solidariedade às vítimas", segundo sua diretora-geral, Béatrice Cristofari.

"Hesitamos, mas por fim decidimos sair", disse Franck.

Atacaram "um bar, um restaurante, uma casa de shows e o Stade de França (...) Vamos ficar com psicose, não há alternativa", continuou Astrid.

Dois casais de amigos belgas, que vieram a Paris passar o fim de semana, são fatalistas, lembrando que ao menos dois de seus compatriotas morreram nos atentados.

"Vivemos com medo, mas não vamos deixar de viajar, é o que os terroristas querem, que a gente não saia de casa", disse Jeanine, uma das mulheres.

O premiê belga, Charles Michel, pediu neste sábado que seus compatriotas evitem viajar a Paris "se não for estritamente necessário".

Na sofisticada avenida Montaigne, assim como a maioria das grifes, a 'maison' Gucci anuncia em um cartaz que permanecerá fechada. E na Champs Elysées, os terraços dos cafés da chamada "mais bela avenida do mundo" estão vazios. Na mesma avenida, as principais lojas de moda, como a Zara, estão fechadas.

Na praça da República, onde uma grande manifestação se seguiu aos atentados de janeiro em Paris, pedestres acendem velas e colocam papéis com poemas em homenagens aos mortos e feridos de sexta-feira. Policiais permitem que fiquem ali por alguns segundos para depois pedir que evitem permanecer agrupados. Por razões de segurança, o governo proibiu as aglomerações.




http://www.swissinfo.ch/por/paris-tem-s%C3%A1bado-at%C3%ADpico-com-lojas-e-pontos-tur%C3%ADsticos-vazios/41778518

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

Vamos compartilhar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário