Google+ Followers

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

The 400th anniversary of the death of William Shakespeare in 2016 will be marked at Windsor Castle. -- O 400º aniversário da morte de William Shakespeare em 2016 será no Castelo de Windsor.

With an exhibition celebrating the playwright's longstanding association with the town of Windsor and the royal court, the Royal Library will show how generations of monarchs since Elizabeth I have enjoyed the work of Britain's greatest playwright, whether acquiring copies of Shakespeare's work or producing art inspired by his plays.

William Shakespeare




Shakespeare in the Royal Library

The Elizabethan era saw the emergence of London as the centre of culture and commerce. Public performance thrived under the patronage of Elizabeth I, with the first permanent playhouses being built on the outskirts of the city from the 1560s. A print by Wenceslaus Hollar from 1647 shows the second Globe theatre, located close to the River Thames. The first theatre was destroyed by fire in 1613 during a performance of Shakespeare's Henry VIII. 

On display for the first time will be Shakespeare's First Folio acquired by George IV when Prince of Wales. Published seven years after Shakespeare's death by his friends and fellow actors, John Heminges and Henry Condell, it brought his plays together in a single volume for the first time and included a number of previously unpublished works.

One of the highlights of the display will be a copy of Shakespeare's Second Folio annotated by both Charles I and George III. Charles I probably read the folio, published in 1632, while he was imprisoned at Carisbrooke Castle before his execution in 1649. The King inscribed the words 'Dum Spiro Spero' (While I Breathe, I Hope) on the fly-leaf of the book and wrote the names of some of the characters from Shakespeare's comedies onto the contents page. The book subsequently passed to Sir Thomas Herbert and changed hands a number of times before being acquired for the Royal Library by George III in 1800. George III corrected a note in the book that identifies Sir Thomas Herbert as the King's Master of the Revels, stating that Herbert was in fact the Groom of the Bedchamber to Charles I.

Some of Shakespeare's plays were written with performance at the royal court in mind. The comedy 'The Merry Wives of Windsor', which directly links the playwright to the historic town and the Castle, was performed in front of Elizabeth I in around 1600. There are a number of copies of 'The Merry Wives of Windsor' in the Royal Collection, including a second quarto of the play (a book made up of a sheet folded to form four leaves) published in 1619, and a colourfully bound edition of the play presented to
Queen Mary in 1917, which includes an embroidered image of Windsor Castle on the front cover.

Also on display will be a number of items relating to Herne's Oak, a tree that features in 'The Merry Wives of Windsor' and is traditionally thought to have stood in the grounds of Windsor Home Park. A treatise on the identity of Herne's Oak published in 1867 by William Perry, Wood Carver to Queen Victoria, is bound using wood from a tree that was believed to be Herne's Oak. The book includes a certificate of authenticity signed by Perry stating that the wood had been given to him from the Royal Gardens, Windsor and has a photograph on its cover showing the tree before it fell in 1863.

A manuscript dated 1607 shows views of Windsor Castle and the surrounding area as Shakespeare would have known it. Created for Henry, Prince of Wales (eldest son of James I), The Description of the Honor of Windesor is one of only two copies and includes locations and landmarks mentioned in 'The Merry Wives of Windsor', and which still exist today.

Ends.

Shakespeare in the Royal Library is part of a visit to Windsor Castle, 13 February 2016 - January 2017.




fote: @edisonmariotti #edisonmariotti

colaboração: Anna Sarkisyan

https://www.royalcollection.org.uk/press-release/shakespeare-in-the-royal-library

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

vamos compartilhar






--br via tradutor do google

O 400º aniversário da morte de William Shakespeare em 2016 será no Castelo de Windsor.


Com uma exposição que comemora associação de longa data do dramaturgo com a cidade de Windsor e da corte real a Biblioteca Real vai mostrar como gerações de monarcas desde Elizabeth eu apreciei o trabalho do maior dramaturgo da Grã-Bretanha, se adquirir cópias da obra de Shakespeare ou produzir inspirado por suas peças de arte.

Shakespeare na Biblioteca Real
A era elisabetana viu o surgimento de Londres como centro de cultura e comércio. Execução pública prosperou sob o patrocínio de Elizabeth I, com os primeiros teatros permanentes sendo construída nos arredores da cidade a partir dos anos 1560. Uma cópia por Wenceslaus Hollar de 1647 mostra a segunda teatro Globe, localizado perto do rio Tamisa. O primeiro teatro foi destruído por um incêndio em 1613 durante uma performance de Shakespeare Henry VIII.

Em exibição pela primeira vez será First Folio de Shakespeare adquirido por George IV, quando o príncipe de Gales. Publicado sete anos após a morte de Shakespeare por seus amigos e colegas atores, John Henry Condell e Heminges, trouxe suas peças juntas em um único volume pela primeira vez e incluiu um número de obras inéditas.

Um dos destaques da mostra será uma cópia de Shakespeare Segundo Folio anotado por tanto Charles I e George III. Charles eu provavelmente ler o fólio, publicado em 1632, enquanto ele estava preso no castelo de Carisbrooke antes de sua execução em 1649. O Rei inscritas as palavras "Dum Spiro Spero" (Quando eu respirar, eu espero) sobre a folha-fly do livro e escreveu os nomes de alguns dos personagens de comédias de Shakespeare para a página de conteúdo. O livro, posteriormente, passou a Sir Thomas Herbert e mudou de mãos várias vezes antes de ser adquirida pela Biblioteca Real por George III em 1800. George III corrigida uma nota no livro que identifica Sir Thomas Herbert como mestre do Revels do Rei, declarando Herbert que era de fato o noivo do Bedchamber para Charles I.

Algumas das peças de Shakespeare foram escritas com o desempenho na corte real em mente. A comédia "As Alegres Comadres de Windsor", que liga diretamente o dramaturgo da cidade histórica e do Castelo, foi realizada na frente de Elizabeth I em torno de 1600. Há um número de cópias de 'As Alegres Comadres de Windsor "no Royal Collection, que inclui uma segunda Quarto da peça (um livro composta de uma folha dobrada de modo a formar quatro folhas), publicado em 1619, e uma edição colorida ligado do jogo apresentada a
Queen Mary, em 1917, que inclui uma imagem bordada do castelo de Windsor na capa.

Também em exibição será um número de itens relacionados com Carvalho de Herne, uma árvore que possui em "As Alegres Comadres de Windsor" e é tradicionalmente pensado para ter estado nas terras de Windsor Home Park. Um tratado sobre a identidade de Carvalho de Herne publicado em 1867 por William Perry, escultor de madeira à rainha Victoria, é obrigado a utilização de madeira de uma árvore que se acreditava ser Carvalho de Herne. O livro inclui um certificado de autenticidade assinado por Perry afirmando que a madeira tinha sido dado a ele a partir dos Jardins Reais, Windsor e tem uma fotografia em sua capa que mostra a árvore antes de cair em 1863.

Um manuscrito datado de 1607 mostra vistas de Castelo de Windsor e da área circundante como Shakespeare teria conhecido. Criado para Henry, príncipe de Gales (filho mais velho de James I), The Descrição da honra de Windesor é uma das duas únicas cópias e os sítios e monumentos mencionados em 'As Alegres Comadres de Windsor ", e que ainda existem hoje.

Termina.

Shakespeare na Biblioteca Real é parte de uma visita ao Castelo de Windsor, 13 fevereiro de 2016 - Janeiro de 2017.


Nenhum comentário:

Postar um comentário