Google+ Followers

sábado, 19 de dezembro de 2015

Museu do Amanhã, feito para pensar no futuro, é inaugurado no Rio de Janeiro, Brasil - video 8' --- Museum of Tomorrow, made to think about the future, is inaugurated in Rio de Janeiro, Brazil - 8 video'

Público vai poder conhecer o local a partir do sábado (19). O projeto é de um dos arquitetos mais arrojados do mundo.

Foi inaugurado nesta quinta-feira (17) no Rio de Janeiro, um museu que oferece uma visão do que pode ser o nosso futuro. O público vai poder conhecer o Museu do Amanhã a partir de sábado (19). O projeto é de um dos arquitetos mais arrojados do mundo.

Um voo para o Amanhã. O futuro pousado bem no centro do Rio de Janeiro. Não se parece com a arquitetura de nenhuma outra parte do planeta. Toneladas de concreto e aço em movimento: com a imagem acelerada, lembram seres vivos.

As abas se abrem para captar a luz do sol – dentro ela é transformada em energia para iluminar e refrigerar parte dos 15 mil metros quadrados da construção. A busca de energia sustentável, um dos muitos aspectos revolucionários no projeto do arquiteto espanhol Santiago Calatrava.

“Uma parte essencial da criação do museu foi a inclusão do movimento. A construção sugere formas da natureza viva, formas de plantas, formas de árvores. As bromélias em particular, porque são plantas específicas da região”, diz o arquiteto Santiago Calatrava.

São três andares de curvas sinuosas e espaços vazados, abertos para visão do passado do Rio. O convento de São Bento, do século 16. Do século 20, a Praça Mauá, totalmente reformada.

“Desde o princípio a intenção era que o museu fosse o mais conectado possível com a cidade. Sem o viaduto, apareceu uma praça estupenda, que é a Praça Mauá”, explica Calatrava.

Quem for ao Museu do Amanhã não vai simplesmente ver exposições. Sim, as exposições estarão lá, transmitindo beleza e informação, como em outros museus. Mas no Museu do Amanhã, a experiência do visitante irá além. A pessoa vai sentir o futuro, experimentar o futuro.

“O amanhã na verdade é agora, é hoje. É fruto de cada escolha, de cada gesto, de cada atitude que nós tomamos no nosso dia a dia”, afirmou Hugo Barreto, diretor-geral da Fundação Roberto Marinho.

Pairando sobre o átrio monumental da entrada, uma réplica da Terra em luzes de led. Construir a catedral da cultura e do futuro foi um desafio que durou cinco anos. Para estabilizar o terreno à beira do mar, foram instalados 30 mil metros de pilares.

“É muito importante reforçar isso: é a técnica a serviço da beleza, a técnica a serviço das pessoas, a técnica a serviço da cidade”, reforçou Calatrava.

No segundo andar, espaço aberto para totens, esferas, grandes cubos e mais movimento. Arte surpreendente composta por duas longas tiras de panos e vento.

“Na verdade, tudo no planeta está em constante movimento”, afirma Hugo Barreto.

Nos seis totens com 10 metros de altura, o movimento das imagens e estatísticas sobre os efeitos da ação humana.

Em cubos, imagens da Terra vista do espaço. Fotos e vídeos dos mares e das florestas no estado do Rio de Janeiro. Uma floresta de postes que registram a riqueza cultural da humanidade. E mais movimento: do surgimento da vida na Terra aos dias de hoje, num filme projetado em um domo de 360°. O visitante passeia por bilhões de anos em apenas oito minutos.

Ricardo Laganaro, diretor do filme: Foram quase dois anos de concepção de roteiro.
Jornal Nacional: Dois anos pra oito minutos?
Ricardo Laganaro: Exatamente. Pra transformar 14 bilhões de ano em oito minutos. Se para uma tela plana já é difícil fazer um roteiro, imagina pra um conteúdo imersivo. A gente não queria um fim catastrófico, a gente queria um fim esperançoso, que a pessoa parasse para pensar.

O Museu do Amanhã é uma iniciativa da Prefeitura do Rio e da Fundação Roberto Marinho, instituição ligada ao Grupo Globo, em parceria com o Banco Santander.

“O conteúdo desse museu não é só um conteúdo contemplativo. Ele te estimula a ver que as ações que você está tomando hoje é que vão ocasionar o amanhã que você vai ter”, diz Marcos Madureira, vice-presidente de Marketing do Santander.

No último ambiente, inspirado na oca dos índios, mais de mil lâmpadas mudam de cor lembrando do nascer ao pôr-do-sol. Ao centro, uma "churinga" - um objeto da cultura aborígene australiana que representa os conhecimentos passados entre gerações, como pretende o museu.

O deslumbre final: a visão da Baía de Guanabara, e uma estrela que simboliza o amanhã.

A presidente Dilma Rousseff, o governador do estado do Rio, Luiz Fernando Pezão, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, e o vice-presidente do Grupo Globo, José Roberto Marinho, foram à cerimônia oficial de inauguração do Museu do Amanhã.

A presidente, o governador e o prefeito chegaram à Praça Mauá a bordo de um VLT, Veículo Leve sobre Trilhos – uma espécie de bondinho que logo vai fazer parte do dia a dia da Zona Portuária do Rio, uma região que está passando por uma grande revitalização.

Na sexta-feira (18), o Museu será aberto para os operários que participaram da construção e também para os moradores da região. No sábado (19), a partir das 10h, o museu será aberto ao público. Será um viradão cultural: o museu vai ficar aberto direto até as 18h de domingo (20).


video 8'







fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti
Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.


Vamos compartilhar.









--in via tradutor do google

Museum of Tomorrow, made to think about the future, is inaugurated in Rio de Janeiro, Brazil - 8 video'



Audience will get to know the place from Saturday (19). The project is one of the boldest architects in the world.



8 video'




It was inaugurated on Thursday (17) in Rio de Janeiro, a museum that offers a vision of what could be our future. The audience will get to know the Museum of Tomorrow from Saturday (19). The project is one of the boldest architects in the world.

A flight for Tomorrow. The future landed right in the center of Rio de Janeiro. Does not look like the architecture of any other part of the planet. Tons of concrete and steel in motion: with accelerated image, resemble living creatures.

The flaps open to capture sunlight - indoors it is transformed into energy for lighting and cooling of the 15,000 square meters of construction. The search for sustainable energy, one of the many revolutionary aspects of the Spanish architect Santiago Calatrava's design.

"An essential part of the museum's creation was the inclusion of movement. The construction suggests ways of living nature, plant shapes, tree shapes. Bromeliads in particular because they are specific plants of the region, "says the architect Santiago Calatrava.

There are three floors of sinuous curves and hollow spaces, open to view of the past of Rio. The convent of St. Benedict, the 16th century From the 20th century, the Mauá Square, completely renovated.

"From the beginning the intention was that the museum be as connected as possible with the city. Without the overpass, appeared a wonderful square, which is the Praça Mauá, "said Calatrava.

Who is the Museum of Tomorrow will not just see exhibits. Yes, there will be exhibitions, beauty and transmitting information, as in other museums. But the Museum of Tomorrow, the visitor experience will go beyond. The person will feel the future, experience the future.

"Tomorrow is actually now is today. It is the result of each choice, each gesture, each action we take in our daily lives, "said Hugo Barreto, general director of the Roberto Marinho Foundation.

Hovering over the monumental lobby entrance, an Earth replica of LED lights. Build the cathedral of culture and the future was a challenge that lasted five years. To stabilize the land by the sea, they were installed 30,000 meters pillars.

"It's very important to stress this: is the service of beauty technique, the technique at the service of people, the technical service to the city", said Calatrava.

On the second floor, open space for totem poles, balls, large cubes and more movement. Amazing art composed of two long strips of cloth and wind.

"In fact, everything on the planet is in constant motion," said Hugo Barreto.

In the six totems with 10 meters high, the movement of the images and statistics about the effects of human action.

Diced, images of the Earth from space. Photos and videos of the seas and forests in the state of Rio de Janeiro. A forest of poles that record the cultural wealth of mankind. And more movement: the emergence of life on Earth to today, a film projected on a dome 360 ​​°. The visitor walks for billions of years in just eight minutes.

Ricardo Laganaro, director of the film: It took nearly two years of script design.
National Journal: Two years to eight minutes?
Ricardo Laganaro: Exactly. To transform 14 billion year in eight minutes. To a flat screen it is difficult to make a script, imagine for an immersive content. We did not want a catastrophic end, we wanted a hopeful end, that the person stopped to think.

The Museum of Tomorrow is an initiative of the City Hall and the Roberto Marinho Foundation, an institution linked to the Globo Group, in partnership with Banco Santander.

"The contents of this museum is not only a contemplative content. It stimulates you to see the actions you are taking today is that will cause tomorrow you'll get, "says Marcos Madureira, vice president of Santander Marketing.

Last environment, inspired by the hollow of the Indians, over a thousand lights change color reminding from sunrise to sunset, the sun. At the center, "churinga" - an object of Australian Aboriginal culture is the knowledge passed between generations, as requested by the museum.

The ultimate marvel: a view of Guanabara Bay, and a star that symbolizes tomorrow.

President Dilma Rousseff, the governor of Rio, Luiz Fernando Bigfoot, the mayor of Rio, Eduardo Paes, and the vice president of Grupo Globo, José Roberto Marinho, were the official ceremony of inauguration of the Museum of Tomorrow.

The president, the governor and the mayor came to the Praça Mauá aboard a VLT, Light Rail - a kind of cable car that will soon be part of everyday life of the Port of Rio Zone, a region that is undergoing a major revitalization.

On Friday (18), the Museum will open to the workers who participated in the construction and also for the locals. On Saturday (19), from 10 am, the museum will be open to the public. It will be a cultural viradão: the museum will stay open right up to 18h Sunday (20).

Nenhum comentário:

Postar um comentário