Google+ Followers

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

O Museu Grão Vasco, Viseu, Portugal, faz 100 anos e Umberto Eco está convidado. --- The Grand Museum Vasco, Viseu, Portugal, is 100 years old and Umberto Eco are welcome.

O escritor italiano foi convidado a estar no encontro de especialistas a obra do mais importante pintor renascentista português.


O "São Pedro" de Vasco Fernandes,
datado de 1530 (óleo sobre madeira de castanho)



Faz 100 anos este ano. A 16 de março de 1916 foi publicado no Diário do Governo o decreto que fundava o Museu Grão Vasco, em Viseu. A festa está marcada para esse mesmo dia com a abertura de uma exposição temporária sobre a criação deste lugar que devia representar a cultura da cidade e a música do Teatro Nacional de São Carlos. Mais para a frente, a instituição dedica-se a olhar o legado do pintor renascentista que lhe dá nome e em setembro reúne especialistas. Entre eles, o escritor italiano Umberto Eco.

Vasco Fernandes, estrela da casa, tem no museu viseense o seu maior acervo. "Tesouros nacionais", sublinha várias vezes o diretor, ao DN, antecipando a programação do museu para este ano. Dos 22 que recebem esta classificação, 19 são do pintor renascentista. Agostinho Ribeiro salienta as pinturas do retábulo da Sé de Viseu, a pala de S. Pedro e A Adoração dos Reis Magos. "O rei Baltazar, em vez de ser negro, é um índio brasileiro. É talvez a primeira representação de um índio sul-americano na arte europeia", nota. Terá sido produzida entre 1501 e 1506. Pouco depois do achamento do Brasil.

A "Adoração dos Magos" de Grão Vasco é
 considerado o primeiro quadro da pintura europeia
em que um indío sul-americano aparece representado






No princípio era a 1.ª República

Há uma exposição dedicada a explicar a criação do museu, com documentos e fotografias, de forma "interativa", segundo o diretor, na 1.ª República. "Com a reorganização do território, veio a ideia de colocarem em cada capital de distrito um museu que fosse o repositório do espírito cultural, artístico e empreendedor da época". Em Viseu, o primeiro diretor, Almeida Moreira, fez questão de incluir os artistas da época, o que explica a coleção de naturalistas do século XIX e início do XX. Sobre esta coleção será publicado um catálogo da autoria da professora Raquel Henriques da Silva.

Políptico da Capela-Mor da Sé de Viseu,
da autoria de Vasco Fernandes e Francisco Henriques


O Grão Vasco nasceu nas dependências da Sé de Viseu. Mudou-se para o edifício atual em 1938. Entre 2001 e 2003 foi alvo de uma intervenção arquitetónica do arquiteto Souto Moura. Há um ano tornou-se, finalmente, 

O acervo reunido pelo diretor-fundador provinha, como sucedeu por todo o país com a arte sacra, de instituições religiosas, igrejas da região e de depósitos de outros museus, da autoria de Vasco Fernandes, de seus colaboradores e contemporâneos.

Depois de Grão Vasco

Dos herdeiros artísticos do pintor (1475-1542) trata a exposição Depois de Grão Vasco a inaugurar em julho, em parceria com o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, e os seus dois especialistas em pintura antiga, o diretor -adjunto José Alberto Seabra de Carvalho e o conservador Joaquim Caetano. "Para perceber a influência do legado de Vasco Fernandes, entre o Mondego e o Douro", explica Agostinho Ribeiro.

É no âmbito desta exposição que Umberto Eco foi convidado a estar em Viseu nos dias 8, 9 e 10 de setembro, dias em que se realiza o colóquio internacional sobre Vasco Fernandes e a sua obra. Além de Seabra de Carvalho e Joaquim Caetano, a mesa reúne a historiadora Dalila Rodrigues, uma das 14 pessoas que já ocuparam o cargo de diretor, e a especialista francesa Sylvie Deswartes que, segundo o atual responsável, tem investigado as encomendas do bispo de Viseu Miguel da Silva.

Vasco Fernandes, o misterioso pintor que dá nome ao museu

"Ele está envolto numa névoa". Quem o diz é o próprio diretor do Museu Grão Vasco, chamando a atenção para o pouco que se sabe sobre a vida de Vasco Fernandes, começando pela data e local de nascimento. As biografias apontam Viseu e os anos de 1475 e 1542 e a primeira referência ao seu trabalho aparece em 1501 (tinha 26 anos) quando trabalhou com Francisco Henriques na capela-mor da Sé de Viseu. Algumas dúvidas podem ser desfeitas com a publicação, este ano, do catálogo da sua obra da autoria da historiadora de arte Dalila Rodrigues, especialista em Grão Vasco.

Em outubro, e a partir da sua coleção de obras de Columbano Bordallo Pinheiro, o Grão Vasco promove o encontro com o trabalho do irmão, Rafael Bordallo Pinheiro, em parceria com o Grupo Visabeira, mecenas do museu e proprietário das Faianças Bordallo Pinheiro, nas Caldas da Rainha.

O museu também viaja. Grão Vasco: reservas em bruto mostra obras que não estão na exposição temporária no Centro Cultural de Cascais. "Posteriormente em outros locais".






fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.




--in via tradutor do google
The Grand Museum Vasco, Viseu, Portugal, is 100 years old and Umberto Eco are welcome.

The Italian writer was invited to be on the expert meeting the work of the most important Portuguese Renaissance painter.


The "Saint Peter" by Vasco Fernandes,
dated 1530 (oil on wood Brown)

Turns 100 this year. The March 16, 1916 was published in the Government Gazette the decree that founded the Grand Museum Vasco in Viseu. The festival is scheduled for the same day with the opening of a temporary exhibition on the creation of this place that was to represent the city's culture and music of the São Carlos National Theatre. Going forward, the institution is dedicated to looking at the legacy of the Renaissance painter who gives name and brings together experts in September. Among them, the Italian writer Umberto Eco.

Vasco Fernandes, the home star, the Viseense museum has its greatest assets. "National Treasures," the director points out several times, the DN in anticipation of the museum's schedule for this year. Of the 22 who receive this classification, 19 are of the Renaissance painter. Agostinho Ribeiro highlights the altarpiece paintings of the Cathedral of Viseu, the visor of St. Peter and The Adoration of the Magi. "King Belshazzar, instead of being black, is a Brazilian Indian. It is perhaps the first representation of a South American Indian in European art," he notes. It will have been produced between 1501 and 1506. Shortly after the finding of Brazil.


The "Adoration of the Magi" grain Vasco
 considered the first frame of European painting
in which a South American Indian is represented


In the beginning was the 1st Republic

There is an exhibition devoted to explaining the creation of the museum, with documents and photographs, "interactive" way, according to the director, the 1st Republic. "With the reorganization of the territory, came the idea of ​​putting in every district capital a museum that was the repository of the cultural spirit, artistic and entrepreneurial of the time." In Viseu, the first director, Almeida Moreira, made sure to include artists of the time, which explains the collection of naturalistic nineteenth and early twentieth centuries. About this collection will be published a catalog authored by Professor Raquel Henriques da Silva.

Políptico the main chapel of the Cathedral of Viseu,
authored by Vasco Fernandes and Francisco Henriques

The Onix was born in the premises of the Cathedral of Viseu. It moved to the present building in 1938. Between 2001 and 2003 was the subject of an architectural intervention of the architect Souto Moura. A year ago has become, finally,

The collection assembled by founding director came, as it did throughout the country with the sacred art, religious institutions, churches in the area and deposits from other museums, authored by Vasco Fernandes, his collaborators and contemporaries.

After Onix

The artistic heirs of the painter (1475-1542) is the exposure After Onix opening in July in partnership with the National Museum of Ancient Art (NMAA) in Lisbon, and its two experts in ancient painting, the director - Deputy José Alberto Seabra de Carvalho and Joaquim Caetano conservative. "To understand the influence of the legacy of Vasco Fernandes, between the Mondego and Douro," says Agostinho Ribeiro.

It is within this exhibition that Umberto Eco was asked to be in Viseu on 8, 9 and 10 September, days in which takes place the international symposium on Vasco Fernandes and his work. Besides Seabra de Carvalho and Joaquim Caetano, the table meets the historian Dalila Rodrigues, one of 14 people who have held the post of director, and the French expert Sylvie Deswartes that according to the charge current, has investigated the orders of the Bishop of Viseu Miguel da Silva.

Vasco Fernandes, the mysterious painter who names the museum

"It is enveloped in a fog." So says the director of the Museum Onix, drawing attention to the little that is known about the life of Vasco Fernandes, beginning with the date and place of birth. Biographies point Viseu and the years of 1475 and 1542 and the first reference to his work appears in 1501 (was 26) when he worked with Francisco Henriques in the main chapel of the Cathedral of Viseu. Some questions can be undone with the publication this year, the catalog of his work authored by art historian Dalila Rodrigues, an expert on Onix.

In October, and from its collection of works by Columbano Bordallo Pinheiro, the Grand Vasco promotes the encounter with the work of his brother, Rafael Bordallo Pinheiro, in partnership with the Visabeira Group, the museum patron and owner of Faianças Bordallo Pinheiro, the Queen syrup.

The museum also travels. Onix: Crude reserves shows works that are not in the temporary exhibition at Centro Cultural de Cascais. "Later on in other places."

Nenhum comentário:

Postar um comentário