Google+ Followers

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Persepolis Museum, Iran, Shiraz --- Museu Persepolis, Irã: Shiraz

Once the main building of "Xerxes Harem", Persepolis Museum is one of the country's oldest structures dedicated to house a museum. 



It was restored to its original state in 1932 and opened as a museum in 1937. 

Prehistoric, Achamenian and Islamic artifacts are exhibited here, most of which were excavated on the site of Persepolis and in the ancient city of Estakhr. 

Odoric of Pordenone passed through Persepolis c.1320 on his way to China. In 1474, Giosafat Barbaro visited the ruins of Persepolis, which he incorrectly thought were of Jewish origin.[7] Antonio de Gouveia from Portugal wrote about cuneiform inscriptions following his visit in 1602. His first written report on Persia, the Jornada, was published in 1606.

Throughout the 1800s and early 1900s, a variety of amateur digging occurred at the site, in some cases on a large scale.[8] The first scientific excavations at Persepolis were carried out by Ernst Herzfeld and Erich Schmidt representing the Oriental Institute of the University of Chicago. They conducted excavations for eight seasons beginning in 1930 and included other nearby sites.

Herzfeld believed the reasons behind the construction of Persepolis were the need for a majestic atmosphere, a symbol for their empire, and to celebrate special events, especially the "Nowruz". For historical reasons, Persepolis was built where the Achaemenid Dynasty was founded, although it was not the center of the empire at that time.

Persepolitan architecture is noted for its use of wooden columns. Architects resorted to stone only when the largest cedars of Lebanon or teak trees of India did not fulfill the required sizes. Column bases and capitals were made of stone, even on wooden shafts, but the existence of wooden capitals is probable.

The buildings at Persepolis include three general groupings: military quarters, the treasury, and the reception halls and occasional houses for the King. Noted structures include the Great Stairway, the Gate of Nations (Xerxes the Great), the Apadana Palace of Darius, the Hall of a Hundred Columns, the Tripylon Hall and Tachara Palace of Darius, the Hadish Palace of Xerxes, the palace of Artaxerxes III, the Imperial Treasury, the Royal Stables, and the Chariot House.

Persepolis is near the small river Pulvar, which flows into the river Kur (derived from Persian word Cyrus / Kuroush). The site includes a 125,000 square metre terrace, partly artificially constructed and partly cut out of a mountain, with its east side leaning on Kuh-e Rahmet ("the Mountain of Mercy"). The other three sides are formed by retaining walls, which vary in height with the slope of the ground. Rising from 5–13 metres (16–43 feet) on the west side was a double stair. From there, it gently slopes to the top. To create the level terrace, depressions were filled with soil and heavy rocks, which were joined together with metal clips.

Around 519 BC, construction of a broad stairway was begun. The stairway was initially planned to be the main entrance to the terrace 20 metres (66 feet) above the ground. The dual stairway, known as the Persepolitan stairway, was built symmetrically on the western side of the Great Wall. The 111 steps measured 6.9 metres (23 feet) wide, with treads of 31 centimetres (12 inches) and rises of 10 centimetres (3.9 inches). Originally, the steps were believed to have been constructed to allow for nobles and royalty to ascend by horseback. New theories, however, suggest that the shallow risers allowed visiting dignitaries to maintain a regal appearance while ascending. The top of the stairways led to a small yard in the north-eastern side of the terrace, opposite the Gate of Nations.

Grey limestone was the main building material used in Persepolis. After natural rock had been levelled and the depressions filled in, the terrace was prepared. Major tunnels for sewage were dug underground through the rock. A large elevated water storage tank was carved at the eastern foot of the mountain. Professor Olmstead suggested the cistern was constructed at the same time that construction of the towers began.

The uneven plan of the terrace, including the foundation, acted like a castle, whose angled walls enabled its defenders to target any section of the external front. Diodorus writes that Persepolis had three walls with ramparts, which all had towers to provide a protected space for the defense personnel. The first wall was 7 metres (23 feet) tall, the second, 14 metres (46 feet) and the third wall, which covered all four sides, was 27 metres (89 feet) in height, though no presence of the wall exists in modern times.







Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.


Vamos compartilhar.








--br via tradutor do google
Museu Persepolis, Irã: Shiraz
-
Uma vez que o edifício principal de "Xerxes Harem", Persepolis Museum é uma das estruturas mais antigas do país dedicadas para abrigar um museu.

Foi restaurado ao seu estado original em 1932 e aberto como um museu em 1937.

Artefatos pré-históricos, Achamenian e islâmicos estão expostas aqui, a maioria dos quais foram escavados no local do Persepolis e na antiga cidade de Estakhr.

Odorico de Pordenone passou por Persepolis c.1320 em seu caminho para a China. Em 1474, Giosafat Barbaro visitou as ruínas de Persépolis, que ele pensou incorretamente eram de origem judaica. Antonio de Gouveia de Portugal escreveu sobre inscrições cuneiformes seguintes a sua visita em 1602. Seu primeiro relatório escrito sobre a Pérsia, a Jornada, foi publicado em 1606.

Ao longo dos anos 1800 e início de 1900, uma variedade de escavação amador ocorridos no local, em alguns casos em grande escala. As primeiras escavações científicas em Persépolis foram realizados pela Ernst Herzfeld e Erich Schmidt representante do Instituto Oriental da Universidade de Chicago. Eles realizaram escavações para oito estações que começam em 1930 e incluiu outros locais próximos.

Herzfeld acreditava que as razões por trás da construção de Persepolis foram a necessidade de um ambiente majestoso, um símbolo de seu império, e para celebrar eventos especiais, especialmente o "Nowruz". Por razões históricas, Persepolis foi construído onde a dinastia aquemênida foi fundou, ainda que não era o centro do império naquele momento.

Arquitetura Persepolitan é conhecida pelo seu uso de colunas de madeira. Arquitetos recorreu a pedra somente quando os maiores cedros do Líbano ou árvores de teca da Índia não cumpriu os tamanhos necessários. Bases das colunas e capitéis eram feitas de pedra, mesmo em eixos de madeira, mas a existência de capitais de madeira é provável.

Os edifícios em Persépolis incluem três grupos gerais: quartéis militares, o tesouro, e os salões de recepção e casas ocasionais para o rei. Estruturas notáveis ​​incluem a Grande Escadaria, o Portão de Nações (Xerxes, o Grande), o Palácio Apadana de Dario, o Salão das Cem Colunas, o Tripylon Hall e Tachara Palácio de Dario, o Palácio Hadish de Xerxes, o palácio de Artaxerxes III , o Tesouro imperial, o Royal Stables, eo Chariot House.

Persepolis está perto do pequeno rio Pulvar, que deságua no rio Kur (derivado da palavra persa Cyrus / Kuroush). O site inclui um terraço 125 mil metros quadrados, em parte artificialmente construído e parcialmente cortada de uma montanha, com o lado leste apoiado em Kuh-e Rahmet ("the Mountain of Mercy"). Os outros três lados são formados por paredes de retenção, os quais variam em altura com o declive do terreno. Levantando-se de 5-13 metros (16-43 pés) no lado oeste era uma escada dupla. De lá, ele desce suavemente para o topo. Para criar o terraço do nível, depressões foram preenchidos com solos e rochas pesadas, que foram unidas com grampos metálicos.

Por volta de 519 aC, a construção de uma ampla escadaria foi iniciado. A escada foi inicialmente planejada para ser a entrada principal para o terraço de 20 metros (66 pés) acima do solo. A escadaria dupla, conhecida como a escada Persepolitan, foi construído de forma simétrica no lado ocidental da Grande Muralha. Os 111 passos medido 6,9 metros (23 pés) de largura, com degraus de 31 centímetros (12 polegadas) e os aumentos de 10 centímetros (3,9 polegadas). Originalmente, os passos foram acreditados para ter sido construído para permitir nobres e realeza para ascender a cavalo. Novas teorias, no entanto, sugerem que os risers rasas permitido dignitários para manter uma aparência régia durante a subida. O topo das escadas conduziu a um pequeno quintal no lado norte-oriental do terraço, em frente ao Portão de Nações.

Calcário cinza foi o principal material de construção utilizado em Persépolis. Depois de rocha natural tinha sido nivelado e as depressões preenchidas, o terraço foi preparado. Grandes túneis foram escavados para esgoto subterrâneo através da rocha. Um grande tanque de armazenamento de água elevado foi esculpida no sopé leste da montanha. Professor Olmstead sugeriu a cisterna foi calculado ao mesmo tempo que a construção das torres começou.

O plano desigual do terraço, incluindo a fundação, agiu como um castelo, cujas paredes em ângulo permitiu que seus defensores para atingir qualquer parte da frente externa. Diodoro escreve que Persepolis teve três paredes com muralhas, que todos tinham torres para fornecer um espaço protegido para o pessoal de defesa. A primeira parede foi de 7 metros (23 pés) de altura, o segundo, 14 metros (46 pés) e da terceira parede, que cobriu todos os quatro lados, foi de 27 metros (89 pés) de altura, embora sem a presença da parede existe em tempos modernos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário