Google+ Followers

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

The Areni-1 winery, is a 6100-year-old winery that was discovered in 2007. --- O Areni-1 é uma vinícola de 6100 anos atrás, na Armênia.

In the Areni-1 cave complex in the village of Areni in the Vayots Dzor province of the Republic of Armenia by a team of Armenian and Irish archaeologists. 




The excavations were carried out by Boris Gasparyan of the Institute of Archaeology and Ethnography of the National Academy of Sciences of Armenia and Ron Pinhasi from University College Cork (Ireland), and were sponsored by the Gfoeller Foundation (USA) and University College Cork. In 2008 the University of California, Los Angeles (UCLA) also joined the project. Since then the excavations have been sponsored by UCLA and the National Geographic Society as well. The excavations of the winery were completed in 2010.

The winery consists of fermentation vats, a wine press, storage jars, pottery sherds, and is believed to be at least a thousand years older than the winery unearthed in the West Bank in 1963, which is the second oldest currently known.

The Areni-1 shoe was found in the same cave in 2008.

Excavations at the Areni-1 site began in 2007 and continued until September 2010, when Armenian, American and Irish archaeologists fully unearthed a large, well-preserved 2-foot (60 centimeters) deep vat, along with a 3.5-foot (one meter) long basin made of clay and covered with malvidin. In addition to these discoveries were found grape seeds, remains of pressed grapes, prunes, walnuts, and desiccated vines. A number of drinking cups, found next to a set of ancient graves, were also excavated, suggesting that the site was used for funeral ceremonies and ritualistic practices. The cave was abandoned after its roof caved in, and the organic material was preserved thanks to sheep dung, which prevented fungi from destroying the remains.

The team's full findings will be published in future.

Panorama of the Areni-1 site along the Arpa River

Analysis

The preliminary results of the Chemical analysis of the residues from the bottom of the wine-press and the storage jars were published in the Journal of Archaeological Science in January 2011.

Botanical analysis and radiocarbon tests carried out by researchers at the University of California, Irvine and Oxford University have revealed the date of the Areni-1 winery to around 4100 BC and 4000 BC or the Late Chalcolithic Period. According to Areshian, the vintners used their feet to press the wine in the clay basin, the juice of which would then drain into the vat, where it would remain to ferment until being stored in jars. The capacity of the vat has been estimated to be about 14-15 gallons.

According to Areshian, the discovery of the winery has provided greater insight to the study of horticulture. Patrick E. McGovern, a biomolecular archaeologist at the University of Pennsylvania Museum, has likewise emphasized the importance of the discovery, describing it as "important and unique, because it indicates large-scale wine production, which would imply, I think, that the grape had already been domesticated."

The exact identity of the people who lived in the region at the time is not known, although some researchers have postulated that they may have belonged to the Kura-Araxes people and added that they may have been very involved in trade.

-


fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti


Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.






--br via tradutor do google
O Areni-1 é uma vinícola de 6100 anos atrás, na Armênia.

É uma vinícola 6100-year-old que foi descoberto em 2007 no complexo de cavernas Areni-1, na aldeia de Areni na província Vayots Dzor da República da Arménia por uma equipe de arqueólogos armênios e irlandeses.

As escavações foram realizadas por Boris Gasparyan do Instituto de Arqueologia e Etnografia da Academia Nacional das Ciências da Arménia e Ron Pinhasi, do University College Cork (Irlanda), e foram patrocinados pela Fundação Gfoeller (EUA) e University College Cork. Em 2008, a Universidade da Califórnia, Los Angeles (UCLA) também se juntou ao projeto. Desde então, as escavações foram patrocinado pela UCLA e da National Geographic Society também. As escavações da vinícola foram concluídas em 2010.

A adega é composta por cubas de fermentação, uma prensa de vinho, frascos de armazenamento, cacos de cerâmica, e acredita-se ser pelo menos mil anos mais velho do que a adega desenterrado na Cisjordânia em 1963, que é a segunda mais antiga conhecida atualmente.

O Areni-1 sapato foi encontrado na mesma caverna em 2008.

As escavações no site da Areni-1 começou em 2007 e continuou até setembro de 2010, quando armênio, American e arqueólogos irlandeses revelou totalmente uma grande e bem preservada de 2 pés (60 centímetros) cuba profunda, junto com um 3.5-pé (um metro ) de comprimento bacia feita de barro e coberta com malvidina. Além dessas descobertas foram encontradas sementes de uva, restos de uvas prensadas, ameixas, nozes e vinhas dessecadas. Um número de taças, encontrado ao lado de um conjunto de sepulturas antigas, também foram escavados, sugerindo que o local era usado para cerimônias fúnebres e práticas ritualísticas. A caverna foi abandonada após o telhado cedeu, eo material orgânico foi preservado graças a esterco de ovinos, o que impediu fungos de destruir os restos.

Resultados completos da equipe será publicado no futuro.

Panorama do local do Areni-1 ao longo do rio Arpa

Análise

Os resultados preliminares da análise química dos resíduos do fundo do lagar e os frascos de armazenamento foram publicados no Journal of Archaeological Science em janeiro de 2011.

Análise e testes de radiocarbono Botânico realizados por pesquisadores da Universidade da Califórnia, Irvine e Universidade de Oxford têm revelado a data da Areni-1 adega para cerca de 4100 aC e 4000 aC ou o período Calcolítico tarde. De acordo com Areshian, os viticultores usavam seus pés para pressionar o vinho na bacia de barro, o suco de que passaria então a escorrer para o IVA, onde permaneceria para fermentar até ser armazenados em frascos. A capacidade do IVA foi estimada em cerca de 14-15 litros.

De acordo com Areshian, a descoberta da adega tem proporcionado maior percepção para o estudo da horticultura. Patrick E. McGovern, um arqueólogo biomolecular da Universidade da Pensilvânia Museu, foi igualmente enfatizada a importância da descoberta, descrevendo-o como "importante e único, porque indica a produção de vinho de grande escala, o que implicaria, penso eu, que a uva já haviam sido domesticados. "

A identidade exata das pessoas que viviam na região no momento não é conhecida, embora alguns pesquisadores têm postulado que eles podem ter pertencido ao povo Kura-Araxes e acrescentou que eles podem ter sido muito envolvido no comércio.







Nenhum comentário:

Postar um comentário