Google+ Followers

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Museum of Decorative Arts and Design, Latvia. --- Museu de Artes e design decorativo, Letónia.

Museum of Decorative Art and Design (MDAD) has been open to the public since 6 July 1989. The museum has seven collections: textile art, ceramics, metal, leather, decorative wood and glaas art as well as a design collection.





The permanent display introduces visitors to the work of Latvia’s leading artists in decorative art and design. It tells about the dominant styles and movements in the period from the end of the 19th century to the present day. Alongside the permanent display, the museum regularly offers a broad range of exhibitions. Every year there are on average five exhibitions in the museum’s Great Hall. Special thematic shows associated with the permanent display are held in the vestibules on the museum’s upper floors.



When organising exhibitions, the museum makes creative use of its own collections and those of other museums in order to develop the public’s understanding of the history, present and future of decorative applied art and design. When organising exhibitions and educational programmes, the museum collaborates with working artists, designers and partner institutions in Latvia and abroad. IN its operations the museum strives to reflect the current processes in decorative applied art, fashion and design. The museum engages in interdisciplinary experimental projects that promote creative synergies between various branches of art.

An important role of the museum is in work on lifelong learning in order to encourage public interest in decorative applied art, craftsmanship and design. The museum is actively involved in developing closer ties between creators and consumers as well stimulating the exchange of opinions among professionals. There are regular series of various lectures and dialogues as well as creative workshops for children and adults. The series of conversations “Latvia’s designers have their say” has become especially popular in recent years. In its fourth season, the series has turned into a broader programme of events under the title of “Design has its say”.

-
2nd floor display: end of the 19th century to the 1960s

Professional Latvian applied art grew out of folk art traditions and the ethnographic heritage. Professionally trained artists began to turn applied art at the end of the 19th and beginning of the 20th century. Carpets, furniture and ceramics were produced from original artists’ sketches. Inspiration was drawn from the then popular European Art Nouveau (embroidered altar carpet from a design by Janis Rozentāls, samples of wallpaper patterns drawn by Jūlijs Straume).

The proclamation of Latvia’s independence in 1918 gave rise to a surge in patriotism. In the 1920s and 30s art was dominated by the national style brilliantly revealed in the furniture suites and and textiles designed by Ansis Cīrulis and Jūlijs Madernieks. For their part young artists found inspiration in European avant-garde movements and styles such as Cubism, Constructivism and Art Deco. The painters Romans Suta and Aleksandra Beļcova and the graphic artist Sigismunds Videbergs founded the porcelain painting studio Baltars (1925-1928). The studio was awarded prizes at the 1925 International Exhibition of Decorative and Industrial Art in Paris. To this day the contribution of the Baltars studio is regarded as a unique phenomenon in the context of European art styles and is among the treasures in Latvia’s Culture Canon.

After the Second World War, Latvia’s applied art was permeated by enforced Soviet ideology but the 1960s saw daring efforts challenging the established order. The features of the new style of modernism included laconism of geometric forms, colourfulness and experiments with new materials and techniques. This could be seen furniture design, ceramics and metal art. Of note is the fact that in 1961 a Textile Art department was established at the Academy of Art. The second floor display ends with a selection of works from this period emphasising their unified modernist stylistic.

3rd floor display: 1970s to the present day

The display continues on the third floor with decorative art and design work created after 1970. The 1970s and 80s saw a creative blossoming in all branches of decorative art. This was a time of outstanding personalities when works were dominated by individual style and not the concrete characteristics of an age. Textile art and ceramics became the leading art forms in this period. Many artists received international recognition (Pēteris Martinsons, Silvija Šmidkena, Leons Lukšo, Juta Rindina, Edīte Pauls-Vīgnere, Pēteris Sidars, Zaiga Putrāma).

In order to reflect the development processes of textile art, the display accents works that make use new non-traditional materials and innovative techniques. The display also includes the other branches of decorative art with an accent on the continuity of artistic creativity from the 1970s to the present day: leather art, metal and jewellery design, decorative glass. The display is regularly supplemented with new acquisitions form recent years.

The museum’s design collection has been systematically formed since 2005 when, in line with the demands of the age, the name of the museum was also changed (formerly the Museum of Decorative Applied Art). After the renewal of the permanent display in 2012, the design collection is also regularly on show. We are the only museum in Latvia and the world that preserves and researches professional Latvian design. The design collection strategy focuses on both unique works of design and examples of industrial design. Because of limited space, the numerically modest design display accents success stories of Latvian design from recent decades revealing the designers’ innovative approach, socially responsible thinking as well as the continuity of folk craft traditions and the ethnographic heritage. This part of the display is also regularly supplemented with the latest acquisitions.


-



fonte: @edisonmariotti #edisonmariotti

Cultura e conhecimento são ingredientes essenciais para a sociedade.

A cultura é o único antídoto que existe contra a ausência de amor.

Vamos compartilhar.







--br via tradutor do google
Museu de Artes Decorativas e Desenho, Letónia
-
O Museu de Arte e Design decorativa (MDAD) foi aberto ao público desde 06 de julho de 1989. O museu tem sete colecções de arte têxtil, cerâmica, metal, couro, madeira decorativa e arte glaas, bem como uma colecção de design.

A exposição permanente apresenta aos visitantes o trabalho dos principais artistas da Letónia na arte decorativa e design. Ele fala sobre os estilos dominantes e os movimentos no período compreendido entre o final do século 19 até os dias atuais. A par da exposição permanente, o museu oferece regularmente uma ampla gama de exposições. Todos os anos há, em média, cinco exposições no museu Grande Hall. mostras temáticas especiais associados à exposição permanente são realizadas nas antessalas nos andares superiores do museu.

Ao organizar exposições, o museu faz uso criativo de suas próprias coleções e os de outros museus, a fim de desenvolver a compreensão do público sobre a história, o presente eo futuro da arte aplicada decorativas e design. Ao organizar exposições e programas educacionais, o museu colabora com artistas trabalhando, designers e instituições parceiras na Letónia e no exterior. Nas suas operações o museu se esforça para refletir os processos atuais na decoração aplicada arte, moda e design. O museu se envolve em projetos experimentais interdisciplinares que promovam sinergias criativas entre os vários ramos da arte.

Um papel importante do museu é no trabalho sobre a aprendizagem ao longo da vida, a fim de incentivar o interesse público na decorativa aplicada arte, artesanato e design. O museu está ativamente envolvida no desenvolvimento de laços mais estreitos entre criadores e consumidores, assim estimulando a troca de opiniões entre os profissionais. Há série regular de várias palestras e diálogos, bem como oficinas criativas para crianças e adultos. A série de conversas "designers da Letónia tem uma palavra a dizer" tornou-se especialmente popular nos últimos anos. Em sua quarta temporada, a série se transformou em um programa mais amplo de eventos sob o título de "O design tem uma palavra a dizer".

-
exibição 2º andar: final do século 19 até a década de 1960
arte aplicada letão profissional cresceu a partir de tradições da arte popular e do património etnográfico. artistas com formação profissional começou a virar arte aplicada no final do século 19 e início do século 20. Tapetes, móveis e cerâmica foram produzidos a partir de esboços de artistas originais. A inspiração foi tirada do então popular Europeia Nouveau Arte (tapete altar bordados a partir de um projeto por Janis Rozentāls, amostras de padrões de papel de parede desenhados por Jūlijs Straume).

A proclamação da independência da Letónia em 1918 deu origem a uma onda de patriotismo. Na década de 1920 e 30s arte foi dominado pelo estilo nacional brilhantemente revelado nas suites mobiliário e têxteis e projetados por Ansis Cirulis e Jūlijs Madernieks. Por seu lado jovens artistas encontrou inspiração em movimentos europeus de vanguarda e estilos como o cubismo, construtivismo e Art Deco. Os pintores romanos Suta e Aleksandra Beļcova eo artista gráfico Sigismunds Videbergs fundou o estúdio de pintura de porcelana Baltars (1925-1928). O estúdio foi premiado em 1925 Exposição Internacional de decorativa e industrial arte em Paris. Para este dia a contribuição do estúdio Baltars é considerado como um fenómeno único no contexto dos estilos de arte da Europa e está entre os tesouros culturais da Letónia Canon.

Após a Segunda Guerra Mundial, arte aplicada da Letónia foi permeado pela ideologia soviética respeitados, mas a década de 1960 viu esforços ousadas que desafiam a ordem estabelecida. As características do novo estilo do modernismo incluídos laconism de formas geométricas, coloridas e as experiências com novos materiais e técnicas. Isso pode ser visto design de mobiliário, cerâmica e arte metal. Digno de nota é o fato de que em 1961 um departamento de Arte Têxtil foi fundada na Academia de Arte. A segunda exposição de assoalho termina com uma selecção de obras deste período enfatizando sua estilística modernista unificada.

visor do 3º andar: 1970 até os dias atuais
O indicador continua no terceiro andar com a arte decorativa e trabalho de design criado após 1970. A década de 1970 e 80 viu um florescimento criativo em todos os ramos da arte decorativa. Esta foi uma época de personalidades de destaque quando as obras foram dominados pela estilo individual e não as características concretas de uma era. arte têxtil e cerâmica tornou-se as formas de arte líderes neste período. Muitos artistas recebido reconhecimento internacional (Pēteris Martinsons, Silvija Šmidkena, Leons Lukšo, Juta Rindina, Edite Pauls-Vīgnere, Pēteris Sidars, Zaiga Putrāma).

A fim de reflectir os processos de desenvolvimento de arte têxtil, o visor acentos obras que fazem uso de novos materiais não tradicionais e técnicas inovadoras. A exibição inclui também os outros ramos da arte decorativa, com um acento sobre a continuidade da criação artística da década de 1970 até os dias atuais: arte couro, metal e jóias design, vidro decorativo. O visor é regularmente complementada com novas aquisições formar últimos anos.

Coleção do projeto do museu foi formada sistematicamente desde 2005, quando, em linha com as exigências da idade, o nome do museu também foi alterada (anteriormente o Museu de Arte Decorativa Aplicada). Após a renovação da exposição permanente em 2012, a coleção de design também é regularmente sobre show. Nós somos o único museu na Letónia e ao mundo que preserva e pesquisas projeto letão profissional. A estratégia de coleta de desenho se foca em ambas as obras única de design e exemplos de design industrial. Devido ao espaço limitado, os numericamente modestos de exposição O design acentos histórias de sucesso de projeto letão de décadas recentes revelam abordagem inovadora dos designers, socialmente pensamento responsável, bem como a continuidade das tradições artesanais folk e do património etnográfico. Esta parte do display também é completada regularmente com as últimas aquisições.

Nenhum comentário:

Postar um comentário